Google+ Followers

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

The Metropolitan Museum of Art, State of New York. --- O Metropolitan Museum of Art, Estado de Nova York.

This masterpiece of Egyptian wood carving was discovered in a hidden chamber at the side of the passage leading into the rock cut tomb of the royal chief steward Meketre, who began his career under King Nebhepetre Mentuhotep II of Dynasty 11 and continued to serve successive kings into the early years of Dynasty 12.



Together with a second, very similar female figure (now in the Egyptian Museum, Cairo) this statue flanked the group of twenty two models of gardens, workshops, boats, and a funeral procession that were crammed into the chamber's narrow space.

Striding forward with her left leg, the woman carries on her head a basket filled with cuts of meat. In her right hand she holds a live duck by its wings. The figure's iconography is well known from reliefs of the Old Kingdom in which rows of offering bearers were depicted.

Place names were often written beside these figures identifying them as personifications of estates that would provide sustenance for the spirit of the tomb owner in perpetuity. The woman is richly adorned with jewelry and wears a dress decorated with a pattern of feathers, the kind of garment often associated with goddesses. Thus, this figure and its companion in Cairo may also be associated with the funerary goddesses Isis and Nephthys who are often depicted at the foot and head of coffins, protecting the deceased.

All the accessible rooms in the tomb of Meketre had been plundered in ancient times, but, early in 1920, the Museum's excavator, Herbert Winlock had his workmen clean out the accumulated debris in order to obtain an accurate floor plan of the tomb. It was during this cleaning operation that the small hidden chamber was discovered, filled with its almost perfectly preserved models and the two statues. In the division of finds between the Egyptian Government and the Metropolitan Museum, half of the contents went to the Egyptian Museum in Cairo, and half came to New York.

Estate Figure
Period:
Middle Kingdom
Dynasty:
Dynasty 12
Reign:
early reign of Amenemhat I
Date:
ca. 1981–1975 B.C.
Geography:
From Egypt, Upper Egypt, Thebes, Southern Asasif, Tomb of Meketre (TT 280, MMA 1101), serdab, MMA excavations, 1920
Medium:
Wood, gesso, paint
Dimensions:
H. 112 cm (44 1/8 in.); W. 17 cm (6 11/16 in.); D. 46.7 cm (18 3/8 in.)
Credit Line:
Rogers Fund and Edward S. Harkness Gift, 1920
Accession Number:
20.3.7








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




--br via tradutor do google
O Metropolitan Museum of Art, Estado de Nova York.

Esta obra-prima da escultura em madeira egípcia foi descoberta numa câmara oculta ao lado da passagem que conduz à tumba de corte rochoso do mordomo-chefe Meketre, que começou a sua carreira sob o reinado Nebhepetre Mentuhotep II da dinastia 11 e continuou a servir reis sucessivos Os primeiros anos da Dinastia 12.

Juntamente com uma segunda figura feminina muito semelhante (agora no Museu Egípcio, no Cairo), esta estátua flanqueou o grupo de vinte e dois modelos de jardins, oficinas, barcos e uma procissão fúnebre que foram amontoados no estreito espaço da câmara.

Avançando com a perna esquerda, a mulher carrega na cabeça uma cesta cheia de cortes de carne. Em sua mão direita ela segura um pato vivo por suas asas. A iconografia da figura é bem conhecida dos relevos do Reino Antigo em que linhas de ofertantes eram retratadas.

Nomes de lugares eram muitas vezes escritos ao lado desses números identificando-os como personificações de propriedades que forneceriam sustento para o espírito do proprietário do túmulo em perpetuidade. A mulher é ricamente adornada com jóias e usa um vestido decorado com um padrão de penas, o tipo de vestuário muitas vezes associado com deusas. Assim, esta figura e seu companheiro no Cairo podem também ser associados com as deusas funerárias Isis e Nephthys, que são muitas vezes retratado no pé e cabeça de caixões, protegendo o falecido.

Todos os quartos acessíveis no túmulo de Meketre haviam sido saqueados nos tempos antigos, mas, no início de 1920, a escavadeira do Museu, Herbert Winlock, mandou seus operários limpar os detritos acumulados para obter uma planta precisa do túmulo. Foi durante esta operação de limpeza que a pequena câmara escondida foi descoberta, cheia de seus modelos quase perfeitamente preservados e as duas estátuas. Na divisão de achados entre o Governo egípcio eo Museu Metropolitano, metade do conteúdo foi para o Museu Egípcio no Cairo, e metade veio para Nova York.

Figura de propriedade
Período:
    Reino médio
Dinastia:
    Dinastia 12
Reinado:
    Início do reinado de Amenemhat I
Encontro:
    Ca. 1981-1975 B.C.
Geografia:
    Do Egipto, Egipto superior, Tebas, Asasif do sul, túmulo de Meketre (TT 280, MMA 1101), escavações do serdab, MMA, 1920
Médio:
    Madeira, gesso, tintas
Dimensões:
    H. 112 cm (44 1/8 in.); W. 17 cm (6 11/16 pol.); D. 46,7 cm (18 3/8 de polegada)
Linha de crédito:
    Fundo de Rogers e presente de Edward S. Harkness, 1920
Número de acesso:
    20.3.7 

Museums, startups and accelerators… oh, my! --- Museus, startups e aceleradores ... oh, meu!

Startup accelerators have become an integral part of helping early-stage companies build, fund and bring to market new products and ideas.



Countless startups wielding unicorn-status valuations can credit their rapid progress and success to programs like Techstars, Y Combinator and other seed accelerators. These programs run early-stage teams through a three-month bootcamp, infusing them with capital, space, resources and expert mentors to push them to “do more faster” and “make something people want.”

Recently, we’ve come to see museums, such as the New Museum, ACMI, and Te Papa, look to the models of accelerators, incubators and coworking spaces to bring together entrepreneurs, hackers and cultural practitioners in hopes of driving innovation and generating new ideas.

While still in the early days, the question stands: Is this an experiment, a fad or a new trend?

Who’s doing it?

In 2014, the New Museum in New York City opened its doors to NEW INC. Dubbed “the first museum-led incubator,”* this coworking space is home to more than 100 tenants in the areas of art, design and creative technology. Under the innovative leadership of Lisa Phillips and Karen Wong, and with $2 million in funding, New Museum was the first museum to bring an experimental coworking aspect to their institution. Members apply, pay for membership and have access to a community of like-minded peers.

In an official statement, the museum emphasized that “the incubator is the latest in a series of programs developed by the institution to challenge the boundaries and expand the relevance of museum practice in the twenty-first century, foster creative cultural production, and reinforce the Bowery as a place of meaningful innovation.”

NEW INC’s advisory council includes heavy-hitters like John Maeda, Neri Oxman, IDEO’s Fred Dust, Kickstarter’s Yancey Strickler and USV‘s Andrew Weissman. Art/tech rock star Julia Kaganskiy runs the operation and continues to grow its partnerships and impact. While most of the residents are artists and agencies, startups such as NewHive, Monegraph, SIREN and Niio have called NEW INC home over the years — and have collectively raised millions in seed funding.

That same year, Minneapolis Institute of Arts, one of the largest art museums in the United States, started to experiment with the concept of coworking with its pilot of Hothouse. The museum even had an “Entrepreneur in Residence” program! Although both programs seem to have faded away, the museum has a “Venture Innovation Director” — a first-of-its-kind role, and one that lives on the leadership team.

In 2016, Australian Centre for the Moving Image launched acmi X to bring together Melbourne’s creatives and encourage collaboration between tenants and museum staff. And Contemporary Arts Center, New Orleans recently announced plans to launch a coworking space called The Shop.

Now, here comes the accelerator

In 2016, Te Papa, the national museum of New Zealand, launched Mahuki to accelerate local startups focused on the cultural sector. From the 34 applications, 10 companies were selected to take part in the museum world’s first-ever accelerator program. One of the museum’s goals is that these batches of creative teams could help Te Papa address and solve some of their challenges. Each company received NZ$20,000, as well as access to the museum’s experts, collections and visitors in exchange for a 6 percent equity stake.

“Te Papa has always been a creative powerhouse, and working with these exciting companies will bring new ideas into the mix. We have done our homework and we know there is a need to support innovations for the cultural sector, both globally and locally,” proclaimed the museum’s CEO, Rick Ellis in his statements around the launching the accelerator.

Beyond the coworking model, museums investing in startups is very new and extremely experimental.

Why it’s compelling

Rather than spending funds on home-brewed one-off initiatives that will never become sustainable or hit critical mass, this concept puts money into the hands of uber-lean companies or groups of developers who will build at a steep discount, independent of traditional museum pace, process and protocol.

It could be interesting for museums to invest in companies that help solve a unique problem they face, with a financial stake in the solution being shared and supported globally.

There are obvious synergies between museums and tech companies like Artsy, Cuseum, Electric Objects and Estimote. These startups all have some level of alignment and already have deep partnerships with art museums. A museum that invested in Artsy would likely be ecstatic to see an art-focused company that went on to raise more than $50 million and become a market leader. And, with hundreds of museums around the globe using hardware from Y Combinator-based Estimote, is the idea of participating in their next round of funding that far-fetched?

Universities and foundations are already investing in startups; it’s not that radical of a concept. Dozens of universities, including Stanford, MIT, NYU, Purdue and University of California, have all elected to invest their endowments in early-stage companies.

Stanford has been investing for more than a decade, and their portfolio includes SeatGeek, Zipline and more than 50 others. NYU’s Innovation Venture Fund, a $20 million fund founded in 2010, has put money into Clarifai, numberFire and Framed Data. Foundations like the Gates, Ford, Knight and Thiel foundations actively invest in startups, as well.

This is yet another way that museums can diversify their endowment investments, many of which are already invested across stocks, mutual funds, hedge funds, private equity and real estate — but with more skin in the new game.

Proceed with caution

None of this is core to the museum’s mission. Straying too far from the basics, conceptually and financially, can have a negative impact.

In 2009, The J. Paul Getty Trust, the world’s wealthiest arts institution, took a gigantic hit. The value of their endowment declined more than 25 percent in a single year. Their “alternative investments,” including that of venture capital, faced criticism and management shake-ups; layoffs and budget cuts ensued.

Just look at the recent actions of the Metropolitan Museum of Art, the largest museum in the United States. Over the past few years, the museum significantly expanded their staff and overexerted itself in a variety of areas, including emerging technology. “Digital investments” were one of the areas facing scrutiny; this summer, The Met abruptly slammed on the breaks in the face of an estimated $10 million deficit.

Museums don’t traditionally have much access to early-stage investment expertise. Unless led by experienced startup investors, what is already risky becomes even riskier. With some asserting that an estimated 90 percent of startups fail, that’s a tough pill to swallow. To exaggerate the point, now imagine the flavor of an investment going into a company like Theranos — ouch! Despite the hype and allure of venture investing, it’s been widely reported that the majority of VCs underperform the market.

There are plenty of companies already addressing the needs of museums, and the overall downside might be too much for most institutions to bear.

Museums should lead in education but not in investment rounds, right?

There are countless seed funds that do not “lead” investments in early-stage companies. If Knight Enterprise Fund, a focused $10 million investment vehicle under the Knight Foundation, which has a dedicated manager and advisors like Joi Ito and Facebook-founder Chris Hughes, is rarely the “first money in,” why should museums be?

A $20,000 investment from a museum could be better suited as the last $20,000 in a $1 million round, but even better suited for later-stage growth rounds. There are many investors that won’t invest in companies unless that company has already raised more than $500,000 or even $1 million — it always takes way more than a founding team estimates to build, market and sell their product. Why take on the risk?

If a museum is determined to invest in startups, for the sake of financial returns, it could invest in an existing seed fund managed by experts with a track record and the resources to assist the company in its growth, or co-invest alongside them. If the institution’s investment interest is driven solely for the sake of solving a problem, it would be most sensible to invest in companies that already secured significant funding and have shown notable traction and market validation.

My take on the topic

As a startup founder who is deeply passionate about museums and the arts, naturally, I’m intrigued by this movement. I’m an advocate for anything that promotes advancement, experimentation and digital evolution in the cultural sector. Stronger partnerships between startups and museums, and cause-based organizations, would have great impact. The idea of museums investing in startups represents a paradigm shift — good or bad remains to be seen.

On the less radical side of the spectrum, I think what the New Museum and others are doing around coworking is an attractive way to capitalize on a few of their “assets” (space, location, inspirational value) and foster a creative “hub” to share mutual benefits. Beyond the new stream of revenue, museum staff have access to innovators they’d otherwise be siloed off from, and the innovators have a creative environment to feed off. It goes without saying, Richard Florida would be proud. Museum-led coworking spaces promote collaboration and diverse thinking, and showcase a new type of value I’d like to see more museums exercise and take credit for: “industrial” value to the outside world.

Keep your eyes on the new ways cultural institutions are looking to spur innovation, forge partnerships and create additional revenue streams, all while highlighting their role as hubs for creative exploration into the 21st century.

*Although NEW INC is a pioneer in so many ways, they would fall under the definition of a coworking community, not an incubator in the formal sense.





Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.














--br
Museus, startups e aceleradores ... oh, meu!

Startup aceleradores tornaram-se uma parte integrante de ajudar as empresas em fase inicial construir, financiar e trazer para o mercado de novos produtos e idéias.

Inúmeras empresas iniciantes que manejam avaliações de status de unicórnio podem acreditar seu rápido progresso e sucesso em programas como Techstars, Y Combinator e outros aceleradores de sementes. Estes programas dirigem equipes em fase inicial através de um bootcamp de três meses, infundindo-lhes capital, espaço, recursos e mentores especialistas para empurrá-los para "fazer mais rápido" e "fazer algo que as pessoas querem".

Recentemente, visitamos museus, como o New Museum, ACMI e Te Papa, olhamos para os modelos de aceleradores, incubadoras e espaços de coworking para reunir empresários, hackers e profissionais da cultura na esperança de impulsionar a inovação e gerar novos Idéias.

Enquanto ainda nos primeiros dias, a pergunta permanece: isso é um experimento, uma moda ou uma nova tendência?

Quem está fazendo isso?

Em 2014, o New Museum, em Nova York, abriu suas portas para a NEW INC. Conhecido como "a primeira incubadora liderada por museus", este espaço de coworking abriga mais de 100 inquilinos nas áreas de arte, design e tecnologia criativa. Sob a liderança inovadora de Lisa Phillips e Karen Wong, e com US $ 2 milhões em financiamento, New Museum foi o primeiro museu a trazer um aspecto coworking experimental para sua instituição. Os membros aplicam-se, pagam pela adesão e têm acesso a uma comunidade de pares com a mesma opinião.

Em uma declaração oficial, o museu enfatizou que "a incubadora é a mais recente de uma série de programas desenvolvidos pela instituição para desafiar as fronteiras e ampliar a relevância da prática museológica no século XXI, promover a produção cultural criativa e reforçar a Bowery como um lugar de inovação significativa. "

O conselho consultivo do INC inclui assessores como John Maeda, Neri Oxman, Fred Dust do IDEO, Yancey Strickler, da Kickstarter, e Andrew Weissman, da USV. A estrela de rock Art / tech Julia Kaganskiy dirige a operação e continua a crescer suas parcerias e impacto. Enquanto a maioria dos residentes são artistas e agências, startups como NewHive, Monegraph, SIREN e Niio têm chamado NEW INC casa ao longo dos anos - e coletivamente levantou milhões em financiamento de sementes.

Nesse mesmo ano, o Minneapolis Institute of Arts, um dos maiores museus de arte dos Estados Unidos, começou a experimentar o conceito de coworking com seu piloto de Hothouse. O museu até mesmo teve um "Empreendedor em Residence" programa! Embora ambos os programas parecem ter desaparecido, o museu tem um "Venture Innovation Director" - um primeiro-de-seu-tipo papel, e que vive na equipe de liderança.

Em 2016, o Centro Australiano para a Imagem em Movimento lançou o acmi X para reunir criativos de Melbourne e incentivar a colaboração entre os inquilinos e a equipe do museu. E o Contemporary Arts Center, em Nova Orleans, anunciou recentemente planos para lançar um espaço de coworking chamado The Shop.

Agora, aqui vem o acelerador

Em 2016, Te Papa, o museu nacional da Nova Zelândia, lançou Mahuki para acelerar as iniciativas locais focadas no setor cultural. Das 34 candidaturas, 10 empresas foram selecionadas para participar do primeiro programa de aceleração do mundo dos museus. Um dos objetivos do museu é que esses lotes de equipes criativas possam ajudar Te Papa a resolver e resolver alguns de seus desafios. Cada empresa recebeu NZ $ 20.000, bem como o acesso aos especialistas do museu, coleções e visitantes em troca de uma participação de 6%.

"Te Papa sempre foi uma potência criativa, e trabalhar com essas empresas emocionantes trará novas idéias na mistura. Nós fizemos a nossa lição de casa e sabemos que há uma necessidade de apoiar inovações para o setor cultural, tanto global quanto localmente ", proclamou o CEO do museu, Rick Ellis em suas declarações sobre o lançamento do acelerador.

Além do modelo coworking, os museus que investem em startups são muito novos e extremamente experimentais.




Por que é atraente

Em vez de gastar fundos em iniciativas pontuais caseiras que nunca se tornarão sustentáveis ​​ou atingirem massa crítica, este conceito coloca o dinheiro nas mãos de empresas ou grupos de desenvolvedores que vão construir com um desconto íngreme, independente do museu tradicional Ritmo, processo e protocolo.

Poderia ser interessante para os museus investir em empresas que ajudam a resolver um problema único que enfrentam, com uma participação financeira na solução sendo compartilhada e apoiada globalmente.

Existem sinergias óbvias entre museus e empresas de tecnologia como Artsy, Cuseum, Objetos Elétricos e Estimativa. Estas startups todos têm algum nível de alinhamento e já têm parcerias profundas com museus de arte. Um museu que investiu em Artsy provavelmente ficaria extasiado ao ver uma empresa focada em arte que passou a angariar mais de US $ 50 milhões e se tornar um líder de mercado. E, com centenas de museus ao redor do globo usando hardware de Y Combinator-based Estimativa, é a idéia de participar em sua próxima rodada de financiamento que rebuscado?

Universidades e fundações já estão investindo em startups; Não é tão radical de um conceito. Dezenas de universidades, incluindo Stanford, MIT, NYU, Purdue e Universidade da Califórnia, todos optaram por investir suas doações em empresas em fase inicial.

Stanford tem investido por mais de uma década, e seu portfólio inclui SeatGeek, Zipline e mais de 50 outros. NYU's Innovation Venture Fund, um fundo de US $ 20 milhões fundada em 2010, colocou dinheiro em Clarifai, numberFire e Framed Data. Fundações como as fundações Gates, Ford, Knight e Thiel também investem ativamente em startups.

Esta é mais uma maneira de diversificar os investimentos em doações, muitos dos quais já estão investidos em ações, fundos mútuos, hedge funds, private equity e imóveis - mas com mais pele no novo jogo.

Prossiga com cuidado

Nada disso é fundamental para a missão do museu. Afastar-se muito do básico, conceitual e financeiramente, pode ter um impacto negativo.

Em 2009, o J. Paul Getty Trust, a instituição de artes mais rica do mundo, teve um sucesso gigantesco. O valor de sua doação declinou mais de 25 por cento em um único ano. Seus "investimentos alternativos", incluindo o do capital de risco, enfrentaram críticas e mudanças de gestão; Demissões e cortes orçamentários.

Basta olhar para as recentes ações do Metropolitan Museum of Art, o maior museu dos Estados Unidos. Ao longo dos últimos anos, o museu expandiu significativamente sua equipe e se sobrecarregou em uma variedade de áreas, incluindo a tecnologia emergente. Os "investimentos digitais" constituíram uma das áreas que se deparam no escrutínio; Este verão, o Met abruptamente bateu nas quebras em face de um déficit estimado de US $ 10 milhões.

Tradicionalmente, os museus não têm muito acesso à experiência em investimentos iniciais. A menos que seja liderado por investidores iniciantes experientes, o que já é arriscado torna-se ainda mais arriscado. Com alguns afirmando que cerca de 90 por cento das startups falham, é uma pílula difícil de engolir. Para exagerar o ponto, agora imagine o sabor de um investimento indo para uma empresa como Theranos - ouch! Apesar do hype e do fascínio do investimento de risco, foi divulgado extensamente que a maioria de VCs underperform o mercado.

Há uma abundância de empresas já atendendo às necessidades dos museus, eo lado negativo global pode ser demais para a maioria das instituições a suportar.

Os museus devem liderar na educação, mas não nas rodadas de investimento, certo?

Existem inúmeros fundos de sementes que não "lideram" investimentos em empresas em fase inicial. Se o Knight Enterprise Fund, um veículo de investimento de US $ 10 milhões com foco na Knight Foundation, que tem um gerente dedicado e conselheiros como Joi Ito e Chris Hughes, fundador do Facebook, raramente é o "primeiro dinheiro", por que os museus devem ser?

Um investimento de US $ 20.000 de um museu poderia ser mais adequado como os últimos $ 20.000 em uma rodada de US $ 1 milhão, mas ainda mais adequado para rondas de crescimento da fase posterior. Há muitos investidores que não vai investir em empresas, a menos que a empresa já arrecadou mais de US $ 500.000 ou mesmo US $ 1 milhão - sempre leva muito mais do que uma equipa fundadora estima para construir, comercializar e vender o seu produto. Por que assumir o risco?

Se um museu está determinado a investir em startups, por causa de retornos financeiros, poderia investir em um fundo de sementes gerido por especialistas com um histórico e os recursos para ajudar a empresa em seu crescimento, ou co-investir ao lado deles. Se o interesse de investimento da instituição for dirigido unicamente para resolver um problema, seria mais sensato investir em empresas que já obtiveram financiamento significativo e demonstraram notável tração e validação de mercado.




Minha opinião sobre o tópico

Como iniciante fundador que é profundamente apaixonado por museus e as artes, naturalmente, estou intrigado por este movimento. Sou um defensor de tudo o que promove o avanço, a experimentação e a evolução digital no setor cultural. Parcerias mais fortes entre startups e museus, e organizações baseadas em causas, teriam grande impacto. A idéia de que os museus investem em startups representa uma mudança de paradigma - boa ou má continua a ser vista.

No lado menos radical do espectro, acho que o que o New Museum e outros estão fazendo em torno de coworking é uma maneira atrativa de capitalizar alguns de seus "ativos" (espaço, localização, valor inspirador) e promover um "hub" Para compartilhar benefícios mútuos. Além do novo fluxo de receita, o pessoal do museu tem acesso a inovadores que de outra forma seriam afastados, e os inovadores têm um ambiente criativo para se alimentar. Escusado será dizer, Richard Florida ficaria orgulhoso. Espaços de coworking liderados por museus promover a colaboração e pensamento diverso, e mostrar um novo tipo de valor Eu gostaria de ver mais museus exercer e tomar o crédito de: "industrial" valor para o mundo exterior.

Mantenha seus olhos sobre as novas formas que as instituições culturais buscam estimular a inovação, forjar parcerias e criar fluxos de receita adicionais, ao mesmo tempo em que destacam seu papel como centros para a exploração criativa no século XXI.

* Embora o INC novo seja um pioneiro em tão muitas maneiras, cairiam sob a definição de uma comunidade coworking, não de uma incubadora no sentido formal.