Google+ Followers

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Ikkyu, Yamamoto Kansuke, Saigyo -- Criador: Artist: Utagawa Hiroshige - Japan. - (1797-1858) --- Ikkyu, Yamamoto Kansuke, Saigyo - Criador: Artista :. Utagawa Hiroshige - Japão - (1797-1858)

Artist: Utagawa Hiroshige 歌川広重 (1797-1858)

Credit Line: Gift of Alan, Donald, and David Winslow from the estate of William R. Castle


Collection: Freer Study Collection



H x W (.1 image): 22.1 x 8.2 cm (8 11/16 x 3 1/4 in)


Japan

Credit Line
Gift of Alan, Donald, and David Winslow from the estate of William R. Castle

Collection
Freer Study Collection

Accession Number
FSC-GR-101.1-3


Keyword(s)
Japan, ukiyo-e

Collection(s) Area
Japanese Art




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.asia.si.edu/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.









--br
 Ikkyu, Yamamoto Kansuke, Saigyo - Criador: Artista :. Utagawa Hiroshige - Japão - (1797-1858)

Artista: Utagawa Hiroshige Hiroshige Utagawa (1797-1858)


Linha de crédito: Presente de Alan, Donald e David Winslow da propriedade de William R. Castelo

Coleção: Freer coleção Estudo

H x W (imagem 0,1): 22.1 x 8.2 cm (8 11/16 x 3 1/4)


Japão

limite de crédito
Dom de Alan, Donald e David Winslow da propriedade de William R. Castelo

coleção
Freer Coleção Estudo

Número de Acesso
FSC-GR-101,1-3


Palavra (s)
Japão, ukiyo-e

Coleção (s) Área
Arte japonesa



Neanderthals visited seaside cave in England for 180,000 years. --- Neanderthals visitou caverna à beira-mar na Inglaterra por 180.000 anos.

"We can use the stone tools they left behind to map how they were moving through landscapes, which are now beneath the English Channel," said researcher Andy Shaw.



SAINT HELIER, Jersey, Dec. 14 (UPI) -- Neanderthals may have taken vacations, or at least they liked the view from the granite cliffs of Jersey. New evidence suggests Neanderthals visited La Cotte de St Brelade, a prehistoric site on the island of Jersey, for at least 180,000 years.

Previous surveys of La Cotte de St Brelade have been limited in scope, focused mostly on concentrations of mammoth remains within the cave. The latest effort involved a wide-angle approach.

Researchers re-examined stone artifacts unearthed in the 1970s to better understand how they were made and where materials were sourced from. The survey helped archaeologists get a better sense of how visitors to La Cotte de St Brelade utilized local resources and the surrounding landscape. The analysis also revealed where Neanderthals were visiting from.

"La Cotte seems to have been a special place for Neanderthals," Andy Shaw, an archaeologist at the University of Southampton, said in a news release. "They kept making deliberate journeys to reach the site over many, many generations."

"We can use the stone tools they left behind to map how they were moving through landscapes, which are now beneath the English Channel," Shaw added.

Jersey is an island in the English Channel off the coast of Normandy, France, but it wasn't always surrounded by water. Some 180,000 years ago, expanding ice caps captured sea water, shrinking sea levels and exposing large swaths of offshore resources -- land now underwater.

Understanding exactly why Neanderthals returned to La Cotte again and again isn't clear, but the island cave was important to the close human relatives.

"We're really interested in how this site became 'persistent' in the minds of early Neanderthals," said Beccy Scott, a researcher with the British Museum. "You can almost see hints of early mapping in the way they are travelling to it again and again, or certainly an understanding of their geography."

"But specifically what drew them to Jersey so often is harder to tease out," Scott said. "It might have been that the whole Island was highly visible from a long way off -- like a way-marker -- or people might have remembered that shelter could be found there, and passed that knowledge on."

Researchers detailed their survey of Le Cotte in the journal Antiquity.





Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
Neanderthals visitou caverna à beira-mar na Inglaterra por 180.000 anos.

"Nós podemos usar as ferramentas de pedra que deixaram para trás para mapear como eles estavam se movendo através de paisagens, que estão agora sob o Canal Inglês", disse o pesquisador Andy Shaw.


Saint Helier, Jersey, 14 de dezembro (UPI) -. Neandertais podem ter tido férias, ou pelo menos eles gostaram da vista dos penhascos de granito de Jersey novas evidências sugerem neandertais visitou La Cotte de St Aubin, um sítio pré-histórico na ilha de Jersey, há pelo menos 180.000 anos.

Pesquisas anteriores de La Cotte de St Brelade foram limitadas em escopo, focado principalmente sobre as concentrações de mamute permanece dentro da caverna. O esforço mais recente envolveu uma abordagem de grande angular.

Pesquisadores reexaminou artefatos de pedra descobertos nos anos 1970 para entender melhor como eles foram feitos e onde os materiais foram adquiridos. A pesquisa ajudou os arqueólogos ter uma noção melhor de como os visitantes de La Cotte de St Brelade utilizou recursos locais e da paisagem circundante. A A análise também revelou que os neandertais foram visita do.

"La Cotte parece ter sido um lugar especial para os neandertais", Andy Shaw, um arqueólogo da Universidade de Southampton, disse em um comunicado à imprensa. "Eles continuaram fazendo viagens deliberadas para chegar ao local ao longo de muitas, muitas gerações."

"Nós podemos usar as ferramentas de pedra que deixaram para trás para mapear como eles estavam se movendo através de paisagens, que estão agora sob o Canal Inglês," Shaw acrescentou.

Jersey é uma ilha no Canal Inglês ao largo da costa da Normandia, na França, mas nem sempre foi cercado por água Alguns 180.000 anos atrás, expandindo calotas capturado água do mar, encolhendo os níveis do mar e expondo grandes áreas de recursos offshore. - terra agora debaixo d'água.

Compreender exatamente por isso que os neandertais retornou a La Cotte novo e de novo não é clara, mas a caverna ilha era importante para os parentes humanos mais próximos.

"Estamos muito interessados ​​em saber como este site se tornou" persistente "na mente dos neandertais primeiros", disse Beccy Scott, pesquisador do Museu Britânico. "Você quase pode ver sugestões de mapeamento no início do jeito que está viajando a ele uma e outra vez, ou certamente uma compreensão de sua geografia ".

"Mas especificamente o que os atraiu para Jersey tantas vezes é mais difícil trazer à tona", Scott disse: "Poderia ter sido que toda a ilha era altamente visível de muito longe -. Como uma forma do marcador - ou pessoas podem ter lembrou que o abrigo poderia ser encontrado lá, e passou esse conhecimento ".

Os pesquisadores detalharam sua pesquisa de Le Cotte na revista Antiquity.

Seven Sages of the Bamboo Grove, an Eastern Jin tomb painting from Nanjing, now located in the Shaanxi Provincial Museum. --- Sete Sábios do bosque de bambu, uma pintura do túmulo Jin Oriental a partir de Nanjing, agora localizado na Shaanxi Provincial Museu.

Buddhism arrived in China around the 1st century AD (although there are some traditions about a monk visiting China during Asoka's reign), and through to the 8th century it became very active and creative in the development of Buddhist art, particularly in the area of statuary. Receiving this distant religion, China soon incorporated strong Chinese traits in its artistic expression.



In the fifth to sixth century the Northern Dynasties, rather removed from the original sources of inspiration, tended to develop rather symbolic and abstract modes of representation, with schematic lines. Their style is also said to be solemn and majestic. The lack of corporeality of this art, and its distance from the original Buddhist objective of expressing the pure ideal of enlightenment in an accessible, realistic manner, progressively led to a research towards more naturalism and realism, leading to the expression of Tang Buddhist art.


Calligraphy
In ancient China, painting and calligraphy were the most highly appreciated arts in court circles and were produced almost exclusively by amateurs, aristocrats and scholar-officials who alone had the leisure to perfect the technique and sensibility necessary for great brushwork. Calligraphy was thought to be the highest and purest form of painting. The implements were the brush pen, made of animal hair, and black inks, made from pine soot and animal glue. Writing as well as painting was done on silk. But after the invention of paper in the 1st century, silk was gradually replaced by the new and cheaper material. Original writings by famous calligraphers have been greatly valued throughout China's history and are mounted on scrolls and hung on walls in the same way that paintings are.


Wang Xizhi was a famous Chinese calligrapher who lived in the 4th century AD. His most famous work is the Lanting Xu, the preface to a collection of poems. The script was often celebrated as the high point of the semi-cursive "Running Style" in the history of Chinese calligraphy.


Wei Shuo was a well-known calligrapher of Eastern Jin Dynasty who established consequential rules about the Regular Script. Her well-known works include Famous Concubine Inscription (名姬帖 Ming Ji Tie) and The Inscription of Wei-shi He'nan (衛氏和南帖 Wei-shi He'nan Tie).


Painting
Gu Kaizhi is a celebrated painter of ancient China born in Wuxi. He wrote three books about painting theory: On Painting (畫論), Introduction of Famous Paintings of Wei and Jin Dynasties (魏晉名畫記) and Painting Yuntai Mountain (畫雲臺山記). He wrote, "In figure paintings the clothes and the appearances were not very important. The eyes were the spirit and the decisive factor." Three of Gu's paintings still survive today: Admonitions of the Instructress to the Court Ladies, Nymph of the Luo River (洛神賦), and Wise and Benevolent Women.




There are other examples of Jin Dynasty painting from tombs. This includes the Seven Sages of the Bamboo Grove, painted on a brick wall of a tomb located near modern Nanjing and now found in the Shaanxi Provincial Museum. Each of the figures are labeled and shown either drinking, writing, or playing a musical instrument. Other tomb paintings also depict scenes of daily life, such as men plowing fields with teams of oxen.

"Seven Sages of the Bamboo Grove. Several tombs near the Eastern Jin capital at modern Nanjing have pictures of the eccentric 'seven sages' depicted in the brick walls. In the example shown here, each of the figures is labeled and shown drinking, writing, or playing a musical instrument (Shaanxi Provincial Museum, Shaanxi, China)." From page 75 of East Asia: A Cultural, Social, and Political History (2006) by Patricia Ebrey, Anne Walthall, and James Palais.

A scene of two horseback riders from a wall painting in the tomb of Lou Rui at Taiyuan, Shanxi, Northern Qi Dynasty (550–577)

Chinese tomb artist - Scanned from Michael Sullivan's The Arts of China: Fourth Edition (1999)

-
Riders on horseback, from a wall painting in the tomb of Lou Rui at Taiyuan, 
Shanxi province, China, dated to the Northern Qi Dynasty (550–577 AD)


O Museu Histórico de Shaanxi é um museu localizado na rua Yan Ta, na antiga cidade de Xi'an, na província de Shaanxi, na República Popular da China. O edifício reflete o estilo Tang e tem cerca de 55.600 metros quadrados. Foi mandado construír Em 1983, pelo primeiro-ministro chinês Zhou Enlay, e acabado em 1991, ano em que foi aberto ao público.

O espaço museológico dedicado à exibição de exposições encontra-se dividido em salas dedicadas a exibições permanentes, exposições especiais e exposições temporárias.

Dentro deste magnífico museu podem encontrar-se cerca de 2.700 objectos de arte e, para além destes, outras cerca de 36.7300 relíquias históricas e culturais chinesas. Estes dividem-se por Arqueologia, Etnologia, Joalheria, entre outros.

Hoje em dia é uma dos mais importantes museus chineses.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Seven Sages of the Bamboo Grove, 
an Eastern Jin tomb painting from Nanjing, 
now located in the Shaanxi Provincial Museum.

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--br
Sete Sábios do bosque de bambu, uma pintura do túmulo Jin Oriental a partir de Nanjing, agora localizado na Shaanxi Provincial Museu.

O budismo chegou à China em torno do século 1 dC (embora haja algumas tradições sobre um monge visitar a China durante o reinado de Asoka), e até o século 8, tornou-se muito ativo e criativo no desenvolvimento da arte budista, particularmente na área da estatuária . Receber esta religião distante, China em breve incorporadas fortes traços chineses na sua expressão artística.

No quinto para sexto século as dinastias do Norte, em vez removidos das fontes originais de inspiração, tendiam a desenvolver modos vez simbólicas e abstratas de representação, com linhas esquemáticas. Seu estilo também é dito ser solene e majestoso. A falta de corporalidade de esta arte, e sua distância em relação ao objectivo budista original da expressando o ideal puro da iluminação de uma forma acessível, realista, progressivamente, levam uma pesquisa para uma maior naturalismo e realismo, que conduzam à expressão da arte budista Tang.

caligrafia
Na China antiga, pintura e caligrafia eram as artes mais altamente apreciado em círculos judiciais e foram produzidos quase exclusivamente por amadores, aristocratas e funcionários eruditos, o único que tiveram a lazer para aperfeiçoar a técnica e sensibilidade necessária para grande pincelada. Caligrafia foi pensado para ser a forma mais elevada e mais pura da pintura. os implementos foram o pincel, feito de pêlos e tintas pretas, feita a partir de fuligem de pinho e cola animal. escrita, bem como pintura foi feita em seda. Mas, depois da invenção do papel na 1o século, seda foi gradualmente substituído pelo material novo e mais barato. escritos originais por calígrafos famosos foram muito apreciados ao longo da história da China e são montados em pergaminhos e pendurados nas paredes da mesma forma que as pinturas são.

Wang Xizhi foi um calígrafo chinês famoso que viveu no século 4 dC. Sua obra mais famosa é a Lanting Xu, o prefácio a uma coleção de poemas. O roteiro foi muitas vezes celebrado como o ponto alto da "Running Style" semi-cursiva na história da caligrafia chinesa.

Wei Shuo foi um calígrafo bem conhecido da Dinastia Jin Oriental, que estabeleceu regras consequentes sobre o Script Regular. Suas obras mais conhecidas são famosos Concubina inscrição (nome mensagens Kyi Ming Ji Tie) ea inscrição de Wei-shi He'nan (Wei posts do sul Wei-shi He'nan empate).

pintura
Gu Kaizhi é um pintor famoso da China antiga nascido em Wuxi Ele escreveu três livros sobre pintura teoria :. Em Pintura (teoria de pintura), Introdução de pinturas famosas de Wei e Jin Dynasties (Wei, Jin e pinturas em mente) e pintura Yuntai (vídeos Nuvem Taishan lembrar) Ele escreveu: "na Figura pinturas as roupas e as aparências não eram muito importantes os olhos eram o espírito eo fator decisivo .." Três das pinturas de Gu ainda sobrevivem hoje :. admoestações do Instrutora ao Tribunal senhoras, ninfa do Rio Luo (Lo River), e sábio e benevolente Mulheres.

Há outros exemplos da pintura da dinastia Jin de túmulos. Isso inclui os sete sábios do bosque de bambu, pintado em uma parede de tijolos de um túmulo localizado perto de Nanjing moderna e agora encontrados no Shaanxi Provincial Museum. Cada uma das figuras são rotulados e mostrados quer beber, escrever, ou tocar um instrumento musical. Outras pinturas em tumbas também retratam cenas da vida diária, tais como homens arar campos com juntas de bois.

"Sete Sábios do bosque de bambu. Vários túmulos perto da capital Jin Oriental em Nanjing moderna tem fotos dos excêntricos 'sete sábios' representadas nas paredes de tijolo. No exemplo mostrado aqui, cada uma das figuras é rotulado e mostrado bebendo, escrita ou tocar um instrumento musical (Shaanxi, no Museu Provincial, Shaanxi, China) "a partir da página 75 do Leste da Ásia :. um Cultural, social e História política (2006) por Patricia Ebrey, Anne Walthall, e James Palais.

Uma cena de dois cavaleiros a partir de uma pintura de parede do túmulo de Lou Rui em Taiyuan, Shanxi, Northern Qi dinastia (550-577)

artista chinês túmulo - Feito a varredura de Michael Sullivan The Arts of China: Fourth Edition (1999)
Cavaleiros a cavalo, de uma pintura de parede no túmulo de Lou Rui em Taiyuan, província de Shanxi, China, datada da Dinastia Qi do Norte (550-577 AD)

--
O Museu Histórico de Shaanxi é um museu localizado na rua Yan Ta, na antiga cidade de Xi'an, na província de Shaanxi, na República Popular da China. O edifício reflete o estilo Tang e tem cerca de 55.600 metros quadrados. Foi mandado construír em 1983, pelo primeiro-ministro chinês Zhou Enlay, e acabado em 1991, ano em que foi aberto ao público.

O espaço museológico dedicado à exibição de exposições encontra-se dividido em salas dedicadas a exibições permanentes, exposições especiais e exposições temporárias.

Dentro deste magnífico museu podem encontrar-se cerca de 2.700 objectos de arte e, para além destes, outras cerca de 36.7300 relíquias históricas e culturais chinesas. Estes dividem-se por Arqueologia, Etnologia, Joalheria, entre outros.

Hoje em dia é uma dos mais importantes museus chineses.