Google+ Followers

domingo, 15 de janeiro de 2017

School of Islamic Geometric Design. Architectural Best Practice in Islamic Geometric Design. --- Escola do projeto geométrico islâmico. Melhor Prática Arquitetural em Design Geométrico Islâmico.


For a design tradition to remain relevant, it has to evolve. It has to be able to provide opportunities for creativity to new generations of designers and archi-tects. The creative ethos that inspired so many masterpieces in Islamic art and architecture pushed craftsmen and builders to innovate; to make things that hadn't been tríade before.


Traditional crafts (Islamic geometric design included) are often perceived as being under threat, and the response is to develop methods to preserva-tion.However, preservation is only half the answer. The second part of the answer is reinvigoration. It is about gving architects the skills that enable the development of this design tradition; that restores the connection to the creative ethos that for centuries allowed and enabled builders and craftsmen to be innovative. Without this creative ethos, we wouldn't have had the beautiful Mamluk minbars in Cairo, the Seljuks stonework compositions in Anatolia, the Marinid madrassas in Fes and Marrakech, the imposing buildings in Sultaniyya in Iran. or the Itimad ud Daula in Agra, índia (to name but a few examples).

How can architects better use the heritage of Islamic geometric design?

Builders in Islamic societies have been making geometric compositions using the same design conventions for over 1,000 years. What are the design rules that were consistently applied for centuries? How can knowledge of these rules benefit architects and designers?


Hundreds of geometric compositions and patterns have been made in this period yet only a handful are used in contemporary architecture. How can architects use this rich heritage more fully?



I teach Islamic geometric design in such a way that it creates a foundation for creativity and innovation. "You need to know the rules before you can break them"

Addressing today's challenges

The use of Islamic geometric design in contemporary architecture in the Middle East often does not do justice to its 1,000 years of design history. Some of the typical problems are:

1) limited use of patterns
2) reliance on copy 'n paste
3) incorrect tessellation
4) incorrect framing
5) absence of historical or regional contextualisation
6) partial knowledge


- There are hundreds of patterns that have been used in mosques, madrasas, khanqahs, qur'an pages, across the Islamic world over a period of 1,000 years. Why should contemporary architecture only use less than ten of these patterns?

- Builders across the Islamic world and across the centuries, have used ge-ometric patterns according to certain design conventions that were universal-ly applied. Should we not know what these conventions are?

- Many patterns are specific to a time and place. Timurid patterns are very diferent from Mamluk patterns. Seljuk and Ottoman patterns are very differ-ent from Safavid patterns. Should we not know more about these different styles?

Overview

In this CPD training, participants will learn how to practically apply the essential elements of historical best practice. Knowledge of these rules and conventions gives designers and architects the freedom to innovate. Using numerous exam-ples of from the heritage of Islamic architecture, topics covered include:

- Patterns and context
- Proportion and framing in rectangular compositions
- The construction of patterns
- Visual layers in geometric compositions
- Engaging with your audience
- Principies of Embellishment
- Best Practice vs Worst Practice

Translated into 5 languages, this book has enabled people around the world to make pat-terns and to better understand the design principies of Islamic geometric design.

Eric Broug is an author/educator, special-ised in Islamic geometric design. He has written several popular books on the sub-ject and gives workshops and lectures around the world. He offers architectural and educational consultancy and training services.

He is the founder of the School of Islamic Geometric Design. Eric is originally from Holland and lives in the North of England.

www.broug.com






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





br via tradutor do google
Escola do projeto geométrico islâmico. Melhor Prática Arquitetural em Design Geométrico Islâmico.

Para que uma tradição de design permaneça relevante, ela tem de evoluir. Deve ser capaz de oferecer oportunidades de criatividade às novas gerações de designers e arquitetos. O ethos criativo que inspirou tantas obras-primas na arte e na arquitetura islâmica empurrou artesãos e construtores para inovar; Para fazer coisas que não tinham sido tríade antes.



O artesanato tradicional (design geométrico islâmico incluído) é muitas vezes percebido como sendo ameaçado, ea resposta é desenvolver métodos de preservação. No entanto, a preservação é apenas metade da resposta. A segunda parte da resposta é revigoração. É sobre gving arquitetos as habilidades que permitem o desenvolvimento desta tradição de design; Que restaura a conexão com o ethos criativo que por séculos permitiu e permitiu que construtores e artesãos para ser inovador. Sem este ethos criativo, não teríamos os belos minipreses mamelucos no Cairo, as composições de pedras Seljúcidas na Anatólia, as madrassas Marinidas em Fez e Marraquexe, os imponentes edifícios em Sultaniyya no Irã. Ou o Itimad ud Daula em Agra, índia (para citar apenas alguns exemplos).



Como os arquitetos podem usar melhor a herança do design geométrico islâmico?



Construtores em sociedades islâmicas têm vindo a fazer composições geométricas usando as mesmas convenções de design por mais de 1.000 anos. Quais são as regras de design que foram aplicadas consistentemente durante séculos? Como o conhecimento dessas regras pode beneficiar arquitetos e designers?



Centenas de composições geométricas e padrões foram feitas neste período, mas apenas um punhado são usados ​​na arquitetura contemporânea. Como os arquitetos podem usar este rico patrimônio mais plenamente?



Eu ensino design geométrico islâmico de tal forma que ele cria uma base para a criatividade e inovação. "Você precisa saber as regras antes que você possa quebrá-las"


Enfrentar os desafios de hoje

O uso do design geométrico islâmico na arquitetura contemporânea no Oriente Médio muitas vezes não faz jus aos seus 1.000 anos de história do design. Alguns dos problemas típicos são:

1) uso limitado de padrões
2) confiança na cópia 'n colar
3) tessellation incorreta
4) enquadramento incorreto
5) ausência de contextualização histórica ou regional
6) conhecimento parcial


- Há centenas de padrões que têm sido usados ​​em mesquitas, madrasas, khanqahs, páginas qur'an, em todo o mundo islâmico ao longo de um período de 1.000 anos. Por que a arquitetura contemporânea só usaria menos de dez desses padrões?

- Construtores em todo o mundo islâmico e ao longo dos séculos, usaram padrões ge-ometric de acordo com certas convenções de design que foram universalmente aplicadas. Não deveríamos saber o que são essas convenções?

- Muitos padrões são específicos para um tempo e lugar. Os padrões timurídeos são muito diferentes dos padrões mamelucos. Seljuk e otomano padrões são muito diferentes de Safavid padrões. Não devemos saber mais sobre esses diferentes estilos?

Visão geral

Neste treinamento de CPD, os participantes aprenderão a aplicar praticamente os elementos essenciais das melhores práticas históricas. O conhecimento dessas regras e convenções dá aos designers e arquitetos a liberdade de inovar. Usando numerosos exemplos da herança da arquitetura islâmica, os tópicos abordados incluem:

- Padrões e contexto
- Proporção e enquadramento em composições retangulares
- A construção de padrões
- Camadas visuais em composições geométricas
- Envolver-se com seu público
- Princípios de Enfeite
- Melhores Práticas vs Piores Práticas

Traduzido em 5 línguas, este livro permitiu que pessoas de todo o mundo fizessem patentes e entendessem melhor os princípios de design do design geométrico islâmico.

Eric Broug é um autor / educador, especializado em design geométrico islâmico. Ele escreveu vários livros populares sobre o assunto e dá workshops e palestras ao redor do mundo. Ele oferece consultoria arquitetônica e educacional e serviços de treinamento.

Ele é o fundador da Escola de Design Geométrico Islâmico. Eric é originalmente da Holanda e vive no norte da Inglaterra.

Www.broug.com

Exhibition Halls of Hubei Museum of Art, located in central China. --- Salões de Exposições do Museu de Arte de Hubei, localizado no centro da China.

Hubei has long been reputed to be a large province of fine arts where a great many art academi es and fine arts creation institutes are gathered and abundant artistic works are created. 

 Traditional Chinese Painting

The aesthetic guidance and cultural popularization roles of art museums are of great importance in strengthening the aesthetic awareness of the public and promoti ng the development of contemporary culture and art. 

Traditional Chinese. Sculture.

Therefore. the construction of Hubei Museum of Art is a long-cherished desire of the cultural and art circles and the public as well as a dream of the artists of several generations in Hubei Province.

Traditional Chinese. Sculture.

Hubei Museum of Art is a non-profit cultural institution intended for public welfare, funded and managed by the governmen t, planned and built in line with the modem and multifuncional targets in order to satisfy the cultural and artistic needs of the pu blic. 

Since the opening in November, 2007, Hubei Museum of Art has followed the principies of "taking a foothold in China and facing the world. giving consideration to the history and laying emphasis on the contemporary age" and assumed main functions like exhibition, collection, research, education, exchanges and service. 

On October 30th, 2008, Hubei Museum of Art was firs t opened to the public for free. In July, 2010, "Hubei Provincial Art Museum" was renamed as "Hubei Museum of Art". In 2012, Hubei Museum of Art was rated by the Ministry of Culture as "a national key art museum". 

At present, Hubei Museum of Art co nsists of "seven departments and one office", i.e. Planning and Promotion Department, Exhibition and Display Department, Coll ection Department, Public Education Department, Academic Research Department, Property and Security Department, Trienni al Office and Museum Office.

As a landmark for cultural development of Hubei Province. Hubei Museum of Art is located beside the East Lake in WUcha ng District, Wuhan, adjacent to Hubei Provincial Museum, where it enjoys beautiful environment and convenient traffic. Hubei Museum of Art covers an area of 15,318 m2, and its main building is composed of four floors above ground and one floor under ground. with a total floorage of about 25,000m2. 

The total investment reaches RMB 140 million Yuan. In Hubei Museum of Ar t, there are ten exhibition halls, one special exhibition hall and one image exhibition hall, with a total exhibition area of about 7,000 m2 and a total exhibition line of more than 2.000m, where the exhibitions of different types and themes can be organized s eparately or at the same time. 

The height of the exhibition halls on the first floor is 4.8m, while the height of the exhibition halls on the second and third floors is 3.8m. The image exhibition hall is equipped with high-tech media players. and it is applicable t o the exhibition and demonstration of new media art. In some exhibition halls, the mobile skidding exhibition paneis and walls a re installed so that the spatial layout can be changed and the requirements for different exhibitions can be satisfied. 

Furthermo re, the exhibition halls are equipped with advanced facilities, including the central air-conditioning system, the constant temper ature and humidity system, the central monitoring system, the fire alarm system and the 24h security alarm system. In addition, Hubei Museum of Art owns advanced supporting service facilities, like the modem storehouse of classical paintjngs, the multi functional lecture hall, the art exchange center, lacquer art exchange center, the academic exchange center, the art òooks rea ding area and cafe. 

Hubei Museum of Art is a plastic art museum of good taste which integrates the functions of research, education, exchange, service. etc.









fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.










--br via tradutor do google
Salões de Exposições do Museu de Arte de Hubei, localizado no centro da China.

Hubei tem sido reputado para ser uma grande província de artes plásticas onde um grande número de academias de arte e institutos de criação de artes plásticas são reunidos e abundantes obras artísticas são criadas.

A orientação estética ea popularização cultural dos museus de arte são de grande importância para o fortalecimento da consciência estética do público e para a promoção do desenvolvimento da cultura e da arte contemporâneas.

Portanto. A construção do Museu de Arte de Hubei é um desejo muito aguardado dos círculos culturais e artísticos e do público, bem como um sonho dos artistas de várias gerações na província de Hubei.

O Museu de Arte de Hubei é uma instituição cultural sem fins lucrativos destinada ao bem-estar público, financiada e administrada pelos governos, planejada e construída de acordo com os alvos modernos e multifuncionais para satisfazer as necessidades culturais e artísticas da população.

Desde a inauguração em novembro de 2007, o Museu de Arte de Hubei seguiu os princípios de "tomar posse na China e enfrentar o mundo, dando atenção à história e dando ênfase à era contemporânea" e assumiu funções principais como exposição, Pesquisa, educação, intercâmbio e serviço.

Em 30 de outubro de 2008, o Museu de Arte de Hubei foi inaugurado para o público de graça. Em julho de 2010, "Hubei Provincial Museu de Arte" foi renomeado como "Hubei Museu de Arte". Em 2012, o Museu de Arte de Hubei foi classificado pelo Ministério da Cultura como "um museu nacional de arte-chave".

Actualmente, o Museu de Arte de Hubei coopera com "sete departamentos e um escritório", isto é, Departamento de Planeamento e Promoção, Departamento de Exibição e Exibição, Departamento de Colocação, Departamento de Educação Pública, Departamento de Investigação Académica, Departamento de Propriedade e Segurança, Trienni al Office e Escritório do Museu.

Como um marco para o desenvolvimento cultural da província de Hubei. O Museu de Arte de Hubei está localizado ao lado do Lago do Leste, em Wuhu District, Wuhan, adjacente ao Museu Provincial de Hubei, onde desfruta de um ambiente bonito e tráfego conveniente. O Museu de Arte de Hubei ocupa uma área de 15.318 m2, eo seu edifício principal é composto por quatro pisos acima do solo e um chão sob o solo. Com um floorage total de aproximadamente 25.000m2.

O investimento total atinge RMB 140 milhões Yuan. No Museu Hubei, existem dez salas de exposição, uma sala de exposições e uma sala de exposições de imagens, com uma área total de exposição de cerca de 7.000 m2 e uma linha de exposição total de mais de 2.000m, onde as exposições de diferentes tipos e Temas podem ser organizados separadamente ou ao mesmo tempo.

A altura das salas de exposição no primeiro andar é de 4,8 m, enquanto a altura das salas de exposição no segundo e terceiro andares é de 3,8 m. A sala de exposição de imagens está equipada com players de mídia de alta tecnologia. E é aplicável à exposição e à demonstração da arte dos novos meios. Em alguns salões de exposições, os painéis de exposição de deslizamento móvel e paredes são instalados de modo que o layout espacial pode ser alterado e os requisitos para diferentes exposições podem ser satisfeitas.

Além disso, as salas de exposições estão equipadas com instalações avançadas, incluindo o sistema de ar condicionado central, o sistema de temperatura constante e umidade, o sistema de monitoramento central, o sistema de alarme de incêndio eo sistema de alarme 24h de segurança. Além disso, o Museu de Arte de Hubei possui instalações avançadas de serviços de apoio, como o armazém moderno de pintura clássica, a sala de conferências multifuncional, o centro de troca de arte, centro de troca de arte laca, centro de intercâmbio acadêmico, área de arte e café. 

Hubei Museu de Arte é um museu de arte plástica de bom gosto que integra as funções de pesquisa, educação, intercâmbio, serviço. etc.

New Art from China Renders Local Histories Fantastic, Futuristic, and Bloody. The installation is a highlight of Tales of Our Time, a dynamic and tightly curated exhibition at the Guggenheim. ---

Each of these thoughtful, well-realized works offers an investigation into global politics, the contemporary as historical, and environmental collapse, with room to laugh, rest, and think in between.

Sun Yuan and Peng Yu’s “Can’t Help Myself” (2016) 
(all photos courtesy of the Solomon R. Guggenheim Museum)


In the corner of a small gallery on an upper floor of the Solomon R. Guggenheim Museum, you are immersed in a bloody, bizarre, and strangely emotional tableau. Inside a floor-to-ceiling acrylic cage, a black robotic arm twirls around, sweeping bloody residue on the floor towards itself. Just as the arm’s plastic flap cleans one area, more liquid oozes out elsewhere. The artists Sun Yuan and Peng Yu have given the poor robot an impossible job — the piece, called “Can’t Help Myself,” dooms the arm to this repetitive, hopeless, horrific task. The arm uses sensors to choose where it will sweep next, but at times it whirls and flails as if overwhelmed, giving the arm an eerily humanoid feel.

The installation is a highlight of Tales of Our Time, a dynamic and tightly curated exhibition at the Guggenheim. This robotic arm could be an icon for the present moment. It makes tangible, for our globalized and industrialized world, the metaphor of “clean hands.” Do we identify with the robot and its attempt to make order out of the violent mess around it? (Isn’t this how it feels to respond to each new appointment by the president-elect, each white power rally?) Or is the robot simply there to do what most refuse to, performing the messy labor of waste management that allows our societies to function?

It’s a shock for anyone coming to the Guggenheim expecting to kick back with Kandinsky and Cézanne. Tales of Our Time is a small but ambitious show, presenting just seven artists or collectives, with nine works in total. Each of these thoughtful, well-realized works offers an investigation into global politics, the contemporary as historical, and environmental collapse, with room to laugh, rest, and think in between.

The nine works are commissions, generated after a series of studio visits with emerging and mid-career Chinese artists by curators Xiaoyu Weng and Hou Hanru. The commissions were paid for by a major grant from the Robert H. N. Ho Family Foundation, and the museum will acquire all of them. The exhibition, then, is like a laboratory: these works are brand new, and are being stamped into the DNA of the Guggenheim.








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
Nova Arte da China Renders Histórias Locais Fantástico, Futurista e Sangrento. A instalação é um destaque de Tales of Our Time, uma exposição dinâmica e bem curada no Guggenheim.

Cada uma dessas obras bem pensadas e pensadas oferece uma investigação sobre a política global, o contemporâneo como histórico e o colapso ambiental, com espaço para rir, descansar e pensar no meio.

No canto de uma pequena galeria no andar superior do Museu Solomon R. Guggenheim, você está imerso em um quadro sanguinário, bizarro e estranhamente emocional. Dentro de uma gaiola acrílica do chão ao teto, um braço robotizado preto gira em torno, varrendo resíduos sangrentos no chão em direção a si mesmo. Assim como a aba de plástico do braço limpa uma área, mais líquido transborda em outro lugar. Os artistas Sun Yuan e Peng Yu deram ao pobre robô um trabalho impossível - a peça, chamada "Can not Help Myself", condena o braço a essa tarefa repetitiva, desesperada e horrível. O braço usa sensores para escolher onde ele irá varrer em seguida, mas às vezes gira e flails como se estivesse sobrecarregado, dando ao braço uma sensação estranhamente humanóide.

A instalação é um destaque de Tales of Our Time, uma exposição dinâmica e bem curada no Guggenheim. Este braço robótico poderia ser um ícone para o momento presente. Ela torna tangível, para o nosso mundo globalizado e industrializado, a metáfora de "mãos limpas". Será que nos identificamos com o robô e sua tentativa de fazer a ordem fora da bagunça violenta ao seu redor? (Não é assim que se sente ao responder a cada nova nomeação pelo presidente eleito, cada manifestação de poder branco?) Ou é o robô simplesmente lá para fazer o que mais se recusam a realizar o trabalho confuso de gestão de resíduos que permite que nossas sociedades funcionar?

É um choque para qualquer um que vem ao Guggenheim que espera retroceder com Kandinsky e Cézanne. Tales of Our Time é um pequeno, mas ambicioso show, apresentando apenas sete artistas ou coletivos, com nove obras no total. Cada uma dessas obras bem pensadas e pensadas oferece uma investigação sobre a política global, o contemporâneo como histórico e o colapso ambiental, com espaço para rir, descansar e pensar no meio.

As nove obras são comissões, geradas após uma série de visitas de estúdio com artistas chineses emergentes e de meia-carreira pelos curadores Xiaoyu Weng e Hou Hanru. As comissões foram pagas por uma concessão principal da fundação da família de Robert H. N. Ho, eo museu adquirirá todos eles. A exposição, então, é como um laboratório: essas obras são novas e estão sendo gravadas no DNA do Guggenheim.