Google+ Followers

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Futevôlei Intangible Heritage of Rio Janeiro, Brazil. --- Futevôlei Patrimônio Imaterial do Rio Janeiro, Brasil.

The City Council of Rio approved on Tuesday a bill that recognizes the futevôlei as immaterial and cultural patrimony of the city. The PL 2/2017, authored by councilman Marcello Siciliano (PHS), argues that beach football has relevance "in the daily lives of thousands of Cariocas" and has been "elevated to the level of Olympic sport".


Renato Gaúcho joga futevôlei em Ipanema em 1997: duas décadas depois, esporte é reconhecido como patrimônio do Rio - Domingos Peixoto / O Globo

Renato Gaúcho joga futevôlei em Ipanema em 1997: duas décadas depois, esporte é reconhecido como patrimônio do Rio - Domingos Peixoto / O Globo

The vote was swift, made by visual contrast, and there was no discussion in the Chamber plenary. The project is now under the sanction of Mayor Marcelo Crivella.

"It is evident that the practice of beach football should be praised as a cultural expression and sportsmanship of our people of Rio de Janeiro, as well as to be given all possible institutional support so that the practice can be itemized and disseminated, (...) taking Cariocas and The practitioners of this activity in the limits of the City of Rio de Janeiro to have their due recognition, "says an excerpt from the approved project.

Senator Romário (PSB-RJ), a famous soccer player in the sands of Rio since his playing days, recorded a video in which he is pleased with the recognition given to the sport:

- This is a satisfaction for all and especially for me, that I am a practitioner and I love this sport. I could not fail to congratulate all the councilmen who voted in favor - says Romario.

Rio has already received up to 4 editions of the 4-a-side Football World Championship, version of the modality disputed by teams of four players. Romário himself participated in an edition in 2012, in Copacabana Beach. That edition was won by the team Brazil II, Renato Gaucho - currently coach of the Grêmio -, which would reach the bicampeonato in 2013.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Futevôlei Patrimônio Imaterial do Rio Janeiro, Brasil.

A Câmara Municipal do Rio aprovou na terça-feira projeto de lei que reconhece o futevôlei como patrimônio imaterial e cultural da cidade. O PL 2/2017, de autoria do vereador Marcello Siciliano (PHS), argumenta que o futevôlei de praia tem relevância “no cotidiano de milhares de cariocas” e chegou a ser “alçado ao nível de desporto olímpico”.

A votação foi rápida, realizada por contraste visual, e não chegou a haver discussão no plenário da Câmara. O projeto segue agora para sanção do prefeito Marcelo Crivella.

“Resta evidente que a prática do futevôlei de praia deve ser enaltecida como expressão cultural e desportista de nosso povo carioca, bem como ser dado todo apoio institucional possível para que a prática se itensifique e se dissemine, (...) levando os cariocas e os praticantes desta atividade nos limites da Cidade do Rio de Janeiro a terem seu devido reconhecimento”, diz um trecho do projeto aprovado.

O senador Romário (PSB-RJ), famoso praticante de futevôlei nas areias do Rio desde seus tempos de jogador, gravou um vídeo em que se mostra contente pelo reconhecimento dado à modalidade:

— Isso é uma satisfação para todos e principalmente para mim, que sou praticante e amo esse esporte. Não poderia deixar de parabenizar a todos os vereadores que votaram a favor — diz Romário.

O Rio já recebeu até edições do Mundial de Futevôlei 4 por 4, versão da modalidade disputada por equipes de quatro jogadores. O próprio Romário participou de uma edição, em 2012, na Praia de Copacabana. Aquela edição foi vencida pela equipe Brasil II, de Renato Gaúcho — atualmente treinador do Grêmio —, que chegaria ao bicampeonato em 2013.

Intangible Heritage of Bahia, Brazil - Party: The Bembé of the Market. --- Patrimônio Imaterial da Bahia, Brasil - Festa: O Bembé do Mercado, ---

The Bembé of the Market, Intangible Heritage of Bahia, title granted by Ipac, commemorates the liberation, in 1888, of enslaved blacks. It has candomblé celebrations in the middle of the street and reaffirms the culture of African origin, very strong in Bahia, especially in the Recôncavo. The popular manifestation gathers performances of cultural events, such as samba de roda, as well as celebrations typical of African-born religions.





In order to welcome the visitor to Santo Amaro during the celebration of the Bembé do Mercado, which will take place from May 10 to 14, the Secretariat of Tourism of Bahia (Setur) will follow, in April, with the Offer qualification courses. Quality in Tourist Attendance and Patrimonial Education were discussed on Wednesday (5) by technicians from Setur and the Institute of Cultural and Artistic Heritage of Bahia (Ipac).


In two shifts, for about 60 participants, the courses have as a target the tourist trade, terreiros that make up the Bembé do Mercado, capoeira groups, maintainers of cultural manifestations (like Black Fugido and Maculelê) and receptive of Cultural spaces.


In the morning, the theme of Quality in Tourist Attention showed participants, among other things, the practices of attendance and communication with the visitor. In the afternoon, the second theme presented the relationship between tourism and culture. The classes were given at the Polyvalent School.

Started in March, with the objective of increasing the quality of tourism services, the program of courses offered by Setur in Santo Amaro continues until April 19. The classes are taught by technicians from Setur, Ipac and the Secretariat for the Promotion of Racial Equality (Sepromi). Conceptual Concepts of Tourism (12/04); Ethno-development (12/04); And Tourism and Citizenship (04/19) will be the next themes.

-
Bembé do Mercado




Cultural and religious manifestation that takes place since the end of the 19th century when a group of blacks gathered in a public square to commemorate the Abolition of Slavery on May 13, 1888, in the municipality of Santo Amaro da Purificação. It is known as Bembé do Mercado, Festa de Preto or Candomblé da Liberdade. Since 1889, the Bembé has been held, with the participation of several candomblé terreiro of the region, which during three days hold a great candomblé ceremony in a public square and has its apex with the delivery of a gift to the Mother of Water.

Recôncavo - Santo Amaro


The Bembé do Mercado is a religious event that celebrates the 13 of May. Upon learning of the Abolition of Slavery, the slaves of that region celebrated with the black population already liberated and sympathizers the freedom of the slaves. According to the oral history told by the Santamarenses and reaffirmed by the participants of the event, that on May 13, 1889, an African of Malê origin known as João Obá, took to the streets together with his sons of santo to celebrate the Abolition. This year a large arbor was built in Largo do Xaréu, covered with straw and for three days a large candomblé was held, culminating in the delivery of a gift to the mother of water.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br
Patrimônio Imaterial da Bahia, Brasil - Festa: O Bembé do Mercado.
Festa – O Bembé do Mercado, Patrimônio Imaterial da Bahia, título concedido pelo Ipac, comemora a libertação, em 1888, dos negros escravizados. Conta com celebrações do candomblé em plena rua e reafirma a cultura de origem africana, muito forte na Bahia, especialmente no Recôncavo. A manifestação popular reúne apresentações de manifestações culturais, como samba de roda, além de celebrações típicas das religiões de matriz africana.

Com o objetivo de bem-receber o visitante que for a Santo Amaro durante a festa do Bembé do Mercado, que se realiza de 10 a 14 de maio, a Secretaria do Turismo da Bahia (Setur) segue, no mês de abril, com a oferta cursos de qualificação. Qualidade no Atendimento ao Turista e Educação Patrimonial foram temas abordados nesta quarta-feira (5) por técnicos da Setur e do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac).

Realizados em dois turnos, para cerca de 60 participantes, os cursos têm como público-alvo o trade turístico, terreiros que compõem o Bembé do Mercado, grupos de capoeira, mantenedores de manifestações culturais (a exemplo de Negro Fugido e Maculelê) e receptivo de espaços culturais.

Na parte da manhã, o tema Qualidade no Atendimento ao Turista mostrou aos participantes, dentre outros itens, as práticas de atendimento e comunicação com o visitante. Na parte da tarde, o segundo tema apresentou a relação entre turismo e cultura. As aulas foram ministradas na Escola Polivalente.

Iniciada em março, com o objetivo de elevar a qualidade dos serviços turísticos, a programação de cursos oferecidos pela Setur em Santo Amaro segue até 19 de abril. As aulas são ministradas por técnicos da Setur, do Ipac e da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). Noções Conceituais de Turismo (12/04); Etno-desenvolvimento (12/04); e Turismo e Cidadania (19/04) serão os próximos temas.

-


Bembé do Mercado

Manifestação cultural e religiosa que acontece desde o final do século XIX quando um grupo de negros, reuniram-se em praça pública para comemorar a Abolição da Escravatura em 13 de maio de 1888, no município de Santo Amaro da Purificação. É conhecida como Bembé do Mercado, Festa de Preto ou Candomblé da Liberdade. Desde 1889, o Bembé vem sendo realizado, com a participação de vários terreiros de candomblé da região, que durante três dias realizam uma grande cerimônia de candomblé em praça pública e tem seu ápice com a entrega de presente à Mãe d’Água.

Recôncavo – Santo Amaro

O Bembé do Mercado é uma manifestação religiosa que comemora o 13 de maio. Ao tomarem conhecimento da Abolição da Escravatura, os escravos daquela região comemoraram junto à população negra já liberta e simpatizantes a liberdade dos escravos. Segundo a história oral contada pelos santamarenses e reafirmada pelos participantes do evento, que no dia 13 de maio de 1889, um africano de origem Malê conhecido por João Obá, saiu às ruas juntamente com seus filhos de santo para comemorar a Abolição. Neste ano foi armado no Largo do Xaréu um grande caramanchão, coberto com palha e por três dias foi realizado um grande candomblé que culminou com a entrega de um presente à mãe d’água.

International Exhibition of Intangible Cultural Heritage - ARTESANATO - and of Ancient Art of China (ICHAA Expo 2017). --- Exposição Internacional do Património Cultural Imaterial - ARTESANATO - e de Arte Antiga da China (ICHAA Expo 2017) . --- 国际非物质文化遗产和中国古代艺术展览会(2017年ICHAA世博会)。

Inaugurated in "The Venetian Macao - Resort - Hotel" and continues until April 10 - it has as motto "'A Strip, A Route', the heritage of the craft technique."


This year, the organizers of the event will "emphasize the interactions between the culture of the old and the present, promoting the initiatives developed under the project 'A Track, A Route' and presenting the essence of Chinese culture. At the same time, they want to contribute to the promotion of the heritage of Chinese traditional aesthetics and their refined craftsmanship, "the organization said.

According to Sandra Pan, director of operations and responsible for the exhibition this year, more than 40 exhibitors and artisans related to intangible cultural heritage and over 70 old art exhibitors will be represented at the event, which takes place at the Convention Center and Exhibitions of the Venetian Resort.

She estimates that more than 10,000 people will visit the exhibition over the course of several days of exposure. This year, organizers have invested more resources in promoting the event in Macau, Guangzhou, Shenzhen and Hong Kong, added Sandra Pan. She added that the organization will bring to the territory a delegation of several hundred collectors, investors and Representatives of government entities from those regions - as well as from Taiwan and elsewhere - to showcase the products on display and negotiate their sale. The products exhibited originate in the People's Republic of China, as well as the prominent intangible heritage, namely artistic and musical performances.

This year's exhibition adds an auction, an area of ​​sale of products and immaterial heritage shows. Among the performances planned are opera performances "Yue", Sichuan Opera House "Face Changing" and the performance of a musical performance by the Shanghai Jiangnan bamboo orchestra and Guqin string instrument, Guangling, Yangzhou. The shows will take place between 19:30 and 21:30.



The exhibition of intangible cultural heritage includes the display of different instruments such as the Guqin, a Chinese musical instrument of seven strings, and the Yangqin, another type of string instrument, originally from Persia. Also featured are Yangzhou wood carvings, eight pieces of handicrafts originally made for Beijing's imperial palace - including sculptures in materials such as jade, ivory, lacquer and filigree - and clay pieces from Zhejiang province.

The exhibition includes 3D displays and projections of the manufacturing processes of handmade pieces in Geyao porcelain, bamboo sculpture and Gandhara sculptural art. On Saturday, from 2:00 p.m. to 5:00 p.m., three lectures will be held open to the public, especially the one given by Zhang Rong, a former Chinese ceramic collector, now living in Japan. Chinese renowned expert on ancient pottery and Buddhist arts, Liang Xiao Xin, will also be in the territory to talk about Gandhara art.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




--pt
Exposição Internacional do Património Cultural Imaterial - ARTESANATO -  e de Arte Antiga da China (ICHAA Expo 2017) .

Inaugurada no "The Venetian Macao - Resort - Hotel"  e se prolonga até 10 de Abril – tem como mote “ ‘Uma Faixa, Uma Rota’, a herança da técnica de artesanato”.

Este ano os organizadores do certame procuram “enfatizar as interacções entre a cultura do antigo e do presente, promovendo as iniciativas desenvolvidas ao abrigo do projecto ‘Uma Faixa,Uma Rota’ e apresentando a essência da cultura chinesa. Ao mesmo tempo, querem contribuir para a promoção da herança da estética tradicional chinesa e do seu artesanato refinado”, refere a organização.

De acordo com Sandra Pan, directora de operações e responsável pela exposição este ano, mais de 40 expositores e artesãos relacionados com o  património cultural imaterial e acima de 70 expositores de arte antiga vão estar representados no evento, que se realiza no Centro de Convenções e Exposições do Venetian Resort.

A responsável estima que mais de 10 mil visitem a mostra ao longo dos vários dias de exposição. Este ano, os organizadores investiram mais recursos na promoção do evento em Macau, em Guangzhou, em Shenzhen e em Hong Kong, acrescentou Sandra Pan. A responsável adiantou ainda que a organização vai trazer ao território uma delegação de várias centenas de colecionadores, investidores e representantes de entidades governamentais provenientes daquelas regiões – bem como de Taiwan e de outros lugares – para mostrar os produtos em exposição e negociar a sua venda. Os produtos expostos têm origem na República Popular da China, o mesmo sucedendo com o património imaterial em destaque, nomeadamente as actuações artísticas e musicais.

A exposição deste ano acrescenta um leilão, uma área de venda de produtos e espectáculos de exibição de património imaterial. Entre as actuações previstas contam-se espectáculos de ópera “Yue”, pela Ópera de Sichuan, “Face Changing” e ainda a execução de um espectáculo musical pela orquestra de bambu Shanghai Jiangnan e do instrumento de cordas Guqin, de Guangling, Yangzhou. Os espectáculos vão decorrer entre as 19h30 e as 21h30.

A exposição de património cultural intangível inclui a mostra de diferentes instrumentos como o Guqin, um instrumento musical chinês de sete cordas, e do Yangqin, outro tipo de instrumento de cordas, originário da Pérsia. Em  destaque estarão também pinturas esculpidas em madeira de Yangzhou, oito peças de artesanato feitas originalmente para o palácio imperial de Pequim – incluindo esculturas em materiais como jade, marfim, laca e filigrana – e ainda peças de cerâmica trabalhadas em argila da província de Zhejiang.

A exposição inclui mostras e projecções em 3D de processos de fabrico de peças artesanais em porcelana de Geyao, de escultura em bambu e de arte escultórica de Gandhara. No sábado, das 14 às 17 horas, serão conduzidas três palestras abertas ao público, com destaque para a ministrada por Zhang Rong, coleccionador de cerâmica antiga chinesa, agora a viver no Japão. O reputado especialista chinês em cerâmica antiga e artes budistas, Liang Xiao Xin, também vai estar no território para falar sobre arte Gandhara.





--chines simplificado via tradutopr do google
国际非物质文化遗产和中国古代艺术展览会(2017年ICHAA世博会)。

在“威尼斯人澳门 - 度假村 - 酒店”开幕,并持续至4月10日 - 它以“工程技术的遗产”为座右铭。

今年的活动主办单位将“强调现代文化与现代文化之间的相互作用,推动”轨道,路线“项目开展的活动,呈现中华文化的精髓,同时,他们希望为促进中国传统美学遗产的传承和精湛的工艺做出贡献。“

据今年展会负责人Sandra Pan介绍,有关非物质文化遗产的40多家参展商和70多名老艺术参展商将出席在会展中心和展览会威尼斯人度假村

她估计有超过10,000人会在几天的曝光过程中参观展览。今年,主办机构投资更多资源推广澳门,广州,深圳及香港的活动。她补充说,该组织将向该地区派出几百名收集者,投资者和来自这些地区以及台湾及其他地方的政府实体的代表团,展示展出的产品并进行谈判。展出的产品来自中华人民共和国,以及突出的非物质遗产,即艺术和音乐表演。

今年的展览增添了拍卖,产品销售和非物质遗产展示。其中,戏曲表演“岳”,四川歌剧院“脸面变脸”,以及上海江南竹乐团,古琴乐器,广陵,扬州演出等表演。节目将在19:30至21:30之间进行。

非物质文化遗产展览包括展示不同乐器,如古琴,七弦琴中国乐器,以及起源于波斯的另一种琴弦琴琴琴琴。还有扬州木雕,原来是北京皇宫的八件工艺品,包括玉,象牙,漆,花丝等材料的雕塑,浙江省的粘土片。


展览包括三峡展示和Geyao瓷器,竹雕和甘肃雕塑艺术手工制作工艺的预测。星期六下午2时至5时,三个讲座将向公众开放,特别是现在居住在日本的前中国陶瓷收藏家张荣的讲座。中国着名的古陶瓷艺术专家梁小新也将在全国范围内谈论甘达艺术。

Samba Rock se tornou Patrimônio Cultural Imaterial, na cidade de São Paulo, Brasil. --- Samba Rock became Intangible Cultural Heritage in the city of São Paulo, Brazil.

A cultura samba rock festeja o reconhecimento da manifestação como Patrimônio Cultural Imaterial da cidade de São Paulo assegurado nesta sexta-feira (11) em decisão unânime do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp). O samba rock expressa na música e na dança a resistência paulista da cultura negra nacional que sobrevive ao preconceito e à exclusão. 


Nos bastidores do processo de reconhecimento atuaram músicos, DJs, professores de dança, dançarinos, produtores, pesquisadores e coletivos, que tiveram o apoio da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial de São Paulo (SMPIR-SP). 

No início da tarde desta sexta-feira, o grupo que esteve na audiência do Conpresp visitou a redação do Portal Vermelho. A comitiva trouxe junto o samba rock em pessoa, ou melhor, em pessoas: estiveram presentes na redação Osvaldo Pereira “Orquestra Invisível”, considerado o primeiro DJ do Brasil; Nereu, músico do Trio Mocotó e o guitarrista do Clube do Balanço, militante do swing, Marco Mattoli.

Mattoli como um mestre de cerimônia e com profundo respeito apresentou Osvaldo e Nereu à reportagem. Eles, entusiasmados pelo título do Conpresp, relembraram as raízes do samba rock. O pandeirista Nereu contou dos primeiros shows com Jorge Ben (hoje Jorge Ben Jor) e da formação do trio Mocotó – e de certa sonoridade pré-samba rock - no bar Jogral em São Paulo, no fim dos anos 60.

Dez anos antes, Osvaldo construía o próprio equipamento de som e passou a animar festas familiares na periferia de São Paulo. As famílias de negros que não podiam pagar para ir aos bailes com orquestras, famosos no final dos anos 50, dançavam ao som da discotecagem de Osvaldo.

Contra a exclusão

“O samba rock surge de maneira espontânea como manifestação cultural da população negra nas periferias da cidade de São Paulo no começo da década de 60. Como em várias culturas afro descentes do mundo, o samba rock nasce da exclusão, desta possibilidade de inserção social”, contou Mattoli durante a apresentação da justificativa para o Conpresp.

E foi nos bailes que surgiu a dança peculiar do samba rock, inspirada em coreografias de danças afro-americanas como samba, salsa e swing americano. Anos depois o encontro entre Jorge Ben e o Trio Mocotó faz surgir uma sonoridade específica para a manifestação.

Estavam criadas as raízes do samba rock com um legado de transmissão de conhecimento entre as famílias, referência musical e de dança e uma metodologia própria de promoção e incentivo ao consumo dessa cultura. 

Políticas Públicas

“Apesar de raramente aparecer na grande mídia, esses bailes mobilizam milhares de paulistanos todos os fins de semana há 50 anos”, informou Mattoli. Para ele, o reconhecimento “é o primeiro passo para fortalecer esta cultura através de políticas públicas”.

Para o secretário da SMPIR, Maurício Pestana, a vitória do samba rock em São Paulo pode inspirar ações relacionadas à valorização das expressões culturais negras em todo o Brasil. “É uma cultura genuinamente paulistana mas que está em todo o Brasil. E todo o Brasil sabe que é paulistano”, lembrou.

Segundo ele, o reconhecimento foi recorde e simbólico. “Esses departamentos são conservadores e ligados à cultura erudita. Neste caso, o coletivo foi muito organizado e contou com a articulação da secretaria da igualdade racial. Um caso que dá certo quando há vontade política”, exemplificou Maurício.


Processo no Conselho

O coletivo que se consolidou em 2013 para requerer o reconhecimento do samba rock se inspirou nos registros obtidos pelo samba do recôncavo baiano (2004), do samba carioca (2007) e do funk carioca (2010). 

Organizaram depoimentos, reuniram artistas, fotos, equipes de bailes, familiares. Criaram uma página no facebook e um grupo de trabalho para redigir a proposta de registro.

Na opinião de Valéria Leão, chefe de gabinete da SMPIR o coletivo realizou um “baita trabalho” de embasamento. “Mostra que buscar o reconhecimento não está tão distante assim se houver uma boa organização e articulação com uma instituição. No caso, a SMPIR ajudou a pautar com mais agilidade o assunto”, ressaltou.

O samba rock se fortalece

A entrevista no Vermelho foi um encontro de gerações do samba rock. “Glamour. As donas muito bem vestidas. Não entrava no baile sem gravata”, relembrou Osvaldo dos bailes de samba rock de anos atrás. A elegância também é mencionada por Leonardo “Gringo” Pirrongelli, integrante do Clube do Balanço. 

“Prima pela elegância, nasce na família, o tio ensina a sobrinha”, observou o uruguaio Leonardo. Ele também ressaltou o caráter paulistano da manifestação. “Quando cheguei a São Paulo conheci o CTN (Centro de Tradições Nordestinas), centro de cultura mineira mas me perguntava qual a cultura de São Paulo? O samba rock é oriundo de São Paulo”, analisou.



Para o dançarino e editor do site sambarock.org, José Xavier, “a música é patrimônio brasileiro mas a dança é paulistana”. E a dança do samba rock é um caso à parte. Dançarinos ou não, paulistanos, cariocas, brasileiros e estrangeiros são atraídos pelos passos. 

Ana Paula é dançarina e professora. Aprendeu na família mas quis se aprimorar. Atualmente, Ana é professora e também coordena uma iniciativa de samba rock para as mulheres em que ela introduziu alguns movimentos que incrementam o acompanhamento das mulheres.

O historiador Felipe Spadari foi aluno de samba rock e hoje é dançarino. O descendente de orientais, Jorge Yoshida é dançarino e pesquisador de samba rock. Ele é um dos primeiros, ao lado de Mattoli e Nego Junior, do samba rock na veia, a levantar a ideia do samba rock como patrimônio.

Durante a entrevista, todos citaram o nome de Tony Hits, personagem importante em promover a visibilidade e o protagonismo do samba rock mas que não pode estar presente naquela ocasião.

Inclusão e diversidade


Compondo o grupo que visitou a redação também estavam o produtor Jair Netto, a expositora Neide Sales, o professor de dança Inácio Loiola (o mosquito) e Julião Vieira, da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO) e assessor da deputada estadual Leci Brandão (PCdoB-SP).

“Apesar do samba rock ter nascido por conta de uma exclusão social, ele se transformou num exemplo de inclusão e democracia. Eu vejo nos bailes de hoje, aquilo que eu gostaria de ver um dia no mundo. Pessoas de etnias, idades, gêneros, religiões diferentes, convivendo, se respeitando e sabendo se divertir”, concluiu Mattoli.

A primeira comemoração pelo reconhecimento do samba rock como patrimônio cultural imaterial só poderia ser no seu próprio ritual: o baile. E será neste domingo (13), quando o Clube do Balanço se apresenta às 19h, no clube Cruz da Esperança na Casa Verde  (rua Marambaia 802), tradicional abrigo do samba rock. A casa abre a partir das 16h.




video 4:00
https://www.facebook.com/sambarocknaveia/videos/1437195762986783/

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--in via tradutor do google

Samba Rock became Intangible Cultural Heritage in the city of São Paulo, Brazil.

The samba rock culture celebrates the recognition of the manifestation as Intangible Cultural Patrimony of the city of São Paulo assured this Friday (11) in a unanimous decision of the Municipal Council of Preservation of the Historical, Cultural and Environmental Patrimony of São Paulo (Conpresp). Samba rock expresses in music and dance the São Paulo resistance of the national black culture that survives prejudice and exclusion.


Musicians, DJs, dance teachers, dancers, producers, researchers and collectives were present behind the process of recognition, with support from the Municipal Secretariat for the Promotion of Racial Equality of São Paulo (SMPIR-SP).

In the early afternoon of Friday, the group that was in the audience of the Conpresp visited the writing of the Red Portal. The entourage brought together samba rock in person, or rather, in people: Osvaldo Pereira "Invisible Orchestra", considered the first Brazilian DJ; Nereu, musician of the Trio Mocotó and the guitarist of the Balance Club, militant of the swing, Marco Mattoli.

Mattoli as a master of ceremony and with deep respect presented Osvaldo and Nereu to the reportage. They, enthused by the title of Conpresp, remembered the roots of samba rock. Pandeirista Nereu told of the first concerts with Jorge Ben (now Jorge Ben Jor) and the formation of the trio Mocotó - and a certain pre-samba rock sound - at the Jogral bar in São Paulo in the late 60's.

Ten years earlier, Osvaldo built his own sound equipment and started animating family parties in the outskirts of São Paulo. Families of blacks who could not afford to go to dances with orchestras, famous in the late 1950s, danced to the sound of Osvaldo's music.

Against exclusion

"Samba rock emerges spontaneously as a cultural manifestation of the black population in the outskirts of the city of São Paulo in the early 60's. As in many Afro-descendant cultures of the world, samba rock is born of exclusion, this possibility of social insertion" , Said Mattoli during the presentation of the justification for Conpresp.
And it was in the dances that the peculiar dance of samba rock appeared, inspired by choreographies of Afro-American dances like samba, salsa and American swing. Years later the meeting between Jorge Ben and the Trio Mocotó brings forth a specific sonority for the manifestation.

The roots of samba rock were created with a legacy of knowledge transmission among families, a musical and dance reference and a proper methodology for promoting and encouraging the consumption of this culture.

Public policy

"Although it rarely appears in the mainstream media, these dances mobilize thousands of Paulistas every weekend for 50 years," Mattoli said. For him, recognition "is the first step to strengthen this culture through public policies."
For SMPIR secretary Maurício Pestana, the victory of samba rock in São Paulo can inspire actions related to the valorization of black cultural expressions throughout Brazil. "It is a genuinely paulistana culture that is all over Brazil. And all Brazil knows that he is from São Paulo, "he recalled.

According to him, the recognition was record and symbolic. "These departments are conservative and linked to erudite culture. In this case, the collective was very organized and relied on the articulation of the racial equality secretariat. A case that works when there is political will, "exemplified Maurício.

Procedure in the Council

The collective that was consolidated in 2013 to require the recognition of samba rock was inspired by the records obtained by the samba of the Recôncavo Bahia (2004), Samba Carioca (2007) and Funk Carioca (2010).

They organized testimonies, gathered artists, photos, dance teams, family members. They have created a facebook page and a working group to draft the registration proposal.
In the opinion of Valéria Leão, SMPIR's chief of staff, the collective carried out a "solid work" on the ground. "It shows that seeking recognition is not so far away if there is good organization and articulation with an institution. In this case, SMPIR helped to guide the matter more quickly, "he said.

Samba rock strengthens

The interview at the Red was a meeting of generations of samba rock. "Glam. The very well dressed donuts. I did not enter the ball without a tie, "recalled Osvaldo of the samba rock dances of years ago. Elegance is also mentioned by Leonardo "Gringo" Pirrongelli, member of the Balance Club.
"Prima for elegance, born in the family, the uncle teaches the niece," noted the Uruguayan Leonardo. He also stressed the São Paulo character of the demonstration. "When I arrived in São Paulo I met the CTN (Centro de Tradições Nordestinas), a center of culture in Minas Gerais, but I wondered what the culture of São Paulo was? Samba rock comes from São Paulo, "he said.

For the dancer and editor of sambarock.org, José Xavier, "music is Brazilian heritage but dance is from São Paulo". And the samba rock dance is a case in itself. Dancers or not, paulistanos, cariocas, brazilians and foreigners are attracted by the steps.

Ana Paula is a dancer and teacher. He learned in the family but wanted to improve. Currently, Ana is a teacher and also coordinates a samba rock initiative for women in which she introduced some movements that increase the accompaniment of women.

Historian Felipe Spadari was a student of samba rock and today he is a dancer. The descendant of Orientals, Jorge Yoshida is a dancer and researcher of samba rock. He is one of the first, alongside Mattoli and Nego Junior, of samba rock in the vein, to raise the idea of ​​samba rock as patrimony.

During the interview, everyone named Tony Hits, an important person in promoting the visibility and the protagonism of samba rock but that can not be present at that time.

Inclusion and diversity

Composing the group that visited the editorial board were also producer Jair Netto, exhibitor Neide Sales, dance teacher Inácio Loiola (mosquito) and Julião Vieira, of the Union of Blacks for Equality (UNEGRO) and advisor to state legislator Leci Brandão ( PCdoB-SP).

"Although samba rock was born due to social exclusion, it has become an example of inclusion and democracy. I see in the balls of today, what I would like to see one day in the world. People of ethnicities, ages, genres, different religions, living together, respecting each other and knowing how to have fun, "concluded Mattoli.

The first celebration of the recognition of samba rock as intangible cultural heritage could only be in its own ritual: the dance. And it will be this Sunday (13), when the Club do Balanço performs at 7pm, at the Cruz da Esperança club at Casa Verde (Marambaia street 802), a traditional samba rock haven. The house opens from 4pm.