Google+ Followers

terça-feira, 6 de junho de 2017

Exhibition "The Grotes Brothers: a portraitist and a painter. German artists at the Russian court " --- выставка «Братья Гроот: портретист и зверописец. Немецкие художники при российском дворе» --- Aberta a exposição "Irmãos Groot: retrato e zveropisets. artistas alemães na corte russa "

On June 1, the first personal exhibition of artists from Stuttgart, who worked in Russia in the days of Elizaveta Petrovna and Catherine II, will open for visitors to Tsaritsyno in the Bread House.



Georg Christoph "Hofmaler" Groot (1716-1749) became famous for his small "portraits-paintings" in the Rococo style. Groot-senior liked to please Elizabeth Petrovna - he happily depicted on the canvas court life during her reign. Groot painted both ceremonial portraits and portraits, not intended for public viewing, and the empress was depicted in the most unexpected images: the brave leader of the campaign on horseback, and the mysterious mistress of the ball, and the eternally young nude goddess Flora. Groot Sr. came to Russia first. Almost immediately I was accepted at the court, I painted a lot with pleasure, and when I learned that Elizaveta Petrovna planned to set up a pavilion in Tsarskoe Selo, where only pictures depicting animals would hang, I recommend inviting my younger brother.



Johann Friedrich "Ivan Fedorovich" Groot (1717-1800) was the first officially recognized Russian animal painter (or "hunter") and the head of the "beasts and birds" class of the Imperial Academy of Arts (he was not specifically taught to write animals and birds at the academy). Groot created very realistic and simultaneously illusory canvases, transmitting in the finest details the habits of domestic and wild animals. It is known that over each picture Groot worked for a long time, watching animals in nature and sketching them from nature in the workshop (for which he was provided with hunting birds and animals). Each new canvas Groot-Zherepitsa served as an occasion for a visit to his studio a large number of high society guests.



For a long time, the names of the Groot brothers were forgotten - their paintings were exhibited among others, they wrote and talked about insulting people to little. The exhibition in the Tsaritsyno Museum will for the first time bring together Groot's most complete artistic heritage - about 60 paintings from the Tretyakov Gallery, the Russian Museum, the Hermitage, Tsarskoe Selo, Peterhof, Gatchina, as well as the museums of Nizhny Novgorod and private collections.


The curator of the project is Doctor of Arts Lyudmila Markina, author of the monograph Portrait of George Christoph Groot and German painters in Russia in the mid-18th century, published in the publishing house Monuments of Historical Thought in 1999.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

By: Gilbert Ngabo Metro Published on Thu Jun 01 2017


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--ru
1 июня откроется выставка «Братья Гроот: портретист и зверописец. Немецкие художники при российском дворе»

1 июня для посетителей «Царицыно» в Хлебном доме откроется первая персональная выставка живописцев из Штутгарта, работавших в России во времена Елизаветы Петровны и Екатерины II.

Георг Христоф «Гофмалер» Гроот (1716–1749) прославился своими небольшими «портретами-картинами» в стиле рококо. Грооту-старшему нравилось угождать Елизавете Петровне — он с удовольствием запечатлевал на холсте придворную жизнь в период ее царствования. Гроот писал как парадные портреты, так и портреты, не предназначенные для всеобщего обозрения, и на них императрица была изображена в самых неожиданных образах: и храброй предводительницей лейб-кампании на коне, и таинственной барыней на балу, и вечно юной обнаженной богиней Флорой. Гроот-старший приехал в Россию первым. Почти сразу был принят при дворе, много и с удовольствием рисовал, а когда узнает, что Елизавета Петровна планирует устроить в Царском Селе павильон, где бы висели только картины, изображающие животных, рекомендует пригласить своего младшего брата.

Иоганн Фридрих «Иван Федорович» Гроот (1717–1800) был первым официально признанным русским анималистом (или «зверописцем») и руководителем класса «зверей и птиц» Императорской Академии художеств (до него писать зверей и птиц в академии никак специально не учили). Гроот создавал очень реалистичные и одновременно иллюзорные полотна, передавая в тончайших деталях повадки домашних и диких животных. Известно, что над каждой картины Гроот работал подолгу, наблюдая животных в природе и зарисовывая их с натуры в мастерской (для чего ему предоставляли пойманных на охоте птиц и зверей). Каждое новое полотно Гроота-зверописца служило поводом для визита в его мастерскую большого количества великосветских гостей.

Долгое время имена братьев Гроот были забыты — их полотна экспонировались в числе прочих, о художниках до обидного мало писали и говорили. На выставке в музее «Царицыно» впервые будет собрано максимально полное художественное наследие Гроотов — около 60 живописных произведений из Третьяковской галереи, Русского музея, Эрмитажа, Царского села, Петергофа, Гатчины, а также музеев Нижнего Новгорода и частных собраний.

Куратор проекта — доктор искусствоведения Людмила Маркина, автор монографии «Портретист Георг Христоф Гроот и немецкие живописцы в России середины XVIII века», выпущенной в издательстве «Памятники исторической мысли» в 1999 году.












--br via tradutor do google
01 de junho será aberta a exposição "Irmãos Groot: retrato e zveropisets. artistas alemães na corte russa "

01 de junho para os visitantes "Tsaritsyno" na Bread House abriu a primeira exposição de artistas de Stuttgart, que trabalhavam na Rússia nos dias de Elizabeth e Catherine II.

Georg Christoph "Gofmaler" Groot (1716-1749) tornou-se famoso por suas pequenas "pinturas-retratos" no estilo rococó. Groot Sr. gostava de agradar Elizabeth - ele gosta impressa na vida da corte da lona durante seu reinado. Groot escreveu tanto retratos formais e retratos não são destinados para exibição pública, e neles a Imperatriz foi apresentada da maneira mais inesperada: e valente matriarca campanha Vida a cavalo, e uma amante misteriosa em uma bola, e eternamente jovem deusa nua Flora. Groot Sr. chegou à Rússia o primeiro. Quase imediatamente, ele foi adotado na corte, e muito prazer de desenhar, e quando ele descobre que Elizaveta Petrovna está planejando organizar um pavilhão em Tsarskoye Selo, onde apenas pendurado pinturas retratando animais, recomenda convidar seu irmão mais novo.

Iogann Fridrih "Ivan" Groot (1717-1800) foi o primeiro animalista reconhecido oficialmente russo (ou "zveropistsem") e a cabeça da classe "de animais e pássaros", da Academia Imperial de Belas Artes (a ele para escrever os animais e aves não é especificamente ensinado na academia). Groot criar muito realista e, ao mesmo tempo pinturas ilusórias, passando os menores detalhes dos hábitos de animais domésticos e selvagens. Sabe-se que em cada imagem Groot trabalhou por um longo tempo, observando animais na natureza e esboço da natureza em sua oficina (para o qual ele foi premiado pego em aves de caça e animais). Cada nova tela Groot-zveropistsa serviu como uma ocasião para uma visita a sua oficina um grande número de pessoas da alta sociedade.

Durante muito tempo os nomes irmãos Groot foram esquecidos - suas pinturas foram exibidas, entre outros, artistas ofensivamente escreveu pouco e disse. A exposição no Museu "Tsaritsyno" a primeira vez que será coletado o mais completo artística património Groot - cerca de 60 pinturas da Galeria Tretyakov, o Museu Russo, o Hermitage, Tsarskoye Selo, Peterhof, Gatchina, bem como museus de Nizhny Novgorod e coleções particulares.

supervisor do projeto - Doutor em Artes Lyudmila Markina, autor da monografia "O retratista Georg Christoph Groot e pintores alemães na Rússia em meados do século XVIII", emitido pela Casa Editora "Monumentos de Pensamento Histórico", em 1999.

Bath of St. John, one of the most traditional festivities in the country, registered by the State of Mato Grosso do Sul, Brazil, as Intangible Heritage. --- Banho de São João, uma das festas mais tradicionais do país, tombada pelo Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil, como Patrimônio Imaterial.

Considered by the Ministry of Tourism as one of the five main venues for June celebrations in Brazil, the city of Corumbá is preparing to celebrate the famous "bath" of São João, a secular demonstration that takes place on the night of June 23 with the descent of the andores The image of the saint for baptism in the Paraguay River.


The traditional party was declared by the State of Mato Grosso do Sul, Brazil as intangible heritage and awaits national recognition as Intangible Cultural Heritage.


The June celebrations spread throughout the country with strong ingredients of local cultures that mix the profane and the sacred and attract thousands of people, moving the cities in the months of June and July.


It is a bit of this climate that the Ministry of Tourism has started to spread the five destinations (Belo Horizonte in Minas Gerais, Brazil - Bragança in Pará, Brazil - Campina Grande in Paraiba, Brazil - Corumbá in Mato Grosso do Sul, Brazil and São Luis in Maranhão, Brazil) covered by the project to promote and support marketing. Faith and belief

In all corners of the municipality, Corumbá, located in the Pantanal of Mato Grosso do Sul, is a party, is a belief, a devotion, a tradition. One of the highlights is Lavagem do santo, in the waters of the Paraguay River, the day when partygoers descend the Cunha and Cruz hills.

The festeiros, who are more than 100, also open their houses for the feast of the Arraial do São João Bath. The celebrations begin on June 21, but the prayer houses are prepared all year for the "bath", Where pledges are paid for an attained grace - faith that perpetuates the ritual. If Saint John knew that today was his day The earth descended from heaven With pleasure and joy Saint John Pantaneiro surrounds all of Corumbá and became forbidden by the church in the middle of the last century, probably because of its characteristic sacroprofano, where today Catholicism , Candomblé and umbanda.

In the descent of the andores, the singing of the litany and the batuque are mixed in a rhythm of frevo, where the faithful dance and they shake security the lit candle in the hand, accompanied by a band of blow. This is the differential of the Corumbaense party of the other camps in the country. Cururu On June 23, there is no descent order from the andores, which cross in Ladeira Cunha and Cruz, in the usual fulfillment.

The city of Corumbá, which supports the demonstration by organizing a food court and promoting musical attractions, in the General Port, also participates with its official street, where the guests participate. At that moment, the mast lifting ceremony takes place, with the participation of the cururueiros, who dance and paddle around. The party follows the dawn of the 24th. Publicity In the National Calendar of Events, of the Ministry of Tourism, there are 96 festivities distributed in 21 Brazilian states from all regions of the country. In the Central-West Region, managers, organizers and event producers registered six festivities: Mato Grosso do Sul (3), Mato Grosso (2) and Goiás (1).

In addition to national publicity, the Brazilian Tourism Institute (Embratur) has promoted a series of presentations of the feasts of São João do Brasil in Europe, with the aim of diversifying tourism in other countries.

In Rome (Italy) was recorded the largest public so far: 30 thousand people. Followed by Lisbon (Portugal), with more than 15 thousand people and Madrid (Spain) with about 6 thousand.

The foreigners have been enchanted with musical presentations, typical clothes, gangs and the cooking of the party. At the moment, the group is in London (England), where it presents until Sunday (4). The United Kingdom is the 8th largest emitter of tourists to Brazil and the 3rd among European countries.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.diariodigital.com.br/geral/ministerio-do-turismo-divulga-banho-de-sao-joao-uma-das-festas-mais/158854/

By: Gilbert Ngabo Metro Published on Thu Jun 01 2017


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Banho de São João, uma das festas mais tradicionais do país, tombada pelo Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil, como Patrimônio Imaterial.


Considerada pelo Ministério do Turismo um dos cinco principais destinos de festejos juninos do Brasil, a cidade de Corumbá se prepara para celebrar o famoso “banho” de São João, manifestação secular que ocorre na noite do dia 23 de junho com a descida dos andores com a imagem do santo para o batismo no Rio Paraguai. 

A tradicional festa foi tombada pelo Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil como patrimônio imaterial e aguarda reconhecimento nacional como Patrimônio Cultural Imaterial. 

Os festejos juninos se espalham pelo país com fortes ingredientes das culturas locais que misturam o profano e o sagrado e atraem milhares de pessoas, movimentando as cidades nos meses de junho e julho. 

É um pouco desse clima que o Ministério do Turismo começou a divulgar, desde sexta-feira (2.6), os cinco destinos (Belo Horizonte em Minas Gerais, Brasil - , Bragança em Pará, Brasil -  Campina Grande em Paraiba, Brasil - Corumbá em  Mato Grosso do Sul, Brasil  e São Luis em Maranhão, Brasil) contemplados pelo projeto destinado à promoção e apoio à comercialização. Fé e crença

Em todos os cantos do município, Corumbá, localizada no Pantanal de Mato Grosso do Sul, é festa, é crença, é devoção, é tradição. Um dos pontos altos é a Lavagem do santo, nas águas do rio Paraguai, dia em que os festeiros descem a ladeira Cunha e Cruz. 

Os festeiros, que são mais de 100, também abrem suas casas para a festa do Arraial do Banho de São João. Os festejos se iniciam no dia 21 de junho, mas as casas de rezas se preparam o ano todo para o “banho”, onde paga-se promessas por uma graça alcançada – fé que perpetua o ritual. Se São João soubesse Que hoje era seu dia Descia do céu a terra Com prazer e alegria O São João Pantaneiro envolve toda Corumbá e chegou a ser proibido pela igreja, em meados do século passado, provavelmente pela sua característica sacroprofano, onde hoje se misturam catolicismo, candomblé e umbanda. 

Na descida dos andores, misturam-se o canto da ladainha e o batuque em ritmo de frevo, onde os fieis dançam e se agitam segurança a vela acesa na mão, acompanhados por uma banda de sopro. Este é o diferencial da festa corumbaense dos demais arraiais pelo País. Cururu No dia 23 de junho, não existe ordem de descida dos andores, que se cruzam na Ladeira Cunha e Cruz, no habitual cumprimento. 

A prefeitura de Corumbá, que apoia a manifestação organizando uma praça de alimentação e promovendo atrações musicais, no Porto Geral, também participa com o seu andor, considerado oficial, onde participam os convidados. Nesse momento, ocorre a cerimônia de levantamento do mastro, com a participação dos cururueiros, que dançam e sapateiam em volta. A festa segue pela madrugada do dia 24. Divulgação No Calendário Nacional de Eventos, do Ministério do Turismo, existem 96 festejos distribuídos por 21 estados brasileiros de todas as regiões do país. Apenas na Região Centro-Oeste, gestores, organizadores e produtores de eventos cadastraram seis festejos: Mato Grosso do Sul (3), Mato Grosso (2) e Goiás (1). 

Além da divulgação em nível nacional, o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) tem promovido uma série de apresentações das festas de São João do Brasil na Europa, com intuito de diversificar a oferta turística em outros países. 

Em Roma (Itália) foi registrado o maior público até o momento: 30 mil pessoas. Seguido de Lisboa (Portugal), com mais de 15 mil pessoas e Madri (Espanha) com cerca de 6 mil. 

Os estrangeiros têm se encantado com apresentações musicais, vestimentas típicas, quadrilhas e a culinária da festa. Neste momento, o grupo está em Londres (Inglaterra), onde se apresenta até domingo (4). O Reino Unido é o 8º maior emissor de turistas ao Brasil e o 3º entre os países europeus.




“The art market is a seductive siren, but it’s also a minefield,” said Edouard Kopp on a sunny afternoon in the Harvard Art Museums’ Art Study Center amid a selection of the museums’ works on paper. --- "O mercado de arte é uma sirene sedutora, mas também é um campo minado", disse Edouard Kopp em uma tarde ensolarada no Centro de Estudo de Arte dos Museus de Arte de Harvard, em meio a uma seleção dos trabalhos dos museus no papel.

Skip the fake, snag the masterpiece.

Paris trip part of workshop to help future curators look before they buy


These drawings were recently acquired by the Harvard Art Museums with input from students who took part in Kopp’s workshop: (Left) Alberto Giacometti, “Three Heads of a Man and a Head in Profile,” 1951 or after, © Jill Newhouse Gallery; (Right) Salvator Rosa, “Chiron the Centaur Teaching the Young Achilles,” c. 1666, © Pandora Old Masters Inc. Images courtesy of Harvard Art Museums

It was sage advice for three Harvard graduate students and a curatorial fellow about to visit Paris for the world’s largest drawings fair, the Salon du Dessin, with the aim of identifying works to add to the museums’ collection. The discussion and the trip were part of a new workshop to teach future art scholars and curators how to navigate the tricky terrain of the fine art market.

For a novice about to enter the fray, preparation is key.

“There’s a lot of mystery surrounding acquisitions at museums,” said Laura Igoe, Harvard’s Maher Curatorial Fellow of American Art, who is hoping to land a curatorial position in a museum when her fellowship ends this spring. Igoe knows an important part of any such position will involve buying precious artworks, a skill typically learned “on the job.”

Until now.

Kopp, the Maida and George Abrams Associate Curator of Drawings, created the workshop with support from Martha Tedeschi, the museums’ Elizabeth and John Moors Cabot Director. She remembers well her own early forays into the art-buying market as a young assistant curator, which included visits to galleries on Bond Street in London.

“It was sink or swim,” said Tedeschi. “It’s not a good feeling.”

The new workshop aims to ease such fears. For a week this spring students explored the history of art collecting, as well as the museums’ extensive collection of drawings and current collecting priorities. They met with collectors, curators, and conservators; studied how auction houses, dealers, and agents operate; and learned how to assess the condition of a drawing, how to determine its value, and, perhaps most critical of all, how to spot a fake. The workshop included close inspection of several high-quality copies.

“Imagine if you buy a forgery. Terrible,” said Kopp.

Before they left for the Paris show, the students were advised to pay close attention to materials used in a drawing. Paper inconsistent with a 17th-century piece, Tedeschi said, or a work in red chalk by an artist known for works in charcoal could be important clues in recognizing fakes. She also encouraged the group to take meticulous notes, and to view works they were interested in more than once, “particularly if you are looking at the same artist who might be represented by two different dealers.”

Pace yourselves and dress accordingly, added Tedeschi. “There is a fatigue factor, so wear comfortable shoes, even though it is Paris.”

These drawings were recently acquired by the Harvard Art Museums with input from students who took part in Kopp’s workshop: (Left) Alberto Giacometti, “Three Heads of a Man and a Head in Profile,” 1951 or after, © Jill Newhouse Gallery; (Right) Salvator Rosa, “Chiron the Centaur Teaching the Young Achilles,” c. 1666, © Pandora Old Masters Inc. Images courtesy of Harvard Art Museums

Once in France for the four-day trip, the students didn’t waste time. After a stop at their hotel following the overnight flight, they headed out to a series of auction houses and then to the fair.

“The excitement of being thrown in the midst of it kept us going,” said Christine Garnier, a second-year graduate student in the History of Art and Architecture Department who is planning a career in academia. “I am really interested in the function of the art market. I have a background in economics and after studying issues of the interaction between artists, the market, and the market’s development in the late 19th century, I really wanted to get a good perspective on what actually happens.”

The group returned to campus with a selection of drawings for consideration based on a range of factors, including condition, price, and gaps in the museums’ collection. Next they presented their choices to Tedeschi and senior members of the museums’ leadership team. Four works were approved for acquisition, including drawings by the 20th-century Swiss sculptor, painter, and printmaker Alberto Giacometti and the 17th-century Italian painter and printmaker Salvator Rosa.

“The Giacometti work is a modern expressive drawing of four studies of heads that he had drawn on the back of a literary journal. They are very expressive, very powerful figures that are typical of his style,” said Igoe. The work fits well within the museums’ broader collection of drawings by sculptors, she added.

The Rosa drawing, in pen and brown ink, with brown wash over traces of black chalk, is a preparatory sketch for the artist’s painting “Chiron on Achilles,” and adds to an “area of the collection that we are trying to build,” said Igoe.

The Rosa drawing, in pen and brown ink, with brown wash over traces of black chalk, is a preparatory sketch for the artist’s painting “Chiron on Achilles,” and adds to an “area of the collection that we are trying to build,” said Igoe.

Ultimately the works will be part of a curated rotation at the museums developed with the students. For both the students and Kopp, the workshop was an eye-opener.



“They really got into it very, very quickly and they learned things you can’t learn anywhere else … certainly that they can’t learn in a classroom,” he said. “That was really powerful to see.”









fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://news.harvard.edu/gazette/story/2017/06/teaching-tomorrows-curators-how-to-spot-a-fake/

By: Gilbert Ngabo Metro Published on Thu Jun 01 2017


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.
















--br via tradutor do google
"O mercado de arte é uma sirene sedutora, mas também é um campo minado", disse Edouard Kopp em uma tarde ensolarada no Centro de Estudo de Arte dos Museus de Arte de Harvard, em meio a uma seleção dos trabalhos dos museus no papel.

Ignore o falso, aproveite a obra-prima.

Paris parte da oficina para ajudar futuros curadores a olhar antes de comprarem

Foi um sábio conselho para três estudantes de pós-graduação de Harvard e um curadoriro que visitou Paris para a feira de desenhos maiores do mundo, o Salon du Dessin, com o objetivo de identificar obras para adicionar à coleção dos museus. A discussão e a viagem fizeram parte de uma nova oficina para ensinar futuros estudiosos de arte e curadores a navegar o terreno complicado do mercado de arte.

Para um novato prestes a entrar na briga, a preparação é a chave.

"Há um monte de mistério em torno de aquisições em museus", disse Laura Igoe, Maher Curatorial Fellow of American Art de Harvard, que espera conquistar uma posição de curadoria em um museu quando sua irmandade termina nesta primavera. Eu sei que uma parte importante de tal posição envolverá a compra de obras de arte preciosas, uma habilidade tipicamente aprendida "no trabalho".

Até agora.

Kopp, Maida e George Abrams Associated Curator of Drawings, criaram a oficina com o apoio de Martha Tedeschi, Elizabeth e John Moors Cabot, diretor dos museus. Ela lembra bem suas próprias incursões iniciais no mercado de compras de arte como um jovem curador assistente, que incluiu visitas a galerias na Bond Street, em Londres.

"Era pia ou nadava", disse Tedeschi. "Não é um bom sentimento".

O novo workshop tem como objetivo facilitar esses medos. Durante uma semana, esses estudantes da primavera exploraram a história da coleta de arte, bem como a extensa coleção de desenhos dos museus e as atuais prioridades de coleta. Eles se encontraram com colecionadores, curadores e conservadores; Estudou o funcionamento das casas de leilões, concessionários e agentes; E aprendi a avaliar a condição de um desenho, como determinar seu valor e, talvez o mais crítico de todos, como detectar um falso. O workshop incluiu uma inspeção detalhada de várias cópias de alta qualidade.

"Imagine se você compra uma falsificação. Terrível ", disse Kopp.

Antes de partir para o show de Paris, os alunos foram convidados a prestar muita atenção aos materiais utilizados em um desenho. O papel inconsistente com uma peça do século XVII, disse Tedeschi, ou um trabalho em giz vermelho por um artista conhecido por obras de carvão vegetal poderia ser uma pista importante no reconhecimento de falhas. Ela também encorajou o grupo a tomar anotações meticulosas e a ver as obras que estavam interessadas mais de uma vez ", especialmente se você estiver olhando para o mesmo artista que pode ser representado por dois comerciantes diferentes".

Pace-se e se veste em conformidade, acrescentou Tedeschi. "Há um fator de fadiga, então use sapatos confortáveis, mesmo que seja Paris".

Esses desenhos foram recentemente adquiridos pelos Museus de Arte de Harvard com a contribuição de alunos que participaram da oficina de Kopp: (à esquerda) Alberto Giacometti, "Três Chefes de Homem e Cabeça em Perfil", 1951 ou depois, © Jill Newhouse Gallery; (Direito) Salvator Rosa, "Chiron the Centaur Ensinar o jovem Aquiles", c. 1666, © Pandora Old Masters Inc. Imagens cortesia de Harvard Art Museums

Uma vez na França para a viagem de quatro dias, os alunos não perderam tempo. Depois de uma parada em seu hotel após o vôo durante a noite, eles dirigiram-se para uma série de casas de leilão e depois para a feira.

"A emoção de ser jogada no meio dela nos manteve em pé", disse Christine Garnier, uma estudante de pós-graduação de segundo ano no Departamento de História da Arte e Arquitetura que está planejando uma carreira na academia. "Estou realmente interessado na função do mercado de arte. Eu tenho um fundo em economia e depois de estudar questões da interação entre os artistas, o mercado e o desenvolvimento do mercado no final do século 19, eu realmente queria ter uma boa perspectiva sobre o que realmente acontece ".

O grupo voltou ao campus com uma seleção de desenhos para consideração com base em uma série de fatores, incluindo condição, preço e lacunas na coleção dos museus. Em seguida, eles apresentaram suas escolhas para Tedeschi e membros seniores da equipe de liderança dos museus. Quatro obras foram aprovadas para aquisição, incluindo desenhos do escultor, pintor e gravador suíço do século XX, Alberto Giacometti, e pintor e gravador italiano do século XVII, Salvator Rosa.

"O trabalho de Giacometti é um desenho expressivo moderno de quatro estudos de cabeças que ele desenhou na parte de trás de um jornal literário. São figuras muito expressivas e muito poderosas que são típicas de seu estilo ", disse Igoe. O trabalho se encaixa bem na coleção mais ampla de desenhos dos museus por sculptores, acrescentou.

O desenho de Rosa, em caneta e tinta marrom, com lavagem marrom sobre traços de giz preto, é um esboço preparatório para a pintura do artista "Chiron on Aquiles" e acrescenta a uma "área da coleção que estamos tentando construir" Disse Igoe.

O desenho de Rosa, em caneta e tinta marrom, com lavagem marrom sobre traços de giz preto, é um esboço preparatório para a pintura do artista "Chiron on Aquiles" e acrescenta a uma "área da coleção que estamos tentando construir" Disse Igoe.

Em última análise, as obras serão parte de uma rotação curada nos museus desenvolvidos com os alunos. Tanto para estudantes quanto para Kopp, o workshop foi um abridor.


"Eles realmente entraram nisso muito, muito rapidamente e eles aprenderam coisas que você não pode aprender em nenhum outro lugar ... certamente que eles não podem aprender em uma sala de aula", disse ele. "Isso foi realmente poderoso para ver".