Google+ Followers

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Progress report: Frank Gehry on his mammoth Philadelphia Museum of Art renovation. --- Relatório de progresso: Frank Gehry na sua gigantesca renovação do Museu de Arte de Filadélfia.

After the triumphant debut of the Frank Gehry-designed Guggenheim Museum Bilbao in northern Spain, Anne d’Harnoncourt (then director of the Philadelphia Museum of Art) offered Gehry a bold new challenge. 'She said, "You just made a building in Bilbao that’s sculptural, exciting, and created a miracle. Could you do the same thing to an existing building? But you can’t do anything on the outside,"' explains Gehry. 'I loved that idea. I think it’s a very perverse idea, and that’s the kind of stuff I like.'

The south end of the vaulted walkway, photographed in 2016, will become a light-filled space with high ceilings for installations of contemporary art. Photography: 
Elizabeth Leitzell. Courtesy Philadelphia Museum of Art

Selected in 2006 as architect for the Philadelphia Museum of Art’s ambitious interior renovation, he recently celebrated the kickoff of its latest phase: a three-year, $196 million project that will open to the public a total of 90,000 sq ft, all within the building’s original footprint.

'This is a building that was planned in the second decade of the twentieth century. The role of museums has changed dramatically since then,' says Timothy Rub, director and CEO of the Philadelphia Museum of Art. 'The work that Frank and his staff have done to reorganise the building—to rezone it, so to speak—is critically important. It will work far better in the near future than it does today.'

One of the key areas central to the Core Project will be the 'The Forum', which will extend three levels and be a venue for performances. Architectural rendering by 
Gehry Partners, LLP and KX-L. Courtesy Philadelphia Museum of Art


Designed by the collaborating architectural firms of Horace Trumbauer and Zantzinger, Borie, and Medary, the grandly scaled neoclassical building opened in 1928. Subsequent renovations, including the once-exuberant 1980s manoeuvres of Robert Venturi and Denise Scott Brown 'clogged the arteries' according to Gehry. 'Classical buildings have x and y axes, and this museum had that, but it was obfuscated by a lot of interventions over the years that didn’t respect that geometry,' he explains. 'The DNA and the bones of this place are really fantastic, and they showed us the way to make it all work.'

The current 'core project' focuses on the heart of the building. It will remove the current auditorium, opening a west-east axis and creating a multi-level public space (and circulation hub) known as 'the forum' complete with a grand staircase. Additional galleries for American art and contemporary art will be joined by a newly designed restaurant, café, and meeting rooms. The first results will be apparent in 2019, when the historic north entrance is reopened and a major section of the long-shuttered vaulted walkway – a splendid north-south promenade that stretches 640 feet – is completed.

'There are going to be some "wow" moments,' predicts Rub. 'To be able to walk in and see the building unfold in front of you and begin to map out your path through it, is not only satisfying, it’s also going to help the building function.'


A cross-section view showing the changes to the existing interior spaces (Core Project) and the new underground galleries (future phase of the Museum’s Facilities Master Plan). Architectural rendering by Gehry Partners, LLP and KX-L. Photo courtesy Philadelphia Museum of Art.

Before commencing this 'clarifying' phase, which will continue through the spring of 2020, Gehry was tasked with upgrading the museum’s back-of-house functions (care, storage, and movement of the more than 240,000 objects in the collection). 'They had me start by building a new loading dock, and I thought "Why the hell are they building a loading dock?"' he says. 'Anyway, we did it and we built it, and it’s the best damn loading dock in history!' The 68,000-sq ft art handling facility opened in 2012.

Gehry has found the rather stealthy work of reimagining a museum’s insides energising and inspiring rather than restrictive 'We just did a small concert hall in Berlin in an office building, which maybe I wouldn’t have done if I had not had this experience,' he says. 'I think you can turn potentially limiting things into an asset.'

At 88 ('That’s a little precarious, but I’m swimming and I’m working'), he is especially eager—even a little impatient – to see this most recent phase completed. 'The Philadelphia Museum of Art represents a nexus of American art and culture, of history and the future,' adds Gehry. 'Can it do what they did in Bilbao? Hell, yes! This is going to be an amazing museum.'





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

https://www.wallpaper.com/architecture/frank-gehry-philadelphia-museum-of-art-renovation#SyCpotufwqeOOmeD.99l

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




--br via tradutor do google
Relatório de progresso: Frank Gehry na sua gigantesca renovação do Museu de Arte de Filadélfia.


Após a estréia triunfante do museu Guggenheim Bilbao, construído por Frank Gehry, no norte da Espanha, Anne d'Harnoncourt (então diretora do Museu de Arte de Filadélfia) ofereceu a Gehry um novo e desafiante desafio. "Ela disse:" Você acabou de fazer um edifício em Bilbao que é escultural, excitante e criou um milagre. Você poderia fazer o mesmo com um prédio existente? Mas você não pode fazer nada por fora ", explica Gehry. "Eu amei essa idéia. Eu acho que é uma idéia muito perversa, e esse é o tipo de coisa que eu gosto ".

Selecionado em 2006 como arquiteto para a ambiciosa renovação interior do Museu de Arte de Filadélfia, ele recentemente celebrou o lançamento de sua última fase: um projeto de três anos e $ 196 milhões que abrirá ao público um total de 90 mil pés quadrados, tudo dentro do edifício Pegada original.

"Este é um edifício que foi planejado na segunda década do século XX. O papel dos museus mudou drasticamente desde então ", diz Timothy Rub, diretor e CEO do Philadelphia Museum of Art. "O trabalho que Frank e sua equipe fizeram para reorganizar o prédio - para rezoná-lo, por assim dizer - é extremamente importante. Vai funcionar muito melhor no futuro próximo do que hoje.


Projetado pelas firmas de arquitetura colaboradoras de Horace Trumbauer e Zantzinger, Borie e Medary, o prédio neoclássico grandemente escalado abriu em 1928. As renovações subseqüentes, incluindo as manobras de Robert Venturi, uma vez exuberantes dos anos 80, e Denise Scott Brown "entupiram as artérias" de acordo com Gehry. "Os edifícios clássicos têm eixos xey, e este museu teve isso, mas foi ofuscado por muitas intervenções ao longo dos anos que não respeitaram essa geometria", explica. "O DNA e os ossos deste lugar são realmente fantásticos, e eles nos mostraram o caminho para que tudo funcionasse".

O atual "projeto central" concentra-se no coração do prédio. Ele removerá o auditório atual, abrindo um eixo oeste-leste e criando um espaço público de vários níveis (e hub de circulação) conhecido como 'o fórum' completo com uma grande escadaria. Galerias adicionais para arte americana e arte contemporânea serão acompanhadas por um recém-projetado restaurante, café e salas de reuniões. Os primeiros resultados serão evidentes em 2019, quando a entrada norte histórica é reaberta e uma seção principal da calçada abobadada de longo alcance - um esplêndido passeio norte-sul que se estende até 640 pés - está concluída.

"Haverá alguns momentos de" uau "," prediz Rub. "Ser capaz de entrar e ver o edifício se desdobrar na sua frente e começar a mapear seu caminho através dele, não é apenas satisfatório, também ajudará a função de construção".


Antes de começar esta fase "esclarecedora", que continuará até a primavera de 2020, Gehry foi encarregado de atualizar as funções de back-of-house do museu (cuidado, armazenamento e movimento dos mais de 240.000 objetos na coleção). "Eles me fizeram começar por construir uma nova doca de carga, e pensei" Por que diabos eles estão construindo uma doca de carregamento? ", Ele diz. "De qualquer forma, nós fizemos isso e nós o construímos, e é a melhor doca de carregamento da história!" A facilidade de processamento de arte de 68 mil pés quadrados foi inaugurada em 2012.

Gehry encontrou o trabalho bastante furtivo de reimaginar os interiores de um museu energizantes e inspiradores, em vez de restritivos. "Nós acabamos de fazer uma pequena sala de concertos em Berlim em um prédio de escritórios, o que talvez eu não fizesse se não tivesse tido essa experiência" ele diz. "Eu acho que você pode transformar as coisas potencialmente limitantes em um bem".

Em 88 ("Isso é um pouco precário, mas estou nadando e estou trabalhando"), ele está especialmente ansioso - mesmo um pouco impaciente - para ver esta fase mais recente concluída. "O Museu de Arte de Filadélfia representa um nexo de arte e cultura americana, da história e do futuro", acrescenta Gehry. "Pode fazer o que fizeram em Bilbao? Claro que sim! Este será um museu incrível.






Nenhum comentário:

Postar um comentário