Google+ Followers

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Brazilian culture, Candomblé: Exhibition of the artist Carybé, brings together 50 works of the artist. Portrays the, The Colors of the Sacred. --- Cultura brasileira, Candomblé: Exposição do artista Carybé, reúne 50 obras do artista. retrata o , As Cores do Sagrado.

Among the works that portray this religion and its rituals, it is worth mentioning the watercolor of Mother Mãe, the famous mother of Saint Baiana. The ialorixá is in one of the first watercolors present in the show and also appears in a photo beside the artist. Carybé was a friend of Mãe Senhora, famous for not giving interviews to the press but for having among his interlocutors artists.




The Colors of the Sacred have about 50 watercolors, selected from among the 128 that Carybé did, inspired by the candomblé traditions. The curator of the exhibition is the daughter of the artist, Solange Bernabó. The selection sought to favor the harmony between technique and phases of the artist.

The Colors of the Sacred has passed through Salvador, Recife and Rio de Janeiro. The show runs until February 28, 2017, with free admission. The images present in the exhibition were produced during 30 years of research, between 1950 and 1980, and are records of personal experiences of the artist in the candomblé terreiros that he frequented.

Carybé

Argentinean at birth (Lanus, 1911), Rio de Janeiro by creation and Bahia by choice, Carybé was one of the most productive and restless artists in Brazil. Carybé, who died in 1997, has his genius associated with Bahia, whose essence he knew how to materialize in drawings, watercolors, sculptures and great murals. He was a painter, sculptor, illustrator, draftsman, scenographer, ceramist, historian, researcher and journalist.

Service:

Exhibition "CARYBÉ As Cores do Sagrado"
Location: CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 - Centro)
Visitation: December 10, 2016 to February 28, 2017 (Tuesday to Sunday)
Hours: 9am - 7pm
Information: (11) 3321-4400
Free entrance
Access for people with disabilities




Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.


Vamos compartilhar.




--br via tradutor do google

Cultura brasileira, Candomblé: Exposição do artista Carybé, reúne 50 obras do artista.  retrata o ,  As Cores do Sagrado.

Dentre as obras que retratam essa religião e seus rituais merece destaque a aquarela de Mãe Senhora, famosa mãe de santo baiana. A ialorixá está em uma das primeiras aquarelas presentes na mostra e também aparece em uma foto ao lado do artista. Carybé foi amigo de Mãe Senhora, famosa por não conceder entrevistas para a imprensa mas por ter entre seus interlocutores artistas.

As Cores do Sagrado tem cerca de 50 aquarelas, selecionadas dentre as 128 que Carybé fez tendo como fonte de inspiração as tradições do candomblé. A curadora da exposição é a filha do artista, Solange Bernabó. A seleção buscou privilegiar a sintonia entre técnica e fases do artista.

As Cores do Sagrado já passou por Salvador, Recife e Rio de Janeiro. A mostra fica em cartaz até 28 de fevereiro de 2017, com entrada franca. As imagens presentes na exposição foram produzidas ao longo de 30 anos de pesquisas, entre 1950 e 1980, e são registros de vivências pessoais do artista nos terreiros de candomblé que frequentava.

Carybé

Argentino no nascimento (Lanus, 1911), carioca por criação e baiano por opção, Carybé foi um dos mais produtivos e inquietos artistas que o Brasil abrigou. Pintor, escultor, ilustrador, desenhista, cenografista, ceramista, historiador, pesquisador e jornalista, Carybé, falecido em 1997, tem sua genialidade associada à Bahia, cuja essência soube materializar em desenhos, aquarelas, esculturas e grandes murais.

Serviço:

Exposição "CARYBÉ As Cores do Sagrado"
Local: CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 - Centro)
Visitação: 10 de dezembro de 2016 a 28 de fevereiro de 2017 (terça-feira a domingo)
Horário: 9h às 19h
Informações: (11) 3321-4400
Entrada franca
Acesso para pessoas com deficiência 

5 ways museums are using technology for new experiences. --- 5 maneiras museus estão usando a tecnologia para novas experiências.

NEW YORK (AP) — Museums are always looking for ways to make their exhibitions more exciting. Now, new technologies are making that easier.

From 3-D scanning and 3-D printing, to virtual reality and special apps, these technologies are being applied in a multitude of ways. Still other technologies are being tested and developed as museums seek to ever broaden public access.

"Where we used to have one way of visiting and experiencing a museum, people now expect a variety of ways," said Catherine Devine, chief digital officer at the American Museum of Natural History in New York City. "It's about exploring technologies."

A look at some of the ways museums are integrating and developing technologies to engage their audiences:


--
NAVIGATING A BIG COLLECTION



You can get lost in the giant American Museum of Natural History. Explorer, a new app, uses hundreds of Bluetooth hotspots to navigate visitors around its halls to artifacts that may interest them the most.

"Instead of saying 'turn at West 14th Street,' it says 'turn left at the huge mosquito, go through the green sign,'" said Devine. "From the app's point of view, you don't have to say where you are. Whenever you raise your phone, the thing you're immediately in front of is at the top of the app."

Devine said the app can also can customize visitors' tours. If a person selects "Really Big," for example, the app might take them to the museum's mammoth blue whale. Once there, layers of information are added, including animation, videos and fun facts like comparing the whale's weight to 1.6 million slices of pizza.



--
3D PRINTING AND SCANNING

Museums are still exploring the many and varied applications of 3-D printing and 3-D scanning for their programing, research and gallery experience. Some are already using the latest 3-D printing technology to make replicas of historical artifacts to give visitors a new way to interact with the object without damaging the original.



3-D scanning tools also allow for detailed analysis of fragile specimens.

An example of that is an exhibition traveling around the country called "Mummies: New Secrets From the Tombs" organized by Chicago's Field Museum. It used a medical CT scanner to "unwrap" the mummies. Museum-goers can peek under the wrappings by manipulating large table-top computer scans placed alongside the delicate specimens to see their clothes, hairstyles and the jewelry they took to their graves.

"The real power of 3-D scanning is that you have so many different potential outcomes," said Adam Metallo, who, with Vincent Rossi, leads the 3D digitization team at the Smithsonian's 19 museums and nine research centers.

You can make an exact replica of something for display or create a digital model for a touchscreen interactive that people can view outside the museum.

"We're interested in leveraging the technology to kind of take down the walls and provide unprecedented access," said Rossi.



_
VIRTUAL REALITY

Virtual reality, which utilizes special head gear to create the effects, can transport visitors to places they could never reach, like inside the human body or the bottom of the sea.

At the Franklin Institute in Philadelphia, visitors can explore a space shuttle and walk through the nuclear disaster site in Chernobyl with a virtual reality headset.

At a recent special event at the American Museum of Natural History, young visitors tested out virtual reality goggles that "shrank" them to the size of a beetle for a close-up view of the weevil's anatomy.

Virtual reality also extends museums' reach beyond their walls: With just a smartphone and a Google Cardboard low-tech headset viewer, students can go on a virtual museum field trip from anywhere in the world.


--
ROBOGUIDES

"Telepresence robots" — screens mounted on two long poles on wheels — use videoconferencing technology similar to Skype to connect visitors to expert information not quite available from a tour guide.

The American Museum of Natural History tried it out recently at a special event inside its Northwest Coast Indians Hall to beam an indigenous member of the remote Haida Gwaii community into the museum to talk with visitors.

And in the not-so-distant future, museum patrons will be able to ask questions to their smartphones about what to see and do during their visit.













Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.


Vamos compartilhar.










--br via tradutor do google
5 maneiras museus estão usando a tecnologia para novas experiências.

NOVA YORK (AP) - Os museus estão sempre procurando maneiras de tornar suas exposições mais excitantes. Agora, as novas tecnologias estão tornando isso mais fácil.

De digitalização 3-D e impressão em 3-D, para realidade virtual e aplicativos especiais, essas tecnologias estão sendo aplicadas em uma infinidade de maneiras. Ainda outras tecnologias estão sendo testadas e desenvolvidas à medida que os museus buscam ampliar o acesso do público.

"Onde costumávamos ter uma maneira de visitar e experimentar um museu, as pessoas agora esperam uma variedade de maneiras", disse Catherine Devine, diretora digital do Museu Americano de História Natural, em Nova York. "Trata-se de explorar tecnologias."

Uma olhada em algumas das formas como os museus estão integrando e desenvolvendo tecnologias para atrair seus públicos:

NAVEGAÇÃO DE UMA GRANDE COLEÇÃO

Você pode se perder no gigante Museu Americano de História Natural. Explorer, um novo aplicativo, usa centenas de hotspots Bluetooth para navegar os visitantes em torno de seus salões de artefatos que podem interessá-los mais.

"Em vez de dizer" vire na West 14th Street ", diz" vire à esquerda no enorme mosquito, passe pelo sinal verde ", disse Devine. "Do ponto de vista do aplicativo, você não precisa dizer onde você está. Sempre que você levanta seu telefone, a coisa que você está imediatamente na frente está no topo do aplicativo."

Devine disse que o aplicativo também pode personalizar os passeios dos visitantes. Se uma pessoa seleciona "Realmente Grande", por exemplo, o aplicativo pode levá-los para a baleia-gigante do museu azul. Uma vez lá, camadas de informações são adicionadas, incluindo animação, vídeos e fatos divertidos, como comparar o peso da baleia para 1,6 milhões de fatias de pizza.

IMPRESSÃO E DIGITALIZAÇÃO 3D

Os museus ainda estão explorando as muitas e variadas aplicações de impressão 3-D e digitalização 3D para sua experiência em programação, pesquisa e galeria. Alguns já estão usando a mais recente tecnologia de impressão 3-D para fazer réplicas de artefatos históricos para dar aos visitantes uma nova maneira de interagir com o objeto sem danificar o original.

As ferramentas de digitalização em 3-D também permitem a análise detalhada de espécimes frágeis.

Um exemplo disso é uma exposição viajando pelo país chamada "Múmias: Novos Segredos dos Túmulos", organizada pelo Museu de Campo de Chicago. Ele usou um scanner de tomografia computadorizada para "desembrulhar" as múmias. Os frequentadores de museus podem espreitar sob as embalagens manipulando grandes varreduras de computador de mesa colocadas ao lado dos espécimes delicados para ver suas roupas, penteados e as jóias que levaram para suas sepulturas.

"O verdadeiro poder da digitalização 3-D é que você tem tantos resultados potenciais diferentes", disse Adam Metallo, que, com Vincent Rossi, lidera a equipe de digitalização 3D nos 19 museus e nove centros de pesquisa do Smithsonian.

Você pode fazer uma réplica exata de algo para exibição ou criar um modelo digital para um touchscreen interativo que as pessoas podem ver fora do museu.

"Estamos interessados ​​em aproveitar a tecnologia para derrubar as paredes e oferecer acesso sem precedentes", disse Rossi.


REALIDADE VIRTUAL

A realidade virtual, que utiliza artes de cabeça especial para criar os efeitos, pode transportar os visitantes para lugares que nunca poderiam alcançar, como dentro do corpo humano ou no fundo do mar.

No Instituto Franklin, em Filadélfia, os visitantes podem explorar um ônibus espacial e percorrer o local do desastre nuclear em Chernobyl com um fone de ouvido de realidade virtual.

Em um recente evento especial no Museu Americano de História Natural, jovens visitantes testaram os óculos de realidade virtual que "encolheu" -los ao tamanho de um besouro para uma visão em close da anatomia do gorgolejo.

A realidade virtual também estende o alcance dos museus além de suas paredes: Com apenas um smartphone e um visualizador de fone de ouvido de baixa tecnologia do Google Cardboard, os alunos podem ir em uma excursão de museu virtual de qualquer lugar do mundo.

ROBÔUIDES

"Telepresença robôs" - telas montadas em dois pólos longos sobre rodas - usar a tecnologia de videoconferência semelhante ao Skype para conectar os visitantes com informações especializadas não bastante disponíveis a partir de um guia turístico.

O Museu Americano de História Natural experimentou recentemente em um evento especial dentro do seu Northwest Coast Indians Hall para transmitir um membro indígena da comunidade remota Haida Gwaii no museu para conversar com os visitantes.

E em um futuro não tão distante, os visitantes do museu poderão fazer perguntas a seus smartphones sobre o que ver e fazer durante sua visita.