Listen to the text.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Cyril-Belozersky Monastery, one of the most venerated saints of the Russian Orthodox Church. --- Cyril-Belozersky Mosteiro, um dos santos mais venerados da Igreja Ortodoxa Russa. --- Кирилло-Белозерского монастыря, один из самых почитаемых святых Русской православной Церкви


Cyril-Belozersky Monastery, one of the most venerated saints of the Russian Orthodox Church


The innovative museum project is an Internet encyclopaedia dedicated to the personality and deeds of St. Cyril of White Lake, whose name ranks high among the leaders of the Orthodox Church.

Cyril Belozersky - the founder of the St. Cyril-Belozersky Monastery, one of the most venerated saints of the Russian Orthodox Church (* see a brief historical summary.).

* Brief History:

St. Cyril-Belozersky, a disciple and follower of St. Sergius of Radonezh, the founder of the monastery on the banks of Lake Siverskoye in Belozersk principality - one of the most prominent Christian ascetics Medieval Russia. During this period, the history of Russian church pastors played an important role not only in church, but also in political affairs.

Sergius of Radonezh - one of the most influential and respected members of the clergy of the Moscow Russ of the XIV century - was a supporter of unification of Russian lands around Moscow. With the blessing of Abbot Sergius and his successors deep into the wild northern forests in search of more solitary lives of monks were removed.

By hermits joined other monks, forming a monastic community. New monastery arose away from the cities. Monastery founded in porubezhnye lands, became not only a pillar of Orthodoxy, but the state will guide the Moscow princes, were not only spiritual, but also major cultural centers.

Belozerja places were possessions of the northern border of the Moscow princes, deeply wedged in the Novgorod land. Having gone to the northern lands, Cyril Belozersky began to have more influence on political issues than in the period of life in Moscow Simonov monastery. St. Cyril led the conversation with the princes - the sons Dmitry Donskoy, his numerous disciples and followers not only founded a new monastery, but also, in turn, had an impact on policy. Being one of the most influential members of the clergy, Kirill Belozersky was canonized soon after his death, in the middle of the XV century. Brethren monastery founded by him tenderly kept things and books St. Cyril. These unique monuments have survived.

His relics are still buried under the crypt in the church that was built over the burial in St. Cyril-Belozersky Monastery.


--br via tradutor do google

Cyril-Belozersky Mosteiro, um dos santos mais venerados da Igreja Ortodoxa Russa

O projeto do museu inovador é uma enciclopédia da Internet dedicado à personalidade e obras de São Cirilo de White Lake, cujo nome é elevada entre os líderes da Igreja Ortodoxa.

Cyril Belozersky - o fundador do Mosteiro de São Cirilo-Belozersky, um dos santos mais venerados da Igreja Ortodoxa Russa (* ver um breve resumo histórico.).

* Breve História:

São Cirilo-Belozersky, um discípulo e seguidor de São Sérgio de Radonej, o fundador do mosteiro nas margens do Lago Siverskoye em Belozersk principado - um dos ascetas cristãos mais proeminentes Rússia Medieval. Durante este período, a história dos pastores da igreja russa desempenhou um papel importante não só na igreja, mas também em assuntos políticos.

Sérgio de Radonej - um dos membros mais influentes e respeitados do clero da Moscovo Russ do século XIV - foi um defensor da unificação das terras russas nos arredores de Moscou. Com a bênção do abade Sérgio e seus sucessores profundas nas florestas do norte selvagens em busca de vidas mais solitárias de monges foram removidos.

Por eremitas se juntou a outros monges, formando uma comunidade monástica. Monastério novo surgiu longe das cidades. Mosteiro fundado em terras porubezhnye, tornou-se não só um dos pilares da ortodoxia, mas o estado irá orientar os príncipes de Moscou, não foram apenas espiritual, mas também grandes centros culturais.

lugares Belozerja eram possessões da fronteira norte dos príncipes de Moscou, profundamente encravado na terra Novgorod. Tendo ido para as terras do norte, Cyril Belozersky começou a ter mais influência sobre as questões políticas do que no período da vida em Moscou Simonov mosteiro. St. Cyril levou a conversa com os príncipes - filhos Dmitry Donskoy, seus numerosos discípulos e seguidores não só fundou um novo mosteiro, mas também, por sua vez, teve um impacto na política. Sendo um dos membros mais influentes do clero, Kirill Belozersky foi canonizado logo após sua morte, em meados do século XV. mosteiro irmãos fundada por ele ternamente manteve as coisas e livros São Cirilo. Estes monumentos únicos sobreviveram.

Suas relíquias ainda estão enterradas sob a cripta na igreja que foi construída sobre o enterro em St. Mosteiro Cyril-Belozersky.



Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor

Vamos compartilhar.


--ru 

Инновационный музейный проект представляет собой Интернет-энциклопедию, посвященную личности и деяниям преподобного Кирилла Белозерского, имя которого занимает высокое место среди деятелей Православной церкви. 


Кирилл Белозерский – основатель Кирилло-Белозерского монастыря, один из самых почитаемых святых Русской православной Церкви (*см. краткую историческую справку).


* Краткая историческая справка:


Преподобный Кирилл-Белозерский, ученик и последователь идей Сергия Радонежского, основатель обители на берегу Сиверского озера в Белозерском княжестве, ‒ один из наиболее выдающихся христианских подвижников Средневековой Руси. В этот период русской истории церковные пастыри играли заметную роль не только в церковных, но и в политических делах.


Сергий Радонежский – один из наиболее влиятельных и уважаемых представителей духовенства Московской Руси XIV века ‒ был сторонником объединения русских земель вокруг Москвы. По благословлению игумена Сергия и его преемников вглубь диких северных лесов в поисках более уединенного жития удалялись монахи. 


К отшельникам присоединялись другие монахи, образовав монастырскую общину. Новые обители возникали в отдалении от городов. Монастыри, основанные в порубежных землях, становились не только опорой православия, но и проводником государственной воли московских князей, являлись не только духовными, но и крупными культурными центрами. 


Места Белозерья были северными пограничными владениями московских князей, глубоко вклинившихся в новгородские земли. Удалившись на северные земли, Кирилл Белозерский стал оказывать большее влияние на решение политических вопросов, нежели в период жизни в московском Симоновом монастыре. Преподобный Кирилл вёл переписку с князьями – сыновьями Дмитрия Донского, его многочисленные ученики и последователи не только основывали новые обители, но и, в свою очередь, оказывали влияние на политику. Будучи одним из наиболее влиятельных представителей духовенства, Кирилл Белозерский был канонизирован вскоре после смерти, в середине XV века. Братия основанной им обители трепетно хранила вещи и книги преподобного Кирилла. Эти уникальные памятники дошли до наших дней. 


Его мощи по сей день покоятся под спудом в храме, возведённом над погребением святого в Кирилло-Белозерском монастыре.

Le Musée national suisse s'agrandit. --- O Museu Nacional Suíço se expande;

Patrimoine A cette occasion, l'institut présente une nouvelle exposition permanente dédiée à l'archéologie suisse.


La nouvelle aile du Musée national suisse à Zurich, qui se conçoit comme un dialogue entre le présent et le passé, sera inaugurée dimanche par le conseiller fédéral Alain Berset. Pour fêter son agrandissement, l'institution a prévu un programme alléchant.

L'extension n'est pas un seulement «un ouvrage d'un très haut niveau technique, qui dispose par exemple d'une climatisation parfaite», mais elle a été conçue «comme une scène de théâtre, un arrière-fond où sont mises en scène les expositions», a déclaré devant la presse Christoph Gantenbein, un des architectes du projet.

Les murs dépouillés en béton et les grandes hauteurs sous plafond offrent un beau décor pour les oeuvres présentées. La forme même de la nouvelle aile, qui serpente derrière le bâtiment actuel, est inspirée par le cheminement du visiteur à travers les salles du musée, a indiqué M. Gantenbein.

Le projet voulait ancrer la continuité de l'ancien avec le nouveau, a de son côté souligné Emmanuel Christ, l'autre architecte de l'extension. «Le neuf ne serait concevable sans l'ancien, et les deux éléments constituent un nouvel ensemble», a-t-il déclaré devant la presse.

Dialoguer avec le passé

Le nouveau bâtiment renvoie ainsi au bâtiment historique de 1898, conçu par Gustav Gull: la façade au béton légèrement brune rappelle inévitablement la façade en tuf du «château de contes de fées».

L'idée était également de faire dialoguer l'ancien avec le nouveau, symboliquement, «mais aussi concrètement, dans l'espace», a ajouté M. Christ.

Les fenêtres-hublots qui parsèment la nouvelle aile participent de cette idée: au milieu des expositions, le visiteur peut contempler le parc et la Limmat. Le présent s'invite ainsi au milieu des oeuvres du passé.

Les deux bâtiments sont reliés par une sorte de pont, dans la cour intérieure, qui symbolise également cette volonté de joindre le passé au présent, selon les architectes.

Pour inaugurer sa nouvelle aile, le Musée national suisse a mis les bouchées doubles: une nouvelle exposition permanente dédiée à l'archéologie suisse, ainsi qu'une exposition temporaire consacrée à la Renaissance.

La nouvelle exposition permanente couvre les découvertes archéologiques en Suisse, en présentant plus de 1400 objets, sans oublier d'éclairer le rapport entre l'homme et son environnement.

Quant à l'exposition «L'Europe à la Renaissance, Métamorphoses 1400-1600», elle réunit plus de 300 objets provenant de l'Europe et des Etats-Unis. Certaines oeuvres sont présentées pour la première fois en Suisse.

Invités en provenance des 26 cantons

Elle se tient jusqu'au 27 novembre et explore toutes les facettes innovantes de l'époque, que ce soient les nouveautés artistiques, l'imprimerie, la nouvelle place de l'individu dans la société ou les grandes découvertes.

Outre les deux expositions, la nouvelle aile accueille un centre d'études, une bibliothèque, un auditorium, ainsi qu'une cafétéria.

Le ministre de la culture Alain Berset inaugurera officiellement dimanche après-midi la nouvelle aile, en présence de plus de 1000 invités. Des conseillers d'Etat en provenance des 26 cantons seront présents, a indiqué devant la presse Andreas Spillmann, directeur de l'institution.


La population est conviée dès 18h00 à venir parcourir les salles de l'extension du musée qui restera ouvert jusqu'à tard dans la nuit.

Des visites guidées et des tables rondes sont prévues, mais également des concerts de jazz et de beat box, par exemple. Un DJ animera la cour intérieure jusqu'à quatre heures du matin. (ats/nxp)







Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.


A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--br via tradutor do google

O Museu Nacional Suíço se expande;

Heritage Nesta ocasião, o Instituto apresenta uma nova exposição permanente dedicada à arqueologia suíço.


A nova ala do Museu Nacional Suíço, em Zurique, que é concebido como um diálogo entre o presente eo passado, será inaugurada no domingo pela Conselheira Federal Alain Berset. Para comemorar sua expansão, a instituição tem previsto um programa emocionante.

A extensão não é apenas "uma obra de um alto nível técnico, o que, por exemplo, tem excelente ar condicionado", mas ele foi projetado ", como um palco, um cenário que expõe exposições dirigidas ", disse Christoph Gantenbein à imprensa, um dos arquitetos do projeto.

As paredes de concreto despojado e tectos altos oferecem um belo cenário para as obras apresentadas. A forma da nova ala, que ventos por trás do actual edifício é inspirado no fluxo de visitantes através das salas do museu, disse Gantenbein.

O projeto iria ancorar a continuidade do antigo com o novo, sublinhou seu lado Emmanuel Cristo, o outro arquiteto da extensão. "Os nove seria concebível sem o primeiro, e ambos os elementos são um novo juntos", disse ele a repórteres.

Diálogo com o passado

O novo edifício remete assim para o prédio histórico de 1898, projetado por Gustav Gull: a fachada um pouco de concreto marrom inevitavelmente lembra a fachada tufo do "castelo de conto de fadas".

A ideia era também para envolver o antigo com o novo, simbolicamente, "mas também concretamente, no espaço", acrescentou o Sr. Cristo.

janelas do pátio que pontilham a nova peça da asa desta ideia no meio das exposições, o visitante pode admirar o parque eo Limmat. Isto exige, assim, em meio às obras do passado.

Os dois edifícios estão ligados por uma ponte, no pátio, que também simboliza esse desejo de participar do passado para o presente, de acordo com os arquitetos.

Para inaugurar sua nova ala, o Museu Nacional da Suíça tem trabalhado horas extraordinárias: uma nova exposição permanente dedicada à arqueologia suíço, bem como uma exposição temporária sobre o Renascimento.

A nova exposição permanente cobre achados arqueológicos na Suíça, com mais de 1.400 objetos, sem esquecer de esclarecer a relação entre o homem eo seu ambiente.

Como para a exposição "A Europa no Renascimento, 1400-1600 Metamorphosis", que reúne mais de 300 objetos da Europa e dos Estados Unidos. Alguns trabalhos são apresentados pela primeira vez na Suíça.

Os hóspedes dos 26 cantões

Corre-se até 27 de novembro e explorar todos os aspectos inovadores da época, seja inovações artísticas, impressão, o novo lugar do indivíduo na sociedade ou as grandes descobertas.

Além das duas exposições, a nova ala abriga um centro de estudos, uma biblioteca, um auditório e uma cafetaria.

O ministro da Cultura, Alain Berset abrirá oficialmente na tarde de domingo a nova ala, com a presença de mais de 1.000 convidados. conselheiros de Estado dos 26 cantões estará presente, disse à imprensa Andreas Spillmann, diretor da instituição.

O público é convidado a vir a partir das 18:00 para percorrer os corredores da extensão do museu permanecerá aberto até tarde da noite.

visitas guiadas e mesas redondas estão previstas, mas também concertos de jazz e beat box, por exemplo. Um DJ vai pátio até as quatro da manhã. (ATS / nxp)

Museu Casa do Sertão em Feira de Santana na Bahia, Brasil, expõe acervo do escritor Eulálio Motta. --- Hinterland House Museum in Feira de Santana in Bahia, Brazil, exposes the writer's collection Eulalio Motta

O Museu Casa do Sertão, em parceria com o Núcleo de Estudos Interdisciplinares em Humanidades Digitais do Departamento de Letras e Artes (DLA) da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), realiza a “Exposição Acervo do escritor Eulálio Motta”. O trabalho estará aberto para visitação no período de 04 de julho a 5 de agosto de 2016.



Nesta exposição, o visitante terá contato com livros de autoria do escritor, manuscritos, fotografias, datiloscritos, folhetos, cadernos de anotações, cartas e objetos pessoais. O acervo está arquivado há mais de 60 anos, o que possibilita um “mergulho” no laboratório do escritor, por meio da observação dos esboços e rascunhos de suas obras literárias.

A mostra faz parte da programação do 8º Seminário de Estudos Filológicos (SEF), que acontecerá na Uefs, no período de 06 a 08 de julho. O evento é promovido pelo DLA e tem como tema a “Filologia e Humanidades Digitais”.


O escritor
Eulálio de Miranda Motta (1907-1988) nasceu em Alto Bonito, no município de Mundo Novo-BA. Foi poeta, dedicou-se ao jornalismo e atuou no cenário político do seu município.


A obra do escritor vem sendo pesquisada na Uefs através do Núcleo de Estudos Interdisciplinares em Humanidades Digitais, onde o acervo é estudado por diversos pesquisadores. O Professor Dr. Patrício Barreiros, coordenador do Núcleo, recebeu da família do escritor Eulálio Motta a doação do acervo, e hoje coordena o Projeto de Pesquisa Edição das Obras Literárias de Eulálio Motta.

Sobre o  escritor

No dia 15 de abril de 1907 nasceu Eulálio de Miranda Motta, na vila Alto Bonito, em Mundo Novo-BA

Filho de D. Eremita Miranda Motta e do Sr. Antonio Manoel da Motta, Eulálio Motta teve seis irmãos: Durval, Nelson, Amando, Arnaldo, Edithe e Zenailde. Ele viveu a sua infância entre o arraial de Alto Bonito, a Fazenda Vaca Parida de seu avô e a Fazenda Morro Alto, lugares que deixaram profundas marcas no imaginário do poeta.

Além das atividades agropecuárias a família de Eulálio Motta tinha armazéns nas vilas do Alto Bonito e Capela da Cigana, conforme declara Eudaldo Lima.

Nessa ocasião, Eulálio tinha dezesseis anos. Em seguida, já com dezessete anos, ele fora viver em Monte Alegre, hoje Mairi, onde trabalhou como balconista numa farmácia e pôde continuar os estudos iniciados ainda na vila do Alto Bonito.

Após apaixonar-se por uma jovem da cidade, Eulálio passou a ser negligente com o trabalho na farmácia, chegava atrasado e ficara desatento com os afazeres. Assim, seu pai o trouxe de volta para a fazenda. Todavia, Eulálio apenas interessava-se por fazer versos apaixonados.

O pai de Eulálio tinha o propósito de possibilitar aos seus filhos a oportunidade de estudar. O filho mais velho, Durval Motta, foi o primeiro a ir estudar em Salvador, em seguida foi a vez de Eulálio. Em 1926, ele ingressou no Ginásio Ipiranga, onde fez os preparatórios para a universidade.

O jovem do interior vislumbrou-se com a capital que se revelou diante dele com seus bondes, com a eletricidade, com os automóveis e todo um progresso, bastante diferente do universo dos arraiais do sertão de Mundo Novo. A “visão de novos caminhos” e  “uma porção de coisas nunca vistas” mudou para sempre a vida do jovem de dezoito anos, “aquele voltarei breve!”, tornou-se um “nunca mais”. A viagem para a capital fez com que as experiências de menino do interior ficassem para trás, como se o cenário e as histórias de sua infância se distanciassem como as “casas correndo, / paisagens correndo, / tudo correndo / com o trem sem sair do lugar!”.

Apenas ficaria a saudade, daquele tempo, daquela vida. Quando Eulálio Motta retorna a Mundo Novo, já não é mais o mesmo de antes da partida. Aquele jovem que se despediu quando fizera a viagem para a capital, já não existia mais.

Naquela ocasião, a viagem de Mundo Novo a Salvador era bem diferente do que é hoje em dia. Tomava-se um trem em Barra de Mundo Novo até Jacobina, outro de Jacobina até Alagoinhas, dali outro trem para Cachoeira e de lá pegava-se um navio a vapor para Salvador. Esse percurso inspirou várias poesias e crônicas.

Em 1929, Eulálio Motta ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia, onde se formou em Farmácia em 1933, conforme declara,

1933…
No mesmo ano de sua formatura, Eulálio decidiu não mais morar em Salvador. Sem pouso certo, viveu alguns meses em Cachoeira, onde morava seu irmão mais velho, Durval Motta. De Cachoeira, Eulálio foi viver em Itabira ou Mocambo dos Negros, pequeno povoado do município de Miguel Calmon, onde abriu uma farmácia. Também não deu certo o negócio em Itabira. Então, Eulálio decidiu viver na fazenda Morro Alto, onde se dedicou às atividades cotidianas. E esporadicamente atuava como farmacêutico, mas jamais abandonou o ofício de escritor.

Foi na fazenda Morro Alto que Eulálio escreveu grande parte de sua obra literária. É inegável a forte influência que o universo da fazenda exerceu sobre o seu imaginário. No livro de crônicas e causos, Bahia humorística, que não chegou a ser publicado, Eulálio narra episódios do cotidiano na fazenda, das histórias que ouviu contar da boca dos trabalhadores. Ele também explora as lendas, o folclore regional e o imaginário do homem sertanejo.


Eulálio Motta faleceu em outubro de 1988.




http://www.uefs.br/2016/07/403/Museu-Casa-do-Sertao-expoe-acervo-do-escritor-Eulalio-Motta-.html




Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor

Vamos compartilhar.




--in via tradutor do google
Hinterland House Museum in Feira de Santana in Bahia, Brazil, exposes the writer's collection Eulalio Motta

The House of the Wild Museum in partnership with the Interdisciplinary Center for Studies in Humanities Digital Department of Letters and Arts (DLA) of the State University of Feira de Santana (UEFS), performs the "Exhibition of the Acquis writer Eulalio Motta." The work will be open to visitors during the period from 04 July to 5 August 2016.

In this exhibition, visitors will have contact with the writer's authorship of books, manuscripts, photographs, datiloscritos, brochures, notebooks, letters and personal items. The collection is shelved for over 60 years, which allows for a "dip" in the writer's laboratory, through observation of sketches and drafts of his literary works.

The show is part of the programming of the 8th Seminar Filológicos Studies (SEF), which will take place in UEFS in the period 06-08 of July. The event is sponsored by DLA and has the theme "Philology and Humanities Digital".

The writer
Eulalio Miranda Motta (1907-1988) was born in Alto Bonito, in the municipality of Novo-BA World. He was a poet, he devoted himself to journalism and worked in the political landscape of the municipality.

The writer's work has been researched in UEFS through the Interdisciplinary Center for Studies in Digital Humanities, where the collection is studied by many researchers. Professor Dr. Patrick Barreiros, coordinator of the Center, received the Eulálio Motta writer's family donation of the collection, and now coordinates the Research Project Edition of Literary Works Eulalio Motta.

About the Author

On April 15, 1907 was born Eulalio Miranda Motta, in the village Alto Bonito, New-BA World

Son of D. Eremita Miranda Motta and Mr. Antonio Manoel da Motta, Eulalio Motta had six brothers: Durval, Nelson, Loving, Arnaldo, Edithe and Zenailde. He lived his childhood between the camp of Alto Bonito, the Cow Farm Parida his grandfather and Farm Morro Alto, places that have left deep marks in the poet's imagination.

In addition to the agricultural activities to Eulalio Motta family had warehouses in Alto Bonito villages and Chapel of the Gypsy as states Eudaldo Lima.

On that occasion, Eulalio was sixteen. Then, already seventeen, he was living in Monte Alegre, today Mairi, where he worked as a clerk in a pharmacy and was able to continue the studies also started in Alto Bonito village.

After falling in love with a young city, Eulalio became careless with the pharmacy work, arrived late and had been inattentive to the affairs. So, his father brought him back to the farm. However, Eulalio only was interested in making passionate verses.

The Eulalio's father had the purpose of enabling their children the opportunity to study. The eldest son, Durval Motta, was the first to go to study in Salvador, then it was the turn of Eulalio. In 1926, he entered the Gymnasium Ipiranga, where he made the preparations for the university.

The young interior is envisioned with the capital that was revealed before him with their trolleys, with electricity, with cars and all progress, quite different from the New World backwoods camp universe. The "vision of new ways" and "a lot of things unseen" forever changed the life of the youth of eighteen, "he will come back soon!", Has become a "never again". The trip to the capital caused the boy experiences the inner stay behind, as if the scenery and the stories of his childhood to distance themselves as "running houses / landscapes racing / all running / with the train without leaving place!".

It would merely be a longing, that time, that life. When Eulalio Motta returns to the New World, is no longer the same as before departure. That young man who fired when made the trip to the capital, no longer existed.

At that time, the New World trip to Salvador was quite different than it is today. He took up a train at World Bar to New Jacobina, Jacobina other to Alagoinhas, there another train to Waterfall and from there picked up a steamer to Salvador. This journey inspired several poems and chronicles.

In 1929, Eulalio Motta joined the Faculty of Medicine of Bahia, where he graduated in Pharmacy in 1933, as stated,

1933 ...
In the same year of his graduation, Eulalio decided not to live in Salvador. No right landing, lived a few months in Cachoeira, where he lived his older brother, Durval Motta. Waterfall, Eulalio was living in Itabira Mocambo or the Blacks, a small village in the municipality of Miguel Calmon, where he opened a pharmacy. Also not sure gave the business in Itabira. So Eulalio decided to live on the farm Morro Alto, where he devoted himself to daily activities. And occasionally worked as a pharmacist, but never left the writer's craft.

It was on the farm Morro Alto that Eulalio wrote much of his literary work. There is no denying the strong influence that the farm universe had on their imagination. In the book of chronicles and stories, humorous Bahia, which was never published, Eulalio chronicles the daily episodes on the farm, the stories he heard tell of the mouth of the workers. It also explores the legends, regional folklore and the imaginary frontiersman man.

Eulalio Motta died in October 1988.

Exposição “Uma Vida por entre as Linhas” no Museu Anjos Teixeira, Portugal.

Está patente no MAT – Museu Anjos Teixeira, até 30 de agosto, a exposição temporária “Uma Vida por entre as Linhas”.

Esta exposição traz a público a correspondência de Pedro Anjos Teixeira, mostrando um lado mais pessoal do escultor e até da sua obra.


O Museu Anjos Teixeira localiza-se na cidade e concelho de Sintra, no distrito de Lisboa.

O seu espólio é constituído pelo legado artístico de dois grandes escultores portugueses contemporâneos – Artur Anjos Teixeira (1880-1935) e Pedro Anjos Teixeira (1908-1997), respectivamente pai e filho. Em exposição permanente encontra-se grande parte da obra dos dois escultores (mármores, gessos, bronzes, maquetas, desenhos, esboços e modelos). Destacam-se os trabalhos figurativos de temática humana e animal, com especial realce para as representações dos homens e mulheres do povo, fixados pelos dois escultores nas suas diversas profissões, atitudes e trajos característicos.

O museu encontra-se instalado em um edifício do início do século XX, construído para azenha, que, na Azinhaga da Sardinha, aproveitava as águas do rio do Porto. Mais tarde, foi transformada em serração de pedra, tendo sido, por fim, adquirida pela Câmara Municipal de Sintra para um depósito de viaturas municipais. Foi requalificado e reinaugurado como museu em 1976.


Preço : 1€
Horário: terça a sexta-feira das 10h00 às 18h00; sábados e domingos das 12h00 às 18h00.
Encerra à segunda-feira e aos feriados.

Azinhaga da Sardinha – Rio do Porto
2710-631 SINTRA
Tel: 21 923 88 27


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor

Vamos compartilhar.