segunda-feira, 9 de maio de 2016

Landscape in new Kwanza banknotes is Angolans art. --- Paisagem em novas notas de kwanza é angolanos arte

Luanda - A team of Angolan staff and technicians worked on the design of landscapes, natural and cultural aspects of the country, portrayed in the banknotes of 50, 100, 200, 500, 1000 and 2000 Kwanzas put into circulation in March 2013.


This information was released Friday by the artist and co-author of the new Kwanza family notes, Horacio da Mesquita while speaking to the press at the inauguration of the Currency Museum.


About the Currency Museum, he said that this is the reposition of the true identity of the country, a tourist guide and reference point of some elements of the Angolan culture.

The museum will offer interactivity and some surprises, according to the work's architect's, the Angolan Filomeno Fialho, who said that the infrastructure will be open to the public from Friday.

One of the objectives of the new museum is to contribute to the dissemination of financial education programs.





Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


AGENDAS MUNDI LXXV – MUSEOS EN BURUNDI - · en ARTE, CULTURA, MUSEO,MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN, PATRIMONIO, RELATO, VIAJES. ·

El “pequeño Burundi” es una mezcla, un tanto incongruente, de altas montañas, lánguidas comunidades a las orillas de un lago y un pasado trágico asolado por los conflictos étnicos. A pesar de los problemas, Burundi tienen una incontenible alegría de vivir, y las sonrisas de sus gentes son tan contagiosas como el ritmo de una batería de Les Tambourinaires.


Cuando estalló la guerra civil en 1993, la economía fue devastada y la industria del turismo sucumbió a una muerte rápida. La terrible guerra duró hasta el año 2005 y, una vez terminada, el país finalmente comenzó a recibir un goteo de viajeros, en especial la humeante capital Bujumbura, que tiene una ubicación privilegiada. La ciudad se encuentra a orillas del lago Tanganyika y, a las afueras, se localizan algunas de las mejores playas del interior del continente. Muchas de las atracciones de esta zona del país, sin embargo, no han dejado de estar fuera de los límites del ser humano, incluyendo la fuente más meridional del Nilo y el antiguo bosque del Parque Nacional de la Kibira.


Tristemente, la paz se acabó durante el transcurso del año 2015, cuando el presidente Nkurunziza decidió postularse (eternizarse), en una especie de tercer período “constitucional”. La violencia estalló antes de las elecciones, y ha ido aumentando desde entonces. En noviembre de 2015, la ONU – por temor a un genocidio al estilo de Ruanda – adoptó una resolución condenando la situación, lo que allana el camino para que las fuerzas de paz internacionales intervengan en el conflicto. El país entero se considera ahora una zona de exclusión para los viajeros. Es de esperar que algún día vuelva de nuevo la paz a Burundi y prevalezca la cordura en sus gobernantes.

Bobby Model

Museo Vivo de Bujumbura (sin website) | Bujumbura 


Este museo es la mayor atracción de Bujumbura, la capital de Burundi. Es un lugar dividido en tres zonas: La primera es la que expone la reproducción de un pueblo tradicional (sólo chozas, no hay objetos o artefactos en exposición). La segunda, es un zoológico que aterroriza a la gente al comprobar el “bienestar y los derechos” de los animales que sobreviven allí. Y, por último, un lugar donde se fabrican y venden productos locales y artesanías. Como novedad han introducido la venta de cerdos de Guinea para que los turistas se los pueden echar a los cocodrilos, pudiendo comprobar así en vivo y en directo, cómo funciona la cadena de alimentación. Esto último no es recomendable hacerlo delante de los niños y niñas, aunque dada la situación del país y la casi nula presencia de turistas, es posible que los cerditos se mueran de viejos.

Museo Nacional de Gitega (sin website) | Gitega


El Museo Nacional de Gitega, aunque sea muy poco probable que te llegue a cautivar, es lo mejor que Burundi tiene que ofrecer en lo que a museos se refiere. La exposición permanente, es una sala de una única habitación que contiene una colección polvorienta de enseres tradicionales del hogar, incluyendo cajas de rapé de cuerno de vaca, ropa hecha con corteza de árbol, instrumentos musicales, frascos medicinales y joyas. También se pueden ver algunas fotos interesantes, entre las que se incluye nuestra favorita, una instantánea de Bujumbura en 1896, cuando la capital era poco más que un par de tiendas de campaña y un árbol.

Museo de Geología de Burundi (sin website) | Bujumbura


El museo está casi totalmente abandonado. El polvo va ganando terreno, poco a poco, amenazando con comerse las vitrinas y ocultar las piedras y las rocas. Es una verdadera lástima ya que, en sus días de esplendor, era un referente como museo en este país, un lugar excelente para profundizar en el conocimiento de la formación del mismo, desde el punto de vista geológico. Hoy en día, es poco más que un edificio aislado y olvidado en la capital.





Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Espacio Visual Europa (EVE)

Museu de História e Folclore "Maria Olímpia" é considerado um dos mais completos do Brasil,

O Museu tem cerca de 3000 peças, dentre indumentárias diversas (vestuários de Folia de Reis, Congadas, Reisados, Moçambique, etc.); flores de diversificado material, peças de barro, bambu, madeira, couro, ágate, toalhas com abrolhos, trabalhos em palha, crochê, pinturas pitorescas; instrumentos musicais; peças de tradicionalismo (pilão, esporas, luminárias, serras, etc.); biblioteca especializada e muito mais. A mais antiga e valiosa das peças fica na parte exterior do museu. Trata-se de uma locomotiva (maria-fumaça) que de 1940 a 1950, aproximadamente, fez o elo entre Olímpia e o resto do Brasil, promovendo o desenvolvimento econômico da região.


A grande anfitriã foi Maria Jesus de Miranda, coordenadora do Museu desde 1989, a cujos cuidados Sant'Anna confiou, com toda tranqüilidade, esse cartão postal de Olímpia. A falta de estudos específicos de museologia nenhuma falta lhe faz, haja vista ser detentora de uma brilhante intuição e de um forte conhecimento empírico do folclore pátrio. Ela administrou o museu com uma criatividade e uma competência jamais desconsiderada: arquivando, selecionando, ornamentando, corrigindo, recebendo os visitantes, enfim, de tudo participando.


Museu de História e Folclore "Maria Olímpia

Sua dedicação ao Museu em muito transcendeu o que se poderia chamar de máxima eficiência de um funcionário no cumprimento de seus deveres; trata-se de uma verdadeira paixão pela cultura popular, pelo folclore brasileiro. Em suas mãos, o riquíssimo acervo do museu se enriqueceu.

Por todas essas razões, para quem ainda não conhece esse ponto turístico de Olímpia, asseguramos, será um prazer conhecer a Maria e será um prazer conhecer o museu.

HISTÓRIA
O museu de História e Folclore "Maria Olímpia" teve o mesmo nascedouro que o próprio Festival do Folclore: Os trabalhos escolares desenvolvidos pelo professor José Sant'Anna ao iniciar a sua carreira magisterial na Capital do Folclore, dos quais entre outras coisas, resultaram exposições de peças folclóricas que se realizavam, inicialmente, no âmbito do hoje extinto Colégio Olímpia. No início dos anos sessenta o museu era itinerante, visto que aquelas exposições passaram a se realizar também em outras unidades escolares e estabelecimentos comerciais olimpienses, e, a partir de 1965, na nossa festa maior.

Embora proveniente da mesma fonte, o museu passou a existir de fato somente em agosto de 1973 (oito anos após o festival, "por uma simples questão de oportunidade" segundo Sant'Anna), quando o então prefeito Dr. Antônio Lopes Ferraz providenciou-lhe a casa própria, cedendo às instâncias do professor.

A existência oficial do Museu de História e Folclore "Maria Olímpia", assim denominado, deu-se mediante a lei nº 1274, de 18/04/1997, e do projeto de lei nº 1625/78, do vereador José Sant'Anna, posteriormente convertido na lei nº 1358, de 05 de julho de 1978. Pelos decretos nºs 1114, 1115 e 1116, o então prefeito Álvaro Marreta Cassiano Ayusso nomeou o professor José Sant'Anna para o cargo de Diretor Técnico do Museu; o professor Rothschild Mathias Netto, para o de chefe da Secção de História; e novamente Sant'Anna, para o de chefe da Secção de Folclore.

O museu se instalou primeiramente no prédio onde antes havia funcionado a Delegacia de Ensino, na hoje, Avenida Waldemar Lopes Ferraz, nº 1224, transferindo-se algum tempo depois, em caráter provisório, para a Rua Floriano Peixoto, nº 1228, em que hoje funciona a agência local do INSS, até chegar ao Edifício Giosué Tonanni, na Rua David Oliveira, nº 420, endereço atual do museu.

É oportuno ressaltar que durante o aludido interregno, o Prof. Victório Sgorlon e sua esposa Lourice Arutin Sgorlon ofereceram seus inestimáveis préstimos no sentido de preservar o acervo até então coligido por Sant'Anna.

Entrementes, ainda durante aquele caráter provisório, quando da aquisição do já mencionado edifício pela municipalidade, o prédio se encontrava em condições muito precárias, depredado, abandonado por décadas, quase em ruínas, servindo de perigoso abrigo para errantes sem-teto. "Balança mas não cai" era como a ele se referiam os olimpienses, que também o consideravam mal-assombrado. Contudo, para o objetivo visado procedeu-se a uma esmera reforma, célere, minuciosa, que o deixou em perfeitas condições de uso, impecável.

É anetódico, outrossim, lembrar que nos primeiros anos, toda sorte de velharias imprestáveis era doada ao museu, até que se espalharam pela cidade de alguns esclarecimentos do Prof. Sant'Anna sobre quais seriam as peças apropriadas para a exposição.



Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

colaboração: Norma Cunha Junqueira 

http://www.folcloreolimpia.com.br/index.php?abre=ofestival=museu-do-folclore


The National Museums and Monuments of Zimbabwe (NMMZ ). --- Museus e Monumentos Nacionais de Zimbabwe (NMMZ)


Is Zimbabwe's premier heritage organization established under an Act of Parliament; The National Museums and Monuments of Rhodesia Act (1972) which is now called the National Museums and Monuments Act (Chapter 25:11). NMMZ is a Parastatal, funded through grant by Central Government and falling under the Ministry of Home Affairs. The Act established a Board of Trustees to provide for the establishment and administration of museums' and to provide for the preservation of ancient, historical and natural monuments, relics and other objects of historical or scientific value or interest.


It is a requirement of the Act that the Board of Trustees meet three times every year and this takes place both at Regional level with the Trustees from that particular Region and at national level with all Trustees. National management forums are held three times a year before the Board of Trustees meet. The Board of Trustees reports to the Minister of Home Affairs. 

The management of the organization is undertaken by the Executive Director and Deputy Executive Director who report to the Board of Trustees. Six national managers are based at the national administrative headquarters, namely Finance, Audit, Security, Public Relations, Human Resources and Research and Development.

-
NMMZ currently administers a number of major Museums in urban locations across Zimbabwe. There are more than four and a half million objects and specimens in these major regional museums, which are of international standard. The major regional museums also serve as regional headquarters for administration purposes.

Opening Hours: 9:00am to 5:00pm daily except for Good Friday and Christmas Day.

A statutory admission fee is charged.
Children under the age of five are admitted free but must be in the company of an adult.

Educational parties and special interest groups pay nominal fees.
Guided tours are available at all museums, sites open to the public and all community museums.








Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti










--br via tradutor do google

Os Museus e Monumentos Nacionais de Zimbabwe (NMMZ) é principal organização herança do Zimbábue estabelecida sob uma lei do Parlamento; Os Museus e Monumentos Nacionais da Rodésia Act (1972), que agora é chamado o Nacional de Museus e Monumentos Act (Capítulo 25:11). NMMZ é um para-estatais, financiados através de subvenção do Governo Central e caindo no âmbito do Ministério da Administração Interna. A Lei estabeleceu um Conselho de Curadores para fornecer para a criação e administração de museus "e para fornecer para a preservação de antigos, históricos e naturais monumentos, relíquias e outros objetos de valor histórico ou científico ou interesse

É uma exigência da Lei que o Conselho de Administração reunirá três vezes por ano e isso ocorre tanto a nível regional com os curadores de que determinada região e a nível nacional com todos os curadores. fóruns nacionais de gestão são realizadas três vezes por ano, antes do Conselho de Curadores se encontram. O Conselho de Administração reporta ao Ministro da Administração Interna.

A gestão da organização é realizada pelo Diretor Executivo e Vice-Diretor Executivo que se reportam ao Conselho de Curadores. Seis gestores nacionais são baseadas na sede administrativas nacionais, ou seja, Finanças, Auditoria, Segurança, Relações Públicas, Recursos Humanos e Pesquisa e Desenvolvimento.

-
NMMZ atualmente administra uma série de importantes museus em locais urbanos em todo Zimbabwe. Há mais de quatro milhões e meio de objetos e espécimes desses grandes museus regionais, que são de padrão internacional. Os principais museus regionais também servem como sede regional para fins de administração.

Horário: 09h00 - 17:00 diariamente, exceto para sexta-feira e dia de Natal.
A taxa legal de admissão é cobrado.
Crianças com menos de cinco anos de idade são admitidos livre, mas deve estar na companhia de um adulto.
partes de ensino e grupos de interesses especiais pagar taxas nominais.
Visitas guiadas estão disponíveis em todos os museus, locais abertos ao público e todos os museus comunitários