Google+ Followers

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Opening of three new cultural centers in 2017 consecrates Paulista Avenue as the main cultural center of São Paulo, Brazil. --- Abertura de três novos centros culturais em 2017 consagra a avenida Paulista como principal eixo cultural de São Paulo, Brasil.

In 2017, after investing almost R $ 300 million, three giants will emerge on Avenida Paulista and consolidate a change of profile of the postcard: from commercial and financial center to the axis of the arts of São Paulo.

Project of the Japan House building,
at number 52 of Paulista. Photo: Disclosure.




Three cultural centers will open their doors at both ends of the road in the second half, which will transform the address into the main cultural corridor of the capital. Japan House, the new Sesc Paulista and the Moreira Salles Paulista Institute, all with bold architectural designs, designed to house exhibitions, cinemas, theaters, libraries and restaurants in vertical structures.

All these initiatives are joined by Dean Masp, Lina Bo Bardi, Casa das Rosas, Itaú Cultural, Fiesp Cultural Center, bookstores, theaters and 54 movie theaters.

"Paulista was already being designed as the great cultural axis of São Paulo," says Flávio Pinheiro, superintendent of Instituto Moreira Salles. "The presence of these three buildings consolidates this.

"For Marcello Dantas, director of programming at Japan House, an ambitious Japanese Ministry of Foreign Affairs project that will reconcile art, technology and business in a building designed by the Japanese architect Kengo Kuma, the avenue" is undergoing a process of re-signification and revaluation. "

"With the three institutions, São Paulo wins its creative plaza, its museum island, as it exists in cities like New York and Berlin."

Boulevard

As a result, Paulista wins at least 15 new exhibitions a year, spread across the three institutions, as well as more than a hundred events, including seminars, workshops, shows and concerts, and a probable boulevard.

That's because Sesc Paulista and Itaú Cultural, neighboring buildings, each on the corner of Leôncio de Carvalho Street, proposed to the city government the closing of part of the road for the creation of a sidewalk with lighting and urban furniture. The project, already endorsed by some secretariats, will be presented to the future mayor João Doria (PSDB).

"We want to promote the animation of this space, respecting its current uses, leisure and contemplation of the population," explains Danilo Santos de Miranda, director of Sesc São Paulo, whose new unit will have 15 floors and a rooftop restaurant overlooking The avenue.

The building already housed SESC headquarters, but was closed since 2010 for renovation. It reopens now as Paulista unit, with halls of shows, exhibition space and equipment that accompany the Sesc, except the gym and the swimming pool. The unit will have activities focused on body and technology.

"We are going to propose the formation of a group or a network of Paulista entities so that we can defend the non-real interests, neither financial nor of gentrification, but of culture as a piece of improvement and transformation of the city," says Miranda.

Hall

According to Lorenzo Mammì, IMS Paulista's chief programming coordinator, the avenue is becoming a corridor not only of culture but also of social practices. To this second point, the projects of IMS and Japan House pay special tribute. In both cases, the ground floors of the buildings form squares contiguous with the sidewalk.

Since the Paulista opened only for pedestrians on Sundays, the permeability between public and private space has become desirable. "The building brings the street inside the institute. The challenge is to deal with the transformation of the avenue and to be a more active space," says Mammì.

Paulista, fun and art

Opening of three new cultural centers in 2017 consecrates Paulista Avenue as the main cultural axis of São Paulo.

Opening of three new cultural centers in 2017 consecrates Paulista Avenue as the main cultural axis of São Paulo.


Japan House
Project of the Japan House building, at number 52 of Paulista. Photo: Disclosure.


What it is: First of three units that the Foreign Ministry of Japan will build in the world to disseminate the image of contemporary Japan, focusing on culture, technology and business. The space will include exhibitions, lectures, performances and events, as well as a library and Japanese restaurant.

Project: Kengo Kuma and FGMF Architects.
Area: 2,500 m².
Inauguration: 2nd half of 2017.
Investment: R$ 100 million.



**

Moreira Salles Paulista Institute



Instituto Moreira Salles project, at number 
2,424 in Paulista. Photo: Disclosure.


What it is: Cultural Center of IMS in São Paulo, with seven floors, all with double right foot, where will be held exhibitions, classes and workshops. The space also houses a cineteatro, a library specialized in photography (with 10 thousand items and free courses), a bookstore and a café-restaurant.
Project: Andrade Morettin Architects.
Area: 6,082 m2.
Inauguration: July 2017.
Investment: R$ 80 million.


**
Sesc Paulista
Project of Sesc Paulista, at the time of number 125 of Paulista. Photo: Disclosure.

What is:
Former headquarters of Sesc and the Federation of Commerce, the building has been undergoing renovation since 2010 and will house a new Sesc unit with showrooms, cultural workshops and exhibition space focusing on art, body and technology, as well as reading and An area to eat on the roof Project: Königsberger Vannucchi.
Area: 15,807 m².
Inauguration: 2nd half of 2017.
Investment: R$ 100 million.

***

















Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.















--br

Abertura de três novos centros culturais em 2017 consagra a avenida Paulista como principal eixo cultural de São Paulo, Brasil.

Em 2017, após investimento de quase R$ 300 milhões, três gigantes vão despontar na avenida Paulista e consolidar uma mudança de perfil do cartão-postal: de centro comercial e financeiro para eixo das artes de São Paulo.

Três centros culturais abrirão suas portas nos dois extremos da via no segundo semestre, o que transformará o endereço no principal corredor cultural da capital. Estreiam ali a Japan House, o novo Sesc Paulista e o Instituto Moreira Salles Paulista, todos com projetos arquitetônicos arrojados, pensados para abrigar exposições, cinemas, teatros, bibliotecas e restaurantes em estruturas verticais.

Todas essas iniciativas se juntam ao decano Masp, de Lina Bo Bardi, à Casa das Rosas, ao Itaú Cultural, ao Centro Cultural Fiesp, a livrarias, teatros e 54 salas de cinema.

"A Paulista já vinha se desenhando como o grande eixo cultural de São Paulo", avalia Flávio Pinheiro, superintentende-executivo do Instituo Moreira Salles. "A presença desses três edifícios consolida isso

" Para Marcello Dantas, diretor de programação da Japan House, ambicioso projeto do Ministério das Relações Exteriores do Japão que conciliará arte, tecnologia e negócios em edifício projetado pelo arquiteto japonês Kengo Kuma, a avenida "está sob um processo de ressignificação e revalorização".

"Poucas cidades do mundo têm essa concentração de equipamentos culturais. Com as três instituições, São Paulo ganha sua praça criativa, sua ilha de museus, como existe em cidades como Nova York e Berlim."

Bulevar

Com isso, a Paulista ganha ao menos 15 novas exposições por ano, espalhadas pelas três instituições, além de mais de uma centena de eventos, entre seminários, oficinas, espetáculos e concertos, e um provável bulevar.

Isso porque Sesc Paulista e Itaú Cultural, edifícios vizinhos, cada um numa esquina da rua Leôncio de Carvalho, propuseram à prefeitura o fechamento de parte da via para a criação de um calçadão com iluminação e mobiliário urbano. O projeto, já avalizado por algumas secretarias, será apresentado ao futuro prefeito João Doria (PSDB).

"Queremos promover a animação deste espaço, respeitando seus usos atuais, para o lazer e a contemplação da população", explica Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo, cuja nova unidade terá 15 andares e um restaurante na cobertura, com vista para a avenida.

O prédio já abrigou a sede do Sesc, mas estava fechado desde 2010 para reforma. Reabre agora como unidade Paulista, com salas de espetáculos, espaço de exposição e os equipamentos que acompanham os Sesc, a não ser o ginásio e a piscina. A unidade terá atividades com foco no corpo e na tecnologia.

"Vamos propor a formação de um grupo ou uma rede de entidades da Paulista para que possamos defender os interesses não imobiliários nem financeiros nem de gentrificação, mas da cultura como peça de melhoria e transformação da cidade", diz Miranda.

Corredor

Segundo Lorenzo Mammì, coordenador-chefe de programação do IMS Paulista, a avenida está virando um corredor não só de cultura mas também de práticas sociais. A este segundo ponto, os projetos do IMS e da Japan House prestam tributo especial. Em ambos os casos, os térreos dos edifícios formam praças contíguas com a calçada.

Desde que a Paulista abriu só para pedestres aos domingos, a permeabilidade entre espaço público e privado passou a ser algo desejável. "O prédio traz a rua para dentro do instituto. O desafio é dar conta da transformação da avenida e ser um espaço mais ativo", diz Mammì.


Paulista, diversão e arte

Abertura de três novos centros culturais em 2017 consagra a avenida Paulista como principal eixo cultural de São Paulo.

Abertura de três novos centros culturais em 2017 consagra a avenida Paulista como principal eixo cultural de São Paulo.

Japan House
Projeto do edifício Japan House, na altura do número 52 da Paulista. Foto: Divulgação.

O que é: Primeira de três unidades que o Ministério das Relações Exteriores do Japão vai construir no mundo para disseminar a imagem do Japão contemporâneo, com foco em cultura, tecnologia e negócios. O espaço terá exposições, palestras, performances e eventos, além de biblioteca e restaurante­café nipônico.

Projeto: Kengo Kuma e FGMF Arquitetos.
Área: 2.500 m².
Inauguração: 2º semestre de 2017.
Investimento: R$ 100 milhões.




**

Instituto Moreira Salles Paulista

Projeto do Instituto Moreira Salles, na altura do número 2.424 na Paulista. Foto: Divulgação.

Projeto do Instituto Moreira Salles, na altura do número 2.424 na Paulista. Foto: Divulgação.

O que é: Centro cultural do IMS em São Paulo, com sete andares, todos com pé direito duplo, onde serão realizadas exposições, aulas e oficinas. O espaço abriga ainda um cineteatro, uma biblioteca especializada em fotografia (com 10 mil itens e cursos livres), uma livraria e um café­-restaurante. 

Projeto: Andrade Morettin Arquitetos. 

Área: 6.082 m2. 

Inauguração: julho de 2017. 

Investimento: R$ 80 milhões.




**

Sesc Paulista

Projeto do Sesc Paulista, na altura do número 125 da Paulista. Foto: Divulgação.

Projeto do Sesc Paulista, na altura do número 125 da Paulista. Foto: Divulgação.

O que é: 

Ex­ sede do Sesc e da Federação do Comércio, o edifício está em reforma desde 2010 e abrigará uma nova unidade do Sesc com salas de espetáculos, oficinas culturais e espaço para exposições com foco em arte, corpo e tecnologia, além de espaço para leitura e uma área para comer na cobertura Projeto: Königsberger Vannucchi. 

Área: 15.807 m². 

Inauguração: 2º semestre de 2017.

Investimento: R$ 100 milhões.




***

Por Fernanda Mena no Cotidiano da Folha de S.Paulo.

Dead for more than 2 centuries, they are exhibited and can be seen in Danish museums such as Vejle Museum, Moesgaard Museum and Museum Silkeborg. --- Mortos há mais de 2 séculos, estão expostos e podem ser observados em museus dinamarqueses, como Vejle Museum, Moesgaard Museum e Museum Silkeborg.

The mystery of the bodies of more than 2 thousand years found in swamps of Denmark


Nobody can explain why, but bodies and bodies are found many years ago in the marshes of Denmark. And it's not just any kind of corpse we're talking about: the bodies found in the Danish marshes (and other European regions such as Ireland and Poland) are over 2,000 years old and are completely preserved!

Archaeologists around the world believe that the bodies found are victims of religious sacrifices of the Iron Age, which began around 1200 BC, in regions that today comprise the territories of Asia and Europe.

According to experts, it is possible that these people were killed and delicately deposited in the bottom of the swamps of Denmark as an offering to the gods (which was not very rare at this time, even with humans).

There is another stream of researchers who believe that the bodies of more than 2,000 years found in these swamps were of criminals, immigrants or travelers, but the marks of the brutal death that the victims exhibit leave the subject more confused. Some of the corpses have forked marks, ropes around the necks and cut throats.


Why are they in the swamps of Denmark?

But as little is known about the Iron Age in Denmark, it seems that the mystery will extend for some more time. According to the experts themselves, there was no local language at the time and almost no document written by the Greeks and Romans was preserved.

However, one thing is known about the period: most people were cremated. That is why the swamp bodies of Denmark are so mysterious to archaeologists, since it is difficult to specify why they had such a different fate.

Corpses intact

But, not everything is inexplicable in this case. According to experts, bodies are so well preserved because of the water composition of the Danish marshes. They explain that the acids produced by moss are quite present in this ecosystem and would have helped to break down the decomposition.

The case of the Tollund Man, for example, is one of the most impressive. He was hanged and deposited in the mud 2,400 years ago, but he still preserves the rope hanging around his neck, and on his face there are traces of beard


By the time he was found in 1950, the Danish authorities even thought that the body was a missing boy. Interesting, is not it?

Other corpses rescued from the swamps of Denmark also impress for preservation. There are men and women who have been raped and killed more than 2 centuries ago and who still have their hair intact and a good body part preserved, as you can see in the pictures.

Dead for more than 2 centuries, they are exhibited and can be seen in Danish museums such as Vejle Museum, Moesgaard Museum and Museum Silkeborg.






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.


Vamos compartilhar.












--br
Mortos há mais de 2 séculos, estão expostos e podem ser observados em museus dinamarqueses, como Vejle Museum, Moesgaard Museum e Museum Silkeborg.

O mistério dos corpos de mais de 2 mil anos achados em pântanos da Dinamarca

Nnguém sabe explicar bem porque, mas corpos e mais corpos são encontrados, há muitos anos, nos pântanos da Dinamarca. E não é de qualquer tipo de cadáver que estamos falando: os corpos encontrados nos brejos dinamarqueses (e de outras regiões da Europa, como Irlanda e Polônia) têm mais de 2 mil anos e estão completamente preservados!

Arqueólogos ao redor do mundo acreditam que os corpos encontrados se tratam de vítimas de sacrifícios religiosos da Idade do Ferro, período que teve início por volta do ano 1.200 a.C, em regiões que hoje compreendem os territórios da Ásia e da Europa.

Segundo os especialistas, é possível que essas pessoas tenham sido mortas e delicadamente depositadas no fundo dos pântanos da Dinamarca como oferenda aos deuses (o que não era muito raro nessa época, mesmo com relação aos humanos).

Há uma outra corrente de pesquisadores que acredita que os corpos de mais de 2 mil anos encontrados nesses brejos eram de criminosos, imigrantes ou viajantes, mas as marcas da morte brutal que as vítimas exibem deixam o assunto mais confuso. Alguns dos cadáveres contam com marcas de forca, cordas ao redor dos pescoços e gargantas cortadas.

Por que estão nos pântanos da Dinamarca?

Mas, como pouco se sabe sobre a Idade do Ferro na Dinamarca, parece que o mistério vai se estender por mais algum tempo. Conforme os próprios especialistas, não havia uma língua local nessa época e quase nenhum documento escrito por gregos e romanos foram preservados.

Porém, uma coisa se sabe sobre o período: a maioria das pessoas era cremada. É por isso que os corpos dos pântanos da Dinamarca são tão misteriosos para os arqueólogos, uma vez que é difícil especificar porque tiveram um destino tão diferente.

Cadáveres intactos

Mas, nem tudo é inexplicável neste caso. Conforme especialistas, os corpos estão tão conservados por causa da composição da água dos pântanos dinamarqueses. Eles explicam que os ácidos produzidos pelo musgo estão bastante presente nesse ecossistema e teriam ajudado a interromper a decomposição.

O caso do Homem de Tollund, por exemplo, é um dos mais impressionantes. Ele foi enforcado e depositado na lama há 2.400 anos, mas de tão preservado ainda conserva a corda do enforcamento em volta do pescoço e, em seu rosto, existem vestígios de barba

Na época em que ele foi encontrado, em 1950, as autoridades dinamarquesas chegaram a pensar que o corpo se tratava de um menino desaparecido. Interessante, não?

Outros cadáveres resgatados dos pântanos da Dinamarca também impressionam pela preservação. Há homens e mulheres que foram violentados e mortos há mais de 2 séculos e que ainda têm os cabelos intactos e boa parte do corpo conservada, como você pode ver nas fotos. 

Mortos há mais de 2 séculos, estão expostos e podem ser observados em museus dinamarqueses, como Vejle Museum, Moesgaard Museum e Museum Silkeborg.

Abelardo da Hora (1924-2014) was a Brazilian sculptor, draftsman, engraver and ceramist. --- Abelardo da Hora (1924-2014) foi um escultor, desenhista, gravador e ceramista brasileiro.

Biography of Abelardo da Hora

He was known for portraying women and regional themes, standing out as one of the greatest sculptors of the twentieth century in Pernambuco.



Abelardo Germano da Hora (1924-2014) was born on the lands of the Tiúma Mill, in the city of São Lourenço da Mata, in Pernambuco, on July 31, 1924. He studied Decorative Arts at the Professor Agamenon Magalhães Industrial College. He attended the Law School of Olinda and attended the Free Course of Sculpture of the School of Fine Arts of Recife, where he was a student of Cassimiro Correia.

In 1942, he commanded the Academic Directory of Fine Arts. Between 1943 and 1945 he was hired by the industrialist Ricardo Brennand to work at Cerâmica São João, at which time he performed several works with regional motives. During his stay in the pottery, he served as a guide to the future ceramist Francisco Brennand.


In 1946, together with Hélio Feijó and other artists, he participated in the creation of the Modern Art Society of Recife, being its director for nearly ten years. In 1948 he held his first exhibition of sculptures, in the Association of Trade Employees of Pernambuco, the first exhibition of sculptures held in Recife. In 1952, Abelardo da Hora founded with Gilvan Samico, Wiltonde Souza, Wellington Virgulino, Ionaldo, Ivan Carneiro and Márius Lauritzen, the "Collective Atelier", of which he was professor and director until 1957.

Between 1955 and 1956, he performed for the City Hall of Recife several sculptures representative of popular culture, among them: "The Singers and the Vendor of Sugar Cane", in the Park May 13, "O Sertanejo", in Euclides Square. Cunha, in front of the International Club and the "Lollipop Vendor", in the garden of Dois Irmãos. In 1956, he was elected delegate of Pernambuco, in the Brazilian Section of the International Association of Plastic Arts, UNESCO.

Between 1957 and 1958, he held several exhibitions in the United States, Europe, Argentina, Mongolia, the Soviet Union, Israel and China. In 1960 he devised the municipal law for Works of Art in Buildings in Recife, during the government of Miguel Arraes, which required buildings with more than 1,500 square meters to have works of art, a sculpture or mural, transforming the city into a gallery Of open air art.


In 1962 he published his emblematic album "The Boys of Recife", with engravings made in the beak of feather, showing the miseries around the city. In 1967, he launched the collection of drawings "Danças Brasileiras de Carnaval", presented at Galeria Mirante das Artes in São Paulo. Still in the 60's, he was Director of Parks and Gardens and Director of the Division of Plastic Arts and Crafts, Recife. He founded the Popular Culture Movement, which brought together the plastic arts, music, dance and theater.

A theme widely used by Abelardo da Hora was women, with the female body, naked and an expressionist side, as well as social and regional themes, which will be eternalized in the works left in every corner of the city of Recife. Among them are: "Woman Lying", in the Shopping Center Recife, "Woman Sereia", in the Mar Hotel, "Monument to Maracatu", near the Fort of the Five Points, "Monument to the Frevo", in Rua da Aurora, "Monument The "Zumbi dos Palmares", in Praça do Carmo, "Enéas Freire and the Galo da Madrugada", in Praça Sérgio Loreto, "Monument to the Heroes of the Revolution of 1817", in Praça da República and "Os Retirantes" .

Abelardo da Hora died in Recife, Pernambuco, Brazil, on December 23, 2014.






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.













--br
Biografia de Abelardo da Hora
Abelardo da Hora (1924-2014) foi um escultor, desenhista, gravador e ceramista brasileiro. Ficou conhecido por retratar as mulheres e os temas regionais, se destacando como um dos maiores escultores do século XX em Pernambuco.

Abelardo Germano da Hora (1924-2014) nasceu nas terras da Usina Tiúma, na cidade de São Lourenço da Mata, em Pernambuco, no dia 31 de julho de 1924. Cursou Artes Decorativas no Colégio Industrial Professor Agamenon Magalhães. Ingressou na Faculdade de Direito de Olinda e frequentou o Curso Livre de Escultura da Escola de Belas Artes do Recife, onde foi aluno de Cassimiro Correia.

Em 1942, comandou o Diretório Acadêmico de Belas Artes. Entre 1943 e 1945 foi contratado pelo industrial Ricardo Brennand, para trabalhar na Cerâmica São João, época em que realizou diversos trabalhos com motivos regionais. Durante sua permanência na cerâmica, serviu como orientador ao futuro ceramista Francisco Brennand.

Em 1946, junto com Hélio Feijó e outros artistas, participou da criação da Sociedade de Arte Moderna do Recife, sendo seu diretor por quase dez anos. Em 1948 realizou sua primeira exposição de esculturas, na Associação dos Empregados do Comércio de Pernambuco, a primeira exposição de esculturas realizada no Recife. Em 1952, Abelardo da Hora fundou junto com os artistas Gilvan Samico, Wiltonde Souza, Wellington Virgulino, Ionaldo, Ivan Carneiro e Márius Lauritzen, o “Ateliê Coletivo”, do qual foi professor e diretor até 1957.

Entre 1955 e 1956, realizou, para a Prefeitura do Recife, diversas esculturas representativas da cultura popular, entre elas: “Os Cantadores e o Vendedor de Caldo de Cana”, no Parque 13 de maio, “O Sertanejo”, na Praça Euclides da Cunha, em frente ao Clube Internacional e o “Vendedor de Pirulitos”, no horto de Dois Irmãos. Em 1956, foi eleito delegado de Pernambuco, na Seção Brasileira da Associação Internacional de Artes Plásticas, da UNESCO.

Entre 1957 e 1958, realizou diversas exposições nos Estados Unidos, na Europa, na Argentina, na Mongólia, na União Soviética, em Israel e na China. Em 1960 idealizou a lei municipal de Obras de Arte em Edificações no Recife, durante o governo de Miguel Arraes, que obrigava construções com mais de 1,5 mil metros quadrados terem obras de arte, uma escultura ou mural, transformando a cidade em uma galeria de arte a céu aberto.

Em 1962 publicou seu álbum emblemático “Os Meninos do Recife”, com gravuras feitas em bico de pena, mostrando as misérias em torno da cidade. Em 1967, lançou a coleção de desenhos “Danças Brasileiras de Carnaval”, apresentado na Galeria Mirante das Artes, em São Paulo. Ainda na década de 60, foi Diretor de Parques e Jardins e Diretor da Divisão de Artes Plásticas e Artesanato, do Recife. Fundou o Movimento de Cultura Popular, que reunia além das artes plásticas, a música, a dança e o teatro.

Uma temática muito utilizada por Abelardo da Hora eram as mulheres, com o corpo feminino, desnudo e uma vertente expressionista, como também os temas sociais e regionais, que vão ficar eternizados nas obras deixadas em cada canto da cidade do Recife. Entre elas se destacam: “Mulher Deitada”, no Shopping Center Recife, “Mulher Sereia”, no Mar Hotel, “Monumento ao Maracatu”, próximo ao Forte das Cinco Pontas, “Monumento ao Frevo”, na Rua da Aurora, “Monumento a Zumbi dos Palmares”, na Praça do Carmo, “Enéas Freire e o Galo da Madrugada”, na Praça Sérgio Loreto, “Monumento aos Heróis da Revolução de 1817”, na Praça da República e “Os Retirantes”, no Parque Dona Lindu.

Abelardo da Hora faleceu no Recife, Pernambuco, no dia 23 de dezembro de 2014.