Google+ Followers

segunda-feira, 6 de março de 2017

Alessandro Goppion, the Italian who protects Monalisa and the jewels of the English Crown. --- Alessandro Goppion, o italiano que protege a Monalisa e as joias da Coroa inglesa.

The Italian Alessandro Goppion is passionate about art and design. The businessman who is in Social and Political Sciences and spent hours at his father's factory, engineer Nino, is now best known for his showcases that protect and preserve great works of art in more than 300 museums around the world.

The Italian Alessandro Goppion

The father's company, founded in 1952 and known for years as the displays produced for the food industry group Ferrero, gained a new direction with Sandro's entry, or would be Goppion Knight, since he had been awarded Order of the Merit of the work of Italian President Sergio Mattarella. "I turned my passion into business," smiles the Italian who spends much of his time in meetings at the factory in Trezzano sul Naviglio, near Milan, traveling and visiting future clients.


Monnalisa, Louvre Museum, Paris

The transition to the cultural sector took place more than 35 years ago. Alessandro Goppion, along with his team, developed true glass coffers, which have won the trust of museums and art galleries. The first success was with the vetrines created for the Bargello Museum in Florence. From there, the name Goppion became synonymous with security.

The list of works of art protected by the Italian company is vast: Monalisa and Venus de Milo, in the Louvre Museum, and the Jewels of the Queen of England, Victoria and Albert Museum, to name a few. "In the United States, for example, we were called upon to create the vetrines of the National Museum of African American History, of Washington, dedicated to African-American culture," recalls the businessman.

The secret of the intelligent windows of the Italian industrial group is not only in the quality and thickness of glass but also in research, experimentation and innovation. A job that requires patience, experience and meticulousness when it comes to carrying out the projects. Not to mention control and maintenance. Today, these transparent safes are not only bullet-proof, they are technological, intelligent.

Jameel Gallery in Dubai

With a tablet you can remotely control humidity, internal temperature, technical faults and even protect against tremors. Architects, technicians and engineers are the tireless guardian angels of works of art exhibited in museums, galleries or in homes.

Much of Goppion's clientele is outside Italian territory. England, France and the United States followed by the Middle East make up the list of patrons. "In Italy, our audience is still small compared to other European countries, but our vetrines protect sculptures and paintings at the Egyptian Museum in Turin, for example in the Grand Duomo Museum in Florence," he says.

"The big problem is the bureaucracy and the delay in the public bids, so we focus on the foreign market, and maybe one day we will be framing - safely - works of art in Brazil," says Alessandro Goppion, who at the time Vacancies, during their travels, prefer a good restaurant to a museum. "It is in the gastronomy that one enters knows the culture and art of a people". What will he say after savoring the feijoada in Brazil?


The smart vetrine







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.









..br
Alessandro Goppion, o italiano que protege a Monalisa e as joias da Coroa inglesa.

O italiano Alessandro Goppion é apaixonado por arte e design. O empresário que estou Ciências Sociais e Políticas e passava horas na fábrica do pai, o engenheiro Nino, hoje é mais conhecido por suas vitrines que protegem e preservam grandes obras de arte, em mais de 300 museus em todo o mundo.

A empresa do pai, fundada em 1952, e que por anos ficou conhecida pelos displays produzidos para o grupo do setor alimentício Ferrero, ganhou um novo rumo com a entrada de Sandro, ou seria Cavaleiro Goppion, já que ele há dois anos recebeu Ordem do Mérito do Trabalho do presidente italiano Sergio Mattarella. "Transformei minha paixão em negócio", sorri o italiano que passa grande parte do seu tempo em reuniões na fábrica em Trezzano sul Naviglio, perto de Milão, viajando e visitando futuros clientes.

A passagem para o setor cultural aconteceu há mais de 35 anos. Alessandro Goppion, juntamente com sua equipe, desenvolveu verdadeiros cofres de vidro, que conquistaram a confiança de museus e galerias de arte. O primeiro sucesso aconteceu com as vetrines criadas para o Museu do Bargello, em Florença. A partir daí, o nome Goppion se transformou em sinônimo de segurança.

A lista de obras de arte protegidas pela empresa italiana é vasta: Monalisa e Vênus de Milo, no Museu do Louvre, e as Joias da Rainha da Inglaterra, Victoria and Albert Museum, para citar algumas. "Nos Estados Unidos, por exemplo, fomos chamados para criar as vetrines do National Museum of African American History, de Washington, dedicado à cultura afro-americana", lembra o empresário.

O segredo das vitrines inteligentes do grupo industrial italiano está não só na qualidade e espessura do vidro mas também na pesquisa, experimentação e inovação. Um trabalho que exige paciência, experiência e meticulosidade na hora de realizar os projetos. Sem falar no controle e manutenção. Atualmente, esses cofres transparentes não são só à prova de bala, são tecnológicos, inteligente.


Por meio de um tablet é possível controlar à distância umidade, temperatura interna, falhas técnicas e até proteger contra tremores. Arquitetos, técnicos e engenheiros são os incansáveis anjos da guarda das obras de arte expostas em museus, galerias ou em residências.

Grande parte da clientela da Goppion está fora do território italiano. Inglaterra, França e Estados Unidos seguido pelo Oriente Médio compõem a lista de fregueses. "Na Itália, nosso público é ainda pequeno em comparação aos outros países da Europa mas nossas vetrines protegem esculturas e quadros no Museu Egípcio, de Turim, no Grande Museu Duomo, de Florença, por exemplo", comenta.

"O grande problema é a burocracia e a demora nas licitações públicas. Por isso mesmo, nos concentramos no mercado externo e quem sabe um dia estaremos emoldurando - com segurança - obras de arte no Brasil? ", afirma o Alessandro Goppion, que nas horas vagas, durante suas viagens, prefere um bom restaurante a um museu. "É na gastronomia que se entra conhece a cultura e arte de um povo". O que ele dirá depois de saborear a feijoada no Brasil?


The Gemeente Museum Den Haag in The Hague, The Netherlands, brings together some of the most iconic pieces created by Hubert de Givenchy for his longtime muse, Audrey Hepburn. --- O Gemeente Museum Den Haag, em Haia, na Holanda, reúne algumas das peças mais icónicas criadas por Hubert de Givenchy para a sua musa de longa data, Audrey Hepburn.

With a long career of almost half a century, Hubert de Givenchy retired in 1995, leaving that year the home he founded in 1952 - today under the creative direction of Riccardo Tisci - with a rich historical heritage. One of the most remarkable chapters was the relationship that during the second half of the 20th century had with Audrey Hepburn. The result of this creative partnership is now displayed at the Gemeente Museum Den Haag in Holland - a country where Audrey lived for part of her childhood. To see until March 26.


Entitled "Hubert de Givenchy: To Audrey with Love", the exhibition includes dozens of pieces of the French creator used by the Hollywood star - some of which had never before been shown to the public.



The relationship between Hepburn and Givenchy was, according to him, quoted by the Telegraph, "a kind of marriage". In addition to sharing a taste for simple and elegant style, have developed over the years great friendship. They worked together from the early 1950s until Hepburn's death. Givenchy designed clothes for Audrey to use in her daily life, but also in events like the 1954 Oscars, when she accepted the distinction for the role of Princess Ann in Vacations in Rome, in which she wore a floral white dress - and in films such as Sabrina and Luxury Doll (Breakfast at Tiffany's).



On display are still sketches of pieces, drawings, photographs and stills from movies. The creator participated actively in the process of curating the exhibition, personally selecting some of his favorite pieces. "It's the first time we've been able to put together so many models used by Audrey Hepburn. It is exciting to see all these dresses that one day we forget, "says Givenchy in the presentation video. "The exhibition is a trip through your wardrobe. It is a tribute to its eternal beauty," he concludes.

A part of the exhibition focuses exclusively on the partnership between muse and creator; And another in the role that Audrey has played since 1988 as UNICEF's goodwill ambassador. Affected directly by the Second War during her childhood, Audrey was particularly sensitive to the children's suffering. He traveled around the world, including countries such as Ethiopia, to raise public awareness about problems related to education and health.

In 1991, when Hubert Givenchy was only a few years away from retirement, it was Audrey Hepburn who paid tribute to his favorite creator, attending a retrospective event of his career - which according to Style.com was one of the main events of the season , With the presence of iconic figures such as Yves Saint Laurent and Christian Lacroix.

"All women want to feel beautiful and I feel pretty when I wear their clothes, they give me confidence," said Hepburn at the time. The timeless beauty of Givenchy's pieces - in tune with the aesthetic of the actress herself - gave birth to a lasting relationship. "She's always worked with integrity, even when fashion has become a little weird and out of time. And here's the proof: it could be used today. And I'm very proud of my friend, "he said with a smile.

The truth is that, more than two decades past, the pieces maintain their contemporaneity. The exhibition will be on display until 26 March and will then be adapted to other galleries in Switzerland and France. The next stop will be the Fondation Bolle in Morges, Switzerland, from 19 May to 17 September. A book on the exhibition was also created, illustrated in Dutch and in English, and another coloring book for children.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.




--br
O Gemeente Museum Den Haag, em Haia, na Holanda, reúne algumas das peças mais icónicas criadas por Hubert de Givenchy para a sua musa de longa data, Audrey Hepburn.

Com uma longa carreira de quase meio século, Hubert de Givenchy reformou-se em 1995, deixando nesse ano a casa que fundou em 1952 – hoje sob a direcção criativa de Riccardo Tisci – com uma rica herança histórica. Um dos capítulos mais marcantes foi a relação que ao longo da segunda metade do século XX teve com Audrey Hepburn. O resultado dessa parceria criativa está agora exposta no Gemeente Museum Den Haag, na Holanda – país onde Audrey viveu durante parte da infância. Para ver até 26 de Março.

Intitulada “Hubert de Givenchy: To Audrey with Love” (em português, "para Audrey com amor"), a exposição inclui dezenas de peças do criador francês usadas pela estrela de Hollywood – algumas das quais nunca antes tinham sido mostradas ao público.

A relação entre Hepburn e Givenchy era, segundo o próprio, citado pelo Telegraph, "uma espécie de casamento". Além de partilharem um gosto pelo estilo simples e elegante, desenvolveram ao longo dos anos grande amizade. Trabalharam juntos desde o início da década de 1950 até à morte de Hepburn. Givenchy desenhava roupas para Audrey usar no seu dia-a-dia, mas também em eventos como os Óscares de 1954, quando aceitou a distinção pelo papel de princesa Ann em Férias em Roma, em que usou um vestido branco floral – e em filmes como Sabrina e Boneca de Luxo (Breakfast at Tiffany’s) .

Em exibição estarão ainda esboços de peças, desenhos, fotografias e stills de filmes. O criador participou activamente no processo de curadoria da exposição, seleccionando pessoalmente algumas das suas peças preferidas. “É a primeira vez que conseguimos reunir tantos modelos usados por Audrey Hepburn. É entusiasmante ver todos estes vestidos dos quais um dia nos esquecemos”, conta Givenchy no vídeo de apresentação. "A exposição é uma viagem pelo seu guarda-roupa. É uma homenagem à sua beleza eterna”, conclui.

Uma parte da exposição foca-se exclusivamente na relação de parceria entre musa e criador; e outra no papel que Audrey desempenhou desde 1988, como embaixadora da boa vontade da Unicef. Afectada directamente pela Segunda Guerra durante a sua infância, Audrey mostrava-se particularmente sensivel ao sofrimento das crianças. Viajou pelo mundo, passando por países como a Etiópia, para dar a conhecer ao público problemas relacionados com educação e saúde.

Em 1991, quando Hubert Givenchy estava a poucos anos da reforma, foi Audrey Hepburn que prestou homenagem ao seu criador preferido, marcando presença num evento de retrospectiva da sua carreira –  evento esse que, segundo a Style.com, foi um dos principais da temporada, contando com a presença de figuras icónicas como Yves Saint Laurent e Christian Lacroix.

“Todas as mulheres querem sentir-se bonitas e eu sinto-me bonita quando uso as suas roupas, dão-me confiança” disse Hepburn na altura. A beleza intemporal das peças de Givenchy – em sintonia com a estética da própria actriz – deu azo a uma relação duradora. “Sempre trabalhou com integridade, mesmo quando a moda se tornou um pouco estranha e fora de tempo. E aqui está a prova disso: podia usar-se tudo hoje. E estou muito orgulhosa do meu amigo”, disse ainda com um sorriso.

A verdade é que, mais de duas décadas passadas, as peças mantêm a sua contemporaneidade. A exposição vai estar em exibição até 26 de Março e irá depois ser adaptada a outras galerias, na Suiça e em França. A próxima paragem será a Fondation Bolle in Morges, na Suiça, de 19 de Maio a 17 de Setembro. Foi ainda criado um livro sobre a exposição, ilustrado em holandês e em inglês, e outro livro para crianças para colorir.

Apollo 11 module leaves the National Air & Space Museum. --- Módulo da Apollo 11 deixa o National Air&Space Museum. --- 阿波罗11号的模块离开美国国家航空航天博物馆。

In October, for the first time in 46 years, Columbia's Apollo11 ​​mission command module will leave its prominent place at the equally famous National Air & Space Museum (NASM) in Washington DC for a tour of four cities.



The traveling exhibition called Moon Destination: The Apollo11 ​​Mission will visit the Houston Space Center in October, then the Science Center in St. Louis in April 2018, the Heinz Historic Center in Pittsburgh in September and the Seattle Flight Museum in March 2019, which will end the tour. In September 2019 the command module returns the NASM to be part of a new Lua Destination exhibition that is due to open to the public in 2021. The tour celebrates the approaching 50th anniversary of the first lunar expedition in July 1969.

The command module, manufactured by the North American Rockwell is one of three parts of the complete Apollo set, providing the space required for the three astronauts for most of the mission. The other two parts were the Service Module, containing the main propulsion system and "consumables" and the Lunar Module, called the Eagle used by Neil Armstrong and Edwin "Buzz" Aldrin to land on the lunar surface. The third astronaut, Michael Collins, was in orbit. The Command Module was the only part of the set that returned to Earth.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/modulo-da-apollo-11-deixa-o-national-airspace-museum_3271.html#ixzz4aVAja7lF

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--br
Módulo da Apollo 11 deixa o National Air&Space Museum.

No mês de outubro, pela primeira vez em 46 anos, o módulo de comando Columbia da missão Apollo11, deixará seu lugar de destaque no igualmente famoso National Air&Space Museum (NASM) em Washington DC para uma turnê, visitando quatro cidades.

A exposição itinerante chamada Destino Lua: a Missão Apollo11 visitará o Centro Espacial de Houston em outubro, depois o Centro de Ciências em St. Louis em abril de 2018, o Centro Histórico Heinz, em Pittsburgh em setembro e o Museu do Voo em Seattle em março de 2019, que encerrará a turnê. Em setembro de 2019 o módulo de comando retorna o NASM para fazer parte de uma nova exposição Destino Lua que deve ser aberta ao público em 2021. A turnê celebra a proximidade do 50º aniversário da primeira expedição lunar em julho de 1969.

 O modulo de comando, fabricado pela North American Rockwell é uma de três partes do conjunto completo Apollo, oferecendo o espaço necessário aos três astronautas durante a maior parte da missão. As outras duas partes eram o Módulo de Serviço, contendo o sistema de propulsão principal e “consumíveis” e o Módulo Lunar, chamado Eagle (Águia) utilizado por Neil Armstrong e Edwin “Buzz” Aldrin para pousar na superfície lunar. O terceiro astronauta, Michael Collins, ficou na órbita. O Módulo de Comando foi a única parte do conjunto que retornou à Terra.






--chines simplificado via tradutor do google
阿波罗11号的模块离开美国国家航空航天博物馆。


在10月,46年来第一次,哥伦比亚指挥舱Apollo11​​任务,将离开他突出的地方在同样著名的美国国家航空航天博物馆(NASM)在华盛顿特区的旅游,参观四个城市。

所谓的目的地月球巡回展:任务Apollo11​​参观休斯敦航天中心在十月科学中心在圣路易斯后,在四月2018年,亨氏历史中心在匹兹堡九月和飞行西雅图博物馆2019年3月和将结束巡演。九月2019年指挥舱返回NASM是一个新的展览地点月亮应该是向公众开放的2021年巡演庆祝第一个月球探险队50周年的接近1969年7月的一部分。

 由北美洛克维尔和一整套阿波罗三个部分制造过程中的大部分任务提供三名宇航员所需的空间的控制模块。另外两个部分都服务模块,包括用于尼尔·阿姆斯特朗和埃德温“嗡嗡”奥尔德林降落在月球表面上的主推进系统和“低值易耗品”的登月舱,命名为鹰牌(EAGLE)。第三宇航员迈克尔·柯林斯,留在轨道上。指挥舱是它返回地球整体的一部分。