Listen to the text.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Le musée d'art moderne de San Francisco veut jouer dans la cour des grands.. --- O Museu de Arte Moderna de San Francisco quer jogar nas grandes ligas.

Architecture spectaculaire, surface d'exposition triplée et dons de nouvelles oeuvres par milliers: avec son nouveau musée rénové, San Francisco entend jouer dans la cour des grands de l'art moderne, à l'instar de New York, Londres ou Paris.

Le San Francisco Museum of Modern Art (SFMOMA) rouvre ses portes le 14 mai après un chantier d'extension de trois ans et 305 millions de dollars confié au cabinet d'architectes norvégien Snohetta, concepteur de l'opéra d'Oslo et de la bibliothèque d'Alexandrie.

Le bâtiment de briques qui hébergeait le musée depuis 1995 dans SoMa, un quartier du centre de San Francisco, est désormais accolé à une immense "annexe" de 10 étages, à la façade blanche tout en reliefs. Les centaines de panneaux en polymère renforcé de fibre de verre qui la recouvrent semblent s'animer avec les jeux d'ombres et de lumières, rappelant selon Snohetta les vagues et le brouillard de la baie.



Une oeuvre de Claes Oldenburg et Coosje van Bruggen exposée
au Museum of Modern Art (SFMOMA) le 28 avril 2016
à San Francisco 
afp.com - Josh Edelson



Dans les étages d'exposition, des terrasses parfois agrémentées de sculptures permettent au visiteur de prendre l'air ou admirer la vue. Au niveau de la rue, de larges fenêtres de verre invitent à entrer s'approcher de la massive structure en acier de 213 tonnes "Sequence" de Richard Serra, ou du mobile blanc de 8 mètres d'envergure "Untitled" d'Alexander Calder accroché dans l'atrium au-dessus du grand escalier central.

"Le matériau par excellence de ce bâtiment, c'est le verre", cela montre qu'il est ouvert et "embrasse la communauté" autour de lui, commente le directeur du musée, Neal Benezra, soulignant que l'accès aux deux premiers niveaux est gratuit.

Cette volonté affichée d'intégration au voisinage n'est pas forcément innocente. Quand le SFMOMA a déménagé à SoMa dans les années 1990, c'était encore un quartier très populaire et assez délabré. Aujourd'hui, c'est un symbole de la gentrification et des inégalités induites par le boom technologique, avec des dizaines de sièges de startups qui font flamber les loyers mais laissent de nombreux SDF sur les trottoirs.

- 'Hobby devenu obsession' -

Le SFMOMA revendique le plus large espace d'exposition d'art moderne des Etats-Unis, avec presque 16.000 mètres carrés de galeries, et des concentrations particulièrement importantes d'oeuvres de certains artistes comme le peintre et sculpteur abstrait Ellsworth Kelly, à propos duquel il affirme faire autorité à l'échelle mondiale. Son tout nouveau Centre Pritzker pour la photographie, qui occupe un étage presque entier, est aussi présenté comme le plus grand du pays.

Mais l'extension visait avant tout à accueillir l'énorme collection privée de Doris et Donald Fisher, les fondateurs de la chaîne de magasins de vêtements Gap.

Leur fils Robert décrit "un hobby devenu obsession", et reposant sur deux règles assez simples: "ils devaient tous les deux aimer l'oeuvre, et ils devaient avoir les moyens de l'acheter." Cela a conduit les époux Fisher à accumuler 1.100 oeuvres de 185 artistes, d'abord discrètement à partir des années 1970, puis dans deux galeries dédiées au siège de Gap à San Francisco.

Après avoir envisagé de construire un musée privé, les Fisher ont finalement décidé en 2009 de confier leur collection en dépôt pour 100 ans au SFMOMA.

Le musée en expose une partie sur plusieurs étages pour sa réouverture, avec des expositions thématiques consacrées notamment aux artistes issus du mouvement pop art comme Andy Warhol ou Roy Lichtenstein, ou à ceux ayant émergé à partir des années 1960 dans l'Allemagne d'après-guerre comme Anselm Kiefer ou Gerhard Richter.

Pour le fils des Fisher, Robert, c'est une toile de Richter, "Zwei Kerzen" (deux bougies) qui symbolise d'ailleurs le mieux l'amour de l'art de ses parents. "Elle était normalement accrochée au-dessus de la cheminée dans notre maison de San Francisco, mais chaque été, (..) ils l'emmenaient avec eux", raconte-t-il, décrivant son "père la décrochant du mur, l'enveloppant dans une couverture et la mettant à l'arrière de la voiture" pour plus tard la raccrocher au-dessus de la télévision de la résidence estivale.

En plus de la collection Fisher, le musée a enrichi ses réserves grâce à une campagne menée depuis 2009 pour convaincre de riches collectionneurs de léguer des pièces. Plus de 3.000 pièces ont été promises, dont des oeuvres de Francis Bacon, Alberto Giacometti, Yves Klein ou Jackson Pollock, et 600 seront présentées à l'ouverture.





Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://information.tv5monde.com/en-continu/le-musee-d-art-moderne-de-san-francisco-veut-jouer-dans-la-cour-des-grands-104927
--br via tradutor do google
O Museu de Arte Moderna de San Francisco quer jogar nas grandes ligas.

Arquitetura espetacular, espaço de exposição triplo e doações de novas obras dos milhares: com seu novo museu renovado, San Francisco pretende desempenhar na grande liga da arte moderna, como Nova York, Londres ou Paris.

O Museu San Francisco de Arte Moderna (SFMOMA) reabre 14 de maio depois de uma extensão de três anos de construção e $ 305.000.000 dada ao gabinete de arquitectos noruegueses Snohetta, desenhista da Oslo Opera House e biblioteca de Alexandria.

O prédio de tijolos que abrigava o museu desde 1995, em soma, numa área central de San Francisco, está agora ligado a um enorme "anexo" de 10 andares, com fachada branca, enquanto relevos. Centenas de painéis de polímero reforçado com fibra de vidro cobrindo-parecem ganhar vida com jogos de luzes e sombras, lembrando acordo ondas Snøhetta e névoa da baía.

Nos andares de exposições, às vezes decorados terraços esculturas permitir que o visitante a tomar o ar ou admirar a vista. Ao nível da rua, grandes janelas de vidro convidar para entrar aproximar a estrutura de aço maciço 213 toneladas "sequência", de Richard Serra, ou branco móveis 8 metros de largura "Untitled", de Alexander Calder pendurado no átrio acima da escadaria central.

"O material ideal para a construção, o vidro", isso mostra que ele está aberto e "abraça a comunidade" em torno dele, diz o diretor do museu Neal Benezra, sublinhando que o acesso aos dois primeiros níveis livres.

Esta vontade de integrar o bairro não é necessariamente inocente. Quando SFMOMA mudou-se para SoMa na década de 1990, ainda era muito popular e bastante degradado. Hoje é um símbolo de gentrificação e as desigualdades causada pelo boom da tecnologia, com dezenas de startups que fazem assentos chama, mas rendas deixar muitos sem-teto nas calçadas.

- 'Hobby tornou-se obsessão' -

SFMOMA possui a maior área de exposição de arte moderna nos Estados Unidos, com cerca de 16.000 metros quadrados de galerias, e particularmente grandes concentrações de obras de artistas como o pintor e escultor Ellsworth Kelly abstrato, sobre as quais ele diz com autoridade em todo o mundo. Seu novo Centro Pritzker de Fotografia, que ocupa quase um andar inteiro, é considerado o maior do país.

Mas a extensão foi projetado principalmente para acomodar o enorme colecção privada de Doris e Donald Fisher, fundadores da rede de lojas de roupas Gap.

Seu filho Robert descreve "um hobby tornou-se obsessão", e baseado em duas regras muito simples: "Eles estavam ambos adorar o trabalho, e eles devem ter os meios para comprá-lo." Isto levou Fisher marido acumulando 1.100 obras de 185 artistas, em primeiro lugar tranquilamente na década de 1970, em seguida, em duas galerias dedicadas à sede Gap em San Francisco.

Tendo considerado a construção de um museu privado, Fisher finalmente decidiu em 2009 para confiar as suas colecções em confiança para 100 anos no SFMOMA.

A parte peças de museu em vários andares para a sua reabertura, com exposições temáticas dedicadas a artistas particulares do movimento de arte pop como Andy Warhol ou Roy Lichtenstein, ou aqueles que surgiu na década de 1960 na Alemanha depois com guerras, como Anselm Kiefer e Gerhard Richter.

Para o filho de Fisher, Robert, é uma pintura de Richter, "Zwei Kerzen" (duas velas), que também melhor simboliza o amor à arte de seus pais. "Ela era geralmente pendurado acima da lareira na nossa casa em San Francisco, mas a cada verão (..) trouxeram com eles", diz ele, descrevendo seu "pai pegando a parede, envolvê-lo em um cobertor e colocar o carro de volta "para pendurar mais tarde acima residência de verão da televisão.

Além da coleta de Fisher, o museu tem enriquecido as suas reservas graças a uma campanha desde 2009 para convencer colecionadores ricos legar partes. Mais de 3.000 peças foram prometidos, incluindo obras de Francis Bacon, Alberto Giacometti, Yves Klein e Jackson Pollock, e 600 serão apresentados na abertura.


A Ásia está em festa no Museu do Oriente. --- Asia is celebrating the Orient Museum

Uma semana de atividades gratuitas para descobrir países como a China, a Índia, o Japão, a Tailândia ou o Bangladesh. A partir deste domingo, 1, celebra-se o 8.º Aniversário do Museu do Oriente, em Lisboa


O programa de aniversário incluirá o ciclo de cinema japonês As Relações Humanas.

Participar numa cerimónia do chá, acompanhada e explicada por um monge budista chinês, observar um mestre a desenhar os carateres da caligrafia chinesa e aprender a escrever o próprio nome em chinês, ou assistir à Sinfonia de Dialetos com Música, pelo Coro da Universidade de Lisboa, são apenas três das muitas atividades gratuitas que compõem o programa do oitavo aniversário do Museu do Oriente, em Lisboa. “Fazemos oito anos, e o número oito, sobretudo na China, é muito auspicioso, por isso, decidimos compor um programa mais complexo do que é habitual”, explica João Amorim, responsável pelos serviços culturais do museu. 





A festa terá exatamente oito dias, a partir de domingo, 1, e até ao domingo seguinte, 8. “Será uma amostragem em compacto daquilo que costumam fazer mas também uma forma de renovar o interesse pela instituição”, resume João Amorim.

Às atividades regulares da agenda do museu foram acrescentadas novas iniciativas, fruto de parcerias com várias instituições. É o caso do ciclo de cinema japonês As Relações Humanas, que integra alguns filmes inéditos, projetados durante a semana, numa colaboração entre a Embaixada do Japão e a Japan Foundation, ou da exposição Riverine, Desenhos de Sajid Bin Doza, um conjunto de 25 desenhos e aguarelas que aborda temas relacionados com a cultura ribeirinha junto a três rios, o Tejo, o Padma e o Brahmaputra, e coorganizada pela Embaixada do Bangladesh. 

A diversidade e dinâmica do programa vai permitir aos visitantes descobrir ainda mais sobre as relações de Portugal com o Oriente, sobre a cultura, história e costumes de países como a Índia, a Tailândia, a Coreia ou o Bangladesh, e sobre o próprio Museu do Oriente. Haverá conferências e ainda visitas orientadas,em que será possível aceder às reservas do museu e descobrir algumas peças especiais. Experiências como as de vestir os trajes tradicionais chineses, coreanos ou indianos prometem fazer os participantes viajar para Oriente sem sair do museu. 

O número de lugares em todas as atividades é limitado e a participação requer levantamento prévio de bilhete, mas quem não o conseguir obter não deve desistir, já que, em ambos os domingos, 1 e 8, a entrada no museu é gratuita.
Uma festa a antecipar as novidades do último trimestre do ano, altura em que a exposição do segundo piso será totalmente remodelada, dando lugar a uma mostra sobre a Ópera Chinesa, e em que inauguraChina Now, uma exposição temporária, com arte contemporânea chinesa.

Museu do Oriente > Av. Brasília, Doca de Alcântara (norte), Lisboa > T. 21 358 5200 > 1-8 mai > grátis







Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
--in via tradutor do google

Asia is celebrating the Orient Museum

A week of free activities to discover countries like China, India, Japan, Thailand and Bangladesh. From this Sunday, 1, celebrated the 8th anniversary of the Orient Museum in Lisbon

The anniversary program will include the Japanese film series The Human Relations

Take part in a tea ceremony, accompanied and explained by a Chinese Buddhist monk, watch a master to draw the characters of Chinese calligraphy and learn to write its name in Chinese, or watch the Symphony Dialects with Music at the University of Lisbon Choir are just three of the many free activities that make up the program of the eighth anniversary of the Orient Museum in Lisbon. "We do eight, and the number eight, especially in China, is very auspicious, so we decided to compose a more complex program than usual," explains João Amorim, responsible for cultural museum services.

The party will have exactly eight days from Sunday, 1, until the following Sunday, 8. "It will be a compact in sampling of what they usually do but also a way to renew interest in the institution," says João Amorim.

At regular museum activities agenda were added new initiatives, the result of partnerships with various institutions. This is the case of the Japanese film series The Human Relations, which includes some new films, designed during the week, a collaboration between the Japanese Embassy and the Japan Foundation, or Riverine exposure, Sajid Bin Doza drawings, a set of 25 drawings and watercolors that addresses issues related to riverine culture along three rivers, the Tagus, the Padma and the Brahmaputra, and co-organized by the Embassy of Bangladesh.

The program diversity and dynamics will allow visitors to discover more about Portugal's relations with the East, on the culture, history and customs of countries like India, Thailand, Korea and Bangladesh, and the Museum itself East. There will be conferences and even guided tours, where you can access the museum reserves and discover some special parts. Experiences such as wear traditional Chinese costumes, Korean or Indian promise to make the participants travel to East without leaving the museum.

The number of seats in all activities is limited and participation requires prior survey ticket, but who do not obtain should not give up because, on both Sundays, 1 and 8, the entrance to the museum is free.
A party to anticipate the news of the last quarter of the year, when the exposure of the second floor will be completely remodeled, giving way to a show on the Chinese Opera, and that inauguraChina Now, a temporary exhibition with Chinese contemporary art.

Museum East> Av. Brasília, Doca de Alcântara (north), Lisbon> T. 21 358 5200> May 1 to 8> Free





DeLorean usado em De Volta Para o Futuro é restaurado e vira peça de museu. --- DeLorean used in Back to the Future is restored and becomes a museum piece.

A versão recuperada do carro é ainda mais perfeita que a usada nas filmagens.


Adoradores da franquia De Volta Para o Futuro, animem-se! Após uma boa restauração, a versão original do DeLorean utilizado nas filmagens da trilogia está em exposição em um museu de Los Angeles. A esperança é que o carro viaje no tempo mundo afora e acabe chegando aqui no Brasil, assim como aconteceu com o Trono de Ferro de Game of Thrones.


Considerado um dos carros mais icônicos do cinema, vários DeLorean foram usados por Doc (Christopher Lloyd) e Marty McFly (Michael J. Fox) ao longo dos filmes, porém havia uma versão principal chamada de A que era muito mais detalhada e cheia de parafernalhas futuristas. É essa unidade A do carro que está exposta no Petersen Automotive Museum, considerado um dos maiores museus de automóveis do mundo. No primeiro dia da exposição, o evento ainda ofereceu um bate-papo com Bob Gale, produtor e roteirista de De Volta Para o Futuro.


No passado, o DeLorean original já havia sido exposto na Universal Studios e acabou danificado ao longo dos anos que passou no local, porque os fãs retiravam peças do veículo para levarem de recordação para casa. Segundo o jornal L.A. Weekly, a restauração, que durou cerca de dois anos, deixou o DeLorean A ainda mais completo do que na época das filmagens.








Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.adorocinema.com/slideshows/filmes/slideshow-121038/#3



--in via tardutor do google

DeLorean used in Back to the Future is restored and becomes a museum piece.

The car recovered version is even more perfect than that used in the filming.

Worshipers of the Tour De franchise for the future, take heart! After a good restoration, the original version of the DeLorean used in the filming of the trilogy is on display in a museum in Los Angeles. The hope is that the car travel through time and around the world end up coming here in Brazil, as well as with the Iron Throne of Game of Thrones.

Considered one of the most iconic cars of cinema, several DeLorean were used by Doc (Christopher Lloyd) and Marty McFly (Michael J. Fox) over the film, but there was a major release called A which was much more detailed and full of parafernalhas futurists. It is this drive car What is exposed in the Petersen Automotive Museum, considered one of the largest automobile museums in the world. On the first day of the exhibition, the event also offered a chat with Bob Gale, Back producer and writer for the Future.

In the past, the original DeLorean had been exposed at Universal Studios and eventually damaged over the years he spent on site, because the fans withdrew parts of the vehicle to take a souvenir home. According to the newspaper L.A. Weekly, the restoration, which lasted about two years, left the DeLorean A more complete than at the time of filming.