Google+ Followers

quarta-feira, 12 de abril de 2017

PUBLICATION PRESENTS 10 YEARS OF PROGRAM THAT ENCOURAGES THE SAVALGUARDA CULTURAL PATRIMONY - Brazil. --- PUBLICAÇÃO APRESENTA 10 ANOS DE PROGRAMA QUE INCENTIVA A SAVALGUARDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL.

Since 2005, the Institute of National Historical and Artistic Heritage (Iphan) has developed a program that promotes and supports safeguard actions developed by society. The initiative carried out in the calls for proposals of the National Program of Intangible Heritage (PNPI) has completed a decade of activity and has contributed to disseminate and give visibility to the policy of safeguarding intangible cultural heritage. For its relevance, the Program entered the year 2011 in the UNESCO List of Best Safeguards Practices.

Programa Nacional do Patrimônio Imaterial

In order to make public and encourage other actions in favor of Cultural Heritage, the Department of Intangible Heritage (DPI-Iphan) gathered in two-volume publications the winning initiatives of the contest, including, among others, actions that fostered the transmission of knowledge; The constitution of collections; Conducting research; The institutional strengthening of public and private institutions for the management of assets.

The launch of the book, which is part of the Institute's 80th anniversary celebrations, will take place on April 12, during the 3rd Brazilian Meeting of Historic Tourism Cities and World Heritage, in Brasilia (DF).

The purpose of the publication is to provide access and disseminate exemplary practices, stimulating society to perform similar ones. Through agreements, a total of approximately R $ 7 million reais were invested in a period of one decade, which included 75 unpublished projects.

According to the president of Iphan, Kátia Bogéa, the PNPI's publications have contributed over the years to improve the management practices adopted by the Institute and its partner institutions. "At a local or regional level, these institutions become producers of knowledge and multiplying practices suitable for the preservation of intangible assets, especially as regards the incentive and the direct execution of patrimonial management by the owning communities," he says.

The projects can be presented by public or private non-profit institutions, always with the participation and prior informed consent of the communities involved and the institutions that represent them. They should focus on community safeguard activities and institutions, and create networks between the different institutional and social actors.

The director of the Department of Intangible Heritage (DPI-Iphan), Hermano Queiroz, emphasizes that the initiative has spread the diversity of intangible cultural heritage of the country and the dissemination of methodologies and technical knowledge, specifically those associated with inventories and cultural mapping.

This year, the edict will select ethnographic and artistic photographic series on the intangible assets recognized as Cultural Patrimony of Brazil, which portray the Cultural assets registered, their holders and the context of cultural practices. The Prize, which is named Mario de Andrade's Photography of Intangible Cultural Heritage of Brazil, will be released in the first half of 2017.

PNPI

The National Program of Intangible Heritage (PNPI), created through art. 8 of Decree no. 3551/2000, is the instance for implementing and executing the policy of Safeguarding intangible cultural heritage at the federal level. It has five lines of action, focused on: Research, documentation and information; Recognition and valuation; Sustainability; Promotion and Diffusion and Training; Institutional Strengthening. Learn more. Service:


Release Publication - PNPI
Date: April 12, 2017, at 09h
Place: Headquarters of the National Confederation of Municipalities - Brasília -DF
Original news source: IPHAN









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.
















--br
PUBLICAÇÃO APRESENTA 10 ANOS DE PROGRAMA QUE INCENTIVA A SAVALGUARDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL.

Desde 2005, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desenvolve um Programa que fomenta e apoia ações de salvaguarda desenvolvidas pela sociedade. A iniciativa concretizada nos editais do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI) completou uma década de atuação e tem contribuído para difundir e dar visibilidade à política de salvaguarda do patrimônio cultural imaterial. Por sua relevância, o Programa entrou no ano de 2011 na Lista da UNESCO de Melhores Práticas de Salvaguarda.

Para tornar pública e incentivar outras ações em prol do Patrimônio Cultural, o Departamento de Patrimônio Imaterial (DPI-Iphan) reuniu em publicação de dois volumes as iniciativas vencedoras do concurso, apresentando, dentre outras, ações que fomentaram a transmissão de saberes; a constituição de acervos; a realização de pesquisas; o fortalecimento institucional de instituições públicas e privadas para a gestão do patrimônio.

O lançamento do livro, que integra a programação celebrativa dos 80 anos do Instituto, ocorrerá no dia 12 de abril, durante o 3º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial, em Brasília (DF).

O objetivo da publicação é disponibilizar o acesso e difundir as práticas exemplares, estimulando a sociedade para a realização de outras semelhantes. Através de convênios, foram investidos no período de uma década aproximadamente R$ 7 milhões de reais, que contemplou 75 projetos inéditos.

Segundo a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, os Editais do PNPI têm contribuído ao longo dos anos para aprimorar as práticas de gestão adotadas pelo Instituto e por instituições parceiras. “Em nível local ou regional, estas instituições tornam-se produtoras de conhecimento e multiplicadoras de práticas adequadas à preservação do patrimônio imaterial, sobretudo no que tange ao incentivo e à execução direta da gestão patrimonial pelas próprias comunidades detentoras”, afirma.

Os projetos podem ser apresentados por instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos, sempre com a participação e consentimento prévio e informado das comunidades envolvidas e das instituições que as representam. Devem visar as atividades e as instituições de salvaguarda comunitárias, e criar redes entre os diferentes protagonistas institucionais e sociais.

O diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial (DPI-Iphan), Hermano Queiroz, destaca que a iniciativa tem difundido a diversidade do patrimônio cultural imaterial do país e para a divulgação demetodologias e conhecimentos técnicos, especificamente àqueles associados a inventários e mapeamentos culturais.

Neste ano, o edital irá selecionar séries fotográficas de cunho etnográfico e artístico sobre os bens imateriais reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil, que retratem os bens culturais Registrados, seus detentores e o contexto de realização das práticas culturais. O Prêmio, que tem o nome de Mario de Andrade de Fotografia do Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, será lançado no primeiro semestre de 2017.

PNPI

O Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI), criado por meio do art. 8° do Decreto nº 3551/2000, é a instância de implantação e execução da política de Salvaguarda do patrimônio cultural imaterial em nível federal. Possui cinco linhas de atuação, voltadas para: Pesquisa, documentação e informação; Reconhecimento e valorização; Sustentabilidade; Promoção e Difusão e Capacitação e; Fortalecimento Institucional. Saiba mais.Serviço:

Lançamento Publicação – PNPI
Data: 12 de abril 2017, às 09h
Local: Sede da Confederação Nacional dos Municípios – Brasília -DF
Fonte original da notícia: IPHAN

New York : nouveau musée pour visiter le monde en miniaturesm. --- New York: new museum to visit the world in miniaturesm. --- New York: New Museum para visitar a miniaturesm mundo.

Aux dizaines de musées de New York, s'ajoute maintenant 'Gulliver's Gate', une incursion sur le créneau des mondes miniatures, avec une reconstitution riche en détails des lieux emblématiques de cinquante pays, de la Cité interdite de Pékin, au Saint-Sépulcre de Jérusalem, en passant par la baie de Rio.



Ce nouveau monde de lilliputiens, qui aura coûté quelque 40 millions de dollars et quatre ans de méticuleuse reconstitution, ouvrira formellement le 9 mai sur la 44e rue, tout près de Times Square.

Les centaines d'artistes impliqués dans le projet 'Gulliver' ont tout fait pour rendre les reconstitutions plus vivantes que jamais.

Dans celle de Manhattan, on peut voir la police intervenir pour un accident de la route, et à Londres, choisir qui des Clash, d'Adele ou des Beatles donnera un concert en plein air.

Des avions décolleront aussi de cet aéroport miniature et des centaines de trains et des milliers de voitures circuleront à travers ce décor de quelque 4.500 m2.

Les propriétaires attendent près d'un million de visiteurs par an - à peu près le même nombre de visiteurs que revendique le musée "miniatur-wunderland" de Hambourg, en Allemagne, où un réseau de trains électriques défilent là aussi dans un monde miniaturisé parmi les plus réputés au monde.

En comparaison, le célèbre musée du 'Met', situé sur Central Park, a enregistré l'an dernier quelque 6,7 millions de visiteurs.

"Ce n'est qu'un début", a assuré le co-fondateur du projet Michael Langer. "Nos équipes sont déjà en train de fabriquer de nouvelles régions et de nouveaux pays".

L'entrée est fixée à 36 dollars par adulte à l'entrée et 32 dollars en ligne. Et pour 44 dollars de plus, les visiteurs pourront être scannés et voir leur avatar miniature en 3D s'ajouter aux quelque 100.000 figurines déjà présentes dans le décor.


Un modèle miniature de Times Square, une partie de Gulliver's Gate, un monde miniature recréé dans un espace d'exposition de 4.500 m2 tout près de Times Square, le 10 avril 2017 à New York (AFP/TIMOTHY A. CLARY)


Les visiteurs de l'avant-première semblaient ravis: "ils ont beaucoup de concurrence, mais je n'ai jamais rien vu de pareil", s'est réjoui Michael Rubin, 67 ans, une ex-star de la radio.

"Parmi les choses à faire à New York, j'adore", s'est enthousiasmé Meggie Sullivan, une jeune nounou de 28 ans qui accompagnait une fillette de huit ans. "Je n'ai jamais vu certains des endroits qui sont montrés ici, alors j'aimerais vraiment les regarder de près".












Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.














--in via tradutor do google
New York: new museum to visit the world in miniaturesm.

In addition to the dozens of New York museums, Gulliver's Gate, an incursion into the world of miniature worlds, with a detailed reconstruction of the emblematic places of fifty countries, from the Forbidden City of Beijing, to the Holy Sepulcher From Jerusalem, through the bay of Rio.

This new world of Lilliputians, costing some $ 40 million and four years of meticulous replenishment, will formally open May 9 on 44th Street, very close to Times Square.

The hundreds of artists involved in the 'Gulliver' project have done their utmost to make the re-enactments livelier than ever.

In Manhattan, you can see the police intervene for a road accident, and in London, choose which of Clash, Adele or the Beatles will give an outdoor concert.

Planes will also take off from this miniature airport and hundreds of trains and thousands of cars will circulate through this scenery of some 4,500 m2.

The owners expect close to one million visitors per year - roughly the same number of visitors as the miniatur-wunderland museum in Hamburg, Germany, where a network of electric trains run through a miniaturized world The most famous in the world.

In comparison, the famous Met museum, located on Central Park, last year registered some 6.7 million visitors.

"This is just the beginning," said co-founder Michael Langer. "Our teams are already building new regions and countries."

Admission is $ 36 per adult at the entrance and $ 32 online. And for 44 dollars more, visitors will be able to be scanned and to see their miniature avatar in 3D add to the 100.000 figurines already present in the decoration.

The visitors of the preview seemed delighted: "They have a lot of competition, but I've never seen anything like it," said Michael Rubin, 67, a former radio star.

"Among the things to do in New York, I love it," enthused Meggie Sullivan, a 28-year-old nanny who was accompanying an eight-year-old girl. "I've never seen some of the places that are shown here, so I'd really like to look at them closely."
















--br via tradutor do google
New York: New Museum para visitar a miniaturesm mundo.

Para dezenas de museus em Nova York, agora é adicionado Portão de Gulliver', uma incursão sobre o nicho de mundos em miniatura com a reconstituição ricos detalhes lugares emblemáticos cinqüenta países, a Cidade Proibida de Pequim, ao Santo Sepulcro de Jerusalém, através da baía do Rio.

Este novo mundo de liliputianos, que vai custar cerca de US $ 40 milhões e quatro anos de restauração meticulosa, abrir formalmente em 9 de maio na rua 44, perto de Times Square.

Centenas de artistas envolvidos no projeto 'Gulliver' fez de tudo para torná-los mais vivo do que nunca reconstruções.

Em uma de Manhattan, pode-se ver a polícia intervir para um acidente de viação, e Londres, que escolher o Clash, Adele e The Beatles vai dar um concerto ao ar livre.

Aeronave também tirar a partir deste aeroporto e miniatura trens e centenas de milhares de carros circular por essa configuração de cerca de 4.500 m2.

Os proprietários esperam que cerca de um milhão de visitantes por ano - aproximadamente o mesmo número de visitantes como o museu possui "Miniatur Wunderland-" em Hamburgo, Alemanha, onde um desfile rede trem elétrico novamente em um mundo em miniatura entre o mais famoso no mundo.

Em comparação, o famoso museu do 'Met', localizado no Central Park, registrou no ano passado cerca de 6,7 milhões de visitantes.

"Este é apenas o começo", garantiu o co-fundador do projeto, Michael Langer. "Nossas equipes já estão fazendo novas regiões e novos países."

A admissão é fixado em US $ 36 por entrada adulto e US $ 32 online. E por 44 dólares a mais, os visitantes serão digitalizados e ver a sua miniatura disso avatar 3D para cerca de 100.000 números já na decoração.

Visitantes para a estréia parecia satisfeito: "Eles têm muita concorrência, mas eu nunca vi nada parecido", congratulou-se Michael Rubin, 67, um ex-astro do rádio.

"Entre as coisas para fazer em Nova York, eu amo isso", entusiasmou Meggie Sullivan, um jovem babá de 28 anos que acompanha uma menina de oito anos de idade. "Eu nunca vi alguns dos lugares que são mostrados aqui, então eu realmente olhar de perto."

Brazilian culture - Candomblé. Documentary What I Learned from My Older Will Be Exhibited at the Lugar de Mulher é no Cinema show. --- Cultura brasileira - Candomblé. Documentário Do que Aprendi com Minhas mais Velhas será exibido na mostra Lugar de Mulher é no Cinema.

Unpublished, medium-length film talks about tradition, love and religiosity.

Documentário Do que Aprendi com minhas mais Velhas (Foto: Thiago Gomes/divulgação)


The documentary Do I Learned with My Oldest, directed and produced by Fernanda Júlia Onisajé and Susan Kalik, with script by Susan Kalik and production of Modupé Producer, will be shown for the first time in Bahia, Brazil, at the Mostra Lugar de Mulher é no Cinema .

Produced through the affirmative Short 2014: Protagonism of Afro-Brazilian Filmmakers in Audiovisual Production, Ministry of Culture, the medium-length has already been shown at the 3rd Feminine Film Show (2017) in Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. Also in 2017, will integrate the 11th Mostra Cinema and Human Rights, which will take place in the 26 Brazilian capitals and in the Federal District.

Synopsis What I learned from my elders is a documentary about how faith in Candomblé is transmitted from generation to generation. Nenguas, Yalorixás and Egbomis tell how they learned from their elders and how they teach their children. "The oldest one was the one that went most of the way. It is a reference of understanding and wisdom. It is a mediator between the younger, the deities and the teachings of the initiatory process. It is through the experience of these Yás that we are the youngest to learn, "explains Fernanda Júlia, who directs her first documentary and is currently theatrical director and playwright of the Afro-Brazilian Theater Center of Alagoinhas - Nata.

The documentary arises from the questioning regarding the birth of the faith in candomblé. "I've been working with candomblé for 7 years, since joining Nata. From then on I have observed the strength, love and faith of this ancient religion and how these women, the Nenguas, Yalorixás and Egbomis are the basis of the conservation and transmission of these knowledge. This gives rise to the desire to know how they learned from their elders and how they teach their young ones, "says Susan Kalik, who is also a producer and director at Modupé Produtora, a company with other projects related to Candomblé and Afro-Brazilian Ancestry.

Show - The show Lugar de Mulher is in the Cinema is held by the producers Segredo Filmes, Olho de Vidro Produções and Moara Rocha Productions and presents in its first edition short fiction, documentary, animation, experimental and hybrid, of up to 20 minutes in length, Led by women and / or women as protagonists. In this first edition, which will take place in the Sala Walter da Silveira from Saturday (8) to Tuesday, the honoree is Mônica Simões, a Bahian multimedia filmmaker and artist.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br
Cultura brasileira - Candomblé. Documentário Do que Aprendi com Minhas mais Velhas será exibido na mostra Lugar de Mulher é no Cinema.

Inédito, média-metragem fala sobre tradição, amor e religiosidade.

O documentário Do que Aprendi com Minhas mais Velhas, dirigido e produzido por Fernanda Júlia Onisajé e Susan Kalik, com roteiro de Susan Kalik e produção da Modupé Produtora, será exibido pela primeira vez na Bahia, Brasil, na Mostra Lugar de Mulher é no Cinema.

Produzido através do edital Curta afirmativo 2014: Protagonismo de Cineastas Afro-brasileiros na Produção Audiovisual, do Ministério da Cultura, o média-metragem o já foi exibido na 3ª Mostra de Cinema Feminista (2017), em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Ainda em 2017, integrará a 11ª Mostra Cinema e Direitos Humanos, que ocorrerá nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal.

Sinopse Do que aprendi com minhas mais velhas é um documentário sobre como a fé no Candomblé é transmitida de geração em geração. Nenguas, Yalorixás e Egbomis contam como aprenderam com seus mais velhos e como ensinam aos seus mais novos. “A mais velha foi aquela que percorreu maior parte do caminho. É referência de entendimento e sabedoria. É mediadora entre os mais novos, as divindades e os ensinamentos do processo iniciático. É por meio da experiência dessas Yás que nós mais novos aprendemos”, explica Fernanda Júlia, que dirige seu primeiro documentário e, atualmente, é diretora teatral e dramaturga do Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas – Nata.

O documentário surge do questionamento em relação ao nascimento da fé no candomblé. “Trabalho com candomblé há 7 anos, desde que ingressei no Nata. A partir de então, tenho observado a força, o amor e a fé desta religião ancestral e de como essas mulheres, as Nenguas, Yalorixás e Egbomis são a base da conservação e da transmissão desses saberes. Nasce assim o desejo de saber como elas aprenderam com suas mais velhas e de como ensinam aos seus mais novos”, conta Susan Kalik, que também é produtora e diretora na Modupé Produtora, empresa com outros projetos ligados ao Candomblé e Ancestralidade Afro-brasileira.

Mostra - A mostra Lugar de Mulher é no Cinema é realizada pelas produtoras Segredo Filmes, Olho de Vidro Produções e Moara Rocha Produções e apresenta em sua primeira edição curtas de ficção, documentário, animação, experimental e híbrido, de até 20 minutos de duração, dirigidos por mulheres e/ou com mulheres como protagonistas. Nesta primeira edição, que ocorrerá na Sala Walter da Silveira de sábado (8) a até terça, a homenageada é Mônica Simões, cineasta e artista multimídia baiana.