Google+ Followers

sábado, 18 de março de 2017

At Museums, Maybe It’s Time for ‘De-growth’. --- Em Museus, talvez seja hora de 'De-crescimento'.

AMSTERDAM — The last quarter of a century has been a period of pronounced growth in the cultural sector, with the rumble of jackhammers creating the soundtrack to 21st-century museum life. New buildings, multimillion-dollar expansions, new wings and collection growth have all helped drive visitor numbers to unprecedented heights.



foto: At the Verbier Art Summit in January, from left, Beatrix Ruf, director of the Stedelijk Museum, Prince Constantijn of the Netherlands and Rem Koolhaas, the architect. The conference examined what may be lost when museums and attendance get larger. Credit Frederik Jacobovits Photography.

So it seemed a little counterintuitive when Beatrix Ruf, the director of the Stedelijk Museum of contemporary and modern art and design in Amsterdam, called for a forum on the possible value of “de-growth” of the 21st-century museum.

“Size Matters!” was the theme of the inaugural Verbier Art Summit in Switzerland in late January, hosted by Ms. Ruf and the art collector Anneliek Sijbrandij. The meeting was a gathering of about 100 cultural leaders and thinkers, like the Dutch architect Rem Koolhaas, the British-German performance artist Tino Sehgal, the British artist Christopher Kulendran Thomas and Prof. Benjamin H. Bratton.

“De-growth” is a concept borrowed from economics. It is associated with an anticonsumerist and anticapitalist approach to sustainable development — the Merriam-Webster dictionary defines it as “decrease in mass of an organism especially at the end of a prolonged period of growth.”

Ms. Ruf, a German curator who has worked at both small and large contemporary art institutions, now works in Amsterdam, which has seen the direct benefits of an expanding museum sector. Most of its major institutions around the central Museumplein (Museum Square) have increased their footprint in recent years.

These changes have driven a shift in the city’s global profile from one dominated by sex and drugs (the famous red light district and legal marijuana shops) toward a focus on Rembrandt, Vermeer, Mondrian and van Gogh.

The Dutch national museum, the Rijksmuseum, reopened in 2013 after a 10-year $406 million renovation and expansion, and the Van Gogh Museum, next door to the Stedelijk, last year opened a new entrance hall on Museumplein, which allows improved access for the long lines of visitors waiting to enter the new wing, built in 1999.

The Stedelijk went through its own $159 million expansion from 2004 to 2012, but is now exploring internal questions about the best direction for its future growth — whether that will be in collection development, audience development or some other area, Ms. Ruf said.

But instead of always thinking about development, the idea of “de-growth” also deserves some consideration, Ms. Ruf said. “Whenever there is a quest for growing, sizing up, the questions of architectural sizing up as well, there is the question of what qualities we gain and what qualities are we in danger to lose,” she said in her opening remarks at the Verbier Art Summit.

Within her own institution, for example, the Stedelijk’s marketing department was mulling ways to increase the number of international visitors, who account for around 35 percent of the museum’s admissions, with the remaining 65 percent Dutch locals.

“We always want as many people to see our exhibitions as possible,” she said in a telephone interview, “but when we think specifically in terms of ticket buyers, that might have an impact on the decisions we make about quality.”

Dakis Joannou, the Greek Cypriot industrialist and art collector, who founded the DESTE nonprofit contemporary art foundation in 1983, moved it into its first public space in a former paper factory near Athens in 1998, and then moved it into an even larger space, a former sock factory, in 2006. In recent years, Mr. Joannou has collaborated with other institutions, like the Museum of Cycladic Art and the Benaki Museum in Athens, to create exhibitions rather than to continue to grow his own space. He has decided that it is better for him to downsize to no museum at all, he said.

“My model is 100 percent flexibility, not to be tied down, and do a show whenever you have a good plan,” he said in a telephone interview. “You find the space and you do the show. You have a program to do two to four shows a year, but you do them wherever you find the right space.”

He added that the size of a museum is not as important as its scale, or rather its size in relation to its contents, or context. A museum that is no bigger than a shoe box can have more impact than a sprawling museum, Mr. Joannou said, if what is on show has resonance.

“Art has become very popular now, and most museums need more space,” he said. “De-growth only happens in the private museums, and that’s for a very specific reason: the lack of enough funds to endow a museum to last forever. You may do very well, but at some point you just stop out of a lack of will to go on with it.”

Nobody at the summit seemed to suggest downsizing public museums, or dismantling new wings or anything of that sort, but a lot of the participants talked about refocusing the energies of museum staffs to explore making the museum experience deeper, rather than broader, Ms. Ruf said.

“All museums are adding restaurants, shops and things that are not about the core activity of a museum, but that are places that people want to gather,” she said. “But what if we also engage them in the public place, which is a place of encounters, disruption, learning and quality exchanges?”

Among the conclusions arrived at by those at the summit, compiled by the London-based art critic John Slyce, were these: “A palpable degree of ‘gigantomania’ has mirrored the processes of globalization since the 1990s,” and “as institutions have ‘grown’ the intellectual ambitions and abilities of those who fill those institutions have not kept pace.”

But on a more optimistic note, the report concludes, the growth of museums has nurtured a lot more interest in art among the public, and the importance of art and the museum as a place for community “is as great or greater now than ever before.”






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



















--br
Em Museus, talvez seja hora de 'De-crescimento'.

AMSTERDÃO - O último quarto de século foi um período de crescimento acentuado no setor cultural, com o estrondo de martelos que criam a trilha sonora da vida do museu do século 21. Novos edifícios, expansões de vários milhões de dólares, novas asas e crescimento da coleção ajudaram a aumentar o número de visitantes a alturas sem precedentes.

Foto: No Verbier Art Summit em janeiro, da esquerda, Beatrix Ruf, diretor do Museu Stedelijk, Príncipe Constantijn dos Países Baixos e Rem Koolhaas, o arquiteto. A conferência examinou o que pode ser perdido quando os museus e a assistência ficam maiores. Crédito Fotografia de Frederik Jacobovits.

Parecia um pouco contra-intuitivo quando Beatrix Ruf, diretora do Museu Stedelijk de arte contemporânea e moderna em Amsterdã, convocou um fórum sobre o possível valor do "de-crescimento" do museu do século XXI.

"Size Matters!" Foi o tema do inaugural Verbier Art Summit na Suíça, no final de janeiro, organizado pela Sra. Ruf eo colecionador de arte Anneliek Sijbrandij. O encontro foi um encontro de cerca de 100 líderes e pensadores culturais, como o holandês Rem Koolhaas, o artista britânico-alemão Tino Sehgal, o britânico Christopher Kulendran Thomas e o Prof. Benjamin H. Bratton.

"De-crescimento" é um conceito emprestado da economia. Está associada a uma abordagem anticonsumerista e anticapitalista do desenvolvimento sustentável - o dicionário Merriam-Webster define-o como "diminuição da massa de um organismo, especialmente no final de um período prolongado de crescimento".

A Sra. Ruf, uma curadora alemã que trabalhou em pequenas e grandes instituições de arte contemporânea, agora trabalha em Amsterdã, que viu os benefícios diretos de um setor de museus em expansão. A maioria de suas instituições principais em torno do Museumplein central (quadrado do museu) aumentaram sua pegada nos anos recentes.

Essas mudanças impulsionaram uma mudança no perfil global da cidade de uma dominada por sexo e drogas (o famoso bairro da luz vermelha e lojas de marijuana legal) para um foco em Rembrandt, Vermeer, Mondrian e Van Gogh.

O museu nacional holandês, o Rijksmuseum, reabriu em 2013, após uma renovação e expansão de US $ 406 milhões, eo Museu Van Gogh, ao lado do Stedelijk, abriu no ano passado um novo hall de entrada no Museumplein, o que Longas filas de visitantes esperando para entrar na nova ala, construída em 1999.

A Stedelijk passou por sua própria expansão de US $ 159 milhões de 2004 a 2012, mas agora está explorando questões internas sobre a melhor direção para seu crescimento futuro - seja no desenvolvimento de coleções, desenvolvimento de público ou em outra área, disse Ruf.

Mas, ao invés de pensar sempre no desenvolvimento, a idéia de "des-crescimento" também merece alguma consideração, disse Ruf. "Sempre que há uma busca por crescer, dimensionar, as questões de dimensionamento arquitetônico também, há a questão de quais qualidades que ganhamos e quais qualidades estamos em perigo de perder", disse ela em seu discurso de abertura no Verbier Cimeira da arte.

Por exemplo, em sua própria instituição, o departamento de marketing da Stedelijk estava estudando maneiras de aumentar o número de visitantes internacionais, que representam cerca de 35% das admissões do museu, e os restantes 65% da população holandesa.

"Sempre queremos que muitas pessoas vejam nossas exposições como possível", disse ela em uma entrevista por telefone, "mas quando pensamos especificamente em termos de compradores de ingressos, isso pode ter um impacto nas decisões que tomamos sobre a qualidade".

Dakis Joannou, industrial cipriota grego e colecionador de arte, que fundou a fundação de arte contemporânea sem fins lucrativos DESTE em 1983, mudou-a para seu primeiro espaço público em uma antiga fábrica de papel perto de Atenas em 1998 e depois mudou-a para um espaço ainda maior Antiga fábrica de meias, em 2006. Nos últimos anos, Joannou tem colaborado com outras instituições, como o Museu de Arte das Cíclades eo Museu Benaki em Atenas, para criar exposições e não para continuar a desenvolver o seu próprio espaço. Ele decidiu que é melhor para ele reduzir o tamanho de nenhum museu em tudo, ele disse.

"Meu modelo é 100 por cento de flexibilidade, não para ser amarrado, e fazer um show sempre que você tem um bom plano", disse ele em uma entrevista por telefone. "Você encontra o espaço e você faz o show. Você tem um programa para fazer dois a quatro shows por ano, mas você os faz onde quer que você encontre o espaço certo. "

Ele acrescentou que o tamanho de um museu não é tão importante quanto sua escala, ou melhor, sua dimensão em relação ao seu conteúdo ou contexto. Um museu que não é maior que uma caixa de sapatos pode ter mais impacto do que um museu extenso, disse Joannou, se o que está em exibição tem ressonância.


"A arte tornou-se muito popular agora, ea maioria dos museus precisa de mais espaço", disse ele. "O desabrochar só acontece nos museus privados, e isso é por uma razão muito específica: a falta de fundos suficientes para doar um museu para durar para sempre. Você pode fazer muito bem, mas em algum momento você simplesmente parar de uma falta de vontade para continuar com ele. "

Ninguém na cúpula parecia sugerir uma redução de tamanho dos museus públicos, ou desmantelar novas asas ou algo parecido, mas muitos dos participantes falaram sobre a reorientação das energias das equipes dos museus para explorar a experiência do museu mais profunda do que mais ampla, a Sra. Ruf disse.

"Todos os museus estão adicionando restaurantes, lojas e coisas que não são sobre a atividade principal de um museu, mas são lugares que as pessoas querem reunir", disse ela. "Mas e se nós também engajá-los no lugar público, que é um lugar de encontros, interrupção, aprendizagem e troca de qualidade?"

Entre as conclusões que chegaram à cúpula, compiladas pelo crítico de arte londrino John Slyce, estavam: "Um palpável grau de" gigantomania "refletiu os processos de globalização desde a década de 1990," e "como as instituições têm" Crescer "as ambições intelectuais e habilidades dos que preenchem essas instituições não têm acompanhado o ritmo."

Mas, de acordo com uma nota mais otimista, o relatório conclui que o crescimento dos museus fomentou muito mais o interesse pela arte entre o público e a importância da arte e do museu como um lugar para a comunidade "é tão grande ou maior agora do que nunca . "