Google+ Followers

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Guernica: All the ingredients of a war. --- Guernica: Todos os ingredientes de uma guerra.

The Spanish museum Reina Sofia in Madrid opens on Wednesday a large exhibition on the work of the painter Pablo Picasso to celebrate the 80th anniversary of his masterpiece "Guernica".

Guernica

The exhibition "Pity and Terror in Picasso: The Road to Guernica", which will run from April 5 to September 4, celebrates the 80th anniversary of the creation of the painting by Pablo Tuiz Picasso and the 25th anniversary of his arrival From the work to the Reina Sofia (Queen Sofia) museum.

The museum says it is "a great exhibition" which will bring together 150 masterpieces from the museum's collection and more than 30 institutions from all over the world, such as the Picasso Museum and the Center Georges Pompidou in Paris, The Tate Modern in London, the Museum of Modern Art (MoMA) and the Metropolitan Museum in New York, among others.

"Guernica" is the most emblematic work of the career of Pablo Picasso, who was born in Spain in 1881 and died in France in 1973 and perhaps also in the twentieth century art.

The oil painting on canvas, 349.3cm high and 776.6cm wide, shows the horrors of bombing the Basque city of Guernica by German planes of the Nazi regime, supporting the dictator Francisco Franco on April 26, 1937 , During the Civil War of Spain, in what was seen as a test of the aerial bombings of World War II (1939-1945).

In the eyes of a military man, Pablo Picasso's Guernica painting contains almost all the ingredients of a war. Admiral Vieira Matias knew this picture of Picasso when he was still at school and now, years later, before an image of Guernica, Vieira Matias tells us what he sees. For Admiral Vieira Matias, in this picture the horrors of war are worth it, but these horrors may still be worse.

Picasso's most famous painting was painted on an order made by the Spanish Republic (a democratic regime that ended with the civil war and the Franco dictatorship) during the spring of 1937 to be exhibited in the Spanish pavilion of the Paris International Exhibition And quickly became a symbol against the horrors of war.

A few years before he died, Picasso asked for the picture to be returned to Spain only when public liberties were restored in that country.

"Guernica", the picture, arrived in Spain in 1981, after the death of the dictator Francisco Franco (1939-1975) and the restoration of democracy in 1977.

Between the Paris International Exposition and 1981, Picasso's painting was exhibited in Oslo, Norway, Copenhagen, Denmark, Stockholm and Gothenburg in Sweden, and London, Leeds, Liverpool and Manchester in the United Kingdom between 1938 and 1939 .

After the victory of dictator Francisco Franco in Spain, and before the start of World War II, the painting was sent to the United States, where it was shown in the first Museum of Contemporary Art in San Francisco and the Museum of Modern Art MoMA), New York, later, an institution where it remained until 1981, after brief passage through North American cities such as Chicago and Philadelphia, and Brazil in the 1950s.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--pt
Guernica: Todos os ingredientes de uma guerra.

O museu espanhol Reina Sofia, em Madrid, inaugura na quarta-feira uma grande exposição sobre a obra do pintor Pablo Picasso, para celebrar os 80 anos da sua obra-prima "Guernica".

A exposição "Piedade e terror em Picasso: o caminho até Guernica", que vai ficar patente de 5 de abril até 4 de setembro, celebra o 80.º aniversário da criação do quadro, por Pablo Tuiz Picasso, e os 25 anos da chegada da obra ao museu Reina Sofia (Rainha Sofia).

O museu considera que se trata de "uma grande exposição" que reunirá 150 obras-primas do artista, vindas da coleção do museu e de mais de 30 instituições de todo o mundo, como o Museu Picasso e o Centre Georges Pompidou, de Paris, a Tate Modern, de Londres, o Museu de Arte Moderna (MoMA) e o Metropolitan Museum, de Nova Iorque, entre outros.

"Guernica" é a obra mais emblemática da carreira de Pablo Picasso, que nasceu em Espanha, em 1881, e morreu em França, em 1973, e talvez também da arte do século XX.

A pintura a óleo sobre tela, de 349,3cm de altura e 776,6cm de largura, mostra os horrores do bombardeamento à cidade basca de Guernica, por aviões alemães do regime nazi, apoiando o ditador Francisco Franco, em 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil de Espanha, naquele que foi visto como um teste dos bombardeamentos aéreos da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Aos olhos de um militar, o quadro Guernica, de Pablo Picasso, contém quase todos os ingredientes de uma guerra. O Almirante Vieira Matias conheceu este quadro de Picasso quando ainda andava na escola e agora, anos depois, perante uma imagem de Guernica, Vieira Matias conta-nos o que vê. Para o Almirante Vieira Matias, neste quadro valem os horrores da guerra, mas esses horrores podem ainda ser piores.

O quadro mais famoso de Picasso foi pintado a partir de uma encomenda feita pela República espanhola (regime democrático que terminou com a guerra civil e a ditadura franquista), durante a primavera de 1937, para ser exibido no pavilhão de Espanha da Exposição Internacional de Paris, e rapidamente se converteu num símbolo contra os horrores da guerra.

Alguns anos antes de morrer, Picasso pediu para que o quadro só fosse devolvido a Espanha quando as liberdades públicas fossem restauradas nesse país.

"Guernica", o quadro, chegou a Espanha em 1981, depois da morte do ditador Francisco Franco (1939-1975) e da restauração da democracia, em 1977.

Entre a Exposição Internacional de Paris e 1981, o quadro de Picasso foi exibido em Oslo, na Noruega, em Copenhaga, Dinamarca, Estocolmo e Gotemburgo, na Suécia, e Londres, Leeds, Liverpool e Manchester, no Reino Unido, entre 1938 e 1939.

Depois da vitória do ditador Francisco Franco, em Espanha, e antes do início da II Guerra Mundial, o quadro foi enviado para os Estados Unidos, onde foi mostrado no Museu de Arte Contemporânea de São Francisco, primeiro, e no Museu de Arte Moderna (MoMA), de Nova Iorque, mais tarde, instituição onde se manteve até 1981, depois de breves passagens por cidades norte-americanas como Chicago e Filadélfia, e pelo Brasil, na década de 1950.

Nenhum comentário:

Postar um comentário