Google+ Followers

domingo, 28 de maio de 2017

The Persistence of Things in a Japanese Minimalist’s Installations. --- A Persistência das Coisas nas Instalações de um Minimalista Japonês.

Why things persist might be a question most relegated to the realm of philosophy, but I think it’s germane to Kishio Suga’s installations at Dia in Chelsea.


Kishio Suga, “Diagonal Phase” (1969/2012) wood, stones, 101.5 x 171 x 48 in. (257.8 x 434.3 x 121.9 cm) installed (all photos by the author for Hyperallergic)

Why things persist might be a question most relegated to the realm of philosophy, but I think it’s germane to Kishio Suga’s installations at Dia in Chelsea. I think that one of the reasons can be productive tension, which comes to mind looking at Suga’s “Diagonal Phase” (1969/2012) where one long column of wood is balanced against one large rectangle of wood so that seen in profile together they form the body of an “A” without the bridge between. They are held in that suspense against each other, weight and gravity pressing in, by stones bracing them at the floor. The relationship between the two pieces is productive in that it generates drama: one wants to keep watch because one or the other object might slip and the entire operation fail. I walk around that piece trying to gauge its ability to stay in that state of — many words might be applicable — anticipation, antagonism, or uncertainty.

Kishio Suga, “Law of Halted Space” (1969/2012) wood, metal

Suga is associated with a group of artists working in Japan from the late 1960s to the early 70s. The Mono-ha movement (literally translated from the Japanese, “school of things”) made work that pushed at the limits of Western Modernism. They used relatively simple materials such as rocks, sand, wood, glass, and metal, treating these material objects as worthy of presentation in and of themselves. What makes “Diagonal Phase” compelling is the relationships: one of tense persistence.

Kishio Suga, “Placement of Condition” (1973/2016) stones, wire

However the other pieces in the show ratchet down that feeling. “Law of Halted Space” (2016) with its nest of intertwined metal rods lain across on top slightly cracked wooden pillars, though a bit architecturally complex seems settled. “Placement of Condition” (1973/2016) with its cut stones leaning away from each other while held in place by loops of wire also doesn’t give me that feel of interdependence, because the wires look slack. But here there is another kind of persistence — one in which the relation is static and the work shifts from producing an effect of anxiety in its audience to one of contemplative awareness.

Kishio Suga’s installations at Dia in Chelsea (541 West 22nd Street, Chelsea, Manhattan) continue through July 29








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



















--br via tradutor do google

A Persistência das Coisas nas Instalações de um Minimalista Japonês.




Por que as coisas persistem pode ser uma questão mais relegada para o reino da filosofia, mas acho que é relevante para as instalações de Kishio Suga em Dia no Chelsea.







imagem

Kishio Suga, "Diagonal Phase" (1969/2012) madeira, pedras, 101,5 x 171 x 48 pol. (257,8 x 434,3 x 121,9 cm) instalado (todas as fotos do autor para Hyperallergic)










Por que as coisas persistem pode ser uma questão mais relegada para o reino da filosofia, mas acho que é relevante para as instalações de Kishio Suga em Dia no Chelsea. Eu acho que uma das razões pode ser a tensão produtiva, que vem à mente olhando Suga "Diagonal Phase" (1969/2012), onde uma longa coluna de madeira é equilibrada contra um grande retângulo de madeira para que visto no perfil juntos formam O corpo de um "A" sem a ponte entre. Eles são mantidos em que o suspense uns contra os outros, peso e gravidade pressionando, por pedras apoiando-los no chão. A relação entre as duas peças é produtiva na medida em que gera drama: um quer manter o relógio porque um ou outro objeto pode escorregar e toda a operação falha. Eu ando em torno dessa parte que tenta calibrar sua abilidade de permanecer nesse estado de - muitas palavras pôde ser aplicável - antecipação, antagonism, ou incerteza.







imagem

Kishio Suga, "Lei do espaço parado" (1969/2012) madeira, metal







Suga está associado a um grupo de artistas que trabalham no Japão a partir do final dos anos 1960 para o início dos anos 70. O movimento Mono-ha (literalmente traduzido do japonês, "escola das coisas") fez o trabalho que empurrou nos limites do modernismo ocidental. Eles usaram materiais relativamente simples, como pedras, areia, madeira, vidro e metal, tratando esses objetos materiais como dignos de apresentação em si mesmos. O que torna a "Fase Diagonal" convincente são as relações: uma de persistência tensa.




imagem

Kishio Suga, "Colocação da Condição" (1973/2016) pedras, arame




No entanto, as outras peças no show cliquem para baixo esse sentimento. "Lei do Espaço Halted" (2016) com seu ninho de varas de metal entrelaçadas deitado em cima de pilares de madeira ligeiramente rachados, embora um pouco arquitetonicamente complexo parece estabelecido. "Colocação da Condição" (1973/2016) com suas pedras cortadas inclinando-se longe umas das outras enquanto mantido no lugar por loops de fio também não me dá essa sensação de interdependência, porque os fios parecem folga. Mas aqui há outro tipo de persistência - um em que a relação é estática eo trabalho muda de produzir um efeito de ansiedade em seu público para um de consciência contemplativa.




As instalações de Kishio Suga no Dia em Chelsea (541 West 22nd Street, Chelsea, Manhattan) continuam até 29 de julho

Nenhum comentário:

Postar um comentário