Google+ Followers

sexta-feira, 9 de junho de 2017

9 Ways Museums Can Engage the Creative Class. --- A criatividade pode descobrir caminhos para os Museus - 9 sugestões.

In a previous essay, I addressed the challenges facing museums and art institutions, and in particular the fierce competition for funding resources, arguing the solution must include a broader base of outside support and a wider definition of “resources.” Here I consider alternative approaches to securing support that goes well beyond dollars, and make the case for soliciting new resources to support new capabilities.



A group of fellows prepare their presentation at Ideas City Detroit.
 Photo by Marta Xochilt Perez for Artsy.

One caveat: The ideas presented here are meant to catalyze discussion and spur debate. It’s neither my intention nor my ambition to predict the future of art museums. I’m examining challenges and choices, and issuing a call for more experimentation, better efforts at measurement, and a greater willingness to learn from mistakes. My hope is to help advance the dialogue about how to improve the institutional art ecosystem.

The following nine recommendations are a start. These are by no means the only plausible solutions, but do merit consideration, adoption, and subsequent evaluation. The right recipe to achieve longevity and stronger performance will vary from institution to institution, and no single technique or program will prove sufficient. Only a combination of these efforts, employed or pursued synchronistically, will unlock and accelerate success. If I’m wrong, I hope my mistakes help us move closer towards what is “right” for each institution and its needs.

The guiding principle is: Institutions should adopt an all-available resources mentality, treating all types of contributions as "currency" that they can solicit, bank, and deploy. In lieu of spending cash on external services or capabilities, it’s essential to secure contributions of service that address critical needs and augment current capabilities. Here are a few with which to start:

Design Services

Gifts from top-tier design agencies—in the form of billable hours or tightly scoped projects—can deliver industry-leading work across multiple channels: digital and brand strategy, logo redesign and typographic explorations, physical marketing assets, new web and mobile products, AR/VR experiences, experiments with audio, or offline immersive programming. This is but a hint of how museums might solicit the support of specialty agencies.

Digital Marketing Capabilities

Donations from marketing agencies, either in the form of ad support or media amplification, can prove enormously beneficial to awareness and engagement efforts. Museums can offset spending related to digital programming by soliciting donations for these services, ideally from industry-leading practitioners. By partnering with specialists in the field, museums can optimize multi-channel marketing, better manage campaigns, achieve sharper customer insights and target audiences more effectively, or improve ad performance. Services like this, however, present their own complexities: Museums must ensure that their pro bono engagements don’t violate contract terms with the donor’s competitor. Museums also must ensure that they retain copyright controls and are not liable for expensive future maintenance costs.

Legal and Accounting Services

This might be far the most valuable (and least leveraged) service gifted to institutions. In addition to simple turn-key accounting services, senior-level strategic accounting expertise which helps museums identify new approaches to structuring gifts could help institutions better identify opportunities for donors and for themselves. There are myriad new accounting methods or tax instruments uniquely suited to 1) encourage and incentivize charitable giving or 2) reinvest assets without incurring burdensome tax liability. Other non-profits use sophisticated tax and legal advice with great success.

That said, tax reform is currently a priority for the Trump administration, and changing tax laws may present new challenges in soliciting or structuring charitable donations. 

Founder Equity & Vesting Gifts

Founder equity and vesting gifts—in which a museum receives stock in a privately held, speculative venture at an early stage—should be pursued with greater vigor, and far more regularly. More important than any potential payout is how this donation engages the tech community along lines with which they are already familiar. Of course, potential payouts can be wonderful (like Facebook’s infamous stock-in-lieu of cash compensation to graffiti artist David Choe). More advanced practitioners of tech-friendly fundraising might move past matching-grant scenarios (dollar-for-dollar contributions from a foundation or donor for every outside dollar raised) and weave in triggers or ratchets (payouts or pricing mechanisms tied to equity grants) to encourage participation and improve outcomes.

Food & Beverage

Museums can leverage their highly educated, upwardly mobile audiences to persuade restaurateurs and nutrition entrepreneurs to gift products or experiences. Museums can attract new and unaffiliated audiences, based on the short-term nature of the offer and the popular pursuit of gastronomic novelty; the donor restaurants or food companies gain exposure to a valuable demographic.

Publishing and Promotional Support

It’s time to get cozier with media. More interviews. More profiles. Features. Lists. Best of’s. In order to honor editorial discretion, coverage cannot be guaranteed, but deals with publishers can be negotiated to guarantee inclusion of some kind, or to secure steeply discounted deals for branded content—anything to maximize exposure. Imagine, for instance, an exclusive artist insert or a collectible tear-out edition, appearing in a print issue of Surface Magazine with an accompanying web-based digital component; or an exclusive art film released on NOWNESS; or a limited-edition supplement to Interview Magazine, devoted entirely to a bi- or triennial; even an AR-enabled page spread in a print issue of BlackBook, revealing digital sculptures or multi-sensory programming. Further exploration (both in terms of concept and cost) is needed with publishers and project-specific museum donors.

Evolving Education

Education technology is a fast-expanding category, one in which museums and art institutions have a natural advantage, thanks to their existing education departments and museum mission statements in general. New offers might take the form of an accelerator program or incubator like NEW INC at the New Museum; specialized coursework or non-accredited classes like Masterclass; exclusive lectures, early childhood arts education, or continuing education for mid-, late-, or post-career professionals. One or any of these could be revenue-positive. The principal remaining question: Do museums have the bandwidth and brand credibility required to offer new programs in fine art or adjacent fields, and expertise required to operate their own General Assembly, Codecademy, or Sotheby’s Institute? Quite possibly, yes.

Sales and eCommerce

Commerce can be a pain, but also offers a chance to raise revenue and extend the brand awareness of an institution. Two things to keep in mind: Focus on the four P’s of selling (Product, Price, Packaging, and Promotion), and, where possible, enlist the support of experienced entrepreneurs or retailers to help create commerce and e-commerce solutions that don’t require massive provisions of time or capital. A few popular examples: the Librairie boutique du Musée national Picasso, the Shop at Museum der Dinge in Berlin (although both are missing e-commerce sites, a potential avenue for growth). The Museum of Modern Art’s design store is an impressive extension of the institution’s world-renowned design department, and offers visitors (and online shoppers) the chance to enjoy curated offerings while supporting a museum with their purchases.

Ideally, inventory should be tied to, inspired by, or related to current shows or permanent collections, but in every case, commerce requires an honest assessment of internal strengths, resources, capabilities, talent, physical real estate, and other exploitable advantages.

Network Access and Bundled Benefit Programs

Just as grocery stores or perfume counters bundle items to promote visibility and sell-through, there are a bevy of untapped opportunities for museums and art institutions to bundle unique purchase and programming opportunities (including “mileage” or rewards programs) with hotel operators, membership clubs (of the digital and physical variety), private bank promotions, or deals with alumni networks, to name but a few. The costs have to be carefully calculated and controlled, a process that could benefit from direct input from industry specialists or special subcommittees. 



RELATED ARTICLE



In sum, ties between people or affiliations between people and organizations matter more than ever. This is particularly true as traditional identity erodes, old vetting methods expire, signals of approval change, and notions of authority or credibility shift in unfamiliar and often perplexing ways. What museums can offer people isn’t power but greater influence—formal affiliation with a museum, and the influence that comes with it, ought to be used as a recruitment tool. Separately, this case has to be made to individuals: that it’s not about what they “get” out of giving, but that giving itself, of your time, ideas, or connections, is critically important in its own right. Not just for altruistic dividends, but because the overall art and cultural ecosystems demand it—and the richness of their life depends on it. To make this case either less foggy or simply more palatable to both audiences, we need a new language for this kind of giving, receiving, supporting, and affiliating, as well as vibrant examples to envy—and then emulate. I don’t yet have the answer.

Ultimately, these tools will help museums save cash, positively change the way we think about them, alter the way they see themselves, and hopefully create a new range of programming opportunities for their audiences, for each of us, and for a world increasingly in need of bliss and a bit more divinity.

—Michael Phillips Moskowitz


Michael Phillips Moskowitz is an entrepreneur, art collector, and member of the New Museum’s NEW INC initiative advisory council.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

By: Gilbert Ngabo Metro Published on Thu Jun 01 2017


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google

A classe criativa pode descobrir caminhos  para os Museus - 9 sugestões. 

imagem:
Um grupo de colegas prepara sua apresentação na Ideas City Detroit. Foto de Marta Xochilt Perez para Artsy.

Em um ensaio anterior, abordei os desafios que os museus e as instituições de arte enfrentam e, em particular, a feroz competição pelo financiamento de recursos, argumentando que a solução deve incluir uma base mais ampla de suporte externo e uma definição mais ampla de "recursos". Aqui considero abordagens alternativas Para garantir suporte que vai muito além dos dólares, e solicitar o pedido de novos recursos para suportar novas capacidades.

Uma advertência: as idéias apresentadas aqui são destinadas a catalisar a discussão e estimular o debate. Não é minha intenção nem minha ambição prever o futuro dos museus de arte. Estou examinando desafios e escolhas, e emitir um apelo para mais experimentação, melhores esforços de medição e uma maior disposição para aprender com os erros. Minha esperança é ajudar a promover o diálogo sobre como melhorar o ecossistema institucional da arte.

As seguintes nove recomendações são um começo. Estas não são, de modo algum, as únicas soluções plausíveis, mas merecem consideração, adoção e avaliação subseqüente. A receita certa para atingir a longevidade e um desempenho mais forte variará de instituição para instituição, e nenhuma técnica ou programa único será suficiente. Somente uma combinação desses esforços, empregados ou perseguidos de forma sincronizada, desbloquearão e acelerarão o sucesso. Se eu estiver errado, espero que meus erros nos ajudem a aproximar-se do que é "certo" para cada instituição e suas necessidades.

O princípio orientador é: as instituições devem adotar uma mentalidade de recursos totalmente disponível, tratando todos os tipos de contribuições como "moeda" que podem solicitar, banco e implantação. Em vez de gastar dinheiro em serviços ou capacidades externas, é essencial garantir contribuições de serviços que atendam às necessidades críticas e aumente as capacidades atuais. Aqui estão alguns com os quais começar:

Serviços de design


Presentes de agências de design de primeira linha - na forma de horas faturáveis ​​ou projetos bem dimensionados - podem oferecer trabalho líder do setor em vários canais: estratégia digital e de marca, redesenhar logo e explorações tipográficas, ativos de marketing físico, novos produtos web e móveis, Experiências AR / VR, experiências com áudio ou programação imersiva off-line. Isso é apenas uma pista de como os museus podem solicitar o apoio de agências especializadas.

Capacidade de Marketing Digital


As doações de agências de marketing, seja na forma de suporte publicitário ou ampliação de mídia, podem ser extremamente benéficas para a conscientização e esforços de engajamento. Os museus podem compensar os gastos relacionados à programação digital, solicitando doações para esses serviços, idealmente de profissionais líderes do setor. Ao fazer parcerias com especialistas no campo, os museus podem otimizar o marketing multicanal, gerenciar melhor as campanhas, obter informações mais precisas sobre o cliente e segmentar o público de forma mais eficaz ou melhorar o desempenho do anúncio. Serviços como este, no entanto, apresentam suas próprias complexidades: os museus devem garantir que seus compromissos pro bono não violem termos contratuais com o concorrente do doador. Os museus também devem garantir que eles mantenham controles de direitos autorais e não são responsáveis ​​por custos de manutenção futuros caros.

Serviços jurídicos e de contabilidade


Este pode ser o serviço mais valioso (e menos alavancado) oferecido às instituições. Além dos simples serviços de contabilidade chave, os conhecimentos de contabilidade estratégica de alto nível que ajudam os museus a identificar novas abordagens para estruturar presentes podem ajudar as instituições a identificar melhor as oportunidades para os doadores e para si. Há uma miríade de novos métodos contábeis ou instrumentos fiscais de forma única para 1) encorajar e incentivar a doação de caridade ou 2) reinvestir ativos sem incorrer em responsabilidade tributária onerosa. Outras organizações sem fins lucrativos usam conselhos fiscais e jurídicos sofisticados com grande sucesso.

Dito isto, a reforma tributária é atualmente uma prioridade para a administração Trump, e as leis fiscais em mudança podem apresentar novos desafios na solicitação ou estruturação de doações de caridade.

Fundador Equity & Vesting Presentes


O patrimônio do fundador e os presentes de aquisição - em que um museu recebe ações em um empreendimento privado e especulativo em um estágio inicial - devem ser perseguidos com maior vigor e muito mais regularmente. Mais importante do que qualquer pagamento potencial é como essa doação envolve a comunidade de tecnologia ao longo de linhas com as quais eles já são familiares. Claro, os pagamentos potenciais podem ser maravilhosos (como o infame estoque do Facebook em compensação em dinheiro para o artista de grafite David Choe). Os praticantes mais avançados de captação de recursos tecnológicos podem passar por cenários de correspondência e concessão (contribuições dólar por dólar de uma base ou doador por cada dólar externo levantado) e tecer em gatilhos ou catracas (pagamentos ou mecanismos de preços vinculados a subsídios de equivalência patrimonial) para Incentivar a participação e melhorar os resultados.

Comida & Bebida


Os museus podem alavancar seus públicos altamente educados e móveis para persuadir os restauradores e empresários de nutrição a oferecer produtos ou experiências. Os museus podem atrair públicos novos e não afiliados, com base na natureza a curto prazo da oferta e na busca popular da novidade gastronômica; Os restaurantes doadores ou as empresas de alimentos ganham exposição a um demográfico valioso.

Suporte editorial e promocional

É hora de ficar mais aconchegante com a mídia. Mais entrevistas. Mais perfis. Características. Listas. Melhor do que é. A fim de honrar a discrição editorial, a cobertura não pode ser garantida, mas as negociações com os editores podem ser negociadas para garantir a inclusão de algum tipo, ou para garantir promoções de desconto acentuado para conteúdo de marca - qualquer coisa para maximizar a exposição. Imagine, por exemplo, uma inserção de artista exclusiva ou uma edição de lágrimas colecionáveis, aparecendo em uma edição impressa da Revista de Superfície com um componente digital que acompanha a web; Ou um filme de arte exclusivo lançado na NOWNESS; Ou um suplemento de edição limitada à Interview Magazine, dedicado inteiramente a um bi ou trienal; Até mesmo uma página habilitada para AR espalhada em uma edição impressa do BlackBook, revelando esculturas digitais ou programação multi-sensorial. É necessária uma exploração adicional (tanto em termos de conceito como de custo) com editores e doadores de museus específicos de projetos.

Educação em evolução

A tecnologia da educação é uma categoria de expansão rápida, em que os museus e as instituições de arte têm uma vantagem natural, graças aos departamentos de educação existentes e às declarações de missão do museu em geral. Novas ofertas podem assumir a forma de um programa de aceleração ou incubadora como NEW INC no New Museum; Cursos especializados ou aulas não credenciadas, como Masterclass; Palestras exclusivas, educação em artes da primeira infância ou educação continuada para profissionais de meio, atrasado ou pós-carreira. Um ou qualquer um destes poderia ser positivo em termos de receita. A principal questão restante: Os museus possuem a largura de banda e a credibilidade da marca necessárias para oferecer novos programas em arte ou campos adjacentes e conhecimentos necessários para operar sua própria Assembléia Geral, Codecademy ou Sotheby's Institute? Muito possivelmente, sim.

Vendas e comércio eletrônico

O comércio pode ser uma dor, mas também oferece uma chance de aumentar a receita e ampliar a consciência da marca de uma instituição. Duas coisas a ter em mente: Concentre-se nas quatro P's de venda (Produto, Preço, Embalagem e Promoção) e, sempre que possível, alista o apoio de empreendedores ou varejistas experientes para ajudar a criar soluções de comércio e comércio eletrônico que não Exigem grandes provisões de tempo ou capital. Alguns exemplos populares: a Librairie boutique du Musée national Picasso, a Shop at Museum der Dinge em Berlim (embora ambos estejam faltando sites de comércio eletrônico, uma potencial avenida para o crescimento). A loja de design do Museu de Arte Moderna é uma extensão impressionante do departamento de design de renome internacional da instituição e oferece aos visitantes (e aos compradores on-line) a oportunidade de desfrutar de ofertas curadas e apoiar um museu com suas compras.

Idealmente, o inventário deve ser vinculado, inspirado ou relacionado a shows atuais ou coleções permanentes, mas em todos os casos, o comércio exige uma avaliação honesta dos pontos fortes, recursos, capacidades, talentos, imóveis físicos internos e outras vantagens exploráveis.

Acesso à rede e programas de benefícios incluídos

Assim como as mercearias ou os contadores de perfume agrupam itens para promover a visibilidade e a venda, há muitas oportunidades inexploradas para museus e instituições de arte para agrupar oportunidades únicas de compra e programação (incluindo "milhagem" ou programas de recompensas) com operadores hoteleiros, membros Clubes (da variedade digital e física), promoções de bancos privados ou negócios com redes de ex-alunos, para citar apenas alguns. Os custos devem ser cuidadosamente calculados e controlados, um processo que pode beneficiar da participação direta de especialistas da indústria ou subcomités especiais.

ARTIGO RELACIONADO




Em suma, os laços entre pessoas ou afiliações entre pessoas e organizações são mais importantes do que nunca. Isto é particularmente verdadeiro à medida que a identidade tradicional se deteriora, os métodos de verificação velhos expiram, os sinais de mudança de aprovação e as noções de autoridade ou mudança de credibilidade de maneiras desconhecidas e muitas vezes desconcertantes. O que os museus podem oferecer às pessoas não é poder, mas uma maior influência - a afiliação formal com um museu e a influência que vem com ele, deve ser usada como ferramenta de recrutamento. Separadamente, este caso deve ser feito para os indivíduos: não é sobre o que eles "obtêm" de dar, mas isso se dando, do seu tempo, idéias ou conexões, é criticamente importante por direito próprio. Não apenas por dividendos altruístas, mas porque o conjunto de ecossistemas artísticos e culturais o exigem - e a riqueza de sua vida depende disso. Para tornar este caso menos nebuloso ou simplesmente mais palatável para ambos os públicos, precisamos de um novo idioma para esse tipo de entrega, recebimento, suporte e afiliação, além de exemplos vibrantes para invejar e, em seguida, emular. Ainda não tenho a resposta.

Em última análise, essas ferramentas ajudarão os museus a economizar dinheiro, mudam positivamente a forma como pensamos sobre eles, alteramos a forma como se vêem, e esperamos criar uma nova gama de oportunidades de programação para o público, para cada um de nós e para um mundo cada vez mais Necessidade de bem-aventurança e um pouco mais de divindade.

-Michael Phillips Moskowitz


Michael Phillips Moskowitz é um empreendedor, colecionador de arte e membro do conselho consultivo da NOVA INC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário