Google+ Followers

terça-feira, 25 de julho de 2017

Intangible Heritage - Ritual of traditional peoples contains scientific programming. In Minas Gerais, Brazil. - Patrimônio imaterial - Ritual de povos tradicionais encerra programação científica. Em Minas Gerais, Brasil.

An unusual meeting between indigenous peoples and reign guards, with more than 200 participants, marked the closing of the scientific program of the 69th Annual Meeting of the Brazilian Society for the Advancement of Science (SBPC), on the night of this Friday, 21 (Watch the video Above, produced by TV UFMG).


Ildeu Moreira and Jaime Ramírez receive blessings at the celebration. Photo: Foca Lisboa / UFMG

"The University receives and pays homage to two of the great roots of Minas Gerais," commented the Director of Cultural Action of UFMG, professor Leda Martins. The cortege left the School of Fine Arts for the Rectory, where authorities and other participants of the event were greeted with singing and celebratory ritual, and finished in the Service Square, with performances of each group and dinner offered by the University.



Participant records presentation. Photo: Foca Lisboa / UFMG

Representatives of the Guarani, Maxakali, Pataxó, Pataxó, Hatafa and Xakriabá Indigenous Peoples and the reigns of the Arturos, Jatobá and Treze de Maio participated in the event. According to Leda Martins, 15 years ago, the UFMG promoted, for the first time, this type of meeting, in the event of ethnomusicology.


Representatives of five ethnic groups participated in the procession. Photo: Foca Lisboa UFMG

The Indians, the first peoples who inhabited the Americas, opened the cortege with songs and were followed by three of the most traditional kingdoms of the capital. First, he joined the procession Reinado Treze de Maio, founded in 1944 by his queen, Isabel Cassimira. Until her death last year, she contributed to several UFMG activities, in Winter Festival editions, lectures and in the set of academic disciplines Transversal Formations.


Courtship walked the streets of the Pampulha campus. Photo: Foca Lisboa / UFMG

Then came the Jatobá reign, whose origins date back to the mid-19th century. The group was listed in 1995 as a cultural heritage of Belo Horizonte. Finally, closing the cortege, came the members of the Community of Arturos, listed as intangible heritage of the state of Minas Gerais and one of the oldest kingdoms of the Metropolitan Region.

More photos of the cortejo are available on Facebook from Facebook da UFMG.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br 
Patrimônio imaterial - Ritual de povos tradicionais encerra programação científica. Em Minas Gerais, Brasil. 

Encontro incomum entre povos indígenas e guardas de reinado, com mais de 200 participantes, marcou o encerramento da programação científica da 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na noite desta sexta-fera, 21 (Assista ao vídeo acima, produzido pela TV UFMG).


Ildeu Moreira e Jaime Ramírez recebem bênçãos na celebração. Foto: Foca Lisboa / UFMG 

“A Universidade recebe e presta homenagem a duas das grandes raízes de Minas Gerais”, comentou a diretora de Ação Cultural da UFMG, professora Leda Martins. O cortejo saiu da Escola de Belas Artes para a Reitoria, onde autoridades e demais participantes do evento foram saudados com cantos e ritual celebratório, e terminou na Praça de Serviços, com performances de cada grupo e jantar oferecido pela Universidade.

Participante registra apresentação. Foto: Foca Lisboa / UFMG 

Participaram do evento representantes dos povos indígenas guarani, maxakali, pataxó, pataxó hã hã hãe e xakriabá e os reinados dos Arturos, do Jatobá e Treze de Maio. De acordo com Leda Martins, há 15 anos, a UFMG promoveu, pela primeira vez, esse tipo de encontro, em evento de etnomusicologia.

Representantes de cinco etnias participaram do cortejo. Foto: Foca Lisboa UFMG 

Os indígenas, primeiros povos que habitaram as Américas, abriram o cortejo com cantos e foram seguidos por três dos reinos mais tradicionais da capital mineira. Em primeiro lugar, integrou o cortejo o Reinado Treze de Maio, fundado em 1944 por sua rainha, Isabel Cassimira. Até a sua morte, no ano passado, ela contribuiu com diversas atividades da UFMG, em edições do Festival de Inverno, palestras e no conjunto de disciplinas acadêmicas Formações Transversais.

Cortejo percorreu ruas do campus Pampulha. Foto: Foca Lisboa / UFMG 

Em seguida, entrou o reinado Jatobá, cujas origens remontam a meados do século 19. O grupo foi tombado em 1995 como patrimônio cultural de Belo Horizonte. Por fim, fechando o cortejo, vieram os integrantes da Comunidade dos Arturos, tombada como patrimônio imaterial do estado de Minas Gerais e um dos reinos mais antigos da Região Metropolitana. 

Mais fotos do cortejo estão disponíveis no Facebook da UFMG.



How Creative Destruction Saved Creativity. - Como a Destruição Criativa salvou a criatividade.

The New York Times once ran a piece called “The Creative Apocalypse That Wasn’t,” which used employment data to make a case that the predicted decline of arts careers in the digital age hadn’t come to pass. 



Predictably, the responses from the music industry rolled in, including a thoughtful piece from my former editor Rob Levine in Billboard. Both pieces are worth reading, but they also both miss a number of key points.

Self-Employing Creativity

First, both pieces operate off of a narrow definition of “creative work.” The New York Times piece focuses on a giant data set that includes professional athletes, and then a smaller data set of self-employed musicians; Levine’s refutation responds to these stats. What’s being left out here is the massive number of creative workers who have jumped from self-employment into other creative professions — careers that didn’t exist before the rise of the internet.

There are more avenues to make a living doing creative work than ever before.

Take Bruce Henderson, for example. In 1999, he was a self-employed musician and writer who was booked on Letterman — surely something that would boost his career into the stratosphere. He played the Late Show and sold a grand total of 80 copies of his latest album. Around the same time, he started working at a fledgling website called Agency.com. He was doing creative work, some of it musical, just in a different place. Henderson stayed in the advertising world, eventually become the chief creative officer for North America of Geometry Global. When I spoke to him last month, he was calling from his beach house, so you can guess how things worked out for him.

One thing that’s been largely left out of all these discussions is that there are more avenues to make a living doing creative work than ever before. Almost every day I run by the new Vice offices, which take up almost an entire block in Brooklyn. They employ plenty of creative people to make music and films — and they barely existed 15 years ago. Ditto for any number of agencies and web design shops that hire artsy types to bring their creative minds to work.

Even for artists who don’t want to get a day job, there are more options now than before. Take Matt and Kim, an indie pop duo who haven’t sold many records but have worked with tons of brands and made the rounds on the festival circuit. Before 1999, artists shunned big brands for the most part — but now, bands are expected and even encouraged to partner with brands in order to make money. The rise of other creative industries, including the golden age of TV and the exploding video gaming market, also present opportunities for musicians to license and monetize their creative work. And while plenty of start-ups taketh away, a few also giveth — for example, Flipagram. Artists can now monetize when people use their music to score a photo slideshow or video — something that wouldn’t have been possible even a few years ago.

Expanding the Horizons

The other main failure of the Times piece and the responses is that the data they look at is limited geographically. As someone who has done a fair bit of data journalism, I completely understand the desire not to wade through international data sets, and since the Times is an American publication with a largely American audience, keeping the focus narrow was a fair choice. However, it means a huge part of the story was left out.

Consider, for a moment, the case of Spoek Mathambo, a South African producer and rapper. Born and raised in Soweto, he rose to prominence when his spooky remix of the Joy Division song “She’s Lost Control” and the accompanying video blew up on YouTube; he signed to Sub Pop Records and has worked on a documentary series with Vice.

Would any of this have been possible before the web? Sure, there were international artists, but they had to go through gatekeepers to find broader distribution and a global audience. In Mathambo’s case, he was able to build his career on his YouTube popularity — no international distribution deal needed. All he needed was a laptop, a camera, and some recording software.

In countries where playing music in public is illegal, the web has made all the difference.

For artists in certain countries, the web has made all the difference in the world. Ayham Homsi is a musician and producer in Saudi Arabia — a country where playing music in public is largely illegal. Before the web, he could have maybe recorded albums and given copies to friends; now, he posts his tracks on Soundcloud and YouTube for the whole world to hear.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.












--br via tradutor do google
Como a Destruição Criativa salvou a criatividade.

O New York Times realizou uma peça chamada "The Creative Apocalypse That Was Not", que usou dados de emprego para fazer um caso de que o declínio previsto das carreiras de artes na era digital não havia acontecido.

Previsivelmente, as respostas da indústria da música entraram, incluindo uma peça pensativa do meu antigo editor, Rob Levine, na Billboard. Ambas as peças valem a pena ler, mas também faltam uma série de pontos-chave.

Criatividade autônoma

Primeiro, ambas as peças operam com uma definição restrita de "trabalho criativo". A peça do New York Times concentra-se em um conjunto de dados gigantes que inclui atletas profissionais e, em seguida, um conjunto de dados menores de músicos independentes; A refutação de Levine responde a essas estatísticas. O que está sendo deixado para fora aqui é o número maciço de trabalhadores criativos que pulou do auto-emprego em outras profissões criativas - carreiras que não existiam antes do surgimento da internet.

Há mais caminhos para ganhar a vida fazendo trabalho criativo do que nunca.

Pegue Bruce Henderson, por exemplo. Em 1999, ele era um músico e escritor autônomo que estava reservado em Letterman - certamente algo que aumentaria sua carreira na estratosfera. Ele jogou o Late Show e vendeu um total de 80 cópias do seu último álbum. Ao mesmo tempo, ele começou a trabalhar em um site incipiente chamado Agency.com. Ele estava fazendo um trabalho criativo, um pouco musical, apenas em um lugar diferente. Henderson ficou no mundo da publicidade, eventualmente se tornou o principal responsável pela criação da North America of Geometry Global. Quando falei com ele no mês passado, ele estava ligando de sua casa de praia, então você pode adivinhar como as coisas funcionaram para ele.

Uma coisa que foi largamente deixada fora de todas essas discussões é que existem mais caminhos para ganhar a vida trabalhando criativo do que nunca. Quase todos os dias eu corro pelos novos escritórios de vice, que ocupam quase um bloco inteiro no Brooklyn. Eles empregam muitas pessoas criativas para fazer música e filmes - e eles mal existiram há 15 anos. Ditto para qualquer número de agências e lojas de design web que contratam tipos artísticos para que suas mentes criativas funcionem.

Mesmo para os artistas que não desejam obter um trabalho diário, existem mais opções do que antes. Pegue a Matt e Kim, uma dupla pop indie que não vendeu muitos discos, mas trabalhou com toneladas de marcas e fez as rodadas no circuito do festival. Antes de 1999, os artistas evitavam as grandes marcas na maior parte - mas agora, as bandas são esperadas e até incentivadas a parcerias com as marcas para ganhar dinheiro. O aumento de outras indústrias criativas, incluindo a era de ouro da TV e o mercado de videogames explodindo, também oferecem oportunidades para que os músicos licenciem e monetizem seu trabalho criativo. E enquanto muitas start-ups desaparecem, algumas também dão - por exemplo, Flipagram. Os artistas agora podem monetizar quando as pessoas usam sua música para marcar uma apresentação de slides de fotos ou um vídeo - algo que não seria possível até alguns anos atrás.

Expandindo os horizontes

A outra falha principal da peça do Times e as respostas é que os dados que eles olham são limitados geograficamente. Como alguém que fez um pouco de jornalismo de dados, compreendo completamente o desejo de não passar pelos conjuntos de dados internacionais, e como o Times é uma publicação americana com uma audiência em grande parte americana, manter o foco estreito era uma escolha justa. No entanto, significa que uma grande parte da história foi deixada de fora.

Considere, por um momento, o caso de Spoek Mathambo, um produtor e rapper da África do Sul. Nascido e criado em Soweto, ele se tornou proeminente quando seu remix assustador da música da Joy Division "She's Lost Control" e o vídeo que acompanha explodiu no YouTube; Ele assinou para Sub Pop Records e trabalhou em uma série de documentários com Vice.

Algum desse jeito foi possível antes da web? Claro, havia artistas internacionais, mas eles tinham que passar por gatekeepers para encontrar uma distribuição mais ampla e uma audiência global. No caso de Mathambo, ele conseguiu construir sua carreira na popularidade do YouTube - não era necessário nenhum acordo de distribuição internacional. Tudo o que ele precisava era um laptop, uma câmera e algum software de gravação.

Nos países onde tocar música em público é ilegal, a internet fez toda a diferença.

Para artistas em certos países, a web fez toda a diferença no mundo. Ayham Homsi é um músico e produtor na Arábia Saudita - um país onde tocar música em público é em grande parte ilegal. Antes da web, ele poderia ter talvez gravado álbuns e cópias fornecidas para amigos; Agora, ele publica suas faixas no Soundcloud e no YouTube para o mundo inteiro ouvir.


segunda-feira, 24 de julho de 2017

Museum Of London Imagines What Future London Might Look Like. - Museum Of London Imagina como poderia ser o futuro de Londres.

How do we improve urban living standards? What ideas have worked in other cities and are they relevant to London? What does the future hold for everyone living in this city? These are meaty questions and a massive topic that The City is Ours, a free exhibition at Museum of London, attempts to tackle.


Visitors can submit their own views for improving London.

The largest section of the show covers the big questions and examples from across the world. We see how a district in Leipzig now lies deserted due to a factory closure, and how a half-built tower in Caracas has been inhabited by squatters and turned into a vertical slum.


There are interactive displays aplenty.

Migrants tell their stories of settling into new areas though videos, and there are interactive elements such as a pinball machine with larger holes representing large cities, showing how they have a greater pull on people who tend to gravitate to them for both living and working.

A virtual reality headset which places visitors at the very edge of a skyscraper in Hong Kong is particularly impressive, creating a vertiginous experience that has us feeling weak at the knees.


Visitors engaging with the elements of the show.


Biting off such a large subject means many issues are touched upon but not fully explored, raising key questions but not offering solutions or digging deeper into the details. 

A reference is made to community energy and how excess energy from solar panels may be transferred to nearby businesses and houses. But how does this work? Are there any examples from around the world? When is this likely to happen? This show constantly leaves us wanting more. It may be quite effective at engaging children but for adults it feels a bit lightweight.

Thankfully, a second section does show real world examples of urban innovations including underground bike storage in Tokyo, paving slabs that generate energy when stepped on, and hole in the wall computers which children in impoverished areas can access on the street.


Step on these slabs to activate the lights by generating energy

However, the two sections of this exhibition don't seem to quite match up and it does feel like two related, but separate, shows. Even with these flaws, it is still full of interesting insights into current and future life in an urban environment.

The City is Ours is on at Museum of London until 2 January 2018. Entrance is free.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
Museum Of London Imagina como poderia ser o futuro de Londres.

Como melhoramos o padrão de vida urbana? Que idéias já funcionaram em outras cidades e são relevantes para Londres? O que o futuro espera para todos os que vivem nesta cidade? Estas são questões carnudas e um tópico maciço que The City is Our, uma exposição gratuita no Museum of London, tenta enfrentar.

A maior seção do show cobre as grandes questões e exemplos de todo o mundo. Nós vemos como um distrito em Leipzig agora está deserto devido a um fechamento da fábrica e como uma torre semi construída em Caracas foi habitada por invasores e transformada em uma favela vertical.

Os migrantes contam suas histórias de se estabelecerem em novas áreas, apesar de vídeos, e há elementos interativos, como uma máquina de pinball com furos maiores que representam grandes cidades, mostrando como eles têm uma maior atração em pessoas que tendem a gravitar para eles tanto para viver e trabalhar.

Um fone de ouvido de realidade virtual que coloca os visitantes na extremidade de um arranha-céu em Hong Kong é particularmente impressionante, criando uma experiência vertiginosa que nos sentem fracos nos joelhos.

Borrar um assunto tão grande significa que muitos problemas são abordados, mas não totalmente explorados, levantando questões-chave, mas não oferecendo soluções ou cavando mais fundo nos detalhes.

Uma referência é feita para a energia da comunidade e como o excesso de energia dos painéis solares pode ser transferido para empresas e casas vizinhas. Mas como isso funciona? Existem exemplos de todo o mundo? Quando isso provavelmente acontecerá? Este show constantemente nos deixa querendo mais. Pode ser bastante eficaz para atrair crianças, mas para adultos é um pouco leve.

Felizmente, uma segunda seção mostra exemplos do mundo real de inovações urbanas, incluindo o armazenamento de bicicletas subterrâneas em Tóquio, lajes de pavimentação que geram energia quando pisados ​​e buracos nos computadores de parede que as crianças em áreas empobrecidas podem acessar na rua.

No entanto, as duas seções desta exibição não parecem bastante coincidentes e sentem dois shows relacionados, mas separados. Mesmo com essas falhas, ainda está cheia de informações interessantes sobre a vida atual e futura em um ambiente urbano.

A Cidade é Nossa é no Museu de Londres até 2 de janeiro de 2018. A entrada é gratuita.




Everything you ever wanted to know about the Rosetta Stone. - Tudo o que você sempre quis saber sobre a Rosetta Stone

You've probably heard of the Rosetta Stone. It's one of the most famous objects in the British Museum, but what actually is it? Take a closer look...


The Rosetta Stone on display in Room 4.

What is the Rosetta Stone?

The Rosetta Stone and a reconstruction of how it would have originally looked. Illustration by Claire Thorne.

The Rosetta Stone is one of the most famous objects in the British Museum. But what is it?

The Stone is a broken part of a bigger stone slab. It has a message carved into it, written in three types of writing (called scripts). It was an important clue that helped experts learn to read Egyptian hieroglyphs (a writing system that used pictures as signs).

Why is it important?

The writing on the Stone is an official message, called a decree, about the king (Ptolemy V, r. 204–181 BC). The decree was copied on to large stone slabs called stelae, which were put in every temple in Egypt. It says that the priests of a temple in Memphis (in Egypt) supported the king. The Rosetta Stone is one of these copies, so not particularly important in its own right.

The important thing for us is that the decree is inscribed three times, in hieroglyphs (suitable for a priestly decree), Demotic (the native Egyptian script used for daily purposes, meaning ‘language of the people’), and Ancient Greek (the language of the administration – the rulers of Egypt at this point were Greco-Macedonian after Alexander the Great’s conquest).

The Rosetta Stone was found broken and incomplete. It features 14 lines of hieroglyphic script:

Detail of the hieroglyphs, including a cartouche featuring the name Ptolemy (written right to left, along with an Egyptian honorific).

The importance of this to Egyptology is immense. When it was discovered, nobody knew how to read ancient Egyptian hieroglyphs. Because the inscriptions say the same thing in three different scripts, and scholars could still read Ancient Greek, the Rosetta Stone became a valuable key to deciphering the hieroglyphs.

Detail of the Demotic section of the text.



When was it found?

Napoleon Bonaparte campaigned in Egypt from 1798 to 1801, with the intention of dominating the East Mediterranean and threatening the British hold on India. Although accounts of the Stone’s discovery in July 1799 are now rather vague, the story most generally accepted is that it was found by accident by soldiers in Napoleon’s army. They discovered the Rosetta Stone on 15 July 1799 while digging the foundations of an addition to a fort near the town of Rashid (Rosetta) in the Nile Delta. It had apparently been built into a very old wall. The officer in charge, Pierre-François Bouchard (1771–1822), realised the importance of the discovery.

he city of Rosetta around the time the Rosetta Stone was found. Hand-coloured aquatint etching by Thomas Milton (after Luigi Mayer), 1801–1803.

On Napoleon’s defeat, the stone became the property of the British under the terms of the Treaty of Alexandria (1801) along with other antiquities that the French had found. The stone was shipped to England and arrived in Portsmouth in February 1802.

Who cracked the code?

Soon after the end of the 4th century AD, when hieroglyphs had gone out of use, the knowledge of how to read and write them disappeared. In the early years of the 19th century, scholars were able to use the Greek inscription on this stone as the key to decipher them. Thomas Young (1773–1829), an English physicist, was the first to show that some of the hieroglyphs on the Rosetta Stone wrote the sounds of a royal name, that of Ptolemy.

A letter from Thomas Young about hieroglyphs, written on 10 February 1818. The meanings he suggests for these groups are mostly correct, but he was unable to analyse how the signs conveyed their meaning, and they are little more than highly educated guesses!


The French scholar Jean-François Champollion (1790–1832) then realised that hieroglyphs recorded the sound of the Egyptian language. This laid the foundations of our knowledge of ancient Egyptian language and culture. Champollion made a crucial step in understanding ancient Egyptian writing when he pieced together the alphabet of hieroglyphs that was used to write the names of non-Egyptian rulers. He announced his discovery, which had been based on analysis of the Rosetta Stone and other texts, in a paper at the Academie des Inscriptions et Belles Lettres at Paris on Friday 27 September 1822. The audience included his English rival Thomas Young, who was also trying to decipher Egyptian hieroglyphs.


Champollion’s hieroglyphic hand.

Champollion inscribed this copy of the published paper with alphabetic hieroglyphs meaning ‘à mon ami Dubois’ (‘to my friend Dubois’). Champollion made a second crucial breakthrough in 1824, realising that the alphabetic signs were used not only for foreign names, but also for the Egyptian language and names. Together with his knowledge of the Coptic language, which derived from ancient Egyptian, this allowed him to begin reading hieroglyphic inscriptions fully.

What does the inscription actually say?

The inscription on the Rosetta Stone is a decree passed by a council of priests. It is one of a series that affirm the royal cult of the 13-year-old Ptolemy V on the first anniversary of his coronation (in 196 BC). You can read the full translation here.

In previous years the family of the Ptolemies had lost control of certain parts of the country. It had taken their armies some time to put down opposition in the Delta, and parts of southern Upper Egypt, particularly Thebes, were not yet back under the government’s control. Before the Ptolemaic era, decrees in hieroglyphs such as this were usually set up by the king. It shows how much things had changed from earlier times that the priests, the only people who had kept the knowledge of writing hieroglyphs, were now issuing such decrees. The list of the king’s good deeds done for the temples is interesting. It hints that this was a way for the pharaoh to ensure the priests’ support for the regime.

Where is it now?

After the Stone was shipped to England in February 1802, it was presented to the British Museum by George III in July of that year. The Rosetta Stone and other sculptures were placed in temporary structures in the Museum grounds because the floors were not strong enough to bear their weight! After a plea to Parliament for funds, the Trustees began building a new gallery to house these acquisitions.

The Rosetta Stone has been on display in the British Museum since 1802, with only one break. Towards the end of the First World War, in 1917, when the Museum was concerned about heavy bombing in London, they moved it to safety along with other, portable, ‘important’ objects. The iconic object spent the next two years in a station on the Postal Tube Railway 50 feet below the ground at Holborn.

Today, you can see the Rosetta Stone in Room 4 (the Egyptian Sculpture Gallery), and remotely visit it on Google Street View. You can touch a replica of it in Room 1 (the Enlightenment Gallery). You can even explore it in 3D with this scan:



















Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.













--br via tradutor do google
Tudo o que você sempre quis saber sobre a Rosetta Stone.

Você provavelmente já ouviu falar da Rosetta Stone. É um dos objetos mais famosos do Museu Britânico, mas o que é mesmo? Olhe mais de perto...

O que é o Rosetta Stone?

A Rosetta Stone é um dos objetos mais famosos do Museu Britânico. Mas o que é isso?

A Pedra é uma parte quebrada de uma laje de pedra maior. Tem uma mensagem esculpida, escrita em três tipos de escrita (chamados scripts). Foi uma pista importante que ajudou os especialistas a aprender a ler hieróglifos egípcios (um sistema de escrita que usava fotos como sinais).

Por que isso é importante?

A escrita na Pedra é uma mensagem oficial, chamada de decreto, sobre o rei (Ptolemy V, r 204-181 aC). O decreto foi copiado para grandes lajes de pedra chamadas estelas, que foram colocadas em todos os templos do Egito. Diz que os sacerdotes de um templo em Memphis (no Egito) apoiaram o rei. A Rosetta Stone é uma dessas cópias, portanto não é particularmente importante por conta própria.

O importante para nós é que o decreto é inscrito três vezes, nos hieróglifos (apropriados para um decreto sacerdotal), Demótica (o script egípcio nativo usado para fins diários, que significa "linguagem do povo") e grego antigo (o idioma Da administração - os governantes do Egito neste ponto eram greco-macedônio após a conquista de Alexandre, o Grande).

A Rosetta Stone foi encontrada quebrada e incompleta. Possui 14 linhas de roteamento hieroglyphic:

A importância disso para a egiptologia é imensa. Quando foi descoberto, ninguém sabia como ler hieróglifos egípcios antigos. Porque as inscrições dizem o mesmo em três scripts diferentes, e os estudiosos ainda podem ler o grego antigo, a pedra de Rosetta tornou-se uma chave valiosa para decifrar os hieróglifos.

Quando foi encontrado?

Napoleão Bonaparte fez campanha no Egito de 1798 a 1801, com a intenção de dominar o Mediterrâneo Oriental e ameaçando a prisão britânica na Índia. Embora as contas da descoberta da pedra em julho de 1799 sejam agora bastante vagas, a história mais geralmente aceita é que ela foi encontrada por acidente por soldados no exército de Napoleão. Eles descobriram a Rosetta Stone em 15 de julho de 1799, enquanto cavavam os fundamentos de uma adição a um forte perto da cidade de Rashid (Rosetta) no Delta do Nilo. Aparentemente foi construído em uma parede muito antiga. O responsável, Pierre-François Bouchard (1771-1822), percebeu a importância da descoberta.

Na derrota de Napoleão, a pedra tornou-se propriedade dos britânicos sob os termos do Tratado de Alexandria (1801), juntamente com outras antiguidades que os franceses encontraram. A pedra foi enviada para a Inglaterra e chegou em Portsmouth em fevereiro de 1802.

Quem criou o código?

Logo após o final do século IV dC, quando os hieróglifos ficaram fora de uso, o conhecimento de como ler e escrever desapareceu. Nos primeiros anos do século 19, os estudiosos puderam usar a inscrição grega nesta pedra como a chave para decifrá-los. Thomas Young (1773-1829), um físico inglês, foi o primeiro a mostrar que alguns dos hieróglifos da Pedra de Rosetta escreveram os sons de um nome real, o de Ptolomeu.

O estudioso francês Jean-François Champollion (1790-1832) então percebeu que os hieróglifos gravavam o som da língua egípcia. Isso estabeleceu os fundamentos do nosso conhecimento da língua e da cultura egípcias antigas. Champollion deu um passo crucial na compreensão da escrita egípcia antiga quando ele reuniu o alfabeto dos hieróglifos que foi usado para escrever os nomes dos governantes não egípcios. Ele anunciou sua descoberta, que se baseou na análise da Rosetta Stone e outros textos, em um artigo na Academie des Inscriptions et Belles Lettres de Paris, na sexta-feira, 27 de setembro de 1822. O público incluiu o seu rival inglês Thomas Young, que também foi Tentando decifrar hieróglifos egípcios.

Champollion inscreveu esta cópia do artigo publicado com hieróglifos alfabéticos que significam 'à mon ami Dubois' ('para meu amigo Dubois'). Champollion fez um segundo avanço crucial em 1824, percebendo que os sinais alfabéticos eram usados ​​não apenas para nomes estrangeiros, mas também para a língua e nomes egípcios. Juntamente com o conhecimento da língua copta, que derivou do egípcio antigo, isso permitiu que ele começasse a ler completamente as inscrições hieroglíficas.

O que a inscrição realmente diz?

A inscrição na Pedra de Rosetta é um decreto aprovado por um conselho de sacerdotes. É uma série que afirma o culto real do Ptolomeu V de 13 anos no primeiro aniversário de sua coroação (em 196 aC). Você pode ler a tradução completa aqui.

Em anos anteriores, a família dos Ptolomeus havia perdido o controle de certas partes do país. Levaram seus exércitos algum tempo para derrubar a oposição no Delta, e partes do sul do Alto Egito, em particular de Tebas, ainda não estavam sob o controle do governo. Antes da era ptolemaica, os decretos em hieróglifos como este geralmente eram estabelecidos pelo rei. Isso mostra o quanto as coisas mudaram desde tempos anteriores, que os sacerdotes, as únicas pessoas que mantiveram o conhecimento de escrever hieróglifos, agora estavam emitiendo tais decretos. A lista dos bons feitos do rei feito pelos templos é interessante. Insinua que esta era uma maneira para o faraó assegurar o apoio dos sacerdotes ao regime.

Onde está agora?

Depois que Stone foi enviado para a Inglaterra em fevereiro de 1802, foi apresentado ao Museu Britânico por George III em julho desse ano. A pedra de Rosetta e outras esculturas foram colocadas em estruturas temporárias nas áreas do museu porque os pisos não eram fortes o suficiente para suportar seu peso! Após um pedido ao Parlamento por fundos, os curadores começaram a construir uma nova galeria para abrigar essas aquisições.

A Rosetta Stone foi exibida no British Museum desde 1802, com apenas uma ruptura. No final da Primeira Guerra Mundial, em 1917, quando o Museu estava preocupado com o bombardeio pesado em Londres, eles o moviam em segurança junto com outros objetos "importantes" portáteis. O ícono icônico passou os próximos dois anos em uma estação na Estação Ferroviária Postal 50 pés abaixo do solo em Holborn.

Hoje, você pode ver a Rosetta Stone no Quarto 4 (a Galeria egípcia de escultura) e visitá-la remotamente no Google Street View. Você pode tocar uma réplica no Quarto 1 (a Galeria do Iluminismo). Você pode até explorá-lo em 3D com esta varredura:

domingo, 23 de julho de 2017

The Novgorod Museum-Reserve has acquired unique historical photographs. - O Novgorod Museum-Reserve adquiriu fotografias históricas únicas - Новгородский музей-заповедник обрел уникальные исторические фотографии

Moscow House of Russian Abroad. A. Solzhenitsyn in the person of Deputy Director Igor Domnin gave the Novgorod Museum-Reserve five photographs of 1893. The showcases of the prerevolutionary Museum of Antiquities shown to them became a real discovery for the staff. Surprising is the very history of finding photos.

As it turned out, Igor Domnin had been to Valdai on business many times, but in Veliky Novgorod for many decades he visited for the first time, moreover with such an important mission. He also told about his personal participation in this story.

- In the process of collecting materials for our funds, we are confronted with the destinies of people and communities. One such meeting is the legacy of Boris Nikolsky, a public figure of the Russian diaspora, who lived and taught history in Geneva since 1921. I met his daughter Elizaveta Borisovna in 2008. She gave us her father's archive, it contained personal documents, notes, works, correspondence with people like Peter Struve or Anton Kartashov. And on one of my visits to Geneva, she showed pictures found in one of the books. "It would be right if you would transfer them to Novgorod on occasion," she said. For a long time my working ways passed by your city. But now everything has taken place. I am happy to be involved in this mission, which I regard not as my own, but at the House of the Russian Abroad and, to a greater extent, the Nikolskie family, who have not lost what has fallen into their hands.



Of course, it is no longer possible to trace the path of photographs from Novgorod to the Nikolskaya apartment in Kiev. Probably, they fell into the hands of Boris Nikolsky due to his extensive social activities. And now they have returned to where they were made, presenting new topics for researchers.

"The photos we received will allow us to restore the lost chains," says Yulia Kolomytseva, deputy director general of the Novgorod Museum-Reserve. - They reflect not someone's family history, but the history of the Novgorod Museum and the Russian state.



As is known, many museum antiquities were lost during the war, as well as documents shedding light on their history. The newest chronicle has been in existence since 1952, and only such discoveries as these photographs help researchers "recall" the museum history of the late 19th and early 20th centuries. The first discoveries did not take long.



- In one of the photos we see how two eucharistic coverslips are exhibited, - says Elena Ignashina, a senior scientific employee of the museum. - Both items in pre-revolutionary catalogs appear as originating from the Goritsky Monastery on the Sheksna River. The monastery itself was founded in 1544 by Euphrosyneia Staritskaya, and later a gold embroidery workshop appeared in it. He survived the Great Patriotic War of the two Chavers of the XVII century alone. The second one was known to us only from the catalog and the pro-issy. And now we have a unique opportunity to learn how he looked.

A good quality of photographs, allowing to see the lost antiquities, said the expert of the Novgorod Museum Natalia Gormina.



- By the time the photographs were taken, the Novgorod museum numbered almost 2,000 items, a separate building was built for it. I was touched by the reverse side, filled with the hand of the custodians. This is also part of the museum's history. In the photographs I was able to see the chalice that is now in our fund. But we do not have a nearby object for consecrated gifts, and this is all the more interesting for researchers. The emergence of such a historical source for our documentary fund is extremely important.



Despite the fact that there are only five photos, they have already opened to researchers a huge potential for discovery. Interest to him shows the custodians of various funds. Also a wonderful gift for museum art historians and researchers of military history were the editions of the House of Russian Abroad.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--in via tradutor do google
O Novgorod Museum-Reserve adquiriu fotografias históricas únicas

Casa de Moscou do russo no exterior. A. Solzhenitsyn na pessoa do vice-diretor Igor Domnin deu o Museu Novgorod - Reserve cinco fotografias de 1893. As vitrines do Museu das Antiguidades pré-revolucionárias que lhes foram mostradas se tornaram uma verdadeira descoberta para a equipe. Surpreendente é a própria história de encontrar fotos.

Como aconteceu, Igor Domnin tinha estado em Valdai por diversas vezes, mas em Veliky Novgorod durante muitas décadas visitou pela primeira vez, além disso, com uma missão tão importante. Ele também falou sobre sua participação pessoal nesta história.

- No processo de recolha de materiais para nossos fundos, somos confrontados com os destinos de pessoas e comunidades. Um desses encontros é o legado de Boris Nikolsky, uma figura pública da diáspora russa, que viveu e ensinou história em Genebra desde 1921. Conheci sua filha Elizaveta Borisovna em 2008. Ela nos deu o arquivo de seu pai, continha documentos pessoais, notas , Obras, correspondência com pessoas como Peter Struve ou Anton Kartashov. E em uma das minhas visitas a Genebra, ela mostrou fotos encontradas em um dos livros. "Seria certo se você as transferisse para Novgorod na ocasião", disse ela. Durante muito tempo, meus caminhos de trabalho passaram por sua cidade. Mas agora tudo aconteceu. Estou feliz por estar envolvido nesta missão, que não considero minha própria, mas na Casa dos Ratos no Exterior e, em maior medida, a família Nikolskie, que não perdeu o que caiu em suas mãos.

Claro, já não é possível traçar o caminho das fotografias de Novgorod para o apartamento Nikolskaya em Kiev. Provavelmente, eles caíram nas mãos de Boris Nikolsky devido às suas extensas atividades sociais. E agora eles voltaram para onde foram criados, apresentando novos tópicos para pesquisadores.

"As fotos que recebemos nos permitirão restaurar as cadeias perdidas", diz Yulia Kolomytseva, vice-diretora geral do Museu-Reserva Novgorod. - Eles não refletem a história familiar de alguém, mas a história do Museu Novgorod e do Estado russo.

Como é sabido, muitas antiguidades dos museus foram perdidas durante a guerra, bem como documentos que deram luz sobre sua história. A cronica mais nova já existe desde 1952, e apenas descobertas tais como essas fotografias ajudam os pesquisadores a "recordar" a história do museu do final do século XIX e início do século XX. As primeiras descobertas não demoraram muito.

- Em uma das fotos, vemos como são exibidos dois lamínulas eucarísticas, - diz Elena Ignashina, uma colaboradora científica do museu. - Ambos os itens em catálogos pré-revolucionários aparecem como originários do Mosteiro de Goritsky no rio Sheksna. O próprio mosteiro foi fundado em 1544 pela Euphrosyneia Staritskaya, e depois apareceu uma oficina de bordados de ouro. Ele sobreviveu à Grande Guerra Patriótica dos dois Chavers do século XVII sozinho. O segundo foi conhecido apenas do catálogo e do pro-issy. E agora temos uma oportunidade única para aprender como ele olhou.

Uma boa qualidade de fotografias, permitindo ver as antiguidades perdidas, disse o especialista do Museu Novgorod Natalia Gormina.

- No momento em que as fotografias foram tiradas, o museu de Novgorod contava quase 2.000 itens, um edifício separado foi construído para isso. Fui tocado pelo reverso, preenchido com a mão dos guardiões. Isso também faz parte da história do museu. Nas fotografias eu consegui ver o cálice que está agora em nosso fundo. Mas não temos um objeto próximo para presentes consagrados, e isso é ainda mais interessante para os pesquisadores. O surgimento de uma fonte tão histórica para o nosso fundo documentário é extremamente importante.

Apesar do fato de que existem apenas cinco fotos, eles já abriram aos pesquisadores um enorme potencial de descoberta. O interesse por ele mostra os custódios de vários fundos. Também um presente maravilhoso para historiadores de arte de museus e pesquisadores de história militar foram as edições da Casa do russo no exterior.
















--ru

Новгородский музей-заповедник обрел уникальные исторические фотографии

Московский Дом русского зарубежья им. А. Солженицына в лице заместителя директора Игоря Домнина передал Новгородскому музею-заповеднику пять фотографий 1893 года. Изображенные на них витрины дореволюционного Музея древностей стали для сотрудников настоящим открытием. Удивительна и сама история обретения фотографий.

Как оказалось, Игорь Домнин по делам службы не раз бывал в Валдае, но в Великом Новгороде за много десятилетий побывал впервые, да еще с такой важной миссией. Он же и рассказал о своем личном участии в этой истории.

- В процессе собирания материалов для наших фондов мы сталкиваемся с судьбами людей, сообществ. Одна из таких встреч – наследие Бориса Александровича Никольского, общественного деятеля русского зарубежья, жившего и преподававшего историю в Женеве с 1921 года. С его дочерью Елизаветой Борисовной я познакомился в 2008 году. Она передала нам архив своего отца, в нем содержались личные документы, записки, труды, переписка с такими людьми как Петр Струве или Антон Карташов. И в один из моих приездов в Женеву она показала фотографии, найденные в одной из книг. «Было бы правильно, если Вы при случае передали бы их в Новгород», - сказала она. Долго мои рабочие пути проходили мимо вашего города. Но вот теперь всё состоялось. Я рад быть причастным к этой миссии, которую я расцениваю не как собственную, а Дома русского зарубежья и еще в большей степени семьи Никольских, не утративших того, что попало им в руки.

Конечно, проследить путь фотографий из Новгорода до женевской квартиры Никольских уже не представляется возможным. Вероятно, они попали в руки Бориса Никольского в связи с его обширной общественной деятельностью. И теперь они вернулись туда, где были сделаны, подарив новые темы для исследователей.

- Фотографии, которые мы получили, позволят восстановить утерянные цепочки, - говорит заместитель генерального директора Новгородского музея-заповедника Юлия Коломыцева. - Они отражают не чью-то-то семейную историю, а историю Новгородского музея и российского государства.

Как известно, многие музейные древности были утрачены во время войны, также как и документы, проливающие свет на их историю. Новейшая летопись ведется с 1952 года, и только такие обретения, как эти фотографии, помогают исследователям «вспомнить» музейную историю конца XIX– начала XXвека. Первые открытия не заставили себя ждать.

- На одной из фотографий мы видим, как экспонируются два евхаристических покровца, – рассказывает старший научный сотрудник музея Елена Игнашина. - Оба предмета в дореволюционных каталогах значатся как происходящие из Горицкого монастыря на реке Шексне. Сам монастырь был основан 1544 году Евфросинией Старицкой, а позже в нем появилась золотошвейная мастерская. Пережил Великую Отечественную войну из двух покровцов XVIIвека один. Второй был нам известен только по каталогу и прориси. И сейчас мы имеем уникальную возможность изучить, как он выглядел.

Хорошее качество фотографий, позволяющее разглядеть утраченные древности, отметила эксперт Новгородского музея Наталья Гормина.

- К тому времени, когда сделаны фотографии, новгородский музей насчитывал почти 2000 предметов, для него было построено отдельное здание. Меня тронула оборотная сторона, заполненная рукой хранителей. Это тоже часть музейной истории. На фотографиях мне удалось разглядеть потир, который сейчас находится у нас в фонде. А вот стоящего рядом предмета для освященных даров у нас нет, и это тем более интересно для исследователей. Появление такого исторического источника для нашего документального фонда крайне важно.

Несмотря на то, что фотографий всего пять, они уже открыли научным сотрудникам свой огромный потенциал для открытий. Интерес к нему проявляют хранители различных фондов. Также прекрасным подарком для музейных искусствоведов и исследователей военной истории стали издания Дома русского зарубежья.