segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

MUSEOS Y RELACIONES PÚBLICAS. - · en GESTIÓN, INSTITUCIONES,MUSEO, OPINIÓN. ·

En los museos lo verdaderamente importante son las personas: las personas que trabajan en el museo, las personas que apoyan financieramente al museo y lo gestionan económicamente y, por supuesto, los visitantes del museo. Los directores y/o administradores del museo, así como los curadores, conservadores y eruditos, rara vez entran en contacto con los visitantes del museo. Los que sí lo hacen son los guías, las personas de atención al visitante, cuidadores y personal de ventas. Por esta razón es de gran valor que todas las personas que trabajan en el museo conozcan perfectamente su misión y que todas las labores se desenvuelvan en una atmósfera positiva, ya que todo acaba trascendiendo al público.


Shelter House Foundation

Es más que recomendable que los museos realicen al menos una vez al año un análisis o investigación sobre su “estado anímico” y los resultados de estos estudios deberían tenerse muy en cuenta, todos y cada uno de los días del año, para mejorar y cambiar aquello que necesite transformarse a mejor. Cosas como que el museo debe abrir a la misma hora siempre los servicios (lavabos, cafeterías, guardarropa, tiendas, así como las salas) debiendo estar todo limpio y listos para los visitantes, siempre manteniendo su supervisión durante todo el día. Habría mucho que copiar de los grandes almacenes en lo relacionado con este tipo de actuaciones, ya que lo hacen de manera impecable. Tampoco se trata de que los museos adopten la filosofía de “el cliente siempre tiene la razón”, pero sí que el personal desarrolle una actitud positiva, de servicio de ayuda y siempre amigable hacia el visitante.


ABTO Beach

La firmeza y el control de la situación son fundamentales a la hora de tratar con los visitantes dentro del museo. Teniendo esto en cuenta, es importante que el personal de menor responsabilidad profesional dentro del museo, al enfrentarse a alguna queja o reclamación por parte del visitante, sea capaz de poner en conocimiento estos comentarios “hacia arriba”, ya sea de forma inmediata, o tomando nota de los detalles, asegurando una respuesta vía telefónica o correo electrónico por parte de un superior. Argumentar que la culpa no es suya, que él/ella no puede hacer nada, provocará un daño irremediable al museo.


Hamlet

La ayuda al visitante dentro de un clima positivo y de colaboración solo puede hacerse posible a partir de una formación sistemática y constante. Es importantísimo que el personal que vaya a entrar en contacto con el público reciba formación sobre atención al visitante, como lo es también que los conservadores reciban formación en cuanto a la conservación de documentos, algo obvio que no lo resulta tanto como lo es en realidad.


National Advocate for People with Disabilities

Vemos con demasiada frecuencia museos en cuyas fachadas, alguna realmente soberbia, cuelgan carteles sobre exposiciones temporales sin mencionar horarios, contenido de la exposición, etcétera. Si a esto añadimos que el museo no esté preparado para que las personas con dificultades físicas puedan acceder sin problemas, o bien que cuando entramos dentro de un edificio mal iluminado, nos encontramos con un ejército de vigilantes uniformados como si fueran a la guerra y una variada colección de carteles de prohibición, así la institución no conseguirá empatía alguna con el visitante. Los visitantes entrarán en el museo desarrollando todo tipo de intranquilidades, a la defensiva, y eso no es tampoco bueno para el museo.


PAH

Por todo y esto y más, hacer una simple investigación sobre la experiencia de los visitantes en el museo, podría elevar el nivel de calidad de servicio hasta un nivel excepcional para sus instalaciones y de su saber tratar al público. Debe haber voluntad de desarrollar estrategias de marketing.


Autism Forum Switzerland

Sea cual sea el tamaño del museo, se debe considerar profundamente el mensaje que transmite desde el interior al exterior. Nunca se deben usar carteles negativos y/o amenazantes; siempre es mejor decir “gracias por no fumar” que “prohibido fumar”. Es necesario aceptar perros guía dentro del museo, y si no se pueden tocar los objetos expuestos, se debe distribuir la colección, de manera que no se necesite usar carteles disuasorios tipo “NO TOCAR”; se pueden colocar los objetos haciendo imposible el acceso a ellos. Si el museo es potencialmente muy visitado, no se debe limitar el número de visitantes. Hay que diseñar sistemas eficaces para el control del nivel de afluencia de personas, evitando aglomeraciones. Si el museo no adopta estrategias de marketing positivo hacia sus visitantes, es muy posible que se produzca una caída progresiva de público en el museo siendo algo muy difícil de parar.

People against racism





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Espacio Visual Europa (EVE)

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.



Museu relembra a trajetória e a vida da dupla Tonico e Tinoco, Eles marcaram a música sertaneja e têm milhares de admiradores

Tonico e Tinoco fizeram história e levaram a música caipira para todo o Brasil e até hoje inspiram novas gerações de cantores sertanejos. A dupla dá nome a uma praça na cidade de São Manuel ( São Paulo )  e a um museu em Pratânia ( São Paulo ) .

Acervo foi doado por familiares e amigos. que ajuda a contar a trajetória dos cantores 
(Foto: Reprodução/TV TEM)

São Manuel ( São Paulo ) é a terra natal de Tonico e foi lá que eles cantaram pela primeira vez em uma rádio, na década de 40. Já Tinoco nasceu em uma fazenda em Botucatu ( São Paulo ), mas a área pertence atualmente ao município de Pratânia.

O acervo foi doado por familiares e amigos e ajuda a contar a trajetória dos cantores. Até a casa onde Tinoco nasceu foi desmontada e reconstruída no museu. No local, é possível ter acesso a muitas curiosidades, como fotos, figurinos de show e até o primeiro celular que eles compraram.

O museu fica na Rua Capitão João Batista, bem no centro de Pratânia, município brasileiro do estado de São Paulo, Brasil. Ele fica aberto ao público de segunda a domingo das 8h às 17h. A entrada é gratuita.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--in via tradutor do google
Museum recalls the history and life of the double Tonico and Tinoco, they marked the country music and have thousands of admirers

Tonico and Tinoco made history and led to country music all over Brazil and still inspire new generations of singers hinterland. The pair names a square in the city of San Manuel (Sao Paulo) and a museum in Pratânia (São Paulo).


Collection was donated by family and friends. that helps tell the history of the singers
(Photo: Playback / TEM TV)

San Manuel (São Paulo) is the birthplace of Tonic and it was there that they sang for the first time in a radio in the 40s already Tinoco was born on a farm in Botucatu (São Paulo), but the area now belongs to the municipality of Pratânia.

The collection was donated by family and friends and helps tell the history of singers. To the house where was born Tinoco was dismantled and rebuilt in the museum. On site, you can have access to many curiosities, such as photos, concert costumes and even the first phone they bought.


The museum is located in Captain John the Baptist Street, in the center of Pratânia, municipality in the state of São Paulo, Brazil. It is open to the public from Monday to Sunday from 8h to 17h. Admission is free.

Sport Club Corinthians Paulista, inaugura Museu do Povo na Arena. --- Sport Club Corinthians Paulista, inaugurated People's Museum in the Arena.

Localizado no Prédio Oeste da Arena Corinthians, o museu contará com exposições temporárias com objetos históricos do Timão. O acervo será construído pelos próprios torcedores, que cederão seus pertences por tempo limitado.


“O Museu do Povo está abrindo nosso calendário de ativações e entretenimento. Nosso objetivo é trazer cada vez mais atrações que proporcionem uma melhor experiência na Arena Corinthians, seja em dia ou não de jogo. Não poderia ser melhor começando com um projeto que a própria torcida é a grande protagonista”, declarou Bernardo Pontes, Gerente Geral Comercial e Marketing da Arena Corinthians.

Além dos objetos dos torcedores, o Museu também contará com troféus, fotos e jornais históricos trazidos do Memorial Corinthians, localizado no Parque São Jorge.

“Estamos trazendo para dentro da Arena Corinthians um importante espaço pra preservação da História do Corinthians e tendo o apoio e participação da nossa torcida, o que é sensacional", comentou o diretor de Cultura e Responsabilidade Social, Donato Votta.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.



--in via tradutor do google
Sport Club Corinthians Paulista, inaugurated People's Museum in the Arena.

Located in Building West Arena Corinthians, the museum will feature temporary exhibitions of historical objects Timon. The collection will be built by the own fans, who will assign your belongings for a limited time.

"The People's Museum is opening our calendar activations and entertainment. Our goal is to bring more and more attractions that provide a better experience in the Arena Corinthians, either on time or not play. Could not be better starting with a project that the home crowd is a major player, "said Bernardo Pontes, General Manager Sales and Marketing of Arena Corinthians.

In addition to the objects of the fans, the Museum will also feature trophies, photos and historical newspapers brought the Corinthians Memorial, located in the Parque São Jorge.

"We are bringing into the Arena Corinthians an important space to preserve the history of Corinthians and with the support and participation of our fans, which is sensational," said the Director of Culture and Social Responsibility, Donato Votta.

Anne Pasternak, Directora do Brooklyn Museum (Foto de Erin Baiano para o New York Times)

Pavões, avestruzes e a terceira via

Anne Pasternak, Directora do Brooklyn Museum (Foto de Erin Baiano para o New York Times)

Há umas semanas, li uma notícia sobre seis curadores do Canadian Museum of History que manifestaram preocupações éticas em relação à compra de objectos recuperados do naufrágio do Empress of Ireland. Estas preocupações incluíam a maneira como tinham sido recolhidos os objectos e o facto do museu ter pago para adquirir artefactos de um sítio arqueológico. Não só as suas objecções foram descartadas, como o museu contratou um advogado e ameaçou-os com uma acção legal, caso partilhassem as suas preocupações com outras pessoas. De acordo com o Presidente e CEO do Museu, Mark O'Neill, "É normal haver discussões internas como esta, e, francamente, torná-las públicas não é." (ler mais). Esta afirmação fez-me pensar quais seriam os temas ‘apropriados’ para serem discutidos em público e porque é que as condições de aquisição de objectos para as colecções do museu não seria um deles.

No mesmo dia que li a notícia sobre o Canadian Museum of History, li também outra, relativa ao Louvre e aos planos para o restauro da obra de Leonardo da Vinci “São João Baptista”. O museu tinha enfrentado fortes críticas no passado em relação à limpeza de “A Virgem e o Menino com Santa Ana” do mesmo pintor. Assim, desta vez, optou pela transparência total, reconhecendo que este é um assunto delicado e que deve ser discutido abertamente (ler mais).

As instituições culturais não estão muito habituadas a discutir publicamente as suas políticas, planos e decisões. Talvez porque muitas delas funcionam dentro de um círculo fechado de colegas, amigos ehabitués, entre os quais parece haver um "entendimento" e, por isso, nada precisa de ser explicado. Algumas organizações evitam responder, sequer, a perguntas que lhes são colocadas directamente, através de artigos em jornais, blogs, e-mails ou comentários nas redes sociais. É como se o incómodo fosse desaparecer se se mantiverem calados (e, temos que o admitir, na maioria das vezes é isto que acontece...). Outras organizações, seja porque percebem que não podem evitar o escrutínio público ou porque valorizam honestamente a transparência e aaccountability*, não esperam para ser questionadas, mas tomam a iniciativa de abrir o debate.

Os sinais de transparência e responsabilidade, do desejo de estabelecer uma relação aberta e honesta com a sociedade, podem ser pequenos, mas muito significativos. Pode ser algo tão simples como Miguel Lobo Antunes, Director da Culturgest em Lisboa, passar a assinar o editorial da brochura trimestral; ou Risto Nieminen, o Director do Serviço de Música da Fundação Gulbenkian apresentar o programa das temporadas não apenas à comunicação social, mas também a qualquer pessoa interessada em saber, num evento especial aberto ao público (e geralmente esgotado).

Mas a transparência e a accountabilty podem ir ainda mais longe e chegar às decisões de gestão, planeamento e programação. Atravessando o Atlântico, um bom exemplo é o de Thomas P. Campbell, Director do Metropolitan Museum, que usou todos os canais do museu (newsletter, website, redes sociais) para responder às críticas sobre o aumento do valor sugerido de entrada (ler mais). Nesse mesmo bairro do Met, o director do MoMA Glenn Lowry não se escondeu perante as críticas à exposição de Björk. Sem deixar de defender as exposições relacionadas com a cultura pop, assim como a política geral do museu, admitiu que esta exposição específica tinha sido fraca e que o museu teria que aprender a fazer melhor este tipo de exposições (ler a sua entrevista ao jornal The Art Newspaper).

Do outro lado da ponte, no Brooklyn Museum, a recentemente nomeada Directora, Anne Pasternak, fez uma consulta aberta com o público sobre o passado, presente e futuro do Museu e, de seguida, voltou publicamente ao contacto das pessoas que enviaram pensamentos e sugestões, para partilhar com todos os principais temas que tinham surgido nessa consulta e perguntando, mais uma vez, se se tinha esquecido de algo... (ler mais) . Mais a oeste, em 2012, Nina Simon partilhou uma bonita e honesta reflexão sobre o seu primeiro ano como Directora do Santa Cruz Museum of Art And History, a única do género que eu conheço (ler aqui). Precisamos de mais.

No sul europeu, temos a tendênca de pensar que este tipo de abertura tem um "toque" do norte, que não faz parte da nossa cultura, que nós não saberíamos como lidar com ela. É, certamente, mais confortável não lidar com ela.

Lembro o quão confusa e chateada fiquei quando o ex-Ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro, foi questionado sobre os custos da exposição "Encompassing the Globe", no Museu Nacional de Arte Antiga. A exposição tinha sido apresentada como uma enorme oportunidade e um projecto que iria atrair patrocínios sigificativos. Não foi e não conseguiu: aquando da visita, não foi claro qual era a relevância da exposição, e, assim, a oportunidade; e não conseguiu atrair os patrocínios esperados, aumentando os custos para o Estado Português, para o contribuinte. Quando o Ministro que apoiou o projecto foi questionado, recusou-se a comentar. Confortável, de facto (ler mais).

Mais recentemente, fiquei igualmente perplexa com o facto da Direcção-Geral do Património Cultural não responder às preocupações dos profissionais em relação à instalação da exposição de Joana Vasconcelos no Palácio da Ajuda, em Lisboa, e sobre os detalhes da parceria com a agência Eveything is New. Quando a parceria se mudou para o Museu Nacional de Arte Antiga, o Director-Geral apresentou-a como um "modelo de sucesso" (ler mais), embora não tenha explicado o porquê. Quando esta parceria e a que se seguiu não tiveram continuidade, ao mesmo tempo que a imprensa revelava dados sobre a queda no número de visitantes do museu (ler aqui), mais uma vez, ninguém quis discutir de que forma é definido e avaliado o "sucesso".

Ou temos fogo de artifício ou silêncio total. Ou temos pavões ou avestruzes. Aparentes 'sucessos' são uma questão pública; perguntas e objecções devem ser mantidas dentro de portas ou não devem ser discutidas. Thomas P. Campbell, Anne Pasternak, Nina Simon - três directores de museu – mostram-nos uma possível terceira via. Uma que lida tanto com as boas como com as más notícias, com honestidade e com sentido de missão e responsabilidade. Todos eles parecem estar a sair-se muito bem e os seus museus também. Será uma questão cultural? Será "muito americano"?

* Accountability significa que quem desempenha funções de importância na sociedade deve regularmente explicar o que anda a fazer, como faz, por que faz, quanto gasta e o que vai fazer a seguir. Não se trata, portanto, apenas de prestar contas em termos quantitativos, mas de auto-avaliar a obra feita, de dar a conhecer o que se conseguiu e de justificar aquilo em que se falhou.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://musingonculture-pt.blogspot.com.br/2016/01/pavoes-avestruzes-e-terceira-via.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+blogspot/ZoenW+(MUSING+ON+CULTURE)

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.