Google+ Followers

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Idrimi, the 3,500-year-old refugee. --- Idrimi, refugiado de 3.500 anos de idade

The statue of King Idrimi arrived at the British Museum in 1939. The inscription that stretches across the front of the statue is now recognised as one of the 20 most important cuneiform documents ever found. James Fraser, Project Curator, Middle East Department, discusses the importance of Idrimi's story, and how new scanning techniques are allowing us unravel the inscription in more detail.

The thing I love the most about guiding visitors through the British Museum is taking them to the astonishing statue of King Idrimi. No one has ever heard of Idrimi, but, after seeing his statue, no one ever forgets.

Idrimi was a refugee who fled Aleppo in Syria about 3,500 years ago – the same Aleppo so often in the news today. Later, as a much older man, Idrimi had this statue made of himself, with his life story written across the front, literally from head to foot. This extraordinary story is inscribed in the wedge-shaped cuneiform script of the ancient Middle East, and it is one of the earliest (and most interesting) political autobiographies ever found.



The Statue of Idrimi. Tell Atchana, Turkey, 16th century BC. 
Photo by Tracey Howe for Making Light.



The story of Idrimi

Idrimi lived with his parents and six older brothers in the ancient kingdom of Aleppo. When he was a young man, a ‘hostile incident’ happened between his father and the king, so Idrimi fled with his family to his mother’s hometown of Emar, on the Euphrates river. Although his older brothers were happy there, Idrimi thought that his family was not being treated well, and so he fled again to the Land of Canaan, probably in southern Lebanon.

In Canaan, Idrimi met another group of refugees from Aleppo, who claimed him as their leader. For the next six years, Idrimi made offerings to the storm god, Teshub, but to no avail. Finally, on the seventh year, the offerings were good. With Teshub’s blessing, Idrimi built a fleet of ships, sailed up the coast, and attacked the ancient city of Alalakh, about 80km west of Aleppo, in southern Turkey. Idrimi would rule over Alalakh for the next 30 years, leading his armies against seven Hittite cities in Turkey. It is also easy to read, between the stick-like wedges of the cuneiform text, Idrimi’s delight at placing his six older brothers under his protection, when they later turned to their youngest brother for help.

Idrimi carved his statue in white magnesite limestone around 1500 BC, and he placed it inside a temple upon a black basalt throne.



A curse…and a blessing

What I love most about the statue are two phrases that bracket the start and the end of the text. The last two lines curse anyone who might destroy the statue, or who is bold enough to change its text. However, the curse contrasts a blessing written in two lines down Idrimi’s right cheek, almost like a cartoon speech bubble coming directly from his mouth. These lines state that Idrimi wrote his deeds upon himself for everyone to see, and those that read the text will learn from his life, and so bless Idrimi forever.




When was the statue found?

An invading force destroyed the city of Alalakh in about 1200 BC. The attackers found the statue, and, disregarding its curse, they removed its head and pushed the body from the throne.

In 1939, the famous archaeologist Leonard Woolley unearthed the basalt throne lying on the temple floor. A few days later, he discovered the statue, immediately recognising it as one of the most important Bronze Age artefacts ever discovered in the east Mediterranean world.

Intriguingly, the statue itself had been hidden inside a pit beneath the temple floor, the severed head placed carefully alongside the body. We do not know who buried the statue, following its desecration in the city’s final hours. However, I like to imagine a mysterious worshipper, now lost to history, finding the statue among the temple’s smouldering ruins, and burying it within holy ground.

Woolley sent the statue to the British Museum in June 1939. Ironically, Idrimi soon found himself hidden underground once more, this time by nervous curators protecting the collection at the outbreak of WWII.

Why does it matter?

The statue was one of the most important finds from Woolley’s dig at Alalakh, and he published a photograph of the moment of its discovery in the Illustrated London News. The statue increased in fame a few years later when Idrimi’s text was translated at the Museum. The inscription provides a fabulous window into the politics, geography and cultic practices of the eastern Mediterranean in the Bronze Age, seen through the eyes of King Idrimi.

The inscription also describes a loose alliance between Idrimi and a mysterious group of stateless wanderers called the ha-pi-ru, who lived in the Canaanite hills. This is one of the first times in history that the ha-pi-ru are named, and many archaeologists believe that they were the ancestors of the Hebrew tribes that later conquered Canaan, written in the Bible a thousand years later.


The discovery of Idrimi as published in the Illustrated London News, 1980.

For these reasons, the Idrimi inscription is listed here as one of the 20 most important cuneiform documents ever found.

Today, Idrimi sits in Room 57 at the Museum. However, the statue must be kept within a glass case due to the fragile condition of the stone. Unfortunately, this means that researchers can’t get close enough to study the inscription in detail. To solve this problem, we created a digital model last year that anyone can view on Sketchfab here. This model is a fantastic tool for presenting the statue online. However, it is not at a high enough resolution for cuneiform experts to study the inscription in the detail they need.
We needed to scan Idrimi with greater precision. And so, earlier this month, Idrimi found himself being removed from his case by our heavy lifting team, and carefully placed in a roped-off area on the gallery floor, ready to be scanned.

This new project was a collaboration between the Museum and the Factum Foundation, a nonprofit organisation that uses digital technology to record cultural heritage throughout the world. A team from Factum spent two days scanning and photographing the statue in high resolution – we even stayed in the Museum until after midnight. Factum recorded the statue using two different methods:



Structured light scanning: in this technique, the Factum team projected vertical beams of light onto the statue. They then measured how these beams were distorted, in order to map the statue in 3D. 
Photogrammetry: in this technique, the Factum team took thousands of over-lapping high-resolution photographs from every possible angle. These were then uploaded into a computer program that matched the exact same pixels in different photos to develop the framework for a highly accurate 3D model. 




Photo by Tracey Howe for Making Light.


A replica of Idrimi
The Factum Foundation have now created a digital model of Idrimi that is accurate to less than a millimetre. This model provides a unique baseline for our ongoing conservation of the statue. It also enables researchers from all over the world to study the important life-story of king Idrimi in detail.

But one of the most exciting outcomes will be Factum Foundation’s plan to create a highly accurate, life-sized replica. As the statue itself is too delicate to lend, Factum Foundation’s replica will enable Idrimi to travel and they plan to lend it to an upcoming exhibition celebrating Syria’s long history of cultural achievements called Syria: Past and Present, organised by the UK charity Making Light.

Risking the curse, invoking the blessing

When our team temporarily removed the statue from the safety of its case, I couldn’t help but think we were risking Idrimi’s curse. However, by scanning the statue we have made Idrimi’s story available for everyone. As Idrimi says himself, by reading these words we can learn from his life, and ultimately bless this 3,500 year-old refugee from Aleppo forever.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti



Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
Idrimi, refugiado de 3.500 anos de idade
A estátua do rei Idrimi chegou ao Museu Britânico em 1939. A inscrição que se estende em toda a frente da estátua é agora reconhecido como um dos 20 mais importantes documentos cuneiformes jamais encontrado. James Fraser, Curador do Projeto, Departamento do Oriente Médio, discute a importância da história de Idrimi e como novas técnicas de digitalização estão nos permitindo desvendar a inscrição com mais detalhes.
   
James Fraser, Curador do Projeto, Departamento do Oriente Médio 10 de abril de 2017

A coisa que eu mais gosto de orientar os visitantes através do Museu Britânico está levando-os para a estátua do rei Idrimi surpreendente. Ninguém jamais ouviu falar de Idrimi, mas, depois de ver sua estátua, ninguém jamais esquece.

Idrimi foi um refugiado que fugiu de Aleppo na Síria há cerca de 3.500 anos - o mesmo Aleppo tão frequentemente nas notícias de hoje. Mais tarde, como um homem muito mais velho, Idrimi tinha esta estátua feita de si mesmo, com sua história de vida escrita em toda a frente, literalmente da cabeça aos pés. Esta história extraordinária está inscrita na escrita cuneiforme em forma de cunha do antigo Oriente Médio, e é uma das primeiras (e mais interessantes) autobiografias políticas já encontradas.

A Estátua de Idrimi. Diga Atchana, Turquia, século XVI BC. 
Foto por Tracey Howe para fazer a luz.


A história de Idrimi

Idrimi viveu com seus pais e seis irmãos mais velhos no antigo reino de Aleppo. Quando era um jovem, um "incidente hostil" aconteceu entre seu pai e o rei, assim Idrimi fugiu com sua família para a cidade natal de sua mãe, Emar, no rio Eufrates. Embora seus irmãos mais velhos estivessem felizes lá, Idrimi pensou que sua família não estava sendo bem tratada, e assim ele fugiu novamente para a Terra de Canaã, provavelmente no sul do Líbano.

Em Canaã, Idrimi encontrou outro grupo de refugiados de Aleppo, que o reivindicou como seu líder. Durante os seis anos seguintes, Idrimi fez oferendas ao deus da tempestade, Teshub, mas sem sucesso. Finalmente, no sétimo ano, as ofertas eram boas. Com a bênção de Teshub, Idrimi construiu uma frota de navios, navegou até a costa e atacou a antiga cidade de Alalakh, cerca de 80 quilômetros a oeste de Aleppo, no sul da Turquia. Idrimi governaria Alalakh durante os próximos 30 anos, levando seus exércitos contra sete cidades hititas na Turquia. Também é fácil de ler, entre as cunhas do texto cuneiforme, o prazer de Idrimi em colocar seus seis irmãos mais velhos sob sua proteção, quando eles mais tarde se voltaram para seu irmão mais novo para ajudar.

Idrimi esculpiu sua estátua em pedra calcária branca de magnésita por volta de 1500 aC, e colocou-a dentro de um templo sobre um trono de basalto preto.

-
Uma maldição ... e uma bênção

O que eu mais amo sobre a estátua são duas frases que colchete o início eo final do texto. As duas últimas linhas amaldiçoam qualquer um que possa destruir a estátua, ou que seja ousado o suficiente para mudar seu texto. No entanto, a maldição contrasta uma bênção escrita em duas linhas abaixo Idrimi da bochecha direita, quase como uma bolha de discurso cartoon vindo diretamente de sua boca. Essas linhas afirmam que Idrimi escreveu suas ações sobre si mesmo para que todos possam ver, e aqueles que lêem o texto aprenderão de sua vida e assim abençoarão Idrimi para sempre.

Quando a estátua foi encontrada?

Uma força invasora destruiu a cidade de Alalakh em aproximadamente 1200 aC. Os atacantes encontraram a estátua, e, desconsiderando sua maldição, eles retiraram a cabeça e empurraram o corpo do trono.

Em 1939, o famoso arqueólogo Leonard Woolley desenterrou o trono de basalto deitado no chão do templo. Poucos dias depois, ele descobriu a estátua, reconhecendo-a imediatamente como um dos mais importantes artefatos da Idade do Bronze já descobertos no mundo do leste do Mediterrâneo.

Curiosamente, a própria estátua estava escondida dentro de um poço debaixo do chão do templo, a cabeça cortada cuidadosamente colocada ao lado do corpo. Não sabemos quem enterrou a estátua, depois de sua profanação nas últimas horas da cidade. No entanto, eu gosto de imaginar um adorador misterioso, agora perdido para a história, encontrar a estátua entre as ruínas ardentes do templo, e enterrá-lo dentro de terreno sagrado.

Woolley enviou a estátua para o Museu Britânico em junho de 1939. Ironicamente, Idrimi logo se viu escondido subterrâneo mais uma vez, desta vez por curadores nervosos proteger a coleção no início da Segunda Guerra Mundial.

Por que isso Importa?

A estátua era uma das descobertas as mais importantes da escavação de Woolley em Alalakh, e publicou uma fotografia do momento de sua descoberta nas notícias ilustradas de Londres. A estátua aumentou na fama alguns anos mais tarde quando o texto de Idrimi foi traduzido no museu. A inscrição fornece uma janela fabulosa na política, na geografia e nas práticas cultuais do Mediterranean oriental na idade de bronze, vista através dos olhos do rei Idrimi.

A inscrição também descreve uma aliança frouxa entre Idrimi e um misterioso grupo de errantes apátridas chamados ha-pi-ru, que moravam nas colinas cananeas. Esta é uma das primeiras vezes na história que os ha-pi-ru são nomeados, e muitos arqueólogos acreditam que eles foram os ancestrais das tribos hebraicas que mais tarde conquistaram Canaã, escrito na Bíblia mil anos depois.


A descoberta de Idrimi como publicado no Illustrated London News, 1980.

Por estas razões, a inscrição de Idrimi está listada aqui como um dos 20 documentos cuneiformes mais importantes já encontrados.

Hoje, Idrimi senta-se no quarto 57 no museu. No entanto, a estátua deve ser mantido dentro de uma caixa de vidro devido à condição frágil da pedra. Infelizmente, isso significa que os pesquisadores não podem chegar perto o suficiente para estudar a inscrição em detalhe. Para resolver este problema, criamos um modelo digital no ano passado que qualquer pessoa pode ver no Sketchfab aqui. Este modelo é uma ferramenta fantástica para apresentar a estátua online. No entanto, não é uma resolução alta o suficiente para que os especialistas cuneiformes para estudar a inscrição no detalhe que eles precisam.

Precisávamos digitalizar o Idrimi com maior precisão. E assim, no início deste mês, Idrimi se viu sendo removido de seu caso por nossa equipe de levantamento pesado, e cuidadosamente colocado em uma área cordada no chão da galeria, pronta para ser digitalizada.

Este novo projeto foi uma colaboração entre o Museu ea Fundação Factum, uma organização sem fins lucrativos que utiliza a tecnologia digital para registrar o patrimônio cultural em todo o mundo. Uma equipe de Factum passou dois dias digitalizando e fotografando a estátua em alta resolução - até ficamos no Museu até depois da meia-noite. Factum registrou a estátua usando dois métodos diferentes:

Escaneamento de luz estruturado: nesta técnica, a equipe de Factum projetou feixes verticais de luz sobre a estátua. Eles então mediram como esses feixes foram distorcidos, a fim de mapear a estátua em 3D.
Fotogrametria: nessa técnica, a equipe da Factum levou milhares de fotos de alta resolução superpostas de todos os ângulos possíveis. Estes foram então carregados em um programa de computador que combinava exatamente os mesmos pixels em diferentes fotos para desenvolver a estrutura de um modelo 3D altamente preciso.

Foto por Tracey Howe para fazer a luz.

Uma réplica de Idrimi

A Factum Foundation criou agora um modelo digital de Idrimi que é preciso a menos de um milímetro. Este modelo fornece uma linha de base única para a nossa conservação em curso da estátua. Ele também permite que pesquisadores de todo o mundo para estudar a história de vida importante do rei Idrimi em detalhes.

Mas um dos resultados mais emocionantes será o plano da Fundação Factum para criar uma réplica em tamanho real, de alta precisão. Como a própria estátua é muito delicada para emprestar, a réplica da Factum Foundation permitirá que Idrimi viaje e eles planejam emprestá-la a uma próxima exposição comemorando a longa história da Síria de realizações culturais chamada Síria: Past and Present, organizada pela caridade do Reino Unido Making Light.

Arriscando a maldição, invocando a bênção


Quando nossa equipe retirou temporariamente a estátua da segurança de seu caso, eu não pude deixar de pensar que estávamos arriscando a maldição de Idrimi. No entanto, ao escanear a estátua, fizemos a história de Idrimi disponível para todos. Como diz Idrimi, lendo estas palavras, podemos aprender com sua vida e, em última análise, abençoar esse refugiado de Alepo, de 3.500 anos de idade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário