Google+ Followers

segunda-feira, 5 de junho de 2017

MoMA expanding its Manhattan space, view of NYC outdoors. --- MoMA expandindo seu espaço em Manhattan, vista de NYC ao ar livre.

New York's Museum of Modern Art is boldly expanding its midtown Manhattan home that draws more than 3 million visitors annually from around the world — including those who came Friday to see the first completed phase of the $450 million project.



Spread over three floors of the art mecca off Fifth Avenue are 15,000 square-feet (about 1,400 square-meters) of reconfigured galleries, a new, second gift shop, a redesigned cafe and espresso bar and, facing the sculpture garden, two lounges graced with black marble quarried in France.

Still under construction are 50,000 square-feet (about 4,600 square-meters) of new galleries opening in 2019, bringing MoMA's total art-filled space to 175,000 square-feet (about 16,000 square-meters) on six floors. The expansion will allow more of the museum's collection of nearly 200,000 works to be displayed.

The project also will provide 25 percent more space for visitors to relax or have a sit-down meal.

The museum building, which opened in 1939, now nearly fills an entire city block and showcases works by artists including Pablo Picasso, Henri Matisse, Andy Warhol, Vincent van Gogh and Frida Kahlo, to name just a few from the permanent collection. The complex fuses original architecture by Philip Goodwin and Edward Stone with Philip Johnson-designed additions in 1951 and 1964 and a new section by Argentine native Cesar Pelli in 1984, topped in 2004 by Yoshio Taniguchi's $425 million expansion and renovation.

"We're riffing off the DNA of MoMA's history," said Elizabeth Diller, whose Boston-based firm, Diller Scofidio Renfro, was hired for the project, working with the Gensler firm in San Francisco. "This work has required the curiosity of an archaeologist and the skill of a surgeon."

MoMA director Glenn Lowry wants to achieve much more than augmenting square footage. MoMA curators are embracing ethnic and cultural diversity that transcends established European artists through shows including, for instance, black and women artists. MoMA also is highlighting art tracing certain social periods — for example, female creativity in the decades after World War II that spawned feminism.

"The Museum of Modern Art's renovation and expansion project will seek to reassure and surprise," Lowry said.

Architecturally, he said, MoMA is "opening up, so you're aware of the city" — by bringing the urban turf closer to visitors through an all-glass facade facing West 53rd Street, more window panels elsewhere and a rooftop lounge with a terrace.

Some galleries will be pliant, with partitions that can drop or be lifted, and ceilings of varying heights, depending on exhibition needs. Added studios and galleries will be set up for performances or film screenings.

The current, double-height entrance lobby will be reconfigured to ease visitor congestion that often results in lines reaching out onto the sidewalk. Demolition starts this month, and visitors will have to use alternative entrances.

Providing easier access inside is the historic Bauhaus staircase that was extended to reach down to the first floor.

The ongoing work includes some unseen improvements, with energy and water conservation that puts MoMA on track for the LEED Gold certification, a rating system that evaluates a building's environmental performance.

MoMA has raised private funds for the nearly half-a-billion-dollar project; entertainment magnate David Geffen alone donated $100 million.

Admission is $25, but the ground level with its galleries is open to the public free of charge.

In the newly completed area, the first exhibition opens June 12th. "Frank Lloyd Wright at 150: Unpacking the Archive" will celebrate the 150th anniversary of the American architect's birth.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Online: MoMA: https://www.moma.org
Follow Verena Dobnik at twitter.com/verenachirps

By: Gilbert Ngabo Metro Published on Thu Jun 01 2017


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.
















--br via tradutor do google
MoMA expandindo seu espaço em Manhattan, vista de NYC ao ar livre.

O Museu de Arte Moderna de Nova York expande audazmente a sua casa no centro de Manhattan, que atrai anualmente mais de 3 milhões de visitantes de todo o mundo - incluindo aqueles que vieram sexta-feira para ver a primeira fase completa do projeto de US $ 450 milhões.

Distribuídos em três andares da meca da arte da Fifth Avenue são 15.000 metros quadrados (cerca de 1.400 metros quadrados) de galerias reconfiguradas, uma nova loja de presentes, um café redesenhado e barra de café expresso e, de frente para o jardim de esculturas, dois salões agraciados Com mármore preto extraído na França.

Ainda em construção, são inauguradas em 2019 50 mil metros quadrados (cerca de 4,600 metros quadrados) de novas galerias, trazendo o espaço total de arte da MoMA para 175 mil metros quadrados (cerca de 16 000 metros quadrados) em seis andares. A expansão permitirá que a coleção do museu de quase 200 mil obras seja exibida.

O projeto também proporcionará 25% mais espaço para os visitantes relaxarem ou terem uma refeição sentada.

O edifício do museu, que abriu em 1939, agora preenche todo um bloco da cidade e exibe obras de artistas como Pablo Picasso, Henri Matisse, Andy Warhol, Vincent van Gogh e Frida Kahlo, para citar apenas alguns da coleção permanente. O complexo combina arquitetura original por Philip Goodwin e Edward Stone com adições projetadas por Philip Johnson em 1951 e 1964 e uma nova seção do nativo argentino Cesar Pelli em 1984, liderada em 2004 pela expansão e renovação de US $ 425 milhões de Yoshio Taniguchi.

"Estamos riscando o DNA da história do MoMA", disse Elizabeth Diller, cuja empresa de Boston, Diller Scofidio Renfro, foi contratada para o projeto, trabalhando com a empresa Gensler em San Francisco. "Este trabalho exigiu a curiosidade de um arqueólogo e a habilidade de um cirurgião".

O diretor da MoMA, Glenn Lowry, quer conseguir muito mais do que aumentar a metragem quadrada. Os curadores do MoMA estão abraçando a diversidade étnica e cultural que transcende os artistas europeus estabelecidos através de shows, incluindo, por exemplo, artistas negros e femininos. O MoMA também está destacando o traçado de arte em certos períodos sociais - por exemplo, a criatividade feminina nas décadas após a Segunda Guerra Mundial que gerou o feminismo.

"O projeto de renovação e expansão do Museu de Arte Moderna procurará tranquilizar e surpreender", disse Lowry.

Arquiteturalmente, disse ele, o MoMA está "abrindo, então você está ciente da cidade" - trazendo o relvado urbano mais perto dos visitantes através de uma fachada de vidro totalmente virada para a Rua 53 do Oeste, mais painéis de janela em outro lugar e um salão no último piso com um terraço.

Algumas galerias serão flexíveis, com partições que podem cair ou ser levantadas, e tetos de diferentes alturas, dependendo das necessidades da exposição. Também serão criados estúdios e galerias para apresentações ou exibições de filmes.

O atual lobby de entrada de altura dupla será reconfigurado para facilitar o congestionamento dos visitantes, que muitas vezes resulta em linhas que chegam à calçada. A demolição começa neste mês, e os visitantes terão que usar entradas alternativas.

Fornecer um acesso mais fácil dentro é a histórica escadaria Bauhaus que foi estendida para atingir o primeiro andar.

O trabalho em andamento inclui algumas melhorias não vistas, com conservação de energia e água que coloca o MoMA no caminho certo para a certificação LEED Gold, um sistema de classificação que avalia o desempenho ambiental de um edifício.

O MoMA levantou fundos privados para o projeto de quase meio bilhão de dólares; O magnate do entretenimento, David Geffen, doou apenas US $ 100 milhões.

A entrada é de US $ 25, mas o nível do solo com suas galerias está aberto ao público gratuitamente.

Na área recém-concluída, a primeira exposição abre 12 de junho. "Frank Lloyd Wright às 150: Desembarcando o Arquivo" comemorará o 150º aniversário do nascimento do arquiteto americano.

---
Online: MoMA: https://www.moma.org
Siga Verena Dobnik em Twitter.com/verenachirps

Nenhum comentário:

Postar um comentário