segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Museu de Arte Sacra, no Mosteiro de São Bento, em Santos, São Paulo, Brasil, reúne relíquias de muitos séculos.

No local está a primeira imagem sacra feita no Brasil, a de Nossa Senhora da Conceição.

Prédio do atual museu foi o Mosteiro de São Bento;
salão principal já foi o refeitório dos monges


Está em Santos a primeira imagem sacra feita no Brasil, a de Nossa Senhora da Conceição. A escultura em barro, de 1540, pode ser vista ao lado de outras relíquias no Museu de Arte Sacra de Santos (Mass). O salão principal, onde estão essas obras, foi usado como refeitório dos monges até 1958, porque ali funcionou o extinto Mosteiro de São Bento. 

Quando o antigo bispo de Santos, dom David Picão (1923–2009), fundou o Mass, em 1981, ele recolheu peças que estavam em diversas igrejas da Baixada Santista para compor o acervo. 

Imagem de Nossa Senhora da Conceição 

data de 1540 e pode ser vista ao lado de outras relíquias

A imagem de Nossa Senhora da Conceição estava em São Vicente. Outras foram doadas ao longo dos anos, somando hoje mais de 600 itens – esculturas, quadros, crucifixos, roupas e objetos.

Três imagens de madeira (duas de Jesus e uma de Maria), em tamanho real, chamam a atenção pela forma realista com que foram esculpidas. 

Já entre os crucifixos, destacam-se os que possuem marfim em sua composição. No museu, também estão a cadeira que foi usada pelo bispo fundador e uma variedade de quadros, oratórios e missais (livros de leitura usados pelos sacerdotes nas missas) em latim, anteriores à década de 60.

“A História do museu está entrelaçada com a de Santos, é uma das construções mais antigas da Cidade. E também não se pode separar a História do Brasil da religião”, afirma o monitor do museu, Bruno dos Santos Rodrigues. 

Ele lamenta que o Mass não faça parte do roteiro turístico da Cidade. “Isso dificulta o acesso das pessoas. Também há quem tenha receio por causa do morro, mas nunca aconteceu nada aqui, as pessoas podem visitar tranquilamente”, diz o monitor.

Detalhes
A construção branca, semelhante à de uma fortaleza, fica na Rua Santa Joana D’Arc, 795. O acesso é feito pela Avenida Getúlio Vargas, atrás da Rodoviária de Santos, onde há uma escadaria para se chegar ao museu, que fica no sopé do Morro São Bento.

O prédio foi erguido no século 16. Foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1948 e já funcionou como um internato para refugiados russos entre 1958 e 1968, antes de receber a coleção de esculturas e pinturas sacras.

Junto ao museu está a capela de Nossa Senhora do Desterro, mais antiga do que o museu e com altar de bela arquitetura. Alguns materiais não são originais, porque foram modificados erroneamente ao longo dos anos – mas isso não tira a beleza do local. Algumas peças, por exemplo, foram pintadas de prata, de forma equivocada. Também são encontradas lápides de antigos freis, que foram enterrados no local.

Serviço
A entrada para o Mass custa R$ 5,00. O turista que apresentar o voucher do Bonde Turístico ou da linha de ônibus Conheça Santos paga R$ 2,50. O Museu funciona de terça a domingo, das 10 às 17 horas (Rua Santa Cecília, 795, Morro São Bento). Tel.: 3219-1111.

Nirley SenaImagens esculpidas de Jesus e 

Maria em tamanho natural chamam atenção pelo realismo dos traços






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

AGENDAS MUNDI LXIII – MUSEOS EN ERITREA - · en CULTURA, VIAJES, MUSEO,PATRIMONIO, RELATO. ·

Como si estuviera encerrado en una cápsula del tiempo, completamente alejado de la industria turística, el país ofrece otro de los retos para los viajeros y aventureros en el continente africano, que buscan llegar a donde nadie antes ha llegado. Al margen de un paisaje político y económico devastador que influye absolutamente sobre los planes de viaje (solo para abandonar la capital hay que pedir un permiso como si fuera una visa), es uno de los destinos más inspiradores del cuerno de África, con una mezcla de abisinios, árabes e incluso influencias mediterráneas. 

La zona del sur combina la quintaesencia de lo paisajes abisinios – cañones, picos y riscos – con na buena colección de sitios arqueológicos, algunos de ellos, como os contaremos, son Patrimonio de la Humanidad. Si nos vamos hacia el norte, la ciudad mercado de Keren ofrece una fascinante muestra de la cultura étnica del país. En las costas del Mar Rojo, Massawa, una villa de Zanzibar sumergida en la influencia islámica y punto de comienzo de los viajes hacia las islas de Dahlak, un archipiélago bendecido por playas vacías y acantilados de vértigo.

Boda en Eritrea, Silverbox



Museo Nacional de Eritrea (sin website) | Asmara


El Museo nacional de Eritrea es un museo en Asmara que fue inaugurado en 1992 por Woldeab Woldemariam. El museo se encontraba originalmente en el palacio del ex gobernador hasta su traslado en 1997. Desde entonces, ha sido trasladado a la antigua Escuela para mujeres Hermanas Comboni. La función del Museo Nacional de Eritrea es promover la historia de Eritrea y exhibirla al pueblo. Además, desarrolla su función investigadora en nuevos sitios arqueológicos explorando la historia de Eritrea. En 1996, se nominaba a algunos de estos cinco sitios arqueológicos que están considerados por la UNESCO como Patrimonio de la Humanidad: Adulis, Dahlak Kebir, Matara, Nakfa, Qohaito.

Museo del Norte del Mar Rojo (sin website) | Adulis


Este museo es el punto de comienzo para aquellos que estén interesados en profundizar en la vieja ciudad de Adulis y sus importantes sitios arqueológicos. Las civilizaciones que emergieron en las islas de Dahlak sobre el siglo IX son pueblos surgidos a partir de los asentamientos de Adulis, y esta es la historia que el museo muestra al visitante. Todas las civilizaciones de las islas están representadas en este museo. El museo expone antiquísimas tablas con inscripciones árabes del periodo entre el siglo VIII y el XII también provenientes de las islas Dahlak, presentando al visitante la progresiva evolución de las civilizaciones que sugirieron en esta zona hace diez siglos.

Museo del Sur del Mar Rojo (sin website) | Massawa


El museo se encuentra en un complejo de edificios de la ciudad de Massawa, exponiendo la historia de Eritrea dividida en cinco secciones: la primera está relacionada con los pájaros autóctonos del país y la vida marina. La segunda sección está dedicada a la evolución del hombre. La tercera sección está dedicada a una exposición sobre la zona arqueológica de Adulis y las islas Dhalak. La sección cuarta del museo expone la diversidad de etnias de Eritrea, y la última sección, la cinco, está dedicada a la guerra de la independencia (1961-1991).

Museo Arqueológico de Sembel (sin website) | Sembel


Este lugar está muy cerca de la ciudad de Asmara. En realidad podría considerarse un suburbio del sur de la capital. Este lugar surgió a partir de las obras que se realizaron para la construcción del hotel Intercontinental, en dónde aparecieron asentamientos de la civilización aksumita. Este pueblo era fundamentalmente agricultor y ganadero, y os artefactos relacionados con estas labores que han aparecido y se exponen en este museo ruinoso datan de los años 800 al 400 antes de Cristo. Además, la cultura Ona también dejó su huella en esta zona por ser lugar de comercio de los navegantes fluviales egipcios.






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.

The Malware Museum --- Malware Museum mostra coleção épica de vírus da velha guarda.


The Malware Museum is a collection of malware programs, usually viruses, that were distributed in the 1980s and 1990s on home computers. 

Once they infected a system, they would sometimes show animation or messages that you had been infected. 

Through the use of emulations, and additionally removing any destructive routines within the viruses, this collection allows you to experience virus infection of decades ago with safety. 


The History and the Evolution of Computer Viruses
by Mikko Hypponen

Presented at DEF CON 19 in Las Vegas, Nevada in 2011.

"It's 2011, so this year it's going to be 25 years since Brain.A, the first PC virus, Join Mikko Hypponen as he talks about the history and evolution of computer viruses.

From Brain to Stuxnet, he's spent his career tracking malware and will give a pretty good rundown on what has happened, when and why it mattered. Mikko Hypponen is based in Helsinki, Finland.

He has been analysing computer viruses for more than 20 years. He has written on his research for magazines such as Scientific American. Apart from computer security issues, Mr. Hypponen enjoys collecting and restoring classic arcade video games and pinball machines from past decades."




Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.




--br 
Malware Museum mostra coleção épica de vírus da velha guarda.

Ameaças virtuais miravam apenas a destruição do computador e não o roubo de dados como hoje. Relembre alguns.

Os vírus do MS-DOS eram muito mais frios do que os de hoje. Depois que infectavam o PC, eles mostravam animações, reproduziam músicas e muito mais. Se você não lembra deles, pode refrescar a memória no Malware Museum.

O Malware Museum mostra uma coleção de ameaças móveis distribuídas entre 1980 e 1990 em computadores domésticos, que infectavam o sistema e mostravam mensagens animadas. Muitos desses vírus da velha guarda foram extremamente devastadores, alguns deles reproduziam músicas e lentamente destruíam todo o computador.

Hoje, esses tipos de malware já não existem mais. Mas é interessante notar como os vírus do passado foram criados e o que eles realmente faziam nos computadores em vez de mirar o roubo de dados.

Naquela época não havia nenhuma proteção antivírus e quando o usuário identificava um malware na máquina o efeito era devastador, forçando a reinstalação do MS-DOS a partir do zero.

Agora, os vírus têm chegaram claramente a um nível mais perigoso, mas eles estão longe de ser tão legais como antes, não é mesmo?

Museum Kunstpalast, a short history of the cultural education department. --- Museum Kunstpalast, uUma breve história do departamento de educação cultural

The opening of museums for all groups of society was an important cultural policy matter in the 1960s. The first departments and centres for public relations work were established in West German museums at that time. Their prime objective was to “advertise through support to groups” and thereby get more people to visit the museums.






Therefore in the autumn of 1966 an “art education programme for secondary school classes” and teacher courses were initiated in collaboration with the schools authority at the Art Museum in Düsseldorf, the predecessor institution to the Kunstpalast Museum. Entire years of schoolchildren and complete teaching staff visited the art museum over the following months, and just two years later around 7600 schoolchildren took part in the programme.




This led to an education assistant being employed in 1970, with a second position for a museum teacher being created only three years later.


As early as January 1970 creative courses for children took place for the first time in the former rooms of the Hetjens Museum, the so-called “Malhaus” or “painting house” as an addition to the school programmes. Principally as a result of the considerable demand for painting courses, the museum teachers ultimately received their own budget for their work.


In 1975 12,859 children entered the art museum, most during school visits. Services for schoolchildren of all ages and from all types of schools remain a focal area of the department’s work to this day.


Another tradition continues to impact on the present day: during experimentation with exhibitions for children at various places in the 70s when the first children’s museums were founded, the Malhaus likewise ran the first exhibitions that children could participate in. The beginning in 1977 was taken from the Historical Museum in Frankfurt: “Struwelpeter garstig, macht die Kinder artig?“ (nasty shock-headed Peter makes children well-behaved?). Its own projects followed just one year later.






The art museum in Düsseldorf had to close in June 1979 due to disrepair, and the Malhaus was also demolished. The museum teachers had temporary quarters in the Orangeriestraße (Altstadt) while building work was taking place. But its final location was on the ground floor of the museum building. In September 1984, even before the museum collections reopened, the “Museum für junge Besucher” (museum for young visitors) opened its doors to the first children. In addition to an exhibition and action area, it also had two adjoining rooms for courses and seminars.


As it had done in the past, in subsequent years the educational department of the art museum defined itself chiefly through its services for schools and children. The “Arbeitskreis Kunstmuseum” (art museum working group) was established in 1983 to improve support to adult visitors. Its purpose was to support the educational and public relations work of the art museum. Modelled on the Kölner Kreis of voluntary staff that had existed since the end of the 70s, it took over numerous public guided tours among other things, thereby relieving the educational department financially and in terms of staffing. 




Only in 2001, with the transfer of operations of the Kunstmuseum Düsseldorf to the Kunstpalast Museum foundation and the realignment of the education department which since then has been called “Cultural Education”, were other main areas added. In addition to services for children and schools, there is now a broad range of programmes and materials for adults, including various events for young adults such as the activities of the Kunstfans and the Junge Nacht events. Finally the educational rooms have also been adapted to suit the changed requirements, and were gutted and extended in 2006/07. The new “Museum studio” is now used equally by children, young people and adults.







Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


--br via tradutor do google

Uma breve história do departamento de educação cultural

A abertura de museus para todos os grupos da sociedade foi uma importante questão política cultural na década de 1960. Os primeiros departamentos e centros de trabalho de relações públicas foram estabelecidas em museus da Alemanha Ocidental na época. O seu objectivo principal era o de "anunciar através de apoio a grupos" e, assim, conseguir mais pessoas para visitar os museus.

Portanto, no Outono de 1966 um "programa de arte-educação para as classes do ensino secundário" e cursos de professores foram iniciadas em colaboração com a autoridade escolas no Museu de Arte de Düsseldorf, a instituição antecessora do Museu Kunstpalast. Anos inteiros de alunos e docentes completa visitou o museu de arte ao longo dos meses seguintes, e apenas dois anos mais tarde em torno de 7600 estudantes participaram no programa.


Isto levou a um assistente de ensino que está sendo empregada em 1970, com uma segunda posição para um professor museu que está sendo criado apenas três anos mais tarde.

Já em janeiro de 1970 cursos criativos para as crianças teve lugar, pela primeira vez nas antigas salas do Museu Hetjens, o chamado "Malhaus" ou "pintura de casa" como um complemento para os programas escolares. Principalmente como resultado da procura considerável de cursos de pintura, os professores museu em última análise, receberam o seu próprio orçamento para o seu trabalho.

Em 1975, 12.859 crianças entraram no museu de arte, a maioria durante as visitas escolares. Serviços para estudantes de todas as idades e de todos os tipos de escolas continuam a ser uma área focal do trabalho do departamento para este dia.

Outra tradição continua a ter impacto sobre os dias de hoje:., Durante a experimentação de exposições para crianças em vários lugares na década de 70, quando os museus das primeiras crianças foram fundadas, o Malhaus igualmente correu as primeiras exposições que as crianças pudessem participar do início, em 1977, foi tomada a partir o Museu histórico em Frankfurt: "Struwelpeter garstig, macht die artig Kinder" (desagradável Peter dirigiu-choque torna as crianças bem-comportado?). Seus próprios projetos seguido apenas um ano mais tarde.


O museu de arte em Düsseldorf teve que fechar em junho de 1979 devido ao mau estado, eo Malhaus também foi demolida. Os professores museu teve alojamentos temporários na Orangeriestraße (Altstadt) enquanto o trabalho construção estava ocorrendo. Mas a sua localização final foi no piso térreo do edifício do museu. Em Setembro de 1984, antes mesmo de as colecções do museu reabriu, o "Museum für junge Besucher" (museu para jovens visitantes) abriu suas portas para os primeiros filhos. Além de uma área de exposição e ação, ele também tinha dois quartos conjugados para cursos e seminários.

Como havia feito no passado, nos anos seguintes, o departamento de educação do museu de arte em si definido principalmente através dos seus serviços para escolas e crianças. O "Arbeitskreis Kunstmuseum" (grupo de trabalho museu de arte) foi criado em 1983 para melhorar o suporte para os visitantes adultos. Sua finalidade era apoiar o trabalho educacional e de relações públicas do museu de arte. Modelado na Kölner Kreis de pessoal voluntário que tinha existido desde o final dos anos 70, que levou mais de inúmeros passeios públicos guiadas, entre outras coisas, atenuando, assim, o departamento de educação financeira e em termos de pessoal.


Só em 2001, com a transferência das operações do Kunstmuseum Düsseldorf para a fundação Kunstpalast Museum eo realinhamento do departamento de educação, que desde então tem sido chamado de "Educação Cultural", foram outras áreas principais acrescentou. Além de serviços para crianças e escolas, há agora uma vasta gama de programas e materiais para adultos, incluindo vários eventos para jovens adultos, como as atividades do Kunstfans e os eventos Junge Nacht. Finalmente, os quartos educacionais também foram adaptados para atender os requisitos alterados, e foram destruídos e ampliado em 2006/07. O novo "Studio Museum" agora é usado igualmente por crianças, jovens e adultos.