Google+ Followers

sexta-feira, 10 de março de 2017

Национальный музей имени А. В. Анохина. --- The Anokhin National Museum. --- Museu Nacional de AV Anokhin.

одно из первых учреждений культуры и науки Республики Алтай. В 2015 г. он отметил 97 лет со дня образования. Его славный путь отмечен многими событиями, главными участниками которых стало не одно поколение музейных сотрудников, а его деятельность – это своеобразное окно, раскрывающая историю нашего региона и сопредельных территорий через свои экспозиции и выставки. Национальный музей имени А. В. Анохина не только бережно хранит, но и активно пропагандирует уникальное, самобытное и богатейшее историко-культурное и природное наследие Горного Алтая.

Коллектив музея успешно выполняет поставленные перед ним задачи – демонстрирует содержательные экспозиции и выставки, внедряет новые интересные проекты, расширяет научные и творческие контакты.



Все эти годы музей остается излюбленным местом посещения жителей и гостей республики, награжден многочисленными грамотами, благодарственными письмами и наградами. За большой вклад в развитие работы по патриотическому воспитанию в Республике Алтай, организацию и проведение различных мероприятий, направленных на воспитание гражданско-патриотических убеждений и взглядов подрастающего поколения и молодежи БУ РА «Национальный музей имени А. В. Анохина» решением Коллегии Российского государственного военного историко-культурного центра при Правительстве Российской Федерации за № Б–2399 от 24 апреля 2–13 г. был награжден Почетным знаком «За активную работу по патриотическому воспитанию граждан Российской Федерации»; включен в Национальный реестр «Ведущие учреждения культуры России» (2012, 2014 гг.).

ПРИРОДА

Республика Алтай (Горный Алтай) – уникальный природный комплекс, неповторимый по красоте и разнообразию ландшафтов. Здесь насчитывается более 7000 озер, водопадов, рек, 430 карстовых пещер. Многие горные хребты Алтайских гор поднимаются на высоту более 3000–4000 тысяч метров над уровнем моря, вершины их круглый год покрыты снегом, а со склонов спускаются ледники. По количеству ледников Горный Алтай занимает третье место среди горных стран мира. Горный Алтай один из мировых центров концентрации биоразнообразия, заповедных редких и эндемичных видов растений и животных, естественная плантация особо ценных видов лекарственного, пищевого и технического сырья.

В отличие от других регионов, длительный период освоения человеком территории Горного Алтая (от эпохи верхнего палеолита около 1,5 млн. лет назад и до наших дней) не повлек за собой подавления и уменьшения биоразнообразия до критических пределов, что мы повсеместно наблюдаем на территории Западной и значительной части Восточной Европы, Северной Америки, Австралии и в наиболее урбанизированной части Ближнего Востока и Юго-Восточной Азии. На сегодняшний день Алтай – это один из немногих регионов, сохранивших свои природные и культурные сокровища почти в первозданном виде. Немалая заслуга в этом людей, которые здесь проживают издревле.

Мировое сообщество признало Горный Алтай уникальным природным комплексом Земли и одним из активных центров планетогенеза. Редкое сочетание древних геологических структур и минерально-сырьевых ресурсов, гигантские запасы чистой питьевой воды, колоссальное разнообразие природных ландшафтов способствовали тому, что массив горы Белуха, высокогорное плато Укок, Телецкое озеро, государственные природные биосферные заповедники Алтайский и Катунский в 1998 году были отнесены к объектам Всемирного природного наследия Юнеско под названием «Алтай – Золотые горы» и находится под охраной «Конвенции об охране Всемирного и природного наследия».









fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

649006 Республика Алтай г. Горно-Алтайск, ул. Чорос-Гуркина, 46
Электронная почта: musey_anohin@mail.ru


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.














--in via tradutor do google
The Anokhin National Museum.

One of the first institutions of culture and science of the Altai Republic. In 2015, he celebrated 97 years from the date of education. Its glorious path is marked by many events, the main participants of which were not one generation of museum employees, but its activity is a kind of window revealing the history of our region and adjacent territories through its expositions and exhibitions. The National Museum named after A.V. Anokhin not only carefully preserves, but actively promotes the unique, original and rich historical, cultural and natural heritage of the Altai Mountains.

The staff of the museum successfully fulfills the tasks set before it - demonstrates substantial expositions and exhibitions, introduces new interesting projects, expands scientific and creative contacts.

All these years the museum remains a favorite place of visiting residents and guests of the republic, was awarded numerous letters, letters of thanks and awards. For the great contribution to the development of patriotic education in the Republic of Altai, the organization and conduct of various activities aimed at educating the civil and patriotic beliefs and views of the younger generation and the youth of the RA National Academy of Art named after AV Anokhin by the decision of the Collegium of the Russian State Military History Cultural Center under the Government of the Russian Federation No. B-2399 of April 24, 2-13, was awarded the Honorary Badge "For active work on patriotic education of citizens of the Russian Federation"; Is included in the National Register "Leading Cultural Institutions of Russia" (2012, 2014).

NATURE

The Altai Republic (Gorny Altai) is a unique natural complex, unique in its beauty and diversity of landscapes. There are more than 7000 lakes, waterfalls, rivers, 430 karst caves. Many mountain ranges of the Altai Mountains rise to a height of more than 3000-4000 thousand meters above sea level, their peaks are covered with snow all year round, and glaciers come down from the slopes. By the number of glaciers, the Mountain Altai ranks third among the mountainous countries of the world. Mountain Altai is one of the world centers of biodiversity concentration, protected rare and endemic plant and animal species, a natural plantation of especially valuable kinds of medicinal, food and technical raw materials.

Unlike other regions, the long period of man's exploration of the territory of the Gorny Altai (from the Upper Paleolithic period about 1.5 million years ago to the present day) did not result in the suppression and reduction of biodiversity to critical limits, which we observe everywhere in the territory of the Western And a significant part of Eastern Europe, North America, Australia and the most urbanized part of the Middle East and South-East Asia. To date, Altai is one of the few regions that have preserved their natural and cultural treasures almost in its original form. A lot of merit in this people who have lived here since ancient times.

The world community recognized Mountainous Altai as a unique natural complex of the Earth and one of the active centers of planetogenesis. A rare combination of ancient geological structures and mineral resources, huge reserves of clean drinking water, a colossal variety of natural landscapes contributed to the fact that the massif of the Belukha mountain, the high plateau Ukok, Teletskoye Lake, the state natural biosphere reserves Altai and Katunsky in 1998 were classified as objects World Natural Heritage UNESCO called "Altai - Golden Mountains" and is protected by the "Convention for the Protection of World and Natural Heritage".













--br via tradutor do google

Museu Nacional de AV Anokhin.


Uma das primeiras instituições de cultura e ciência da República de Altai. Em 2015, ele observou 97 anos a partir da data da sua constituição. Seu glorioso caminho marcado por muitos eventos, os principais participantes dos quais era mais do que uma geração de funcionários do museu e suas atividades - é uma espécie de caixa que reflete a história da nossa região e áreas adjacentes através de suas mostras e exposições. Museu Nacional de AV Anokhin não só valoriza, mas também promove ativamente um património único, distintivo e rico histórico, cultural e natural das montanhas de Altai.

A equipe do museu tem cumprido com êxito as suas tarefas - demonstra a exposição e exposições substancial, introduzindo novos projectos interessantes, ampliando contatos científicos e criativos.

Todos estes anos, o museu é um lugar favorito para visitar os moradores e visitantes da república, foi premiado com inúmeros diplomas, cartas de agradecimento e prêmios. Para sua grande contribuição para o desenvolvimento do trabalho de educação patriótica na República do Altai, organização e realização de várias actividades destinadas a aumentar crenças e atitudes da nova geração e juventude BU RA "Museu Nacional nomeado após AV Anokhin" A decisão do Conselho do Estado russo História Militar civis e patrióticos centro -cultural do Governo russo para o número B-2399, de 24 de abril 02-13, ele foi premiado com a Medalha "para o trabalho ativo na educação patriótica dos cidadãos russos"; listado no Registro Nacional "principais instituições culturais russas" (2012, 2014).

NATUREZA

República de Altai (Montanhas Altai) - um único complexo natural, única em sua beleza e diversidade de paisagens. Há mais de 7.000 lagos, cachoeiras, rios, 430 cavernas cársticas. Muitas das cadeias de montanhas das Montanhas Altai subindo a uma altura de mais de 3000-4000 mil metros acima do nível do mar, seus picos cobertos de neve durante todo o ano, e para as pistas para baixo geleiras. Pelo número de geleiras de montanha Altai ocupa a terceira posição entre o mundo da montanha. Montanha Altai é um dos centros mundiais de concentração de biodiversidade de espécies vegetais e animais raras e endêmicas protegidas, plantação natural de espécies valiosas de medicamentos, alimentos e matérias-primas industriais.
     Ao contrário de outras regiões, o longo período de exploração humana do território das montanhas de Altai (a partir do período Paleolítico Superior cerca de 1,5 milhões de anos. Atrás para os dias de hoje) não está vinculada a supressão e redução da biodiversidade é limites críticos que estamos vendo em todo o território do Oeste e grande parte da Europa Oriental, América do Norte, Austrália e nas partes mais urbanizadas do Oriente Médio e Sudeste Asiático. Hoje, Altai - é uma das poucas regiões que preservaram os seus tesouros naturais e culturais quase intacta. Muito do crédito vai para as pessoas que vivem aqui desde os tempos antigos.

A comunidade internacional reconheceu a Montanhas Altai exclusivo complexo natural da Terra e um dos centros ativos planetogeneza. Uma rara combinação de estruturas geológicas antigas e recursos minerais, reservas abundantes de água potável, uma enorme variedade de paisagens naturais contribuíram para o maciço do Monte Belukha, a montanha plateau Ukok, Teletskoye Lake Nature Reserve Altai e Katun em 1998 foram atribuídos a objetos património natural mundial pela UNESCO sob o nome "Altai - montanhas de Ouro" e está sob a proteção "da Convenção do mundo e património natural".

SÃO PAULO EST LA CORDEL SHOWCASE. --- SÃO PAULO IS CORDEL'S WINDOW. --- SÃO PAULO É VITRINE DO CORDEL.





De tous les pays du monde, c’est au Brésil que la littérature de cordel se développa le plus. Elle y est arrivée aux environs du 16e siècle. Et pour que ce type de littérature arrive jusqu’au Brésil, cela dépendait de l’autorisation du roi portugais Dom Juan V. C’est dans la plus importante bibliothèque du Portugal, la Torre do Tombo, que se trouvent les documents attestant de cette histoire. 
Officiellement, le Brésil a été découvert en 1500.

L’histoire dit que c’est le navigateur Cabral qui découvrit le Brésil. Que de mensonges ! Avant Cabral, le prénommé Dom Juan V a envoyé d’autre navigateur et ami d’enfance. Mais ça c’est une autre histoire...

J’ai commencé ce texte en disant que de tous les pays, c’est au Brésil que la littérature de cordel se développa le plus. Et pour cette raison, ce n’est pas surprenant que des personnes venant des quatre coins du monde viennent connaître et étudier la littérature de cordel et ses compositeurs. C’est le cas de la française, Solenne Derigond originaire de Brest.

Solenne Derigond est tellement tombée sous le charme du cordel brésilien qu’elle est de retour pour la seconde fois au Brésil afin de développer ses recherches de doctorat (Université de Rennes 2 -France). Avant, elle avait réalisé son travail de master ayant pour titre La Littérature de cordel et la cantoria à São Paulo: thèmes et enjeux identitaires d’un genre nordestin, dans le langage Tuniniquim cela veut dire : A literatura de cordel e a cantoria em São Paulo: temas e questões de identidade de um gênero nordestino. Dans ce travail, il s’agit d’étudier les poètes cordelistas qui se sont installés à São Paulo. Et pour que ces derniers aient migré à São Paulo, il y a une raison : les intempéries provoquées par les fréquentes et historiques sécheresses.

Le travail développé par l’étudiante de l’Université Rennes 2, est une très belle étude et, qui de plus est, sérieuse par le nombre de cordelistas et cantadores repentistas qu’elle rencontra et écouta. De ces derniers, elle sélectionna les plus significatifs.

Parmi les artistes populaires consultés, se démarquent les improvisateurs Sebastião Marinho e Andorinha qui lui dirent que « São Paulo est la capital de Nordeste ».

En disant cela, Marinho et Andorinho ont, en fait, voulu dire que São Paulo est la ville qui a le plus accueilli de nordestins. Ce qui est vraie. Moi-même, j’ai beaucoup de chose à dire à propos de cette ville qui fut fondée par le Portugais Nóbrega et l’Espagnol Anchieta em 1554. 

Aujourd’hui, São Paulo est la plus grande vitrine du cordel et du repente du pays.

L’étudiante Solenne Derigond a observé cela durant son master et maintenant, pour son Doctorat, qui sait, elle confirmera l’importance de São Paulo pour ces deux arts.

Je recommande aux maisons d’édition de lire le texte ci-dessous en cliquant ci-dessous :





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--in via tradutor do google
SÃO PAULO IS CORDEL'S WINDOW.



I recommend that publishers read the text below, click:








--br
SÃO PAULO É VITRINE DO CORDEL.

Em nenhum país do mundo a literatura de cordel floresceu tão bem quanto no Brasil.

A literatura de cordel chegou ao Brasil ali pelo século XVI. E para este tipo de literatura chegar ao Brasil dependia de autorização do rei português Dom Juan V.

Essa história está documentada na mais importante biblioteca de Portugal, a Torre do Tombo.

Oficialmente, o Brasil foi descoberto no ano de 1500.

A história diz que foi o navegador Cabral o descobridor do Brasil. Quanta bobagem! Porém, antes de Cabral, o já referido Dom Juan V mandou ao Brasil outro navegador e amigo de infância. Mas essa é outra história...

Comecei este texto dizendo que em nenhum lugar do mundo a literatura de cordel se desenvolveu tão bem quanto no Brasil. E por essa razão que não é de surpreender que pessoas de outras partes do mundo venham conhecer e estudar a literatura de cordel e seus compositores. Caso da francesa de Brest Solenne Derigond.

Solenne Derigond encantou-se com cordelismo brasileiro, tanto que pela segunda vez em dois anos, voltou ao Brasil para desenvolver estudos para o seu doutorado na Universidade de Rennes 2. Antes, ele desenvolverá o seu mestrado sob o título La Littérature de cordel et la cantoria à São Paulo: thèmes et enjeux identitaires d’un genre nordestin, que na língua Tupiniquim quer dizer: A literatura de cordel e a cantoria em São Paulo: temas e questões de identidade de um gênero nordestino.

O mestrado Derigond tratou da maneira mais fácil sobre o cordelista nordestino fixado em São Paulo. E para esse nordestino fixar-se em São Paulo teve uma razão: as intempéries provocadas pelas secas frequentes e históricas.

O trabalho desenvolvido por essa estudante da Universidade de Rennes 2, é um trabalho muito bonito, sério, em que foram ouvidos dezenas de cordelistas e cantadores repentistas. Os mais significativos por ela escolhidos.

Dentre os artistas populares por Derigond ouvidos, destacam se os improvisadores Sebastião Marinho e Andorinha. Eles a ela disseram que “São Paulo é a capital do Nordeste”.

Ao dizer à Solenne Derigond que São Paulo é a capital do Nordeste, Marinho e Andorinha quiseram dizer, de fato, que São Paulo é a cidade que mais nordestinos acolhe. Verdade. Eu mesmo tenho muito a dizer sobre essa cidade fundada pelo português Nóbrega e pelo espanhol Anchieta em 1554.

Hoje, São Paulo, é a maior vitrine do cordelismo et do repentismo do País.
A estudante Solenne Derigond observou isso no seu mestrado é agora, no seu doutorado, quem sabe, ela confirmara a importância de São Paulo como vitrine dos cordelistas e repentistas que trocaram o Nordeste pelo São Paulo.
Recomendo às editoras que leiam o texto abaixo, clique:


http://services.univ-rennes2.fr/memorable/fichiers/FIC39274.pdf






--


CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

Jornada de Estudos dos jovens pesquisadores (Mestrand@s, doutorant@s e pós-doutorand(@s)

A cultura nordestina no contexto urbano do Sudeste

Data : 5 de junho de 2017

Faculdade de Filosofia, Literatura, Ciências humanas (FFLCH-USP) LABIEB - Laboratório Interdisciplinar do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) Ecole doctorafe d'Arts, Lettres et Langues-Univerersité Rennes 2 ERIMIT- Equipe de Recherches Interlangues • Mémoires, identites. Territories - IDA- Institut des Amériques

Introdução

Após o primeiro colóquio "Repensando o Nordeste - organizado pelo LABJE8 - Laboratório Interdisciplinar do IEB, um segundo evento será organizado dando continuação â temática inicial. A jornada contará com a presença da professora convidada Sylvia Regina Bastos Nemer (Universidade Estadual de Rio de Janeiro - Departamento de História Social), que dará uma palestra.

Comitê de organização

• Solenne Derigond Doutoranda Universidade Rennes 2 - USP

• Mariana do Nascimento Anantas licenciada IEB • USP

• Paulo Tebceira lumatti Professor IEB • USP

Apresentação

Fruto de uma construção social e intelectual recente, intrinsecamente ligada, em um de seus principais aspectos, ao fenômeno da migração, a chamada "cultura nordestina" pode ser vista como ponto de convergência e apoio entre indivíduos e experiências sociais em busca de enraizamento e adaptação em contextos urbanos disruptivos - os quais não deixaram de oferecer, porém, ao longo do tempo, oportunidades de trabalho e ascensão.

Ao mesmo tempo, ela pode ser vista como um terreno de disputas, enquanto conjunto mais evidente e afirmativo de símbolos alvo tanto de preconceitos sociais como de apropriações criativas e reinvenções.

Nesta jornada, propomo-nos refletir de forma interdisciplinar sobre esse amálgama, procurando pensar o modo como a "cultura nordestina tem se afirmado, transformado e reinventado a partir da segunda metade do século XX, de modo a mapear os seus caminhos enquanto território de resistência, memória, diálogo e criação..

Cada trabalho deve ser apresentado, no máximo, 20 minutos e devera tratar de um dos seguintes eixos temáticos:

Ciências sociais e Arte

- A presença das manifestações/grupos culturais nas cidades
- As maneiras de criar e recriar num contexto outro

Ciências humanas

- A comunidade nordestina em questão e seus processos sociais

Literatura
- A literatura de cordel e a Cantoria no Sudeste

Comunitário

O metadiscurso dos agentes culturais sobre sua pratica.

Submissão de resumos (até 20 de abril de 2017):

Os interessados deverão encaminhar o resumo de 1 lauda (400 palavras no máximo, word.doc. Times New Roman 12) e a indicação do eixo temático no qual pretendem inscrever-se com seu nome. sua qualificação. sua disciplina e seu email para:




Outras informações

A sala disporá de equipamento para projeção (computador e projetor).

Os certificados serão enviados por email ao pesquisador, após a jornada.



Os custos da participação na jornada porventura necessários, como passagem e hospedagem. São de inteira responsabilidade do pesquisador.

Five Continents Museum in Munich, Skulls of Brazilian Indians, controversial German colonial legacy. --- Museu Cinco Continentes, em Monique, Crânios de indígenas brasileiros, controverso legado colonial alemão.

In the 19th century, researchers promoted hunting by skulls of different peoples in Brazil to conduct evolutionary studies. At least 28 follow in museums in Germany - and way of dealing with the collection is currently debated.

Munduruku trophy head, brought by travelers Martius and Spix, currently at the Five Continents Museum in Munich (Photo: Museum Fünf Kontinente / M. Weidner)

For two years, at the beginning of the 19th century, the German prince Maximilian zu Wied-Neuwied (1782 - 1867) ventured through Brazilian lands in search of deepening ethnological, zoological and botanical knowledge. At the end of his journey, in February 1818, in addition to samples of animals and plants, he brought from the expedition Joachim Kuêk, a botocudo who accompanied him in the valley of the river Doce.

Far from his homeland, the "exotic visitor" became an object of study, displayed in one of the rooms of the prince's palace. Life in Germany was not easy for Kuêk, who succumbed to alcohol and had a tragic end: in the New Year of 1833, he would have fallen from a window and not resisted the cold. Wied-Neuwied donated the skull of the former servant to the anatomy institute of the University of Bonn.

After almost 200 years of the beginning of the German journey of Kuêk, its skull was returned to the city of Jequitinhonha in 2011, and passed on to a Krenak tribe descended from the Indian.

The case of Kuêk is the most emblematic of the period in which European researchers promoted true hunting by skulls of different peoples around the world, including in Brazil, to conduct controversial evolutionary and behavioral studies.

Nowadays, the legacy of this "scientific hunt" is part of museum collections in Germany, and the fate of these collections is still a delicate subject. The most correct way to treat these remains, either by returning them or staying where they are, is a question that generates debates between experts and ethnicities who have been victims of this historical episode.

At least 28 skulls from Brazil make parts of museum collections in Germany, according to DW Brazil. Three of Botocudos, from the collection of traveler Georg Wilhelm Freyreiss, are at the Senckenberg Natural History Museum in Frankfurt am Main. The Five Continents Museum in Munich has two trophy heads from mundurukus, brought by Carl Friedrich Philipp von Martius and Johann Baptist von Spix.

In a book in which he details details of the expedition to Brazil, Wied-Neuwied reproduces the botocudo skull that he brought to Germany and was given as a gift to Blumenbach 
(Photo: C. Neher / DW)



The Institute of Ethnology at the University of Göttingen also has a trophy head. The collection of the German anatomist Johann Friedrich Blumenbach, considered the father of zoology and physical anthropology, has at least one skull of botocudo and belongs to the Center of Anatomy of the university.

In Berlin, the Prussian Cultural Heritage Foundation (SPK) museums have about 20 skulls from Brazil. But both in the German capital and in Göttingen, information about the origin and provenance of these remains was lost during World War II.

Morbid Hunt

Despite this loss, historical sources and travelers' accounts may help identify the origin of these collections and reveal the often intentionally overlooked side of the morbid "scientific hunt." For specialists, the clarification on the origin, circumstances of the acquisition of the collections and their use in Germany is the most important step in the debate that involves the destination of this controversial legacy.

"For a long period, and even partially today, there has been almost no awareness of the injustice associated with these collections. This is a consequence of the continuation of colonial patterns of perception and a habit of exhibiting the racially 'other' Says historian Jürgen Zimmerer of the University of Hamburg.


The search for skulls in the 19th century was mainly aimed at tracing evolutionary lines and classifying "races". In Brazil, the practice was driven by Blumenbach's desire to trace the evolutionary line of the monkey to humans. For this, the anatomist asked his students, including Prince Wied-Neuwied and Ludwig von Eschwege, to bring skulls from their travels.

Due to reports that they would practice anthropophagy and their physical appearance, considered by Europeans at the time to be exotic, the botocudos, which in the 19th century inhabited the region of the Doce river valley, Espírito Santo and Minas Gerais, Is one of the main targets of German travelers.

"In the 19th century, botocudos were like the Yanomami today, they were considered, for various reasons, the most wild and primitive." Because of this classification, researchers suspect that botocudos are possibly the closest people to the monkey, " Historian Titus Riedl, of the Regional University of Cariri.

The fever for the remains of botocudos in Europe had an extremely negative impact on the ethnic group. In addition to looting of tombs, a real hunt was promoted in the region in search of Indians for the sale of skulls. According to Riedl, in Salvador, came a black market of bones.

But this hunt was not only promoted by European travelers - skulls became a popular official gift of the Brazilian Empire. "In 1875, for example, Dom Pedro 2 presented the Berlin Ethnological Museum with four skulls of botocudos," says historian Georg Fischer of the University of Aarhus.

In addition to botocudo skulls, the trophy heads produced by the Mundurukus, who inhabited the Amazon region, also attracted the attention of travelers. These war trophies were prepared during mummification rituals and had symbolic and spiritual significance.

Return where?

Brought to Germany at the height of European colonialism, even after the end of this period, these collections were exhibited in museums or used in scientific research without ethical reflection on the theme for decades. A few years ago, some institutions started the debate on the right fate for the acquis.

In 2015, the SPK in Berlin developed a manual of practices for dealing with the remains that belong to its collection, which provides a study to clarify the origins of these objects and does not rule out restitution. The Five Continents Museum in Munich has begun a process to identify remains in its collection and contact countries of origin for the return.

In Frankfurt, the process to prove the origin of the remains, which may result in restitution, is initiated if there is any official request from governments. Exposure of these skulls is prohibited by the three institutions.

The restitution, however, may in the end be as problematic as the maintenance of these remains if it does not involve the affected communities. For Ailton Krenak, one of the leading indigenous leaders in Brazil and a descendant of botocudos, devolution itself does not make sense if it is not accompanied by a broad debate in society, which included contextualizing crimes against indigenous people and their consequences.

"More than just imagining what we are going to do with an object that has left the place of memory, it has traveled the world and now can return home, the question remains: what house? In the case of the botocudos, the house no longer exists, The territory that our ancestors circulated or made their villages was totally dememialized, "says Krenak.

The environmentalist also questions the way the repatriation of Kuêk's skull was made. "That circumstance was a fortuitous event, a bit of a nonsense.

Someone took advantage, in a superficial way, the opportunity to repatriate this material and joined with the celebration of the centennial of the municipality.

It had no repercussions in Brazil, it was a local thing and it was frustrating "He says.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--BR
Crânios de indígenas brasileiros, controverso legado colonial alemão.

No século 19, pesquisadores promoveram caçadas por crânios de diferentes povos no Brasil para realizar estudos evolucionistas. Ao menos 28 seguem em museus na Alemanha – e forma de lidar com acervo é atualmente debatida.

Cabeça-troféu de munduruku, trazida pelos viajantes Martius e Spix, atualmente no Museu Cinco Continentes, em Munique (Foto: Museum Fünf Kontinente/M. Weidner) Cabeça-troféu de munduruku, trazida pelos viajantes Martius e Spix, atualmente no Museu Cinco Continentes, em Munique (Foto: Museum Fünf Kontinente/M. Weidner)

Cabeça-troféu de munduruku, trazida pelos viajantes Martius e Spix, atualmente no Museu Cinco Continentes, em Munique (Foto: Museum Fünf Kontinente/M. Weidner)

Durante dois anos, no início do século 19, o príncipe alemão Maximiliam zu Wied-Neuwied (1782 - 1867) se aventurou por terras brasileiras em busca de aprofundar conhecimentos etnológicos, zoológicos e botânicos. No fim de sua jornada, em fevereiro de 1818, além de amostras de animais e plantas, trouxe da expedição Joachim Kuêk, um botocudo que o acompanhou no vale do rio Doce.

Longe de sua terra natal, o "exótico visitante" tornou-se objeto de estudo, exposto numa das salas do palácio do príncipe. A vida na Alemanha não foi fácil para Kuêk, que sucumbiu ao álcool e teve um fim trágico: no Ano Novo de 1833, teria caído de uma janela e não resistido ao frio. Wied-Neuwied doou o crânio do antigo serviçal ao instituto de anatomia da Universidade de Bonn.

Depois de quase 200 anos do início da jornada alemã de Kuêk, seu crânio foi devolvido à cidade de Jequitinhonha, em 2011, e repassado a uma tribo krenak descendente do indígena.

O caso de Kuêk é o mais emblemático do período, no qual pesquisadores europeus promoveram verdadeiras caçadas por crânios de diferentes povos ao redor do mundo, inclusive no Brasil, para realizar controversos estudos evolucionistas e comportamentais.

Atualmente, o legado desta "caçada científica" faz parte de acervos de museus na Alemanha, e o destino destas coleções ainda é tema delicado. A forma mais correta para tratar esses restos mortais, seja por meio da devolução ou da permanência onde estão, é uma questão que gera debates entre especialistas e etnias que foram vítimas deste episódio histórico.

Pelo menos 28 crânios oriundos do Brasil fazem partes de acervos em museus na Alemanha, segundo apurou a DW Brasil. Três de botocudos, da coleção do viajante Georg Wilhelm Freyreiss, estão no museu de história natural Senckenberg, em Frankfurt am Main. O Museu Cinco Continentes, em Munique, possui duas cabeças-troféus de mundurukus, trazidas por Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptist von Spix.

Em livro no qual relata detalhes de expedição ao Brasil, Wied-Neuwied reproduz crânio botocudo que trouxe para a Alemanha e foi dado de presente a Blumenbach (Foto: C. Neher/DW) Em livro no qual relata detalhes de expedição ao Brasil, Wied-Neuwied reproduz crânio botocudo que trouxe para a Alemanha e foi dado de presente a Blumenbach (Foto: C. Neher/DW)

Em livro no qual relata detalhes de expedição ao Brasil, Wied-Neuwied reproduz crânio botocudo que trouxe para a Alemanha e foi dado de presente a Blumenbach (Foto: C. Neher/DW)

O Instituto de Etnologia da Universidade de Göttingen possui também um exemplar de cabeça-troféu. Já a coleção do anatomista alemão Johann Friedrich Blumenbach, considerado o pai da zoologia e da antropologia física, tem pelo menos um crânio de botocudo e pertence ao Centro de Anatomia da universidade.

Em Berlim, os museus da Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano (SPK) possuem cerca de 20 crânios do Brasil. Mas tanto na capital alemã, como em Göttingen, informações sobre a origem e procedência destes restos mortais foram perdidas durante a Segunda Guerra Mundial.

Caçada mórbida

Apesar desta perda, fontes históricas e relatos de viajantes podem ajudar na identificação da origem destes acervos e revelar o lado esquecido, muitas vezes intencionalmente, da mórbida "caçada científica". Para especialistas, o esclarecimento sobre a procedência, circunstâncias da aquisição das coleções e sua utilização na Alemanha é o passo mais importante no debate que envolve a destinação deste controverso legado.

"Durante um longo período, e parcialmente até hoje, não houve quase nenhuma consciência da injustiça relacionada a estas coleções. Isso é uma consequência da continuidade de padrões coloniais de percepção e de um hábito de exibição do 'outro' classificado em termos raciais", afirma o historiador Jürgen Zimmerer, da Universidade de Hamburgo.


A busca por crânios no século 19 visava principalmente traçar linhas evolutivas e classificar "raças". No Brasil, a prática foi impulsionada pelo desejo de Blumenbach em traçar a linha evolutiva do macaco até os seres humanos. Para isso, o anatomista solicitou a seus alunos, entre eles o príncipe Wied-Neuwied e Ludwig von Eschwege, que trouxessem crânios de suas viagens.

Devido a relatos de que praticariam a antropofagia e à sua aparência física, considerada por europeus na época como exótica, os botocudos, que, no século 19, habitavam a região do vale do rio Doce, no Espírito Santo e em Minas Gerais, tornaram-se um dos principais alvos de viajantes alemães.

"No século 19, os botocudos eram como os ianomâmis hoje. Eles eram considerados, por vários motivos, os mais selvagens e primitivos. Devido a essa classificação, os pesquisadores suspeitam que os botocudos seriam possivelmente o povo mais próximo ao macaco", afirma o historiador Titus Riedl, da Universidade Regional do Cariri.

A febre por restos mortais de botocudos na Europa teve um impacto extremamente negativo para a etnia. Além de saques de túmulos, uma verdadeira caçada foi promovida na região em busca de indígenas para a venda de crânios. De acordo com Riedl, em Salvador, chegou a surgiu um mercado negro de ossos.

Mas essa caçada não foi promovida somente por viajantes europeus – crânios tornaram-se um popular presente oficial do Império brasileiro. "Em 1875, por exemplo, Dom Pedro 2º presentou o Museu Etnológico de Berlim com quatro crânios de botocudos", afirma o historiador Georg Fischer, da Universidade de Aarhus.

Além de crânios de botocudos, as cabeças-troféus produzidas pelos mundurukus, que habitavam a região da Amazônia, também chamavam a atenção de viajantes. Esses troféus de guerra eram preparados durante rituais de mumificação e possuíam um significado simbólico e espiritual.

Devolver para onde?

Trazidos para a Alemanha no auge do colonialismo europeu, mesmo após o fim deste período, essas coleções foram expostas em museus ou utilizadas em pesquisas científicas sem que houvesse uma reflexão ética sobre o tema durante décadas. Há poucos anos, algumas instituições começaram o debate sobre o destino correto para o acervo.

Em 2015, a SPK em Berlim desenvolveu um manual de práticas para o trato com restos mortais que pertencem a sua coleção, que prevê um estudo para esclarecer as origens destes objetos e não descarta a restituição. Já o Museu Cinco Continentes, em Munique, iniciou um processo para identificar restos mortais em seu acervo e contatar países de origem para a devolução.

Em Frankfurt, o processo para comprovar a procedência dos restos mortais, que pode resultar na restituição, é iniciado se houver algum pedido oficial de governos. A exposição destes crânios é proibida pelas três instituições.

A restituição, porém, pode ser no fim tão problemática quanto a manutenção destes restos mortais se não envolver as comunidades atingidas. Para Ailton Krenak, uma das principais lideranças indígenas do Brasil e descendente de botocudos, a devolução em si não faz sentindo se ela não vier acompanhada de um debate amplo na sociedade, que incluiu a contextualização sobre crimes cometidos contra indígenas e suas consequências.

"Mais do que ficar imaginando o que vamos fazer com um objeto que saiu do lugar de memória, peregrinou pelo mundo e agora pode voltar para casa, a pergunta que resta é: que casa? No caso dos botocudos, a casa não existe mais, o território que nossos antepassados circulavam ou faziam suas aldeias foi totalmente desmemorializado", afirma Krenak.

O ambientalista questiona ainda a maneira como foi feita a repatriação do crânio de Kuêk. "Aquela circunstância toda foi um evento fortuito, meio sem sentido.

 Alguém aproveitou, de maneira superficial, a oportunidade de repatriar esse material e juntaram com a celebração do centenário do município.

Não teve nenhuma repercussão no Brasil, ficou uma coisa local e foi frustrante", avalia.