Listen to the text.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Museum Folkwang, Vienna. --- Museu Folkwang, Viena

Fólkvangr (people’s meadow): a term used in the Old Norse epic verses, Edda, to describe the abode of the goddess Freya. Museum Folkwang was founded by Karl Ernst Osthaus (1874–1921) in the Westphalian industrial town of Hagen in 1902. The then art history, literature and philosophy student acquired the necessary funds by inheritance. 

From its beginnings as an art collection supplemented by natural history and arts-and-craft pieces, it soon developed into a pioneering modern art museum in Germany. As the first public collection in Germany, Museum Folkwang purchased and exhibited works by trailblazers in Modernism such as Cézanne, Gauguin, van Gogh and Matisse. 



Following the death of the museum’s founder in 1921, the newly-founded Folkwang-Museumverein e.V., a progressive initiative formed by art aficionados from Essen, purchased the Osthaus collection for the city of Essen and consolidated the collection with the Municipal Art Museum, established in 1906, to create Museum Folkwang.

Together with his friend, director of Essen’s art collections and later director of Museum Folkwang in Essen, Ernst Gosebruch, Osthaus put a great deal of effort into the promotion of the artistic avant-garde of the time: A manifestation of a reform movement that encompassed all areas of life and aimed to provide the “industrial district in the west” with a new aesthetic constitution through an affiliation of art and life. 

Within just a few decades Museum Folkwang was able to build a global reputation as collector and mediator of new and innovative art, making it the target of Nazi hate campaigns during the Third Reich. More than 1400 works were branded “degenerate” by the party, subsequently confiscated and in some cases sold to buyers all over the world. The phenomenal loss of irreplaceable paintings and the destruction of both museum buildings during a war-time air raid razed Museum Folkwang and its important collection to the ground, leaving nothing but ruins post-1945. In the 1950s and 1960s, the museum’s directors at the time, Heinz Köhn and Paul Vogt were able to fill the most significant gaps by repurchasing some works and acquiring new ones based on those lost. With the expansion of the collection to include contemporary art, by the 1970s they were able to present a larger collection than ever before. 

Today Museum Folkwang is one of the most prominent art museums in Germany with outstanding collections of painting and sculpture from the 19th century, Classical Modernism and the post-1945 period, as well as photography, to which Museum Folkwang has dedicated its own department since 1979.

The museum sees a fantastic opportunity to develop even further in this direction, maintaining and advancing the museum’s tradition of presenting a diverse range of mediums and a combination of visual and applied art, for which Museum Folkwang was so famous up to 1933 and which lent it the title “the most beautiful museum in the world”.  
In August 2006, Professor Berthold Beitz, Chairman of the Alfried Krupp von Bohlen and Halbach-Foundation’s Board of Trustees, announced that the foundation would act as the sole sponsor and supply Museum Folkwang with the funds required for a new building. David Chipperfield Architects then emerged as the winners of an international architectural competition tendered by the city of Essen in March 2007. The building was constructed by Neubau Museum Folkwang Essen GmbH, a member company of the Wolff Group, and opened its doors in January 2010. 




Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor

Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
Museu Folkwang, Viena. ---




Fólkvangr (prado das pessoas): um termo usado nos versos épicos nórdicos antigos, Edda, para descrever a morada da deusa Freya. Museu Folkwang foi fundada por Karl Ernst Osthaus (1874-1921), na cidade industrial de Vestefália de Hagen em 1902. O então a história da arte, literatura e filosofia estudante adquiriu os fundos necessários por herança. Desde o seu começo como uma colecção de arte complementado por história natural e artes e artesanato peças, que logo se transformou em um museu de arte moderna pioneira na Alemanha. Como a primeira coleção pública na Alemanha, Museu Folkwang compra e exibiu obras de pioneiros no modernismo, como Cézanne, Gauguin, Van Gogh e Matisse. Após a morte do fundador do museu, em 1921, o recém-fundada Folkwang-Museumverein eV, uma iniciativa progressivo formada por aficionados da arte de Essen, comprou a coleção Osthaus para a cidade de Essen e consolidou a coleção com o Museu de Arte Municipal, com sede em 1906, para criar Museum Folkwang.

Junto com seu amigo, o diretor das coleções de arte e mais tarde director do Museu Folkwang, em Essen, Ernst Gosebruch de Essen, Osthaus colocar uma grande quantidade de esforço para a promoção da vanguarda artística da época: uma manifestação de um movimento de reforma que englobava todas as áreas da vida e destinadas a fornecer o "distrito industrial no oeste", com uma nova constituição estético através de uma afiliação da arte e da vida.
Dentro de apenas algumas décadas Museum Folkwang foi capaz de construir uma reputação global como coletor e mediador da arte nova e inovadora, tornando-se o alvo de campanhas de ódio nazista durante o Terceiro Reich. Mais de 1400 trabalhos foram marcados "degenerada" pelo partido, posteriormente confiscadas e, em alguns casos vendidos a compradores de todo o mundo. A perda fenomenal de pinturas insubstituíveis ea destruição de ambos os edifícios do museu durante um ataque aéreo em tempo de guerra arrasou Museum Folkwang e sua coleção importante para o chão, deixando apenas ruínas pós-1945. Nos anos 1950 e 1960, os diretores do museu na época, Heinz Köhn e Paul Vogt foram capazes de preencher as lacunas mais significativas através da recompra de algumas obras e aquisição de novos baseados naqueles perdido. Com a expansão da coleção para incluir a arte contemporânea, na década de 1970 eles foram capazes de apresentar uma coleção maior do que nunca.
Hoje Museu Folkwang é um dos museus de arte mais importantes na Alemanha, com excelentes coleções de pintura e escultura do século 19, Classical Modernismo e o período pós-1945, assim como a fotografia, à qual Museum Folkwang tem dedicado seu próprio departamento desde 1979 .

O museu vê uma oportunidade fantástica para desenvolver ainda mais nessa direção, manutenção e desenvolvimento do tradição do museu de apresentar uma gama diversificada de meios e uma combinação de visual e arte aplicada, para o qual Museum Folkwang era tão famoso até 1933 e que emprestou o título de "a mais bela museu do mundo".
Em agosto de 2006, o Professor Berthold Beitz, Presidente do Alfried Krupp von Bohlen e Conselho de Curadores da Halbach-Foundation, anunciou que a fundação seria agir como o único patrocinador e fornecimento Museum Folkwang com os fundos necessários para um novo edifício. David Chipperfield Architects, em seguida, emergiram como os vencedores de um concurso internacional de arquitectura oferecidas pela cidade de Essen em março de 2007. O edifício foi construído pela Neubau Museum Folkwang Essen GmbH, uma empresa membro do Grupo Wolff, e abriu as suas portas em Janeiro de 2010.



--

Flowers bloom in the Brazilian Jewish Museum. --- Flores Brasileiras Desabrocham no Jewish Museum.


At the same time the Central Park back to life, it seems that the whole northern Manhattan is also in bloom. Just take a step into the Jewish Museum and the transformation is complete, thanks to two new exhibitions with a lot of flora, honoring the work of landscape architect Roberto Burle Marx and artist Beatriz Milhazes. Both Brazilians, Burle Marx, who died in 1994, and Milhazes share an affinity for nature - especially in Rio de Janeiro, the lush city by the sea that both call home.


Working alongside the botanical garden of Rio de Janeiro, Milhazes feels very encouraged. "I need to be close to nature to develop my art. This gives me what I need to be inspired," she told ARTINFO on a recent visit to the museum. "But the first time I used flowers, the reference actually came from the decorative arts, and not the nature of the river. It was only about four or five years I started to look directly at it."

Vista da instalação "Gamboa II" de Beatriz Milhazes em mostra no Jewish Museum. 


A canopy made of plastic flowers and gold balls of the artist, balance ceiling of the entrance, in chateau-style museum. The site-specific installation, designed for space as part of the rotation that the institution makes works commissioned artists especially for your lobby, "Gamboa II", following the recent interest of Milhazes by responsive sculpture. The first mobile that it created came out of a commission for his sister's dance company -. this new work seems an organic progression from that starting point "They respond to space," Milhazes explained, referring to sculptural installations, as she reached an eager group of visitors. "at first I thought it would be too much, but it actually works perfectly." the carnivalesque exuberance of inlaid jewelry buffs draws the eye up there, to the ceiling that looks like praline cake, which otherwise would go unnoticed.

The interest of Milhazes in architecture predates their own forays into sculpture. "I always felt very connected to modernism," she said. "Of course, Burle Marx has always been one of my references. I grew up in Copacabana - when I developed my own language, I wanted to use it, "Milhazes said, referring to Atlantic Avenue, the iconic sidewalk along the river of Burle Marx's coast, providing the starting point for your retrospective exhibition, just beyond the lobby.

Upon entering the exhibition of Burle Marx with Milhazes, she immediately points to the paintings of landscapes and drawings. "These black and white drawings are fantastic," she said as the deputy director of the Jewish Museum, Jens Hoffmann, begins the tour. "He was interested in recreating heaven; he said it on several occasions," Hoffmann said, connecting the dots between external facilities Burle Marx and these minor works "He was also fascinated by the possibility that a work of art exist in the same dimension. time, as you could control or manipulate it. I really like to think of their gardens at different times of year and how it gets tricky trying to organize all the details. "The hierarchy encompassing shape and color, the image of an elaborate system, reminds the organization of the paintings in graphic layers Milhazes.

In the early works of Burle Marx on paper, scrawled characters strategically inhabit landscapes layered, the same type of strategy that the designer used on public commissions, such as curvilinear gardens of 1938 to the glass roof of the building of the Ministry of Education and health Le Corbusier, in Rio de Janeiro. "It looks like Piet Mondrian using LSD," Hoffmann said, before adding: "Le Corbusier loved it."

As Milhazes, modernist tendencies can be seen in every facet of the work of Burle Marx, from his own experiences in stage design projects to his hand-painted tiles with similar arabesques fish. As he passed the window, Hoffmann pointed to a group of playful tiles by artist Nick Mauss, one of the six artists invited to respond directly to the work of Burle Marx. The Dominique Gonzalez-Foerster response, "Plages (beaches)," 2001, a video made of Atlantic Avenue, shows locals partying seaside during New Year celebrations in the city. It was actually Gonzalez-Foerster who presented Hoffmann to the landscape.

While these contemporary works provide context for the legacy of Burle Marx, the most amazing addition to the show comes from the landscape architect: a giant tapestry that swallows the back wall. Originally designed for the Foreign Ministry in Brasilia, the elaborate woven alloy work ecological regions of Brazil through the abstraction language. The geometric pace set by the carpet helps to create a context for the Burle Marx projects. Artistically made in gouache, these graphical maps describe carefully calculated systems that were born of practical investigations of Burle Marx on regionalized ecologies of Brazil. It is this relationship between artifice and nature that seems to pervade the two exhibitions. Interpreting the international influences that have arisen in your country, Brazilian artists established their own identity by mixing references that defined their culture, such as samba and the green scenery of Brazil. "Now I can say that my work uses some things that are very local, but always through an international language, "said Milhazes. "It's amazing how it resonates everywhere where I'm going."

Located on New York City’s Museum Mile, the Jewish Museum is a jewel-box of an art museum, and a distinctive hub for art and Jewish culture for people of all backgrounds.

The Museum maintains a unique collection of nearly 30,000 works of fine art, Judaica, antiquities, folk art, ceremonial objects, and broadcast media which reflect the global Jewish experience over more than 4,000 years. Our distinguished exhibition history reveals a deep and rich exploration of Jewish culture and identity, and includes some of the most seminal shows of the 20th and 21st centuries. Our dynamic education programs – from talks and lectures, to performances, to hands-on art making and more – serve a wide range of audiences, including families, students, educators, and art lovers.










--brFlores Brasileiras Desabrocham no Jewish Museum.
Ao mesmo tempo em que o Central Park retorna à vida, parece que toda a região norte de Manhattan também está em flor. Basta dar um passo para dentro do Jewish Museum  e a transformação se completa, graças a duas novas exposições, com muita flora, homenageando a obra do paisagista Roberto Burle Marx e da artista Beatriz Milhazes. Ambos brasileiros, Burle Marx, que morreu em 1994, e Milhazes compartilham de uma afinidade pela natureza - especialmente a do Rio de Janeiro, a exuberante cidade à beira-mar que ambos chamam de lar.

Trabalhando ao lado do jardim botânico do Rio de Janeiro, Milhazes se sente muito estimulada. "Eu preciso estar perto da natureza para desenvolver minha arte. Isso me dá o que preciso para ficar inspirada," ela disse à ARTINFO em uma recente visita ao museu. "Mas a primeira vez que eu usei flores, a referência, na verdade, veio das artes decorativas, e não da natureza do Rio. Foi somente há uns quatro ou cinco anos que eu comecei a olhar diretamente para ela".

Uma copa, composta de flores de plástico e de bolas de ouro da artista, balança no teto da entrada, em estilo chateau, do museu. A instalação site-specific, concebida para o espaço, como parte da rotação que a instituição faz de obras de artistas comissionadas especialmente para seu lobby, “Gamboa II", segue o interesse recente de Milhazes pela escultura responsiva. O primeiro mobile que ela criou saiu de uma comissão para a companhia de dança de sua irmã - este novo trabalho parece uma progressão orgânica daquele ponto de partida. "Elas respondem ao espaço", Milhazes explicou, referindo-se às instalações escultóricas, enquanto chegava um grupo ansioso de visitantes. "No começo eu pensei que ia ser demais, mas na verdade ela funciona perfeitamente." A exuberância carnavalesca dos lustres incrustados de joias atrai o olhar lá para cima, para o teto com aparência de bolo confeitado, que de outra forma passaria despercebido.

O interesse de Milhazes em arquitetura antecede suas próprias incursões em escultura. "Eu sempre me senti muito ligada ao modernismo,” ela disse. "Claro, Burle Marx sempre foi uma das minhas referências. Eu cresci em Copacabana - quando eu desenvolvi minha própria linguagem, eu queria usar aquilo,” Milhazes, disse, referindo-se à Avenida Atlântica, a calçada icônica ao longo do litoral do Rio de Burle Marx, fornecendo o ponto de partida para a sua mostra retrospectiva, um pouco além do lobby.

Ao entrar na exibição de Burle Marx com Milhazes, ela logo aponta para as pinturas de paisagens e os desenhos. "Estes desenhos em preto e branco são fantásticos," ela disse, enquanto o vice-diretor do Museu Judaico, Jens Hoffmann, começa a turnê. "Ele estava interessado em recriar o paraíso; ele disse isso em várias ocasiões,” Hoffmann disse, conectando os pontos entre instalações externas de Burle Marx e essas obras menores. "Ele também era fascinado pela possibilidade que uma obra de arte existisse na mesma dimensão do tempo, como você conseguiria controlar ou manipular isso. Eu realmente gosto de pensar em seus jardins em diferentes épocas do ano e como fica complicado tentar organizar todos os detalhes." A hierarquia abrangendo forma e cor, a imagem de um elaborado sistema, faz lembrar a organização das pinturas em camadas gráficas de Milhazes.

Nas primeiras obras de Burle Marx no papel, personagens rabiscados habitam estrategicamente em paisagens em camadas, o mesmo tipo de estratégia que o designer usou em comissões públicas, como os curvilíneos jardins de 1938 para a cobertura do edifício de vidro do Ministério da Educação e da Saúde de Le Corbusier, no Rio de Janeiro. "Parece Piet Mondrian usando LSD," Hoffmann comentou, antes de acrescentar: "Le Corbusier adorou."

Como Milhazes, as tendências modernistas podem ser vistas em todas as facetas das obras de Burle Marx, desde suas próprias experiências em projetos de cenografia até seus azulejos pintados à mão com arabescos semelhantes a peixes. Ao passar pela vitrine, Hoffmann apontou para um grupo de telhas lúdicas criadas pelo artista Nick Mauss, um dos seis artistas convidados a responder diretamente às obras de Burle Marx. A resposta de Dominique Gonzalez-Foerster, "Plages (Praias)," 2001, um vídeo feito da Avenida Atlântica, mostra cariocas festejando à beira-mar durante as celebrações do Ano Novo da cidade. Na verdade foi Gonzalez-Foerster que apresentou Hoffmann ao paisagista.

Enquanto essas obras contemporâneas fornecem contexto para o legado de Burle Marx, a adição mais surpreendente para a mostra vem do próprio arquiteto paisagista: uma tapeçaria gigante que engole a parede de trás. Originalmente concebida para o Ministério das Relações Exteriores de Brasília, a elaborada obra tecida liga regiões ecológicas do Brasil através da linguagem da abstração. O ritmo geométrico estabelecido pelo tapete ajuda a criar um contexto para os projetos de Burle Marx. Artisticamente feitos em guache, estes mapas gráficos descrevem sistemas cuidadosamente calculados que nasceram das investigações práticas de Burle Marx sobre as ecologias regionalizadas do Brasil. É este relacionamento entre o artifício e a natureza que parece permear as duas exposições. Interpretando as influências internacionais que surgiram no seu país, artistas brasileiros estabeleceram a sua própria identidade misturando referencias que definiram a sua cultura, como o samba e o cenário verdejante do Brasil." Agora eu posso dizer que o meu trabalho usa algumas coisas que são muito locais, mas sempre através de uma linguagem internacional," disse Milhazes. "É incrível como isso ressoa em todos os lugares onde vou.”  


Localizado na cidade de Nova York museus, o Museu Judaico é uma jóia-box de um museu de arte, e um cubo distintivo para a arte ea cultura judaica para pessoas de todas as origens.

O Museu mantém uma colecção única de cerca de 30.000 obras de arte fina, Judaica, antiguidades, arte popular, objetos cerimoniais, e meios de transmissão, que reflectem a experiência judaica mundial ao longo de mais de 4.000 anos. Nosso ilustre história de exposição revela uma exploração profunda e rica da cultura e da identidade judaica, e inclui alguns dos shows mais seminais do século 20 e 21. Nossos programas de educação dinâmicas - de palestras e conferências, para performances, a hands-on fazer arte e mais - servem uma grande variedade de públicos, incluindo famílias, estudantes, educadores e amantes da arte.

Cultura brasileira - Livro - "A hora da estrela" - Resumo da obra de Clarice Lispector. --- Brazilian culture - Book - "The Hour of the Star"

Em seu último romance, Clarice Lispector criou um narrador fictício, Rodrigo S.M, que relata a vida da jovem nordestina Macabéa, ao mesmo tempo em que reflete sobre os sonhos, as manias e os conflitos internos da garota.




Resumo
Enredo 1 
O narrador conta a história de Macabéa, jovem alagoana de 19 anos que vive no Rio de Janeiro. Órfã, mal se lembrava dos pais, que morreram quando ela era ainda criança. Foi criada por uma tia muito religiosa e moralista, cheia de superstições e tabus, os quais ela passou para a sobrinha.

Essa tia também tinha certo prazer mórbido em castigar Macabéa com cascudos na cabeça, muitas vezes sem motivo, além de privá-la de sua única paixão: a goiabada com queijo na sobremesa. Assim, depois de uma infância miserável, sem conforto nem amor, sem ter tido amigos nem animais de estimação, Macabéa vai para a cidade grande com a tia.

Apesar de ter estudado pouco e não saber escrever direito, Macabéa faz um curso de datilografia e consegue um emprego, no qual recebe menos que o salário mínimo. Após a morte da tia, deixa de ir à igreja e passa a repartir um quarto de pensão com quatro balconistas de uma loja popular.
Macabéa cheirava mal, pois raramente tomava banho. À noite, não dormia direito por causa da tosse persistente, da azia — em virtude do café frio que tomava antes de se deitar — e da fome, que ela disfarçava comendo pedacinhos de papel.

A moça tinha hábitos e manias que aliviavam um pouco a solidão e o vazio de sua existência. Entretinha-se ouvindo a Rádio Relógio num aparelho emprestado de uma das colegas. Essa emissora informava a hora certa, transmitia cultura inútil e propaganda, sem nenhuma música. A garota colecionava também anúncios de jornais e revistas, que colava num álbum. Certa vez, cobiçou um creme cosmético, que preferia comer em vez de passar na pele.

Era muito magra e pálida, pois não se alimentava direito. Basicamente vivia de cachorro-quente com Coca-Cola, que comia na hora do almoço, em pé, no balcão de uma lanchonete ou no escritório em que trabalhava. Não sabia o que era uma refeição quente. Seus luxos consistiam em pintar de vermelho as unhas, que roía depois, comprar uma rosa e, quando recebia o salário, ir ao cinema, o que a fazia desejar ser estrela de cinema, como Marilyn Monroe, seu grande sonho.

Certo dia, o chefe de Macabéa, Raimundo, cansado do péssimo trabalho que ela executava, com textos datilografados cheios de erros de ortografia e marcas de gordura, resolve despedi-la. A reação da garota, de se desculpar pelo aborrecimento causado, acaba desarmando Raimundo, que decide mantê-la por mais um tempo.

Num dia 7 de maio, Macabéa mente dizendo que arrancaria um dente e falta ao trabalho para poder aproveitar a liberdade da solidão e fazer algo diferente. Assim que as colegas saem para trabalhar, ela coloca uma música alta, dança, toma café solúvel e até mesmo se dá ao luxo de se entediar. É nesse dia que conhece Olímpico de Jesus, único namorado que teve.

Não foi um namoro convencional. Olímpico também havia migrado do Nordeste, onde matara um homem, fugindo para o Rio de Janeiro. Conseguira emprego numa metalúrgica, o que dá delírios de grandeza em Macabéa. Afinal, ambos tinham profissão: ela era datilógrafa e ele, metalúrgico. 

Mau-caráter e ambicioso, Olímpico morava de favor no trabalho, roubava os colegas e almejava um dia ser deputado. O passeio dos namorados era sempre seguido de chuvas e de programas gratuitos, como sentar-se em bancos de praça para conversar. Nessas ocasiões, Olímpico se irritava com as perguntas que Macabéa fazia, o que a levava constantemente a se desculpar, pois não queria perdê-lo, apesar de seus maus-tratos.

Certo dia, admitindo que ela nunca lhe dava despesa, Olímpico decide pagar um cafezinho para Macabéa no bar da esquina. Avisa, porém, que se o café com leite fosse mais caro, ela pagaria a diferença. Macabéa, emocionada com a "bondade" do namorado, acaba enchendo o copo de açúcar para aproveitar, ficando enjoada depois. Em um passeio ao zoológico, Macabéa fica com tanto medo do rinoceronte que urina na roupa e tenta disfarçar para não desagradar ao namorado. Um dia, vendo que só o chefe e sua colega de escritório, Glória, recebiam telefonemas, Macabéa dá uma ficha telefônica para que Olímpico ligue para ela. Ele se recusa, dizendo que não queria ouvir as "bobagens" dela.

Até que, após conhecer Glória, Olímpico decide romper com Macabéa para ficar com a sua amiga. O rapaz considera a troca um progresso, já que elas eram opostas: Glória era loira (oxigenada), cheia de corpo, morava numa casa confortável, tinha três refeições por dia e, o mais importante, seu pai era açougueiro, profissão ambicionada por Olímpico.

Após esse episódio, Macabéa vai ao médico e descobre que tem tuberculose, mas não entende muito bem a gravidade da doença. Sente-se bem só por ter ido ao consultório e não acha necessário comprar o medicamento receitado. Com dor na consciência por ter roubado o namorado de Macabéa, Glória a convida para lanchar em sua casa. Macabéa, mais uma vez, aproveita a oportunidade e come demais. Apesar de passar mal, não vomita para não desperdiçar o luxo do chocolate, mas sente remorsos por ter roubado uma rosquinha.

Finalmente, aconselhada por Glória, Macabéa vai até uma cartomante para saber de sua sorte. Lá, é recebida pela própria, Madama Carlota, que impressiona a pobre moça pelo "requinte" de sua residência, repleta de plástico, e pela amabilidade afetada com que a trata. Após Madama Carlota contar sobre sua vida como prostituta e cafetina, lê as cartas para Macabéa, que, emocionada, pela primeira vez vislumbra um futuro e se permite ter esperança. Afinal, iria se casar com um estrangeiro rico, que daria todo o amor de que ela precisava.

Inebriada com as previsões da cartomante, Macabéa atravessa a rua sem olhar e é atropelada por uma Mercedes-Benz. Caída na calçada e sangrando, seu fim é testemunhado por inúmeros espectadores que se aglomeram em torno dela, sem que nenhum ofereça socorro. Por fim, a garota tosse sangue e morre. Havia chegado a hora da estrela. 


Enredo 2
Começa quando o narrador, andando pela rua, capta o olhar de desespero de uma jovem nordestina no meio da multidão. A partir daí, nasce Macabéa, que representa a miséria inerente ao autor e a todas as pessoas. Em uma relação de amor e ódio, Rodrigo S.M. narra a vida dessa moça como tentativa de se livrar da sensação de mal-estar que ela representa e que o contagiava, ao mesmo tempo em que se apieda e se revolta, inclusive se sentindo culpado por viver num padrão mais elevado que a maioria da população marginalizada.

Dessa forma, intima o leitor a também se colocar no lugar do outro para experimentar essa miséria e perceber que, no fundo, ela faz parte de todos nós. Por isso, não basta denunciar as mazelas sociais, como a fase anterior do modernismo pregava, mas induzir o leitor a uma epifania, uma revelação, ainda que despertada pela náusea, como nesse caso. 

Enredo 3
Nessa parte, Rodrigo S.M. discute a limitação da literatura diante da busca existencial. Também ironicamente condena os autores de estilo pretensamente original, que abusam de modismos, de adornos que descaracterizam o poder das palavras, bem como a obsessão pelo rigor formal, pela ortografia impecável.

Assim, há na obra diversos recursos metalinguísticos. Essas três narrativas se interligam, não sendo possível separá-las, pois o livro nem mesmo tem divisão por capítulos.

Lista de personagens
Rodrigo S.M.: é o narrador da história e pode ser entendido como uma representação da própria escritora. Ele faz ao longo do livro diversas reflexões sobre o ato de escrever. Sua principal preocupação é em mergulhar na profundidade do ser humano para entender sua natureza. 

Macabéa: personagem principal da obra, é uma moça nordestina (alagoana) de 19 anos, pobre e desleixada. Não tem família e vive com um subemprego no Rio de Janeiro. Sua ignorância é tamanha que não reconhece nem sua própria infelicidade.

Olímpico de Jesus: é o primeiro e único namorado de Macabéa. Também nordestino, mas da Paraíba, não tem escrúpulos e é ambicioso. 

Glória: filha do açougueiro e colega de trabalho de Macabéa. Apesar de não ser bonita, tinha certa sensualidade. Por conta disso, Olímpico deixa Macabéa para ficar com ela. 

Madame Carlota: a cartomante.

Sobre Clarice Lispector
Clarice Lispector nasceu em 10 de dezembro de 1920 em Tchetchelnik, Ucrânia. Quando tinha cerca de dois meses de idade, seus pais migraram para o Brasil, terra que considerava como sua verdadeira pátria. Em 1924, a família mudou-se para o Recife, onde iniciou seus estudos. Por volta dos oito anos, Clarice perdeu sua mãe. Três anos depois, a família muda-se para o Rio de Janeiro.

Ingressa em 1939 na Faculdade de Direito, e publica no ano seguinte seu primeiro conto, Triunfo, em uma revista. Forma-se em 1943 e casa-se no mesmo ano com o diplomata Maury Gurgel Valente, com quem teve dois filhos. Durante seus anos de casada, mora em diversos países pela Europa e nos Estados Unidos.

Em 1944, publica seu primeiro romance, Perto do coração selvagem, vindo a ganhar o Prêmio Graça Aranha, da Academia Brasileira de Letras, no ano seguinte. Separa-se de seu marido em 1959 e volta para o Rio de Janeiro com seus dois filhos. No ano seguinte, publica seu primeiro livro de contos, Laços de família. 

Em 1967, um cigarro provoca um grande incêndio em sua casa e Clarice fica gravemente ferida, correndo risco inclusive de ter sua mão direita amputada. Porém, após se recuperar, continua com sua carreira literária publicando diversos livros.

Publica em 1977 seu último livro, A hora da estrela, vindo a ser internada pouco tempo depois com câncer. A escritora vem a falecer no dia 9 de dezembro do mesmo ano, véspera de seu aniversário de 57 anos.

Suas principais obras são: "Perto do coração selvagem" (1944), "Laços de família" (1960), "A maçã no escuro" (1961), "A legião estrangeira" (1964), "A paixão segundo G.H." (1964), "Felicidade clandestina" (1971), "Água viva" (1973) e "A hora da estrela" (1977).


Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

colaboração: Marcela Boni