Google+ Followers

domingo, 2 de abril de 2017

The Cultural Heritage Advisory Council approved in August 2012 the Cultural Complex of Bumba-meu-boi do Maranhão as Cultural Heritage of Brazil. --- O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural aprovou em agosto de 2012 o Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão como Patrimônio Cultural do Brasil.

Bumba my boi, boi-bumbá or pavulagem is a dance of popular Brazilian folklore, with human characters and fantastic animals, that revolves around the death and resurrection of an ox. A popular car (folguedo) found all over Brazil mainly in the North and Northeast regions. Also considered a pastoral self or drama that, traditionally, is represented in the open field or private residences, during the Christmas period, like survival of the medieval Christian festivities, in which the cult of the ox was made in homage to the birth of Christ.





The bumba feast my ox emerged in the northeast of the country. Thus legends were created, all without any historical foundation, but as many other Popular Dances are told and traverse generations lasting in Brazilian popular cultures.Its origin is linked to the livestock cycle, and in the state of Maranhão it presents its own characteristics in the State. There is held in commemoration of St. Anthony, St. Peter, St. John and St. Marcal.
"Bumba-meu-boi differentiated itself from other national forms, adopting its own ritualistic content, diversifying its styles and accents; Creating new forms of presentation, music, props and guiding their survival by popular taste, without, however, disrespecting the legend that gives rise to the self "(Gomes 2009 apud MARQUES, 1999)

The story unfolds from a self where central history is common to all groups, with few regional variations. It has its own cycle composed of the rehearsals, the birth (or rebirth) and the baptism of a new Ox, the public presentations and the death, to resurface next year.

The term Bumba-meu-boi, diverges opinions. For Gustavo Barrosos (1923), the expression "Bumba-meu-boi" means "zabumba, my ox" or "zumba is accompanying ox", because during the ox's display, the chorus that sings the chorus says: "ê Bumba, setting the pace in the zabumba. For Câmara Cascudo (1956), "Bumba" is the interjection "zás" which means: "Bate, chifra, meu boi".

This folguedo comes from a Luso-Iberian tradition of the sixteenth century, with other European influences such as that of the old Italian popular comedy, present in this farce with its improvised dialogues and their characters burlesque, and still under English influence with respect to the use of the mask And in the absence of the female element.

In the Northeast, the Bumba-meu-boi was born of the slaves and poor people aggregated from mills and farms, rural workers and hard offices in the cities, without female participation. Formed in the scenery of the leather cycle where the northeastern pastoral area was very developed, counting, mainly with the relevant role of the cowboy, the central character.




One of the legends surrounding its emergence says that the feast appeared in the State of Piauí, because the region where Piauí is today began to be populated by cowboys who came from Bahia in search of new pastures for cattle. However, the only known fact about the history of this feast is that of an episode in the period of Dutch domination in the state of Pernambuco, more precisely in Recife. This event is called the Flying Ox episode, and that from then on it would have evolved into a legend with a more elaborate story as it is today.

But it is in the state of Maranhão that the bumba my ox has been more valued throughout the northeast and from there, exported to the state of Amazonas under the name of boi-bumbá, visited annually by thousands of tourists who will visit the famous Folk Festival Of Parintins, made since 1913.

Nowadays, the essence of the legend links satire, comedy, tragedy and drama, and always shows the contrast between the fragility of man and the brute strength of an ox. This essence originated from the legend of Catirina and Father Francisco, of Northeastern origin. When it was taken to the North, it was adapted to the Amazonian reality, and reverenced the ox as if it were native to the Amazon forest (which is historically incorrect, since cattle are not native to the Americas), also exalting the joy, Synergy and strength of indigenous collective celebrations.

As it spreads throughout the country, my bumba acquires names, rhythms, forms of presentation, costumes, characters, instruments, props and different themes. In this way:

In Pernambuco it is called boi-calemba or bumbá;

In Maranhão, Rio Grande do Norte, Alagoas and Piauí is called bumba my ox;

In Ceará, it is an ox of kings, ox-surubim and ox-zumbi;

In Bahia, it is January-January, starfish, dromedary, and goldfish;

In Minas Gerais, Rio de Janeiro, Cabo Frio and Macaé (in Macaé, there is the famous Ox of Sadi) is bumba or folguedo-do-boi;

In the Holy Spirit he is an ox of kings;

In São Paulo, he is a boí da jacá and a boi-dance;

In Pará and Amazonas, it is boi-bumbá or pavulagem;

In Paraná, and Santa Catarina, it is ox-de-mourão or ox-of-papaya;

In Rio Grande do Sul it is bumba, boizinho, or boi-papão.


Plot

There are many stories about the legend of the ox. One of the best known is that involving a pair of blacks, Father Francisco (Chico) and Catirina, employees of a farm and an ox (the beloved calf of the farmer).


The story unfolds from the desire of Catirina, who is pregnant, has a desire to eat an ox tongue. Chico to satisfy the desire of his wife, steals the Ox to tear out the tongue and cook for his wife.

The farmer giving up his beloved bull calf, orders the cowboys and the Indians to look for him. When they find the Ox, they notice that he is sick.

The farmer to the knowledge of the disease of the ox calls the healer / shaman / doctor to cure him.

After many attempts, the ox is finally healed (resuscita), and the farmer, forgives Pai Chico and Catirina, ending the representation with a great party.




The manifestation presents great plasticity and great socio-political relevance, whose perpetuation until the present day is the justification of its functional permanence. In the form of a popular theater of the people and for the people, where races, social classes, yearnings, critiques, religiosity, fantasy, knowledge and ignorance of the real world and the supernatural intersect, in a constant parading of songs and dances in which the Participants live and relive the most fun and picturesque moments of their daily lives.

Characters

The characters of Bumba-meu-boi are classified into categories: human and fantastic animals, varying according to place may have different nomenclatures.

Human Characters

The most common human characters are:

Vaqueiro - representative figure of the sertão, dresses the character with doublet and leather hat;

Catirina - represents prostitution and is always a man dressed in black checked, wearing old clothes and scarf on the head;

Doctor, Curator or Priest - represent satirically the science, magic and religion, which are used to resuscitate the ox. These three elements dress according to profession;

Caretas or Papangus - represent a critique of the servitude of the Negro. They wear black robes (mask, carapinha, beret, etc.);

Farmer or Colonel - owner of the ox, which represents the domain of Mr. de Engenho. Usually uses a whip that represents the symbol of authority;

Galantes - are the very narrative of the theme. They sing and dance the praises without taking a direct part in the car. They usually wear silk costumes in vivid colors.

Animal Characters

Those that predominate are:

Burrinha - symbol of the work - is a hybrid composition, man and animal, formed by a framework in the form of burrinha;

Ema - symbol of sustenance - is a feathered frame, led by a boy;

Bode - symbol of sensual activities - is a cloth covering in the form of this animal, being used by an uninhibited element and gaiato;

Ox - a symbol of courage and haughtiness, which dies and resurrects, in a demonstration of the two opposing forces: good and evil. It is a light wooden frame covered with black or white cloth stained with black, all adorned with ribbons and mirrors to ward off the evils, which brings one or two men under its sash;

Jaraguá - which represents the supernatural and unknown world. It's a giraffe-shaped frame with horse's jaws, covered in vivid, impactful colors.

Presentation structure

The presentations are usually started with the presentation of each character, where each one has its moment and a characteristic song that obeys, in a general way, the form stanza-refrão.

The music

Now the musical sections are traditional, now they are modern taken advantage of the celebration of the people, the carnival. There are times when they are improvised, predominating the rhythms: march and baião.


The musical instruments are the most diverse and depend on the region where the bull is presented. Each one of them has its peculiar instruments: zabumba, triangle, tambourine, accordion, guitar, cavaquinho and, often, sax or clarinet. But, the real instrumental of the bumba-meu-boi is the one that composes what is called "Conjunto de Forró". In the Cariri area, this is often accompanied by the Cabaçal Band.

Tools


Oxen of predominantly indigenous influence, bulls, use the following instruments more:

Maracá: instrument made of tin, full of pellets or beads of Santa Maria. It is an instrument of both African and indigenous origin;

Matraca: made of wood, mainly pau d'arco, is played beating against each other;

Pandeirão: large tambourine, usually covered with goat leather. Some are more than 1 meter in diameter and about 10 cm in height. They are tuned to fire.

Drum ounce: It is a kind of cuica, it is played by pulling a stick that is attached to the leather and inside the instrument. It mimics the howling of the ox, or the ounce.

The oxen of zabumba mainly use:

Tamborinho: small drum covered with animal hide. The most common is to use agouti leather. It is touched with the fingertips.

Drum Ounce: It's a kind of cuicca. It is touched by pulling a rod that is attached to the leather inside the instrument;

Zabumba: is a great drum, also known as bass drum, is a typical African instrument;

Drum of Fire: made of a log of wood covered by fire and covered with a raw hide of ox, attached to the log by studs. It is a typically African instrument;

The Bois de Orquestra have a very varied instrumentation, using wind instruments such as saxophones, trombones, clarinets and pistons; Banjos, drums and tarols, and also mara.

The dance


The choreography appears as follows: the gallants form two strings, one on either side of the stage, while the figures are presented in order of entry with dances and varied steps, according to the rhythm.

The dance composes the whole space of the presentation, which is done with singing, dialogue and dance.

Through the improvisation of verses, used to mock some of the present, offering them what is of less importance (the parts of the ox) and that even provokes laughter in the audience: horns, tongue, gut, tail, etc.

After the resurrection of the ox, all sing, dance and say goodbye to the public.

Parintins Festival

Considered one of the largest regional festivals in the country, the Parintins Festival does not happen during carnival, but it can be compared to the great carnival events that take place in Brazil, because of its importance and grandeur. Present in the official calendar of events of or Parintins since 1965, the event is repeated every June. The name of the festival originates from the place where it happens, the Island of Parintins, 420 kilometers from Manaus.

During the festival an almost centenary rivalry is represented between two groups that staged in the streets of Parintins the folklore of the boi-bumbá.

Each of the oxen staged the legend in their own way

The guaranteed ox, founded in 1913, was the first to stage. It is the most popular of the groups and its color is red.

Nine years later the ox was founded Galante, that would be called Caprichoso from 1925. Its color is the blue that represents the Amazonian elite.

Until the year 1987, the dispute between the oxen happened in the center of Parintins. The following year an arena was built, to which the presentations were transferred. Today, the event receives about one hundred thousand people in the "bumbódromo" in the three nights of dispute. Unlike what happens in the sambodromos, only 5% of the bumbódromo tickets are sold, the remainder is distributed free to the cheers of the oxen.

The Toadas

The predominant rhythm is called Toada. The toadas are songs that generally reflect the regional peculiarities of Brazil, that is, it is not an exclusively Amazonian rhythm. It can be composed of melodies of various types: simple, sometimes tearful and sad, sometimes alacre and bumpy, sometimes comical or satirical. In general, toadas are not romanticized, but they have stanzas and choruses. Until the end of the 80's, in the Amazon, the toadas were songs whose lyrics exalted the boi and cabocla parintinense culture.


In the 90's, the indigenous theme that was successfully introduced in Boi Bumbá de Parintins, gained strength, especially with the advent of indigenous rituals, which became the highlight of the Festival.

With the success of such toadas, the public of the capital, Manaus, adopted the toada as a symbol of the Amazonian culture.

The parade

About three thousand and five hundred members of each bull parade by night, divided into 30 tribes (a kind of samba school wing). Each ox has a master of ceremonies, which tells the plot and the allegories.

The Guaranteed and the Whimsical parade for three nights, in performances that last two and a half hours. The choreographies of the oxen are rehearsed for six months in the "corrals", spaces equivalent to the samba school blocks.

In Parintins, each ox presents about twenty toadas - songs of simple melody on the legend of the boi-bumbá - accompanied by a drum composed of approximately five hundred musicians. The allegories are pushed by people and can reach 40 meters in length and 12 meters in height.

Patrimony

The Cultural Heritage Advisory Council approved in August 2012 the Cultural Complex of Bumba-meu-boi do Maranhão as Cultural Heritage of Brazil. The proposal was presented in 2008 to the Institute of National Historical and Artistic Heritage - Iphan by the Interinstitutional Commission of Work, composed by the Iphan Regional Superintendence and the current Iphan Superintendence in Maranhão, State Secretariat of Culture, Municipal Cultural Foundation, Maranhense Commission Of Folklore, Research Group of Religion and Popular Culture of UFMA, representatives of the Groups of Bumba-meu-boi of the Accents of the Baixada, Matraca, Zabumba, Coast-of-hand, Orchestra and of Oxen Alternatives.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Author: Massuel dos Reis Bernardi


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







999999999999999

Bumba meu boi.

Autor: Massuel dos Reis Bernardi

Bumba meu boi, boi-bumbá ou pavulagem é uma dança do folclore popular brasileiro, com personagens humanos e animais fantásticos, que gira em torno da morte e ressurreição de um boi. Um auto popular (folguedo) encontrado em todo o Brasil principalmente nas regiões Norte e Nordeste. Também considerado um auto ou drama pastoril que, por tradição, é representado em campo aberto ou residências particulares, durante o período natalino, como sobrevivência das festividades cristãs medievais, em que o culto do boi se fazia em homenagem ao nascimento de Cristo.

A festa do bumba meu boi surgiu no nordeste do país. Assim foram criadas lendas, todas sem qualquer fundamento histórico, mas como muitas outras Danças Populares são contadas e atravessam gerações perdurando nas culturas populares brasileiras.

Sua origem está ligada ao ciclo do gado, e no estado do Maranhão apresenta-se com características próprias no Estado. Lá é realizado em comemoração á Santo Antônio, São Pedro, São João e São Marçal.

“o Bumba-meu-boi diferenciou-se das demais formas nacionais, adotando um conteúdo ritualístico próprio, diversificando seus estilos e sotaques; criando novas formas de apresentação, de músicas, de adereços e pautando sua sobrevivência pelo gosto popular, sem, no entanto, desrespeitar a lenda que dá origem ao auto” (GOMES 2009 apud MARQUES,1999)

A história se desenvolve a partir de um auto onde a história central é comum a todos os grupos, com poucas variações regionais. Possui um ciclo próprio composto pelos ensaios, o nascimento (ou renascimento) e o batismo de um novo Boi, as apresentações públicas e a morte, para então ressurgir no próximo ano.

O termo Bumba-meu-boi, diverge opiniões. Para Gustavo Barrosos (1923), a expressão “Bumba-meu-boi” significa “zabumba, meu boi” ou “o zabumba está te acompanhando boi”, porque durante a exibição do boi, o coro que canta o estribilho diz: “ê bumba, marcando o ritmo no zabumba. Para Câmara Cascudo (1956), “Bumba” é a interjeição “zás” que significa: “Bate, chifra, meu boi”.

Este folguedo vem de uma tradição luso-ibérica do século XVI, com outras influências europeias como a da antiga comédia popular italiana, presente nesta farsa com seus diálogos improvisados e seus personagens burlescos, e ainda sob influência inglesa no que diz respeito ao uso da máscara e na ausência do elemento feminino.

No Nordeste, o Bumba-meu-boi nasceu dos escravos e pessoas pobres agregadas dos engenhos e fazendas, trabalhadores rurais e de árduos ofícios nas cidades, sem a participação feminina. Formado no cenário do ciclo do couro onde a área pastoril nordestina era bastante desenvolvida, contando, principalmente com o papel relevante do vaqueiro, o personagem central.

Uma das lendas em torno de seu surgimento diz que a festa surgiu no Estado do Piauí, pois a região onde hoje se situa o Piauí começou a ser povoada por vaqueiros que vinham da Bahia em busca de novas pastagens para o gado. Porém, o único fato conhecidamente certo sobre a história do surgimento dessa festa é o de um episódio ocorrido no período da dominação holandesa no estado de Pernambuco, mais precisamente em Recife. Esse acontecimento é denominado de episódio do Boi Voador, e que, a partir dai, teria evoluído para uma lenda com uma história mais elaborada tal como é hoje.

Mas é no Estado do Maranhão que o bumba meu boi tem sido mais valorizado em todo o nordeste e, dali, exportado para o Estado do Amazonas com o nome de boi-bumbá, visitado anualmente por milhares de turistas que vão conhecer o famoso Festival Folclórico de Parintins, realizado desde 1913.

Atualmente, a essência da lenda enlaça a sátira, a comédia, a tragédia e o drama, e demonstra sempre o contraste entre a fragilidade do homem e a força bruta de um boi. Esta essência se originou da lenda de Catirina e Pai Francisco, de origem nordestina. Ao ser levada para a região Norte, sofreu adaptação à realidade amazônica, e faz reverência ao boi como se esse fosse nativo da floresta Amazônica (o que é historicamente incorreto, pois o gado bovino não é nativo das Américas), também exaltando a alegria, sinergia e força das festas coletivas indígenas.

Ao espalhar-se pelo país, o bumba meu boi adquire nomes, ritmos, formas de apresentação, indumentárias, personagens, instrumentos, adereços e temas diferentes. Dessa forma:

Em Pernambuco é chamado boi-calemba ou bumbá;

No Maranhão, Rio Grande do Norte, Alagoas e Piauí é chamado bumba meu boi;

No Ceará, é boi de reis, boi-surubim e boi-zumbi;

Na Bahia, é boi-janeiro, boi-estrela-do-mar, dromedário e mulinha-de-ouro;

Em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Cabo Frio e Macaé (em Macaé, há o famoso boi do Sadi) é bumba ou folguedo-do-boi;

No Espírito Santo é boi de reis;

Em São Paulo é boi de jacá e dança-do-boi;

No Pará e Amazonas, é boi-bumbá ou pavulagem;

No Paraná, e Santa Catarina, é boi-de-mourão ou boi-de-mamão;

No Rio Grande do Sul é bumba, boizinho, ou boi-mamão.

Enredo

Existem muitas histórias sobre a lenda do boi. Uma das mais conhecidas é a que envolve um casal de negros, Pai Francisco (Chico) e Catirina, empregados de uma fazenda e um boi (o novilho querido do fazendeiro).


A história se desenrola a partir do desejo de Catirina, que grávida, tem desejo de comer língua de boi. Chico para satisfazer o desejo de sua mulher, rouba o Boi para arrancar a língua e cozinhar para sua esposa.

O fazendeiro dando por falta do seu boi novilho querido, ordena que os vaqueiros e os índios o procurem. Estes ao encontrarem o Boi, notam que ele está doente.

O fazendeiro ao saber da doença do boi chama o curandeiro/pajé/médico para curá-lo.

Após muitas tentativas, o boi finalmente é curado (ressuscita), e o fazendeiro, perdoa Pai Chico e Catirina, encerrando a representação com uma grande festa.

A manifestação apresenta grande plasticidade e grande relevância sócio-política, cuja perpetuação até os dias de hoje é a justificativa de sua permanência funcional. Sob o formato de um teatro popular do povo e para o povo, onde se entrecruzam raças, classes sociais, anseios, críticas, religiosidade, fantasia, conhecimento e desconhecimento do mundo real e do sobrenatural, num desfilar constante de cantos e danças nos quais os participantes vivem e revivem os momentos mais divertidos e pitorescos da sua vida cotidiana.

Personagens

Os personagens do Bumba-meu-boi são classificados em categorias: humanos e animais fantásticos, variando conforme o lugar podem ter nomenclaturas diversas.

Personagens Humanos

Os personagens humanos mais comuns são:

Vaqueiro – figura representativa do sertão, veste-se a caráter com gibão e chapéu de couro;

Catirina – representa a prostituição e é sempre um homem travestido de negra despachada, usando roupa velha e lenço na cabeça;

Doutor, Curador ou Padre – representam de maneira satírica a ciência, a magia e a religião, às quais se recorrem a fim de ressuscitar o boi. Estes três elementos se vestem de acordo com a profissão;

Caretas ou Papangus – representam uma crítica à servidão do negro. Usam trajes de negrinhos (máscara, carapinha, boina, etc.);

Fazendeiro ou Coronel – dono do boi, que representa o domínio do senhor de Engenho. Usa geralmente uma chibata que representa o símbolo da autoridade;

Galantes – são a própria narrativa do tema. Cantam e dançam as loas sem tomarem parte direta no auto. Vestem geralmente trajes de seda, em cores vivas.

Personagens Animais

Os que predominam são:

Burrinha – símbolo do trabalho – é uma composição híbrida, homem e animal, formada por um arcabouço em forma de burrinha;

Ema – símbolo do sustento – é uma armação coberta de penas, conduzida por um garoto;

Bode – símbolo das atividades sensuais – é uma coberta de pano na forma desse animal, sendo usada por um elemento desinibido e gaiato;

Boi – símbolo da coragem e da altivez, que morre e ressuscita, numa demonstração das duas forças antagônicas: o bem e o mal. É uma armação de madeira leve, coberta de tecido preto ou branco manchado de preto, todo adornado de fitas e espelhinhos para afugentar os males, que traz um ou dois homens sob seu arcabouço;

Jaraguá – que representa o mundo sobrenatural e desconhecido. É uma armação em forma de girafa com queixada de cavalo, coberta com cores vivas e que causam impacto.

Estrutura de apresentação

As apresentações, geralmente são iniciadas com a apresentação de cada personagem, onde cada um tem seu momento e uma música característica que obedece, de um modo geral, à forma estrofe-refrão.

A Música

Ora os trechos musicais são tradicionais, ora são modernos aproveitados da festa do povo, o carnaval. Vezes há em que são improvisados, predominando os ritmos: marcha e baião.


Os instrumentos musicais são os mais diversos e dependem da região onde se apresenta o boi. Cada uma delas tem seus instrumentos peculiares: zabumba, triângulo, pandeiro, sanfona, violão, cavaquinho e, muitas vezes, sax ou clarineta. Mas, o verdadeiro instrumental do bumba-meu-boi é aquele que compõe o que se chama “Conjunto de Forró”. Na zona do Cariri, este é muitas vezes acompanhado pela Banda Cabaçal.

Instrumentos

Os bois de influência predominantemente indígena, bois de matraca, utilizam mais os seguintes instrumentos:

Maracá: instrumento feito de lata, cheio de chumbinhos ou contas de Santa Maria. É um instrumento de origem tanto africana como indígena;

Matraca: feita de madeira, principalmente pau d'arco, é tocada batendo-se uma contra a outra;

Pandeirão: pandeiro grande, coberto geralmente de couro de cabra. Alguns têm mais de 1 metro de diâmetro e cerca de 10 cm de altura. São afinados a fogo.

Tambor onça: É uma espécie de cuíca, toca-se puxando uma vareta que fica presa ao couro e dentro do instrumento. Imita o urro do boi, ou da onça.

Os bois de zabumba utilizam principalmente:

Tamborinho: pequeno tambor coberto de couro de bicho. O mais comum é usar couro de cutia. É tocado com a ponta dos dedos.

Tambor Onça: É uma espécie de cuíca. Toca-se puxando uma vareta que fica presa ao couro dentro do instrumento;

Zabumba: é um grande tambor, conhecido também como bumbo, é um instrumento tipicamente africano;

Tambor de Fogo: feito de uma tora de madeira ocada a fogo e coberto por um couro cru de boi preso à tora por cravelhas. É um instrumento tipicamente africano;

Os Bois de Orquestra têm instrumentação muito variada, utilizam instrumentos de sopro como saxofones, trombones, clarinetas e pistões; banjos, bumbos e taróis, e também mara.

A Dança

A coreografia se apresenta da seguinte maneira: os galantes formam dois cordões, um de cada lado do cenário, enquanto as figuras vão se apresentando por ordem de entrada com danças e passos variados, de acordo com o ritmo.

A dança compõe todo o espaço da apresentação, o que é feito com canto, diálogo e dança.

Através da improvisação de versos, aproveitados para ironizar alguns dos presentes, oferecendo-lhes o que há de menor importância (as partes do boi) e que chega a provocar gargalhadas na plateia: chifres, língua, tripa, rabo, etc.

Após a ressurreição do boi, todos cantam, dançam e se despedem do público.

Festival de Parintins

Considerado uma das maiores festas regionais do país, o Festival de Parintins não acontece durante o carnaval, mas pode ser comparada às grandes manifestações carnavalescas que acontecem pelo Brasil, por sua importância e grandiosidade. Presente no calendário oficial de eventos de ou Parintins desde 1965, o evento se repete todo mês de junho. O nome do festival é originário do lugar onde ela acontece, a Ilha de Parintins, a 420 quilômetros de Manaus.

Durante o festival é representada uma rivalidade quase centenária entre dois grupos que encenavam nas ruas de Parintins o folclore do boi-bumbá.

Cada um dos bois encenam a lenda à sua maneira

O boi Garantido, fundado em 1913, foi o primeiro a encenar. É o mais popular dos grupos e sua cor é a vermelha.

Nove anos depois foi fundado o boi Galante, que viria a se chamar Caprichoso a partir de 1925. Sua cor é o azul que representa a elite amazonense.

Até o ano de 1987, a disputa entre os bois aconteciam no centro de Parintins. No ano seguinte foi construído uma arena, para onde as apresentações foram transferidas. Hoje, o evento recebe cerca de cem mil pessoas no "bumbódromo" nas três noites de disputa. Diferente do que acontece nos sambódromos, apenas 5% dos ingressos do bumbódromo são vendidos, o restante é distribuído de graça para as torcidas dos bois.

As Toadas

O ritmo predominante se chama Toada. As toadas são cantigas que em geral refletem as peculiaridades regionais do Brasil, ou seja, não se trata de um ritmo exclusivamente amazonense. Pode ser composto por melodias de diversos tipos: simples, ora chorosa e triste, ora álacre e buliçosa, ora cômica ou satírica. Em geral, as toadas não são romanceadas, mas possuem estrofes e refrãos. Até o final dos anos 80, no Amazonas, as toadas eram músicas cujas letras exaltavam o boi e a cultura cabocla parintinense.


Na década de 90, a temática indígena que foi introduzida com sucesso no Boi Bumbá de Parintins, ganhou mais força, principalmente com o advento dos rituais indígenas, que se tornaram o ponto alto do Festival.

Com o sucesso de tais toadas, o público da capital, Manaus, adotou a toada como símbolo da cultura amazonense.

O Desfile

Cerca de três mil e quinhentos integrantes de cada boi desfilam por noite, divididos em 30 tribos (uma espécie de ala de escola de samba). Cada boi possui um mestre de cerimônias, que narra o enredo e as alegorias.

O Garantido e o Caprichoso desfilam por três noites, em apresentações que duram duas horas e meia. As coreografias dos bois são ensaiadas durante seis meses nos "currais", espaços equivalentes às quadras de escolas de samba.

Em Parintins, cada boi apresenta cerca de vinte toadas - canções de melodia simples sobre a lenda do boi-bumbá - acompanhados por uma bateria composta por aproximadamente quinhentos músicos. As alegorias são empurradas por pessoas e podem chegar a 40 metros de comprimento e 12 metros de altura.

Patrimônio

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural aprovou em agosto de 2012 o Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão como Patrimônio Cultural do Brasil. A proposta de foi apresentada em 2008 ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan pela Comissão Interinstitucional de Trabalho, composta pela Superintendência Regional do Iphan e atual Superintendência do Iphan no Maranhão, Secretaria de Estado de Cultura, Fundação Municipal de Cultural, Comissão Maranhense de Folclore, Grupo de Pesquisa Religião e Cultura Popular da UFMA, representantes dos Grupos de Bumba-meu-boi dos Sotaques da Baixada, Matraca, Zabumba, Costa-de-mão, Orquestra e de Bois Alternativos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário