Listen to the text.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Museu do Café promove atividades sobre o folclore brasileiro em agosto 2016. --- Coffee Museum promotes activities on Brazilian folklore in August

Instituição promoverá entre os dias 18 e 22 três atividades especiais.



Museu do Café fica na Rua XV de Novembro, 95, /
no Centro Histórico em Santos, São Paulo, Brasil.

O Museu do Café promoverá entre os dias 18 e 22 de agosto três atividades especiais com foco na diversidade cultural do Brasil: uma oficina de xilogravura, uma intervenção cênica na cafeteria do museu e o curso ‘Sabor Caipira’. Toda a programação é gratuita.

No primeiro dia da programação acontece o curso Sabor Caipira, ministrado por estudantes e professores do curso de Gastronomia da Unimonte. Na ocasião, os participantes vão aprender a preparar pão de queijo caseiro, comum nas cidades do interior do Brasil. Os alunos também terão a oportunidade de harmonizá-lo com diferentes tipos de café. O curso aconteceu no dia 18, às 14h e possui 20 vagas. As inscrições devem ser feitas por meio do e-mail cpc@museudocafe.org.br.

Já a oficina de xilogravura, do artista plástico Valdeck de Garanhuns, acontece no dia 21, também às 14h, e os inscritos terão a oportunidade de aprender o passo a passo do processo de reprodução mais antigo que existe. A oficina conta com a parte teórica, que aborda a origem e história da xilogravura, as madeiras ideais para a técnica, as ferramentas e tintas a serem usadas e, por fim, a parte prática, com os participantes fazendo o entalhe. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail: inscricao@museudocafe.org.br, com limite de 20 pessoas.

Completando a programação, o Museu do Café recebe no Dia do Folclore, 22, às 11h30, artistas para uma intervenção cênica na Cafeteria do Museu. Os visitantes da instituição que estiverem tomando café serão abordados com crenças e superstições do folclore caipira para temas como casamento, sorte, tratamentos, entre outros.

O Museu do Café fica na Rua XV de Novembro, 95, no Centro Histórico de Santos. O museu funciona de terça-feira a sábado das 9h às 17h, e aos domingos entre 10h e 17h. Os ingressos para visitação custam R$ 6, estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada. Aos sábados, a visitação é gratuita. Já a Cafeteria do Museu funciona de segunda a sábado das 9h às 18h, e aos domingos entre 10h e 18h. Outras informações estão disponíveis no site.




Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.




--in via tradutor do google
Coffee Museum promotes activities on Brazilian folklore in August

Promote institution between April 18 to 22 three special activities.

Coffee Museum is located at Rua XV de Novembro, 95, in the Historic Center in Santos, São Paulo, Brazil.

The Coffee Museum will promote between 18 and August 22 three special activities focusing on cultural diversity of Brazil: a woodcut workshop, a scenic intervention in the cafeteria of the museum and the course 'Taste Grit'. All programming is free.

On the first day of the schedule happens the course Sabor Caipira, taught by students and teachers of the Gastronomy course of Unimonte. At the time, the participants will learn how to prepare homemade cheese bread, common in the inner cities of Brazil. Students also have the opportunity to align it with different types of coffee. The course took place on the 18th, at 14h and has 20 vacancies. Entries must be made through the email cpc@museudocafe.org.br.

Already the woodcut workshop, the artist Valdeck Garanhuns, takes place on 21, also at 14h, and subscribers will be able to learn step by step the oldest reproduction process that exists. The workshop has the theoretical part, which covers the origin and history of engraving, the ideal timber for the technique, tools and dies to be used and, finally, the practical part, with participants making the notch. Registration is free and can be made by e-mail: inscricao@museudocafe.org.br, with a limit of 20 people.

Rounding out the program, the Coffee Museum receives on the Day of Folklore, 22, at 11:30 am, artists for a scenic intervention in Cafeteria Museum. Visitors to the institution are taking coffee will be dealt with beliefs and superstitions of hillbilly folklore to topics such as marriage, luck, treatments, among others.

The Coffee Museum is located at Rua XV de Novembro, 95, in the historic center of Santos. The museum is open from Tuesday-Saturday from 9h to 17h and on Sundays between 10h and 17h. Tickets for visitation cost R $ 6, students and people over 60 years old pay half price. On Saturdays, the visit is free. Already Cafeteria Museum is open Monday to Saturday from 9h to 18h, and on Sundays between 10h and 18h. More information is available on the site.


Directora do Museu Gulbenkian vai ser curadora na feira de Maastricht. --- Director of the Gulbenkian Museum will be curator at the fair in Maastricht.

Em 2017, Penelope Curtis vai ter a seu cargo a secção contemporânea da Tefaf, a mais importante das feiras internacionais de arte e antiguidades.


Penelope Curtis está há menos de um 
ano à frente do Museu Gulbenkian RUI GAUDÊNCIO



Penelope Curtis, a historiadora de arte que dirigia a Tate Britain e que chegou há dez meses a Lisboa para encabeçar a equipa do Museu Calouste Gulbenkian tem a seu cargo mais um desafio. Segundo o site da revista norte-americana Artforum, especializada em notícias do mundo da arte, sobretudo contemporânea, a inglesa vai passar a estar ligada à Tefaf, a feira de antiguidades de Maastricht. Nada que a impeça, note-se, de se manter em funções no museu da Fundação.

Curtis vai chefiar a Tefaf Curated, a secção de arte contemporânea desta feira que é vista como a mais importante do mundo no seu género. Esta secção, que vai apenas na sua terceira edição – a principal, mais centrada na pintura antiga e na arte oriental, com muito mobiliário, peças arqueológicas e jóias à mistura, nasceu há 40 anos –, vai convidar em 2017 uma série de galerias a apresentarem trabalhos enquadrados pelo mote genérico Heaven and Earth.

Segundo o site da Artnet, empresa internacional que acompanha o mercado da arte, Curtis vai pedir aos galeristas, em particular, que submetam peças e projectos que envolvam a exploração da figura reclinada, motivo recorrente na arte desde a Antiguidade, sobretudo na escultura, abordando temas como a fertilidade, o sofrimento, a fecundidade e a celebração. 

A escolha da figura reclinada como fio condutor dificilmente poderia ter mais a ver com esta conservadora. Curtis especializou-se em escultura do século XX e fez parte do grupo fundador do Instituto Henry Moore, em Leeds, um centro de investigação que dirigiu durante 11 anos e que deixou para liderar a Tate Britain entre 2010 e 2015, período em que o museu londrino foi totalmente renovado de acordo com um projecto que implicou reorganizar a narrativa das suas colecções e exigiu um investimento de 54 milhões de euros.

No Museu Gulbenkian, Penelope Curtis também está a reorganizar a casa,combinando as duas colecções da fundação: a de Calouste Sarkis Gulbenkian, imutável - cerca de seis mil peças que vão desde a antiguidade clássica e oriental à pintura europeia de Manet ou Turner, além de peças de ourivesaria e artes decorativas –, e a do antigo Centro de Arte Moderna (a designação desapareceu com a chegada desta historiadora de arte inglesa), consagrada sobretudo às artes moderna e contemporânea portuguesas, mas que inclui um importante núcleo de arte britânica do século XX e mais recente. Foram já inauguradas as duas primeiras exposições sob a sua direcção, reflexo evidente dos seus projectos para o futuro do museu, um dos mais importantes do país, ainda que Curtis esteja a aprender o que pode ou não fazer com os dois acervos, como explicou numa entrevista ao PÚBLICO no início de Julho.

“O principal é atingir uma maior paridade entre as duas colecções”, disse na altura. “Os turistas vêm ao museu e a audiência lisboeta vai à Colecção Moderna. Gostava que os turistas também fossem à Colecção Moderna e que o público lisboeta voltasse ao museu. […] Podemos fazer do museu um espaço que muda um pouco mais e tornar o da Colecção Moderna um pouco mais estável.”

Como curadora na Tefaf, Penelope Curtis volta a ser uma mulher entre dois universos – o da arte antiga e o da arte moderna e contemporânea. A sua presença na feira de Maastricht, que todos os anos atrai importantes coleccionadores, galeristas e directores de museus de todo o mundo, pode servir também de montra ao “novo” Museu Gulbenkian.



Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/directora-do-museu-gulbenkian-vai-ser-curadora-na-feira-de-maastritcht-1741379

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.




--in via tradutor do google
Director of the Gulbenkian Museum will be curator at the fair in Maastricht.

In 2017, Penelope Curtis will be responsible for the contemporary section of Tefaf, the most important international art fairs and antiques.


Penelope Curtis is less than a
year ahead of the Gulbenkian Museum RUI GAUDÊNCIO



Penelope Curtis, the art historian who ran the Tate Britain and arrived ten months ago to Lisbon to lead the team to the Calouste Gulbenkian Museum is responsible for more of a challenge. According to the website of the American magazine Artforum, specializing in news from the art world, especially contemporary, the English will now be linked to Tefaf, the fair Maastricht antiques. Nothing to prevent, note, to remain in office in the Foundation's museum.

Curtis will lead the Tefaf Curated, contemporary art section of this fair which is seen as the most important in the world of its kind. This section, which will only in its third edition - the main, more focused on ancient painting and Eastern art, with much furniture, archaeological pieces and jewelry to the mix, was born 40 years ago - will invite in 2017 a number of galleries present papers framed by the generic motto Heaven and Earth.

According to the website of Artnet, an international company that monitors the art market, Curtis will ask the gallery owners, in particular, to report parts and projects involving the exploitation of the recumbent figure, recurrent motif in art since ancient times, especially sculpture, addressing topics such as fertility, pain, fertility and celebration.

The choice of the recumbent figure as a guide could hardly have more to do with this conservative. Curtis specialized in sculpture of the twentieth century and was part of the founding group of the Institute Henry Moore in Leeds, a research center that he directed for 11 years and left to lead the Tate Britain between 2010 and 2015, during which the museum London has been totally renovated according to a project that involved reorganizing the narrative of their collections and required an investment of 54 million euros.

The Gulbenkian Museum, Penelope Curtis is also rearrange the house, combining the two collections of the foundation: the Calouste Sarkis Gulbenkian, unchangeable - about six thousand pieces ranging from classical and oriental antiquity to European painting of Manet or Turner, besides pieces of jewelery and decorative arts - and the old modern art Centre (the designation disappeared with the arrival of this English art historian), devoted mainly to modern and contemporary arts Portuguese, but includes an important British art core XX and latest century. They have been inaugurated the first two exhibitions under his direction, clear reflection of their projects for the future of the museum, one of the most important in the country, although Curtis is to learn what can and can not do with the two collections, as explained in interview with Publico in early July.

"The key is to achieve a greater parity between the two collections," he said at the time. "Tourists come to the museum and the Lisbon audience goes to the Modern Collection. I liked that tourists also were to Modern Collection and the Lisbon audience back to the museum. [...] We can make the museum a space that changes a little more and make the Modern Collection a little more stable. "

As a curator in the Tefaf, Penelope Curtis returns to a woman between two worlds - the ancient and the modern and contemporary art. Their presence at the fair in Maastricht, which every year attracts major collectors, gallery owners and museum directors from around the world, can also serve to showcase the "new" Gulbenkian Museum.

Monumento de mais de 800 anos foi levado da Ilha de Páscoa no século 19.


Como os rapanui esperam reaver um moai exposto no British Museum



Polinésicos coletam assinaturas e pressionam políticos para trazer objeto de volta



FOTO: STR NEW/REUTERS -
MOAIS LOCALIZADOS NO VULCÃO RANO RARAKU, NO LESTE DA ILHA DE PÁSCOA 

Centenas de moradores da ilha polinésica de Páscoa deram início a uma campanha para trazer de volta um moai de mais de 4 toneladas, que se encontra desde 1869 num dos mais importantes museus do mundo, o British Museum, de Londres.

A peça foi levada da ilha por navegantes ingleses no século 19 e incorporada ao acervo permanente da coleção britânica de arte, da mesma maneira como outros 500 objetos menores da cultura local que também foram levados ao longo dos anos para coleções localizadas em Bruxelas, Paris, Berlim, Colônia, Munique, Bremen, Buenos Aires e Camberra.

Para os moradores da ilha - chamados rapanui - todos esses objetos foram roubados e devem ser restituídos o quanto antes.
Como a campanha teve início

A revolta dos moradores de Páscoa com a subtração do monumento é ancestral. Mas ela só começou a ganhar publicidade internacional depois que o diretor de cinema Leonardo Pakarati estreou um documentário sobre o assunto, em abril de 2016.

Pakarati nasceu na ilha, em 1967, e cresceu ouvindo dos mais velhos a história do moai Hoa Hakananai'a, chamado também de “o amigo roubado”.


No filme, ele ouve o testemunho ao mesmo tempo sensível e supersticioso dos rapanui, que falam do valor cultural do monumento e da teoria de que sua subtração influencia diretamente na ocorrência de eventos negativos na ilha.

O diretor associa a retirada do moai de Páscoa com a desaparição forçada de milhares de cidadãos chilenos durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), muitos deles presos, torturados e lançados a partir de aeronaves militares no oceano Pacífico, para nunca mais serem encontrados. “É exatamente o mesmo”, disse o diretor ao jornal “La Tercera”, em relação ao sentimento de ter tido arrancado do convívio um ente querido.
Solidariedade espontânea

Depois de passar pelo circuito comercial, o filme começou a ser exibido em dezenas de cineclubes, escolas, sindicatos e associações na ilha e fora dela. Nesse processo, muitos espectadores procuravam o diretor para saber como ajudar os moradores da ilha a reaver o moai.

De maneira precária, foi organizada uma petição para recolher assinaturas de cidadãos - em princípio, apenas da ilha, mas depois fora dela também - pedindo ao British Museum que devolva “o amigo roubado”. As adesões chegam por um endereço de e-mail, que foi divulgado pela equipe do filme à imprensa (mahatua@gmail.com).

No filme, o diretor escreveu uma frase do autor inglês George Orwell segundo a qual “quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente controla o passado”, numa crítica política ao evento.

Pakarati espera que o governo do Chile, país ao qual a ilha pertence, tome ações diplomáticas para reaver o patrimônio histórico rapanui.

Não se sabe ao certo qual o significado das quase 900 enormes estátuas confeccionadas na Ilha de Páscoa entre os séculos 12 e 16. Elas ficam dispostas de costas para o mar e algumas teorias dizem que elas servem de homenagem a antepassados, ou até mesmo de para-raios para os moradores da ilha.

O debate não é novo nem exclusivo dos rapanui. Frequentemente, países africanos, como o Egito, e latino-americanos, como o Peru, se envolvem em polêmicas acerca da recuperação de bens de valor arqueológico incorporados a importantes coleções europeias e americanas.





Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/08/15/Como-os-rapanui-esperam-reaver-um-moai-exposto-no-British-Museum

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.