Google+ Followers

domingo, 25 de junho de 2017

2017 marks the 70th anniversary of Indian independence and is also the India-UK Year of Culture. To celebrate this, the British Museum is presenting a season bringing together different activity in London and across the UK, celebrating the many cultures of South Asia. --- 2017 marca o 70º aniversário da independência indiana e também é o Ano da Cultura Índia-Reino Unido. Para comemorar isso, o Museu Britânico apresenta uma temporada que reúne atividades diferentes em Londres e em todo o Reino Unido, comemorando as muitas culturas do sul da Ásia.



South Asia season 2017.

In November 2017, the British Museum’s Sir Joseph Hotung Gallery of China and South Asia (Room 33) will reopen to the public after a complete refurbishment and redisplay. The new display will include a new narrative for South Asia which will bring the story up to the present day. The redisplay will allow the Museum to add new types of objects to the gallery such as paintings and textiles which need regulated conditions for display. These will complement the existing types of objects on show, such as sculpture, ceramics and metal ware. Updated interpretation, new lighting and design will allow this extraordinarily rich collection to be better seen and understood.

Here are just a few of the British Museum objects from South Asia you can see across the UK this year.

Celebrating Ganesha
Horniman Museum, 11 February – 23 April 2017
Brent Museum, 3 May – 28 August 2017
Manchester Museum, 2 September 2017 – 8 January 2018
Wardown Park Museum, Luton, 10 January – 29 April 2018

Schist stone figure of Ganesha. From Odisha 
(formerly Orissa), India, 13th century AD.

Ganesha, the elephant-headed god, is one of the most popular Hindu gods, and is celebrated across India and the world. At 119cm tall, this sculpture depicts many of his major attributes. Ganesha is a corpulent figure and is shown holding a bowl of his favourite sweets, while his vahana (mount) – a rat – crouches at the base of the lotus pedestal. His anklets are of snakes, as is the sacred thread wound across his chest. He stands in an arch of a typical Indian decorative type with a lion mask (‘kirttimukha‘) at the top and aquatic monsters (‘makara‘) at each end. Find out more about where Ganesha will be on display.

Object Journeys in Manchester

Manchester Museum’s Living Cultures Gallery, 3 February 2017 – late summer 2017

Folded bag made of cotton and heavily 
embroidered with silk thread. Made in Kutch, Gujarat, India.

This folded bag was chosen by an inter-generational women’s group from the organisation Community on Solid Ground among other textiles, to be displayed alongside objects from the Manchester Museum collection. The group also responded creatively to these objects by making new versions of the objects to be shown alongside the historical artefacts. This folded bag is one of three textiles acquired in Sindh, Pakistan. Kutch, where this bag was made, and Sindh are famous for their richly embroidered designs often embellished with abla (small round mirrors). Women from tribal communities in these regions produce a range of garments, accessories and decorative textiles, including for religious purposes, for personal use and for sale. Many, including this envelope-shaped bag, are made from cotton cloth embroidered with silk thread. This style of bag is used to hold personal possessions.

Music of courtly India
Derby Museum and Art Gallery, 6 May – 25 June 2017
Blackburn Museum and Art Gallery, 30 June – 26 August 2017

Left: Asavari ragini, folio from the so-called Manley Ragamala album. 
Rajasthan, India, c. 1610. Right: Ivory sarinda covered in
 carvings of angelic figures, flora, and beasts in combat. 
Deccan, India, c. 1700.

These two objects will travel to Derby and Blackburn as part of the spotlight loan Music of courtly India. The folio is from an album of ragamala paintings, visual interpretations of poems which evoke the moods of classical Indian raga music. The paintings interweave three art forms which were frequently patronised at court: music, poetry and painting. The rare ivory sarinda (a four-stringed instrument) is covered in intricate carvings of angelic winged figures, flora, and beasts in combat. This magnificent object was also made in India for courtly patrons.

Pilgrimage in focus

The Asahi Shimbun Display in Room 3 at the British Museum, 10 August – 8 October 2017

Two-sided limestone relief from the Great Shrine at 
Amaravati in India, carved in the 1st century BC and 3rd century AD.

This relief from the Great Shrine at Amaravati in southeast India will be the focus of a new display at the British Museum. The two-sided limestone relief features the Buddha as a symbolic empty throne on one side, carved in the 1st century BC. The reverse side features a Buddha standing in front of the shrine, carved in the 3rd century AD. The shrine at Amaravati was founded about 200 BC probably to house a relic of the Buddha. It was slowly abandoned sometime during the 14th century. In the 19th century a series of archaeological campaigns recovered the surviving sculptures that had been recycled for new buildings and temples. The British Museum houses more than 120 sculptures from Amaravati, which will go back on permanent display from November 2017, as part of the refurbishment of Rooms 33, 33a and 33b.

South Asia redisplayed in London
Room 33 at the British Museum, from November 2017

Left: Shiva Nataraja, Lord of the Dance. 
South India, c. AD 1100. Right: Statue of the goddess Tara. 
Sri Lanka, 8th century AD.

When the British Museum’s Sir Joseph Hotung Gallery of China and South Asia reopens in November 2017, one of the objects on display will be Shiva Nataraja, Lord of the Dance. This Hindu sculpture was produced in the Chola period in southern India and used as a processional image. Shiva is depicted crushing ignorance underfoot while ushering out one cycle of existence and dancing in a new one. Another important statue on display will be of the Buddhist goddess Tara. Made in Sri Lanka, the statue combines both the spiritual and sensual, and would have been used as a focal point for meditation on the qualities of Tara – mercy and compassion. Tara is no longer worshipped in Sri Lanka, but remains a popular deity in Nepal and Tibet.

70 years on from Indian independence, the South Asia season is the perfect opportunity to look again at some of the astonishing and beautiful objects in the Museum’s collection, celebrating South Asia’s vital and ongoing contribution to world history.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
2017 marca o 70º aniversário da independência indiana e também é o Ano da Cultura Índia-Reino Unido. Para comemorar isso, o Museu Britânico apresenta uma temporada que reúne atividades diferentes em Londres e em todo o Reino Unido, comemorando as muitas culturas do sul da Ásia.

Sul da Ásia, temporada 2017.

Em novembro de 2017, a Galeria Sir Joseph Hotung do Museu Britânico da China e do Sul da Ásia (Quarto 33) reabrirá ao público após uma remodelação completa e uma redisplay. A nova exibição incluirá uma nova narrativa para o sul da Ásia, que trará a história até o presente. O redisplay permitirá que o Museu adicione novos tipos de objetos à galeria, como pinturas e têxteis, que precisam de condições reguladas para exibição. Isso irá complementar os tipos existentes de objetos em exibição, como escultura, cerâmica e produtos metálicos. A interpretação atualizada, a iluminação e o design novos permitirão que esta coleção extraordinariamente rica seja melhor vista e compreendida.

Aqui estão apenas alguns dos objetos do Museu Britânico do sul da Ásia, que você pode ver em todo o Reino Unido este ano.

Comemorando Ganesha
Museu Horniman, 11 de fevereiro - 23 de abril de 2017
Museu Brent, 3 de maio - 28 de agosto de 2017
Manchester Museum, 2 de setembro de 2017 - 8 de janeiro de 2018
Wardown Park Museum, Luton, 10 de janeiro a 29 de abril de 2018


Imagem 1
Figura de pedra do xisto de Ganesha. De Odisha (anteriormente Orissa), Índia, século XIII.

Ganesha, o deus de cabeça de elefante, é um dos deuses hindus mais populares, e é celebrado em toda a Índia e no mundo. Com 119 cm de altura, esta escultura representa muitos de seus principais atributos. Ganesha é uma figura corpulenta e é mostrado segurando uma tigela de seus doces favoritos, enquanto seu vahana (monte) - um rato - agacha-se na base do pedestal de lótus. Suas tornozelos são de cobras, como é o fio sagrado que se encontra no peito. Ele está em um arco de um típico tipo indiano decorativo com uma máscara de leão ('kirttimukha') na parte superior e os monstros aquáticos ('makara') em cada extremidade. Saiba mais sobre onde o Ganesha estará em exibição.

Object Journeys in Manchester

Galeria do Museu de Manchester Living Cultures, 3 de fevereiro de 2017 - final do verão de 2017

Imagem 2
Saco dobrável feito de algodão e muito bordado com fio de seda. Feito em Kutch, Gujarat, na Índia.

Este saco dobrado foi escolhido por um grupo de mulheres entre gerações da organização Community on Solid Ground, entre outros têxteis, para ser exibido ao lado de objetos da coleção do Museu de Manchester. O grupo também respondeu de forma criativa a esses objetos, fazendo com que novas versões dos objetos sejam mostradas ao lado dos artefatos históricos. Esta sacola dobrada é uma das três têxteis adquiridas em Sindh, no Paquistão. Kutch, onde esta bolsa foi feita, e Sindh é famosa por seus projetos ricamente bordados, muitas vezes embellished com abla (pequenos espelhos redondos). As mulheres das comunidades tribais nessas regiões produzem uma variedade de roupas, acessórios e têxteis decorativos, inclusive para fins religiosos, para uso pessoal e para venda. Muitos, incluindo este saco em forma de envelope, são feitos de pano de algodão bordado com fio de seda. Este estilo de saco é usado para armazenar bens pessoais.

Música da Índia cortesia

Derby Museum and Art Gallery, 6 de maio a 25 de junho de 2017
Blackburn Museum and Art Gallery, 30 de junho - 26 de agosto de 2017

Imagem 3
À esquerda: Asavari ragini, folio do chamado álbum Manley Ragamala. Rajasthan, Índia, c. 1610. Direito: Ivinda sarinda coberta de esculturas de figuras angélicas, flora e animais em combate. Deccan, Índia, c. 1700.

Estes dois objetos viajarão para Derby e Blackburn como parte do prêmio de empréstimo, a música de India cortesia. O folio é de um álbum de pinturas ragamala, interpretações visuais de poemas que evocam o clima da música raga indiana clássica. As pinturas entrelaçam três formas de arte freqüentemente patrocinadas na corte: música, poesia e pintura. O sarinda de marfim raro (um instrumento de quatro cordas) é coberto de esculturas intrincadas de figuras aladas angélicas, flora e animais em combate. Este magnífico objeto também foi feito na Índia para clientes corteses.

Peregrinação em foco

O Asahi Shimbun Exibe no Quarto 3 no Museu Britânico, de 10 de agosto a 8 de outubro de 2017

Imagem 4
Alívio de caliza de dois lados do Grande Santuário em Amaravati, na Índia, esculpido no século I aC e século III dC.

Este alívio do Grande Santuário em Amaravati, no sudeste da Índia, será o foco de uma nova exibição no British Museum. O relevo de caliza de dois lados apresenta o Buda como um trono vazio simbólico de um lado, esculpido no século I aC. O lado oposto apresenta um Buda em pé em frente ao santuário, esculpido no século III dC. O santuário de Amaravati foi fundado cerca de 200 aC provavelmente para abrigar uma relíquia do Buda. Foi abandonado lentamente em algum momento durante o século 14. No século 19, uma série de campanhas arqueológicas recuperou as esculturas sobreviventes que foram recicladas para novos edifícios e templos. O Museu Britânico abriga mais de 120 esculturas da Amaravati, que voltarão a exibição permanente a partir de novembro de 2017, como parte da remodelação dos Quartos 33, 33a e 33b.

Ásia do Sul exibida em Londres

Quarto 33 no Museu Britânico, a partir de novembro de 2017

Imagem 5
À esquerda: Shiva Nataraja, Lord of the Dance. Sul da Índia, c. AD 1100. Direito: Estátua da deusa Tara. Sri Lanka, século VIII dC.

Quando a Galeria Sir Joseph Hotung do Museu Britânico da China e do Sul da Ásia se reabre em novembro de 2017, um dos objetos em exibição será Shiva Nataraja, Lord of the Dance. Esta escultura hindu foi produzida no período Chola no sul da Índia e usada como uma imagem processional. Shiva é retratado a ignorância esmagadora sob os pés, enquanto desencadeia um ciclo de existência e dança em um novo. Outra estátua importante em exibição será da deusa budista Tara. Feito no Sri Lanka, a estátua combina o espiritual e o sensual, e teria sido usado como um ponto focal para a meditação sobre as qualidades de Tara - misericórdia e compaixão. Tara já não é adorada no Sri Lanka, mas continua sendo uma deidade popular no Nepal e no Tibete.

70 anos a partir da independência indiana, a temporada do sul da Ásia é a oportunidade perfeita para olhar novamente para alguns dos objetos surpreendentes e bonitos da coleção do Museu, comemorando a contribuição vital e contínua do sul da Ásia para a história mundial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário