Google+ Followers

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Art Museum. Kovalenko 2014. --- Museu de Arte. Kovalenko 2014. --- Художественный музей им. Коваленко 2014 г.

The exhibition "All professions are important ..."

February 8, the Art Museum named after FA Kovalenko opened the exhibition project "All professions are important ...", which includes more than 100 works from museums and private collections of funds.

In the poster used the work of Stanislav Serov "Janitor"

Visitors can see paintings, drawings, sculpture, decorative and applied art depicting everyday work of people of different professions.

Works of Soviet and contemporary artists dedicated to doctors, teachers, engineers, metallurgists, agronomists, growers, builders, postmen, fishermen, merchants, etc. In a separate room, visitors will see works by telling the people of creative professions:. Painters and graphic artists, sculptors, actors and circus performers.


There are over 40 thousand professionals from the most simple and familiar to the unusual and exotic. So the exhibition, a picture of Stanislav Serov "Janitor" side by side with Boris Semenov canvas "Portrait of herders 'foreman', and the work of Basil Nechitailo" Lyuba Postman "with watercolor Sergei Dudko" Morning comes from the mountains (Meteorologist). "

Special attention is given to the works of the Kuban sluduet brush honored artists - Alexander Gluhovtsev, Gregory Bulgakov, Nikolai Evsy, Raisa Soluyanova, Hope Kalugin, repeatedly depicting the real masters of their craft.

The exhibition is supplemented with interactive zones "Artist's Workshop", "Amazing fish" games "Agronomist: Guess the plant" and "Perfume: The mysteries of smells."


The exhibition is scheduled master classes and meetings with interesting people - representatives of various professions that will open up all the nuances of the business, not only in theory but also in practice.

The exhibition will run at the museum on 19 March to the following address: ul. Red, 15, 1st floor.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Metropolitan Museum of Art New York Public Library Rijksmuseum

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--br via tradutor do google
Museu de Arte. Kovalenko 2014

A exposição "Todas as profissões são importantes ..."

No cartaz utilizado o trabalho de Stanislav Serov "zelador"

Em 8 de Fevereiro, no Museu de Arte nomeado após FA Kovalenko abriu o projeto de exposição "Todas as profissões são importantes ...", que inclui mais de 100 obras de museus e coleções particulares de fundos.

Os visitantes podem ver pinturas, desenhos, esculturas, decorativos e de arte aplicada que descreve o trabalho diário de pessoas de diferentes profissões.

Obras de Soviética e artistas contemporâneos dedicados a médicos, professores, engenheiros, metalúrgicos, agrónomos, agricultores, construtores, carteiros, pescadores, comerciantes, etc. Em uma sala separada, os visitantes poderão ver obras, dizendo as pessoas de profissões criativas :. pintores e artistas gráficos, escultores, atores e artistas de circo.

Há mais de 40 mil profissionais do mais simples e familiar para o incomum e exótico. Assim, a exposição, uma imagem de Stanislav Serov lado "zelador" a lado com Boris Semenov tela "Retrato de pastores 'chefe', e no trabalho de Basil Nechitailo" Lyuba Postman "com aguarela Sergei Dudko" Morning vem das montanhas (meteorologista). "

Especial atenção é dada para as obras dos Kuban escova sluduet artistas homenageados - Alexander Gluhovtsev, Gregory Bulgakov, Nikolai Evsy, Raisa Soluyanova, Esperança Kalugin, repetidamente, que descreve os verdadeiros mestres de seu ofício.

A exposição é complementada com zonas interactivas "O atelier do Artista", "Peixe surpreendente" jogos "Agrônomo: Adivinhe a planta" e "Perfume:. Os mistérios do cheiro"

A exposição está programada master classes e encontros com pessoas interessantes - representantes de várias profissões que se abrirão todas as nuances do negócio, não só em teoria, mas também na prática.

A exposição decorrerá no museu em 19 de Março para o seguinte endereço: ul. Red, 15, 1º andar.










--ru
Художественный музей им. Коваленко 2014 г.
Выставка «Все профессии важны…»

В афише использована работа Stanislav Serov "Дворник"

8 февраля в художественном музее имени Ф. А. Коваленко открывается выставочный проект «Все профессии важны…», который включает в себя более 100 работ из фондов музея и частных коллекций.

Посетители смогут увидеть произведения живописи, графики, скульптуры, декоративно-прикладного искусства, изображающие трудовые будни людей разных профессий.

Работы советских и современных художников посвящены врачам, учителям, инженерам, металлургам, агрономам, хлеборобам, строителям, почтальонам, рыбакам, продавцам и др. В отдельном зале посетители увидят произведения, рассказывающие о людях творческих профессий: художниках-живописцах и графиках, скульпторах, актерах и артистах цирка.

В мире существует более 40 тысяч профессий: от самых простых и знакомых до необычных и экзотических. Так и на выставке, картина Станислава Серова «Дворник» соседствует с полотном Бориса Семенова «Портрет бригадира оленеводов», а работа Василия Нечитайло «Любочка-почтальон» с акварелью Сергея Дудко «Утро приходит с гор (Метеоролог)».

Особое внимание слудует уделить произведениям кисти заслуженных художников Кубани — Александра Глуховцева, Григория Булгакова, Николая Евсы, Раисы Солуяновой, Надежды Калугиной, неоднократно изображавших настоящих мастеров своего дела.

Выставка дополнена интерактивными зонами: «Мастерская художника», «Удивительные рыбы», играми «Агроном: угадай растение» и «Парфюмер: загадки запахов».

В рамках выставки запланированы мастер-классы и встречи с интересными людьми — представителями различных профессий, которые откроют все тонкости своего дела не только в теории, но и на практике.

Выставка будет работать по 19 марта в здании музея по адресу: ул. Красная, 15, 1-й этаж.

http://kovalenkomuseum.ru/29-news/306-vystavka-vse-professii-vazhny

A mining village that reergue thanks to a museum. Portugal. --- Uma aldeia mineira que se reergue graças a um museu. Portugal.

In the Lousal, pyrite is no longer extracted from the mines, but the memory remains and was fortified with the appearance of the Ciência Viva center in the place.


"He does not even have the smell he had" - who says it is a former miner from the Lousal mine, closed in 1988. José Pacheco, 53, is going down again to the mine, where he worked for six years, from 1981 to 1987, But you already feel the absence of ore mining. After Lousal, he went to the mines of Neves Corvo, in Castro Verde, Alentejo, and is now retired. It will descend again 30 meters below the surface. Put on a yellow helmet. "It's already part of my furniture," he thinks aloud. It is not the only one. With him, more than 20 people go. After all, the Living Science Center in Lousal organizes visits to the mine already closed.

It's just past 1:00 p.m. Even in winter, the Alentejo does not forgive. The Sun burns in the small town of Grândola. Everyone puts on the helmet, it's mandatory. "Security comes first", warns Álvaro Pinto, executive director of the Ciência Viva do Lousal center.


Circuitos Ciência Viva, new routes through the country for "curious people"

As the group approaches the Waldemar Gallery, the gallery's only visitable mine, there is a growing darkness. The flashlights on the helmets were replaced by the emergency lights. And even at the entrance is Santa Barbara, the patron saint of the miners, set among the rock. José Pacheco looks at her. He still pays him devotion, even if it is December 4, the day of the miners and parties in the Lousal. But your attention goes to the "point frame". All the mines have a support for the plates with numbers. As long as there are plates in the point frame, there is someone in the mine. José Pacheco never forgets his number for many years, 563. Today he was 57.

There are no longer rails, no trolleys, no heavy hammers to extract the pyrite, a compound of sulfur and iron (an iron sulphide), which could be used for fertilizers. But the room where the dynamite was kept remains the same as it was. Among the rocky paths, bat nests and mud puddles, one arrives at the "iron hat", the geological formation that announced in 1882 to the farmer Manuel Antonio, the presence of ore. In 1900, began the exploration of ore and the growth of a new settlement.



But for Jaime Cruz, the old electrician of the mine, who also descends this time into the depths, that "iron hat" was something else. "You remember the graveyard of dogs here, Zé?" "So I do not remember?" Replies José Pacheco. Jaime Cruz, now 71, worked at the Power Plant, now Museu Mineiro do Lousal, and worked at the mine for 20 years, from 1959 to 1979. What do you remember about those times? "From misery."

For Jaime Cruz, that was the only way to use it and when it started, neither did the miners use it. Then he went to work for the port of Sines. I knew beforehand that the Lousal mine was in decay. The mine ended in 1988. Sulfur was beginning to be obtained from the refining of petroleum and the extraction of pyrite was no longer profitable.



With the closure of the mine, the village, which had about 5000 inhabitants and the mine came to employ 1,100 people, resented. It currently has between 300 and 400 inhabitants. "It was very sad when we saw Lousal close ... It was our land and here were the jobs. This moved everything around the mine, "recalls José Pacheco.

"It was the best thing that happened"

Ten years after the mine closes, the Grândola City Council and the Fréderic Velge Foundation revitalized the site. But it is in 2010 that the village gained another life, settled in the building that made the technical and scientific support of the mine, the Science Living Center - Science Mine. "After the closure of the mine, it was the best thing that could happen to Lousal," says José Pacheco.

Also today the geologist Álvaro Pinto recognizes the importance of the center in the Lousal. "It's a catalyst for visitors. Imagine a village with the current population having 15 to 17 thousand people a year. "The science has entered the Lousal and a strong point is the work that develops with the people and the explanation of what was the environmental recovery.


PÚBLICO-Photo
Landless Exposure there are no Hoeing in the center Ciência Viva do Lousal MÁRIO CRUZ



Once outside the mine, there are several colorful lagoons. "It is a form of treatment of acid waters," explains Álvaro Pinto. In all there are 17 ponds, or tanks. The first ones serve to remove the particles in suspension, the following ones have limestone to make the correction of the pH of the acid waters. Then, the water still has metals and crosses several tanks where there are plants accustomed to aggressive environments and that accumulate the metals. After this, the water can be thrown into a stream. And there are some of these lagoons, sometimes in shades of green, sometimes in shades of red, that we see when crossing a wooden walkway, about a kilometer.

But the Ciência Viva do Lousal center has more projects. In addition to being part of the Live Science Circuits, now launched, this is the year of the museum. "The museum is located in the power plant, which is focused on energy production and compressed air, we want to add the social part", says Alvaro Pinto, stressing that it is still intended to create a collection of documents on the history of the mine. In addition, there is a project already planned: the continuation of the course of the mine, next to the Ribeira de Corona. Between 300 and 400 thousand euros are needed to complete it.

For the time being, whoever comes to the center, beyond the mines, will find a hollywoodesque scene with rusty tones and a train similar to those that arrived in the golden days to the Lousal, coming from Setúbal and going there again. But if you go to the Living Science Center, it can not be on Monday, the day it's closed. If you want to go inside the mine, this is from Tuesday to Sunday, at 3pm in the winter and at 4pm in the summer. Maybe these days there will be a regular visitor from the center. She is a resident of Lousal and comes to see the photograph of her husband, exposed among other miners, on a screen of a room in the center.








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br
Uma aldeia mineira que se reergue graças a um museu.

No Lousal, já não se extrai pirite das minas, mas a memória permanece e foi fortificada com o aparecimento do centro Ciência Viva no local.


“Já nem tem o cheiro que tinha” – quem o diz é um antigo mineiro da mina do Lousal, encerrada em 1988. José Pacheco, 53 anos, vai descer de novo à mina, onde trabalhou durante seis anos, de 1981 a 1987, mas já sente a ausência da extracção de minério. Depois do Lousal, foi para as minas de Neves Corvo, em Castro Verde, Alentejo, e agora está aposentado. Vai descer de novo 30 metros abaixo da superfície. Coloca um capacete amarelo. “Já faz parte da minha mobília”, pensa alto. Não é o único. Com ele, vão mais de 20 pessoas. Afinal, o centro de Ciência Viva no Lousal organiza visitas à mina já encerrada.

Passa pouco das 13 horas. Mesmo no Inverno, o Alentejo não perdoa. O Sol queima na pequena povoação do concelho de Grândola. Todos põem o capacete, é obrigatório. “A segurança está em primeiro lugar”, avisa Álvaro Pinto, director-executivo do centro Ciência Viva do Lousal.

Circuitos Ciência Viva, novos percursos pelo país para “pessoas curiosas”

À medida que o grupo se vai aproximando da Galeria Waldemar, a única galeria da mina visitável, há uma escuridão que cresce. As lanternas nos capacetes foram substituídas pelas luzes de emergência. E mesmo à entrada está santa Bárbara, a padroeira dos mineiros, instalada entre a rocha. José Pacheco olha para ela. Ainda lhe presta devoção, nem que seja a 4 de Dezembro, o dia dos mineiros e das festas no Lousal. Mas a sua atenção passa para o “quadro do ponto”. Todas as minas têm um suporte para as chapas com números. Enquanto houver chapas no quadro do ponto, há alguém na mina. José Pacheco nunca esquece aquele que foi o seu número durante largos anos, o 563. Hoje ficou com o 57.

Já não há carris, nem carrinhos, nem os martelos pesados para extrair a pirite, um composto de enxofre e ferro (um sulfureto de ferro), que podia servir para adubos. Mas a sala onde se guardava a dinamite mantém-se tal e qual como era. Por entre os caminhos de rocha, ninhos de morcegos e umas poças com lama, chega-se ao “chapéu de ferro”, a formação geológica que anunciou, em 1882, ao lavrador Manuel António, a presença de minério. Em 1900, começava a exploração de minério e o crescimento de uma nova povoação.

Mas para Jaime Cruz, antigo electricista da mina, que também desce desta vez às profundezas, aquele “chapéu de ferro” era algo mais. “Lembraste do cemitério de cães aqui, Zé?” “Então não lembro?”, responde José Pacheco. Jaime Cruz, agora de 71 anos, trabalhava na Central Eléctrica, agora Museu Mineiro do Lousal, e trabalhou na mina, durante 20 anos, de 1959 a 1979. Do que se lembra daqueles tempos? “Da miséria.”

Para Jaime Cruz, aquela era a única forma de se empregar e quando começou nem capacetes os mineiros usavam. Depois, foi trabalhar para o porto de Sines. Soube de antemão que a mina do Lousal estava em decadência. A mina encerrou em 1988. O enxofre começava a ser obtido na refinação do petróleo e a extracção de pirite deixou de ser rentável.

Com o fecho da mina, a povoação, que chegou a ter cerca de 5000 habitantes e a mina chegou a empregar 1100 pessoas, ressentiu-se. Actualmente, tem entre 300 a 400 habitantes. “Foi muito triste quando vimos o Lousal encerrar… Era a nossa terra e estavam aqui os postos de trabalho. Isto mexia tudo em torno da mina”, recorda José Pacheco.

“Foi a melhor coisa que aconteceu”

Dez anos depois de a mina encerrar, a Câmara Municipal de Grândola e a Fundação Fréderic Velge revitalizaram o local. Mas é em 2010 que a aldeia ganhou outra vida, instalou-se no edifício que fazia o apoio técnico e científico da mina, o Centro Ciência Viva – Mina de Ciência. “Depois do encerramento da mina, foi a melhor coisa que pôde acontecer ao Lousal”, faz questão de dizer José Pacheco.

Também hoje o geólogo Álvaro Pinto reconhece a importância do centro no Lousal. “É um catalisador de visitas. Imagine uma aldeia com a população actual passar a ter 15 a 17 mil pessoas por ano.” A ciência entrou no Lousal e um ponto forte é o trabalho que desenvolve com as pessoas e a explicação do que foi a recuperação ambiental.


PÚBLICO -Foto

Exposição Sem Terra não há Carochas no centro Ciência Viva do Lousal MÁRIO CRUZ



Já fora da mina, vêem-se várias lagoas coloridas. “É uma forma de tratamento das águas ácidas”, explica Álvaro Pinto. Ao todo são 17 lagoas, ou tanques. As primeiras servem para retirar as partículas em suspensão, as seguintes têm calcário para fazer a correcção do pH das águas ácidas. Depois, a água ainda tem metais e atravessa vários tanques onde existem plantas habituadas a ambientes agressivos e que acumulam os metais. Depois disto, a água pode ser lançada numa ribeira. E são algumas destas lagoas, ora em tons de verde, ora em tons de vermelho, que vemos ao atravessar um passadiço de madeira, de cerca de um quilómetro.

Mas o centro Ciência Viva do Lousal tem mais projectos. Além de fazer parte dos Circuitos de Ciência Viva, agora lançados, este é o ano do museu. “O museu fica na central eléctrica, que está centrado na produção de energia e de ar comprimido, queremos acrescentar a parte social”, diz-nos Álvaro Pinto, frisando que se pretende ainda criar um acervo documental sobre a história da mina. Além disso, há um projecto já pensado: a continuação do percurso da mina, junto à Ribeira de Corona. São necessários entre 300 mil a 400 mil euros para o concretizar.

Por enquanto, quem vier ao centro, além das minas, encontrará um cenário hollywoodesco com tons ferrugem e um comboio parecido com os que chegavam em tempos áureos ao Lousal, vindos de Setúbal e indo de novo para lá. Mas se se for ao centro Ciência Viva, não pode ser numa segunda-feira, o dia em que está encerrado. Caso se queira ir ao interior da mina, isso é de terça-feira a domingo, às 15h no Inverno e às 16h no Verão. Talvez nesses dias se encontre lá uma visitante habitual do centro. É moradora do Lousal e vem ver a fotografia do marido, exposta entre outros mineiros, num ecrã de uma sala no centro.

New York’s Metropolitan Museum of Art releases 375,000 digital works for remix and re-use online via CC0. --- Museu Metropolitano de Arte de Nova York libera 375.000 obras digitais para remix e reutilização on-line via CC0

Today, the Metropolitan Museum of Art in New York announces that all public domain images in its collection will be shared under CC0, expanding their digital collection by over 375,000 images as well as providing data on over 420,000 museum objects spanning more than 5,000 years. CC0 allows anyone to use, re-use, and remix a work without restriction. This announcement will shape the future of public domain images online and underscores the Met’s leadership role as one of the most important open museum collections in the world.

Title: Irises, Vincent Van Gogh

Creative Commons CEO Ryan Merkley joined the Met to announce the release. The Met collection of CC0 images can be browsed on the new CC Search beta, also announced this morning.

“Sharing is fundamental to how we promote discovery, innovation, and collaboration in the digital age,” said Merkley. “Today, The Met has given the world a profound gift in service of its mission: the largest museum in the United States has eliminated the barriers that would otherwise prohibit access to its content, and invited the world to use, remix, and share their public domain collections widely and without restriction.”

Director of the Metropolitan Museum of Art Thomas P. Campbell concurs: “In making images of our public-domain artworks available to audiences under CC0, the Museum is adapting its practice to make our collection available in a way that best meets the needs of 21st-century, digital audiences. We are excited to share with the public new pathways to creativity, knowledge, and ideas as manifest in the greater utility of its collections spanning 5,000 years of art. The Metropolitan Museum of Art thanks Creative Commons, an international leader in collaboration, sharing, and copyright, for beings our partner in this effort.”

At the announcement, Met partners also shared a series of other open initiatives, including the museum’s first Wikipedian-in-residence, a Github repository of the publicly accessible data, and a partnership with ITHAKA-Artstor and Pinterest to provide more extensive access to its collections. More information on these initiatives can be found at the Metropolitan Museum of Art’s Image and Data Resources page.

Our profound thanks to the Metropolitan Museum of Art for making this partnership possible. Today’s announcement is the result of the hard work and leadership of the incredible staff team at The Met, and Creative Commons is proud to have supported the development and implementation of this new policy. Through the power of the commons, billions of people will now be able to enjoy the beauty of the Met’s collections as well as participate in the continued growth of the commons, utilizing the infrastructure that makes greater collaboration possible.

Stay tuned to our social media and Slack for more updates and experience the collection yourself at the new CC Search beta.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Metropolitan Museum of Art New York Public Library Rijksmuseum

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.










--br via tradutor do google
Museu Metropolitano de Arte de Nova York libera 375.000 obras digitais para remix e reutilização on-line via CC0


Título: Íris, Vincent van Gogh


Hoje, o Metropolitan Museum of Art em Nova York anuncia que todas as imagens de domínio público em sua coleção serão compartilhadas em CC0, ampliando sua coleção digital em mais de 375 mil imagens e fornecendo dados sobre mais de 420 mil objetos de museus que se estendem por mais de 5.000 anos. CC0 permite a qualquer pessoa usar, reutilizar e remixar uma obra sem restrições. Este anúncio vai moldar o futuro das imagens de domínio público on-line e destaca o papel de liderança do Met como uma das mais importantes coleções de museus abertos do mundo.

O CEO da Creative Commons, Ryan Merkley, se juntou ao Met para anunciar o lançamento. A coleção Met de imagens CC0 pode ser navegada no novo beta CC Search, também anunciado esta manhã.

"Compartilhamento é fundamental para a forma como promover a descoberta, inovação e colaboração na era digital", disse Merkley. "Hoje, o Met deu ao mundo um profundo dom ao serviço de sua missão: o maior museu dos Estados Unidos eliminou as barreiras que de outra forma proibiriam o acesso ao seu conteúdo e convidou o mundo a usar, remixar e compartilhar suas Coleções de domínio público amplamente e sem restrições ".

Diretor do Museu Metropolitano de Arte Thomas P. Campbell concorda: "Ao fazer imagens de nossas obras de arte de domínio público disponíveis para o público sob CC0, o Museu está adaptando sua prática para tornar nossa coleção disponível de forma que melhor atenda às necessidades da 21a. Cêncio, audiências digitais. Estamos entusiasmados em compartilhar com o público novos caminhos para a criatividade, o conhecimento e as idéias, como se manifesta na maior utilidade de suas coleções que abrangem 5.000 anos de arte. O Metropolitan Museum of Art agradece Creative Commons, um líder internacional em colaboração, compartilhamento e direitos autorais, para seres nosso parceiro neste esforço. "

No anúncio, os parceiros da Met também compartilharam uma série de outras iniciativas abertas, incluindo o primeiro Wikipedian-in-residence do museu, um repositório Github dos dados acessíveis ao público e uma parceria com a ITHAKA-Artstor e Pinterest para fornecer um acesso mais amplo à sua Coleções. Mais informações sobre essas iniciativas podem ser encontradas na página de Recursos de Imagem e Dados do Metropolitan Museum of Art.

O nosso profundo agradecimento ao Museu Metropolitano de Arte por fazer esta parceria possível. O anúncio de hoje é resultado do trabalho árduo e da liderança da incrível equipe de funcionários do The Met, e a Creative Commons tem o orgulho de ter apoiado o desenvolvimento e a implementação desta nova política. Através do poder dos comuns, bilhões de pessoas agora poderão desfrutar da beleza das coleções do Met, bem como participar do crescimento contínuo dos bens comuns, utilizando a infra-estrutura que torna possível uma maior colaboração.

Fique atento às nossas mídias sociais e Slack para mais atualizações e experimente a coleção você mesmo na nova versão beta do CC Search.

Https://creativecommons.org/2017/02/07/met-announcement/
Museu Metropolitano de Arte Nova Iorque Public Library Rijksmuseum

Chinese Lacquer Ware - exquisite Chinese craft. --- Chinês Lacquer Ware - artesanato chinês requintado. --- 中国漆器 - 精致的中国工艺。

The lacquer ware is one of exquisite Chinese crafts. Chinese lacquer ware has a long history dating back as early as the New Stone Age. The original wares in China were those coated with black and red lacquers. From the Shang Dynasty to the Han, colorful painting, gold inlaying and other techniques were introduced into the making of lacquer ware. The oldest lacquer ware discovered dates back to the Warring State Period (403--221 BC) when lacquer ware was popular.






Chinese lacquer is a natural varnish made from the sap of the lacquer tree. China is abundant in lacquer resources. Lacquer trees in Mainland China are distributed in some 550 counties in 23 provinces. Exposed to air, it forms a plastic coat, resistant to water, acid or alkaline corrosion. To make lacquer ware, a base coat is applied to a core material, followed by extremely thin layers of the finest lacquer. Once these have dried, a final layer is added to make the lacquer strong and light, whilst maintaining the elegant appearance and harmonious color. It was in the Tang, Song and Yuan dynasties, when the lacquer ware production started to flourish.

Fuzhou is well-known for the "bodiless lacquerware", one of the "Three Treasures" of Chinese arts and crafts (the other two being Beijing cloisonne and Jingdezhen porcelain). Fuzhou lacquer wares are resistant to heat, acid, alkali and electricity.

The lacquer wares made in Yangzhou are famous for their elegance and delicacy and the unique creative technique. Yangzhou lacquer articles are distinguished not only by carvings in relief but by exquisite patterns inlaid with gems, gold, ivory and mother of pearl. The products are normally screens, cabinets, tables, chairs, vases, trays, cups, boxes and ashtrays.

Pingyao, an ancient town in Shanxi Province, produces lacquer ware which features the luster polished by craftsmen's palms.

The making of Beijing lacquerware starts with a brass or wooden body. After preparation and polishing, it is coated with several dozen up to hundreds of layers of lacquer, reaching a total thickness of 5 to 18 millimetres. Then, gravers will cut into the hardened lacquer, creating "carved paintings" of landscapes, human figures, flowers and birds. It is then finished by drying and polishing. Traditional Beijing lacquer objects are in the forms of chairs, screens, tea tables, vases, etc. Emperor Qianlong of the Qing Dynasty, an enthusiast for lacquerware, had his coffin decorated with carved lacquer.

Before the invention of the Chinese ink, lacquer had been used for writing. Twenty-eight bamboo clips found in a Warring States (475-221 B. C. ) tomb at Changtaiguan, Xinyang, Henan Province, bear a list of the burial objects with the characters written in lacquer.








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



--br via tradutor do google
Chinês Lacquer Ware - artesanato chinês requintado.

Os produtos de laca é um dos requintados artesanato chinês. Louças de laca chinesa tem uma longa história que remonta tão cedo quanto a Nova Idade da Pedra. Os produtos originais na China eram aqueles revestidos com lacas pretas e vermelhas. Da dinastia Shang ao Han, pintura colorida, incrustação de ouro e outras técnicas foram introduzidas na confecção de laca ware. Os produtos mais antigos de laca descobertos datam do Período do Estado Guerreiro (403-221 aC), quando os utensílios de laca eram populares.

A laca chinesa é um verniz natural feito da seiva da árvore de laca. A China é abundante em recursos de laca. As árvores da laca na China continental estão distribuídas em aproximadamente 550 condados em 23 províncias. Exposto ao ar, forma um revestimento plástico, resistente à água, corrosão ácida ou alcalina. Para fazer produtos de laca, um revestimento de base é aplicado a um material de núcleo, seguido por camadas extremamente finas da laca mais fina. Uma vez que estes secaram, uma camada final é adicionada para fazer a laca forte e leve, mantendo a aparência elegante e cor harmoniosa. Foi nas dinastias Tang, Song e Yuan, quando a produção de lacas começou a florescer.

Fuzhou é bem conhecido pelo "laca sem corpo", um dos "Três Tesouros" das artes e ofícios chineses (os outros dois são o cloisonne de Pequim e a porcelana de Jingdezhen). Os produtos da laca de Fuzhou são resistentes ao calor, ao ácido, ao alcalóide e à eletricidade.

Os produtos de laca feitos em Yangzhou são famosos por sua elegância e delicadeza ea técnica criativa única. Yangzhou laca artigos são distinguidos não só por esculturas em relevo, mas por padrões requintados embutidos com gemas, ouro, marfim e madrepérola. Os produtos são normalmente telas, armários, mesas, cadeiras, vasos, bandejas, copos, caixas e cinzeiros.

Pingyao, uma antiga cidade na província de Shanxi, produz laca ware que apresenta o brilho polido por artesãos palmas.

A fabricação de laca de Pequim começa com um corpo de latão ou madeira. Após a preparação e polimento, é revestido com várias dúzias até centenas de camadas de laca, atingindo uma espessura total de 5 a 18 milímetros. Em seguida, os graveres irão cortar a laca endurecida, criando "pinturas esculpidas" de paisagens, figuras humanas, flores e pássaros. É então terminado por secagem e polimento. Os objetos tradicionais da laca de Beijing estão nas formas de cadeiras, de telas, de tabelas de chá, de vasos, etc. O imperador Qianlong da dinastia de Qing, um entusiasta para lacquerware, teve seu caixão decorado com laca cinzelada.

Antes da invenção da tinta chinesa, a laca tinha sido usada para escrever. Vinte e oito grampos de bambu encontrados em um túmulo dos Estados Combatentes (475-221 B. C.) em Changtaiguan, Xinyang, província de Henan, carregam uma lista dos objetos de enterro com os caráteres escritos na laca.






--chines simplificado
中国漆器 - 精致的中国工艺。

漆器是精致的中国工艺品之一。中国漆器具有悠久的历史,早在新石器时代。中国的原始商品是涂有黑色和红色漆的。从商代到汉,多彩的画,金镶嵌等技术被引入漆器的制作。发现的最古老的漆器可追溯到战国时期(公元前403--221年),当漆器受欢迎时。

  
中国漆是由漆树的树汁制成的天然漆。中国漆面资源丰富。中国大陆的漆树分布在23个省550个县。暴露于空气中,形成塑料涂层,耐水,耐酸碱腐蚀。为了制备漆器,将底漆施加到芯材料上,随后施加非常薄的最细的漆层。一旦这些已经干燥,添加最后一层使漆强和轻,同时保持优雅的外观和和谐的颜色。它是在唐宋元时,漆器生产开始蓬勃发展。

福州以中国工艺品“三宝”之一(其他两个是北京景泰蓝和景德镇瓷器)“无色漆器”而闻名。福州漆器耐热,耐酸,耐碱,耐电。

在扬州制造的漆器以其优雅和精致以及独特的创意技术而闻名。扬州漆器不仅通过雕刻浮雕,而且通过镶嵌宝石,金子,象牙和珍珠母的精美图案而闻名。产品通常是屏幕,橱柜,桌子,椅子,花瓶,托盘,杯子,盒子和烟灰缸。

平遥,山西省的一个古镇,生产漆器,具有工匠手掌抛光的光泽。

北京漆器的制作从一个黄铜或木制的身体开始。在制备和抛光后,其涂覆有几十至多达数百层的漆,达到总厚度为5至18毫米。然后,雕刻工将切入硬化的漆,创造景观,人物,花卉和鸟类的“雕刻的绘画”。然后通过干燥和抛光来完成。传统的北京漆器以椅子,屏风,茶几,花瓶等形式出现。清代干隆,漆器的爱好者,他的棺材用雕刻的漆装饰。


在发明中国墨水之前,已经使用漆来书写。在河南省新阳市长台关的一个战国(475-221 B.C。)坟墓中发现的二十八个竹,,列有用漆写的字符的埋葬物。