Google+ Followers

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

The fan club of Bahia is now a cultural and immaterial heritage of the state of Bahia, Brazil. --- Torcida do clube de futebol do Bahia agora é patrimônio cultural e imaterial do estado da Bahia, Brasil.

A new law honoring tricolor has already been approved and is in force.



Soon after celebrating the return of the team to Serie A of the Brazilian Championship, the tricolor fans were honored by the state government being recognized as a cultural and immaterial heritage of Bahia.

The new law decreed by the Legislative Assembly and sanctioned by governor Rui Costa is already in force. "The fans of the Bahia Sports Club are recognized as Cultural and Intangible Heritage of the State of Bahia under the terms of article 216 of the Federal Constitution and art.271 of the Constitution of the State of Bahia."

In 2016, the tricolor fans played another show in the stands during the club's access campaign and led the average audience among the 20 Series B teams, with 17,201 payers per game. In 2010, the tricolors received the title of "Torcida de Ouro", at the CBF ceremony that awarded the best of the Brasileirão.
-
Esporte Clube Bahia (known as Bahia and whose acronym is ECB) is a Brazilian soccer sports club in the city of Salvador, Bahia. It was founded on January 1, 1931 by former Bahian Tennis Club players and the Bahia Athletic Association, associations that had closed their football activities in the late 1920s.

He was the first club to win a national competition, the 1959 Brazil Cup, against Santos, a tournament created to appoint the Brazilian representative in the newly created Copa Libertadores of America. Therefore, the club was also the first Brazilian representative to participate in an edition of Libertadores in 1960. In 1988, the Bahian tricolor won his second Brazilian title, this time defeating Internacional. With such titles, Bahia is the only club outside the South-Southeast axis to hold two national titles of the main division of Brazilian football. The club was twice Brazilian runner-up in 1961 and 1963. In its participation in the Libertadores of 1989, Bahia reached the quarterfinals, a feat that no other North-Northeast club has achieved until then.

The club also adds 2 Copas do Nordeste and 46 Bahian Championships, being the second largest state champion in Brazil, losing only to the ABC of Natal which adds 53 titles. Bahia for a long time conquered the hegemony of the state championship, to the point of having been a seven-time champion, from 1973 to 1979. But despite the victorious résumé, Bahia bittered during the 2000s one of the worst periods of history. In addition to winning only one state title (in 2001), he was relegated to Serie B of the Brazilian Championship in 2003 and to Serie C in 2005. The club returned to the second national division in 2008 and the main division in 2011.

He was cofounder of the Club of 13 (in 1987), which was the thirteen most important associations of Brazilian football and that represented 95% of the Brazilian fans at the time.

With a little more than 80 years of existence, Tricolor da Boa Terra has become one of the most popular clubs in the state and North-Northeast of the country, holding the biggest crowd among the clubs in the region. In Bahia, about 22% of the fans cheer for Bahia, against 17% of rival Vitória.

It has as its official colors blue, white and red, in honor of the flag of its state of origin. State, even, that is remembered in the name of the club, the colors, the shield, the flag and, also, in the bleachers. The tricolor mascot is the Superman, popular comic book character.

Bahia sent its games in Campo da Graça until the inauguration of Fonte Nova, which in 2007 was banned, in 2010 demolished for retirement and, since 2013, already as Fonte Nova Arena, returned to be the field command of the club. In the period of his absence, Bahia sent their games in the Pituaçu Stadium, a home that, in the absence of the Arena, always houses the tricolor well, a fact that gives him great friendliness of the fans, especially in 2010 that was marked in the life of the club For symbolizing the return of the club to the national scene after relegation in 2003.

Its main rival is the Esporte Clube Vitória with whom it stars in the classic known as Ba-Vi, a classic that Bahia has an advantage, either in number of wins or in number of goals scored, but since the 90's, this historic advantage Was drastically reduced. Still, it is one of the most important in Brazilian football. However, Bahia plays historic classics with other traditional Salvadoran clubs that have had their glory days, such as Galicia (the Classic of Colors), Botafogo-BA (the Pot Classic), and Ypiranga (the Classic of Multitudes). Regionally, there is also a lot of rivalry against Sport.


According to the company BDO RCS Auditores Independentes, the club brand is the fifteenth highest value in Brazil, surpassing 55 million reais, being the largest in the Northeast. In a new survey conducted in 2013, the Bahia brand persisted being the most valuable, being, this time, at 66 million.




Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.




--br
Torcida do clube de futebol do Bahia agora é patrimônio cultural e imaterial do estado da Bahia, Brasil.

Nova lei que homenageia os tricolores já foi aprovada e está em vigor.

Logo após celebrar o retorno do time à Série A do Campeonato Brasileiro, a torcida tricolor foi homenageada pelo governo do estado sendo reconhecida como patrimônio cultural e imaterial da Bahia.

A nova lei decretada pela Assembléia Legislativa e sancionada pelo governador Rui Costa já está em vigor. "Fica reconhecida a torcida do Esporte Clube Bahia como Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado da Bahia nos termos dos art. 216 da Constituição Federal e art.271 da Constituição do Estado da Bahia". 

Em 2016, a torcida tricolor deu mais um show nas arquibancadas durante a campanha do acesso do clube e liderou a média de público entre os 20 times da Série B, com 17.201 pagantes por jogo. Em 2010, os tricolores receberam o título de "Torcida de Ouro", na cerimônia da CBF que premiou os melhores do Brasileirão.
-
O Esporte Clube Bahia (conhecido como Bahia e cujo acrônimo é ECB) é um clube desportivo brasileiro de futebol da cidade de Salvador, na Bahia. Foi fundado em 1º de janeiro de 1931 por ex-jogadores do Clube Bahiano de Tênis e a Associação Atlética da Bahia, agremiações que tinham encerrado suas atividades futebolísticas no final da década de 1920.

Foi o primeiro clube a conquistar uma competição nacional, a Taça Brasil de 1959, contra o Santos, torneio criado para apontar o representante brasileiro na recém-criada Taça Libertadores da América. Portanto, o clube também foi o primeiro representante brasileiro a participar de uma edição da Libertadores, em 1960. Em 1988, o tricolor baiano conquistou seu segundo título brasileiro, desta vez derrotando o Internacional. Com tais títulos, o Bahia é o único clube fora do eixo Sul-Sudeste a deter dois títulos nacionais da principal divisão do futebol brasileiro. O clube ainda foi vice-campeão brasileiro duas vezes, em 1961 e 1963. Na sua participação na Libertadores de 1989 o Bahia alcançou as quartas de final, feito que nenhum outro clube do Norte-Nordeste alcançou até então.

O clube também soma 2 Copas do Nordeste e 46 Campeonatos Baianos, sendo o segundo maior campeão estadual do Brasil, perdendo apenas para o ABC de Natal o qual soma 53 títulos. O Bahia por muito tempo conquistou a hegemonia do campeonato estadual, ao ponto de ter sido heptacampeão, de 1973 a 1979. Mas, apesar do currículo vitorioso, o Bahia amargou durante a década de 2000 um dos piores períodos de história. Além de conquistar somente um título estadual (em 2001), foi rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro em 2003 e para Série C em 2005. O clube retornou para a segunda divisão nacional em 2008 e a principal divisão em 2011.

Foi cofundador do Clube dos 13 (em 1987), que reunia as treze agremiações mais importantes do futebol brasileiro e que representavam 95% dos torcedores brasileiros na época.

Com pouco mais de 80 anos de existência, o Tricolor da Boa Terra tornou-se um dos clubes mais populares do estado e do Norte-Nordeste do país, detendo a maior torcida dentre os clubes da região. Na Bahia, cerca de 22% dos torcedores torcem pelo Bahia, contra 17% do rival Vitória.

Tem como suas cores oficiais o azul, o branco e o vermelho, em homenagem a bandeira do seu estado de origem. Estado, inclusive, que é lembrado no nome do clube, nas cores, no escudo, na bandeira e, também, nas arquibancadas. O mascote tricolor é o Super-Homem, popular personagem da história em quadrinhos.

O Bahia mandava seus jogos no Campo da Graça, até a inauguração da Fonte Nova, que em 2007 foi interditada, em 2010 demolida para reforma e, desde 2013, já como Arena Fonte Nova, voltou a ser o mando de campo do clube. No período da ausência dela, o Bahia mandou seus jogos no Estádio de Pituaçu, casa que, na ausência da Arena, sempre abriga bem o tricolor, fato que confere a ele enorme simpatia da torcida, principalmente em 2010 que ficou marcado na vida do clube por simbolizar o retorno do clube ao cenário nacional após o rebaixamento em 2003.

Seu maior rival é o Esporte Clube Vitória com quem protagoniza o clássico conhecido como Ba-Vi, clássico que o Bahia detém uma vantagem, seja em número de triunfos, seja em número de gols marcados, porém desde a década de 90, essa vantagem histórica foi drasticamente diminuída. Ainda assim, é um dos mais importantes do futebol brasileiro. Porém, o Bahia protagoniza clássicos históricos com outros clubes tradicionais de Salvador que já tiveram seus dias de glória, como o Galícia (o Clássico das Cores), com o Botafogo-BA (o Clássico do Pote), e o Ypiranga (o Clássico das Multidões). Regionalmente, há também muita rivalidade contra o Sport.

De acordo com a empresa BDO RCS Auditores Independentes, a marca do clube é a décima quinta de maior valor no Brasil, ultrapassando os 55 milhões de reais, figurando como a maior do Nordeste. Em um novo levantamento feito em 2013, a marca do Bahia persistiu sendo a mais valiosa, estando, dessa vez, na casa dos 66 milhões.




Martha’s Vineyard Museum, is a walking example of what I believe we as human beings are here on this earth to do. --- Museu de Martha Vineyard, é um exemplo vivo do que eu acredito que nós, seres humanos viemos nesta terra para fazer.

So many events happened last week that foster a welcoming environment on the Island and at the Martha’s Vineyard Regional High School. There are many individuals to thank for making all of it possible.



I am profoundly grateful for Elaine Weintraub, and for the space she has created for the Brazilian students. Last Friday was the seventh Brazilian- American lunch at the high school, and my first time attending. I had such a blast cooking with the kids, watching them come together and conquer an incredible task, and all because Elaine continuously embraces the differences and similarities in American and Brazilian culture.

Ann Ducharme, education director at the Martha’s Vineyard Museum, is a walking example of what I believe we as human beings are here on this earth to do. Once a month she brings different elements of the museum’s art and artifacts into Corinne Kurtz’s history class to promote the ability to learn English and globalization through art. On Thursday, Ann and Allie Walker brought cookies, frosting, and other cooking supplies to teach my students about American holidays, and on Friday my class had the utmost honor to switch on the Edgartown Lighthouse Christmas lights.

It was so touching to watch the museum’s director, Phil Wallis, do the countdown in Portuguese. If you would like to see it, the museum posted it on their social media accounts (Instagram and Facebook), and it is a lot of fun to watch. Thank you to everyone at the museum for all that you do for our students.

Below are some of what the students have said about the various events that they were involved in last week:

Making cookies

“Helping make ginger cookies was an experience that I have never really had before. I’ve never made ginger cookies with my family. What was really interesting was that I always get separated from the Brazilians and put with a different group. Being around all of the Brazilians having a fun time was a great experience.”

—Reinaldo Dos Santos

“Helping make the ginger cookies was a great experience. I don’t hang out with the new Brazilians that much, so it was nice to see what they thought of the tradition. Unfortunately, I couldn’t go light up the lighthouse because my Minnesinger concert was that day. Being a Minnesinger is great. We all became a family so quickly.”

—Victoria Miranda

Lighting the Christmas lights at the lighthouse

“I feel so honored that we, the Brazilian students, were chosen to light the Christmas lights at the lighthouse, one of the most visited places on the Island. It was an honor”

—Akilah Moreira

“We are happy and thankful for the opportunity.”

—Nattielly Dias

Brazilian-American Friendship lunch

“The lunch is an important event. It helps us show our culture and how we interact with others. I had the opportunity to invite a friend, and he was thankful I chose him. We also show a bit of our traditional food.”

—Schmeichel Oliveira

“I think that the Brazilian-American lunch is a great event, because there you become friends with other people. I heard about it a lot last year. This year was my first year getting invited to it, and I enjoyed it. I became friends with a lot of upperclassmen and Brazilians I had never talked to before.” —Matheus Brito

“It was my first time taking part in the Brazilian-American Friendship lunch. It was fun being there with Brazilians and Americans. It was also fun to be able to show a bit of our culture to our American friends. I appreciate how respectful they were, and how into it they got. I’ve lived on the Island my entire life, so I am usually more involved in the American events. It was great to be able to celebrate both cultures.”






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.



--br
Tantos eventos aconteceram na semana passada que continuam a fermentar um ambiente acolhedor na Ilha e na Martha’s Vineyard Regional High School. Há várias pessoas para agradecer por tornar tudo isso possível.

Eu sou profundamente grata pela Elaine Weintraub, e pelo espaço que ela vem criando para os alunos brasileiros. Sexta-feira passada foi o sétimo almoço “Brazilian-American” na high school, e minha primeira vez participando. Eu tive um momento inspirador cozinhando com as crianças, vê-los unidos e conquistando uma tarefa incrível, e tudo isso porque Elaine abraça continuamente as diferenças e similaridades na cultura americana e brasileira.

Ann Ducharme, diretora de educação do Museu de Martha Vineyard, é um exemplo vivo do que eu acredito que nós, seres humanos viemos nesta terra para fazer. Uma vez por mês ela traz diferentes elementos de arte do museu e artefatos na aula de história da Corinne Kurtz, para promover a habilidade de aprender inglês e globalização pela arte. Na quinta-feira, Ann e Allie Walker trouxeram cookies, cobertura de bolo, e outros itens culinários para ensinar meus alunos sobre os feriados americanos, e na sexta feira minha turma teve a maior honra de ligar as luzes de Natal na Edgartown Lighthouse.

Foi tão emocionante assistir o diretor do museu, Phil Wallis, fazer a contagem em português. Se você quiser assistir, o museu postou um vídeo em suas redes sociais (Instragram e Facebook), e é muito divertido de assistir. Obrigada a todos do museu por tudo que vocês fazem pelos nossos estudantes.

Abaixo há alguns depoimentos do que os alunos disseram sobre os vários eventos que eles estiveram envolvidos semana passada:

Preparando cookies

“Ajudar a preparar os biscoitos de gengibre foi uma experiência que eu realmente nunca tinha tido antes. Eu nunca fiz biscoitos de gengibre com a minha família. O que foi mesmo interessante é que eu sempre fico separado dos brasileiros e colocado em um grupo diferente. Estar perto dos brasileiros, nos divertindo foi uma ótima experiência.”

—Reinaldo Dos Santos

“Ajudar a fazer os biscoitos de gengibre foi uma experiência ótima. Eu não fico muito com os brasileiros novatos, então foi legal ver o que eles pensam da tradição. Infelizmente, eu não pude ir acender as luzes no farol porque meu concerto do coral Minnesinger foi nesse dia. Fazer parte do grupo de coral Minnesinger é ótimo. Nós todos nos tornamos uma família tão rápido.”

—Victoria Miranda

Acender as luzes de Natal na lighthouse

“Me sinto tão honrada que nós, os estudantes brasileiros, fomos escolhidos para acender as luzes de Natal na lighthouse, um dos lugares mais visitados na Ilha. Foi uma honra.”

—Akilah Moreira

“Nós estamos felizes e gratos pela oportunidade.”

—Nattielly Dias

Almoço da amizade Brazilian-American

“O almoço foi um evento importante. Nos ajudou a mostrar nossa cultura e como interagimos com os outros. Eu tive a oportunidade de convidar um amigo, e ele ficou grato que o escolhi. Nós também mostramos um pouco da nossa comida tradicional.”

—Schmeichel Oliveira

“Eu acho que o almoço Brazilian-American foi um grande evento, porque lá você se torna amigo de outras pessoas. Eu ouvi muito sobre no ano passado. Esse ano foi meu primeiro ano o qual fui convidado, e eu gostei. Eu fiz amizades com vários alunos mais velhos e brasileiros com os quais eu nunca tinha falado antes.”

—Matheus Brito

“Foi a minha primeira vez participando do almoço da amizade Brazilian-American. Foi divertido estar lá com brasileiros e americanos. Também foi divertido poder mostrar um pouco da nossa cultura para os nossos amigos americanos. Eu fiquei grato de como eles foram respeitosos e como eles gostaram. Eu vivi toda a minha vida na Ilha, então geralmente eu sou mais envolvido com os eventos americanos. Foi muito bom poder celebrar as duas culturas.”



—João Gonçalves