Google+ Followers

terça-feira, 11 de abril de 2017

‘Britain’s Atlantis’ found at bottom of the North sea – a huge undersea world swallowed by the sea in 7000BC. --- 'Atlantis da Grã-Bretanha' encontrado no fundo do mar do Norte - um enorme mundo submarino engolido pelo mar em 7000BC.

Doggerland was an area of land, now lying beneath the southern North Sea, that connected Great Britain to mainland Europe during and after the last Ice Age. It was then gradually flooded by rising sea levels around 6,500–6,200 BCE.



Geological surveys have suggested that it stretched from Britain’s east coast to the Netherlands and the western coasts of Germany and the peninsula ofJutland. It was probably a rich habitat with human habitation in the Mesolithic period, although rising sea levels gradually reduced it to low-lying islands before its final destruction, perhaps following a tsunami caused by the Storegga Slide.

The archaeological potential of the area had first been discussed in the early 20th century, but interest intensified in 1931 when a commercial trawler operating between the sandbanks and shipping hazards of the Leman Bank and Ower Bank east of the Wash dragged up a barbed antler point that dated to a time when the area was tundra. Vessels have dragged up remains of mammoth, lion and other land animals, and small numbers of prehistoric tools and weapons

British scientists and researchers have recently started using 4D technology to explore the remains of an area inhabited before sea levels destroyed it over 7,000 years ago.

Historians believe that the area spanned over 100,000 square miles and was home to dozens of prehistoric Britons. It was once known as Doggerland. Using the 4D technology, researchers will show how Doggerland was colonized and inhabited before being washed away. The researchers like to call this area “Britain’s Atlantis”.

Over the years, experts from Bradford and Nottingham have worked on the multi-million pound 4D project. With the tool, they hope to find evidence of flint tools, animal DNA, and pollen from plants. One of the researchers working on the project, Mr. Vince Gaffney, says that he hopes the 4D tool will find something so other researchers can use the information.

Historians believe that Doggerland was submerged sometime between the years of 18,000 and 5,500 BC. The area was just recently found by divers in the area; they were doing research three years ago to find more oil resources when they discovered the remains of the other world. Some historians believe that this area could have been home to thousands of people and was most likely once the heartland of Europe. After the divers’ discovery, climatologists, archaeologists, and geophysicists mapped the area and found out this Atlantis stretched from Denmark to Scotland.

Until the middle Pleistocene, Britain was a peninsula off Europe, connected by a massive chalk anticline, the Weald–Artois Anticline across the Straits of Dover. During the Anglian glaciation, approximately 450,000 years ago, an ice sheet filled much of the North Sea, with a large proglacial lake in the southern part fed by the Rhine, Scheldt and Thames river systems. The catastrophic overflow of this lake carved a channel through the anticline, leading to the formation of the Channel River, which carried the combined Scheldt and Thames rivers into the Atlantic. It probably created the potential for Britain to become isolated from the continent during periods of high sea level, although some scientists argue that the final break did not occur until a second ice-dammed lake overflowed during the MIS8 or MIS6 glaciations, around 340,000 or 240,000 years ago.




image 1
For decades North Sea boatmen have been dragging up traces of a vanished world in their nets. Now archaeologists are asking a timely question: What happens to people as their homeland disappears beneath a rising tide? source



image 2
Map showing hypothetical extent of Doggerland (c. 8,000 BC), which provided a land bridge between Great Britain and continental Europe. source





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.thevintagenews.com/2016/06/26/the-style-elegance-of-art-deco-cigarette-cases-design-seems-to-be-boring-these-days-2/

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.













--br via tradutor do google
'Atlantis da Grã-Bretanha' encontrado no fundo do mar do Norte - um enorme mundo submarino engolido pelo mar em 7000BC.

Doggerland era uma área da terra, encontrando-se agora sob o mar do norte do sul, que conectou Grâ Bretanha à Europa continental durante e após a última Idade do gelo. Foi então gradualmente alagado pelo aumento dos níveis do mar em torno de 6.500-6.200 BCE.

Pesquisas geológicas sugeriram que se estendia da costa leste da Grã-Bretanha para a Holanda e as costas ocidentais da Alemanha e da península de Jutland. Provavelmente era um rico habitat com habitação humana no período Mesolítico, embora a elevação dos níveis do mar a reduzisse gradualmente a ilhas baixas antes da sua destruição final, talvez depois de um tsunami causado pelo Slide Storegga.

O potencial arqueológico da área havia sido discutido no início do século XX, mas o interesse se intensificou em 1931, quando um arrastão comercial que operava entre os bancos de areia e os perigos de transporte do Banco de Leman e Ower Bank a leste do Wash arrastou um Datado de uma época em que a área era tundra. Os navios arrastaram restos de mamutes, leões e outros animais terrestres, e um pequeno número de ferramentas e armas pré-históricas

Cientistas e pesquisadores britânicos começaram recentemente a usar a tecnologia 4D para explorar os restos de uma área habitada antes dos níveis do mar destruí-la há mais de 7.000 anos.

Os historiadores acreditam que a área se espalhou por mais de 100.000 milhas quadradas e foi o lar de dezenas de britânicos pré-históricos. Era uma vez conhecida como Doggerland. Usando a tecnologia 4D, os pesquisadores vão mostrar como Doggerland foi colonizado e habitado antes de ser lavado. Os pesquisadores gostam de chamar esta área de "Atlântida da Grã-Bretanha".

Ao longo dos anos, especialistas de Bradford e Nottingham trabalharam no projeto 4D multi-milhões de libras. Com a ferramenta, eles esperam encontrar evidências de ferramentas de pederneira, DNA animal e pólen de plantas. Um dos pesquisadores que trabalham no projeto, o Sr. Vince Gaffney, diz que espera que a ferramenta 4D encontre algo para que outros pesquisadores possam usar as informações.

Historiadores acreditam que Doggerland foi submerso em algum momento entre os anos de 18.000 e 5.500 aC. A área foi recentemente encontrada por mergulhadores na área; Eles estavam fazendo pesquisa há três anos para encontrar mais recursos de petróleo quando descobriram os restos do outro mundo. Alguns historiadores acreditam que esta área poderia ter sido o lar de milhares de pessoas e foi mais provável uma vez que o coração da Europa. Após a descoberta dos mergulhadores, climatologistas, arqueólogos e geofísicos mapearam a área e descobriram que a Atlântida se estendia da Dinamarca à Escócia.

Até o Pleistoceno médio, a Grã-Bretanha era uma península fora da Europa, conectada por um anticlice de giz maciço, o Anticline Weald-Artois através do Estreito de Dover. Durante a glaciação anglicana, há aproximadamente 450.000 anos, uma camada de gelo encheu grande parte do Mar do Norte, com um grande lago proglacial na parte sul alimentada pelos sistemas fluvial do Reno, do Escalda e do Tâmisa. O catastrófico desbordamento deste lago esculpiu um canal através do anticlinal, levando à formação do rio Canal, que levou os rios Escalda e Tamisa combinados para o Atlântico. Provavelmente criou o potencial para a Grã-Bretanha se isolar do continente durante períodos de alto nível do mar, embora alguns cientistas argumentem que a ruptura final não ocorreu até que um segundo lago gelado transbordou durante as glaciações MIS8 ou MIS6, cerca de 340.000 ou 240.000 anos atrás.


Imagem 1
Durante décadas, os barqueiros do Mar do Norte estão arrastando traços de um mundo desaparecido em suas redes. Agora os arqueólogos estão fazendo uma pergunta oportuna: O que acontece com as pessoas como sua pátria desaparece sob uma maré crescente? fonte


Imagem 2
Mapa que mostra a extensão hipotética de Doggerland (C. 8.000 BC), que forneceu uma ponte da terra entre Grâ Bretanha e Europa continental. fonte

MUSEOS Y CULTURA MATERIAL. · en CULTURA, INSTITUCIONES, MUSEO, MUSEOLOGÍA, OPINIÓN, PATRIMONIO. · --- MUSEUS E CULTURA MATERIAL

Utilizar las palabras correctas en los estudios relacionados con la cultura material siempre ha sido difícil, porque el término “objeto”, entre otros, puede asumir una gama muy amplia de definiciones, algunas de ellas bastante complejas. En los Estudios de Museos es más útil asignar el término “objeto” a esas piezas relativamente pequeñas y móviles para las cuales esa simple palabra es nuestro término de uso ordinario. “Artefacto” también se puede utilizar de la misma manera, algunos dicen “cosas”, empleándose estas tres palabras sin ninguna distinción particular que marque entre ellas una clara diferenciación, una distinción potencial en el discurso museológico formal. Finalmente, entendemos que “cultura material” es entonces la denominación utilizada como sustantivo colectivo, para designar una colección de “objetos”, o “artefactos”, o “cosas”.


Sería útil abrir algunos caminos a través del bosque de la confusión seleccionando algunas de las palabras claves relacionadas con el material del museo, y examinándolas de cerca. Un grupo de palabras comprende las que se usan para describir una pieza individual, o en términos generales un número de piezas, y este grupo incluye “objeto”, “cosa”, “espécimen”, “artefacto”, “bien”, en plural “bienes” (y “pieza”). Desde el punto de vista del museo, todos estos términos comparten un terreno común ya que nos referimos a ellos como un “elemento” del mundo físico al que se le ha atribuido valor cultural, una definición engañosamente simple.


Un problema común a todos estos términos, que promueve la característica discusión entre la especulación filosófica y los significados cotidianos asociados a las palabras, gira en torno al alcance que se les debe atribuir. En sentido estricto, los “elementos” del mundo físico al que se les atribuye valor cultural no sólo incluyen aquellos “elementos” capaces de ser trasladados de un lugar a otro, lo que comúnmente entendemos cuando decimos «cosa» o «artefacto», sino también ese mundo físico muy grande del paisaje con toda la estructura social que lleva, las especies animales y vegetales que han sido afectados por la intervención del hombre. James Deetz lo expresó muy claramente en una famosa frase: “La cultura material es ese segmento del medio físico del hombre que está intencionalmente moldeada por él, de acuerdo con un plan culturalmente definido” (Deetz 1977: 7).


Es decir, toda expresión cultural, de un modo u otro, está dentro del ámbito de la cultura material y, si la definición de Deetz se traslada a su conclusión lógica, queda probada la relación. También es cierto que la cultura material de muchos museos se encuentran dentro de un marco mucho más amplio, tan grande como el paisaje que exhiben los museos relacionados con el patrimonio industrial. Sin embargo, para fines de estudio, deben establecerse unos límites, por eso hablamos de los “elementos” que se pueden llevar de aquí para allá, “piezas discretas” que siempre han formado y todavía forman el grueso de las colecciones de los museos, consolidando que los museos sean, y sigan siendo, lo que han sido siempre.


Esto nos lleva a un punto de gran importancia. Lo que distingue a los “elementos discretos” de los “elementos relevantes”, si a una “pieza móvil” le otorgamos “valor cultural”, y no primordialmente marcamos esa diferenciación por la mecánica que se ha utilizado para darle forma o contenido, es el modo que usamos para la creación del valor de la “pieza”. La idea crucial es la de la selección, y es el acto de selección el que convierte una parte del mundo natural en un objeto y en una pieza de museo. Podemos demostrarlo a partir de la muestra de la roca lunar que está expuesta en el Museo Nacional del Aire y del Espacio de Washington DC:

“La roca lunar es una pieza real de la luna recuperada por la misión del Apolo XVII. No hay nada particularmente atractivo en la roca; es una pieza bastante estándar de basalto volcánico de unos 4 millones de años. Sin embargo, a diferencia de muchas otras viejas rocas, ésta aparece en una estructura parecida a un altar, colocada sobre un vidrio, y está rodeada con un sistema de seguridad permanente y un dispositivo de monitorización ultrasensible. Hay un cartel encima de la vitrina que dice: “Puedes tocarla con cuidado”, y todos la tocan (Meltzer 1981: 121).



La roca lunar se ha convertido en cultura material porque, a partir de su selección y exposición, se ha convertido en una parte del mundo de los valores humanos, una experiencia material que, evidentemente, cada visitante quiere añadir a su propio sistema de valores personales. Lo que es cierto de la roca lunar es igualmente aplicable a todos los demás objetos naturales colocados deliberadamente dentro de los contextos humanos para su exhibición. También es igualmente cierto que los millones de piezas de historia natural que se encuentran expuestas como colecciones del museo las denominamos “especímenes”, que significa: “un ejemplo seleccionado de un grupo”, como nuestro término habitual para definirlos.

Arcademi

Es evidente que la adquisición de un espécimen de historia natural implica una selección de acuerdo a los principios contemporáneos, el alejamiento de su contexto natural y su organización de algún tipo de relación preestablecida. Este proceso convierte a un «objeto natural» en una pieza distinguida por el hombre, y significa que los objetos y colecciones de la historia natural, también pueden ser tratados y valorados como cultura material. Todos los hechos físicos aparentemente “naturales” son en realidad hechos discursivos, ya que la “naturaleza” no es algo que ya exista, sino que es el resultado de su construcción histórica y social. Llamar a algo un objeto natural, como dice Laclau y Mouffe (1987: 84), es una manera de concebirlo dependiendo de un sistema clasificatorio: si el hombre no existiera, las piedras estarían en el suelo, pero como existimos, las “piedras” pueden dejar de ser “piedras”, porque los humanos hemos desarrollado la ciencia de la mineralogía, utilizando un lenguaje para distinguirlas y clasificarlas. Por lo tanto, los especímenes de historia natural son “objetos humanos” y, por lo tanto, son susceptibles a su análisis social.


La “cosa” (nada relacionado con los “4 fantásticos”) es nuestra palabra más común para designar a todas estas piezas, y también se utiliza en el habla cotidiana, aplicándola también a toda la gama de asuntos no materiales en nuestra vida del día a día. El “objeto” comparte el mismo espacio tanto en el discurso ordinario como en el discurso intelectual, donde generalmente es el término utilizado. Las formas en que usamos estos términos y las implicaciones de este uso aplicado a lo material dentro de nuestro imaginario colectivo, puede transformar el mundo en un hecho significativo o no. Por ejemplo, el término “artefacto” significa “hecho producto del arte o habilidad” y, por tanto, adopta una visión simple de lo que constituye un objeto material, concentrándose en aquella parte de su naturaleza que implica la aplicación de la tecnología humana al mundo natural. Debido a que el “objeto” está vinculado con las habilidades prácticas y, por lo tanto, relacionado con otras palabras como “artesano”, “artefacto” se transforma en un término de bajo valor social, aplicándose al material considerado de escaso valor, como pudieran ser las mesas y sillas ordinarias, en lugar de pinturas y esculturas.


La palabra “bien” nos llega del mundo de la teoría de la economía y de la producción industrial, ahora también aplicado en la producción tecnológica, y se relaciona con ese aspecto de las piezas materiales (o servicios) que abarcan el valor de mercado que se les asigna, y su tipo de cambio en relación con otros bienes y servicios similares o diferentes. Este es el tratamiento de la cultura material como mercancía, y el trabajo de los antropólogos sociales, particularmente Douglas e Isherwood (1979), han demostrado que pobre es la discusión puramente económica sobre lo material hasta que se le agregan dimensiones sociales o culturales de valor.

Archivo EVE







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Espacio Visual Europa (EVE)

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br via tradutor do google
MUSEUS E CULTURA MATERIAL
INSTITUIÇÕES, museu, a opinião museologia, património.
·
Use as palavras certas em estudos relacionados à cultura material sempre foi difícil, porque o termo "objeto", entre outros, pode tomar uma grande variedade de definições, alguns deles bastante complexa. Em Museologia é mais útil para colocar o termo "objeto" para essas relativamente pequenas e partes móveis para o qual esta simples palavra é o nosso prazo para uso comum. "Artefato" também pode ser usado da mesma forma, alguns dizem "coisas", usando essas três palavras sem qualquer marca de distinção especial, incluindo um potencial de diferenciação clara na distinção discurso museológico formal. Finalmente, entendemos que "cultura material" é então usado como um nome substantivo coletivo para designar uma coleção de "objetos" ou "artefatos" ou "coisas".

Hifructose

Seria útil para abrir algumas estradas através da floresta de confusão selecionando algumas das palavras-chave relacionadas ao material do museu, e examiná-los de perto. Um grupo de palavras que compreende os utilizados para descrever uma única peça, ou em termos gerais um número de peças, e este grupo inclui "objecto", "outro", "amostra", "artefacto", "bom" no plural "bens" (e "peça"). Do ponto de vista do museu, todos esses termos compartilham um terreno comum como nos referimos como um "elemento" do mundo físico que tem sido atribuído valor cultural, uma definição enganosamente simples.
Esta é Agrupar

Um problema comum com todos os termos, que promove a discussão entre especulação filosófica característica e significados cotidianas associadas com as palavras, gira em torno do escopo a ser atribuído a eles. Estritamente falando, os "elementos" do mundo físico que são atribuídos valor cultural não incluem apenas os "elementos" que podem ser movidos de um lugar para outro, o que comumente dizer quando dizemos "coisa" ou "artefato", mas também a paisagem com toda a estrutura social que carrega muito grande mundo físico, os animais e plantas que foram afetadas por espécies intervenção humana. James Deetz expressa de forma muito clara em uma frase famosa: "A cultura material é que o segmento do ambiente físico do homem, que é intencionalmente em forma por ele, de acordo com um plano definido culturalmente" (Deetz 1977: 7).

Miguel de la Garza

Ou seja, cada expressão cultural, de uma forma ou de outra, está dentro do âmbito da cultura material e, se a definição de Deetz mudou-se para sua conclusão lógica, a relação é comprovada. Também é verdade que a cultura material dos muitos museus estão dentro de um quadro muito mais amplo, tão grande quanto a paisagem exibindo museus relacionadas com o património industrial. No entanto, para fins de estudo, devem ser estabelecidos limites, então falamos sobre os "elementos" que podem ser tomadas daqui para lá, "elementos distintos" que sempre foram e ainda formam a maior parte das colecções de museus, consolidando museus são, e permanecem o que sempre foram.

Cocolia

Isso nos leva a um ponto de grande importância. O que distingue os "elementos discretos" dos "elementos relevantes" se um "parte móvel" damos "valor cultural" e não primariamente marcamos essa diferenciação pela mecânica que tem sido usado para moldar ou conteúdo, é a maneira que usamos para criar o valor do "pedaço". A ideia fundamental é a seleção, e seleção é o ato que se torna parte do mundo natural em um objeto e uma peça de museu. Podemos provar a partir da amostra de rocha lunar está exposta no Museu Nacional do Ar e Espaço, em Washington DC:

"A rocha da lua é um pedaço real da lua recuperado por missão Apollo XVII. Não há nada particularmente atraente na rocha; É uma peça bastante normal de basalto vulcânico de cerca de 4 milhões de anos. No entanto, ao contrário de muitas outras rochas antigas, ele aparece em uma estrutura semelhante a um altar colocado em um vidro, e está rodeado por um sistema de segurança permanente e um monitoramento de dispositivos ultra-sensível. Há um sinal na janela que diz: "Você pode tocá-lo com cuidado", e tudo o toque (Meltzer 1981: 121).

25 mídia

A rocha da lua tornou-se cultura material, porque, a partir de sua seleção e exposição tornou-se um dos valores humanos do mundo, uma experiência material que, obviamente, cada visitante quer adicionar ao seu próprio sistema de valores pessoais . O que é verdade de rocha lunar é todos os outros objetos naturais deliberadamente colocados dentro de contextos humanos para exibição igualmente aplicável. Ele também é igualment

New museums with impressive architecture. --- Novos museus com arquitetura impressionante.

These days museums around the world become the art statements of their own. Those are the places to exchange ideas and find creativity – cultural landmarks and intellectual hubs. Here are a few examples of newly opened museums with an architecture as remarkable as the expositions inside them.


MMM corones by Zaha Hadid Architects located between the Puster and Gader Valleys, Italy


International Museum of the Baroque built in Puebla, Mexico, by Japanese architect Toyo Ito


The Broad Art Museum in LA, by Diller Scofidio + Renfro






Folk Art Museum in Hangzhou by Kengo Kuma







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
Novos museus com arquitetura impressionante.

Estes dias museus ao redor do mundo Torne-se as declarações de arte própria. Esses são os lugares para trocar idéias e encontrar criatividade - marcos culturais e centros intelectuais. Aqui estão alguns exemplos de museus recém-Ouvert com uma arquitetura tão notável como as exposições no interior deles.

Corones MMM por Zaha Hadid Architects Localizado entre les Gader e Puster Vales, Itália

Museu Internacional do barroco construído em Puebla, no México, pelo arquiteto japonês Toyo Ito

O Museu de Arte Broad em Los Angeles, por Diller Scofidio + Renfro


Tate Modern Museum of Contemporary Art em Londres por Herzog & de Meuron desenhado por


Museu de Arte Popular em Hangzhou por Kengo Kuma

Giving a voice to ancient Egyptian poetry. video --- Dar voz a poesia antiga egípcia - vídeo 41. min.

How do you capture the ancient resonances of phrases that mean nothing to modern audiences? How do you invest them with meaning and emotion without a set of explanatory footnotes that kill all spontaneity? Oxford University professor Richard Bruce Parkinson worked with actress and writer Barbara Ewing to record a dramatic reading of one of the finest works of Egyptian poetry The Tale of Sinuhe.


Ostracon with the final lines of The Tale of Sinuhe. Thebes, 19th Dynasty.

Share this article 

Richard Bruce Parkinson, Professor of Egyptology, University of Oxford and Fellow of the Queen's College, Oxford. 15 March 2017

I’m working on a new commentary on the famous ancient Egyptian poem, The Tale of Sinuhe, which has fascinated me since my schooldays. This narrative, about an official’s troubled life-story was written in about 1850 BC and survives in many manuscripts, including one in a collection of texts that was buried in a tomb at Luxor in around 1680 BC, and is now known as the Ramesseum papyri. My work is part of an ongoing joint British Museum and Oxford University project on the Ramesseum papyri, during which we have published new photos of the main papyri in an online catalogue, and in a DVD with the Egyptian Museum, Berlin. I’m also re-examining the copy of the poem in the Ashmolean museum, helped by research assistant Ann Gill, and (perhaps most importantly) every year I read the poem with students, because it is an undergraduate set text in the Oxford Egyptology course.

However, while academic commentaries can deal easily with the technical details of reading the manuscripts, of the verb-forms and the lexicography, the poem is also a hugely emotional work of art. In order to try to capture a sense of what the poem might have felt like to its original audiences – a sense of what E M Forster termed ‘the union of shadow and adamant that men call poetry’ – I’ve worked with actors over the past decade, including Gary Pillai and Shobu Kapoor. Most often, I’ve worked with a very good friend, Barbara Ewing, who is a historical novelist as well as an actress, and so understands as well as any Egyptologist the difficulties we face when dealing with old texts. We’ve worked together on several Middle Kingdom poems, and she accompanied my inaugural lecture at Oxford which was about a single couplet of Sinuhe. Now she’s recorded a full reading of Sinuhe.


The problem with any poetry is that it is untranslatable, and Sinuhe is now very remote; Barbara said that she found it the most challenging piece she has ever had to deal with. How do you capture the ancient resonances of phrases that mean nothing to modern audiences? How do you invest them with meaning and emotion without a set of explanatory footnotes that kill all spontaneity? For me the point was to let Barbara bring her skills to illuminate the poem, and to teach me what it could be like in performance. We’ve discussed it over several years, and when we started rehearsing Barbara dug deeper and deeper into the text. We only squabbled once over how a line might be delivered (we’re both quite stubborn, neither of us gave way, and I’m delighted with the solution we reached). The translation we used was based on the one published in an Oxford World Classics anthology, but she suggested several small changes to help a modern listener, usually clarifying a pronoun or reversing the order of two verses. I also made several minor alterations to help clarify the sense for listeners unfamiliar with the ancient background, such as saying ‘War-god’ instead of the god’s name ‘Montu’. I kept asking friends at my college if certain phrases sounded natural to them, so that none of it would sound written in Egyptological-ese. When Sinuhe returns home and is re-integrated into Egyptian society, his hair receives some sort of treatment, either styling or cutting, and so I ended up asking ‘what do you usually ask for at the barbers? What word do you use?’

Barbara Ewing and Professor Richard Bruce Parkinson.

Sinuhe is quite a long narrative poem – almost 600 lines of verse – and I think it was hard to convey sense of changing pace and structure, among the many other obstacles. Barbara was determined that it should not sound falsely grandiose (like the dreadful Hollywood film of the poem), and to keep it very internal and understated, even as the hero undergoes a series of emotional crises and breakdowns. The poem has a lot of exciting action in it, but it also moves by subtext: characters talk to each other but mean much more than they actually say, and it deals with ‘unrepeatedly great matters’, raising questions of motivation that are left unresolved. There had to be a sense of things happening beneath the surface.

We spent three days rehearsing in London, and then Barbara came for a full day’s recording at an underground studio at Oxford University Media Services. At the end of the day we went and looked at the copy of the poem in the Ashmolean Museum together. The unedited recording, made by Karen Casey, lasted an hour and 46 minutes and included repeats, various retakes and variations. The final cut is 41 minutes long and is available on Oxford University’s podcast website and iTunes.

The Life of Sinuhe read by Barbara Ewing. Translated by Richard Bruce Parkinson. This recording is part of The Tale of Sinuhe: A Reader’s Commentary (for the British Museum and Oxford University Ramesseum Papyri Project).

My favourite line of all is perhaps when Sinuhe’s patron, Queen Nefru, screams in shock as she recognises her old servant. We debated whether Barbara should add an actual scream (as she did in the inaugural lecture about this couplet) or instead keep strictly to the words of the original, and try to convey the shock with only the words of the poem? We did several takes, but when I listened to the unedited recording there was no doubt for me: Barbara’s words alone conveyed the scream without it needing to be acted out.

It is one thing to write about performance from a theoretical perspective, but it’s another to work with an actor. I learnt so much about the poem from our sessions together, and my only regret is that a month later while I was re-examining photographs of one of the papyri, I spotted a new solution to a long-standing grammatical difficulty, meaning that one verse of the reading should really have a slightly different tense. But no translation or performance is ever going to be definitive. What matters to me, beyond these philological details, is that Barbara has found a voice for the heart of this ancient poem.


Want to hear more? Listen to the the inaugural lecture of Richard B. Parkinson as Professor of Egyptology, accompanied by actress and author Barbara Ewing, on the emotional power of the famous Ancient Egyptian poem The Tale of Sinuhe below.






The Life of Sinuhe

Duration:0:41:20 | Added: 01 Nov 2016


Audio Embed Code

Embed HELP
An ancient Egyptian tells his life-story from the walls of his tomb, c. 1850 BC. Read by Barbara Ewing. Translated by Richard Bruce Parkinson

Composed around 1850 BC, Sinuhe is the supreme masterpiece of ancient Egyptian poetry. The poem is a fictional official’s autobiography, supposedly carved on the walls of his tomb, and his story forms a passionate probing of his culture’s ideals and anxieties. In a moment of panic Sinuhe flees Egypt at this death of his king. His adventures bring wealth and power, but his failure to find a meaningful life abroad is only redeemed by the new king’s mercy, and he finally returns home to be buried.

An annotated translation is in The Tale of Sinuhe and Other Ancient Egyptian Poems 1940–1640 BC (Oxford World’s Classics 1998).

This recording is part of The Tale of Sinuhe: A Reader’s Commentary (for the British Museum and Oxford University Ramesseum Papyri Project). With thanks to Karen Carey, Jenny Guest, Chris Hollings, Tim Reid and The Queen’s College, Oxford.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
Dar voz a poesia antiga egípcia - vídeo.

Como você capturar as ressonâncias de frases antigas que nada para o público moderno significam? Como você investir em com significado e emoção sem um conjunto de notas de rodapé explicativas que matam a espontaneidade? professor da Universidade de Oxford Richard Bruce Parkinson trabalhou com a atriz e escritora Barbara Ewing para gravar uma leitura dramática de uma das melhores obras de poesia Tale egípcia de Sinuhe.

Ostracon com as linhas finais do conto de Sinuhe. Tebas, 19a dinastia.

Compartilhe este artigo

Richard Bruce Parkinson, professor de Egiptologia da Universidade de Oxford e membro da faculdade da rainha, Oxford. 15 de março de 2017

Eu estou trabalhando em um novo comentário sobre o famoso poema do antigo Egito, The Tale of Sinuhe, qui me fascinou desde os meus tempos de escola. Narrativa Este, sobre conturbada história de vida de um funcionário foi escrito em aproximadamente 1850 aC e sobrevive em muitos manuscritos, incluindo uma em uma coleção de textos que foi enterrado em um túmulo no Luxor em volta de 1680 aC, e é agora conhecido como os papiros Ramesseum . Meu trabalho é mão do ano em curso se juntou a British Museum e do projeto da Universidade de Oxford na papiros Ramesseum Durante qui que-ter publicado fotografias novas da mão papiros em um catálogo on-line e em um DVD com o Museu Egípcio, em Berlim. Estou aussi Re-Examinando a cópia do poema no Museu Ashmolean, ajudada pela assistente de pesquisa Ann Gill, e (talvez o mais importante) a cada ano eu li o poema com os alunos, porque é um texto de graduação definido na Oxford Egiptologia corrida.

No entanto, enquanto comentários acadêmicas pode lidar facilmente com os detalhes técnicos de leitura dos manuscritos, das formas verbais ea lexicografia, o poema est Foi um trabalho extremamente emocional de arte. A fim de tentar capturar um sentido do que o poema pode-me senti como às TIC audiências originais - uma noção do que EM Forster denominado 'a união de sombra e inflexível que os homens chamam de poesia' - Eu já trabalhei com atores ao longo dos últimos década, incluindo Gary Pillai e Shobu Kapoor. Na maioria das vezes, eu trabalhei com um amigo muito bom, Barbara Ewing, que é um romancista histórico, bem como uma atriz, e assim Compreende bem como o egiptólogo quaisquer dificuldades que enfrentamos Ao lidar com textos antigos. Nós já trabalhou em vários Reino Médio juntos poemas, e ela leu minha accompagné inaugural na Universidade de Oxford qui era sobre um único verso de Sinuhe. Agora ela está gravada uma leitura completa de Sinuhe.

O problema com qualquer poesia é que é intraduzível, e Sinuhe agora é muito remota; Barbara disse que ela encontrou-se um desafio pedaços O máximo que ela já teve de lidar. Como você capturar as ressonâncias de frases antigas que nada para o público moderno significam? Como você investir em com significado e emoção sem um conjunto de notas de rodapé explicativas que matam a espontaneidade? Para mim, o ponto para que Barbara foi trazer suas habilidades para iluminar o poema, e para me ensinar o que poderia ser como em desempenho. Nós discutimos vários anos sobre isto, e quando começamos a ensaiar Barbara cavou mais fundo e mais fundo no texto. Nós só onça brigaram como uma linha pode ser entregue (estamos bastante teimosa Ambos, nenhum de nós cedeu, e estou muito contente com a solução que Atteint). A tradução que usamos foi baseada na que foi publicada em uma antologia Oxford Mundo Classics, propósito ela suggéré Várias pequenas troca para ajudar a um ouvinte moderno, geralmente esclarecer um pronome ou a inversão da ordem de dois versos. I aussi Várias pequenas alterações feitas para ajudar a esclarecer o sentido para os ouvintes não estão familiarizados com o plano de fundo antiga, como dizer 'Guerra-deus', em vez do nome do deus 'Montu'. Eu ficava perguntando meus amigos na faculdade, se algumas frases parecia natural para eles, para que nenhum dos que ele iria soar escrito em Egyptological-ese. Quando Sinuhe volta para casa e é re-integrado na sociedade egípcia, o cabelo recebe algum tipo de tratamento, denominando Qualquer um ou corte, e por isso, acabei perguntando 'o que você costuma pedir aos barbeiros? Que palavra que você usa? '

Barbara Ewing e Richard Professor Bruce Parkinson.

Sinuhe é bastante longo poema narrativo - Quase 600 versos - e eu acho que foi difícil transmitir sentido de mudar o ritmo e estrutura, entre as muitas outras obstáculos. Barbara foi determinado que não deverias falsamente som grandioso (como o filme terrível Hollywood do poema), e para mantê-lo muito interna e discreto, assim como o herói sofre uma série de crises emocionais e avarias. O poema: tem um monte de ação emocionante nele, apontá-lo aussi se move pelo subtexto: personagens conversam entre si objetivo significar muito mais do que eles realmente dizer, e ele lida com 'unrepeatedly grandes questões', levantando questões de motivação que ficaram por resolver . Tinha que haver uma sensação de coisas acontecendo sob a superfície.

Passamos três dias ensaiando em Londres, e em seguida Barbara cam para a gravação de um dia inteiro em um estúdio subterrâneo em Oxford University Media Services. No final do dia Nós fomos e olhou para a cópia do poema no Museu Ashmolean juntos. A gravação não editada, feita por Karen Casey durou uma hora e 46 minutos e incluiu repeties, de diversas variações e retoma. O corte final é de 41 minutos de duração e está disponível no site da Universidade de Oxford e iTunes podcast.

A vida de Sinuhe lido por Barbara Ewing. Traduzido por Richard Bruce Parkinson. Esta gravação é de de A Tale of Sinuhe: Comentário de um leitor (para o Museu Britânico e do Projeto Universidade de Oxford Ramesseum Papyri).

Minha frase favorita de todos é talvez quando patrono de Sinuhe, Rainha Nefru, grita em choque quando ela reconhece seu antigo serviço. Nós debatemos se Barbara shoulds adicionar um grito real (como ela fez na leitura inaugural sobre este verso) ou em vez respeitar estritamente as palavras do original, e tentar transmitir o choque com apenas as palavras do poema? Fizemos vários leva, objetivo quando ouvi a gravação não editada Não havia nenhuma dúvida para mim: as palavras de Barbara sozinho transmitiu a gritar-lo sem a necessidade de ser encenada.

É uma coisa para escrever sobre o desempenho de uma perspectiva teórica, é Comentários mais um golo para trabalhar com um ator. Eu aprendi muito sobre o poema de nossas sessões juntos, e meu único arrependimento é que um mês mais tarde, enquanto eu estava reexaminando fotografias de um dos papiros, vi uma nova solução para uma dificuldade gramatical de longa data, que significa que um derrama dos deveres de leitura realmente, tem um diferente ligeiramente tenso. Meta de tradução ou desempenho é nunca vai ser final. O que importa para mim, além de detalhes tese filológicos, é que tem Barbara encontrou uma voz para o coração deste poema antigo.

Quer ouvir mais? Ouça a leitura da inaugural Richard B. Parkinson como professor de Egiptologia, accompagné pela atriz e autora Barbara Ewing, sobre o poder emocional do famoso poema egípcio antigo The Tale of Sinuhe abaixo.

http://british.museumblog.org/giving-a-voice-to-ancient-egyptian-poetry/