domingo, 9 de outubro de 2016

Archaeologists Find Man Buried With Shroud of Cannabis Leaves. --- Arqueólogos encontram homem enterrado Com Sudário de Cannabis. --- 考古学家发现人陪葬大麻叶导流罩。

People have been decorating their bodies with pot leaves way before you bought that "I <3 420="" at="" mall.="" span="" t-shirt="" the="">


An impressive cannabis burial shroud has been discovered in the approximately 2500-year-old tomb of a man in northwestern China. After such a long time underground, the stems and leaves have turned yellowish brown, but they actually retained their characteristic palmate shape because of the dry climate.


The unusual stash of weed was discovered in a grave in the Jiayi cemetery in the Xinjiang Uyghur Autonomous Region, according to a report this week in the journal Economic Botany.



Located in the land-locked desert oasis of the Turpan Basin, this ancient cemetery was only discovered when a modern cemetery was being built in the area. So far, 240 graves have been excavated, and the tombs have been linked to the Subeixi (sometimes called Gushi) culture, a pastoral society that existed from about 3000 to 2100 years ago. Their well-preserved remains, found in graves in the region, show they generally had light hair and Caucasian physical characteristics. 

In the report, Hongen Jiang, an archaeologist at the Chinese Academy of Sciences, and his colleagues described the grave of a man who died around age 35 between 2800 and 2400 years ago. His body was resting on a bed of wooden slats.


His body was covered with 13 nearly whole female cannabis plants. The plants were lying flat and positioned like a shroud, with the roots grouped together below the man’s pelvis and the stems extending upwards to his face. (See the top image.) 

The pot plants were so well preserved that the flowering parts still had their glandular trichomes, the little hairs that produce the sticky resin that contains psychoactive ingredients in cannabis like THC.


Jiang and his colleagues note that parts of cannabis plants have been discovered at other 1st millennium BCE tombs in Eurasia. At the nearby Yanghai cemetery, for example, archaeologists have found horse figurines with their tails made of cannabis stems, and the grave of a possible shaman who was buried with musical instruments and a large supply of processed cannabis for the afterlife.

But it was unclear from these previous studies whether the plants were cultivated locally or the product of trade. (The basin was, after all, located along the Silk Road.) Because the leaves found in the Jiayi cemetery seem like they were fresh when they were laid on top of the corpse, the researchers believe this cannabis was homegrown.

Cannabis plants can have other uses besides getting you high—hemp fibers can be used to make clothing or rope and the seeds can eaten. But no hemp cloths or textiles have been found at other Turpan burials. The plants found at Jiayi and elsewhere in the Turpan Basin seem likely to have been used for their psychoactive properties, whether for medicinal, ritual, or intoxication purposes.

All images: Economic Botany, Hongen Jiang, et al. 






Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://mentalfloss.com/us/go/87145

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!










--br via tradutor do google
Arqueólogos encontram homem enterrado Com Sudário de Cannabis.

As pessoas têm sido decorar seus corpos com pot deixa caminho antes que você comprou que "I <3 420="" font="" no="" shopping.="" t-shirt="">

Um impressionante mortalha cannabis enterro foi descoberto no aproximadamente 2500 anos túmulo de um homem, no noroeste da China. Depois de um longo tempo no subsolo, os caules e folhas giraram o marrom amarelado, mas eles realmente manteve sua forma palmate característica por causa do clima seco.

O esconderijo incomum de plantas daninhas foi descoberto em um túmulo no cemitério Jiayi na Região Autónoma Uigur de Xinjiang, de acordo com um relatório esta semana na revista Botânica Econômica.

Localizado no oásis do deserto sem litoral da bacia de Turpan, este antigo cemitério só foi descoberto quando um cemitério moderno estava sendo construído na área. Até agora, 240 sepulturas foram escavadas, e os túmulos foram ligados ao Subeixi (às vezes chamado Gushi) cultura, uma sociedade pastoral que existiam cerca de 3000 a 2100 anos atrás. Seus restos bem preservados, foram encontrados em sepulturas na região, mostram que eles geralmente tinham cabelos claros e as características físicas caucasianos.

No relatório, Hongen Jiang, um arqueólogo na Academia Chinesa de Ciências, e seus colegas descreveram a sepultura de um homem que morreu por volta de 35 anos de idade entre 2800 e 2400 anos atrás. O corpo dele estava descansando em uma cama de ripas de madeira.

Seu corpo foi coberto com 13 plantas de cannabis quase toda do sexo feminino. As plantas foram deitado e posicionada como uma mortalha, com as raízes agrupadas abaixo da pelve do homem e as hastes que se estende para cima a sua face. (Veja a imagem superior.)

Os vasos de plantas foram tão bem preservado que as peças floridas ainda tinha seus tricomas glandulares, os pequenos pêlos que produzem resina pegajosa que contém ingredientes psicoativos em cannabis como THC.

Jiang e seus colegas observam que partes de plantas de cannabis foram descobertos em outros 1º túmulos milênio aC na Eurásia. No cemitério Yanghai nas proximidades, por exemplo, os arqueólogos encontraram estatuetas de cavalo com suas caudas feitas de cannabis caules, e a sepultura de uma possível xamã que foi enterrado com instrumentos musicais e uma grande oferta de cannabis processado para a vida futura.

Mas não ficou claro a partir desses estudos anteriores se as plantas foram cultivadas localmente ou o produto de comércio. (A bacia foi, afinal, localizado ao longo da Rota da Seda.) Porque as folhas encontradas no cemitério Jiayi parece que eles estavam frescas quando eles foram colocados em cima do cadáver, os pesquisadores acreditam que isso cannabis era homegrown.

plantas de cannabis pode ter outros usos além de obter-lhe fibras de alta cânhamo pode ser usado para fazer roupas ou corda e as sementes podem comido. Mas não há panos de cânhamo ou têxteis foram encontrados em outros enterros Turpan. As plantas encontradas em Jiayi e em outros lugares na Bacia de Turpan parece provável que tenha sido usado por suas propriedades psicoativas, sejam para fins medicinais, rituais, ou intoxicação.

Todas as imagens: Botânica Econômica, Hongen Jiang, et al.




























--chines simplificado via tradutor do google

考古学家发现人陪葬大麻叶导流罩。







人们一直在装饰自己的身体用锅离开的方式,你买之前说:“I <3 420="" font="">




令人印象深刻的大麻寿衣已经在男人的中国西北大约2500岁的墓被发现。这么长时间的地下后,茎,叶都变成黄棕色,但它们实际上保留,因为气候干燥的其特有的掌状形状。




杂草不寻常的藏匿在新疆维吾尔族自治区的佳艺墓地坟墓被发现,根据该杂志经济植物学本周的报告。







位于吐鲁番盆地的内陆沙漠绿洲,当一个现代化的墓地建在该地区这个古老的墓地才被人发现。到目前为止,240坟墓被挖掘出来,而墓葬已被链接到Subeixi(有时称为固始)文化,从约3000至2100年前,存在一个田园的社会。其保存完好的遗迹,该地区墓葬中发现,显示他们通常有浅色的头发和白人的物理特性。




在报告中,鸿恩江,在中国社科院的在兰州大学考古学家和他的同事描述了一个男人谁2800年和2400年前的约35岁去世的坟墓。他的尸体被搁在木条的床。




他的身体上覆盖着近13整个女性的大麻植物。这些植物平躺并定位像寿衣,用树根下面的人的骨盆合并在一起,茎向上延伸到他的脸上。 (见上面的图像。)




盆栽植物保存完好的开花部位仍然有自己的腺毛,产生包含像THC大麻精神成分粘性树脂的小毛发。




江和他的同事指出,大麻植物的部分已在欧亚大陆其他前1千纪的墓葬被发现。在附近的墓地洋海,例如,考古学家已经发现了与制作的大麻茎它们的尾巴,和可能的萨满谁埋葬了乐器和来世大量供应加工大麻的墓俑马。




但它是从这些以前的研究植物是否是本地种植或交易的产品不清楚。 (该盆地,毕竟,位于沿丝绸之路。)因为在嘉义墓地中发现的叶子看起来他们是新鲜的,当他们在尸体上方铺设,研究人员认为这种大麻是自产自销。




大麻植物可以有其他用途,除了让你高大麻纤维可用于制作服装或绳子和种子可以食用。但是,没有麻布或织物已发现其他墓葬吐鲁番。在发现和佳艺在吐鲁番盆地其他地方的植物似乎有可能已经使用了他们的精神特性,无论是药用,仪式,或中毒的目的。




所有图像:经济植物学,鸿恩江,等。

In 1866, it opened in Belém, Pará, Brazil, the Goeldi Museum. ---- Em 1866, foi inaugurado em Belém, Pará, Brasil, o Museu Paraense Emílio Goeldi. --

Oldest scientific museum of the Amazon complete 150 years




The institution, which completes 150 years on Thursday (6), has 4.5 million items fallen in 18 collections in the areas of ethnography, archeology, linguistics, minerals and fossils and biological. During this period, consolidated itself as the oldest scientific institution in the Amazon and the second largest natural history museum in Brazil.

"One of the country's history of great ideas is the concept of a natural history museum in the Amazon region. From there, you break the paradigm of having inventories made by foreign researchers. This was a watershed," said the director of Goeldi Museum, Nilson Gabas Júnior.

Called Paraense Museum, gained projection from 1894, under the direction of Swiss naturalist Emílio Goeldi. During this period, Pará lived economic cycle of rubber. The exploitation of rubber trees in the Amazon region caused, from the mid-nineteenth century, a profound transformation in the urban structure of the two main capitals of the region, Belém and Manaus, and boost scientific studies.

With a team of technicians and scientists, the Paraense Museum was consolidated with the Amazon museum. In 1895, it created the Zoo and Botanical Park, shows the regional fauna and flora for public education and leisure. Exhibitions and public lectures were organized to illustrate the knowledge of the time. In 1896, it installed a model Weather Service. Much of the Amazon was visited to form the first zoological, botanical, geological and ethnographic.

At the turn of the century, Brazil consolidated its borders. Research the Paraense Museum of geology, geography, fauna, flora, archeology and population were decisive to equip the defense of Brazilian interests, represented by the Baron of Rio Branco. On December 1, the report of Bern, Switzerland, headquarters of the international trial, Amapá would definitely be incorporated into the territory of Brazil. In honor of Emílio Goeldi, the governor Paes de Carvalho changed the name of the Paraense Museum for Goeldi Museum.

The 1910s began with a major devaluation of the Amazon rubber in the international market caused by the English competition, followed by the 1st World War, which interrupted once trade with Europe. In the wake of the Amazon from financial ruin, all scientific and educational activities of the Goeldi Museum were discontinued.

From 1931, already with the name Museu Paraense Emílio Goeldi, regular investments in expanding and equipping the Zoo and Botanical Park made it nationally recognized. It came to house 2 000 copies of vertebrates, hundreds of species of the region, many of which are rare or little known.


Future
For the linguist Nilson Gabas, the future of the museum is to consolidate as an Amazon excellence institute. "I see the Goeldi as strategic for the region's development. Why do not you just keep without a proper preservation policy. And not just use without a good use policy. And Goeldi is a guiding these two forces that contrast," he said.

Chosen to be the main stage of the celebrations for the 150th anniversary of Goeldi, the Zoo and Botanical Park will offer on Thursday a number of attractions for the population, besides marking the reopening of the Museum Library and the beginning of the revitalization of historic buildings and monuments .

Source: Portal Brazil, with MCTI information






Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!














Em 1866, foi inaugurado em Belém, Pará, Brasil, o Museu Paraense Emílio Goeldi. 

Museu científico mais antigo da Amazônia completa 150 anos

A instituição, que completa 150 anos nesta quinta-feira (6), possui 4,5 milhões de itens tombados em 18 coleções nas áreas de etnografia, arqueologia, linguística, minerais e fósseis e biológicas. Nesse período, consolidou-se como a instituição científica mais antiga da Amazônia e o segundo maior museu de história natural do Brasil.

"Uma das grandes ideias da história do País é a concepção de um museu de história natural na Região Amazônica. A partir daí, você quebra o paradigma de ter inventários feitos por pesquisadores estrangeiros. Isso foi um divisor de águas", avaliou o diretor do Museu Goeldi, Nilson Gabas Júnior.

Batizado de Museu Paraense, ganhou projeção a partir de 1894, sob a direção do naturalista suíço Emílio Goeldi. Neste período, o Pará vivia o ciclo econômico da borracha. A exploração da seringueira na Região Amazônica provocou, a partir de meados do século XIX, uma profunda transformação na estrutura urbana das duas principais capitais da região, Belém e Manaus, além de impulsionar os estudos científicos.

Com uma equipe de técnicos e cientistas, o Museu Paraense se consolidou com o museu da Amazônia. Em 1895, foi criado o Parque Zoobotânico, mostra da fauna e flora regionais para educação e lazer da população. Exposições e conferências públicas foram organizadas para ilustrar o conhecimento da época. Em 1896, foi instalado um modelar Serviço Meteorológico. Grande parte da Amazônia foi visitada para formar as primeiras coleções zoológicas, botânicas, geológicas e etnográficas.

Na virada do século, o Brasil consolidava suas fronteiras. As pesquisas do Museu Paraense sobre a geologia, a geografia, a fauna, a flora, a arqueologia e a população foram decisivas para municiar a defesa dos interesses brasileiros, representada pelo Barão do Rio Branco. Em 1º de dezembro, pelo laudo de Berna, na Suíça, sede do julgamento internacional, o Amapá seria definitivamente incorporado ao território do Brasil. Em homenagem a Emílio Goeldi, o então governador Paes de Carvalho alterou a denominação do Museu Paraense para Museu Goeldi.

A década de 1910 começou com uma grande desvalorização da borracha amazônica no mercado internacional, provocada pela concorrência inglesa, seguida da 1ª Guerra Mundial, que interrompeu de vez o comércio com a Europa. Na esteira da ruína financeira da Amazônia, todas as atividades científicas e educacionais do Museu Goeldi foram interrompidas.

A partir de 1931, já com o nome Museu Paraense Emílio Goeldi, investimentos regulares na ampliação e equipagem do Parque Zoobotânico o tornaram reconhecido nacionalmente. Chegou a abrigar 2 mil exemplares de animais vertebrados, de centenas de espécies da região, muitas das quais raras ou pouco conhecidas.

Futuro

Para o linguista Nilson Gabas, o futuro do museu é se consolidar como um instituto de excelência da Amazônia. "Vejo o Goeldi como estratégico para o desenvolvimento da região. Porque não basta você preservar sem uma boa política de preservação. E também não basta usar sem uma boa política de uso. E o Goeldi é um norteador dessas duas forças que se contrastam", afirmou.

Escolhido para ser o palco principal das comemorações pelos 150 anos do Goeldi, o Parque Zoobotânico vai oferecer nesta quinta-feira uma série de atrações para a população, além de marcar a reabertura da Livraria do Museu e o início da revitalização de prédios e monumentos históricos.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTI

MIU MIU READY TO WEAR SPRING SUMMER 2017 PARIS. --- MIU MIU pronto a vestir PRIMAVERA VERÃO 2017 PARIS.. --- MIU MIU pripravljen nositi pomlad poletje 2017 v Parizu.

“Irony and truth”. Two words which Miuccia Prada holds dear as she talks a few minutes before the start of the Miu Miu show. An interplay between past and present, a relay race which starts with the interior design, like a sort of 3D postcard. Untreated wooden walls, the silhouette of a sunset, a floor of geometric shapes. 


“I wanted to tell the story of a lighthearted season like the Summer, in the Summer I’m at the beach and the beach is something which no-one talks about anymore.” the designer explained, “the location is a celebration of all this, a dream that doesn’t exist anymore or one which needs to be protected. Starting with the setting.”


An artificial Summer that started with a big splash. First up a series of eye candy. The first look revealed the cult accessory of the season: a swimming cap with leather floral appliqué, a bit like a super chic version of a German lady on her holidays in Italy. Flowers also appeared on bags which were carried close to the body, wrapped in 40’s style swimming costumes, a little Esther Williams but worn by a divine contemporary girl like Anna Ewers. True or false, bath robes woven like fur coats, fur coats that looked like bathrobes from a psychedelic maison. 


Sponge suits with a series of 70’s graphic prints, very ugly chic, reiterating the signature of the Prada group’s intellectual universe. Surrounded by delicious candy-like treats. Sandals became a synthetic garden. Bourgeois stoles appeared as printed towels. Pumps with wedge heels were carved to look like the waves of the sea. 










Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!








--br via tradutor do google

MIU MIU pronto a vestir PRIMAVERA VERÃO 2017 PARIS.
"Ironia e verdade". Duas palavras que Miuccia Prada tem de mais caro enquanto ela fala alguns minutos antes do início do show Miu Miu. Uma interação entre passado e presente, uma corrida de revezamento, que se inicia com o design de interiores, como uma espécie de cartão postal 3D. paredes de madeira não tratada, a silhueta de um pôr do sol, um piso de formas geométricas. "Eu queria contar a história de uma época alegre como o verão, no verão eu estou na praia ea praia é uma coisa que ninguém fala sobre mais.", Explicou o designer, "a localização é uma celebração de tudo isso, um sonho que não existe mais ou um que precisa de ser protegido. Começando com a configuração ".

Um Verão artificial que começou com um respingo grande. Primeiro-se uma série de colírio para os olhos. O primeiro olhar revelou o acessório culto da época: uma touca de natação com couro de aplique floral, um pouco como uma versão super chic de uma senhora alemã sobre suas férias em Itália. Flores também apareceu em sacos que foram realizados junto ao corpo, envolto em trajes estilo de natação anos 40, um pouco de Esther Williams, mas usados ​​por uma menina contemporânea divina como Anna Ewers. Verdadeiro ou falso, roupões de banho tecidos como casacos de pele, casacos de pele que se pareciam com roupões de uma maison psicodélica. ternos esponja com uma série de estampas gráficas anos 70, muito feio chiques, reiterando a assinatura do universo intelectual do grupo Prada. Cercado por deliciosos doces-como guloseimas. Sandálias tornou-se um jardim sintético. estolas burgueses apareceu como toalhas impressas. Bombas com saltos de cunha foram esculpidas para olhar como as ondas do mar.















--eslovenio via tradutor do google

MIU MIU pripravljen nositi pomlad poletje 2017 v Parizu.
"Ironija in resnice". Dve besedi, ki Miuccia Prada je pri srcu, kakor govori nekaj minut pred začetkom Miu Miu predstavo. Preplet med preteklostjo in sedanjostjo, ki je rele dirki, ki se začne z notranjo opremo, kot neke vrste 3D razglednici. Neobdelano lesene stene, obris sončni zahod, tla geometrijskih oblik. "Želel sem povedati zgodbo o Vesel sezone, kot poleti, poleti sem na plaži in plaža je nekaj, kar nihče ne govori o več.« Je pojasnil oblikovalec, "lokacija je praznovanje vseh to sanje, ki ne obstaja več, ali tisti, ki jih je treba zaščititi. Začenši z nastavitvijo. "

Umetni Summer, ki je začela z velikim splash. Najprej se niz oči sladkarije. Prvi pogled je pokazala kultni dodatek sezone: plavalno kapo z usnjenim cvetlični appliqué, nekaj podobnega super elegantna različica nemškega ženska na svojih počitnicah v Italiji. Cvetje je pojavila tudi na vrečkah, ki so bile izvedene v bližini telesa, zavitih v 40 slog plavalnih kostumov, malo Esther Williams, ampak nosili božansko sodobno punco Anna Ewers. Drži ali ne drži, kopalni plašči tkani kot so krzno plašči, krznene plašče, da je izgledalo kot kopalni plašč iz a psihedelični Maison. Goba obleke s serijo 70-ih grafik, zelo grdo elegantna in ponavlja, podpis intelektualne vesolja skupine Prada. Obdan z okusno sladkarije podobnih vesti. Sandali postal sintetični vrt. Meščanske štole pojavil kot tiskane brisače. Črpalke z zagozdo petami so izrezljane, da izgleda kot valovi morja.