Google+ Followers

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Archaeologists explore the mecca of Roman veterans in Bosnia and Herzegovina. --- Os arqueólogos exploram a meca dos veteranos romanos na Bósnia e Herzegovina.

Roman veterans and other settlers built their homes and villas two thousand years ago, guided by convenience - according to a study of Polish archaeologists in Bosnia and Herzegovina. That is why these structures were built on the edges of river valleys close to the road network.


"During this year's research we were able to find some previously unknown sections of Roman roads, including the Salona-Narona road that was key to the whole Roman province of Dalmatia" - explained the project leader, Tomasz Dziurdzik of the Institute of Archaeology of the University of Warsaw. Research is conducted in partnership with the University of Mostar, represented by Mirko Rašić.

Archaeological heritage of the area is poorly researched and documented by local services. This is in part due to the armed conflict of the 1990s. As a result, the system of protection of archaeological and historical heritage stopped working for many years. Local services received help from Polish archaeologists, who last year began a large-scale, non-invasive archaeological project planned for several years. Its purpose is to verify data on the location of archaeological sites and enter them into a new database.

Researchers use a variety of methods - from field surveys, which involve walking in the field and searching for artefacts on the surface, to the analysis of aerial and satellite images. It is also planned to prepare three-dimensional models of selected sites. "This is the first application of modern, non-destructive archaeological methods in the area" - said Dziurdzik.

People had been leaving a strong mark on the area since the first half of the 1st century AD. That was when veterans came there - legionaries, given land by successive emperors. Due to that, this area was rich and quickly succumbed to Romanization. Tomasz Dziurdzik explained in an interview with PAP that this was the time when numerous investments were made - roads, settlements and villas. That is why Polish research focuses on the settlement of the Roman period and Late Antiquity (since the turn of the era to the 7th century). Mapping some of the relics from the antiquity from the municipality Ljubuški in western Bosnia and Herzegovina allowed to draw the first conclusions about the past of the region.

"Roman settlers, including legionaries dismissed from the army, who received land here as a reward for the service during the reign of Tiberius, chose construction sites for their homes and villas guided by convenience. They built their dwellings on the edges of river valleys and close to the road network" - said Dziurdzik.

The researchers also found that during the Late Antiquity (IV-VII century AD), among the local community there was an increased sense of danger - probably related to the period of migration of nations, when many tribes from Eastern Europe were moving to the west. Therefore, at that time settlements were founded in hard to reach and naturally defensive places.

Scientists have also "scanned" three places selected during surface surveys and determined their layout without the need for excavation. This was possible through the use of geophysical survey. All three sites, located near Humac, were a riddle for scientists - it was not clear what relics of the past are hidden below.

"We were able to confirm the existence of a Roman fort, accompanying civilian settlement and cemetery from the 1st and 2nd centuries AD" - said Dziurdzik. The image generated with the geophysical method shows the fort wall and isolated shapes of buildings.

So far, archaeologists documented and verified a total of 34 previously known sites in the project. The surface research covered over 80 hectares. During these surveys, researchers found a few sites not reported by local services.


PAP - Science and Scholarship in Poland




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


PAP - Science and Scholarship in Poland


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--br via tgradutor do google

Os arqueólogos exploram a meca dos veteranos romanos na Bósnia e Herzegovina.

Veteranos romanos e outros colonos construíram suas casas e moradias há dois mil anos, guiados pela conveniência - de acordo com um estudo de arqueólogos poloneses na Bósnia e Herzegovina. É por isso que estas estruturas foram construídas nas bordas dos vales dos rios perto da rede rodoviária.
"Durante a pesquisa deste ano, fomos capazes de encontrar algumas seções anteriormente desconhecidas de estradas romanas, incluindo a estrada Salona-Narona que era fundamental para toda a província romana da Dalmácia" - explicou o líder do projeto, Tomasz Dziurdzik do Instituto de Arqueologia da Universidade de Varsóvia. A investigação é conduzida em parceria com a Universidade de Mostar, representada por Mirko Rašić.
O patrimônio arqueológico da região é pouco pesquisado e documentado pelos serviços locais. Isto é em parte devido ao conflito armado dos anos 90. Como resultado, o sistema de proteção do patrimônio arqueológico e histórico deixou de funcionar por muitos anos. Os serviços locais receberam ajuda de arqueólogos poloneses, que no ano passado iniciaram um projeto arqueológico em grande escala, não-invasivo, planejado por vários anos. Sua finalidade é verificar dados sobre a localização de sítios arqueológicos e inseri-los em uma nova base de dados.
Os pesquisadores usam uma variedade de métodos - a partir de pesquisas de campo, que envolvem andar no campo e procurar artefatos na superfície, para a análise de imagens aéreas e de satélite. Também está planejado para preparar modelos tridimensionais de sites selecionados. "Esta é a primeira aplicação de métodos arqueológicos modernos, não destrutivos na área" - disse Dziurdzik.
As pessoas estavam deixando uma marca forte na área desde a primeira metade do século I dC. Foi quando os veteranos chegaram lá - legionários, dada a terra por sucessivos imperadores. Devido a isso, esta área era rica e rapidamente sucumbiu à romanização. Tomasz Dziurdzik explicou em entrevista à PAP que este era o momento em que foram feitos numerosos investimentos - estradas, assentamentos e moradias. É por isso que a investigação polonesa incide sobre o estabelecimento do período romano e da Antigüidade tardia (desde a virada da era para o século 7). Mapeando algumas das relíquias da antiguidade do município Ljubuški no oeste da Bósnia e Herzegovina permitiu tirar as primeiras conclusões sobre o passado da região.
"Os colonos romanos, incluindo legionários demitidos do exército, que receberam terra aqui como uma recompensa pelo serviço durante o reinado de Tibério, escolheram locais de construção para suas casas e moradias guiadas por conveniência. Construíram suas habitações nas margens dos vales dos rios e Perto da rede rodoviária "- disse Dziurdzik.
Os pesquisadores também descobriram que durante a Antigüidade tardia (século IV-VII dC), entre a comunidade local havia um crescente senso de perigo - provavelmente relacionado com o período de migração das nações, quando muitas tribos da Europa Oriental estavam se movendo para o oeste . Portanto, naquela época os assentamentos foram fundados em lugares difíceis de alcançar e naturalmente defensivos.
Os cientistas também "escanearam" três locais selecionados durante levantamentos de superfície e determinaram seu layout sem a necessidade de escavação. Isso foi possível através do levantamento geofísico. Todos os três locais, localizados perto de Humac, eram um enigma para os cientistas - não estava claro que relíquias do passado estão escondidas abaixo.
"Pudemos confirmar a existência de um forte romano, que acompanha o assentamento civil e cemitério dos séculos I e II" - disse Dziurdzik. A imagem gerada com o método geofísico mostra a parede do forte e formas isoladas dos edifícios.
Até o momento, os arqueólogos documentaram e verificaram um total de 34 locais previamente conhecidos no projeto. A pesquisa superficial abrangia mais de 80 hectares. Durante essas pesquisas, os pesquisadores descobriram alguns sites não relatados pelos serviços locais.

Christ Child winding a crown of thorns. Museo de Artes Universidad de los Andes, from Quito. --- Criança de Christ que tem uma coroa de espinhos. Museu de Artes Universidade dos Andes, de Quito.

From Quito, follower of Manuel Chili, Caspicara 1780/1860

Da coleção de Museo de Artes Universidad de los Andes

The figure represents a non-doctrinaire episode of the infancy of Christ, whose sources are the apocryphal Gospels. Christ Child is wearing fine clothes with golden embroidered threads, a silver crown, and is weaving His future crown of thorns.




Christ Child winding a crown of thorns

Unknown from Quito, follower of Manuel Chili, Caspicara

1780/1860

w35 x h60 x d26 cm (Complete)

Donation

Religious sculpture, EN001

Museo de Artes Universidad de los Andes

Wood, polychromy, fabric, glass

Carved wood, polychromy, embroidery, embossed silver

Santiago de Chile, 33.4012862,70.5079439





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti



Museo de Artes Universidad de los Andes

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--br via tradutor fo google

Criança de Christ que tem uma coroa de espinhos. Museu de Artes Universidade dos Andes, de Quito.

De Quito, seguidor de Manuel Chili, Caspicara 1780/1860

Da coleção de

Museu de Artes da Universidade dos Andes

A figura representa um episódio não doutrinário da infância de Cristo, cujas fontes são os Evangelhos apócrifos. A criança de Christ está desgastando a multa roupa com linhas bordadas douradas, uma coroa de prata, e está tecendo sua coroa futura de espinhos.

Christ, criança, enrolamento, coroa, espinhos

Desconhecido de Quito, seguidor de Manuel Chili, de Caspicara

1780/1860

W35 x h60 x d26 cm (completo)

Doação

Escultura religiosa, EN001

Museu de Artes da Universidade dos Andes

Madeira, policromia, tecido, vidro

Madeira esculpida, policromia, bordados, prata em relevo

Santiago de Chile, 33.4012862,70.5079439

The Real Forte Príncipe da Beira is a military fortress from the late 18th century, considered one of the largest Portuguese buildings outside Portugal. Built in the middle of the Amazon rainforest, it is considered one of the most challenging buildings built in the late 1700s in Brazil. ---- O Real Forte Príncipe da Beira é uma fortaleza militar do final do século XVIII, tido como uma das maiores construções portuguesas fora de Portugal. Erguida em plena floresta amazônica, é considerada uma das mais desafiadoras construções realizadas no final de 1700 no Brasil.

The National Historical and Artistic Heritage Institute (IPHAN), through the Superintendency in Rondônia, resumed in the first half of February the project to stabilize the ruins of the Royal Fort of Principe da Beira, a military monument installed in the municipality of Costa Marques / RO. The work continues the activities initiated in 2007, and provides for actions for 2014 and 2015.


The Real Forte Príncipe da Beira is a military fortress from the late 18th century, considered one of the largest Portuguese buildings outside Portugal. Built in the middle of the Amazon rainforest, it is considered one of the most challenging buildings built in the late 1700s in Brazil. Its importance for the history of the country and for the format of the current national territory was recognized by means of the tipping in the year of 1950.

The work team, made up of the engineer of the Department of Material Heritage and Inspection (DEPAM) of IPHAN headquarters in Brasília / DF, Renata Ceridono Fortes and the deputy superintendent of Iphan in Rondônia, Danilo Curado, carried out a technical survey in Forte in the last month of February.

For the substitute superintendent of IPHAN in Rondônia, Danilo Curado, the Institute intends to agree a technical partnership with the Army, seeking to make possible the shoring of the ruins of the intramural buildings. "This is an emergency demand, because several walls are in disappointment. In this way, according to the initial contacts with the then Commander of the 17th Brigade, General Ubiratan Poty, the Army will be able to hand over the timber and provide labor for the execution of said shoring and, in turn, rely on technical guidance and guidance Of IPHAN, "says Curado.

After the emergency shoring, provisional action to support the structures and elements that present risks of loss of Good, the works of stabilization of one of the buildings must be carried out. "Considering the logistical difficulties inherent in Forte's locality, and according to guidelines already presented by other technicians in the past, and which today we still consider a way of giving continuity to the project, the proposal is to begin with a pilot project, which will serve Of parameter for the execution of the works, as well as for the appropriation of the costs and technical specification of these services ", affirms Ceridono.


For the substitute superintendent of IPHAN in Rondônia, it is necessary that partnerships take place in support of the monument. "Forte Príncipe da Beira is not just an eighteenth-century stronghold. It is the material representation of the herculean efforts that Brazilians, Africans and Europeans had in the Amazon. If almost two hundred and fifty years after its founding we feel the difficulty of working in the Fort today, it is peremptory that we recognize all the sweat and blood piled on those tapiocanga walls. For such, this recognition stems from the resumption of activities in equity, "says Curado.

the monument

Forte Príncipe da Beira is a fortress composed of a wall of approximately 980 meters of perimeter, erected in stoneware mud and protected by curtains of tapiocanga stone equipped. Surrounded by walls that measure 10 meters high, the fort is basically constituted by a central square, where there are the ruins of fifteen buildings.

In addition to being tilted by the Union, the Fort is registered as patrimony of the State of Rondônia, being recognized by means of the state Constitution of 1989, article 264. Because it is within a military area, land responsibility is the responsibility of the Brazilian Army.


.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.



Vamos compartilhar.





--br

O Real Forte Príncipe da Beira é uma fortaleza militar do final do século XVIII, tido como uma das maiores construções portuguesas fora de Portugal. Erguida em plena floresta amazônica, é considerada uma das mais desafiadoras construções realizadas no final de 1700 no Brasil. 

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), através da Superintendência em Rondônia, retomou na primeira quinzena de fevereiro o projeto de estabilização das ruínas do Real Forte Príncipe da Beira, monumento militar instalado no município de Costa Marques/RO. Os trabalhos dão continuidade às atividades iniciadas em 2007, e prevê ações para 2014 e 2015.

O Real Forte Príncipe da Beira é uma fortaleza militar do final do século XVIII, tido como uma das maiores construções portuguesas fora de Portugal. Erguida em plena floresta amazônica, é considerada uma das mais desafiadoras construções realizadas no final de 1700 no Brasil. Sua importância para a história do país e para a formatação do atual território nacional foi reconhecida por meio do tombamento no ano de 1950.

A equipe de trabalho, integrada pela engenheira do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização(DEPAM) da sede do IPHAN em Brasília/DF, Renata Ceridono Fortes e pelo superintendente substituto do Iphan em Rondônia, Danilo Curado, realizou uma vistoria técnica no Forte no último mês de fevereiro.

Para o superintendente substituto do IPHAN em Rondônia, Danilo Curado, o Instituto pretende acordar parceria técnica com o Exército, procurando viabilizar o escoramento das ruínas das edificações intramuros. “Esta é uma demanda emergencial, pois diversas paredes se encontram em desaprumo. Desta maneira, conforme os contatos iniciais com o então comandante da 17ª Brigada, General Ubiratan Poty, o Exército poderá ceder o madeiramento e disponibilizara mão-de-obra para a execução do referido escoramento e, por sua vez, contar com acompanhamento e orientação técnica do IPHAN”, afirma Curado.

Após o escoramento emergencial, ação provisória de apoio às estruturas e elementos que apresentam riscos de perda do Bem, deverão ser executadas as obras de estabilização de uma das edificações. “Considerando as dificuldades logísticas inerentes à localidade do Forte, e conforme diretrizes já apresentadas por outros técnicos no passado, e que hoje ainda entendemos ser uma forma de darmos continuidade no projeto, a proposta é a de iniciarmos com uma obra piloto, a qual servirá de parâmetro para a própria execução dos trabalhos, bem como para a apropriação dos custos e especificação técnica destes serviços”, assevera Ceridono.
Para o superintendente substituto do IPHAN em Rondônia, é necessário que ocorram parcerias em prol do monumento. “O Forte Príncipe da Beira não é tão somente um baluarte setecentista. Ele é a representação material dos esforços hercúleos que brasileiros, africanos e europeus dispuseram na Amazônia. Se a quase duzentos e cinquenta anos após sua fundação, nós sentimos hoje a dificuldade de trabalharmos no Forte, é peremptório que reconheçamos todo o suor e sangue empilhado naquelas muralhas de tapiocanga. Para tanto, tal reconhecimento decorre da retomada das atividades no patrimônio”, finaliza Curado.

O monumento

O Forte Príncipe da Beira é uma fortaleza composta de uma muralha de aproximadamente 980 metros de perímetro, erigida em taipa de formigão e protegida por cortinas de pedra tapiocanga aparelhada. Cercado por muralhas que medem 10 metros de altura, a fortaleza é basicamente constituída por uma praça central, onde existem as ruínas de quinze prédios.
Além do tombamento pela União, o Forte é tombado como patrimônio do Estado de Rondônia, sendo reconhecido por meio da Constituição estadual de 1989, artigo 264. Por se encontrar dentro de área militar, a responsabilidade fundiária compete ao Exército Brasileiro.





Vast 5,600-year-old religious centre discovered near Stonehenge. --- Um grande centro religioso de 5.600 anos de idade descoberto perto de Stonehenge.

The centre was built more than 1,000 years before the stones of Stonehenge were erected.


A huge, prehistoric religious and ceremonial complex has been discovered near Britain’s most famous prehistoric temple Stonehenge. 

Its discovery is likely to transform our understanding of the early development of Stonehenge’s ancient landscape.

Built about 5,650 years ago – more than 1,000 years before the great stones of Stonehenge were erected – the 200m-diameter complex is the first major early Neolithic monument to be discovered in the Stonehenge area for more than a century.

The newly discovered complex, just over a mile and a half north-east of Stonehenge, appears to have consisted of around 950m of segmented ditches – and potentially palisaded earthen banks – arranged in two great concentric circles.

So far, archaeologists have located and excavated around 100 metres worth of the outer ditch. It is not yet known how much, if any, of the rest of the monument has survived.

The new discovery shows that hundreds of years before Stonehenge existed the entire area was even more sacred and ritually active than archaeologists had thought.

Up till now, apart from more than 20 giant tombs – the so-called ‘long barrows’ – the only known early Neolithic monument in the Stonehenge area was a large circular religious and ceremonial ‘causewayed enclosure’ nicknamed Robin Hood’s Ball, 2.5 miles north-west of Stonehenge. 

Causewayed enclosures – so-called because their ditches are “crossed” by multiple causeways – are among the most enigmatic of prehistoric monuments. Around 70 are known in England. Others exist on the continent, in Germany, Denmark and elsewhere. 

Their precise original function remains a mystery, but the scant available evidence suggests that they were used for a mixture of ceremonial, religious, political and mortuary roles.

Located at Larkhill, Wiltshire, the newly found “causewayed” enclosure, dating from around 3650BC, is in an area covered by modern military buildings and other installations.

Its discovery strongly suggests that the remains of other important prehistoric monuments probably still survive undetected in the area. 

The discovery suggests that Stonehenge’s ancient sacred landscape still has many secrets to reveal. Indeed, it follows fast on the heels of another discovery half a mile to the south-east, made just three months ago, when archaeologists found what, back in the Stonehenge era, had been a vast circle of giant timber posts.

Although nobody suspected that a second causewayed enclosure would be discovered near Stonehenge, its presence there is consistent with the distribution of such monuments across the country. 

More than a third of causewayed enclosures occur in pairs or clusters of three or occasionally four. It is conceivable that clan or tribal rivalries saw them compete to build the most impressive enclosures.


So far, archaeologists from Wiltshire-based Wessex Archaeology have excavated around 100m of ditch, probably representing around 17 per cent of the monument’s outer circuit. That investigation has already enabled them to get a sense of some of the rituals that were carried out there.

The mortuary or other religious ceremonies may well have involved feasting on large quantities of beef – and the use and deliberate smashing of ceramic bowls. Some fragments of the smashed bowls and cattle bones were then placed in the ditch ends, flanking the complex’s multiple entrances.

Some of the ditches were also used for the ritual deposition of human skull fragments, potentially re-deposited from other funerary monuments like the nearby long barrow tombs. 

So far, the archaeologists have found four human cranial fragments in one ditch location, probably belonging to a single individual. However, there are likely to have been additional human skull fragment ritual depositions in some of the monument’s other ditches.

During ritual feasts, each bowl would have held up to six litres of beverage or partially liquid food, potentially meat broth. Scientific tests are due to be carried out on the fragments to definitively determine what they originally contained.

So far, the remains of 15 such bowls, which were up to 25cm in diameter, have been found. Each had been deliberately smashed. 

However, it’s likely that more than 200 such bowls and the bones of dozens of slaughtered cattle from a succession of feasts were originally placed in the complex’s ditches. 

Because the bowls, including a particularly fine one made in Neolithic Devonshire style, were all deliberately smashed, it’s likely that the cattle and the bowls were viewed not just as aspects of a ritual feast but also as sacrifices to the gods.

The cattle bones, bowl fragments and human material had been carefully selected. In the ritual ditch depositions, cattle were represented only by their leg bones, while humans were only represented by skull fragments. The smashed bowls were represented solely by their finer looking and sometimes decorated rims and upper portions.

The causewayed enclosures – both the newly discovered one and Robin Hood’s Ball – are the third oldest type of monument in the Stonehenge landscape. 

Only the very early Neolithic long barrows – and an even earlier group of pre-Neolithic potentially totem-pole-style wooden posts – are older. The main phase of Stonehenge itself was constructed around 1,150 years after the building of the causewayed enclosures. However the newly discovered monument appears to have been revered by local people for millennia. Indeed, the recent archaeological excavations unearthed a pottery urn which had been ritually buried in the causewayed enclosure ditch almost 1,900 years after the monument had been constructed.

A leading Wessex Archaeology prehistorian, Matt Leivers, said: “The newly found site is one of the most exciting discoveries in the Stonehenge landscape that archaeologists have ever made.

“It transforms our understanding of the intensity of early Neolithic activity in the area.”

The previously unknown prehistoric complex was discovered as developers were preparing to build houses on Ministry of Defence land to accommodate British Army personnel returning from Germany. The dig has been funded by the MoD’s Defence Infrastructure Organisation.

Archaeologist Martin Brown of the UK-based global consultancy company WYG, responsible for the Larkhill housing development project, said: “These discoveries are changing the way we think about prehistoric Wiltshire and about the Stonehenge landscape in particular. 

“The Neolithic people whose monuments we are exploring shaped the world we inhabit. They were the first farmers and the first people who settled down in this landscape, setting us on the path to the modern world.”







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti



Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.











--br via tradutor do google
Vaste centro religioso de 5.600 anos de idade descoberto perto de Stonehenge.

O centro foi construído mais de 1.000 anos antes das pedras de Stonehenge foram erguidos.

Um enorme e pré-histórico complexo religioso e cerimonial foi descoberto perto do mais famoso templo pré-histórico da Grã-Bretanha Stonehenge.

Sua descoberta é susceptível de transformar a nossa compreensão do desenvolvimento inicial da paisagem antiga de Stonehenge.

Construído há cerca de 5.650 anos - mais de 1.000 anos antes das grandes pedras de Stonehenge foram erguidos - o complexo de 200m de diâmetro é o primeiro grande monumento neolítico antigo a ser descoberto na área de Stonehenge por mais de um século.

O recém-descoberto complexo, a pouco mais de um quilômetro e meio ao nordeste de Stonehenge, parece ter consistido em cerca de 950m de fossas segmentadas - e bancos de terra potencialmente empalizadas - dispostos em dois grandes círculos concêntricos.

Até agora, os arqueólogos localizaram e escavaram cerca de 100 metros vale da vala externa. Ainda não se sabe se o resto do monumento sobreviveu.

A nova descoberta mostra que centenas de anos antes Stonehenge existia toda a área era ainda mais sagrada e ritualmente ativa do que os arqueólogos tinham pensado.

Até agora, além de mais de 20 túmulos gigantes - os chamados "túneis longos" - o único monumento neolítico conhecido na área de Stonehenge era um grande cercado religioso e cerimonial "cercado por terra" apelidado de Bola de Robin Hood, a 2.5 milhas ao norte -este de Stonehenge.

Os enclausures Causewayed - assim chamados porque seus fossos são "cruzados" por causeways múltiplos - estão entre o mais enigmático de monumentos pré-históricos. Cerca de 70 são conhecidos na Inglaterra. Outros existem no continente, na Alemanha, Dinamarca e em outros lugares.

Sua função original precisa permanece um mistério, mas a escassa evidência disponível sugere que eles foram usados ​​para uma mistura de papéis cerimoniais, religiosos, políticos e mortuários.

Localizado em Larkhill, Wiltshire, o recém-encontrado "causewayed" recinto, que data de cerca de 3650BC, está em uma área coberta por edifícios militares modernos e outras instalações.

Sua descoberta sugere fortemente que os restos de outros importantes monumentos pré-históricos provavelmente ainda sobrevivem sem ser detectados na área.

A descoberta sugere que a antiga paisagem sagrada de Stonehenge ainda tem muitos segredos a revelar. Na verdade, segue-se rapidamente a uma outra descoberta de meia milha a sudeste, feita há apenas três meses, quando arqueólogos descobriram que, na época de Stonehenge, havia sido um vasto círculo de postes de madeira gigantescos.

Embora ninguém suspeitasse que um segundo enclave fosse descoberto perto de Stonehenge, sua presença ali é consistente com a distribuição de tais monumentos em todo o país.

Mais de um terço dos enclausures causewayed ocorre em pares ou aglomerados de três ou, ocasionalmente, quatro. É concebível que o clã ou rivalidades tribais viram-los competir para construir os gabinetes mais impressionantes.


Até agora, os arqueólogos da Wessex Archaeology, com sede em Wiltshire, escavaram cerca de 100m de vala, representando provavelmente cerca de 17 por cento do circuito exterior do monumento. Essa investigação já lhes permitiu ter uma idéia de alguns dos rituais que foram realizados lá.

A cerimônia mortuária ou outras cerimônias religiosas podem muito bem ter envolvido banquete com grandes quantidades de carne bovina - eo uso e esmagamento deliberado de tigelas de cerâmica. Alguns fragmentos de bacias esmagadas e ossos de gado foram então colocados nas extremidades da vala, flanqueando as múltiplas entradas do complexo.

Algumas das valas também foram usadas para a deposição ritual de fragmentos de crânio humanos, potencialmente re-depositados de outros monumentos funerários, como os túmulos de túmulos longos próximos.

Até agora, os arqueólogos encontraram quatro fragmentos cranianos humanos em um local de vala, provavelmente pertencentes a um único indivíduo. No entanto, é provável que tenham sido adicionais humanos crânio fragmento rituais deposições em algumas das outras valas do monumento.

Durante as festas rituais, cada tigela teria mantido até seis litros de bebida ou alimento parcialmente líquido, potencialmente caldo de carne. Devem ser realizados ensaios científicos sobre os fragmentos para determinar definitivamente o que originalmente continham.

Até agora, os restos de 15 tais taças, que foram até 25 cm de diâmetro, foram encontrados. Cada um tinha sido deliberadamente esmagado.

No entanto, é provável que mais de 200 tal bacias e os ossos de dezenas de gado abatido de uma sucessão de festas foram originalmente colocados nas valas do complexo.

Porque as tigelas, incluindo uma particularmente fina feita no estilo Neolítico Devonshire, foram todos deliberadamente esmagado, é provável que o gado e as tigelas foram vistos não apenas como aspectos de uma festa ritual, mas também como sacrifícios para os deuses.

Os ossos de gado, fragmentos de tigela e material humano foram cuidadosamente selecionados. Nas deposições rituais de valas, o gado era representado apenas pelos ossos da perna, enquanto os humanos eram representados apenas por fragmentos de crânio. As taças esmagadas eram representadas unicamente por seus bordos mais finos e por vezes decorados e porções superiores.

Os enclausures causewayed - tanto o recém-descoberto e Robin Hood Ball - são o terceiro mais antigo tipo de monumento na paisagem de Stonehenge.

Somente os primeiros túmulos neolíticos - e um grupo ainda mais antigo de postos de madeira pré-neolíticos - são mais antigos. A fase principal de Stonehenge em si foi construída cerca de 1.150 anos após a construção dos cercos acorrentados. No entanto, o monumento recém-descoberto parece ter sido reverenciado por pessoas locais durante milênios. Na verdade, as recentes escavações arqueológicas desenterraram uma urna de cerâmica que havia sido ritualmente enterrada na vala cercada por calçada, quase 1.900 anos após a construção do monumento.

Um importante pré-historiador do Wessex Archaeology, Matt Leivers, disse: "O recém-encontrado é uma das descobertas mais emocionantes na paisagem de Stonehenge que os arqueólogos já fizeram.

"Ele transforma nossa compreensão da intensidade da atividade Neolítica no início da área."

O pré-desconhecido complexo pré-histórico foi descoberto como desenvolvedores estavam se preparando para construir casas no Ministério da Defesa terra para acomodar o pessoal do Exército britânico retornando da Alemanha. A escavação foi financiada pela Organização de Infraestrutura de Defesa do Ministério da Defesa.

O arqueólogo Martin Brown, da WYG, empresa de consultoria global com sede no Reino Unido, responsável pelo projeto de desenvolvimento de moradias de Larkhill, disse: "Essas descobertas estão mudando a maneira como pensamos na Wiltshire pré-histórica e em particular na paisagem de Stonehenge.

"O povo neolítico cujos monumentos estamos explorando moldou o mundo em que habitamos. Eles foram os primeiros agricultores e as primeiras pessoas que se estabeleceram nesta paisagem, nos colocando no caminho para o mundo moderno ".