Google+ Followers

terça-feira, 6 de junho de 2017

“The art market is a seductive siren, but it’s also a minefield,” said Edouard Kopp on a sunny afternoon in the Harvard Art Museums’ Art Study Center amid a selection of the museums’ works on paper. --- "O mercado de arte é uma sirene sedutora, mas também é um campo minado", disse Edouard Kopp em uma tarde ensolarada no Centro de Estudo de Arte dos Museus de Arte de Harvard, em meio a uma seleção dos trabalhos dos museus no papel.

Skip the fake, snag the masterpiece.

Paris trip part of workshop to help future curators look before they buy


These drawings were recently acquired by the Harvard Art Museums with input from students who took part in Kopp’s workshop: (Left) Alberto Giacometti, “Three Heads of a Man and a Head in Profile,” 1951 or after, © Jill Newhouse Gallery; (Right) Salvator Rosa, “Chiron the Centaur Teaching the Young Achilles,” c. 1666, © Pandora Old Masters Inc. Images courtesy of Harvard Art Museums

It was sage advice for three Harvard graduate students and a curatorial fellow about to visit Paris for the world’s largest drawings fair, the Salon du Dessin, with the aim of identifying works to add to the museums’ collection. The discussion and the trip were part of a new workshop to teach future art scholars and curators how to navigate the tricky terrain of the fine art market.

For a novice about to enter the fray, preparation is key.

“There’s a lot of mystery surrounding acquisitions at museums,” said Laura Igoe, Harvard’s Maher Curatorial Fellow of American Art, who is hoping to land a curatorial position in a museum when her fellowship ends this spring. Igoe knows an important part of any such position will involve buying precious artworks, a skill typically learned “on the job.”

Until now.

Kopp, the Maida and George Abrams Associate Curator of Drawings, created the workshop with support from Martha Tedeschi, the museums’ Elizabeth and John Moors Cabot Director. She remembers well her own early forays into the art-buying market as a young assistant curator, which included visits to galleries on Bond Street in London.

“It was sink or swim,” said Tedeschi. “It’s not a good feeling.”

The new workshop aims to ease such fears. For a week this spring students explored the history of art collecting, as well as the museums’ extensive collection of drawings and current collecting priorities. They met with collectors, curators, and conservators; studied how auction houses, dealers, and agents operate; and learned how to assess the condition of a drawing, how to determine its value, and, perhaps most critical of all, how to spot a fake. The workshop included close inspection of several high-quality copies.

“Imagine if you buy a forgery. Terrible,” said Kopp.

Before they left for the Paris show, the students were advised to pay close attention to materials used in a drawing. Paper inconsistent with a 17th-century piece, Tedeschi said, or a work in red chalk by an artist known for works in charcoal could be important clues in recognizing fakes. She also encouraged the group to take meticulous notes, and to view works they were interested in more than once, “particularly if you are looking at the same artist who might be represented by two different dealers.”

Pace yourselves and dress accordingly, added Tedeschi. “There is a fatigue factor, so wear comfortable shoes, even though it is Paris.”

These drawings were recently acquired by the Harvard Art Museums with input from students who took part in Kopp’s workshop: (Left) Alberto Giacometti, “Three Heads of a Man and a Head in Profile,” 1951 or after, © Jill Newhouse Gallery; (Right) Salvator Rosa, “Chiron the Centaur Teaching the Young Achilles,” c. 1666, © Pandora Old Masters Inc. Images courtesy of Harvard Art Museums

Once in France for the four-day trip, the students didn’t waste time. After a stop at their hotel following the overnight flight, they headed out to a series of auction houses and then to the fair.

“The excitement of being thrown in the midst of it kept us going,” said Christine Garnier, a second-year graduate student in the History of Art and Architecture Department who is planning a career in academia. “I am really interested in the function of the art market. I have a background in economics and after studying issues of the interaction between artists, the market, and the market’s development in the late 19th century, I really wanted to get a good perspective on what actually happens.”

The group returned to campus with a selection of drawings for consideration based on a range of factors, including condition, price, and gaps in the museums’ collection. Next they presented their choices to Tedeschi and senior members of the museums’ leadership team. Four works were approved for acquisition, including drawings by the 20th-century Swiss sculptor, painter, and printmaker Alberto Giacometti and the 17th-century Italian painter and printmaker Salvator Rosa.

“The Giacometti work is a modern expressive drawing of four studies of heads that he had drawn on the back of a literary journal. They are very expressive, very powerful figures that are typical of his style,” said Igoe. The work fits well within the museums’ broader collection of drawings by sculptors, she added.

The Rosa drawing, in pen and brown ink, with brown wash over traces of black chalk, is a preparatory sketch for the artist’s painting “Chiron on Achilles,” and adds to an “area of the collection that we are trying to build,” said Igoe.

The Rosa drawing, in pen and brown ink, with brown wash over traces of black chalk, is a preparatory sketch for the artist’s painting “Chiron on Achilles,” and adds to an “area of the collection that we are trying to build,” said Igoe.

Ultimately the works will be part of a curated rotation at the museums developed with the students. For both the students and Kopp, the workshop was an eye-opener.



“They really got into it very, very quickly and they learned things you can’t learn anywhere else … certainly that they can’t learn in a classroom,” he said. “That was really powerful to see.”









fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://news.harvard.edu/gazette/story/2017/06/teaching-tomorrows-curators-how-to-spot-a-fake/

By: Gilbert Ngabo Metro Published on Thu Jun 01 2017


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.
















--br via tradutor do google
"O mercado de arte é uma sirene sedutora, mas também é um campo minado", disse Edouard Kopp em uma tarde ensolarada no Centro de Estudo de Arte dos Museus de Arte de Harvard, em meio a uma seleção dos trabalhos dos museus no papel.

Ignore o falso, aproveite a obra-prima.

Paris parte da oficina para ajudar futuros curadores a olhar antes de comprarem

Foi um sábio conselho para três estudantes de pós-graduação de Harvard e um curadoriro que visitou Paris para a feira de desenhos maiores do mundo, o Salon du Dessin, com o objetivo de identificar obras para adicionar à coleção dos museus. A discussão e a viagem fizeram parte de uma nova oficina para ensinar futuros estudiosos de arte e curadores a navegar o terreno complicado do mercado de arte.

Para um novato prestes a entrar na briga, a preparação é a chave.

"Há um monte de mistério em torno de aquisições em museus", disse Laura Igoe, Maher Curatorial Fellow of American Art de Harvard, que espera conquistar uma posição de curadoria em um museu quando sua irmandade termina nesta primavera. Eu sei que uma parte importante de tal posição envolverá a compra de obras de arte preciosas, uma habilidade tipicamente aprendida "no trabalho".

Até agora.

Kopp, Maida e George Abrams Associated Curator of Drawings, criaram a oficina com o apoio de Martha Tedeschi, Elizabeth e John Moors Cabot, diretor dos museus. Ela lembra bem suas próprias incursões iniciais no mercado de compras de arte como um jovem curador assistente, que incluiu visitas a galerias na Bond Street, em Londres.

"Era pia ou nadava", disse Tedeschi. "Não é um bom sentimento".

O novo workshop tem como objetivo facilitar esses medos. Durante uma semana, esses estudantes da primavera exploraram a história da coleta de arte, bem como a extensa coleção de desenhos dos museus e as atuais prioridades de coleta. Eles se encontraram com colecionadores, curadores e conservadores; Estudou o funcionamento das casas de leilões, concessionários e agentes; E aprendi a avaliar a condição de um desenho, como determinar seu valor e, talvez o mais crítico de todos, como detectar um falso. O workshop incluiu uma inspeção detalhada de várias cópias de alta qualidade.

"Imagine se você compra uma falsificação. Terrível ", disse Kopp.

Antes de partir para o show de Paris, os alunos foram convidados a prestar muita atenção aos materiais utilizados em um desenho. O papel inconsistente com uma peça do século XVII, disse Tedeschi, ou um trabalho em giz vermelho por um artista conhecido por obras de carvão vegetal poderia ser uma pista importante no reconhecimento de falhas. Ela também encorajou o grupo a tomar anotações meticulosas e a ver as obras que estavam interessadas mais de uma vez ", especialmente se você estiver olhando para o mesmo artista que pode ser representado por dois comerciantes diferentes".

Pace-se e se veste em conformidade, acrescentou Tedeschi. "Há um fator de fadiga, então use sapatos confortáveis, mesmo que seja Paris".

Esses desenhos foram recentemente adquiridos pelos Museus de Arte de Harvard com a contribuição de alunos que participaram da oficina de Kopp: (à esquerda) Alberto Giacometti, "Três Chefes de Homem e Cabeça em Perfil", 1951 ou depois, © Jill Newhouse Gallery; (Direito) Salvator Rosa, "Chiron the Centaur Ensinar o jovem Aquiles", c. 1666, © Pandora Old Masters Inc. Imagens cortesia de Harvard Art Museums

Uma vez na França para a viagem de quatro dias, os alunos não perderam tempo. Depois de uma parada em seu hotel após o vôo durante a noite, eles dirigiram-se para uma série de casas de leilão e depois para a feira.

"A emoção de ser jogada no meio dela nos manteve em pé", disse Christine Garnier, uma estudante de pós-graduação de segundo ano no Departamento de História da Arte e Arquitetura que está planejando uma carreira na academia. "Estou realmente interessado na função do mercado de arte. Eu tenho um fundo em economia e depois de estudar questões da interação entre os artistas, o mercado e o desenvolvimento do mercado no final do século 19, eu realmente queria ter uma boa perspectiva sobre o que realmente acontece ".

O grupo voltou ao campus com uma seleção de desenhos para consideração com base em uma série de fatores, incluindo condição, preço e lacunas na coleção dos museus. Em seguida, eles apresentaram suas escolhas para Tedeschi e membros seniores da equipe de liderança dos museus. Quatro obras foram aprovadas para aquisição, incluindo desenhos do escultor, pintor e gravador suíço do século XX, Alberto Giacometti, e pintor e gravador italiano do século XVII, Salvator Rosa.

"O trabalho de Giacometti é um desenho expressivo moderno de quatro estudos de cabeças que ele desenhou na parte de trás de um jornal literário. São figuras muito expressivas e muito poderosas que são típicas de seu estilo ", disse Igoe. O trabalho se encaixa bem na coleção mais ampla de desenhos dos museus por sculptores, acrescentou.

O desenho de Rosa, em caneta e tinta marrom, com lavagem marrom sobre traços de giz preto, é um esboço preparatório para a pintura do artista "Chiron on Aquiles" e acrescenta a uma "área da coleção que estamos tentando construir" Disse Igoe.

O desenho de Rosa, em caneta e tinta marrom, com lavagem marrom sobre traços de giz preto, é um esboço preparatório para a pintura do artista "Chiron on Aquiles" e acrescenta a uma "área da coleção que estamos tentando construir" Disse Igoe.

Em última análise, as obras serão parte de uma rotação curada nos museus desenvolvidos com os alunos. Tanto para estudantes quanto para Kopp, o workshop foi um abridor.


"Eles realmente entraram nisso muito, muito rapidamente e eles aprenderam coisas que você não pode aprender em nenhum outro lugar ... certamente que eles não podem aprender em uma sala de aula", disse ele. "Isso foi realmente poderoso para ver".

Nenhum comentário:

Postar um comentário