Google+ Followers

sexta-feira, 5 de maio de 2017

The Ashmolean is the University of Oxford’s museum of art and archaeology, founded in 1683. --- O Ashmolean é o museu de arte e arqueologia da Universidade de Oxford, fundado em 1683.

Our world famous collections range from Egyptian mummies to contemporary art, telling human stories across cultures and across time.


The Ashmolean’s collections are extraordinarily diverse, representing most of the world’s great civilisations, with objects dating from 8000 BC to the present day. Among many riches we have the world’s greatest collection of Raphael drawings, the most important collection of Egyptian pre-Dynastic sculpture and ceramics outside Cairo, the only great Minoan collection in Britain, outstanding Anglo-Saxon treasures, and the foremost collection of modern Chinese painting in the Western world.

The present Ashmolean was created in 1908 by combining two ancient Oxford institutions: the University Art Collection and the original Ashmolean Museum. The older partner in this merger, the University Art Collection, was based for many years in what is now the Upper Reading Room in the Bodleian Library. The collection began modestly in the 1620s with a handful of portraits and curiosities displayed in a small room on the upper floor. In 1636 and 1657, Archbishop Laud and Ralph Freke added notable collections of coins and medals, later installed in a strong room of their own and now incorporated into the Ashmolean coin collection. The objects of curiosity included Guy Fawkes’ lantern and a sword said to have been given by the pope to Henry VIII, both now in the Ashmolean, as well as a number of more exotic items, including Jacob’s Coat of Many Colours, long since lost. However, as there was a museum for curiosities of this kind in the University Anatomy Theatre, objects like this tended to go there or to the Ashmolean, after it opened in 1683, leaving the Bodleian gallery to develop as a museum of art. 

-
Ashmolean awarded grant from the DCMS/Wolfson Museums Fund


The Ashmolean is delighted to have been granted £110,000 by the DCMS/Wolfson Museums & Galleries Improvement Fund. Marking the 400th anniversary of the birth of the Ashmolean's founder, Elias Ashmole, the Museum plans to transform two central lower floor galleries to tell how the world's first museum was created.

When the Ashmolean was opened in 1683 by Elias Ashmole (1617–92), it was not just a repository and place for research and teaching but also a public museum. Ashmole’s vision ultimately laid the foundations for museums as we know them today, yet this globally-important story is little known. The DCMS/ Wolfson grant will be used to create a dramatic and theatrical permanent display in the large central gallery (gallery 2) of the lower-ground floor, evoking the 17th-century cabinet of curiosities. The double-height space will allow the Museum to show important portraits of scientists and thinkers of the 17th century; to show iconic treasures such as Powhatan's Mantle in a central location; and to bring out more of the founding collections into the larger space. A display about the Civil War (1637–60) will introduce Ashmole’s connection to Oxford, while exploring the political background of the period.

"We are profoundly grateful to the DCMS/Wolfson Fund for this transformative grant. It will allow us to tell the story of the founding of the first public museum and why it is called the Ashmolean; what it was opened for in 1683; and why it is in Oxford."

Dr Xa Sturgis, Director of the Ashmolean

New displays will highlight Elias Ashmole’s vision for the Museum as a centre of practical research and learning, following the ‘new philosophy’ and scientific method of reasoning advocated by Francis Bacon (1561–1626). They will examine how this attitude transformed the Renaissance concept of ‘cabinets of curiosities’ into the modern museum, and will highlight other 17th-century collections that shaped the creation of the Ashmolean. Then, as now, the Museum intended to aid understanding of the world and our place within it through object-based research.

An existing gallery (gallery 8) will also be reconfigured as a flexible space for showcasing projects that resonate with Ashmole's original intentions for the use of collections. It will become a permanent laboratory space for innovative and collaborative projects and special displays.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.








--br via tradutor do google
O Ashmolean é o museu de arte e arqueologia da Universidade de Oxford, fundado em 1683.

Nossas coleções mundialmente famosas variam de múmias egípcias à arte contemporânea, contando histórias humanas através das culturas e através do tempo.

As colecções de Ashmolean são extraordinariamente diversas, representando a maioria das grandes civilizações do mundo, com objetos que datam de 8000 aC até os dias de hoje. Entre muitas riquezas, temos a maior coleção de desenhos de Raphael do mundo, a mais importante coleção de escultura egípcia pré-dinástica e cerâmica fora do Cairo, a única grande coleção Minoan na Grã-Bretanha, tesouros anglo-saxões e a mais importante coleção de pintura chinesa moderna No mundo ocidental.

O Ashmolean atual foi criado em 1908 pela combinação de duas antigas instituições de Oxford: a coleção de arte da universidade eo original Ashmolean Museum. O parceiro mais velho nesta fusão, a coleção de arte da universidade, foi baseado por muitos anos no que é agora a sala de leitura superior na biblioteca de Bodleian. A coleção começou modestamente na década de 1620 com um punhado de retratos e curiosidades exibidas em uma pequena sala no andar superior. Em 1636 e 1657, o Arcebispo Laud e Ralph Freke acrescentou coleções notáveis ​​de moedas e medalhas, mais tarde instalado em uma sala forte de seus próprios e agora incorporado na coleção de moeda Ashmolean. Os objetos da curiosidade incluíram a lanterna de Guy Fawkes e uma espada dita ter sido dada pelo papa a Henry VIII, ambos agora no Ashmolean, as well as um número de artigos mais exóticos, including o revestimento de Jacob de muitas cores, há muito perdido . No entanto, como havia um museu para curiosidades deste tipo no Teatro Anatomia University, objetos como este tendiam a ir para lá ou para o Ashmolean, depois que abriu em 1683, deixando a galeria Bodleian para se desenvolver como um museu de arte.


-
Ashmolean recebe do Fundo de Museus DCMS / Wolfson

O Ashmolean está satisfeito por ter sido concedido £ 110.000 pelo DCMS / Wolfson Museus e Galerias Melhoramento Fundo. Comemorando o 400º aniversário do nascimento do fundador de Ashmolean, Elias Ashmole, o Museu pretende transformar duas galerias centrais de piso inferior para contar como foi criado o primeiro museu do mundo.

Quando o Ashmolean foi aberto em 1683 por Elias Ashmole (1617-92), não era apenas um repositório e lugar para pesquisa e ensino, mas também um museu público. A visão de Ashmole finalmente lançou as bases para os museus como os conhecemos hoje, mas esta história de importância global é pouco conhecida. O subsídio DCMS / Wolfson será usado para criar uma exposição permanente dramática e teatral na grande galeria central (galeria 2) do piso térreo, evocando o gabinete de curiosidades do século XVII. O espaço de dupla altura permitirá ao Museu mostrar importantes retratos de cientistas e pensadores do século XVII; Para mostrar tesouros icônicos como Mantle Powhatan em uma localização central; E para trazer para fora mais das coleções de fundação no espaço maior. Uma exibição sobre a guerra civil (1637-60) introduzirá a conexão de Ashmole a Oxford, ao explorar o fundo político do período.

"Estamos profundamente gratos ao Fundo DCMS / Wolfson por esta concessão transformadora que nos permitirá contar a história da fundação do primeiro museu público e por que é chamado Ashmolean, o que foi aberto em 1683 e por que Está em Oxford.

Dr. Xa Sturgis, Diretor do Ashmolean

Novas exposições irão destacar a visão de Elias Ashmole para o Museu como um centro de pesquisa e aprendizado prático, seguindo a "nova filosofia" eo método científico de raciocínio defendido por Francis Bacon (1561-1626). Eles vão examinar como essa atitude transformou o conceito renascentista de "gabinetes de curiosidades" no museu moderno e destacará outras coleções do século XVII que moldaram a criação do Ashmolean. Então, como agora, o Museu pretendia ajudar a compreensão do mundo e do nosso lugar dentro dele através da pesquisa baseada em objetos.

Uma galeria existente (galeria 8) também será reconfigurada como um espaço flexível para exibir projetos que ressoam com as intenções originais de Ashmole para o uso de coleções. Ele se tornará um espaço de laboratório permanente para projetos inovadores e colaborativos e exposições especiais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário