Google+ Followers

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Archaeologist mourns upcoming loss of 'state-of-the-art' lab in Dartmouth. --- Arqueólogo lamenta a próxima perda do laboratório "state-of-the-art" em Dartmouth.

Jonathan Fowler hoped Trudeau government would reverse decision to close 'purpose-built' archaeology facility

As any archaeologist will tell you, you can't ignore the past. 


 Professionals and students from across Atlantic Canada 
make regular use of the laboratory. (Stephanie vanKampen/CBC News)

Unfortunately for human history buffs in Atlantic Canada, a decision by the previous federal government to scrap a "state-of-the-art" archaeology lab in Nova Scotia just won't go away, despite hopes that a change in government would bury it for good.

In 2012, Parks Canada announced it would merge six archaeology labs from across the country into one, and consolidate their collections in a new facility in Gatineau, Que. just outside of Ottawa.

At the time, Mi'kmaq and Acadian groups — as well as numerous academics and researchers from Atlantic Canada — expressed their concerns with the decision, especially given that the custom-built lab in Dartmouth, N.S., had just opened three years earlier.

They were under the impression the plan "was finally dead" when Trudeau's Liberal government was voted in, said Jonathan Fowler, archaeologist at Saint Mary's University, "but it's back. Or maybe it had never left."

A range of colonial-era artifacts recovered by Saint Mary’s University 
students and members of the public during archaeological 
excavations at Grand-Pré National Historic Site 
in 2010. (Jonathan Fowler)

The rationale

Audrey Champagne, a media relations officer with Parks Canada, said in an email the relocation plan is the best way to ensure the "maintenance and security" of its artifact collection.

Many of the storage facilities currently in use across the country are aging, she said, and require "significant investments" to bring them up to standard.

Champagne estimates approximately 60 per cent of the collection "is currently under threat" due to environmental conditions at the facilities as well as security concerns.

She said the move, which is scheduled to begin in 2018 and be completed by 2020, will cost approximately $45 million. No jobs will be eliminated, Champagne said.

Members of the Nova Scotia Archaeology Society touring 
the conservation laboratory in the Dartmouth facility in May, 
2017. (Vanessa Smith)


'Too late'

Fowler, past president of the Nova Scotia Archaeology Society, said he doesn't think many members of parliament from this region are aware of the relocation plans.

An 18th century clay pipe recovered from a recent excavation. 
Pipe such as these provide excellent evidence for 
dating archaeological sites. (Jonathan Fowler)


He added he's keen to let them know how "damaging" this move will be when it comes to the capacity of local people to "tell our stories here."

Where to store a million artifacts? Nova Scotia's past poses present problem

Bill Casey, the Liberal MP for Cumberland-Colchester said he met with Minister of Environment Catherine McKenna approximately one week ago to voice his concerns.

But "it may be too late" to save the Nova Scotia lab, he said.

Access to Mi'kmaq artifacts

It's a "backward thing to do in today's Canada," Fowler said, at a time when many of us are "trying to come to grips with the consequences of our colonial history."

To remove Indigenous and Acadian artifacts from the region — and remove "reasonable access" to those artifacts — is "ethically problematic," he said.

Grand Pre to host big celebration of Mi'kmaq-Acadian bond this summer

Chief Wilbert Marshall with the Potlotek First Nation said in an email that he is in "formal" consultations with Parks Canada about the relocation plans, in his capacity as head of the culture, heritage and archaeology portfolio for the Assembly of Nova Scotia Mi'kmaq Chiefs. 

The collections "are significant, non-renewable and sacred parts of our cultural property," he said, and they "should not be moved from our traditional territory." 

'Problematic' loans system

Marshall emphasized that his goal in the negotiations is to find a way to continue to care for Indigenous archaeological materials and records right here in Atlantic Canada.

View of the interior of the archaeology lab showing 
part of the archaeological collection in storage. 
The collection is comprised of over 1 million artifacts
from Atlantic Canadian archaeological sites. 
( Nova Scotia Archaeology Society)

Champagne said Parks Canada is committed to finding "innovative" ways to accommodate Indigenous groups, including a loans system or transfer of title in some cases.

Nova Scotian archeologists dig deep to help buildings go up

Fowler said Parks Canada's promise of a loan system is "problematic" because of the inefficiency of the process, the staff required to coordinate the program, and the possibility of damage to the artifacts through shipping.

'Beautiful' facility

The Parks Canada archaeology facility in Dartmouth was "purpose-built" in 2009 to house Atlantic Canada's archaeological and historical objects collections, Fowler said, alongside a "really beautiful" conservation laboratory.

The "state-of-the-art" facility may be "the best of its kind" in the country, Fowler said, and it's "among the better archaeological labs internationally."

Champagne says Parks Canada is preparing to terminate its lease at the facility in 2020, once the artifacts have been moved.

'Rescue archeology' needed to save 300-year-old Louisbourg burial ground






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti




Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
Arqueólogo lamenta a próxima perda do laboratório "state-of-the-art" em Dartmouth.

Jonathan Fowler esperava que o governo Trudeau revertava a decisão de fechar instalações de arqueologia "construídas especificamente"

Como qualquer arqueólogo lhe dirá, você não pode ignorar o passado.

Infelizmente para os amantes da história humana no Canadá atlântico, uma decisão do governo federal anterior de destruir um laboratório de arqueologia "state-of-the-art" na Nova Scotia simplesmente não vai embora, apesar das esperanças de que uma mudança no governo o enterre para o bem.

Em 2012, a Parcs Canada anunciou que iria fundir seis laboratórios de arqueologia de todo o país em um deles e consolidar suas coleções em uma nova instalação em Gatineau, Que. Apenas fora de Ottawa.

Na época, os grupos Mi'kmaq e Acadianos - bem como numerosos acadêmicos e pesquisadores do Canadá Atlântico - expressaram suas preocupações com a decisão, especialmente porque o laboratório customizado em Dartmouth, N.S., acabara de abrir três anos antes.

Eles estavam sob a impressão de que o plano "estava finalmente morto" quando o governo liberal de Trudeau foi eleito, disse Jonathan Fowler, arqueólogo da Universidade de Santa Maria, "mas está de volta. Ou talvez nunca tenha saído".

O raciocínio

Audrey Champagne, um oficial de relações com Parques Canadá, disse em um e-mail que o plano de deslocalização é a melhor maneira de garantir a "manutenção e segurança" de sua coleção de artefatos.

Muitas das instalações de armazenamento atualmente em uso em todo o país estão envelhecendo, ela disse, e exigem "investimentos significativos" para levá-los ao padrão.

Champagne estima que aproximadamente 60 por cento da coleção "está atualmente ameaçada" devido a condições ambientais nas instalações, bem como preocupações de segurança.

Ela disse que o movimento, que está programado para começar em 2018 e concluído até 2020, custará aproximadamente US $ 45 milhões. Nenhum emprego será eliminado, disse Champagne.

'Muito tarde'

Fowler, ex-presidente da Nova Scotia Archaeology Society, disse que não acredita que muitos deputados da região conheçam os planos de deslocalização.

Ele acrescentou que ele está ansioso para que eles saibam como "prejudicial" esse movimento será quando se trata da capacidade das pessoas locais de "contar nossas histórias aqui".

Onde armazenar um milhão de artefatos? O passado da Nova Escócia apresenta problema presente

Bill Casey, o deputado liberal de Cumberland-Colchester, disse que se encontrou com o ministro da Meio Ambiente, Catherine McKenna, aproximadamente uma semana antes, para expressar suas preocupações.

Mas "pode ​​ser muito tarde" para salvar o laboratório da Nova Escócia, disse ele.

Acesso aos artefatos Mi'kmaq

É uma "coisa atrasada no Canadá de hoje", disse Fowler, em um momento em que muitos de nós estão "tentando enfrentar as conseqüências da nossa história colonial".

Eliminar os artefactos indígenas e acadianos da região - e remover "acesso razoável" a esses artefatos - é "éticamente problemático", disse ele.

Grand Pre para hospedar uma grande celebração do laço Mi'kmaq-Acadian este verão

O chefe Wilbert Marshall, da Primeira Nação de Potlotek, disse em um e-mail que ele estava em consultas "formais" com o Paraguaio Canadá sobre os planos de deslocalização, na qualidade de chefe do portfólio de cultura, patrimônio e arqueologia da Assembléia da Nova Escócia Mi'kmaq Chiefs.

As coleções "são partes significativas, não renováveis ​​e sagradas de nossa propriedade cultural", disse ele, e eles "não devem ser transferidos de nosso território tradicional".

Sistema de empréstimos "problemáticos"

Marshall enfatizou que seu objetivo nas negociações é encontrar uma maneira de continuar a cuidar dos materiais e registros arqueológicos indígenas aqui no Canadá Atlântico.

A Champagne disse que a Parques tem o compromisso de encontrar maneiras "inovadoras" de acomodar grupos indígenas, incluindo um sistema de empréstimos ou transferência de títulos em alguns casos.

Os arqueólogos da Nova Escócia cavam profundamente para ajudar os edifícios a subir

Fowler disse que a promessa de Parques Canadá de um sistema de empréstimo é "problemática" por causa da ineficiência do processo, a equipe necessária para coordenar o programa e a possibilidade de danos aos artefatos através do transporte marítimo.

Instalação "bonita"

A instalação de arqueologia de Parcs Canada em Dartmouth foi "construída especificamente" em 2009 para abrigar coleções de objetos arqueológicos e históricos do Canadá atlântico, disse Fowler, ao lado de um laboratório de conservação "muito bonito".

A facilidade "state-of-the-art" pode ser "o melhor do seu tipo" no país, Fowler disse, e é "entre os melhores laboratórios arqueológicos internacionalmente".

A Champagne diz que a Parques do Canadá está se preparando para encerrar seu contrato de arrendamento nas instalações em 2020, uma vez que os artefatos foram movidos.

"Arqueologia de resgate" necessária para salvar um funeral de Louisbourg de 300 anos de idade

Nenhum comentário:

Postar um comentário