Google+ Followers

sábado, 29 de abril de 2017

Japan’s museums relaxing no-photos policy in keeping with smartphone realities. --- O Museu Yamatane of Art em Tóquio também permitiu fotografia em partes da instalação desde o Outono passado.

A growing number of museums in the country are looking to abandon their no-photos policy amid the rising popularity of smartphones and calls to conform to more liberal global practices.



While many famous museums overseas allow visitors to take photos, museums in Japan have long banned photography due partly to concerns about copyrights and safety.

However, some museum operators in the country have moved to ease regulations, encouraging people to share their photos on social media platforms to attract more visitors.

The National Art Center in Tokyo has allowed visitors to take photos in some parts of the facility for about two years, looking for “an advertising effect from visitors going on social media,” said Yusuke Minami, former deputy director at the museum.

In fact, the exhibition of renowned contemporary artist Yayoi Kusama being held at the museum is filled with people taking selfies and photos of displayed works.

To allow photography, however, the museum had to ensure copyright protections and maintain the safety of its visitors. It also had to make sure people taking pictures do not bother other visitors with camera flashes or by crowding in front of exhibits.

To protect copyrights, the museum obtained approval from the artists themselves or those who inherited copyrights after the death of the creator. It also decided to allow only the use of smartphones to take pictures, prohibiting other cameras.

The museum prohibits flash photography, and the use of selfie sticks and tripod stands, to ensure quality experiences for visitors and to avoid damage to the paintings from the intense light emitted by flashes.

Still, there have been cases where people taking photos have damaged works of art. A visitor taking a selfie at an exhibition held by Kusama in Washington in February accidentally damaged one of her pieces valued at nearly $800,000.

Minami said that if people taking photographs damage works of art, the costs would likely be covered by insurance. “It would be easier to entirely ban photography, but people can now download photos so easily on the internet,” he said, explaining why the National Art Center has opted to ease regulations.

The Yamatane Museum of Art in Tokyo has also allowed photography in parts of the facility since last autumn.

“As the museum isn’t that spacious, we only allow visitors to take pictures of certain artworks, considering the safety of people,” said Director Taeko Yamazaki.

The number of followers of the museum’s Twitter account surged after the end to the moratorium, exceeding 100,000 people last fall. Still, it is unclear whether it is because of the abolition of the no-photos policy.

Author Kyoko Nakano, who has written many books about art, welcomes the move and hopes that more museums in the country will follow suit given a declining interest in art by today’s young people.

“I think the move will encourage younger generations, who use social media, to visit museums more often,” Nakano said.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti



BY YUKI TAKAHASHI

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor google

Um número crescente de museus do país estão olhando para abandonar a sua política de não-fotos em meio à crescente popularidade dos smartphones e chamadas para estar em conformidade com mais práticas globais liberais.

Enquanto muitos famosos museus no exterior permitem que os visitantes para tirar fotos, museus no Japão há muito proibiu a fotografia em parte devido a preocupações sobre direitos autorais e de segurança.

No entanto, alguns operadores de museus no país se mudaram para aliviar regulamentos, encorajando as pessoas a partilhar as suas fotos em plataformas de mídia social para atrair mais visitantes.

O Centro Nacional de Arte em Tóquio permitiu visitantes para tirar fotos em algumas partes da instalação para cerca de dois anos, à procura de "um efeito de publicidade de visitantes indo em mídias sociais", disse Yusuke Minami, antigo vice-diretor do museu.

Na verdade, a exposição do renomado artista contemporâneo Yayoi Kusama sendo realizada no museu está cheio de pessoas tomando selfies e fotos dos trabalhos expostos.

Para permitir que a fotografia, no entanto, o museu tinha de garantir proteção de direitos autorais e manter a segurança de seus visitantes. Ele também teve de garantir que as pessoas tirando fotos não incomodar os outros visitantes com flashes ou aglomerando na frente de exposições.

Para proteger os direitos autorais, o museu obteve a aprovação dos próprios ou aqueles que herdou os direitos autorais após a morte do criador artistas. Ele também decidiu permitir apenas o uso de smartphones para tirar fotos, proibindo outras câmaras.

O museu proíbe a fotografia com flash, eo uso de bastão de selfie e estandes tripé, para garantir experiências de qualidade para os visitantes e para evitar danos às pinturas da luz intensa emitida por flashes.

Ainda assim, houve casos em que pessoas que tomam fotos tenham danificado obras de arte. Um visitante tomar um selfie em uma exposição realizada por Kusama em Washington em fevereiro danificado acidentalmente uma de suas peças no valor de quase US $ 800.000.

Minami disse que se as pessoas a tirar fotografias obras danos de arte, os custos provavelmente seria coberto pelo seguro. "Seria mais fácil para proibir totalmente a fotografia, mas as pessoas agora podem baixar fotos tão facilmente na internet", disse ele, explicando por que o Centro Nacional de Arte optou para aliviar regulamentos.

O Museu Yamatane of Art em Tóquio também permitiu fotografia em partes da instalação desde o Outono passado.

"Como o museu não é tão espaçosa, só permitem que os visitantes para tirar fotos de certas obras de arte, considerando a segurança das pessoas", disse o diretor Taeko Yamazaki.

O número de seguidores do Twitter conta do museu surgiu após o fim da moratória, superior a 100.000 pessoas no ano passado. Ainda assim, não está claro se é por causa da abolição da política de não-fotos.

Autor Kyoko Nakano, que escreveu muitos livros sobre arte, saúda o movimento e espera que mais museus no país vai seguir o exemplo dado um declínio no interesse arte por jovens de hoje.

"Acho que o movimento vai incentivar as gerações mais jovens, que usam mídia social, para visitar museus mais vezes", disse Nakano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário