Google+ Followers

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

The Cooperative Principles are already part of Unesco's List of Intangible Cultural Heritage of Humanity. --- Os Princípios Cooperativos já fazem parte da lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, da Unesco.

The decision was announced on Thursday, 1 December 2016, in Ethiopia. The proposal was formulated by Germany, where a quarter of the population is a member of a cooperative.



The eleventh session of the Intergovernmental Committee for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage of Unesco runs until Friday 2 December at the Conference Center of the United Nations Economic Commission for Africa in Addis Ababa, Ethiopia.

Sixteen new elements have been added to the Representative List of Intangible Cultural Heritage, following the decisions adopted by the Committee, and include cultural aspects ranging from the Belgian brewery, the bread tradition of the Arab countries, New Year festivities in Bangladesh, India, Pakistan , Afghanistan, and traditional Japanese, Greek, French, Georgian, and many other festivals.

Portugal won the world ranking of falconry and the process of manufacturing the black clay of Bisalhães (Vila Real). Two decisions that have been added to those obtained in recent years, with the singing of Alentejo and rapier art.

GERMAN COOPERATIVISM - Currently, about a quarter of the population of Germany is a member of a cooperative, which includes farmers and artisans, including 90% of bakers and butchers, and 75% of its retailers.

According to the nomination defended by Germany, a cooperative is an "association of volunteers who provides services of a social, cultural or economic nature to community members to help improve living standards, overcome shared challenges and promote positive change."

Based on the principle of subsidiarity that places social responsibility above state action, cooperatives allow the construction of the community through shared interests and values, creating innovative solutions to social problems, generating employment and helping from the elderly to revitalization projects Renewable energies.

Anyone can participate, just as members can also buy shares in the cooperative and have a say in their future direction. The system could provide, for example, low-interest loans to farmers, artisans and entrepreneurs.

In the Teaching area, some cooperatives were also created specifically for students to gain experience. Associated knowledge and skills are transmitted by cooperatives, universities, the Academy of German Cooperatives, the Raiffeisen Confederation, and many other institutions, which gave rise to the proposal approved by Unesco.


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.
A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.
 
 
 
 
--br
Os Princípios Cooperativos já fazem parte da lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, da Unesco.

A decisão foi conhecida na, quinta-feira 1 de Dezembro de 2016, na Etiópia. A proposta foi formulada pela Alemanha, onde um quarto da população é membro de uma cooperativa.

A 11ª sessão do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco decorre até esta sexta-feira 2 de Dezembro, no Centro de Conferências da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África, em Adis Abeba, na Etiópia.

Dezesseis novos elementos foram acrescentados à Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial, seguindo as decisões adotadas pelo Comitê, e incluem aspectos culturais que vão desde a cultura cervejeira belga, a tradição do pão dos países árabes, festividades de ano novo no Bangladesh, India, Paquistão, Afeganistão e ainda festas tradicionais japonesas, gregas, francesas, georgianas, dentre muitos outros.

Portugal conquistou a classificação mundial da falcoaria e do processo de fabricação do barro preto de Bisalhães (Vila Real). Duas decisões que se vêm juntar às obtidas nos últimos anos, com o canto alentejano e pela arte chocalheira.

COOPERATIVISMO ALEMÃO – Atualmente, cerca de um quarto da população da Alemanha é membro de uma cooperativa, que além de agricultores e artesãos, inclui 90% de padeiros e talhantes, e ainda 75% de seus varejistas.

Segundo a nomeação defendida pela Alemanha, uma cooperativa é uma “associação de voluntários que presta serviços de natureza social, cultural ou econômica a membros da comunidade para ajudar a melhorar os padrões de vida, superar desafios compartilhados e promover mudanças positivas”.

Com base no princípio da subsidiariedade que coloca a responsabilidade social acima da ação do Estado, as cooperativas permitem a construção da comunidade por meio de interesses e valores compartilhados, criando soluções inovadoras para problemas sociais, ao gerar emprego e ajudar desde idosos até projetos de revitalização urbana e energias renováveis.

Qualquer um pode participar, assim como os membros também podem adquirir partes na cooperativa e ter uma palavra a dizer em sua direção futura. O sistema poderá disponibilizar, por exemplo, empréstimos a juros baixos a agricultores, artesãos e empresários.

Na área do Ensino, algumas cooperativas também foram criadas especificamente para que os alunos ganhem experiência. Os conhecimentos e as competências associadas são transmitidos pelas cooperativas, pelas universidades, pela Academia das Cooperativas Alemãs, pela Confederação Raiffeisen, dentre muitas outras instituições, que estiveram na origem da proposta aprovada pela Unesco.

Historic Center of Grão Mogol is listed as a cultural heritage of Minas Gerais. --- Centro Histórico de Grão Mogol é tombado como patrimônio cultural de Minas Gerais, Brasil.

The State Council of Cultural Heritage of Minas Gerais - Conep approved on Tuesday (20), the tipping of the Historic Center of Grão Mogol. Located in the northern region of Minas, the Historical Center joins other cultural assets already protected by tipping and recognized as cultural heritage of Minas Gerais.
 
O Centro Histórico representa a mistura entre o sistema construtivo típico do litoral e a paisagem circundante, caracterizando-se pela extensa utilização da pedra local



Angelo Oswaldo, Secretary of State for Culture of Minas Gerais, highlights the importance of the historical core for the miners. "Grão Mogol is a significant historical city, with patrimonial and cultural values ​​very characteristic of the mining region, becoming one of the important points of exploration of the diamond. The municipality has developed a socio-cultural process of great significance that is now recognized as the property of all miners, "said the Secretary. He added that the recognition of the Historic Center of Grão Mogol as a cultural good of Minas Gerais should be received with great joy by the whole Grao-Mogolense community.

The president of Iepha-MG, Michele Arroyo, stressed that the Institute's operations in the North of Minas Gerais contributed to the tipping of the Historic Center of Grão Mogol. "In recent years, Iepha has been working intensively in partnership with local communities and universities in order to research and understand the São Francisco River region as a cultural heritage of Minas Gerais. The tipping of Grão Mogol reaffirms a moment of the Iepha to look at the diversity of the historical centers that the state possesses ", emphasized Michele Arroyo, noting also that this context allows to strengthen the dialogue with the public power in relation to the preservation of the cultural patrimony of the city .

A member of Conep, professor at the University of Montes Claros, Denilson Meireles, also spoke about the relevance of the work carried out by Iepha-MG in the North of Minas Gerais. For him, the region receives well-deserved recognition from the State of Minas Gerais. "The Cultural Inventory of the São Francisco River, produced by the team of Iepha, added to the tipping of the Historic Center of Grão Mogol demonstrate how much the North of Minas contributes with its diversity for the strengthening of the mining culture", reported the professor.

In 2016, Conep held six meetings, two of which were ordinary and three extraordinary. Of these meetings, the following deliberations were highlighted: the registration of the headquarters building of the former Banco Mineiro da Produção, deliberation on perimeter for the protection of the historic centers of Januária, Perdões and Ouro Fino and the tipping of the Historical Center of Grão Mogol.

The Council reconvenes on January 6 (Day of Kings) to vote on the request for recognition of Folias de Minas as a cultural heritage of immaterial nature in Minas Gerais.

Grand Mogol

The Historic Center of Grão Mogol constitutes material heritage that, at present, is a reference of the occupation process of the North of Minas Gerais and documents constructive aspects of the vernacular architecture of Minas Gerais and the way of being and living of its inhabitants.

Its formation, at the intersection of troop and merchandise paths that crossed the ancient Serra de Santo Antônio do Itacambiruçu towards Bahia, still in the 18th century, originates from the clandestine extraction of the diamond in the waterways near the Diamond District. The isolated location, difficult to reach, has created a sense of belonging and autonomy that persist in its population.

The architecture of the Historic Center represents the mixture between the typical construction system of the coast and the surrounding landscape, characterized by the extensive use of the local stone. Formal simplicity and technical despotism are characteristic of the nucleus, peripheral to the richer urban centers. Having passed through the different historical cycles of mining economy, including the decay of mining, Grão Mogol preserves, in its structure, the urban scale and the modesty of that moment of conquest of the territory.

(With Minas Agency) *







Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--br
Centro Histórico de Grão Mogol é tombado como patrimônio cultural de Minas Gerais, Brasil.



O Conselho Estadual do Patrimônio Cultural de Minas Gerais – Conep aprovou nessa terça-feira (20), o tombamento do Centro Histórico de Grão Mogol. Localizado na região Norte de Minas, o Centro Histórico se junta a outros bens culturais já protegidos por tombamento e reconhecidos como patrimônio cultural de Minas Gerais.

Angelo Oswaldo, secretário de estado de Cultura de Minas Gerais, destaca a importância do tombamento do núcleo histórico para os mineiros. “Grão Mogol é uma significativa cidade histórica, com valores patrimoniais e culturais muito característicos da região mineradora, tornando-se um dos pontos importantes de exploração do diamante. O município desenvolveu um processo sociocultural de grande significado que é reconhecido agora como patrimônio de todos os mineiros”, falou o Secretário. Ele acrescentou que o reconhecimento do Centro Histórico de Grão Mogol como bem cultural de Minas Gerais deve ser recebido com muita alegria por toda comunidade grão-mogolense.

A presidente do Iepha-MG, Michele Arroyo, ressaltou que a atuação do Instituto no Norte de Minas contribuiu para o tombamento do Centro Histórico de Grão Mogol. “Nos últimos anos, o Iepha realizou um trabalho intenso em parceria com as comunidades locais e universidades, com o objetivo de pesquisar e compreender a região do Rio São Francisco como patrimônio cultural de Minas Gerais. O tombamento de Grão Mogol reafirma um momento do Iepha de olhar para a diversidade dos centros históricos que o estado possui”, ressaltou Michele Arroyo, observando ainda que este contexto permite fortalecer o diálogo com o poder público em relação à preservação do patrimônio cultural da cidade.

Membro do Conep, o professor da Universidade de Montes Claros, Denilson Meireles, também falou da relevância dos trabalhos realizados pelo Iepha-MG no Norte de Minas. Para ele, a região recebe merecido reconhecimento do Estado de Minas Gerais. “O inventário Cultural do Rio São Francisco, produzido pela equipe do Iepha, somado ao tombamento do Centro Histórico de Grão Mogol demonstram o quanto o Norte de Minas contribui com a sua diversidade para o fortalecimento da cultura mineira”, relatou o professor.

Em 2016, o Conep realizou seis reuniões, sendo duas ordinárias e três extraordinárias. Destes encontros, destacam-se as seguintes deliberações: tombamento do edifício sede do antigo Banco Mineiro da Produção, deliberação sobre perímetro para estudo de proteção dos núcleos históricos de Januária, Perdões e Ouro Fino e o tombamento do Centro Histórico de Grão Mogol.

O Conselho volta a se reunir no próximo dia 6 de janeiro (Dia de Reis) para a votação do pedido de reconhecimento das Folias de Minas como patrimônio cultural de natureza imaterial de Minas Gerais.

Grão Mogol

O Centro Histórico de Grão Mogol constitui patrimônio material que, no presente, é referência do processo de ocupação do Norte de Minas Gerais e documenta aspectos construtivos da arquitetura vernácula mineira e do modo de ser e de viver de seus habitantes.

Sua formação, na interseção de caminhos de tropas e mercadorias que cruzavam a antiga Serra de Santo Antônio do Itacambiruçu rumo à Bahia, ainda no século 18, tem origem na extração clandestina do diamante nos cursos d’água nas proximidades do Distrito Diamantino. A localização isolada, de difícil acesso, criou um sentido de pertencimento e autonomia que persistem na sua população.

A arquitetura do Centro Histórico representa a mistura entre o sistema construtivo típico do litoral e a paisagem circundante, caracterizando-se pela extensa utilização da pedra local. A simplicidade formal e o despojamento técnico são característicos do núcleo, periférico em relação aos centros urbanos mais ricos. Tendo passado pelos diferentes ciclos históricos da economia mineira, inclusive da decadência da mineração, Grão Mogol preserva, na sua estrutura, a escala urbana e a modéstia daquele momento de conquista do território.