Google+ Followers

terça-feira, 11 de abril de 2017

Giving a voice to ancient Egyptian poetry. video --- Dar voz a poesia antiga egípcia - vídeo 41. min.

How do you capture the ancient resonances of phrases that mean nothing to modern audiences? How do you invest them with meaning and emotion without a set of explanatory footnotes that kill all spontaneity? Oxford University professor Richard Bruce Parkinson worked with actress and writer Barbara Ewing to record a dramatic reading of one of the finest works of Egyptian poetry The Tale of Sinuhe.


Ostracon with the final lines of The Tale of Sinuhe. Thebes, 19th Dynasty.

Share this article 

Richard Bruce Parkinson, Professor of Egyptology, University of Oxford and Fellow of the Queen's College, Oxford. 15 March 2017

I’m working on a new commentary on the famous ancient Egyptian poem, The Tale of Sinuhe, which has fascinated me since my schooldays. This narrative, about an official’s troubled life-story was written in about 1850 BC and survives in many manuscripts, including one in a collection of texts that was buried in a tomb at Luxor in around 1680 BC, and is now known as the Ramesseum papyri. My work is part of an ongoing joint British Museum and Oxford University project on the Ramesseum papyri, during which we have published new photos of the main papyri in an online catalogue, and in a DVD with the Egyptian Museum, Berlin. I’m also re-examining the copy of the poem in the Ashmolean museum, helped by research assistant Ann Gill, and (perhaps most importantly) every year I read the poem with students, because it is an undergraduate set text in the Oxford Egyptology course.

However, while academic commentaries can deal easily with the technical details of reading the manuscripts, of the verb-forms and the lexicography, the poem is also a hugely emotional work of art. In order to try to capture a sense of what the poem might have felt like to its original audiences – a sense of what E M Forster termed ‘the union of shadow and adamant that men call poetry’ – I’ve worked with actors over the past decade, including Gary Pillai and Shobu Kapoor. Most often, I’ve worked with a very good friend, Barbara Ewing, who is a historical novelist as well as an actress, and so understands as well as any Egyptologist the difficulties we face when dealing with old texts. We’ve worked together on several Middle Kingdom poems, and she accompanied my inaugural lecture at Oxford which was about a single couplet of Sinuhe. Now she’s recorded a full reading of Sinuhe.


The problem with any poetry is that it is untranslatable, and Sinuhe is now very remote; Barbara said that she found it the most challenging piece she has ever had to deal with. How do you capture the ancient resonances of phrases that mean nothing to modern audiences? How do you invest them with meaning and emotion without a set of explanatory footnotes that kill all spontaneity? For me the point was to let Barbara bring her skills to illuminate the poem, and to teach me what it could be like in performance. We’ve discussed it over several years, and when we started rehearsing Barbara dug deeper and deeper into the text. We only squabbled once over how a line might be delivered (we’re both quite stubborn, neither of us gave way, and I’m delighted with the solution we reached). The translation we used was based on the one published in an Oxford World Classics anthology, but she suggested several small changes to help a modern listener, usually clarifying a pronoun or reversing the order of two verses. I also made several minor alterations to help clarify the sense for listeners unfamiliar with the ancient background, such as saying ‘War-god’ instead of the god’s name ‘Montu’. I kept asking friends at my college if certain phrases sounded natural to them, so that none of it would sound written in Egyptological-ese. When Sinuhe returns home and is re-integrated into Egyptian society, his hair receives some sort of treatment, either styling or cutting, and so I ended up asking ‘what do you usually ask for at the barbers? What word do you use?’

Barbara Ewing and Professor Richard Bruce Parkinson.

Sinuhe is quite a long narrative poem – almost 600 lines of verse – and I think it was hard to convey sense of changing pace and structure, among the many other obstacles. Barbara was determined that it should not sound falsely grandiose (like the dreadful Hollywood film of the poem), and to keep it very internal and understated, even as the hero undergoes a series of emotional crises and breakdowns. The poem has a lot of exciting action in it, but it also moves by subtext: characters talk to each other but mean much more than they actually say, and it deals with ‘unrepeatedly great matters’, raising questions of motivation that are left unresolved. There had to be a sense of things happening beneath the surface.

We spent three days rehearsing in London, and then Barbara came for a full day’s recording at an underground studio at Oxford University Media Services. At the end of the day we went and looked at the copy of the poem in the Ashmolean Museum together. The unedited recording, made by Karen Casey, lasted an hour and 46 minutes and included repeats, various retakes and variations. The final cut is 41 minutes long and is available on Oxford University’s podcast website and iTunes.

The Life of Sinuhe read by Barbara Ewing. Translated by Richard Bruce Parkinson. This recording is part of The Tale of Sinuhe: A Reader’s Commentary (for the British Museum and Oxford University Ramesseum Papyri Project).

My favourite line of all is perhaps when Sinuhe’s patron, Queen Nefru, screams in shock as she recognises her old servant. We debated whether Barbara should add an actual scream (as she did in the inaugural lecture about this couplet) or instead keep strictly to the words of the original, and try to convey the shock with only the words of the poem? We did several takes, but when I listened to the unedited recording there was no doubt for me: Barbara’s words alone conveyed the scream without it needing to be acted out.

It is one thing to write about performance from a theoretical perspective, but it’s another to work with an actor. I learnt so much about the poem from our sessions together, and my only regret is that a month later while I was re-examining photographs of one of the papyri, I spotted a new solution to a long-standing grammatical difficulty, meaning that one verse of the reading should really have a slightly different tense. But no translation or performance is ever going to be definitive. What matters to me, beyond these philological details, is that Barbara has found a voice for the heart of this ancient poem.


Want to hear more? Listen to the the inaugural lecture of Richard B. Parkinson as Professor of Egyptology, accompanied by actress and author Barbara Ewing, on the emotional power of the famous Ancient Egyptian poem The Tale of Sinuhe below.






The Life of Sinuhe

Duration:0:41:20 | Added: 01 Nov 2016


Audio Embed Code

Embed HELP
An ancient Egyptian tells his life-story from the walls of his tomb, c. 1850 BC. Read by Barbara Ewing. Translated by Richard Bruce Parkinson

Composed around 1850 BC, Sinuhe is the supreme masterpiece of ancient Egyptian poetry. The poem is a fictional official’s autobiography, supposedly carved on the walls of his tomb, and his story forms a passionate probing of his culture’s ideals and anxieties. In a moment of panic Sinuhe flees Egypt at this death of his king. His adventures bring wealth and power, but his failure to find a meaningful life abroad is only redeemed by the new king’s mercy, and he finally returns home to be buried.

An annotated translation is in The Tale of Sinuhe and Other Ancient Egyptian Poems 1940–1640 BC (Oxford World’s Classics 1998).

This recording is part of The Tale of Sinuhe: A Reader’s Commentary (for the British Museum and Oxford University Ramesseum Papyri Project). With thanks to Karen Carey, Jenny Guest, Chris Hollings, Tim Reid and The Queen’s College, Oxford.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
Dar voz a poesia antiga egípcia - vídeo.

Como você capturar as ressonâncias de frases antigas que nada para o público moderno significam? Como você investir em com significado e emoção sem um conjunto de notas de rodapé explicativas que matam a espontaneidade? professor da Universidade de Oxford Richard Bruce Parkinson trabalhou com a atriz e escritora Barbara Ewing para gravar uma leitura dramática de uma das melhores obras de poesia Tale egípcia de Sinuhe.

Ostracon com as linhas finais do conto de Sinuhe. Tebas, 19a dinastia.

Compartilhe este artigo

Richard Bruce Parkinson, professor de Egiptologia da Universidade de Oxford e membro da faculdade da rainha, Oxford. 15 de março de 2017

Eu estou trabalhando em um novo comentário sobre o famoso poema do antigo Egito, The Tale of Sinuhe, qui me fascinou desde os meus tempos de escola. Narrativa Este, sobre conturbada história de vida de um funcionário foi escrito em aproximadamente 1850 aC e sobrevive em muitos manuscritos, incluindo uma em uma coleção de textos que foi enterrado em um túmulo no Luxor em volta de 1680 aC, e é agora conhecido como os papiros Ramesseum . Meu trabalho é mão do ano em curso se juntou a British Museum e do projeto da Universidade de Oxford na papiros Ramesseum Durante qui que-ter publicado fotografias novas da mão papiros em um catálogo on-line e em um DVD com o Museu Egípcio, em Berlim. Estou aussi Re-Examinando a cópia do poema no Museu Ashmolean, ajudada pela assistente de pesquisa Ann Gill, e (talvez o mais importante) a cada ano eu li o poema com os alunos, porque é um texto de graduação definido na Oxford Egiptologia corrida.

No entanto, enquanto comentários acadêmicas pode lidar facilmente com os detalhes técnicos de leitura dos manuscritos, das formas verbais ea lexicografia, o poema est Foi um trabalho extremamente emocional de arte. A fim de tentar capturar um sentido do que o poema pode-me senti como às TIC audiências originais - uma noção do que EM Forster denominado 'a união de sombra e inflexível que os homens chamam de poesia' - Eu já trabalhei com atores ao longo dos últimos década, incluindo Gary Pillai e Shobu Kapoor. Na maioria das vezes, eu trabalhei com um amigo muito bom, Barbara Ewing, que é um romancista histórico, bem como uma atriz, e assim Compreende bem como o egiptólogo quaisquer dificuldades que enfrentamos Ao lidar com textos antigos. Nós já trabalhou em vários Reino Médio juntos poemas, e ela leu minha accompagné inaugural na Universidade de Oxford qui era sobre um único verso de Sinuhe. Agora ela está gravada uma leitura completa de Sinuhe.

O problema com qualquer poesia é que é intraduzível, e Sinuhe agora é muito remota; Barbara disse que ela encontrou-se um desafio pedaços O máximo que ela já teve de lidar. Como você capturar as ressonâncias de frases antigas que nada para o público moderno significam? Como você investir em com significado e emoção sem um conjunto de notas de rodapé explicativas que matam a espontaneidade? Para mim, o ponto para que Barbara foi trazer suas habilidades para iluminar o poema, e para me ensinar o que poderia ser como em desempenho. Nós discutimos vários anos sobre isto, e quando começamos a ensaiar Barbara cavou mais fundo e mais fundo no texto. Nós só onça brigaram como uma linha pode ser entregue (estamos bastante teimosa Ambos, nenhum de nós cedeu, e estou muito contente com a solução que Atteint). A tradução que usamos foi baseada na que foi publicada em uma antologia Oxford Mundo Classics, propósito ela suggéré Várias pequenas troca para ajudar a um ouvinte moderno, geralmente esclarecer um pronome ou a inversão da ordem de dois versos. I aussi Várias pequenas alterações feitas para ajudar a esclarecer o sentido para os ouvintes não estão familiarizados com o plano de fundo antiga, como dizer 'Guerra-deus', em vez do nome do deus 'Montu'. Eu ficava perguntando meus amigos na faculdade, se algumas frases parecia natural para eles, para que nenhum dos que ele iria soar escrito em Egyptological-ese. Quando Sinuhe volta para casa e é re-integrado na sociedade egípcia, o cabelo recebe algum tipo de tratamento, denominando Qualquer um ou corte, e por isso, acabei perguntando 'o que você costuma pedir aos barbeiros? Que palavra que você usa? '

Barbara Ewing e Richard Professor Bruce Parkinson.

Sinuhe é bastante longo poema narrativo - Quase 600 versos - e eu acho que foi difícil transmitir sentido de mudar o ritmo e estrutura, entre as muitas outras obstáculos. Barbara foi determinado que não deverias falsamente som grandioso (como o filme terrível Hollywood do poema), e para mantê-lo muito interna e discreto, assim como o herói sofre uma série de crises emocionais e avarias. O poema: tem um monte de ação emocionante nele, apontá-lo aussi se move pelo subtexto: personagens conversam entre si objetivo significar muito mais do que eles realmente dizer, e ele lida com 'unrepeatedly grandes questões', levantando questões de motivação que ficaram por resolver . Tinha que haver uma sensação de coisas acontecendo sob a superfície.

Passamos três dias ensaiando em Londres, e em seguida Barbara cam para a gravação de um dia inteiro em um estúdio subterrâneo em Oxford University Media Services. No final do dia Nós fomos e olhou para a cópia do poema no Museu Ashmolean juntos. A gravação não editada, feita por Karen Casey durou uma hora e 46 minutos e incluiu repeties, de diversas variações e retoma. O corte final é de 41 minutos de duração e está disponível no site da Universidade de Oxford e iTunes podcast.

A vida de Sinuhe lido por Barbara Ewing. Traduzido por Richard Bruce Parkinson. Esta gravação é de de A Tale of Sinuhe: Comentário de um leitor (para o Museu Britânico e do Projeto Universidade de Oxford Ramesseum Papyri).

Minha frase favorita de todos é talvez quando patrono de Sinuhe, Rainha Nefru, grita em choque quando ela reconhece seu antigo serviço. Nós debatemos se Barbara shoulds adicionar um grito real (como ela fez na leitura inaugural sobre este verso) ou em vez respeitar estritamente as palavras do original, e tentar transmitir o choque com apenas as palavras do poema? Fizemos vários leva, objetivo quando ouvi a gravação não editada Não havia nenhuma dúvida para mim: as palavras de Barbara sozinho transmitiu a gritar-lo sem a necessidade de ser encenada.

É uma coisa para escrever sobre o desempenho de uma perspectiva teórica, é Comentários mais um golo para trabalhar com um ator. Eu aprendi muito sobre o poema de nossas sessões juntos, e meu único arrependimento é que um mês mais tarde, enquanto eu estava reexaminando fotografias de um dos papiros, vi uma nova solução para uma dificuldade gramatical de longa data, que significa que um derrama dos deveres de leitura realmente, tem um diferente ligeiramente tenso. Meta de tradução ou desempenho é nunca vai ser final. O que importa para mim, além de detalhes tese filológicos, é que tem Barbara encontrou uma voz para o coração deste poema antigo.

Quer ouvir mais? Ouça a leitura da inaugural Richard B. Parkinson como professor de Egiptologia, accompagné pela atriz e autora Barbara Ewing, sobre o poder emocional do famoso poema egípcio antigo The Tale of Sinuhe abaixo.

http://british.museumblog.org/giving-a-voice-to-ancient-egyptian-poetry/

Nenhum comentário:

Postar um comentário