Listen to the text.

domingo, 18 de setembro de 2016

Meet the 800-year-old golden rhinoceros that challenged apartheid South Africa; --- Conheça os 800 anos de idade rinoceronte de ouro que desafiaram o apartheid na África do Sul

It may be small enough to sit in the palm of your hand, but even now – nearly 800 years after it was lost to sight in what is now South Africa – the Golden Rhinoceros of Mapungubwe has powerful symbolism. It’s a representation of one of the region’s most physically powerful animals– the rhinoceros – and one of the region’s most enduring symbols of power – gold.






And, on the eve of its first trip out of the country for a new exhibition in the UK, it bears witness to a powerful and sophisticated kingdom that existed in Africa




 hundreds of years before white settlement.





The Lydenburg Head.
Iziko Museums of South Africa, Social History Collections, Author provided


The golden rhinoceros was recovered in 1934 from a royal grave at the site of Mapungubwe in northern South Africa close to the border of Zimbabwe. Its creation in the 13th century is a reflection of the wealth of the state of Mapungubwe, southern Africa’s earliest known kingdom.

Mapungubwe is thought to have emerged as the capital of the kingdom from 1220 to 1290, largely because of its control of the gold trade with the coastal Swahili settlement at Kilwa Kisiwani almost 2,000 miles away to the north-east in what is today Tanzania.

Long distance trade in the region was previously based on ivory and animal skins in return for glass beads, known from nearby earlier sites such asBambandyanalo (also called K2), which existed from about 1030 to 1220.



Gold bovine figure from Mapungubwe.
Department of UP Arts, University of Pretoria, Author provided


However, during the 13th century, gold increasingly became the most important trade export. Eventually it replaced glass beads as a symbol of elite wealth and power. The gold rhinoceros was buried with a member of Mapungubwe’s ruling royal elite, which further enhanced its symbolic power.
Found and suppressed

The golden rhinoceros did not emerge from its royal grave until the 1930s when a team of academic and amateur archaeologists from the University of Pretoria excavated a graveyard on Mapungubwe Hill.

Mapungubwe Hill as it appears today.
JJ van Zyl/GFDL, CC BY


Three of the 27 burial sites contained considerable quantities of gold. The gold objects included animal figurines, such as rhinoceroses, a crocodile and fragments of other unidentified animals – including two which were eventually reconstructed in 2009: an ox and a wild cat.

These figures were found alongside gold sceptres, a bowl considered by some to be a crown, bracelets, bangles, beads, nails, and discs. Significant information was lost due to the style of excavation (some of it was undertaken by inexperienced amateurs). Nevertheless, a rich picture of life at Mapungubwe has since been developed based on these and more recent excavations at the site and analyses of the excavated material.



Gold vessel – thought to possibly be a crown.
Department of UP Arts, University of Pretoria, Author provided


The picture that has been revealed is of a socially stratified site with the elite living on a restricted access hilltop while the majority of the population lived beneath. The economy of Mapungubwe was based on cattle herding, agriculture, hunting and gathering, as well as long-distance international trade, as indicated by finds of Chinese porcelain.
History denied

The power of the golden rhinoceros, and other finds from Mapungubwe, were again recognised in the 20th century. The ruling elite of that era, the white South African government, acknowledged their potency by marginalising them within official South African narratives.

The gold rhinoceros and other sculptures from Mapungubwe, and sculptures fromrelated earlier sites such as Schroda and Lydenburg, presented a challenge to the colonial and apartheid ideologies that supposedly justified European settlement and white rule.




Fertility figurines found at Schroda in southern Africa.
Ditsong National Museum of Cultural History, Author provided


This included the historical construction that South Africa was not populated when Europeans began to settle there in the 16th century and that black South Africans only arrived at the same time and only occupied a relatively small area of the country, leaving the remainder ripe for white settlement and ownership.

By contrast, pre-colonial sculptures demonstrated that black South Africans had occupied the region for a least 1,000 years before the arrival of Europeans. Although archaeologists knew about the objects – they were reported in the press and some were exhibited (albeit with restricted access) – their histories and the obvious implications of their existence were not incorporated into official histories.
Fame at last

The power of the golden rhinoceros was again recognised by the first post-apartheid administration in South Africa, the African National Congress (ANC). The ANC appropriated the golden rhinoceros for the new South Africa and held it up as evidence of a southern African Renaissance before the arrival of Europeans. In 1999 the gold rhinoceros was designated a National Treasure. In 2002 the ANC created the Order of Mapungubwe, the highest honour in South Africa, of which there are four classes: platinum, gold, silver and bronze. Nelson Mandela was the first to receive the highest of these awards, platinum. At the centre of the award is a representation of the gold rhinoceros.



Gold sceptre from Mapungubwe.
Department of UP Arts, University of Pretoria, Author provided


Today, as the gold rhinoceros is about to leave South Africa for the first time to be displayed in the British Museum’s South Africa: the art of a nation exhibition, its powers to communicate are charged and enhanced again. In the exhibition it will sit on a world stage where it will again speak to new audiences about the importance of Mapungubwe, the pre-colonial past, the crimes of colonialism and apartheid – and the ambitions of a contemporary South Africa.


John Giblin, Honorary Lecturer, UCL Institute of Archaeology, UCL






Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.







--in br via tradutor do google
Conheça os 800 anos de idade rinoceronte de ouro que desafiaram o apartheid na África do Sul


Pode ser pequeno o suficiente para sentar-se na palma da sua mão, mas mesmo agora - quase 800 anos depois que foi perder de vista no que é hoje a África do Sul - o rinoceronte de Ouro da Mapungubwe tem simbolismo poderoso. É uma representação de um dos do mais poderoso fisicamente animais- região do rinoceronte - e um dos símbolos mais duradouros da região de poder - ouro.

E, na véspera da sua primeira viagem para fora do país para uma nova exposição no Reino Unido, que testemunha a um reino poderoso e sofisticado que existia na África centenas de anos antes da colonização branca.


O Chefe Lydenburg.
Iziko Museus da África do Sul, História Social Collections, Autor fornecida
O rinoceronte de ouro foi recuperado em 1934 de uma sepultura real no local de Mapungubwe, no norte da África do Sul, perto da fronteira do Zimbabwe. A sua criação no século 13 é um reflexo da riqueza do estado de Mapungubwe, mais antigo reino conhecido do sul da África.

Mapungubwe é pensado para ter emergiu como a capital do reino 1220-1290, em grande parte por causa de seu controle do comércio de ouro com o estabelecimento litoral suaíli em Kilwa Kisiwani quase 2.000 milhas de distância para o nordeste no que hoje é a Tanzânia.

relatório Publicidade
comércio de longa distância na região baseava-se anteriormente peles de marfim e animais em troca de contas de vidro, conhecidos a partir de sites nas proximidades anteriores, como Bambandyanalo (também chamado K2), que existiam cerca de 1030-1220.


figura bovina ouro do Mapungubwe.
Departamento de até Artes da Universidade de Pretória, Autor fornecida
No entanto, durante o século 13, o ouro tornou-se cada vez mais o comércio de exportação mais importante. Eventualmente substituído contas de vidro como um símbolo de riqueza e poder elite. O rinoceronte de ouro foi enterrado com um membro da elite governante real de Mapungubwe, que ainda reforçado o seu poder simbólico.

Encontrado e suprimiu

O rinoceronte de ouro não emergiu de seu túmulo real até 1930, quando uma equipe de arqueólogos acadêmicos e amadores da Universidade de Pretória escavaram um cemitério no Mapungubwe Hill.

relatório Publicidade

Mapungubwe Hill como parece hoje.
JJ van Zyl / GFDL, CC BY
Três dos 27 locais de sepultamento continha quantidades consideráveis ​​de ouro. Os objetos de ouro incluiu figuras de animais, tais como rinocerontes, um crocodilo e fragmentos de outros animais não identificados - incluindo dois que acabaram por ser reconstruída em 2009: um boi e um gato selvagem.

Estes números foram encontrados ao lado cetros de ouro, uma tigela considerada por alguns como uma coroa, pulseiras, braceletes, grânulos, unhas e discos. informação significativa foi perdido devido ao estilo de escavação (alguns dos que foi realizado por amadores inexperientes). No entanto, um retrato rico de vida no Mapungubwe desde então tem sido desenvolvido com base nestes e escavações mais recentes no local e análises do material escavado.


vaso de ouro - pensado para ser, possivelmente, uma coroa.
Departamento de até Artes da Universidade de Pretória, Autor fornecida
A imagem que foi revelado é de um local socialmente estratificado com os vivos elite em um morro acesso restrito, enquanto a maioria da população vivia abaixo. A economia de Mapungubwe foi baseada na criação de gado, agricultura, caça e coleta, bem como o comércio internacional de longa distância, como indicado por achados de porcelana chinesa.

história negado

O poder do rinoceronte de ouro e outros achados de Mapungubwe, foram novamente reconhecido no século 20. A elite dominante da época, o governo Sul-Africano branco, reconheceu a sua potência por marginalizá-los dentro de narrativas Sul Africano oficiais.

O rinoceronte de ouro e outras esculturas de Mapungubwe, e esculturas de sites visados ​​como Schroda e Lydenburg, apresentou um desafio às ideologias coloniais e do apartheid que supostamente justificadas colonização europeia e o regime branco.


estatuetas de fertilidade encontrados em Schroda na África Austral.
Ditsong Museu Nacional de História Cultural, Autor fornecida
Isto incluiu a construção histórica que a África do Sul não foi preenchida quando os europeus começaram a se estabelecer lá no século 16 e que os negros sul-africanos só chegou ao mesmo tempo e só ocupava uma área relativamente pequena do país, deixando o restante maduro para o pagamento branco e de propriedade.

Por outro lado, esculturas pré-coloniais demonstrado que os sul-africanos negros ocuparam a região por pelo menos 1.000 anos antes da chegada dos europeus. Embora os arqueólogos sabia sobre os objetos - eles foram relatados na imprensa e alguns foram exibidos (embora com acesso restrito) - suas histórias e as implicações óbvias de sua existência não foram incorporadas histórias oficiais.

Fama, finalmente

O poder do rinoceronte de ouro foi novamente reconhecida pelo primeiro governo pós-apartheid na África do Sul, o Congresso Nacional Africano (ANC). O ANC apropriou o rinoceronte de ouro para a nova África do Sul e ergueu-a como prova de um Renascimento Africano sul, antes da chegada dos europeus. Em 1999, o rinoceronte de ouro foi designado um tesouro nacional. Em 2002, o ANC criou a Ordem de Mapungubwe, a maior honra na África do Sul, dos quais existem quatro classes: platina, ouro, prata e bronze. Nelson Mandela foi o primeiro a receber o maior destes prémios, a platina. No centro do prêmio é uma representação do rinoceronte de ouro.


cetro de ouro de Mapungubwe.
Departamento de até Artes da Universidade de Pretória, Autor fornecida
Hoje, como o rinoceronte de ouro está prestes a deixar a África do Sul pela primeira vez a ser exibido na África do Sul do Museu Britânico: a arte de uma exposição nação, os seus poderes para se comunicar são cobrados e aumentou novamente. Na exposição que vai sentar-se em um cenário mundial em que ele voltará a falar com novos públicos sobre a importância de Mapungubwe, o passado pré-colonial, os crimes de colonialismo e apartheid - e as ambições de uma África do Sul contemporânea.

A conversa

John Giblin, conferente honorário, UCL Instituto de Arqueologia, UCL



AGENDAS MUNDI LXXXVIII – MUSEOS EN LOS TERRITORIOS DEL NOROESTE ( CANADÁ ) · en ARTE, CULTURA,INSTITUCIONES, MUSEO, MUSEOGRAFÍA, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN, PATRIMONIO,VIAJES. ·

En un planeta en el que viven siete mil millones de personas, es difícil imaginar que todavía existen lugares tan vacíos como los Territorios del Noroeste de Canadá. Se trata de una amplia franja de bosque boreal, con una tundra ártica que es cinco veces el tamaño del Reino Unido, y todo ese inmenso territorio alberga la población de una pequeña ciudad de provincias. En el siglo XIX, los buscadores de oro ignoraron toda esta zona por ser demasiado remota. Los canadienses de hoy, no se dirigen hacia el norte en absoluto, prefieren idealizar desde el sofá sobre una Nunavut icónica sin pasar por allí, o ir hacia el grandioso Yukón. Más personas orbitan la Tierra cada año que los que visitan el solitario Aulavik, uno de los cuatro parques nacionales del territorio.


Lo que se pierden los que no van es algo único: una potente combinación de singular belleza épica del terreno (el que es accesible), una cultura nativa aborigen muy singular, y una capital de la región verdaderamente cosmopolita. Este es un territorio con una de las mayores caídas de agua del mundo, y con el lago más profundo de América del Norte. Posee además un desierto brutal, para mantener una versión moderna de un feliz David Livingstone recorriendo la zona durante dos vidas enteras.



Este moderno edificio hace las veces de archivo histórico y cultural de los territorios. Es un museo bien diseñado, con vistas al lago Frame. Alberga exposiciones, diseñadas por diferentes expertos, sobre historia natural, la exploración europea, la aviación del Norte, la extracción de diamantes y, sobre todo, exposiciones sobre los Dene e Inuit, con una muestra de su historia y cultura. Las exposiciones temporales incluyen la muestra de una esteatita excepcional y una escultura de ballena realizada por el artista inuvialuit Abraham Anghik Ruben. Hay una cafetería que promete buena comida local y una amplia zona para que jueguen los niños más pequeños.



En una enorme roca que se ve desde la calle, se expone una obra de arte realmente impresionante: un águila en alto vuelo, un torbellino de huellas de manos de colores, y el contorno del esqueleto de un tipi. Enfrente hay una escultura de bronce, réplica de la que se encuentra dentro de la Asamblea Legislativa, y otra escultura de piedra india. Este trabajo es una colaboración entre artistas métis, dene, inuvialuit, franceses, ingleses y canadienses.



Este museo cuenta con una exposición bastante intrigante sobre la historia local, que abarca desde la llegada del primer Dene hace 10.000 años, hasta la fundación del puesto de venta de pieles de los aventureros del siglo XIX. En el exterior, se ha recreado la casa de un cazador de pieles, y una tienda, con el cuerpo disecado de un Canus, un tipo de grulla blanca que vive en esta comunidad, donde se está trabajando duro para salvar esta especie de la extinción. En la tienda del museo se vende artesanía local.

Museo de Hay River | Hay River


Se halla situado en la villa donde se encontraba la antigua Compañía de la Bahía de Hudson, que era un puesto comercial para la capital de la isla de Vale. En este lugar ahora existe este museo de historia local dirigido con mucho entusiasmo. La única galería expone una colección verdaderamente interesante de fotografías de Hay River, que muestran su evolución, a lo largo del tiempo, a través de objetos antiguos y fósiles.

Museo de Norman Wells | Norman Wells


Que este museo exista es una verdadera prueba de amor por la cultura local. El pequeño museo muestra la historia regional, geología, artes y oficios, y ofrece información sobre los ríos y sobre el rastro de la herencia de la tribu Canol. Hay una tienda de regalos verdaderamente originales.



Este es el edificio más antiguo conservado de los Territorios del Noroeste. Fue concebida como almacén de algodón, por John Glover, en 1845, convirtiéndose posteriormente en la casa de Kennesaw. Dix Fletcher adquirió la bodega en 1855, y después de la remodelación, abrió la Fletcher House en su lugar. Durante los primeros años de la Guerra Civil, la casa fue utilizada como hospital de la Confederación y después como depósito de cadáveres. Actualmente, en su interior, se expone toda clase de parafernalia relacionada con la historia de la ciudad, desde vestidos y trajes, hasta fotografías, armas de tramperos y cazadores, y toda clase de objetos.



La sociedad de museo para la defensa del patrimonio de la Minería TNM, se creó en Yellowknife en julio de 2002 y se rige por una junta directiva voluntaria. Se trata de una sociedad sin ánimo de lucro registrada y que tiene carácter benéfico. La sociedad y sus miembros, están comprometidos con la preservación del legado histórico de la minería y la ciencia geológica de los territorios del noroeste de Canadá. Su objetivo principal es la construcción y el establecimiento de un nuevo museo de la minería en la antigua mina de oro gigante de Yellowknife.


Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Restaurador Hela Djobbi trabalha na restauração do Monumento à Independência, em São Paulo, Brasil. --- Restorer Hela Djobbi working on the restoration of the Monument to Independence, in São Paulo, Brazil.

São Paulo - Um especialista da Tunísia participa na restauração do Monumento à Independência (Monumento à Independência) no parque homónimo, no bairro do Ipiranga, São Paulo. Hela Djobbi é um membro da equipe que está restaurando o slogan gravado "Independência ou Morte" (Independência ou Morte) na fachada do monumento. Ela estudou Artes em Tunis, a capital do país Africano do Norte, antes de tomar estudos de especialização em restauração de esculturas de metal na França. Agora ela está completando um estágio de quatro meses, que é o que a trouxe para São Paulo para executar estes estudos.



"Vamos restaurar a escultura da corrosão e pequenas fissuras. Trazer de volta a sua cor natural, suas características ", disse o restaurador à ANBA na quinta-feira (15). O Monumento à Independência, bem como as fontes e jardins no Parque da Independência, foram restauradas no início de 2000 e agora está na necessidade de uma nova restauração. "É normal para levar a cabo estes reparos de vez em quando, especialmente em esculturas localizados em espaços abertos", disse ela.

Na restauração, a equipe precisa para recuperar a cor original
 e eliminar a corrosão nas esculturas

Esta é a primeira vez de Djobbi em São Paulo. Ela vai ficar na Vila Mariana e tomou seu tempo na cidade para conhecer lugares de arte famosas. "Eu fui a Pinacoteca e Masp e também visitou a Bienal de São Paulo. Eu pensei que era muito bom ", disse ela. Sua impressão da cidade foi além da colecção de arte. "De certa forma, São Paulo é semelhante a Tunis. As pessoas valorizam a proximidade e são muito hospitaleiro. Eu pensei que a cidade a ser mais organizada do que Tunis ", disse ela.

O restaurador foi estudar na École Supérieure des Beaux-Arts em Tours, uma cidade localizada a uma hora da capital Paris. A partir de 2011 e 2014, trabalhou no museu principal da Tunísia, o Museu Nacional de Bardo. O lugar tem uma rica coleção de mosaicos e esculturas da Grécia Antiga. Em março de 2015, no entanto, homens armados invadiram o museu e matou 22 pessoas. O objetivo do 34-year-old restaurador é voltar para a Tunísia no final do seu curso e trabalhar lá com o marido para preparar o terreno para a profissão no país. "A cultura é muito importante e Tunísia tem uma grande e rica cultura. Nós temos que cuidar dela, preservá-lo ", disse ela.


A restauração do Monumento à Independência inclui atualmente o slogan alto-relevo na fachada e no interior do mausoléu, que detém os restos mortais de D. Pedro I e suas duas esposas: Imperatriz Dona Leopoldina e Imperatriz Dona Amélia. O projeto de restauração está sendo feito pelo Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), órgão da Secretaria Municipal da Cultura, que é responsável pelos monumentos históricos da cidade.

Marcos Carrieri / ANBA

Monumento: homenagem à Independência do Brasil

O projecto, com um orçamento de R $ 1.090 milhões (USD 330.000), é realizado por uma equipe de sete restauradores de KSA Fundição Artística chefiadas por Antoine Thierry Amarger e Israel Kislansky.

"Os restauradores irá restaurar as esculturas de desgaste da superfície, remover a sujeira e porosidade. A parte estrutural do monumento também vai ser restaurado nesta fase ", disse Kislansky. Esta fase deve ser concluída em dois meses. Outras fases do projecto, tais como a restauração do principal escultura do Monumento à Independência, ainda estão à espera de aprovação da cidade.




Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Marcos Carrieri
marcos.carrieri@anba.com.br

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--in
São Paulo – A Tunisian expert is taking part in the restoration of Monumento à Independência (Monument to the Independence) in the namesake park in the neighborhood of Ipiranga, São Paulo. Hela Djobbi is a member of the team that is restoring the embossed slogan “Independência ou Morte” (Independence or Death) on the monument’s façade. She studied Arts in Tunis, the capital of the North African country, before taking specialization studies on restoration of metal sculptures in France. Now she’s completing a four month internship, which is what brought her to São Paulo to execute these studies.

“We will restore the sculpture from corrosion and small cracks. Bring back its natural color, its features”, said the restorer to ANBA on Thursday (15). The Monument to the Independence, as well as the fountains and gardens in the Independence Park, were restored in the early 2000s and now are in need of a new restoration. “It’s normal to carry out these repairs from time to time, especially in sculptures located in open spaces”, she said.

This is Djobbi’s first time in São Paulo. She’s staying in Vila Mariana and took her time in the city to get to know famous art spots. “I went to Pinacoteca and Masp and also visited the Bienal de São Paulo. I thought it was very good”, she said. Her impression of the city went beyond the art collection. “In some ways, São Paulo is similar to Tunis. People value proximity and are very hospitable. I thought the city to be more organized than Tunis”, she said.

The restorer has been studying at the École Supérieure des Beaux-Arts in Tours, a city located an hour from the capital Paris. From 2011 and 2014, she worked in Tunisia’s main museum, the Bardo National Museum. The place has a rich collection of mosaics and sculptures from Ancient Greece. In March 2015, however, armed men invaded the museum and killed 22 people. The goal of the 34-year-old restorer is to return to Tunisia at the end of her course and work there with her husband to lay the groundwork for the profession in the country. “Culture is very important and Tunisia has a great and rich culture. We have to take care of it, preserve it”, she said.

The restoration of the Monument to the Independence currently includes the embossed slogan in the façade and the inside of the mausoleum, which holds the mortal remains of D. Pedro I and his two wives: empress Dona Leopoldina and empress Dona Amélia. The restoration project is being done by the Historic Heritage Department (DPH), agency of the Municipal Secretariat of Culture, which is responsible for the historic monuments of the city.

The project, with a budget of BRL 1.090 million (USD 330,000), is carried out by a team of seven restorers from KSA Fundição Artística headed by Antoine Amarger and Israel Kislansky.

“The restorers will restore the sculptures from surface wear, remove dirt and porosity. The structural part of the Monument will also be restored in this phase”, said Kislansky. This phase should be finished in two months. Other phases of the project, such as the restoration of the main sculpture of the Monument to the Independence, are still waiting for approval from the city.