Google+ Followers

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Chamamento Público – Virada Cultural 2017 - SP, São Paulo, Brasil - colaboração: Aline Cardoso. --- Submit your project! - "Virada Cultural" 2017, São Paulo, Brazil

Envie seu projeto! - Virada Cultural 2017




Um dos principais eventos do calendário da cidade de São Paulo, a Virada Cultural está recebendo até dia 10 de fevereiro, propostas de projetos artísticos e culturais para integrar a sua 13ª edição, marcada para os dias 20 e 21 de maio de 2017, na cidade de São Paulo.

Por meio deste formulário, poderão ser enviados projetos que serão analisados por uma comissão curadora, cujos membros ainda serão anunciados. 

>>>> Não serão aceitos projetos enviados por e-mail e nem entrega de materiais pessoalmente. Somente os proponentes dos projetos selecionados serão contatados pela organização do evento, até 15 de abril. <<<<<

O objetivo deste chamamento é ampliar ainda mais a pluralidade da Virada Cultural, sendo esta uma das características mais marcantes deste evento. Serão analisadas propostas de quaisquer áreas da cultura: música popular e erudita, dança, circo, cinema, teatro, artes visuais, gastronomia, espetáculo infantil, cultura popular, artistas de rua etc. e direcionadas para públicos de todas as idades.

A Virada Cultural é promovida pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, com apoio e adesão de outros parceiros institucionais. Ao longo de sua história, a Virada Cultural aliou programação diversificada, de qualidade, com acesso gratuito a toda a população.







--in via tradutor do google
Submit your project! - "Virada Cultural" 2017, São Paulo, Brazil

One of the main events of the calendar of the city of São Paulo, "Virada Cultural" is receiving until February 10, proposals for artistic and cultural projects to integrate its 13th edition, scheduled for May 20 and 21, 2017, in Sao Paulo city.

Through this form, projects can be sent that will be analyzed by a curatorial commission, whose members will still be announced.

Projects sent by email and material delivery will not be accepted personally. Only the proponents of the selected projects will be contacted by the organization of the event, until April 15.

The aim of this call is to further enhance the plurality of the "Cultural Turn", this being one of the most outstanding characteristics of this event. Proposals will be analyzed from any areas of culture: popular and erudite music, dance, circus, cinema, theater, visual arts, gastronomy, children's show, popular culture, street artists etc. And targeted to audiences of all ages.

The "Virada Cultural" is promoted by the São Paulo City Hall, through the Municipal Culture Secretariat, with the support and adhesion of other institutional partners. Throughout its history, the "Virada Cultural" allied diversified, quality programming, with free access to the entire population.

* Required form fields

See the link the registration form

Behind the Scenes at the National Museum of Mathematics Meta-Logo.. --- Por trás das cenas no Museu Nacional de Matemática Meta-Logo.

The National Museum of Mathematics, which opened in Manhattan in December, doesn’t have a logo. It has an infinite family of logos. And the logos the museum uses for official business are not created by design professionals. They’re designed by the museum’s visitors. The logo is itself an exhibit in the museum.




The museum’s unique meta-logo was conceived and implemented at Wolfram Research. When I say “implemented,” I don’t mean just “calculated” or “rendered,” but actually “programmed.” This is a logo that requires an implementation.

The story of the logo begins in 2009 when Stephen Wolfram joined the museum’s Board of Trustees. Stephen volunteered the services of our award-winning design department to design a logo for the museum. Art director Jeremy Davis and designer Anastasia Tumanova developed an initial color palette, and several variations for the typography and logo form. These were among some of the early concepts:




As nice as many of these ideas are, the group decided that the logo form itself really had to have a more technical connection to math, so the design team called in my colleague Ed Pegg and me to help contribute. Among the many concepts that I explored was one based on one of the very first tests of Mathematica‘s Manipulate function that I ever wrote, and one of my first contributions to the Demonstrations Project: an exploration of the patterns created by symmetric arrangements of letterforms.

My idea was to make a logo mark from a mathematical symbol like ∑ or π repeated with some sort of symmetry. But the question was, which one symbol and which one symmetry would best represent the museum? I realized that I couldn’t find the ideal configuration without seeing how the mark worked in the context of the logotype. So I updated my simple Demonstration so that I could see the logotype combined with the mark as I explored.

Using the logo explorer, I found so many interesting marks that it was nearly impossible to home in on any one of them. It was much more fun to play with the possibilities than to chose one:



While I was avoiding committing to any particular logo, it occurred to me that the museum visitors ought to have as much fun exploring as I was. And that the museum shouldn’t have a logo, but an infinite family of logos. And furthermore: the logo should be an exhibit in the museum, and the logos the museum actually uses should be designed by its visitors!

I pitched that idea to the museum in a proposal that outlined the concept and its possibilities. The museum’s reaction was—understandably—something like, “Oh, that’s, um, … interesting,” in the same way you would tell your aunt that her gift of a hand-knit nose warmer is “interesting.” The idea of not having a logo, let alone letting visitors design logos, was just too out there. But after a few days of discussion they eventually warmed to and embraced the concept. I transformed my initial logo explorer into a production-quality logo designer that the museum could use to produce its logos, and Anastasia drew up a style guide for the logos’ use.

Some of the first official instances of the logo that I saw were on T-shirts, like these held by members of the cast of NCIS Los Angeles:



Soon the logo started appearing in various incarnations on the museum’s web pages:



And museum associates designed personal logos for their business cards:



In August of 2011, I got word that the logo was approved as an opening exhibit in the museum. Thus began the work of translating the logo design software I had created for the museum into an exhibit. As is often the case in software development, 90% of the effort went into dealing with 10% of the functionality. That troublesome 10% was the overlap issue.

It takes a trivial snippet of Mathematica code to render a symmetric arrangement of characters:



But if the characters are not all the same color, naively rendering the characters in a back-to-front stack breaks the symmetry of the mark. In this example, the frontmost yellow π should tuck underneath the backmost red π so that every character has exactly the same relationship to the characters preceding and following it.



The situation can be even more complex when a character’s “limbs” overlap in different ways. It takes some surprisingly sophisticated computational geometry programming to analyze the regions of overlap in a given configuration and figure out how to render them in a consistent way.

The approach I took with the MOMATH logo was suggested by Jade Vinson, a friend of the museum who offered helpful advice. If you could reach into your screen and grab hold of a logo, you’d realize that what you see is a two-dimensional projection of a three-dimensional object.

Each instance of the mathematical symbol is projected onto one of eight intertwined helicoids, screw-like helical surfaces. Projecting that structure along the axis of the helicoid gives the proper overlap. In theory, that is. In practice, it’s not quite that simple.



One revolution of a helicoid has a discontinuity—an abrupt jump—where the surface wraps around on itself. If that discontinuity passes through an area where two or more characters intersect, they’ll appear in projection to intersect, as if slotted together, rather than overlap. Getting the correct appearance requires analyzing the regions of intersection of all pairs of motifs to find a path from the center of rotation to the outside of the configuration that avoids intersections. The discontinuity must be positioned to follow that path.

When I had all the algorithmic pieces in place, the work began of coupling the software with the exhibit hardware created by the museum’s fabricators, Moey Inc. That involved a fair amount of restructuring to convert my design software, a big Manipulate, into software that responds to the low-level serial events generated by the hardware’s controllers. Aided by an advance team at the museum, colleague Michael Sollami, we completed the exhibit just in time for the grand opening on 12/12/12.



The logo is the first exhibit you see upon entering the museum: a sleek black console brimming with joysticks, knobs, and buttons that you can use to explore logo designs. Visitors can designate one of their designs as “their” logo, which then follows them on electronic signage throughout the museum, triggered by an RFID tag that they receive upon entry. On the way out, they can have a one-of-a-kind T-shirt printed with their logo in the museum’s gift shop. And maybe—just maybe—their logo will one day appear on the museum’s letterhead.









Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google
Por trás das cenas no Museu Nacional de Matemática Meta-Logo.

O Museu Nacional de Matemática, que abriu em Manhattan em dezembro, não tem um logotipo. Tem uma infinita família de logotipos. E os logotipos que o museu usa para negócios oficiais não são criados por profissionais de design. Eles são projetados pelos visitantes do museu. O logotipo é em si uma exposição no museu.

O meta-logotipo original do museu foi concebido e implementado na Wolfram Research. Quando eu digo "implementado", eu não quero dizer apenas "calculado" ou "processado", mas na verdade "programado". Este é um logotipo que requer uma implementação.

A história do logotipo começa em 2009, quando Stephen Wolfram se juntou ao Conselho de Administração do museu. Stephen ofereceu os serviços de nosso premiado departamento de design para projetar um logotipo para o museu. O diretor de arte Jeremy Davis e a designer Anastasia Tumanova desenvolveram uma paleta de cores inicial e várias variações para a forma de tipografia e logotipo. Estes foram alguns dos primeiros conceitos:

Por mais agradável que muitas dessas idéias sejam, o grupo decidiu que a própria forma de logotipo precisava ter uma conexão mais técnica com as matemáticas, então a equipe de design chamou meu colega Ed Pegg e eu para ajudar a contribuir. Entre os muitos conceitos que eu explorei foi um baseado em um dos primeiros testes da função Manipulate do Mathematica que eu já escrevi, e uma das minhas primeiras contribuições para o Projeto Demonstrations: uma exploração dos padrões criados por arranjos simétricos de letterforms .

Minha idéia era fazer uma marca de logotipo de um símbolo matemático como Σ ou π repetido com algum tipo de simetria. Mas a pergunta era, que um símbolo e que uma simetria melhor representaria o museu? Percebi que não conseguia encontrar a configuração ideal sem ver como a marca funcionava no contexto do logótipo. Então eu atualizei minha Demonstração simples para que eu pudesse ver o logotipo combinado com a marca como eu explorei.

Usando o explorador de logotipo, eu encontrei tantas marcas interessantes que era quase impossível para casa em qualquer um deles. Foi muito mais divertido jogar com as possibilidades do que escolher uma:

Enquanto eu estava evitando cometer a qualquer logotipo particular, ocorreu-me que os visitantes do museu deve ter tanto divertimento explorando como eu era. E que o museu não deve ter um logotipo, mas uma infinita família de logotipos. E além disso: o logotipo deve ser uma exposição no museu, e os logotipos que o museu realmente usa devem ser projetados por seus visitantes!

Eu lancei essa idéia para o museu em uma proposta que delineou o conceito e suas possibilidades. A reação do museu foi, compreensivelmente, algo como: "Oh, isso é, hum, ... interessante", da mesma forma que você diria à sua tia que seu presente de um aquecedor de nariz de malha manual é "interessante". A idéia de não ter Um logotipo, e muito menos deixando os visitantes logotipos de design, era apenas muito lá fora. Mas depois de alguns dias de discussão eles eventualmente se aquentaram e abraçaram o conceito. Transformei o meu logo logo explorer em um designer de qualidade de produção que o museu poderia usar para produzir seus logotipos, e Anastasia elaborou um guia de estilo para o uso dos logotipos.

Algumas das primeiras instâncias oficiais do logotipo que eu vi foram em t-shirts, como estes detidos pelos membros do elenco de NCIS Los Angeles:

Logo o logo começou a aparecer em várias encarnações nas páginas da web do museu:

E os associados do museu desenharam logotipos pessoais para seus cartões de visita:

Em agosto de 2011, eu tenho a palavra que o logotipo foi aprovado como uma exposição de abertura no museu. Assim começou o trabalho de traduzir o software de design de logotipo que eu tinha criado para o museu em uma exibição. Como é frequentemente o caso no desenvolvimento de software, 90% do esforço foi para lidar com 10% da funcionalidade. Esse problema de 10% foi a questão da sobreposição.

É preciso um trecho trivial do código Mathematica para renderizar um arranjo simétrico de caracteres:

Mas se os caracteres não são todos da mesma cor, ingenuamente renderizar os caracteres em uma pilha back-to-front quebra a simetria da marca. Neste exemplo, o π amarelo mais frontal deve dobrar abaixo do vermelho π de trás para que cada caractere tenha exatamente o mesmo relacionamento com os caracteres que o precedem e seguem.

A situação pode ser ainda mais complexa quando os "membros" de um personagem se sobrepõem de maneiras diferentes. É preciso uma programação de geometria computacional surpreendentemente sofisticada para analisar as regiões de sobreposição em uma dada configuração e descobrir como processá-las de forma consistente.

A abordagem que eu levei com o logotipo MOMATH foi sugerida por Jade Vinson, um amigo do museu que ofereceu conselhos úteis. Se você pudesse alcançar sua tela e pegar um logotipo, você perceberia que o que você vê é uma projeção bidimensional de um objeto tridimensional.


Cada instância do símbolo matemático é projetada em um dos oito helicoidais entrelaçados, superfícies helicoidais tipo parafuso. Projetar essa estrutura ao longo do eixo do helicoide dá a sobreposição adequada. Em teoria, isso é. Na prática, não é assim tão simples.


Uma revolução de um helicoide tem uma descontinuidade - um salto abrupto - onde a superfície envolve em si mesma. Se essa descontinuidade passar por uma área onde dois ou mais caracteres se cruzam, eles aparecerão em projeção para se cruzarem, como se fossem fendidos juntos, ao invés de se sobreporem. Obter a aparência correta requer analisar as regiões de interseção de todos os pares de motivos para encontrar um caminho do centro de rotação para o exterior da configuração que evita interseções. A descontinuidade deve ser posicionada para seguir esse caminho.

Quando eu tinha todas as peças algorítmicas no local, o trabalho começou de acoplar o software com o hardware de exibição criado pelos fabricantes do museu, Moey Inc. Que envolveu uma quantidade razoável de reestruturação para converter meu software de design, um grande Manipulate, em software que Responde aos eventos em série de baixo nível gerados pelos controladores do hardware. Ajudado por uma equipe avançada no museu, colega Michael Sollami, nós terminamos a exposição apenas a tempo para a abertura grande em 12/12/12.

O logotipo é a primeira exposição que você vê ao entrar no museu: um elegante console preto repleto de joysticks, botões e botões que você pode usar para explorar designs de logotipos. Os visitantes podem designar um de seus projetos como "seu" logotipo, que os segue em sinalização eletrônica em todo o museu, desencadeada por uma etiqueta RFID que eles recebem após a entrada. Na saída, eles podem ter um um-de-um-tipo T-shirt impresso com o seu logotipo na loja de presentes do museu. E talvez - apenas talvez - seu logotipo apareça um dia no papel timbrado do museu.



Bator's Lenin Museum, with T. Bataar. Mongolia. --- Museu Lenin de Bator, com T. Bataar. Mongólia.

The museum has reserved space for more recoveries. Among those the most symbolically important targets are Chapman Andrews' specimens, now in the American Museum of Natural History (AMNH)in New York.


Oyungerel Tsedevdamba, Mongolia's former minister of culture, 
sport and tourism in front of the Tyrannosaurus Bataar 
in a museum in Ulan Bator

Read more at: http://phys.org/news/2017-01-mongolia-fossil-black.html#jCp

When he took them, he signed a contract promising to return them to the country.

But AMNH officials are reluctant to give up their prized specimens, according to sources familiar with the matter, citing concerns about Mongolia's ability to manage the collection.

Similar arguments have been cited elsewhere over other demands for heritage restitution, such as Greece's Elgin Marbles, now in the British Museum in London, or the Benin Bronzes of Nigeria, now scattered between museums in Britain, Germany and the US.

The AMNH declined a request from AFP for comment.

Surenjav and Gelegrash hope that the fossils can one day return to their original resting place in the Mongolian desert.

The herder admits the campaign has changed his perception of dinosaur remains.

He used to value them for a different use: "They're good for health," he said, as he poked at a small, white fossil sticking out of the red earth. "I sometimes ground them up and gave them to my livestock."

Mongolia seeks to crush fossil black market.

For years, herder Gelegrash had a sideline bringing tourists to see a dinosaur skull hidden near the Flaming Cliffs in Mongolia's Gobi desert. Then, one day, it was gone.

It is one of thousands of ancient fossils that have disappeared from the country since American explorer Roy Chapman Andrews—supposedly the inspiration for the movie character Indiana Jones—discovered dinosaur eggs there nearly a century ago.

Paleontologists and smugglers alike have descended on the sands ever since.

Now the Mongolian government is mounting a campaign to reclaim the lost relics, hoping to bring home fossils long held in foreign museums and the curiosity cabinets of private collectors—such as Hollywood star Nicolas Cage—who pay hundreds of thousands of dollars for them on the open market.

In his yurt near the red sandstone cliffs, Gelegrash laughed about the skull's potential value: "If I had known it was worth so much, I would have sold it myself."

The dinosaur repatriation drive began when the husband of the country's then culture, sport and tourism minister Oyungerel Tsedevdamba learned a New York auction house was to sell a rare, nearly complete Tarbosaur bataar specimen—a smaller, fiercer cousin of Tyrannosaurus rex.

Palaeontologists confirmed that all known specimens of the fearsome reptile had come from Mongolia's Nemegt basin, raising the question of how it ended up in Manhattan.

Removing fossils from the country is illegal, but "nobody knew what to do exactly", Oyungerel told AFP. "Nobody had claimed dinosaurs from abroad before."

Smugglers and thieves

Since Chapman Andrews' discovery, hundreds of expeditions have travelled to Mongolia to look for fossils, some with official blessing, others digging them out illegally and smuggling them out of the country.

It is nearly impossible to prevent thefts from Mongolia's vast steppe, said Surenjav Munkhsaikhan, 31, who manages the national park where Chapman found the eggs.

She is the only full-time guardian of over 10,000 hectares of fossil-rich desert, working with police and her volunteer deputy Gelegrash to combat crimes ranging from illegal mining to the theft of rare plants.

She patrols the area on an old motorbike, but "really wants some drones", she said.

For now the only way she knows a fossil has been stolen is when customs agents catch a smuggler, or one of Gelegrash's fellow herders complains about losing their source of income.

"We never caught or arrested any of those thieves," she said.

The Tyrannosaurus Bataar in New York—estimated to be 70 million years old—was far from the first fossil to leave Mongolia, but quickly captured the national imagination, and Mongolia's President Tsakhiagiin Elbegdorj took the case directly to the US government.

In 2012, a US federal prosecutor filed a lawsuit seeking the forfeiture of the relic from the firm that auctioned it. The case ended in victory—two years after the suit was filed, the fossil headed home to Mongolia.

More importantly, the ruling was an important step towards undermining the entire underground trade, Oyungerel told AFP. The US was the "end point where all fossils were going—we wanted to shut down that market."

Lenin's footsteps

Mongolia has since recovered around 30 fossils "directly from the smugglers' hands", Oyungerel said.

Some collectors have also begun to return their fossils voluntarily, among them Cage, who bought his T. bataar skull at auction for $276,000 before learning it had been smuggled out of Mongolia.

Authorities were once slow to recognise the value of Mongolia's palaeontological heritage, according to Oyungerel, while Mongolians regarded dinosaurs as "just bones".

But last year, a museum dedicated to the recovered specimens opened in 

Ulan Bator's Lenin Museum, a holdover from the country's Communist past.

A monumental bust of the founder of the Soviet Union used to occupy centre spot in the exhibition hall but now lies in pieces behind the building, with T. Bataar standing in his place.













Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.












--br via tradutor do google
Museu Lenin de Bator, com T. Bataar. Mongólia.

O museu reservou espaço para mais recuperações. Entre os objetivos mais simbolicamente importantes estão os espécimes de Chapman Andrews, agora no Museu Americano de História Natural (AMNH), em Nova York.

Quando os levou, assinou um contrato prometendo devolvê-los ao país.

Mas os funcionários da AMNH estão relutantes em desistir de seus espécimes prezados, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto, citando preocupações sobre a capacidade da Mongólia para gerenciar a coleção.

Argumentos semelhantes foram citados em outro lugar sobre outras demandas de restituição do patrimônio, como o Elgin Marbles da Grécia, agora no British Museum de Londres, ou os Bronzes de Benin da Nigéria, agora dispersos entre museus na Grã-Bretanha, Alemanha e EUA.

A AMNH recusou um pedido da AFP para comentar.

Surenjav e Gelegrash esperam que os fósseis possam um dia retornar ao seu lugar de repouso original no deserto mongol.

O pastor admite que a campanha mudou sua percepção de restos de dinossauros.

Ele costumava valorizá-los para um uso diferente: "Eles são bons para a saúde", ele disse, enquanto cutucava um pequeno fóssil branco saindo da terra vermelha. "Às vezes, eu os machucava e os dava para o meu gado."

Mongólia procura esmagar o mercado negro fóssil.

Por anos, o gelegrash do pastor teve um sideline trazendo turistas ver um crânio do dinosaur escondido perto dos penhascos flamejantes no deserto de Gobi de Mongolia. Então, um dia, ele se foi.

É um dos milhares de fósseis antigos que desapareceram do país desde que o explorador americano Roy Chapman Andrews - supostamente a inspiração para o personagem do filme Indiana Jones - descobriu ovos de dinossauros há quase um século.

Paleontólogos e contrabandistas têm descendido nas areias desde então.

Agora, o governo mongol está montando uma campanha para recuperar as relíquias perdidas, esperando trazer para casa fósseis há muito tempo mantidos em museus estrangeiros e os gabinetes de curiosidade de colecionadores privados - como o astro de Hollywood Nicolas Cage - que pagam centenas de milhares de dólares por eles no mercado Aberto.

Em sua iate perto dos penhascos de arenito vermelho, Gelegrash riu sobre o valor potencial do crânio: "Se eu soubesse que valia tanto, eu teria vendido ele mesmo."

O impulso de repatriamento dos dinossauros começou quando o marido do então ministro da cultura, esporte e turismo, Oyungerel Tsedevdamba, soube que uma casa de leilões em Nova York vendia um espécime de Tarbosaur bataar raro e quase completo - um primo menor e mais feroz de Tyrannosaurus rex.

Paleontólogos confirmaram que todos os espécimes conhecidos do temível réptil tinham vindo da bacia do Nemegt da Mongólia, levantando a questão de como ela acabou em Manhattan.

Remover fósseis do país é ilegal, mas "ninguém sabia o que fazer exatamente", disse Oyungerel à AFP. "Ninguém havia reclamado dinossauros do exterior antes."

Contrabandistas e ladrões

Desde a descoberta de Chapman Andrews, centenas de expedições viajaram para a Mongólia para procurar fósseis, alguns com bênção oficial, outros a cavar ilegalmente e contrabando-os para fora do país.

É quase impossível evitar roubos da vasta estepe da Mongólia, disse Surenjav Munkhsaikhan, 31, que gerencia o parque nacional onde Chapman encontrou os ovos.

Ela é a única guardiã em tempo integral de mais de 10.000 hectares de deserto fóssil rico, trabalhando com a polícia e seu deputado voluntário Gelegrash para combater crimes que vão desde a mineração ilegal ao roubo de plantas raras.

Ela patrulha a área em uma moto velha, mas "realmente quer alguns drones", ela disse.

Por agora, a única maneira que ela conhece um fóssil foi roubado é quando os agentes aduaneiros pegar um contrabandista, ou um dos pastores companheiros Gelegrash reclama sobre a perda de sua fonte de renda.

"Nunca pegamos ou prendemos nenhum desses ladrões", disse ela.

O tiranossauro Bataar, em Nova York - que tinha 70 milhões de anos - estava longe de ser o primeiro fóssil a deixar a Mongólia, mas rapidamente capturou a imaginação nacional, eo presidente da Mongólia Tsakhiagiin Elbegdorj levou o caso diretamente ao governo dos EUA.

Em 2012, um procurador federal dos EUA entrou com um processo buscando a perda da relíquia da empresa que o leiloou. O caso terminou na vitória - dois anos depois que o terno foi arquivado, o fóssil dirigiu para casa a Mongolia.

Mais importante ainda, a decisão foi um passo importante no sentido de minar todo o comércio subterrâneo, disse Oyungerel à AFP. Os EUA eram o "ponto final onde todos os fósseis estavam indo - queríamos fechar esse mercado".

Os passos de Lênin

Desde então, a Mongólia recuperou cerca de 30 fósseis "diretamente das mãos dos contrabandistas", disse Oyungerel.

Alguns colecionadores também começaram a devolver seus fósseis voluntariamente, entre eles Cage, que comprou seu crânio de T. bataar em leilão por US $ 276.000 antes de aprender que tinha sido contrabandeado para fora da Mongólia.

As autoridades já foram lentas a reconhecer o valor da herança paleontológica da Mongólia, segundo Oyungerel, enquanto os mongóis consideravam os dinossauros como "apenas ossos".

Mas no ano passado, um museu dedicado aos espécimes recuperados

O Museu Lenin de Ulan Bator, um resquício do passado comunista do país.

Um busto monumental do fundador da União Soviética costumava ocupar o ponto central na sala de exposições, mas agora está em pedaços atrás do edifício, com T. Bataar em seu lugar.



Turkey Opens Underground City Never Before Seen by the Public. ---- A Turquia abre a cidade subterrânea nunca antes vista pelo público.

The underground city of Nevsehir in the central part of Turkey was discovered in 2014 after excavation. It will soon be opening its doors for tourists from all over the world. RIA Novosti correspondent Alena Palachzhencko visited the city and met with archaeologists working on restorations.

He further added that it is quite similar to the church of Tatlaryn (V century AD), 
which is in Gülşehir and famous for its unique frescoes. Hence, 
it is possible that the same architect built both churches.


Nevsehir is the capital of the province where the world-famous historic district of Cappadocia is situated. Nevsehir in itself has never been a tourist destination. Many tourists who come to Cappadocia usually do not stop here but go a little further, into the depths of the bizarre tuff landscape such as the Goreme, Urgup or Gülşehir.

Nevsehir, in general is a fairly traditional modern Turkish city. It is friendly, green, hilly and quiet. It also has some tourist attractions such as the Damat Ibrahim mosque complex which has now been turned into a public library. However, there are reasons to assume that in the near future, the city will have to think about taking in a large number of visitors because the largest underground city in the world is situated in the heart of Nevsehir.

Heart of Cappadocia

The excavation is currently in full swing. The underground city has no name for now but in its scale it exceeds the largest Cappadocian underground city of Derinkuyu.

According to the archaeologist about 50 thousand square meters have been restored and are open to tourists, however, the total area of the excavation may reach up to 300-400 thousand square meters.

The correspondent, after climbing a little higher reached the top of a large mountain which was dotted with caves, stone tiny rooms like cells from which the upper layer had been removed. Standing on top of the mountain, the correspondent spoke to another archaeologist who spoke about how the ancient town was discovered.

He further added that after the intervention of scientists and archaeologists, the site was closed down and the restoration processes began.

Frescos of an ancient church In the town one of the ancient Christian churches is completely filled up with earth and stones. The archaeologist and the RIA team entered the cave to examine it and saw barely visible delicate frescoes depicting various saints on its walls. “People lived here from the Byzantine era and several churches have survived. The most surprising is a single-nave church of the XIII century but it has not been preserved at all and hence we are not touching it right now as we await a commission from the Istanbul conservation and restoration laboratory, which will tell us about its value,” Semih said.

The underground tunnels are equally impressive as they are flat, narrow and have an estimated length of 7 kilometers; however, only 700 meters have been restored.

Today it is probably the only object that is completely ready for tourists and even has good lighting installed for better visibility. In general, the entire territory of the "new-old" city is a wonderful complex, the uniqueness of which is that among other things it is located in a large modern city. This may be attractive and quite convenient for tourists.


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.








--br via tradutor do google
A Turquia abre a cidade subterrânea nunca antes vista pelo público.

A cidade subterrânea de Nevsehir na parte central da Turquia foi descoberta em 2014 após a escavação. Em breve estará abrindo suas portas para turistas de todo o mundo. A correspondente de RIA Novosti, Alena Palachzhencko, visitou a cidade e se reuniu com arqueólogos que trabalhavam em restaurações.

Nevsehir é a capital da província onde o mundialmente famoso bairro histórico da Capadócia está situado. Nevsehir em si nunca foi um destino turístico. Muitos turistas que vêm para a Capadócia geralmente não param aqui, mas vão um pouco mais longe, para as profundezas da paisagem de tufo bizarro, como o Goreme, Urgup ou Gülşehir.

Nevsehir, em geral, é uma cidade turca moderna bastante tradicional. É amigável, verde, montanhoso e tranquilo. Ele também tem algumas atrações turísticas, como o Damat Ibrahim mesquita complexo que agora foi transformado em uma biblioteca pública. No entanto, há razões para supor que, num futuro próximo, a cidade terá de pensar em receber um grande número de visitantes, porque a maior cidade subterrânea do mundo está situado no coração de Nevsehir.

Coração de Cappadocia

A escavação está em pleno andamento. A cidade subterrânea não tem nenhum nome para agora mas em sua escala excede a cidade subterrânea Cappadocian a maior de Derinkuyu.

De acordo com o arqueólogo cerca de 50 mil metros quadrados foram restaurados e estão abertos para os turistas, no entanto, a área total da escavação pode chegar a 300-400 mil metros quadrados.

O correspondente, depois de subir um pouco mais alto, alcançou o topo de uma grande montanha que estava cheia de cavernas, cavando minúsculas salas como células das quais a camada superior fora removida. Em pé sobre a montanha, o correspondente falou com outro arqueólogo que falou sobre como a antiga cidade foi descoberta.

Ele acrescentou ainda que, após a intervenção de cientistas e arqueólogos, o local foi fechado e os processos de restauração começaram.

Frescos de uma igreja antiga Na cidade uma das antigas igrejas cristãs está completamente cheio de terra e pedras. O arqueólogo ea equipe de RIA entraram na caverna para examiná-la e viram afrescos delicados quase visíveis que descrevem vários santos em suas paredes. "As pessoas viveram aqui da época bizantina e várias igrejas sobreviveram. O mais surpreendente é uma igreja de uma só nave do século XIII, mas não foi preservada em tudo e, portanto, não estamos tocando-lo agora enquanto aguardamos uma comissão do laboratório de conservação e restauração de Istambul, que vai nos dizer sobre o seu valor , "Semih disse.

Os túneis subterrâneos são igualmente impressionantes, pois são planos, estreitos e têm um comprimento estimado de 7 km; No entanto, apenas 700 metros foram restaurados.

Hoje é provavelmente o único objeto que está completamente pronto para os turistas e ainda tem boa iluminação instalada para melhor visibilidade. Em geral, todo o território da "nova-velha" cidade é um maravilhoso complexo, a singularidade de que é que, entre outras coisas, está localizado em uma grande cidade moderna. Isso pode ser atraente e muito conveniente para os turistas.