Google+ Followers

domingo, 28 de maio de 2017

Exhibition reveals evidence of the last battle for Jerusalem from 2,000 years ago. --- Exposição revela evidências da última batalha para Jerusalém de 2.000 anos atrás.

On the occasion of Jerusalem Day and the jubilee celebrations commemorating the reunification of the city, the Israel Antiquities Authority and the Nature and Parks Authority are unveiling evidence from 2,000 year ago of the battle of Jerusalem on the eve of the destruction of the Second Temple, at the City of David in the Jerusalem Walls National Park. Arrowheads and stone ballista balls were discovered on the main street that ascended from the city’s gates and the Pool of Siloam to the Temple, which was excavated in recent years with funding provided by the City of David Society (Elad). These finds tell the story of the last battle between the Roman forces and the Jewish rebels who had barricaded themselves in the city, a battle that resulted in the destruction of Jerusalem. This battle is described by the historian Flavius Josephus: "On the following day the Romans, having routed the brigands from the town, set the whole on fire as far as Siloam" (Josephus, Wars, Book 6:363) 



Moran Hgabi, from the Israel Antiquities Authority and the Nature and Parks Authority, shows artefacts found at the 2,000 year old "Second Temple Period Street" discovered in the David City located in the Palestinian neighbourhood of Silwan, outside the southern part of Jerusalem's Old City, on May 25, 2017. Israel Antiquities Authority and the Nature and Parks Authority are unveiling evidence from 2,000 year ago of the battle of Jerusalem following the destruction of the Second Temple, at the City of David in the Jerusalem Walls National Park. MENAHEM KAHANA / AFP.

According to Nahshon Szanton and Moran Hagbi, the directors of the excavation on the stepped-street on behalf of the Israel Antiquities Authority, “Josephus’ descriptions of the battle in the lower city come face-to-face for the first time with evidence that was revealed in the field in a clear and chilling manner. Stone ballista balls fired by catapults used to bombard Jerusalem during the Roman siege of the city, were discovered in the excavations. Arrowheads, used by the Jewish rebels in the hard-fought battles agains the Roman legionnaires were found exactly as described by Josephus." 

So far, a section of the road c. 100 m long and 7.5 m wide, paved with large stone slabs as was customary in monumental construction throughout the Roman Empire, has been exposed in the excavations. The archeological excavations on the street utilize a combination of advanced and pioneering research methods, the results of which so far strengthen the understanding that Herod the Great was not solely responsible for the large construction projects of Jerusalem at the end of the Second Temple period. Recent research indicates that the street was built after Herod’s reign, under the auspices of the Roman procurators of Jerusalem, and perhaps even during the tenure of the Roman governor Pontius Pilate, who is also known for having sentenced Jesus to death by crucifixion. 

According to the exacvation's directors, Szanton and Hagbi, , "This conclusion in fact sheds new light on the history of Jerusalem in the late Second Temple Period, and reinforces recognition of the importance of the Roman procurators’ rule in shaping the character of Jerusalem". 

“Two thousand years after the destruction of Jerusalem and fifty years since its liberation”, the archaeologists added, “we are going back to the water cisterns, the market and the city square on the eve of its destruction. Naomi Shemer certainly never dreamed of re-discovering Jerusalem in the days of the Second Temple”. 

According to Dr. Yuval Baruch, the Jerusalem region archaeologist for the Israel Antiquities Authority, "We intend to uncover the entire length and width of the street within five years, and thereby complete the excavation of this unique site which had already drawn the attention of archaeologists from around the world about one hundred years ago. In fact, one can consider the current excavations in the City of David a natural continuation of the previous archaeological excavations of the site, which were begun in the past by European and American scholars. About four years ago archeological excavations were renewed along the street, this time in order to expose its full length and width”. Baruch added, “When the excavations are completed, the remains of the street will be conserved and developed and made ready to receive the tens of thousands of visitors who will walk along it”.


In recognizing the importance of the site and the finds, IAA researchers chose to utilize advanced cutting-edge research methods from the fields of natural science, biology and geology in their excavations. A combination of these advanced techniques makes the excavation of the stepped-street in the City of David exceptional in its scientific quality and importance in the development of archaeological research in Jerusalem and Israel in general, and they enable researchers to address questions that have not yet been studied. The current excavations also focus on exposing the area adjacent to the street, and the shops that were alongside it. Finds revealed in the excavations will allow researchers to answer such intriguing questions as: What did the main street that led to the Temple look like? What was the urban nature of the Lower City that extended on either side of the magnificent road? What did they eat in Jerusalem during the difficult siege, etc.? In order to answer these questions, a multidisciplinary study is being conducted, as well as careful wet sifting at the sifting site in the Zurim Valley National Park, where even the smallest finds are collected. 

It seems that it will not be long before it will be possible for the first time to walk along one of the main streets of ancient Jerusalem, to see how it looked, and receive answers to fascinating historical questions that have been asked for 100 years relating to the history of Jerusalem from the time of the Second Temple, at the height of its splendor, and from the moments of its destruction.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://artdaily.com/news/96206/Exhibition-reveals-evidence-of-the-last-battle-for-Jerusalem-from-2-000-years-ago-#.WStU7-vyvcs

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google

Exposição revela evidências da última batalha para Jerusalém de 2.000 anos atrás.

Moran Hgabi, da Autoridade de Antiguidades de Israel e da Autoridade de Natureza e Parques, mostra artefatos encontrados na "Rua do Segundo Templo" de 2.000 anos de idade descoberta na Cidade de David localizada no bairro palestino de Silwan, na parte sul da Cidade Velha de Jerusalém , Em 25 de maio de 2017. Autoridade de Antiguidades de Israel ea Autoridade de Natureza e Parques estão revelando evidência de 2.000 anos atrás da batalha de Jerusalém após a destruição do Segundo Templo, na Cidade de David no Parque Nacional de Paredes de Jerusalém. MENAHEM KAHANA / AFP.

Por ocasião do Dia de Jerusalém e das comemorações do jubileu que comemoram a reunificação da cidade, a Autoridade de Antiguidades de Israel ea Autoridade de Natureza e Parques estão revelando evidências de 2.000 anos atrás da batalha de Jerusalém na véspera da destruição do Segundo Templo, Na cidade de David no parque nacional das paredes de Jerusalem. Setas e bolas de pedra foram descobertas na rua principal que subiu dos portões da cidade e da Piscina de Siloé para o Templo, que foi escavado nos últimos anos com financiamento fornecido pela Cidade de David Society (Elad). Esses achados contam a história da última batalha entre as forças romanas e os rebeldes judeus que se haviam barricado na cidade, uma batalha que resultou na destruição de Jerusalém. Esta batalha é descrita pelo historiador Flávio Josefo: "No dia seguinte, os romanos, tendo expulsado os bandidos da cidade, incendiaram tudo até Siloé" (Josephus, Wars, Livro 6: 363)

De acordo com Nahshon Szanton e Moran Hagbi, os diretores da escavação na rua pisada em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel, "as descrições de Josefo da batalha na cidade baixa vêm cara a cara pela primeira vez com evidências de que Foi revelado no campo em uma maneira clara e refrigerando. As esferas de pedra balista disparadas por catapultas usadas para bombardear Jerusalém durante o cerco romano da cidade, foram descobertas nas escavações. As cabeças de seta, usadas pelos rebeldes judeus nas duras batalhas contra os legionários romanos foram encontradas exatamente como descrito por Josefo.

Até agora, uma seção da estrada c. 100 m de comprimento e 7,5 m de largura, pavimentada com grandes lajes de pedra, como era costume na construção monumental em todo o Império Romano, foi exposto nas escavações. As escavações arqueológicas na rua utilizam uma combinação de métodos de pesquisa avançados e pioneiros, cujos resultados até agora reforçam o entendimento de que Herodes o Grande não era o único responsável pelos grandes projetos de construção de Jerusalém no final do período do Segundo Templo. Pesquisas recentes indicam que a rua foi construída após o reinado de Herodes, sob os auspícios dos procuradores romanos de Jerusalém, e talvez até mesmo durante o mandato do governador romano Pôncio Pilatos, que também é conhecido por ter condenado Jesus à morte por crucificação.

De acordo com os diretores da exortação, Szanton e Hagbi, "Esta conclusão, de fato, lança uma nova luz sobre a história de Jerusalém no final do Segundo Templo, e reforça o reconhecimento da importância do governo dos procuradores romanos na formação do caráter de Jerusalém" .

"Dois mil anos depois da destruição de Jerusalém e cinquenta anos da sua libertação", acrescentaram os arqueólogos, "vamos voltar às cisternas de água, ao mercado e à praça da cidade na véspera da sua destruição. Naomi Shemer certamente nunca sonhou em re-descobrir Jerusalém nos dias do Segundo Templo ".

De acordo com o Dr. Yuval Baruch, arqueólogo da região de Jerusalém para a Autoridade de Antiguidades de Israel, "pretendemos descobrir todo o comprimento e largura da rua dentro de cinco anos e, assim, completar a escavação deste site único que já chamou a atenção de Arqueólogos de todo o mundo cerca de cem anos atrás.Na verdade, pode-se considerar as escavações atuais na cidade de David uma continuação natural das escavações arqueológicas anteriores do site, que foram iniciados no passado por acadêmicos europeus e americanos. Há quatro anos, as escavações arqueológicas foram renovadas ao longo da rua, desta vez para expor o seu comprimento e largura. "Baruch acrescentou:" Quando as escavações forem concluídas, os restos da rua serão conservados e desenvolvidos e preparados para receber a Dezenas de milhares de visitantes que o acompanharão ".

Ao reconhecer a importância do local e os achados, os pesquisadores da IAA optaram por utilizar avançados métodos de pesquisa de ponta dos campos de ciências naturais, biologia e geologia em suas escavações. Uma combinação destas técnicas avançadas torna a escavação da rua em degraus na cidade de David excepcional em sua qualidade científica e importância no desenvolvimento da pesquisa arqueológica em Jerusalém e em Israel em geral e eles permitem aos pesquisadores abordar questões que ainda não foram Foram estudados. As escavações atuais também se concentram em expor a área adjacente à rua, e as lojas que estavam ao lado dela. Os achados revelados nas escavações permitirão que os pesquisadores respondam perguntas tão intrigantes como: O que a rua principal que levava ao Templo parecia? Qual era a natureza urbana da Cidade Baixa que se estendia de cada lado da estrada magnífica? O que eles comeram em Jerusalém durante o difícil cerco, etc.? A fim de responder a estas perguntas, um estudo multidisciplinar está sendo conduzida, bem como peneiração molhado cuidado no local peneiração na Valley National Park Zurim, onde mesmo os mais pequenos achados são coletados.

Parece que não passará muito tempo antes que seja possível, pela primeira vez, percorrer uma das principais ruas da antiga Jerusalém, ver como ela parecia e receber respostas a fascinantes questões históricas que foram solicitadas há 100 anos Para a história de Jerusalém desde a época do Segundo Templo, no auge de seu esplendor, e desde os momentos de sua destruição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário