sexta-feira, 11 de novembro de 2016

The Fate Of Neanderthal Genes. --- O destino dos genes de Neanderthal. --- 尼安德特人命运的命运

The Neanderthals disappeared about 30,000 years ago, but little pieces of them live on in the form of DNA sequences scattered through the modern human genome. A new study by geneticists at the University of California, Davis, shows why these traces of our closest relatives are slowly being removed by natural selection.

Modern humans and Neanderthals interbred tens of thousands of years ago. New work shows how the difference in population size has led to genes that survived in Neanderthals being removed from the modern human genome [Credit: WikiCommons/DrMikeBaxter]

“On average, there has been weak but widespread selection against Neanderthal genes,” said Graham Coop, professor in the UC Davis Department of Evolution and Ecology and Center for Population Biology, and senior author on a paper describing the work published in the journal PLOS Genetics. That selection seems to be a consequence of a small population of Neanderthals mixing with a much larger population of modern humans.

Neanderthals split from our African ancestors over half a million years ago, and lived in Europe and Central Asia until a few tens of thousands of years ago. Archaeological discoveries have shown that they had quite a sophisticated culture, Coop said. Thanks to DNA samples retrieved from a number of fossils, we have enough data on the Neanderthal genome to identify their genes among ours.

When modern humans left Africa about 50,000 to 80,000 years ago and spread through Europe and Asia, they interbred with Neanderthals. The first hybrid offspring would have been, on average, a 50-50 mix of modern human and Neanderthal genes, and could then have themselves bred with modern humans, Neanderthals or other hybrids.

So what happened to the Neanderthal DNA? Today, Neanderthal genes are a few percent of the genome of people of European ancestry, a little more common in people of East Asian descent, and almost absent in people of African ancestry.

Coop and postdoctoral researchers Ivan Juric and Simon Aeschbacher devised methods to measure the degree of natural selection acting on Neanderthal DNA in the human genome.

One hypothesis has been that Neanderthals quickly became genetically incompatible with modern humans, so their hybrid offspring were not “fit” in evolutionary terms – they either failed to thrive or were not fertile.

Weak but widespread selection against Neanderthal genes

The researchers found something different. Rather than showing strong selection against a few Neanderthal genes, they found weak, but widespread selection against many Neanderthal DNA sequences that is slowly removing them from our genome.

Coop said that’s consistent with a small, isolated population of Neanderthals mixing with a much larger population of modern humans. Inbreeding in small populations means that genetic variants can remain common even if they’re harmful to some degree. But when they mix into a larger population, natural selection starts to act against those variants and weed them out.

“The human population size has historically been much larger, and this is important since selection is more efficient at removing deleterious variants in large populations,” Juric said. “Weakly deleterious variants that could persist in Neanderthals could not persist in humans. We think that this simple explanation can account for the pattern of Neanderthal ancestry that we see today along the genome of modern humans.”

The findings are consistent with other recently published work. If Neanderthals had been more numerous when modern humans encountered them, we might have a different mix of Neanderthal and human genes, Juric said.




Source: UC Davis
Read more at https://archaeologynewsnetwork.blogspot.com/2016/11/the-fate-of-neanderthal-genes.html#P827TU4VxRpIGgwL.99


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.
O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!






--br via tradutor do google

O destino dos genes de Neanderthal

Os Neandertais desapareceram cerca de 30.000 anos atrás, mas pequenos pedaços deles vivem sob a forma de seqüências de DNA espalhadas pelo genoma humano moderno. Um novo estudo feito por geneticistas da Universidade da Califórnia, Davis, mostra por que esses traços de nossos parentes mais próximos estão sendo lentamente removidos pela seleção natural.

Humanos modernos e neandertais se cruzaram dezenas de milhares de anos atrás. Novo trabalho mostra como a diferença no tamanho da população levou a genes que sobreviveram em Neanderthals sendo removido do genoma humano moderno [Crédito: WikiCommons / DrMikeBaxter]

"Em média, tem havido seleção fraca, mas generalizada, contra os genes de Neanderthal", disse Graham Coop, professor do Departamento de Evolução e Ecologia da UC Davis e Centro de Biologia Populacional e autor sênior em um artigo descrevendo o trabalho publicado na revista PLOS Genética. Essa seleção parece ser uma conseqüência de uma pequena população de neandertais se misturando com uma população muito maior de humanos modernos.

Os neandertais se separaram dos nossos antepassados ​​africanos há mais de meio milhão de anos e viveram na Europa e na Ásia Central até há algumas dezenas de milhares de anos. As descobertas arqueológicas mostraram que tinham uma cultura bastante sofisticada, disse Coop. Graças a amostras de DNA obtidas de um número de fósseis, temos dados suficientes sobre o genoma do Neanderthal para identificar seus genes entre os nossos.

Quando os seres humanos modernos deixaram a África cerca de 50.000 a 80.000 anos atrás e se espalharam pela Europa e Ásia, eles cruzaram com Neanderthals. A primeira descendência híbrida teria sido, em média, uma mistura 50-50 de modernos genes humanos e neandertais, podendo então ter-se criado com humanos modernos, neandertais ou outros híbridos.

Então o que aconteceu com o DNA de Neanderthal? Hoje, os genes de Neanderthal são uma porcentagem do genoma de pessoas de ascendência européia, um pouco mais comum em pessoas de ascendência asiática oriental e quase ausentes em pessoas de ascendência africana.

Coop e postdoctoral pesquisadores Ivan Juric e Simon Aeschbacher concebido métodos para medir o grau de seleção natural agindo Neanderthal DNA no genoma humano.

Uma hipótese foi que os neandertais rapidamente se tornaram geneticamente incompatíveis com os seres humanos modernos, de modo que seus descendentes híbridos não estavam "aptos" em termos evolutivos - ou não prosperaram ou não eram férteis.

Seleção fraca mas difundida contra genes Neanderthal

Os pesquisadores descobriram algo diferente. Em vez de mostrar uma seleção forte contra alguns genes de Neanderthal, eles encontraram uma seleção fraca, mas ampla, contra muitas seqüências de DNA de Neanderthal que está lentamente removendo-as do nosso genoma.

Coop disse que é consistente com uma população pequena e isolada de neandertais se misturando com uma população muito maior de humanos modernos. A endogamia em populações pequenas significa que as variantes genéticas podem permanecer comuns mesmo que sejam prejudiciais em algum grau. Mas quando se misturam em uma população maior, a seleção natural começa a agir contra essas variantes e eliminá-las.

"O tamanho da população humana tem sido historicamente muito maior, e isso é importante porque a seleção é mais eficiente na remoção de variantes deletérias em grandes populações", disse Juric. "As variantes fraca deletéria que poderiam persistir em Neanderthals não poderiam persistir nos seres humanos. Pensamos que esta simples explicação pode explicar o padrão de ascendência neandertal que vemos hoje ao longo do genoma dos seres humanos modernos ".

Os resultados são consistentes com outros trabalhos publicados recentemente. Se os neandertais fossem mais numerosos quando os humanos modernos os encontrassem, poderíamos ter uma mistura diferente de Neanderthal e genes humanos, disse Juric.







--chines via tradutor do google
尼安德特人命运的命运



尼安德特人在大约30,000年前消失了,但它们中的一小部分以通过现代人类基因组分散的DNA序列的形式存在。加利福尼亚大学戴维斯分校的遗传学家的一项新研究显示,为什么我们最近的亲戚的这些痕迹通过自然选择而被缓慢地去除。



现代人类和尼安德特人杂交数万年前。新工作显示人口规模的差异如何导致在尼安德特人生存的基因被从现代人类基因组中删除[信用:WikiCommons / DrMikeBaxter]


加利福尼亚大学戴维斯分校进化与生态系和人口生物学中心教授Graham Coop说,“平均来说,对尼安德特人基因的选择是微弱但广泛的,”他的一篇论文描述了在PLOS期刊上发表的着作基因。这种选择似乎是一个少量的尼安德特人混合与更大的现代人口的人口的结果。

尼安德特人在五十多万年前从我们的非洲祖先分裂出来,住在欧洲和中亚,直到几万年前。考古发现表明,他们有一个相当复杂的文化,Coop说。由于从一些化石中检索的DNA样本,我们有足够的数据在尼安德特人基因组上,以确定他们的基因在我们的。

当现代人类离开非洲约5万至8万年前,并通过欧洲和亚洲传播,他们与尼安德特人杂交。第一个混合后代平均是现代人类和尼安德特人基因的50-50混合物,然后可以与现代人类,尼安德特人或其他杂交种繁殖。

那么,尼安德特人的DNA发生了什么?今天,尼安德特人基因是欧洲血统的人的基因组的几个百分点,在东亚人的血统中更常见,在非洲血统的人中几乎不存在。

合作和博士后研究人员Ivan Juric和Simon Aeschbacher设计了测量人类基因组中作用于尼安德特人DNA的自然选择程度的方法。

一个假设是,尼安德特人迅速变得与现代人类的遗传不相容,所以他们的混合后代不是“适合”的进化术语 - 他们不能茁壮成长或不肥沃。

对尼安德特人基因的选择较弱但广泛

研究人员发现了不同的东西。与其对几个尼安德特人基因表现出强烈的选择,他们发现对许多尼安德特人DNA序列的弱但广泛的选择正在慢慢地从我们的基因组中去除它们。

Coop说,这与一个小的,孤立的尼安德特人混合与更大的现代人口的人口是一致的。在小群体中的近交意味着遗传变异体可以保持共同,即使它们在某种程度上是有害的。但是当它们混合到更大的群体中时,自然选择开始对这些变体起作用并将其除去。

“人类的人口规模历史上更大,这是很重要的,因为选择更有效地清除大群体中的有害变异体,”Juric说。 “可能存在于尼安德特人中的微弱有害变异体不能持续存在于人类中。我们认为这个简单的解释可以解释我们今天沿着现代人类的基因组看到的尼安德特人祖先的模式。

研究结果与其他最近发表的研究结果一致。如果尼安德特人在现代人类遇到他们时更多,我们可能有不同的尼安德特人和人类基因的组合,Juric说。

Exhibition at the MNBA celebrates the 200 years of the School of Fine Arts in Rio de Janeiro, Brazil. --- Exposição no MNBA comemora os 200 anos da Escola de Belas Artes no Rio. --- 展览MNBA庆祝美术学院在里约热内卢的200周年

The National Museum of Fine Arts (MNBA / Ibram), in Rio de Janeiro (RJ), inaugurates this Thursday (10), at 18h, the exhibition School of Fine Arts: 1816-2016. Two hundred years building Brazilian art.


The show cuts the artistic production of the institution that formed - and still forms - hundreds of artists from the most different generations of Brazilian art.

According to the curator of the exhibition, Angela Ancora da Luz, who directed EBA between 2002 and 2010, "the presence of the school in the context of the Brazilian society revealed its identity by little known aspects, but of great social and political interest, besides Of its fundamental guiding principle: artistic teaching ".

The curatorial axis emphasized the School of Fine Arts as an institution that maintains and preserves a social, political and intellectual concern for individual differences, which does not prevent the formation of a body and an 'identity'. It was tried to show the differences and affinities in drawings, engravings, paintings, sculptures, installations, videos and performances.

From school to museum
Created by Royal Decree on August 12, 1816, the first seat of the School of Fine Arts was in the Travessa das Belas Artes, near Praça Tiradentes. The building, from Grandjean de Montigny, was designed to receive the then Imperial Academy of Fine Arts and was inaugurated on November 5, 1826.

"It was a school of great importance in the Empire and it was open to all who wished to seek the path of the arts, being accepted by the great masters of the workshops," says the curator. "What counted at the time of the selection was the talent, without restriction to the cultural degree, to the race or economic situation".

In 1908, already with the name of National School of Fine Arts, the institution moved to its second building, with project of Morales de los Rios, in Avenida Rio Branco - where today is located the MNBA. In 1975, the school moved definitively to the UFRJ rectory building in Cidade Universitária, shared with the Faculty of Architecture.

The show runs until February 12, 2017. The MNBA is located at Avenida Rio Branco 199, Cinelândia and operates from Tuesday to Friday from 10am to 6pm and Saturdays, Sundays and holidays from 1pm to 6pm.

Text: Disclosure MNBA
Edition: Ascom / Ibram
Image: Disclosure MNBA





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!







--br
Exposição no MNBA comemora os 200 anos da Escola de Belas Artes no Rio

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), inaugura nesta quinta-feira (10), às 18h, a exposição Escola de Belas Artes: 1816-2016. Duzentos anos construindo a arte brasileira. 

A mostra faz um recorte da produção artística da instituição que formou – e ainda forma – centenas de artistas das mais diferentes gerações da arte brasileira.

Segundo a curadora da exposição, Angela Ancora da Luz, que dirigiu a EBA entre os anos de 2002 e 2010, “a presença da escola no contexto da sociedade brasileira revelou sua identidade por aspectos pouco conhecidos, mas de grande interesse social e político, além de seu princípio norteador fundamental: o ensino artístico”.

O eixo curatorial enfatizou a Escola de Belas Artes como instituição que mantém e preserva uma preocupação social, política e intelectual das diferenças individuais, o que não impede a formação de um corpo e de uma ‘identidade’. Buscou-se evidenciar as diferenças e afinidades em desenhos, gravuras, pinturas, esculturas, instalações, vídeos e performances.

De escola a museu
Criada por Decreto Real em 12 de agosto de 1816, a primeira sede da Escola de Belas Artes foi na Travessa das Belas Artes, próxima a Praça Tiradentes. O prédio, de Grandjean de Montigny, foi projetado para receber a então Academia Imperial das Belas Artes e foi inaugurado em 5 de novembro de 1826.

“Foi uma escola de grande peso no Império e que esteve aberta a todos os que desejassem buscar o caminho das artes, sendo aceitos pelos grandes mestres dos ateliês”, conta a curadora. “O que contava na hora da seleção era o talento, sem restrição ao grau cultural, à raça ou situação econômica”.

Em 1908, já com o nome de Escola Nacional de Belas Artes, a instituição transferiu-se para seu segundo prédio, com projeto de Morales de los Rios, na Avenida Rio Branco – onde hoje situa-se o MNBA. Em 1975, a escola mudou-se em definitivo para o prédio da reitoria UFRJ na Cidade Universitária, compartilhado com a Faculdade de Arquitetura.

A mostra segue em cartaz até 12 de fevereiro de 2017. O MNBA fica na Avenida Rio Branco 199, – Cinelândia e funciona de terça a sexta das 10h às 18h e aos sábados, domingos e feriados das 13h às 18h. 

Texto: Divulgação MNBA
Edição: Ascom/Ibram
Imagem: Divulgação MNBA


--chinês via tradutor do google
展览MNBA庆祝美术学院在里约热内卢的200周年


美术国家博物馆(MNBA / IBRAM),里约热内卢(RJ),在18小时开放周四(10),美术展览的学校:1816年至2016年。两百年的建筑艺术的巴西。



该节目是艺术生产形成的机构的一个片段 - 现在依然形成 - 从巴西艺术的不同世代数百名艺术家。

根据展览的策展人,安吉拉安科拉大卢斯,谁领导了EBA 2002年到2010年间,“学校在巴西社会的背景下存在由鲜为人知的一面暴露自己的身份,但巨大的社会和政治利益,以及它的基本指导原则:艺术教育“。

策展强调美术学院作为保持和保留了社会的关注,政界和知识界的个体差异,这并不妨碍身体的形成和“身份”的机构。他试图突出素描,版画,油画,雕塑,装置,录像和表演的异同。

学校博物馆
创建者皇家法令于1816 8月12日,美术学院的第一个总部设在车道美术,近革命英雄广场。该建筑,格兰金去蒙蒂尼,旨在获得美术然后翰林院及落成于1826年11月5日。

“这是在帝国巨大的重量一所学校,是开放给所有谁愿意寻求艺术的道路,通过讲习班的大师被接受,”馆长说。 “什么算在选择时是人才,没有文化层次,种族或经济地位的限制。”

1908年,已经与全国美术学校的名称,该机构搬到了它的第二个建筑,在Rio Branco大道莫拉莱斯德洛斯里奥斯项目 - 在今天站在MNBA。 1975年,学校明确搬到UFRJ神父寓所建设大学城,与建筑学院共享。

此次展会上展出如下直到2月12日,2017年MNBA在马路里奥布兰科199 - 西尼兰地亚和开放时间为周二至周五上午十时至18pm和周六,周日从13H到18H的假期。

文字:披露MNBA
版:亚斯康/ IBRAM
图片说明:信息披露MNBA

Discover circular pyramid of 5,500 years old in Peru. --- Descubren pirámide circular de 5.500 años de antigüedad en Perú.

The latest archaeological discoveries in Miravalles, in the Cajamarca region of northern Peru, describe a 5,500-year-old civilization, said researcher Victor Colán, presented at a press conference by Peruvian congressman Messias Guevara.



Colán explained that the new findings include the presence of circular pyramids and reveal the existence of an Andean civilization of Miravalles, which becomes the oldest known in Peru, and among the most remote in the world, such as Mesopotamia and Egypt, according to Audio broadcast by the Radio Congress of Peru on October 21. He also highlighted that from December 2013 to date he discovered in the province of San Miguel the presence of seven archaeological sites located in the districts of Anchor, Bolivar, Florida and Niepos de Miravalles.

One of the great finds represents the Throne of the Lord of Miravalles. The second is a ceremonial center of stone, and the third, is a circular pyramid with three platforms 30 meters in diameter, in the town center of Miravalles, district of Niepos, all 5,500 years old. "The archaeological site of Miravalles in the province of San Miguel in Cajamarca with 5,500 years is 500 years older than the sacred city of Caral," said Mr. Colán. The researcher also emphasized that then "not only Caral is the original center of the civilization of Peru but so is Cajamarca, in the north of the country".

These latest findings are complemented by previous discoveries of two circular pyramids in Jaen, also in Cajamarca, discovered by archaeologist Quirino Olivera. "The northeastern region of Peru is a center of the Andean civilization, just like Caral and the North Chico, that is the transcendence of our discovery," said Colán. The researcher concluded that "Peru is the oldest civilization in the world along with Mesopotamia and Egypt," and requested funding from the Ministry of Culture to continue the excavations.

According to Congressman Guevara, Cajamarca "is one of the regions that is not only rich in gold, but is a region with a lot of history, there is a lot of cultural heritage; Is in the region of Catamarca when the country was consolidated ".






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


http://mysteryplanet.com.ar/site/descubren-piramide-circular-de-5-500-anos-de-antiguedad-en-peru/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!





--es
Descubren pirámide circular de 5.500 años de antigüedad en Perú.


Los últimos descubrimientos arqueológicos en Miravalles, en la región de Cajamarca al norte de Perú describen una civilización de 5.500 años de antigüedad, indicó el investigador Victor Colán, presentado en una conferencia de prensa por el congresista peruano Mesías Guevara.

Colán explicó que los nuevos hallazgos incluyen la presencia de pirámides circulares y revelan la existencia de una civilización andina de Miravalles, la cual se transforma en la más antigua conocida en Perú, y entre las más remotas del mundo, como Mesopotamia y Egipto, según el audio divulgado por la Radio Congreso de Perú el 21 de octubre. Destacó además que desde diciembre de 2013 hasta la fecha descubrió en la provincia de San Miguel la presencia de siete sitios arqueológicos ubicados en los distritos de Anchor, Bolivar, La Florida y Niepos de Miravalles. 

Uno de los grandes hallazgos representa el Trono del Señor de Miravalles. El segundo es un centro ceremonial de piedra, y el tercero, es una pirámide circular con tres plataformas de 30 metros de diámetros, en el centro poblado de Miravalles, distrito de Niepos, todos de 5.500 años de antigüedad. «El sitio arqueológico de Miravalles en la provincia de San Miguel en Cajamarca con 5.500 años es 500 años mas antiguo que la ciudad sagrada de Caral», destacó el Señor Colán. El investigador resaltó además que entonces «no solo Caral es el centro originario de la civilización de Perú sino que también lo es Cajamarca, en el norte del país». 

Estos últimos hallazgos se complementan con los descubrimientos previos de dos pirámides circulares en Jaen, también en Cajamarca, descubiertas por el arqueólogo Quirino Olivera. «La región nororiental del Perú es un centro originario de la civilización andina al igual que Caral y el Norte Chico, esa es la trascendencia de nuestro descubrimiento», resaltó Colán. El investigador concluyó que «Perú es la civilización más antigua del mundo junto con Mesopotamia y Egipto», y solicitó al Ministerio de Cultura financiamiento para continuar con las excavaciones. 

Según el congresista Guevara, Cajamarca «es una de las región que no solamente es rica en oro, sino que es una región con mucha historia, hay mucho patrimonio cultural; es en la región de Catamarca cuando se consolidó el país».



THE GUARDIANS OF THE ROOF, CHINA. --- 屋顶的监护人中国。 --- OS GUARDIÕES DO TELHADO, CHINA


In China, a detail present in imperial architecture are the guardians of the roof.




The guardians are statues lined up - always in odd numbers - that stand at the ends of the roofs of the buildings. The first of the statues is that of a man mounted on a phoenix and the last one is that of a dragon. Between man and dragon are fish, seahorses, bulls, lions, pegasus, winged monkeys and other fantastic animals.

Each figure has a different meaning. The phoenix is ​​a symbol of high virtue, grace, good luck and refers to a legend about King Qi; He was saved by a phoenix at a time when he was cornered by his enemies on the banks of a great river. The pegasus symbolizes honor. The lion means courage and dignity. The bull is a symbol of bravery and justice. The winged monkey is the god of lightning and thunder. The figures associated with water protect the building of fires - a constant concern - since the imperial buildings were basically of wood, and the enemies attacked with fire constantly.

The amount of statues represents the importance of the building and the social position of the resident. The Hall of Supreme Harmony, which is inside the Forbidden City in Beijing, has the maximum number of figurines (there are 10!) And it is an exception to the odd number rule.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

 by Carolina Kuk 露林

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.



O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!







--chines via tradutor do google

屋顶的监护人中国

在中国,目前在宫廷建筑细节的屋顶监护人。

家长们一字排开俑 - 总是奇数 - 这是建筑物的屋顶上的提示。第一个雕像是坐上了凤凰的男人,最后是龙的。人与龙之间是鱼,海马,公牛,狮子,飞马,飞猴和其他动物的奇妙。

每个人物都有不同的意义。凤凰是高德和风度,好运气的象征,是指有关齐王传奇;他有一次他发现自己被一个伟大的河岸敌人狗急跳墙救了一只凤凰。飞马象征着荣誉。狮子意味着勇气和尊严。公牛是勇敢和正义的象征。有翼的猴子是雷电之神。与水有关的数字保护,起火建筑 - 一个大问题 - 因为帝国大厦是木制的,基本上,和敌人火力攻击他不断。

雕像的数字代表建设和乘员的社会地位的重要性。太和殿的和谐,这是在北京紫禁城内,有雕像的最大数量(10个!),是一个例外奇数。





--br via tradutor do google
OS GUARDIÕES DO TELHADO, CHINA

Na China, um detalhe presente na arquitetura imperial são os guardiões do telhado. 

Os guardiões são estatuetas enfileiradas – sempre em número ímpar – que ficam nas pontas dos telhados das construções. A primeira das estatuetas é a de um homem montado em uma Fênix e a última é a de um dragão. Entre o homem e o dragão estão peixes, cavalos marinhos, touros, leões, pégasos, macacos alados e outros animais fantásticos.

Cada figura tem um significado diferente. A fênix é um símbolo de alta virtude, graça, boa sorte e se refere a uma lenda sobre o rei Qi; ele foi salvo por uma fênix numa ocasião em que se viu encurralado pelos inimigos nas margens de um grande rio. O pégaso simboliza honra. O leão significa valentia e dignidade. O touro é um símbolo de bravura e justiça. O macaco alado é o deus dos raios e dos trovões. As figuras associadas à água protegem o edifício de incêndios - uma preocupação constante - já que os prédios imperiais eram basicamente de madeira, e os inimigos o atacavam com fogo constantemente. 

A quantidade de estatuetas representa a importância do edifício e a posição social do morador. O Salão da Harmonia Suprema, que fica dentro da Cidade Proibida em Pequim, tem o número máximo de estatuetas (são 10!) e é uma exceção a regra do número ímpar.













Austrian Authorities Thwart Group Trying to Sell Fake Picassos. --- As autoridades austríacas impedem o grupo de tentar vender falsos Picassos.

LONDON — Austria’s criminal intelligence service announced this week that it had uncovered a group selling forgeries of high-profile art, including fakes that had been attributed to Chagall and Picasso.




The service said in a statement on Monday that intelligence officers had posed as art buyers and arrested six suspects at a Vienna airport hotel in an undercover operation in July. Details on the operation were kept private until this week.

The suspects were said to have been trying to sell the undercover authorities five artworks that they said were Picasso originals for about 10 million euros, or about $11 million, each.

The authorities in the Vienna suburb of Schwechat, site of the city’s international airport, received a tip in the middle of the year that a small criminal group was planning to sell fake artworks there and alerted the intelligence service, which then organized the undercover purchase.

Further investigations into the suspects, who include five Austrians and one Slovenian citizen, revealed that members of the group had over a dozen forgeries of works by artists including Picasso and Emil Nolde in their possession in Austria, and that there was a trove of more than 60 others by artists like Klimt, Monet and Picasso at one of the suspects’ properties in Slovenia.

The Slovenian member of the group tried to sell some of these fakes in 2014 but was unable to find buyers, said Vincenz Kriegs-Au, a spokesman for the criminal intelligence service. After the first failed attempt, the suspect teamed up with those who were arrested in July. He told investigators that he bought the works from an art collector. It is not clear who painted the forgeries.

The suspects, whose names have not been released, told investigators that they believed the works were real. The suspects have been released pending trial, Mr. Kriegs-Au said. All of the works are in police possession, and representatives of the artists’ estates are in the process of evaluating some of them for authenticity.







 
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.
 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.
 
O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!






--br via tradutor do google
As autoridades austríacas impedem o grupo de tentar vender falsos Picassos.

LONDRES (Reuters) - O serviço de inteligência criminal da Áustria anunciou esta semana que descobriu um grupo vendendo falsificações de arte de alto perfil, incluindo falsificações atribuídas a Chagall e Picasso.

O serviço disse em um comunicado na segunda-feira que os oficiais de inteligência posaram como compradores de arte e prendeu seis suspeitos em um hotel do aeroporto de Viena em uma operação secreta em julho. Detalhes sobre a operação foram mantidos em privado até esta semana.

Os suspeitos teriam tentado vender às autoridades secretas cinco obras de arte que, segundo eles, eram originais de Picasso por cerca de 10 milhões de euros, ou cerca de US $ 11 milhões cada.

As autoridades do subúrbio de Schwechat, local do aeroporto internacional da cidade, receberam uma dica no meio do ano em que um pequeno grupo criminoso planejava vender falsas obras de arte e alertaram o serviço de inteligência, que então organizou a compra secreta.

Outras investigações sobre os suspeitos, que incluem cinco austríacos e um cidadão esloveno, revelaram que os membros do grupo tinham mais de uma dúzia de falsificações de obras de artistas como Picasso e Emil Nolde na sua posse na Áustria e que havia um tesouro de mais de 60 por artistas como Klimt, Monet e Picasso em uma das propriedades dos suspeitos na Eslovénia.

O membro esloveno do grupo tentou vender algumas dessas falsificações em 2014, mas foi incapaz de encontrar compradores, disse Vincenz Kriegs-Au, um porta-voz do serviço de inteligência criminal. Após a primeira tentativa fracassada, o suspeito se uniu aos que foram presos em julho. Ele disse aos investigadores que ele comprou as obras de um colecionador de arte. Não está claro quem pintou as falsificações.

Os suspeitos, cujos nomes não foram divulgados, disseram aos investigadores que acreditavam que as obras eram reais. Os suspeitos foram liberados na pendência do julgamento, disse Kriegs-Au. Todas as obras estão na posse da polícia, e os representantes das propriedades dos artistas estão no processo de avaliar alguns deles para a autenticidade.



Exposição da Fiocruz apresenta o desenvolvimento da saúde pública no início do século 20. --- Fiocruz exhibition presents the development of public health in the early 20th century


O desenvolvimento das atividades científicas na saúde pública do Brasil, as origens da Fiocruz na antiga Fazenda de Manguinhos e a evolução urbana do Rio de Janeiro – com grandes mudanças em sua paisagem – nos anos de 1903 a 1946 são resgatados na exposição “Manguinhos revelado: um lugar de ciência”. Concebida pela Casa de Oswaldo Cruz (COC), unidade e centro de memória da Fundação, a mostra conduz o público à verdadeira jornada histórica em quatro módulos que reúnem fotografias, filmes e objetos museológicos. Os registros fotográficos são assinados por J. Pinto (contratado pelo próprio Oswaldo Cruz) e pertencem ao conjunto de negativos de vidro – composto por cerca de 8 mil itens digitalizados – do Arquivo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), reconhecido pelo Programa Memória do Mundo da Unesco como Patrimônio Documental da Humanidade desde 2012.
 
 

"Manguinhos revelado: um lugar de ciência"
fica em cartaz no Museu Histórico Nacional até janeiro








 A exposição – com cerca de 120 fotos – é inédita e oportunidade única para o público conhecer parte desse grande acervo, considerado um repositório singular da memória visual da saúde pública nacional, tanto pelo valor histórico-documental quanto pelo valor artístico. Representa ainda uma referência da técnica e estética fotográficas aplicadas à saúde e à ciência. A inauguração da mostra será no próximo dia 10 de novembro, às 18h, na Galeria Jenny Dreyfus do Museu Histórico Nacional, no Centro (próximo à Praça XV).
“Manguinhos revelado: um lugar de ciência” é uma realização da Folguedo, tem gestão cultural da Sociedade de Promoção da Casa de Oswaldo Cruz (SPCOC) e patrocínio da Prefeitura do Rio Janeiro, por meio da secretaria municipal de Cultura, e da Fiotec.

O módulo de abertura (“Manguinhos e a cidade do Rio de Janeiro”) joga luz em aspecto muito importante: a capacidade de a cidade reinventar-se. A região de Manguinhos, ainda pouco habitada, era ideal para a fabricação de soros e vacinas em 1900; iniciava-se a trajetória de uma das maiores instituições de saúde da América Latina. Na ocasião, o acesso a Manguinhos era possível apenas por barcos – que atolavam devido aos mangues da região (daí o nome do bairro) – e pela Estrada de Ferro Leopoldina. O curso do século 20 seria marcado por período de grandes intervenções e alterações no panorama da região, muito em função da necessidade de sanear e urbanizar os subúrbios do Rio de Janeiro.

O segundo módulo (“Cotidiano de Manguinhos”) passeia pelas origens da instituição que se consolidou no tripé pesquisa, ensino e produção de imunobiológicos. As fotografias registraram a visita de personalidades do mundo científico (Albert Einstein esteve em Manguinhos em 1925) e político ajudando a consolidar o prestígio que já desfrutava.

No terceiro módulo (Manguinhos e os sertões do Brasil), o público confere as expedições dos cientistas do IOC ao interior do Brasil. As viagens significaram um marco para a pesquisa científica e para o conhecimento do Brasil, associando o ideal civilizatório à proposta de integração dos sertões ao restante do país. As incursões no início do século 20 estavam relacionadas às atividades econômicas da época, como a construção de ferrovias, o saneamento de portos e a extração da borracha na Amazônia. As expedições promoveram pesquisas médicas, de higiene e de história natural e ampliaram a atuação do Instituto Oswaldo Cruz no território nacional.

O último módulo (Negativos de Vidro: suportes de memória) aborda a importância dos registros fotográficos do IOC. Além de atenderem às exigências do trabalho científico, diziam respeito à constituição da memória do Instituto. Seja pela qualidade dos produtos utilizados em sua confecção, seja pela estabilidade conferida, os negativos de vidro são considerados, até hoje, o suporte fotográfico que melhor conserva as informações e menos sofre deterioração com o tempo. A digitalização do acervo gera cópias fiéis e que exigem menos tratamento, características que lhes conferem capacidade de longa permanência, convertendo-os em preciosos suportes de memória.

Serviço
Exposição: “Manguinhos revelado: um lugar de ciência”
Inauguração: 10 de novembro
Horário: 18h
Período: 11 de novembro de 2016 a 29 de janeiro de 2017
Visitação: terça a sexta-feira, das 10h às 17h30; aos sábados, domingos e feriados das 14h às 18h.
Local: Museu Histórico Nacional - Galeria Jenny Dreyfus
Endereço: Praça Marechal Âncora s/n.º - Centro – RJ
Informações: 21-3299-0324

Curadoria

Aline Lopes de Lacerda: historiadora e pesquisadora do Departamento de Arquivo e Documentação da COC/Fiocruz especializada no tratamento arquivístico de documentos fotográficos de valor permanente.
Nezi Heverton Campos de Oliveira: graduado em Comunicação Social com habilitação em Cinema pela USP, com mestrado em Comunicação (Estudos dos Meios e da Produção Midiática) pela Escola de Comunicações e Artes da USP.
Pedro Paulo Soares: historiador e mestre em História Social pela UFRJ, possui experiência de curadoria de exposições histórico científicas. É coordenador do Serviço de Museologia do Museu da Vida (COC/Fiocruz).
Renato Gama-Rosa: arquiteto e urbanista, é pesquisador do Departamento de Patrimônio Histórico da COC/Fiocruz.

Data 11/11/2016
Endereço Praça Marechal Âncora s/n.º - Centro - RJ
Cidade RIO DE JANEIRO Estado RIO DE JANEIRO País BRASIL 





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

 

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!





--IN VIA TRADUTOR DO GOOGLE
Fiocruz exhibition presents the development of public health in the early 20th century

The development of scientific activities in public health in Brazil, the origins of Fiocruz in the former Fazenda de Manguinhos and the urban evolution of Rio de Janeiro - with great changes in its landscape - in the years 1903 to 1946 are rescued in the exhibition "Manguinhos revealed: A place of science ". Conceived by the Casa de Oswaldo Cruz (COC), unit and memory center of the Foundation, the show leads the public to the true historical journey in four modules that bring together photographs, films and museum objects. The photographic records are signed by J. Pinto (contracted by Oswaldo Cruz himself) and belong to the set of glass negatives - composed of about 8 thousand items scanned - from the Archives of the Oswaldo Cruz Institute (IOC), recognized by the Memory of the World Program Of Unesco as Documentary Heritage of Humanity since 2012.


The exhibition - with about 120 photos - is an unprecedented and unique opportunity for the public to know part of this great collection, considered a unique repository of the visual memory of national public health, both for historical and documentary value as for artistic value. It also represents a reference of photographic techniques and aesthetics applied to health and science. The inauguration of the exhibition will be on November 10, at 6:00 pm, at the Jenny Dreyfus Gallery of the National Historical Museum, in the Center (next to Place XV).
"Manguinhos revealed: a place of science" is an accomplishment of Folguedo, has cultural management of the Society of Promotion of the House of Oswaldo Cruz (SPCOC) and sponsorship of the City of Rio Janeiro, through the municipal secretariat of Culture, and Fiotec.

The opening module ( "Manguinhos and the city of Rio de Janeiro") throws light on a very important aspect: the capacity of the city to reinvent itself. The region of Manguinhos, still little inhabited, was ideal for the manufacture of sera and vaccines in 1900; The trajectory of one of the largest health institutions in Latin America was beginning. At the time, access to Manguinhos was possible only by boats - which jammed due to the mangroves of the region (hence the name of the neighborhood) - and the Leopoldina Railway. The course of the 20th century would be marked by a period of major interventions and changes in the panorama of the region, much due to the need to clean up and urbanize the suburbs of Rio de Janeiro.

The second module ( "Cotidiano de Manguinhos") traverses the origins of the institution that was consolidated in the tripod research, teaching and production of immunobiológicos. The photographs recorded the visit of personalities from the scientific world (Albert Einstein was in Manguinhos in 1925) and a politician helping to consolidate the prestige he already enjoyed.

In the third module (Manguinhos and the backlands of Brazil), the public confers the expeditions of the scientists of the IOC to the interior of Brazil. The trips meant a milestone for scientific research and for the knowledge of Brazil, associating the civilizing ideal with the proposal of integration of the sertões to the rest of the country. The incursions in the early 20th century were related to the economic activities of the time, such as the construction of railroads, the sanitation of ports and the extraction of rubber in the Amazon. The expeditions promoted medical research, hygiene and natural history, and expanded the work of the Instituto Oswaldo Cruz in the national territory.

The last module (Glass Negatives: Memory Media) addresses the importance of IOC photographic records. In addition to meeting the demands of scientific work, they related to the constitution of the Institute's memory. Whether for the quality of the products used in its manufacture, or for the stability conferred, the glass negatives are considered, to date, the photographic medium that best conserves the information and less suffer deterioration with time. The digitization of the collection generates faithful copies that require less processing, characteristics that give them long-term capacity, converting them into precious memory supports.

Service
Exhibition: "Manguinhos Revealed: A Place of Science"
Inauguration: November 10
Time: 6:00 p.m.
Period: November 11, 2016 to January 29, 2017
Visitation: Tuesday to Friday, from 10h to 17h30; Saturdays, Sundays and holidays from 2 pm to 6 pm.
Location: National Historical Museum - Jenny Dreyfus Gallery
Address: Praça Marechal Âncora s / nº - Centro - RJ
Information: 21-3299-0324

Curatorship

Aline Lopes de Lacerda: historian and researcher of the Department of Archives and Documentation of COC / Fiocruz specialized in the archival treatment of photographic documents of permanent value.
Nezi Heverton Campos de Oliveira: graduated in Media with a degree in Cinema from USP, with a Master's degree in Communication (Media Studies and Media Production) at the School of Communications and Arts at USP.
Pedro Paulo Soares: historian and master in Social History at UFRJ, has experience of curating scientific historical exhibitions. He is coordinator of the Museology Service of the Museum of Life (COC / Fiocruz).
Renato Gama-Rosa: architect and town planner, is a researcher in the Department of Historic Heritage of the COC / Fiocruz.

Date 11/11/2016
Address Praça Marechal Âncora s / nº - Centro - RJ
City RIO DE JANEIRO State RIO DE JANEIRO Country BRAZIL

 
 

Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos leva exposição para a Colômbia. --- Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos leva exposição para a Colômbia.

O Muquifu - Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos, irá levar a exposição Muito além do jardim!, para a Pontifícia Universidade Javeriana, de Bogotá, na Colômbia, de 1º a 31 de agosto de 2017. A mostra conta com curadoria e coordenação do padre Mauro Luiz da Silva, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Morro.



Nesta 2ª II Mostra Internacional, o Muquifu recria o jardim dona Wanda, onde os visitantes serão convidados a experimentar, por meio de um exercício de memória, o resgate simbólico do paraiso que foi perdido nas cidades tantas vezes excludentes. A exposição temporária ficará no Departamento de Artes Visuais da Universidade. 

Na proposta dos arquitetos Roberto Gianerinni e Luca Zecchin serão representados o jardim, a Cozinha da Dona Jovem, a igreja dos Santos Pretos, o Muquifu, o Morro do Papagaio, o Quilombo Urbano, para convidar os visitantes a experimentarem um retorno ao Jardim Perdido, uma referência à metáfora do Paraíso que as Quatorze Musas do Muquifu (Dona Jovem, Tia Neném, Tia Santa, Dona Martinha, Tia Ia, Dona Marta, Emerenciana, Dra. Josemeire, Dona Generosa, Sônia, Marilda, Dona Tina, Maria Rodrigues, Terezinha) conseguiram reconstruir na Vila Estrela: um lugar de acolhida, memórias, amor, aconchego, fé, resistência, esperança, fraternidade e paz.

Informações:
Padre Mauro
Tel.: (31) 99257-0856
E-mail: padremauro@hotmail.com
Site do Muquifu: www.muquifu.com.br




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!







--in via tradutor do google
Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos leva exposição para a Colômbia.

O Muquifu - Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos, irá levar a exposição Muito além do jardim!, para a Pontifícia Universidade Javeriana, de Bogotá, na Colômbia, de 1º a 31 de agosto de 2017. A mostra conta com curadoria e coordenação do padre Mauro Luiz da Silva, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Morro.

Nesta 2ª II Mostra Internacional, o Muquifu recria o jardim dona Wanda, onde os visitantes serão convidados a experimentar, por meio de um exercício de memória, o resgate simbólico do paraiso que foi perdido nas cidades tantas vezes excludentes. A exposição temporária ficará no Departamento de Artes Visuais da Universidade. 

Na proposta dos arquitetos Roberto Gianerinni e Luca Zecchin serão representados o jardim, a Cozinha da Dona Jovem, a igreja dos Santos Pretos, o Muquifu, o Morro do Papagaio, o Quilombo Urbano, para convidar os visitantes a experimentarem um retorno ao Jardim Perdido, uma referência à metáfora do Paraíso que as Quatorze Musas do Muquifu (Dona Jovem, Tia Neném, Tia Santa, Dona Martinha, Tia Ia, Dona Marta, Emerenciana, Dra. Josemeire, Dona Generosa, Sônia, Marilda, Dona Tina, Maria Rodrigues, Terezinha) conseguiram reconstruir na Vila Estrela: um lugar de acolhida, memórias, amor, aconchego, fé, resistência, esperança, fraternidade e paz.

Conferenza "La Cripta del Santuario di Santa Maria del Monte a Varese". --- Conferência "A Cripta do Santuário de Santa Maria del Monte em Varese". --- Conference "The Crypt of the Sanctuary of Santa Maria del Monte in Varese"

Nel quadro delle iniziative organizzate dal Museo Civico Branda Castiglioni sito in Castiglione Olona (Piazza Garibaldi), indirizzate ad una maggiore conoscenza e approfondimento del territorio circostante e della sua straordinaria storia, si inserisce una suggestiva serata dedicata alla Cripta del Santuario di Santa Maria del Monte di Varese.


La conferenza sarà curata dalla prof.ssa Albertina Galli che, utilizzando supporti multimediali e immagini d’epoca, illustrerà le vicende storico-artistiche della cripta del noto santuario dalla sua formazione ai recenti interventi di restauro e di consolidamento, un percorso di visita per presentare gli affreschi del XV secolo, la parte archeologica e la cripta nella sua totale completezza.


La serata si terrà il prossimo 11 novembre alle ore 20,30 con ingresso libero.


Per maggiori informazioni e prenotazioni invitiamo gli interessati a rivolgersi all’Ufficio Cultura della Città di Castiglione Olona: tel. 0331 858301 / e-mail: cultura@comune.castiglione-olona.va.it







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!









--br via tradutor do google
Conferência "A Cripta do Santuário de Santa Maria del Monte em Varese"

Entre as iniciativas organizadas pelo site do Museu Branda em Castiglione Olona (Piazza Garibaldi), dirigida a um maior conhecimento e aprofundamento do território envolvente e sua história extraordinária, entra uma noite sugestiva dedicada à Cripta do Santuário de Santa Maria del Monte de Varese.

A conferência será organizada pelo Prof. Albertina Galli, utilizando multimídia e vintage imagens ilustram os acontecimentos históricos e artísticos na cripta do santuário famoso de sua formação à recente restauração e consolidação, uma visita guiada para apresentar os afrescos do século XV, a parte arqueológica e da cripta em seu rigor.
A noite vai ser realizada em 11 de novembro, às 20h30, com entrada franca.

Para mais informações e reservas, convidamos as partes interessadas a contactar o Gabinete de Cultura da Cidade Castiglione Olona: tel. 0331 858301 / e-mail: cultura@comune.castiglione-olona.va.it






--in via tradutor do google
Conference "The Crypt of the Sanctuary of Santa Maria del Monte in Varese"

Among the initiatives organized by the Museum Branda site in Castiglione Olona (Piazza Garibaldi), addressed to a greater knowledge and deepening of the surrounding territory and its extraordinary history, it enters a suggestive evening dedicated to the Crypt of the Sanctuary of Santa Maria del Monte of Varese.
The conference will be organized by Prof. Albertina Galli, using multimedia and vintage images will illustrate the historical and artistic events in the crypt of the famous sanctuary from its formation to the recent restoration and consolidation, a guided tour to present the fifteenth-century frescoes, the archaeological part and the crypt in its thoroughness.

The evening will be held on November 11 at 20.30 with free admission.

For more information and reservations we invite interested parties to contact the Office of Culture City of Castiglione Olona: tel. 0331 858301 / email: cultura@comune.castiglione-olona.va.it