Google+ Followers

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Festa do Divino preserves tradition in Mato Grosso do Sul, Brazil. --- Festa do Divino preserva tradição em Mato Grosso do Sul, Brasil.

Festa de Figueirão is being evaluated to become intangible assets



This weekend (Saturday and Sunday) some cities in the interior of Mato Grosso do Sul will promote the traditional Festa do Divino. It is a popular street celebration, typically folkloric. The celebration is a spontaneous manifestation and has collective acceptance and celebrates an event worshiped by the Catholic Church, Pentecost, which is the descent of the Holy Spirit in the form of tongues of fire on the apostles. With this, Christians believe, they began to speak all the tongues of the peoples to whom they preached in the name of Jesus. The Sunday of Pentecost is a commemoration with a mobile date, for it happens fifty days after Easter Sunday. The Feast of the Divine is done on the same day.

In Mato Grosso do Sul there are some of them well-known like in Coxim, in Itaporã (Montese) and in Figueirão (community of Santa Tereza). The Feast of the Divine of Figueirão is maintained by the traditional Malaquias family, which this year completes 108 years of creation based on a promise made by Mrs. Francelina Malaquias.

IMMATERIAL HERITAGE

This edition will be accompanied by the South-Mato Grosse Folklore Commission (CSMFL), which, together with the technical team of Intangible Heritage of the Cultural Heritage Management of the Foundation of Culture of the State of São Paulo, will evaluate the Feast of the Divine Holy Spirit of the Malaquias Family.

The party is promoted in the rural area of ​​Santa Tereza, approximately 23 km from the center of Figueirão, on the border with the District of Pontinha do Cocho. The arrival of the Flag of the Divine to the chapel takes place on Saturday (3) from 2:00 p.m., followed by the rituals of praise until the night, when the third sings, the lifting of the flagstaff and then social celebrations as Presentation of Catira dance and dance.

The turn of the flag is committed to invite the population to the party, bless the devotees and raise funds for the festivities. Therefore, the sacred dinner, which is offered to the revelers, is also offered, free of charge, to the public present. This whole story is told in the book of researcher Marlei Sigrist "Masters of the Sacred" released in 2014.

"The traditional value of this feast is first and foremost linked to the fact that it is a rural tradition, sustained by the action and mobilization of the people involved in the celebration and the feast, still with all its original characteristics, with little interference from the Mass society, "explains the researcher. Secondly, it complements Marlei, for the cultural values ​​demonstrated in the forms of expression they hold such as the Dance of Catira (with their own musical creations and original tap dance), or in the sung forms of prayers of praise, or even in the organization of the turning of the flag (Run a distance of about 200 km in a circle counterclockwise, obeying rules imposed by time).

The process of Registration of Intangible Assets obeys several phases until, finally, the Law is created for its realization. Therefore, this is the intermediary moment of verification and analysis of cultural manifestation.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti



Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br
Festa do Divino preserva tradição em Mato Grosso do Sul, Brasil.

Festa de Figueirão está sendo avaliada para tornar-se patrimônio imaterial.

Neste final de semana (sábado e domingo) algumas cidades do interior de Mato Grosso do Sul promoverão a tradicional Festa do Divino. Trata-se de uma comemoração popular de rua, tipicamente folclórica. A celebração é uma manifestação espontânea e tem aceitação coletiva e festeja um evento cultuado pela Igreja Católica, o Pentecostes, que é a descida do Espírito Santo na forma de línguas de fogo sobre os apóstolos. Com isso, acreditam os cristãos, que eles começaram a falar todas as línguas dos povos a que dirigiam sua pregação em nome de Jesus. O domingo de Pentecostes é uma comemoração com data móvel, pois acontece cinquenta dias depois do domingo da Páscoa. A Festa do Divino é feita no mesmo dia.

Em Mato Grosso do Sul há algumas delas bem conhecidas como em Coxim, em Itaporã (Montese) e em Figueirão (comunidade de Santa Tereza). A Festa do Divino de Figueirão é mantida pela tradicional família Malaquias, que neste ano completa 108 anos de criação a partir de uma promessa feita por dona Francelina Malaquias. 

PATRIMÔNIO IMATERIAL

Esta edição será acompanha pela Comissão Sul-Mato-Grossense de Folclore (CSMFL) que, junto à equipe técnica de Patrimônio Imaterial da Gerência de Patrimônio Cultural da Fundação de Cultura do Estado de MS, avaliará a Festa do Divino Espírito Santo da Família Malaquias.

A festa é promovida na zona rural, em Santa Tereza, a aproximadamente 23 km do centro de Figueirão, na divisa com o Distrito de Pontinha do Cocho. A chegada da Bandeira do Divino à capela acontece neste sábado (3) a partir das 14h, seguindo-se os rituais de louvor até a noite, quando acontece o terço cantado, o levantamento do mastro da bandeira e, em seguida, festejos sociais como apresentação de dança da Catira e baile. 

O giro da bandeira tem o compromisso de convidar a população para a festa, abençoar os devotos e arrecadar fundos para os festejos. Por isso, a janta sagrada, que é oferecida aos foliões, também é oferecida, gratuitamente, ao público presente. Toda essa história está contada no livro da pesquisadora Marlei Sigrist “Mestres do Sagrado” lançado em 2014.

“O valor tradicional dessa festa está, primeiramente, vinculado ao fato de ser uma tradição rural, que se sustenta pela ação e mobilização das pessoas envolvidas com a celebração e a festa ainda se mantém com todas as suas características de origem, com pouca interferência da sociedade de massa”, explica a pesquisadora. Em segundo lugar, complementa Marlei, pelos valores culturais demonstrados nas formas de expressão que eles detêm como a Dança da Catira (com criações musicais próprias e sapateado original), ou nas formas cantadas das rezas de louvor, ou mesmo na organização do giro da bandeira (percorrem uma distância aproximada de 200 km em círculo no sentido anti-horário, obedecendo a regras impostas pelo tempo). 

O processo de Registro do Patrimônio Imaterial obedece a várias fases até, finalmente, ser criada a Lei para sua concretização. Portanto, esse é o momento intermediário de verificação e análise da manifestação cultural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário