Google+ Followers

terça-feira, 4 de abril de 2017

Ice age art and 'jewellery' found in an Indonesian cave reveal an ancient symbolic culture. --- A arte da época do gelo e a "jóia" encontrada em uma caverna indonésia revelam uma cultura simbólica antiga.

A cave dig in Indonesia has unearthed a unique collection of prehistoric ornaments and artworks that date back in some instances to at least 30,000 years ago.

The site is thought to have been used by some of the world's earliest cave artists.

Published today, our new findings challenge the long-held view that hunter-gatherer communities in the Pleistocene ("Ice Age") of South-East Asia were culturally impoverished.

They also imply that the spiritual lives of humans transformed as they encountered previously unknown species on the journey from Asia to Australia.
The human journey beyond Asia

Modern humans had colonised Australia by 50,000 years ago. It was a journey that required people crossing by boat from continental Eurasia into Wallacea, a vast swathe of island chains and atolls spanning the ocean gap between mainland Asia and Australia.


Archaeologists have long speculated about the cultural lives of the first Homo sapiens to enter Wallacea, as part of the great movement of our species out of Africa.

Some have argued that human culture in the Late Pleistocene attained a high level of complexity as Homo sapiens spread into Europe and as far east as India.

Thereafter, culture is thought to have declined in sophistication as people ventured into the tropics of South-East Asia and Wallacea.

But new research in Wallacea is steadily dismantling this view.
New findings from Ice Age Sulawesi

In the latest addition to this rash of discoveries, we describe a suite of previously undocumented symbolic artefacts excavated from a limestone cavern on Sulawesi, the largest island in Wallacea.

The artefacts were dated using a range of methods to between 30,000 and 22,000 years ago.




They include disc-shaped beads made from the tooth of a babirusa, a primitive pig found only on Sulawesi, and a "pendant" fashioned from the finger bone of a bear cuscus, a large possum-like creature also unique to Sulawesi.

Also recovered were stone tools inscribed with crosses, leaf-like motifs and other geometric patterns, the meaning of which is obscure.

Further evidence for symbolic culture was shown by the abundant traces of rock art production gleaned from the cave excavations.

They include used ochre pieces, ochre stains on tools and a bone tube that may have been an "air-brush" for creating stencil art.


All are from deposits that are the same age as dated cave paintings in the surrounding limestone hills.

It is very unusual to uncover buried evidence for symbolic activity in the same places where Ice Age rock art is found.

Prior to this research, it also remained uncertain whether or not the Sulawesi cave artists adorned themselves with ornaments, or even if their art extended beyond rock painting.
Early art and ornaments from Wallacea

Previous cave excavations in Timor-Leste have unearthed 42,000-year-old shells used as "jewellery", as reported in 2016.

In 2014 archaeologists announced that cave art from Sulawesi is among the oldest surviving on the planet.

At one cave, a depiction of a human hand is at least 40,000 years old. It was made by someone pressing their palm and fingers flat against the ceiling and spraying red paint around them.

Next to the hand stencil is a painting of a babirusa that was created at least 35,400 years ago.

These artworks are compatible in age with the spectacular cave paintings of rhinos, mammoths and other animals from France and Spain, a region long thought to be the birthplace of modern artistic culture.


Some prehistorians have even suggested that the presence of 40,000-year-old art in Indonesia means that rock art probably arose in Africa well before our species set foot in Europe, although an Asian origin is also conceivable.

Based on the new evidence emerging from Timor and Sulawesi, it now appears that the story about early humans in Wallacea being less culturally advanced than people elsewhere, especially Palaeolithic Europeans, is wrong.
The weird world of Wallacea

Owing to the unique biogeography of Wallacea, the first modern humans to enter this archipelago would have encountered a strangely exotic world filled with animals and plants they had never imagined existed.

Surrounded by deep ocean troughs, the roughly 2,000 islands of Wallacea are extremely difficult for non-flying organisms to reach.

Because of their inaccessibility, these islands tend to be inhabited by relatively few land mammals. Endemic lineages would have arisen on many islands as a result of this evolutionary isolation.

Sulawesi is the weirdest island of them all. Essentially all of the island's terrestrial mammals, except for bats, occur nowhere else on earth.

Sulawesi was probably where human beings first laid eyes on marsupials (cuscuses).

The discovery of ornaments manufactured from the bones and teeth of babirusas and bear cuscuses — two of Sulawesi's most characteristic endemic species — implies that the symbolic world of the newcomers changed to incorporate these never-before-seen creatures.

Our excavations have unearthed thousands of animal bones and teeth, but only a tiny fraction are from babirusas.

The near-absence of babirusas from the cave inhabitant diet, coupled with the portrayal of these animals in their art, and use of their body parts as "jewellery", suggests these rare and elusive creatures had acquired particular symbolic value in Ice Age human culture.

Perhaps the first Sulawesians felt a strong spiritual connection with these odd-looking mammals.

This social interaction with the novel species of Wallacea is likely to have been essential to the initial human colonisation of Australia with its unprecedentedly rich communities of endemic faunas and floras, including many species of megafauna that are now extinct.

In fact, elements of the complex human-animal spiritual relationships that characterise Aboriginal cultures of Australia could well have their roots in the initial passage of people through Wallacea and the first human experiences of the curious animal life in this region.

Adam Brumm is a Principal Research Fellow at Griffith University.

Michelle Langley is a DECRA Research Fellow at Griffith University.


Originally published in The Conversation








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
A arte da época do gelo e a "jóia" encontrada em uma caverna indonésia revelam uma cultura simbólica antiga.

Uma escavação da caverna em Indonésia desenterrou uma coleção original de ornamento pré-históricos e de obras de arte que datam para trás em alguns exemplos a pelo menos 30.000 anos há.


FOTO: Escavações na caverna de calcário de Leang Bulu Bettue na ilha indonésia de Sulawesi. (Fornecido: Justin Mott)
O local é pensado para ter sido usado por alguns dos primeiros artistas de caverna do mundo.

Publicado hoje, nossas novas descobertas desafiam a visão de longa data de que comunidades caçadoras-coletoras no Pleistoceno ("Idade do Gelo") do Sudeste Asiático estavam empobrecidas culturalmente.

Eles também implicam que as vidas espirituais dos seres humanos transformados como eles encontraram espécies anteriormente desconhecidas na viagem da Ásia para a Austrália.
A jornada humana além da Ásia

Os humanos modernos haviam colonizado a Austrália há 50 mil anos. Era uma viagem que exigia que as pessoas cruzassem de barco da Eurásia continental para Wallacea, uma vasta cadeia de cadeias de ilhas e atóis que atravessavam a brecha oceânica entre a Ásia continental e a Austrália.


INFOGRAPHIC: Wallacea, a zona de ilhas oceânicas posicionada a leste da Linha de Wallace, uma das principais fronteiras biogeográficas do mundo, e situada entre as regiões continentais da Ásia e Austrália-Nova Guiné. (Fornecido: Adam Brumm)
Os arqueólogos há muito tempo especulam sobre a vida cultural do primeiro Homo sapiens para entrar em Wallacea, como parte do grande movimento de nossa espécie fora da África.

Alguns argumentaram que a cultura humana no Pleistoceno tardio atingiu um alto nível de complexidade como o Homo sapiens se espalhou para a Europa e tão distante como a Índia.

Posteriormente, a cultura é pensado para ter diminuído em sofisticação como as pessoas se aventuraram nos trópicos do Sudeste Asiático e Wallacea.

Mas uma nova pesquisa em Wallacea está desmantelando constantemente essa visão.
Novas descobertas da Idade do Gelo Sulawesi


Na mais recente adição a esta erupção de descobertas, descrevemos uma suíte de artefatos simbólicos anteriormente não documentados escavados em uma caverna de calcário em Sulawesi, a maior ilha de Wallacea.

Os artefatos foram datados usando uma variedade de métodos para entre 30.000 e 22.000 anos atrás.


INFOGRAPHIC: Ornamentos pré-históricos escavados do local da caverna de Sulawesi Leang Bulu Bettue. (Fornecido: Michelle Langley / Adam Brumm / urso / Lucas Marsden)

Eles incluem contas em forma de disco feitas a partir do dente de um babirusa, um porco primitivo encontrado apenas em Sulawesi, e um "pingente" formado a partir do osso do dedo de um cuscus urso, uma criatura grande semelhante a um possum, também exclusivo de Sulawesi.

Também foram recuperadas ferramentas de pedra inscritas com cruzes, motivos foliares e outros padrões geométricos, cujo significado é obscuro.

Mais evidência para a cultura simbólica foi mostrada pelos traços abundantes da produção da arte da rocha colhida das escavações da caverna.

Eles incluem ocre peças usadas, manchas ocre em ferramentas e um tubo de osso que pode ter sido um "ar-brush" para criar arte stencil.

INFOGRÁFICO: O tubo ósseo oco com pigmentos vermelhos e pretos, feito do osso longo de um cuscus de urso, pode ter sido usado como um "pincel de ar" para criar estênceis de mão humana em superfícies rochosas. (Fornecido: Michelle Langley)
Todos são de depósitos que são da mesma idade como pinturas de cavernas datadas nas colinas circundantes de pedra calcária.

É muito incomum descobrir evidências enterradas de atividade simbólica nos mesmos lugares onde a arte rupestre da Idade do Gelo é encontrada.

Antes desta pesquisa, também permaneceu incerto se os artistas da caverna de Sulawesi se enfeitavam com ornamentos, ou mesmo se sua arte estendeu além da pintura da rocha.
Arte e ornamentos adiantados de Wallacea

Escavações anteriores de cavernas em Timor-Leste desenterraram 42.000 anos de antigüidade conchas usadas como "jóias", como relatado em 2016.

Em 2014 os arqueólogos anunciaram que a arte rupestre de Sulawesi está entre as mais antigas sobreviventes do planeta.

Em uma caverna, uma representação de uma mão humana é pelo menos 40.000 anos de idade. Foi feita por alguém pressionando a palma da mão e os dedos contra o teto e pulverizando tinta vermelha ao redor deles.

Ao lado do stencil da mão é uma pintura de um babirusa que fosse criada pelo menos 35.400 anos há.

Estas obras de arte são compatíveis com a idade com as pinturas rupestres espetacular de rinocerontes, mamutes e outros animais da França e Espanha, uma região há muito pensado para ser o berço da cultura artística moderna.

FOTOGRAFIA: Os stencils da mão podem ter sido criados usando pigmentos e um osso 'air-brush'. (Fornecido Yinika Perston)
Alguns pré-historiadores sugeriram mesmo que a presença de 40.000 anos de arte na Indonésia significa que a arte rupestre provavelmente surgiu na África muito antes de nossa espécie pisar na Europa, embora uma origem asiática também é concebível.

Com base nas novas provas emergentes de Timor e Sulawesi, agora parece que a história sobre os primeiros seres humanos em Wallacea ser menos culturalmente avançada do que as pessoas em outros lugares, especialmente os europeus paleolíticos, está errada.

O mundo estranho de Wallacea


Devido à biogeografia única de Wallacea, os primeiros seres humanos modernos a entrar neste arquipélago teria encontrado um mundo estranhamente exótico cheio de animais e plantas que nunca imaginaram existiu.

Cercado por profundas depressões oceânicas, as cerca de 2.000 ilhas de Wallacea são extremamente difíceis para organismos que não voam.

Devido à sua inacessibilidade, estas ilhas tendem a ser habitadas por relativamente poucos mamíferos terrestres. Linas endémicas teriam surgido em muitas ilhas como resultado deste isolamento evolutivo.

Sulawesi é a ilha mais estranha de todos eles. Essencialmente, todos os mamíferos terrestres da ilha, exceto os morcegos, não ocorrem em nenhum outro lugar na terra.

Sulawesi foi provavelmente onde os seres humanos primeiro colocados olhos sobre marsupiais (cuscuses).

A descoberta de ornamentos fabricados a partir de ossos e dentes de babirusas e urso cuscuses - duas das espécies endémicas mais características de Sulawesi - implica que o mundo simbólico dos recém-chegados mudou para incorporar essas criaturas nunca antes vistas.

Nossas escavações têm desenterrado milhares de ossos e dentes de animais, mas apenas uma pequena fração são de babirusas.


INFOGRAPHIC: Um osso de dedo perfurado e perfurado de um cuscus de urso. O buraco em uma extremidade do osso anteriormente tinha uma corda, enquanto marcas de desgaste no ornamento mostram que repetidamente esfregou contra a pele humana ou roupas. Estes sugerem que o osso perfurado foi suspenso para uso como um objeto de jóias "pendente" ou similar (Fornecido: Luke Marsden)
A quase ausência de babirusas da dieta de moradores da caverna, juntamente com o retrato desses animais em sua arte e o uso de suas partes do corpo como "jóias", sugere que essas criaturas raras e indescritíveis adquiriram um valor simbólico particular na cultura humana da Idade do Gelo .

Talvez os primeiros Sulawesianos sentiram uma forte ligação espiritual com esses estranhos mamíferos.

Esta interação social com a espécie nova de Wallacea é provável ter sido essencial à colonização humana inicial de Austrália com suas comunidades ricas sem precedente de faunas e de floras endémicos, incluindo muitas espécies de megafauna que estão agora extinct.

De fato, elementos das complexas relações espirituais entre humanos e animais que caracterizam as culturas aborígenes da Austrália podem muito bem ter suas raízes na passagem inicial das pessoas através de Wallacea e as primeiras experiências humanas da curiosa vida animal nessa região.

Adam Brumm é um Pesquisador Principal na Griffith University.

Michelle Langley é pesquisadora da DECRA na Griffith University.


Originalmente publicado em The Conversation

The Villa-Lobos Museum - Heitor Villa-Lobos Brazilian composer (1887-1959) in Rio de Janeiro, Brazil. --- O Museu Villa-Lobos - Heitor Villa-Lobos compositor brasileiro (1887-1959) no Rio de Janeiro, Brasil.

One of the most important musicians of his time all over the world, the creator of the nine Brazilian Bachianas, a series in which he demonstrated the similarity of modulations and counterantos of the Brazilian musical folklore with the music of Bach, and considered, still in life, the greatest composer of the Americas. Precoce, had his first lessons of music, with cello, with his father, Raul Villa-Lobos.








In early adolescence he played guitar, clarinet and cello with virtuosity and his contact with popular musicians of his time and with traditional music marked his formation and influenced his music directly. He expanded his contact with popular music to meet Ernesto Nazaré and, in search of folk roots, began a pilgrimage through Brazil (1905).


He was in the Northeast, in the South, in the Midwest and in the Amazon. Back in Rio he began his production (1913), already addressing the most diverse genres. He was distinguished by being the only Brazilian composer to participate directly in the Week of Modern Art (1922), in São Paulo, presenting works of his first phase, still strongly linked to French impressionism. His most modern works are, especially since the 1920s, with the admirable series of Choros. The following year he went to Paris, where he was finally consecrated in the Gaveau room (1927) and three years later (1930), when he decided to return to Brazil, he was already famous throughout Europe.

While continuing his activity as a composer, he obtained official support, in São Paulo, for conducting musical caravans through the interior of the State. Later, in Rio de Janeiro, where he also died, he promoted gigantic orpheonic concentrations. He created the Superintendence of Musical and Artistic Education of the City Hall of the Federal District (1931) and, shortly afterwards, the National Conservatory of Orfeonic Singing, destined to the formation of teachers for the first and second degree schools.

Its educational effort, undertaken through singing, culminated in the officialisation of music teaching in schools. He founded (1945) the Brazilian Academy of Music (ABM), in the style of the French Academy, a non-profit cultural institution composed of forty academics, prominent personalities in the Brazilian musical environment in the areas of musical composition, interpretation and musicology. Founder of the Chair No. 1 of ABM, allocated, by will, half of the copyrights of his work, which constituted a fundamental part of the institution's resources. He composed about a thousand works and its importance lies, among other things, in having reformulated the concept of musical nationalism, becoming its greatest exponent. It was also through him that Brazilian music was represented in other countries, culminating in becoming universal. His vast work, which included concerts, symphonies, operas, ballets, symphonic suites and isolated pieces, the Bachianas and choros were the axis of his production.

The Bachianas have become, all over the world, their best known works. Particularly popular is the Bachianas fifth, for soprano and set of cellos (1938). Other notable compositions were Floral Suite for Piano
(1914), the Black Swan Song for Piano and Cello (1917), the Uirapuru Ballet (1917), the Malazarte Opera (1921), the African Dances (1924), the Serenas Vocal Pieces (1925), composed on verses by poets Such as Manuel Bandeira, the Discovery Suite of Brazil (1937), the symphonies of the Mountains of Brazil (1944) and Sumé Pater Patrium (1952). He also wrote several studies, preludes and a concert, dedicated to the Spanish guitarist Andrés Segovia and in several works of its initial phase is remarkable the influence of Debussy. In the year following his death, his entire collection was protected by the Villa-Lobos Museum, created in 1960 by President Juscelino Kubitschek, and headed for 25 years by its founder, Arminda Villa-Lobos.

The Villa-Lobos Museum is a unit of the National Historical and Artistic Heritage Institute (IPHAN) of the Ministry of Culture







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


video 6:50 min

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br
O Museu Villa-Lobos - Heitor Villa-Lobos compositor brasileiro (1887-1959) no Rio de Janeiro, Brasil. 

Um dos mais importantes músicos de sua época em todo o mundo, criador das nove Bachianas brasileiras, série em que demonstrou a semelhança de modulações e contracantos do folclore musical brasileiro com a música de Bach, e considerado, ainda em vida, o maior compositor das Américas. Precoce, teve suas primeiras lições de música, com violoncelo, com seu pai, Raul Villa-Lobos.

No início da adolescência já tocava violão, clarinete e violoncelo com virtuosismo e seu contato com músicos populares de seu tempo e com a música tradicional marcou fundamente sua formação e influenciou diretamente sua música. Ampliou seu contato com a música popular ao conhecer Ernesto Nazaré e, em busca das raízes folclóricas, iniciou uma peregrinação pelo Brasil (1905). 


Esteve no Nordeste, no Sul, no Centro-Oeste e na Amazônia, de volta ao Rio deu início a sua produção (1913), já abordando os mais diversos gêneros. Destacou-se por ser o único compositor brasileiro a participar diretamente da Semana de Arte Moderna (1922), em São Paulo, apresentando ali obras de sua primeira fase, ainda fortemente ligadas ao impressionismo francês. Suas obras mais modernas situam-se, sobretudo a partir da década de 20, com a admirável série dos Choros. No ano seguinte foi a Paris, onde enfim foi consagrado na sala Gaveau (1927) e três anos depois (1930), quando decidiu voltar para o Brasil, já era famoso em toda a Europa. 

Enquanto prosseguia sua atividade como compositor, obteve apoio oficial, em São Paulo, para a realização de caravanas musicais pelo interior do Estado. Depois, no Rio de Janeiro, cidade onde também morreu, promoveu gigantescas concentrações orfeônicas. Criou a Superintendência de Educação Musical e Artística da Prefeitura do Distrito Federal (1931) e, pouco mais tarde, o Conservatório Nacional de Canto Orfeônico, destinado à formação de professores para as escolas de primeiro e segundo graus. 

Seu esforço educacional, empreendido por meio do canto, culminou com a oficialização do ensino de música nas escolas. Fundou (1945) a Academia Brasileira de Música (ABM), nos moldes da Academia Francesa, uma instituição cultural sem fins lucrativos composta de quarenta acadêmicos, personalidades de destaque no meio musical brasileiro nas áreas da composição musical, da interpretação e da musicologia. Fundador da Cadeira nº 1 da ABM, destinou, por testamento, metade dos direitos autorais de sua obra, o que constituiu uma parte fundamental dos recursos da instituição. Compôs cerca de mil obras e sua importância reside, entre outros aspectos, no fato de ter reformulado o conceito de nacionalismo musical, tornando-se seu maior expoente. Foi, também, através dele que a música brasileira se fez representar em outros países, culminando por se universalizar. Sua vasta obra, que incluiu concertos, sinfonias, óperas, bailados, suítes sinfônicas e peças isoladas, as bachianas e os choros constituíram o eixo de sua produção. 

As Bachianas se tornaram, no mundo inteiro, suas obras mais conhecidas. Particularmente popular é a quinta das Bachianas, para soprano e conjunto de violoncelos (1938). Outras composições notáveis foram Suíte floral para piano 
(1914), Canto do cisne negro para piano e violoncelo (1917), o bailado Uirapuru (1917), a ópera Malazarte (1921), as Danças africanas (1924), as peças vocais Serestas (1925), compostas sobre versos de poetas como Manuel Bandeira, a suíte Descobrimento do Brasil (1937), as sinfonias Montanhas do Brasil (1944) e Sumé Pater Patrium (1952). Escreveu também vários estudos, prelúdios e um concerto, dedicados ao violonista espanhol Andrés Segovia e em várias obras de sua fase inicial é marcante a influência de Debussy. No ano seguinte à sua morte, todo o seu acervo passou a ser resguardado pelo Museu Villa-Lobos, criado em 1960 por determinação do Presidente Juscelino Kubitschek, e dirigido, durante 25 anos, por sua fundadora, Arminda Villa-Lobos. 

O Museu Villa-Lobos é uma unidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional– IPHAN, do Ministério da Cultura

Treasures of the Museum Island in Berlin. --- Tesouros da Ilha dos Museus em Berlim.

On a river island in the center of the German capital, there is a World Heritage Site: the Museum Island. Its five buildings house one of the most important art collections in the world. Meet some highlights.



Mitte is one of the most important museum complexes in the world. One of them is the New Museum (Neues Museum). There is one of the most significant pieces in world art history: the bust of the Egyptian queen Nefertiti. It was made in limestone and plaster in about 1340 BCE, in the so-called Amarna Era during the New Kingdom in the 18th Dynasty.




The Neues Museum is a museum in Berlin, Germany, located just north of the Altes Museum on Museum Island. It was built between 1843 and 1855 according to the plans of Friedrich August Stüler, a student of Karl Friedrich Schinkel.

The Staatliche Museen zu Berlin (National Museums in Berlin), housed in historical buildings, constitute a Universal Museum for the preservation, research and mediation of treasures of art and culture of the entire history of humanity. Their collections embrace the areas of European and extra- European art, archaeology and ethnology.


The Staatliche Museen zu Berlin, the origins of which lie in the foundation of the Royal Museum through Friedrich Wilhelm III of Prussia, belong to the Stiftung Preußischer Kulturbesitz. Further members of the Foundation are the State Library, the State Archive, the Ibero-American Institute and the State Institute for Music Research with the Museum of Musical Instruments. Supported collectively by the German government and the federal states, the Staatliche Museen zu Berlin regard themselves as a national institution of cultural federalism in Germany. They can be found at five locations in Berlin: Museum Island Berlin / Mitte, Kulturforum, Tiergarten, Charlottenburg, Dahlem and Köpenick.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.dw.com/pt-br/tesouros-da-ilha-dos-museus-em-berlim/g-38209046

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
Tesouros da Ilha dos Museus em Berlim.

Em uma ilha fluvial no centro da capital alemã, há um Patrimônio da Humanidade: a Ilha dos Museus. Seus cinco edifícios abrigam uma das coleções de arte as mais importantes no mundo. Conheça alguns destaques.

Mitte é um dos mais importantes complexos de museus do mundo. Um deles é o Novo Museu (Museu Neues). Há uma das peças mais significativas da história da arte mundial: o busto da rainha egípcia Nefertiti. Foi feita em pedra calcária e gesso em cerca de 1340 aC, na chamada era de Amarna durante o novo reino na dinastia XVIII.

O Neues Museum é um museu em Berlim, Alemanha, localizado a norte do Museu Altes na Ilha dos Museus. Foi construído entre 1843 e 1855 de acordo com os planos de Friedrich August Stüler, um estudante de Karl Friedrich Schinkel.

Os museus nacionais de Berlim, situados em edifícios históricos, constituem um Museu Universal para a preservação, pesquisa e mediação de tesouros de arte e cultura de toda a história da humanidade. Suas coleções abrangem áreas de arte européia e extra-européia, arqueologia e etnologia.

O Staatliche Museen zu Berlin, cujas origens se encontram na fundação do Museu Real através de Friedrich Wilhelm III da Prússia, pertencem à Stiftung Preußischer Kulturbesitz. Outros membros da Fundação são a Biblioteca Estadual, o Arquivo Estadual, o Instituto Ibero-Americano eo Instituto Estadual de Pesquisa Musical com o Museu de Instrumentos Musicais. Suportados coletivamente pelo governo alemão e pelos estados federais, o Staatliche Museen zu Berlin se considera uma instituição nacional de federalismo cultural na Alemanha. Eles podem ser encontrados em cinco locais em Berlim: Museum Island Berlim / Mitte, Kulturforum, Tiergarten, Charlottenburg, Dahlem e Köpenick.