Google+ Followers

sábado, 6 de maio de 2017

A Visit to the Fairfield Museum & History Center with Kids. --- Uma Visita ao Museu Fairfield e Centro de História com Crianças.


History museums can be dry toast for kids—or a favorite destination, if there’s a good interactive component. The Fairfield Museum and History Center may not be big on square footage dedicated to kids, but it tells Fairfield’s history with cool artifacts, dress up, and climb-on displays that kids adore. After the kids fall in love with this little gem of a museum, check out the other popular museums for kids in Connecticut and other fun neighborhood activities in Fairfield.




This museum sits in the center of Fairfield’s historic district, tucked away off Beach Road. It’s relatively new, having only opened in 2007. For a rainy day, your main activity will be in the museums long-term exhibit: Creating Community: Exploring 375 Years of Our Past.


My kids love crawling through the makeshift wigwam, pretending to build a fire, and climbing up the reproduction fort to raise the flag.

The museum keeps a chestful of themed dress-up hats, dresses, jackets and accessories that immediately get the kiddos into the part. The exhibit packs a lot in a small space, traveling in time from the early 1600s when Fairfield was settled, to modern day. There are heaps of placards to read about everyone from Harvard-educated native Wampas to Mary Silliman and Oliver Burr Jennings. As with any local history museum, the surprise is learning about the real people behind the many familiar names in the area: Unquowa, Pequot, Paugusset, Mohegan, Audubon, and Jennings to name a few. But the kids probably won’t bother reading too much; they will be busy launching cannonballs, loading baskets with beans and onions, and swapping bonnets.


My kids can kill about an hour in the main exhibit. Then we take a peek at the two other gallery spaces, which have different exhibits regularly, usually more themed for grown ups. However, we always schedule a visit in December, to check out the museum’s annual Holiday Express Train Show. The kids LOVE it.
Enjoying Museum Grounds & Beyond

On a nice day, plan to include a picnic outside on the museum’s pretty green commons. There are just a few tables, so bring a blanket in case. Afterwards, you can take a short, self-guided walking tour of the historic area (map available at the information desk). The tour focuses on the town’s original “four-square” plan, including the impressive Burr Homestead and Mansion, the Old Burying Ground, and the Sun Tavern. During the warmer months, you might get lucky and find some of the old buildings open for a visit.

The museum staff is welcoming and helpful, and there's even a little gift shop to visit for a souvenir. If the kids enjoy it, the museum offers summer camps for ages four to 13. While you are parked at the museum, keep walking to explore the area. For a local, fun bite of lunch (smoothie or coffee), kids are warmly welcomed at Las Vetas Lounge. Or add a second stop to your day with a trip to the children's department of the Fairfield Library. If you are in need of more outside time, take a 15 minute walk to Jennings Beach, via the Sandcastle Playground. 

Whatever you plan, a trip to Fairfield's historic town center is well worth it!

370 Beach Road, Fairfield (203) 259‑1598, EUA
Photos courtesy of Elizabeth G. Howard









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.




--br via tradutor do google
Uma Visita ao Museu Fairfield e Centro de História com Crianças



Os museus de história podem ser torradas secas para crianças - ou um destino favorito, se houver um bom componente interativo. O Fairfield Museum and History Center pode não ser grande em metragem quadrada dedicada a crianças, mas ele conta a história de Fairfield com artefatos cool, vestir-se, e subir-em exibe que as crianças adoram. Depois que as crianças caem no amor com esta pequena jóia de um museu, confira os outros museus populares para crianças em Connecticut e outras atividades de bairro divertido em Fairfield.



Este museu fica no centro do bairro histórico de Fairfield, escondido fora da estrada da praia. É relativamente novo, tendo aberto apenas em 2007. Para um dia chuvoso, sua principal atividade será na exposição de longo prazo museus: Criando Comunidade: Explorando 375 anos de nosso passado.

Meus filhos amor rastejo através do wigwam improvisado, fingindo construir um incêndio, e subir o forte reprodução para levantar a bandeira.



O museu mantém um chestful de themed dress-up chapéus, vestidos, casacos e acessórios que imediatamente obter o kiddos na parte. A exposição embala muito em um espaço pequeno, viajando no tempo do 1600s adiantado quando Fairfield foi estabelecido, ao dia moderno. Há montes de cartazes para ler sobre todos, de Wampas nativos educados em Harvard a Mary Silliman e Oliver Burr Jennings. Como acontece com qualquer museu de história local, a surpresa é aprender sobre as pessoas reais por trás de muitos nomes familiares na área: Unquowa, Pequot, Paugusset, Mohegan, Audubon e Jennings para citar alguns. Mas os miúdos provavelmente não incomodarão ler demasiado; Eles estarão ocupados lançando balas de canhão, carregando cestos com feijão e cebola, e trocando gorros.

Meus filhos podem matar cerca de uma hora na exposição principal. Em seguida, dê uma olhada nos dois outros espaços de galeria, que têm exposições diferentes regularmente, geralmente mais temáticos para adultos. No entanto, sempre agendar uma visita em dezembro, para verificar o museu anual Holiday Express Train Show. As crianças adoram.
Desfrutando do Jardim do Museu e além

Em um dia agradável, planeje incluir um piquenique fora nos bosques verdes bonitos do museu. Há apenas algumas mesas, então, traga um cobertor no caso. Depois, você pode fazer um curto passeio auto-guiado da área histórica (mapa disponível no balcão de informações). A turnê se concentra no plano original da cidade de quatro quadrados, incluindo o impressionante Burr Homestead e Mansion, o Old Burying Ground e a Sun Tavern. Durante os meses mais quentes, você pode ter sorte e encontrar alguns dos edifícios antigos abertos para uma visita.

A equipe do museu é acolhedora e prestativa, e há ainda uma pequena loja de presentes para visitar para uma lembrança. Se as crianças gostam, o museu oferece acampamentos de verão para as idades de quatro a 13. Enquanto estiver estacionado no museu, continue a pé para explorar a área. Para um local, mordida de diversão do almoço (smoothie ou café), as crianças são calorosamente recebidos no Las Vetas Lounge. Ou adicione uma segunda parada para o seu dia com uma viagem para o departamento de crianças da Fairfield Library. Se você precisar de mais fora tempo, pegue a 15 minutos de caminhada até Jennings Beach, via Sandcastle Playground.

Seja qual for o seu plano, uma viagem ao centro histórico da cidade de Fairfield vale bem a pena!

370 Beach Road, Fairfield (203) 259-1598
Fotos cortesia de Elizabeth G. Howard




A Major Exhibition Recasts the Influence of Italian Sculptor Medardo Rosso. --- Uma grande exposição refaz a influência do escultor italiano Medardo Rosso.

Peers like Auguste Rodin may have overshadowed Rosso, but time has vindicated him as a decisive contributor to the birth of Modernism.





Medardo Rosso, “Enfant malade (Sick Child)” (1893–95), bronze, 10 x 5 3/4 x 6 1/2 inches, Galleria d’Arte Moderna, Milano (all images courtesy Pulitzer Arts Foundation).

ST. LOUIS — An extensive study of the little-known turn-of-the-century Italian sculptor Medardo Rosso, Experiments in Light and Form, now on view at the Pulitzer Arts Foundation in St. Louis, does the important work of rescuing specificity from history. I fell in love with each of Rosso’s sculptures individually, as well as the way architecture by Tadao Ando held the difficult forms lightly on their pedestals, giving each work more than enough space to tell its story. Rosso’s sculptures run the gamut of sensations, from evil to angelic, while maintaining an uneasy chiaroscuro abstraction. Peers like Auguste Rodin may have overshadowed Rosso, but time has vindicated him as a decisive contributor to the birth of Modernism.

Medardo Rosso: Experiments in Light and Form, installation view (photograph by Jim Corbett © 2016 Alise O’Brien Photography).

Medardo Rosso: Experiments in Light and Form, installation view (photograph by Jim Corbett © 2016 Alise O’Brien Photography)

Rosso falls into the stereotype of an “artist’s artist.” Experts on his work hypothesize that he wasn’t just influential in the Parisian avant-garde during the emergence of Modernism, but that he also had a productive impact on artists like Pablo Picasso, Constantin Brancusi, and Henri Matisse. Brancusi’s slick and elegant sculptural forms echo famous works by Rosso, like “Enfant Malade” (1893–95) and “Madame X” (1896). Matisse and Picasso’s gestures and textures with oil paint mirror the surfaces of Rosso’s rough edges.

Prior to an extensive exhibition at the Center for Italian Modern Art in 2014, Rosso hadn’t been featured in a major US show in more than 50 years, since his 1963 show at the Museum of Modern Art in New York. Meanwhile, Brancusi’s “La Muse Endormie” (1913) is scheduled for auction at Christie’s for an estimated $20 to $30 million in a few weeks. Once the connection is made, it’s impossible not to see Rosso’s sculpture of the sick child in Brancusi’s bust with the same angular, lean features, Brancusi’s lovingly rendered muse reflecting the soft oblong face of the ailing youngster. Walking through the galleries at the Pulitzer, I kept thinking of the textures in Käthe Kollwitz’s charcoal portraits and woodcuts of abstracted, everyday suffering. How far-reaching was this unsung hero’s influence?.

Medardo Rosso, “Henri Rouart” (late 1889–90), bronze, 67 15/16 x 27 15/16 x 19 11/16 in with pedestal, Kunstmuseum Winterthur, donated by the Galerieverein, 1964 (photograph by TeAnne Chartrau © 2016 Alise O’Brien Photography).
Medardo Rosso “Enfant au sein (Child at the Breast)” (late 1889–90), bronze, 19 3/4 x 17 3/4 x 7 7/8 in, Museo Medardo Rosso.

Medardo Rosso: Experiments in Light and Form, installation view (photograph by Jim Corbett © 2016 Alise O’Brien Photography).


Rosso’s “Madame Noblet” (1897), cast in plaster, demonstrates how his work needs to be circumnavigated by the viewer to be appreciated in its fullness. The front of the sculpture, a figure rendered almost unrecognizable in clay, bears likeness to the emotionally charged charcoal gestures in portraits by Kollowitz. Long abrasions are left where the artist used his fingers to carve out big pieces of clay from the woman’s face. The form is even more voluptuously material from behind, where the figure of Madame Noblet has all but disappeared. The immediacy with which Rosso stacked blocks of clay to wrestle out an image is preserved in the cast. He was violently, unapologetically experimental, and the result is work that requires patience to fully appreciate.

Medardo Rosso, “Madame Noblet” (c. 1897–98), 
plaster, 25 1/2 x 20 3/4 x 18 in, Museo Medardo Rosso

The show’s title is didactic and self-evident, but it’s true that Rosso was obsessed with light and experimentation. The drawings and photos on view, many of which have never been exhibited before, offer glimpses into the artist’s vision for his works, which were created to be exhibited under obsessively strict lighting conditions. In his studio, Rosso cast and recast, exhibiting wax forms from lost-wax casts — what is normally “lost” in the process — as final works, purposefully creating unfinished edges and imperfections in bronze and plaster. He photographed or sketched the works over and over with different light, sometimes even photographing his own drawings and reprinting them with different papers and cropping.

Medardo Rosso, “Une conversation (A Conversation)” (1892–99), plaster, 13 3/4 x 26 1/4 x 16 in, Museo Medardo Rosso.

Medardo Rosso: Experiments in Light and Form, installation view (photograph by TeAnne Chartrau © 2016 Alise O’Brien Photography).

Medardo Rosso: Experiments in Light and Form, 
installation view (© 2016 Alise O’Brien Photography)


These and many other secrets are revealed by Sharon Hecker and Tamara H. Schenkenberg’s curating, which deserves recognition for its restraint and precision. Museology tends to be an underappreciated art, because when exhibition design is at its finest, it goes unnoticed: The show opens up to the viewer and takes them by the hand, keeping them unaware that they’re being led. Here, the combination of Rosso’s humble sculptures — which demand a wide radius despite their subtle scale — Ando’s grand architecture, and Hecker and Schenkenberg’s curatorial vision made me want to dance around the museum, trying to see each piece from every possible angle.

The Pulitzer’s pitch-perfect galleries are a regional treasure, providing a strong argument for major exhibition spaces outside of crowded metropolises where space is expensive and galleries are often overhung as a result. When over-curating reigns supreme, both the artworks and the architecture can suffer catastrophically from a “the more the merrier” approach. Getting out of the city and discovering an exhibition space like the Pulitzer presenting such an outstanding show — and truly giving it room to breathe — is exciting for the possibilities of world-class institutions off the beaten path.

Medardo Rosso, “Ecce puer (Behold the Child)” (1906), bronze with plaster investment, 17 1/4 x 14 1/4 x 13 inches, private collection (photograph by Robert Pettus).

Medardo Rosso: Experiments in Light and Form, installation view (photograph by Jim Corbett © 2016 Alise O’Brien Photography)/


Medardo Rosso: Experiments in Light and Form continues at the Pulitzer Arts Foundation (3716 Washington Boulevard) until May 13.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google
Uma grande exposição refaz a influência do escultor italiano Medardo Rosso.

Pares como Auguste Rodin podem ter ofuscado Rosso, mas o tempo o vindicou como um contribuinte decisivo para o nascimento do Modernismo.

Medardo Rosso, Enfant malade (1893-95), bronze, 10 x 5 3/4 x 6 1/2 polegadas, Galleria d'Arte Moderna, Milano (todas as imagens cedidas pela Pulitzer Arts Foundation)

ST. LOUIS - Um extenso estudo do pouco conhecido bastidor italiano Medardo Rosso, experimentos em luz e forma, agora em exibição na Fundação de Artes Pulitzer em St. Louis, faz o importante trabalho de resgatar a especificidade da história . Eu me apaixonei por cada uma das esculturas de Rosso individualmente, assim como a maneira pela qual a arquitetura de Tadao Ando segurou as formas difíceis levemente em seus pedestais, dando cada trabalho mais do que bastante espaço para contar sua história. As esculturas de Rosso correm toda a gama de sensações, do mal para o angélico, ao mesmo tempo em que mantêm uma desconfortável abstração de chiaroscuro. Pares como Auguste Rodin podem ter ofuscado Rosso, mas o tempo o vindicou como um contribuinte decisivo para o nascimento do Modernismo.


Medardo Rosso: Experiências em Luz e Forma, vista de instalação (fotografia de Jim Corbett © 2016 Alise O'Brien Photography)


Rosso cai no estereótipo do "artista de um artista". Especialistas em sua obra supõem que ele não era apenas influente na vanguarda parisiense durante o surgimento do Modernismo, mas também teve um impacto produtivo em artistas como Pablo Picasso, Constantin Brancusi e Henri Matisse. As elegantes formas escultóricas de Brancusi ecoam obras famosas de Rosso, como "Enfant Malade" (1893-95) e "Madame X" (1896). Os gestos e texturas de Matisse e Picasso com pintura a óleo espelham as superfícies das bordas ásperas de Rosso.

Antes de uma exposição extensa no Centro de Arte Moderna Italiana em 2014, Rosso não tinha sido apresentado em um grande show dos EUA em mais de 50 anos, desde o seu show de 1963 no Museu de Arte Moderna de Nova York. Enquanto isso, "La Muse Endormie" de Brancusi (1913) está agendada para leilão na Christie's por um valor estimado de US $ 20 a US $ 30 milhões em poucas semanas. Uma vez que a conexão é feita, é impossível não ver a escultura de Rosso da criança doente no busto de Brancusi com os mesmos traços angulosos, magros, a musa amorosamente rendida de Brancusi refletindo o rosto oblongo suave do jovem doente. Percorrendo as galerias do Pulitzer, fiquei pensando nas texturas dos retratos de carvão vegetal de Käthe Kollwitz e em xilogravuras de sofrimento cotidiano abstraído. Quão abrangente era a influência desse herói desconhecido?


Medardo Rosso, "Henri Rouart" (final de 1889-90), bronze, 67 15/16 x 27 15/16 x 19 11/16 com pedestal, Kunstmuseum Winterthur, doado pela Galerieverein, 1964 (fotografia de TeAnne Chartrau © 2016 Alise O'Brien Fotografia)

Medardo Rosso "Enfant au sein" (final 1889-90), bronze, 19 3/4 x 17 3/4 x 7 7/8 in, Museu Medardo Rosso

Medardo Rosso: Experiências em Luz e Forma, vista de instalação (fotografia de Jim Corbett © 2016 Alise O'Brien Photography)

"Madame Noblet" de Rosso (1897), moldada em gesso, demonstra como seu trabalho precisa ser circumnavigado pelo espectador para ser apreciado em sua plenitude. A frente da escultura, figura quase irreconhecível em barro, tem semelhança com os gestos de carvão carregados emocionalmente em retratos de Kollowitz. As abrasões longas são deixadas onde o artista usou seus dedos para cinzelar para fora grandes pedaços de argila do rosto da mulher. A forma é ainda mais voluptuosamente material por trás, onde a figura de Madame Noblet quase desapareceu. O imediatismo com que Rosso empilhou blocos de argila para lutar para fora uma imagem é preservado no elenco. Ele foi violentamente, sem remorso experimental, eo resultado é um trabalho que requer paciência para apreciar plenamente.


Medardo Rosso, "Madame Noblet" (1897-98), gesso, 25 1/2 x 20 3/4 x 18 in, Museu Medardo Rosso

O título do show é didático e auto-evidente, mas é verdade que Rosso estava obcecado com a luz e a experimentação. Os desenhos e fotos em exibição, muitos dos quais nunca foram exibidos antes, oferecem vislumbres na visão do artista para suas obras, que foram criados para ser exibido sob condições de obsessiva rigorosa iluminação. Em seu estúdio, Rosso lançou e reformulou, exibindo formas de cera de cera perdida - o que normalmente é "perdido" no processo - como obras finais, criando propositalmente bordas inacabadas e imperfeições em bronze e gesso. Ele fotografava ou esboçava os trabalhos uma e outra vez com luz diferente, às vezes até fotografando seus próprios desenhos e reimprimindo-os com papéis e culturas diferentes.


Medardo Rosso, "Uma conversação" (1892-1899), gesso, 13 3/4 x 26 1/4 x 16 in, Museu Medardo Rosso

Medardo Rosso: Experiências em Luz e Forma, visão de instalação (fotografia de TeAnne Chartrau © 2016 Alise O'Brien Photography)



Estes e muitos outros segredos são revelados por Sharon Hecker e Tamara H. Schenkenberg de curadoria, que merece reconhecimento por sua contenção e precisão. A museologia tende a ser uma arte subestimada, porque quando o design da exposição está no seu melhor, passa despercebido: o show se abre para o espectador e os toma pela mão, mantendo-os sem saber que eles estão sendo conduzidos. Aqui, a combinação das esculturas humildes de Rosso - que exigem um grande raio apesar da sua escala sutil - a arquitectura grandiosa de Ando ea visão curatorial de Hecker e Schenkenberg me fizeram querer dançar ao redor do museu, tentando ver cada peça de todos os ângulos possíveis.

As galerias perfeitas do Pulitzer são um tesouro regional, proporcionando um forte argumento para grandes espaços de exposição fora das metrópoles lotadas onde o espaço é caro e as galerias são muitas vezes superadas como resultado. Quando over-curating reina supremo, tanto as obras de arte ea arquitetura pode sofrer catastróficamente de uma abordagem "o mais o melhor". Sair da cidade e descobrir um espaço de exposição como o Pulitzer apresentando um espetáculo tão notável - e realmente dar-lhe espaço para respirar - é emocionante para as possibilidades de instituições de classe mundial fora do caminho batido.

Medardo Rosso, "Ecce puer (Behold a Criança)" (1906), bronze com investimento em gesso, 17 1/4 x 14 1/4 x 13 polegadas, coleção privada (fotografia de Robert Pettus)

Medardo Rosso: Experiências em Luz e Forma, vista de instalação (fotografia de Jim Corbett © 2016 Alise O'Brien Photography)


Historical Museum of the University of São Paulo Medical School, USP. --- Museu Histórico da Faculdade de Medicina Universidade São Paulo, USP.

Created in 1977 as "Historical Museum of the Faculty of Medicine", the organ assumed the denomination of Historical Museum "Prof. Carlos da Silva Lacaz "in 1993, in honor of the founder and its director for life until 2002, year of death of this physician and researcher in the area of ​​Microbiology and Medical Mycology. The museum project was carried out on a private basis, but with the support of the medical elite of São Paulo and a significant part of the professors and students of the Faculty itself.


From then on, he devoted himself to collecting materials that could translate an "official" medical and institutional history, supported by the conception of a linear historical trajectory, progressive and extremely spiked by figures and heroic deeds. Parallel to this, the Historical Museum was able to group a vast collection of documents, prioritizing the early days of medical institutionalization in São Paulo, varying from groups and specialties, based on the criteria attributed solely by its director.


In this direction, the death of Prof. Carlos da Silva Lacaz in 2002 opened a gap in relation to the power space previously occupied by the former director. The Museum's administrative structure, which until then was directly subordinated to the board of directors, was transferred to the Committee on Culture and Extension (CCEx), and since then, the Museum has undergone a profound process of redefining its characteristics and functions.



As of 2007, the Commission for Culture and University Extension (CCEx), chaired by Prof. Dr. José Ricardo C. Ayres, created the Museum Subcommittee responsible for giving new institutional directions to the Historical Museum. With the institutional and unrestricted support of the Director of the Faculty of Medicine, Prof. Dr. Marcos Boulos, of the Director of the Faculty of Medicine Foundation, Prof. Dr. Flávio Fava de Morais, an extensive work was coordinated in the direction of the infrastructure revitalization and the museological activities of the Historical Museum. It should be remembered that in the process of infrastructural revitalization of the Historical Museum, there was the participation of Banco Santander through its Universities Project.


In order to follow up on the infrastructural reform of the Historical Museum, as well as the introduction of the regimental changes and the constitution of the new attributions in the areas of research, museology and education, the historians André Mota (Coordinator of the Historical Museum) were hired Maria Gabriela SMC Marinho (Researcher).


Address: Av. Dr. Arnaldo, 455 - Cerqueira César, São Paulo - São Paulo, Brazil.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br

Criado em 1977 como “Museu Histórico da Faculdade de Medicina”, o órgão assumiu a denominação de Museu Histórico “Prof. Carlos da Silva Lacaz” em 1993, em homenagem ao fundador e seu diretor vitalício até 2002, ano de falecimento desse médico e pesquisador da área de Microbiologia e Micologia Médica. O projeto museológico instituído se deu em bases privadas, mas com apoio da elite médica paulista e de parte significativa dos professores e alunos da própria Faculdade.

Dedicou-se a partir de então em reunir materiais, que conseguissem traduzir uma “história oficial” médica e institucional, apoiado na concepção de uma trajetória histórica linear, progressiva e extremamente cravada por vultos e feitos heróicos. Paralelamente a isso, o Museu Histórico foi capaz de agrupar um vasto acervo documental, com prioridade aos primeiros tempos da institucionalização médica em São Paulo, variando de grupos e especialidades, a partir dos critérios atribuídos unicamente por seu diretor.

Nesta direção, a morte do Prof. Carlos da Silva Lacaz em 2002 abriu um hiato em relação ao espaço de poder ocupado anteriormente pelo ex-diretor. A estrutura administrativa do Museu, que até então estava diretamente subordinada à diretoria foi transferida para a Comissão de Cultura e Extensão (CCEx), e desde então, o Museu passou a vivenciar um profundo processo de redefinição de suas características e funções.

A partir do ano de 2007, a Comissão de Cultura e Extensão Universitária (CCEx), presidida pelo Prof. Dr. José Ricardo C. M. Ayres, criou a Sub-comissão de Museus responsável por dar novos direcionamentos institucionais ao Museu Histórico. Com o apoio institucional e irrestrito do Diretor da Faculdade de Medicina, Prof. Dr. Marcos Boulos, do Diretor da Fundação Faculdade de Medicina, Prof. Dr. Flávio Fava de Morais, um amplo trabalho foi coordenado no sentido da revitalização infra-estrutural e das atividades museológicas do Museu Histórico. Cabe lembrar, que no processo de revitalização infra-estrutural do Museu Histórico, houve a participação do Banco Santander através de seu Projeto Universidades.

Para que houvesse o acompanhamento da reforma infra-estrutural do Museu Histórico, bem como a introdução das modificações regimentais e da constituição das novas atribuições nas áreas da pesquisa, da museologia e educacional, foram contratados os historiadores André Mota (Coordenador do Museu Histórico) e Maria Gabriela S.M.C. Marinho (Pesquisadora).

Endereço: Av. Dr. Arnaldo, 455 - Cerqueira César, São Paulo - São Paulo, Brasil.