Google+ Followers

terça-feira, 4 de abril de 2017

Ice age art and 'jewellery' found in an Indonesian cave reveal an ancient symbolic culture. --- A arte da época do gelo e a "jóia" encontrada em uma caverna indonésia revelam uma cultura simbólica antiga.

A cave dig in Indonesia has unearthed a unique collection of prehistoric ornaments and artworks that date back in some instances to at least 30,000 years ago.

The site is thought to have been used by some of the world's earliest cave artists.

Published today, our new findings challenge the long-held view that hunter-gatherer communities in the Pleistocene ("Ice Age") of South-East Asia were culturally impoverished.

They also imply that the spiritual lives of humans transformed as they encountered previously unknown species on the journey from Asia to Australia.
The human journey beyond Asia

Modern humans had colonised Australia by 50,000 years ago. It was a journey that required people crossing by boat from continental Eurasia into Wallacea, a vast swathe of island chains and atolls spanning the ocean gap between mainland Asia and Australia.


Archaeologists have long speculated about the cultural lives of the first Homo sapiens to enter Wallacea, as part of the great movement of our species out of Africa.

Some have argued that human culture in the Late Pleistocene attained a high level of complexity as Homo sapiens spread into Europe and as far east as India.

Thereafter, culture is thought to have declined in sophistication as people ventured into the tropics of South-East Asia and Wallacea.

But new research in Wallacea is steadily dismantling this view.
New findings from Ice Age Sulawesi

In the latest addition to this rash of discoveries, we describe a suite of previously undocumented symbolic artefacts excavated from a limestone cavern on Sulawesi, the largest island in Wallacea.

The artefacts were dated using a range of methods to between 30,000 and 22,000 years ago.




They include disc-shaped beads made from the tooth of a babirusa, a primitive pig found only on Sulawesi, and a "pendant" fashioned from the finger bone of a bear cuscus, a large possum-like creature also unique to Sulawesi.

Also recovered were stone tools inscribed with crosses, leaf-like motifs and other geometric patterns, the meaning of which is obscure.

Further evidence for symbolic culture was shown by the abundant traces of rock art production gleaned from the cave excavations.

They include used ochre pieces, ochre stains on tools and a bone tube that may have been an "air-brush" for creating stencil art.


All are from deposits that are the same age as dated cave paintings in the surrounding limestone hills.

It is very unusual to uncover buried evidence for symbolic activity in the same places where Ice Age rock art is found.

Prior to this research, it also remained uncertain whether or not the Sulawesi cave artists adorned themselves with ornaments, or even if their art extended beyond rock painting.
Early art and ornaments from Wallacea

Previous cave excavations in Timor-Leste have unearthed 42,000-year-old shells used as "jewellery", as reported in 2016.

In 2014 archaeologists announced that cave art from Sulawesi is among the oldest surviving on the planet.

At one cave, a depiction of a human hand is at least 40,000 years old. It was made by someone pressing their palm and fingers flat against the ceiling and spraying red paint around them.

Next to the hand stencil is a painting of a babirusa that was created at least 35,400 years ago.

These artworks are compatible in age with the spectacular cave paintings of rhinos, mammoths and other animals from France and Spain, a region long thought to be the birthplace of modern artistic culture.


Some prehistorians have even suggested that the presence of 40,000-year-old art in Indonesia means that rock art probably arose in Africa well before our species set foot in Europe, although an Asian origin is also conceivable.

Based on the new evidence emerging from Timor and Sulawesi, it now appears that the story about early humans in Wallacea being less culturally advanced than people elsewhere, especially Palaeolithic Europeans, is wrong.
The weird world of Wallacea

Owing to the unique biogeography of Wallacea, the first modern humans to enter this archipelago would have encountered a strangely exotic world filled with animals and plants they had never imagined existed.

Surrounded by deep ocean troughs, the roughly 2,000 islands of Wallacea are extremely difficult for non-flying organisms to reach.

Because of their inaccessibility, these islands tend to be inhabited by relatively few land mammals. Endemic lineages would have arisen on many islands as a result of this evolutionary isolation.

Sulawesi is the weirdest island of them all. Essentially all of the island's terrestrial mammals, except for bats, occur nowhere else on earth.

Sulawesi was probably where human beings first laid eyes on marsupials (cuscuses).

The discovery of ornaments manufactured from the bones and teeth of babirusas and bear cuscuses — two of Sulawesi's most characteristic endemic species — implies that the symbolic world of the newcomers changed to incorporate these never-before-seen creatures.

Our excavations have unearthed thousands of animal bones and teeth, but only a tiny fraction are from babirusas.

The near-absence of babirusas from the cave inhabitant diet, coupled with the portrayal of these animals in their art, and use of their body parts as "jewellery", suggests these rare and elusive creatures had acquired particular symbolic value in Ice Age human culture.

Perhaps the first Sulawesians felt a strong spiritual connection with these odd-looking mammals.

This social interaction with the novel species of Wallacea is likely to have been essential to the initial human colonisation of Australia with its unprecedentedly rich communities of endemic faunas and floras, including many species of megafauna that are now extinct.

In fact, elements of the complex human-animal spiritual relationships that characterise Aboriginal cultures of Australia could well have their roots in the initial passage of people through Wallacea and the first human experiences of the curious animal life in this region.

Adam Brumm is a Principal Research Fellow at Griffith University.

Michelle Langley is a DECRA Research Fellow at Griffith University.


Originally published in The Conversation








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
A arte da época do gelo e a "jóia" encontrada em uma caverna indonésia revelam uma cultura simbólica antiga.

Uma escavação da caverna em Indonésia desenterrou uma coleção original de ornamento pré-históricos e de obras de arte que datam para trás em alguns exemplos a pelo menos 30.000 anos há.


FOTO: Escavações na caverna de calcário de Leang Bulu Bettue na ilha indonésia de Sulawesi. (Fornecido: Justin Mott)
O local é pensado para ter sido usado por alguns dos primeiros artistas de caverna do mundo.

Publicado hoje, nossas novas descobertas desafiam a visão de longa data de que comunidades caçadoras-coletoras no Pleistoceno ("Idade do Gelo") do Sudeste Asiático estavam empobrecidas culturalmente.

Eles também implicam que as vidas espirituais dos seres humanos transformados como eles encontraram espécies anteriormente desconhecidas na viagem da Ásia para a Austrália.
A jornada humana além da Ásia

Os humanos modernos haviam colonizado a Austrália há 50 mil anos. Era uma viagem que exigia que as pessoas cruzassem de barco da Eurásia continental para Wallacea, uma vasta cadeia de cadeias de ilhas e atóis que atravessavam a brecha oceânica entre a Ásia continental e a Austrália.


INFOGRAPHIC: Wallacea, a zona de ilhas oceânicas posicionada a leste da Linha de Wallace, uma das principais fronteiras biogeográficas do mundo, e situada entre as regiões continentais da Ásia e Austrália-Nova Guiné. (Fornecido: Adam Brumm)
Os arqueólogos há muito tempo especulam sobre a vida cultural do primeiro Homo sapiens para entrar em Wallacea, como parte do grande movimento de nossa espécie fora da África.

Alguns argumentaram que a cultura humana no Pleistoceno tardio atingiu um alto nível de complexidade como o Homo sapiens se espalhou para a Europa e tão distante como a Índia.

Posteriormente, a cultura é pensado para ter diminuído em sofisticação como as pessoas se aventuraram nos trópicos do Sudeste Asiático e Wallacea.

Mas uma nova pesquisa em Wallacea está desmantelando constantemente essa visão.
Novas descobertas da Idade do Gelo Sulawesi


Na mais recente adição a esta erupção de descobertas, descrevemos uma suíte de artefatos simbólicos anteriormente não documentados escavados em uma caverna de calcário em Sulawesi, a maior ilha de Wallacea.

Os artefatos foram datados usando uma variedade de métodos para entre 30.000 e 22.000 anos atrás.


INFOGRAPHIC: Ornamentos pré-históricos escavados do local da caverna de Sulawesi Leang Bulu Bettue. (Fornecido: Michelle Langley / Adam Brumm / urso / Lucas Marsden)

Eles incluem contas em forma de disco feitas a partir do dente de um babirusa, um porco primitivo encontrado apenas em Sulawesi, e um "pingente" formado a partir do osso do dedo de um cuscus urso, uma criatura grande semelhante a um possum, também exclusivo de Sulawesi.

Também foram recuperadas ferramentas de pedra inscritas com cruzes, motivos foliares e outros padrões geométricos, cujo significado é obscuro.

Mais evidência para a cultura simbólica foi mostrada pelos traços abundantes da produção da arte da rocha colhida das escavações da caverna.

Eles incluem ocre peças usadas, manchas ocre em ferramentas e um tubo de osso que pode ter sido um "ar-brush" para criar arte stencil.

INFOGRÁFICO: O tubo ósseo oco com pigmentos vermelhos e pretos, feito do osso longo de um cuscus de urso, pode ter sido usado como um "pincel de ar" para criar estênceis de mão humana em superfícies rochosas. (Fornecido: Michelle Langley)
Todos são de depósitos que são da mesma idade como pinturas de cavernas datadas nas colinas circundantes de pedra calcária.

É muito incomum descobrir evidências enterradas de atividade simbólica nos mesmos lugares onde a arte rupestre da Idade do Gelo é encontrada.

Antes desta pesquisa, também permaneceu incerto se os artistas da caverna de Sulawesi se enfeitavam com ornamentos, ou mesmo se sua arte estendeu além da pintura da rocha.
Arte e ornamentos adiantados de Wallacea

Escavações anteriores de cavernas em Timor-Leste desenterraram 42.000 anos de antigüidade conchas usadas como "jóias", como relatado em 2016.

Em 2014 os arqueólogos anunciaram que a arte rupestre de Sulawesi está entre as mais antigas sobreviventes do planeta.

Em uma caverna, uma representação de uma mão humana é pelo menos 40.000 anos de idade. Foi feita por alguém pressionando a palma da mão e os dedos contra o teto e pulverizando tinta vermelha ao redor deles.

Ao lado do stencil da mão é uma pintura de um babirusa que fosse criada pelo menos 35.400 anos há.

Estas obras de arte são compatíveis com a idade com as pinturas rupestres espetacular de rinocerontes, mamutes e outros animais da França e Espanha, uma região há muito pensado para ser o berço da cultura artística moderna.

FOTOGRAFIA: Os stencils da mão podem ter sido criados usando pigmentos e um osso 'air-brush'. (Fornecido Yinika Perston)
Alguns pré-historiadores sugeriram mesmo que a presença de 40.000 anos de arte na Indonésia significa que a arte rupestre provavelmente surgiu na África muito antes de nossa espécie pisar na Europa, embora uma origem asiática também é concebível.

Com base nas novas provas emergentes de Timor e Sulawesi, agora parece que a história sobre os primeiros seres humanos em Wallacea ser menos culturalmente avançada do que as pessoas em outros lugares, especialmente os europeus paleolíticos, está errada.

O mundo estranho de Wallacea


Devido à biogeografia única de Wallacea, os primeiros seres humanos modernos a entrar neste arquipélago teria encontrado um mundo estranhamente exótico cheio de animais e plantas que nunca imaginaram existiu.

Cercado por profundas depressões oceânicas, as cerca de 2.000 ilhas de Wallacea são extremamente difíceis para organismos que não voam.

Devido à sua inacessibilidade, estas ilhas tendem a ser habitadas por relativamente poucos mamíferos terrestres. Linas endémicas teriam surgido em muitas ilhas como resultado deste isolamento evolutivo.

Sulawesi é a ilha mais estranha de todos eles. Essencialmente, todos os mamíferos terrestres da ilha, exceto os morcegos, não ocorrem em nenhum outro lugar na terra.

Sulawesi foi provavelmente onde os seres humanos primeiro colocados olhos sobre marsupiais (cuscuses).

A descoberta de ornamentos fabricados a partir de ossos e dentes de babirusas e urso cuscuses - duas das espécies endémicas mais características de Sulawesi - implica que o mundo simbólico dos recém-chegados mudou para incorporar essas criaturas nunca antes vistas.

Nossas escavações têm desenterrado milhares de ossos e dentes de animais, mas apenas uma pequena fração são de babirusas.


INFOGRAPHIC: Um osso de dedo perfurado e perfurado de um cuscus de urso. O buraco em uma extremidade do osso anteriormente tinha uma corda, enquanto marcas de desgaste no ornamento mostram que repetidamente esfregou contra a pele humana ou roupas. Estes sugerem que o osso perfurado foi suspenso para uso como um objeto de jóias "pendente" ou similar (Fornecido: Luke Marsden)
A quase ausência de babirusas da dieta de moradores da caverna, juntamente com o retrato desses animais em sua arte e o uso de suas partes do corpo como "jóias", sugere que essas criaturas raras e indescritíveis adquiriram um valor simbólico particular na cultura humana da Idade do Gelo .

Talvez os primeiros Sulawesianos sentiram uma forte ligação espiritual com esses estranhos mamíferos.

Esta interação social com a espécie nova de Wallacea é provável ter sido essencial à colonização humana inicial de Austrália com suas comunidades ricas sem precedente de faunas e de floras endémicos, incluindo muitas espécies de megafauna que estão agora extinct.

De fato, elementos das complexas relações espirituais entre humanos e animais que caracterizam as culturas aborígenes da Austrália podem muito bem ter suas raízes na passagem inicial das pessoas através de Wallacea e as primeiras experiências humanas da curiosa vida animal nessa região.

Adam Brumm é um Pesquisador Principal na Griffith University.

Michelle Langley é pesquisadora da DECRA na Griffith University.


Originalmente publicado em The Conversation

Nenhum comentário:

Postar um comentário