Google+ Followers

quarta-feira, 14 de junho de 2017

City Council takes a Doi Codi building, in the south zone of São Paulo, Brasil. --- Conselho Municipal tomba prédio do Doi Codi, na zona sul de São Paulo Publicado em junho 13, 2017 por Gilberto Natalini.

Conpresp, the organ responsible for the preservation of the municipal patrimony, decided to overturn all the old DOI-Codi facilities. The site was already listed by the Condephaat (state body of heritage) and had the new tipping published in the "Official Gazette" last Saturday (10).


The tipping took place after the request of the current Secretary of the Environment and the Environment, Gilberto Natalini, who at that time as councilman, presided over the Truth Commission of the São Paulo City Council.




"I am happy with the overturning of Doi Codi's premises by CONPRESP. The site needs to be preserved as an example of what should never happen in Brazil, "said Gilberto Natalini- former chairman of the Truth Commission of the São Paulo City Council, licensed councilor and Municipal Secretary of Green and Environment.

The old DOI-Codi facilities include properties located between Tutóia, Tomás Carvalhal and Coronel Paulino Carlos, in Paraíso (South Zone). Among them, the intelligence sector of DOI-Codi, the 36th DP, the courtyard in the central sector of the set, the lodging building and the guaritas.

The publication points to the importance of preserving space, as it is a "symbolic place of violation of human rights and deprivation of liberty during the period of the Civil-Military Dictatorship and that the buildings and spaces there remaining are the physical support to the memory of repression and Of resistance ". The facilities in the south were used to arrest and torture opponents of the dictatorship.


DOI-CODI
Deployment of Information Operations - Internal Defense Operations Center (DOI-CODI) was a subordinate body to the Army, of intelligence and repression of the Brazilian government during the regime inaugurated with the military coup of 1964. Destined to fight internal enemies that, supposedly , Would threaten national security, such as that of other Brazilian repression agencies in the period, its philosophy of action was based on the National Security Doctrine, formulated in the context of the Cold War on the banks of the National War College, an American institution, and deepened , In Brazil, by the Superior School of War (ESG).

The DOI-CODI emerged from Operation Bandeirante (OBAN), created on July 2, 1969 in São Paulo, with the objective of coordinating and integrating the actions of the repression organs to individuals or organizations (more specifically the groups of the armed left ) Which represent a threat to the maintenance of the regime's security. In September 1970, two organs directly linked to the Army were created: the Operations and Intelligence Detachment (DOI), responsible for the practical actions of search, seizure and interrogation of suspects, and the Internal Defense Operations Center (CODI). Whose functions included the analysis of information, the coordination of the various military organs and the strategic planning of the fight against the leftist groups. Although they were two distinct organs, they were often associated in the acronym DOI-CODI, which reflected the complementary nature of the two organs. The creation of DOI-CODI represented the "institutionalization" of OBAN, although it was not based on a law or a decree, but on secret directives formulated by the National Security Council and approved by the President of the Republic, General Emílio Garrastazu Médici. Despite this, DOI-CODI had more prestige and power than other security agencies, and DOI-CODIs were created in the main Brazilian states. It should be noted that, hierarchically, DOIs were subordinated to CODIs. Therefore, the most appropriate connection would be "CODI-DOI".

The DOIs were commanded by Army infantry majors and, in addition to the military of the three Armed Forces, brought together members of state military police and civilian police.

The structure was modified several times, in its final version had sections of investigation, information and analysis, search and seizure, and administration. The investigative section consisted of agents who were supposed to follow suspects, observe hiding places, and find clues, but did not engage in captures; Was composed of cells of two people, with a car (usually a fusca) with radio. The number of cells varied, according to the police station, reaching a maximum of twelve. The search and seizure section made the arrests, was divided into three groups, consisting of four groups with three to five agents with trucks or four-door cars. The information and analysis section was in the police station itself and had two wings, one of analysis that studied the information collected, kept records and photographs of suspects and militants and another handled the interrogations. The subsection of interrogatories had 36 people in six classes, half took care of the preliminary interrogation, the other took care of the bureaucratic part.

The chiefs of interrogation were officers of the armed forces with rank of captain, preferably with a course of improvement and diploma of administration or economy. In the 1970s, it became mandatory to use a codename, even though some officers were identified.
Sao Paulo

Established in practically all states of the federation, in São Paulo, its facilities were located at Rua Tutóia, in the neighborhood of Paraíso, where the 36th police district currently operates. The São Paulo command was given to Carlos Alberto Brilhante Ustra, 38, who until then had had a banal career. Until it was transferred to Brasília in December of 1974, they passed through DOI of Ustra two thousand prisoners.


It was in the offices of DOI-CODI, II São Paulo Army, that the journalist Vladimir Herzog, director of journalism for TV Cultura, died in 1975. At the time, although the thesis had little credibility with society, the military authorities sought, with the aid of a badly mounted photograph and an award signed by former medical examiner Harry Shibata, to classify the episode as "suicide." On the eve of Vladimir Herzog, in response to a call from the Second Army for clarification, he went to the place where he would later be tortured and murdered by his own means.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.


--br
Conselho Municipal tomba prédio do Doi Codi, na zona sul de São Paulo
Publicado em junho 13, 2017 por Gilberto Natalini.

O Conpresp, órgão responsável pela preservação do patrimônio municipal, decidiu tombar o conjunto das antigas instalações do DOI-Codi. O local já era tombado pelo Condephaat (órgão estadual do patrimônio) e tiveram o novo tombamento publicado no “Diário Oficial” do último sábado (10).

O tombamento aconteceu após solicitação por ofício do atual secretário do Verde e do Meio Ambiente, Gilberto Natalini, que na época enquanto vereador, presidia a Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo.

“Estou feliz com o tombamento das dependências do Doi Codi pelo CONPRESP. O local precisa ser preservado como exemplo do que nunca mais deverá acontecer no Brasil”, disse Gilberto Natalini- ex presidente da Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo, Vereador licenciado e Secretário Municipal do Verde e do Meio Ambiente.

As antigas instalações do DOI-Codi incluem imóveis localizados entre as ruas Tutóia, Tomás Carvalhal e Coronel Paulino Carlos, no Paraíso (zona sul). Entre eles, o do setor de inteligência do DOI-Codi, o do 36º DP, o pátio no setor central do conjunto, o prédio de alojamento e as guaritas.

A publicação aponta a importância da preservação do espaço, por ser um ” local simbólico de violação dos Direitos Humanos e privação de liberdade durante o período da Ditadura Civil-Militar e que os edifícios e espaços ali remanescentes são o suporte físico à memória da repressão e da resistência”. As instalações na zona sul foram usadas para prender e torturar opositores da ditadura.



DOI-CODI
Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI) foi um órgão subordinado ao Exército, de inteligência e repressão do governo brasileiro durante o regime inaugurado com o golpe militar de 1964. Destinado a combater inimigos internos que, supostamente, ameaçariam a segurança nacional, como a de outros órgãos de repressão brasileiros no período, a sua filosofia de atuação era pautada na Doutrina de Segurança Nacional, formulada no contexto da Guerra Fria nos bancos do National War College, instituição norte-americana, e aprofundada, no Brasil, pela Escola Superior de Guerra (ESG).

O DOI-CODI surgiu a partir da Operação Bandeirante (OBAN), criada em 2 de julho de 1969 em São Paulo, com o objetivo de coordenar e integrar as ações dos órgãos de repressão a indivíduos ou organizações (mais especificamente os grupos da esquerda armada) que representassem ameaça à manutenção da segurança do regime. Em setembro de 1970, foram criados dois órgãos diretamente ligados ao Exército: o Destacamento de Operações e de Informações (DOI), responsável pelas ações práticas de busca, apreensão e interrogatório de suspeitos, e o Centro de Operações de Defesa Interna (CODI), cujas funções abrangiam a análise de informações, a coordenação dos diversos órgãos militares e o planejamento estratégico do combate aos grupos de esquerda. Embora fossem dois órgãos distintos, eram frequentemente associados na sigla DOI-CODI, o que refletia o caráter complementar dos dois órgãos. A criação do DOI-CODI representou a "institucionalização" da OBAN, embora não tivesse sido baseada em lei ou um decreto, mas em diretrizes secretas, formuladas pelo Conselho de Segurança Nacional e aprovadas pelo presidente da República, o general Emílio Garrastazu Médici. Apesar disso, o DOI-CODI possuía mais prestígio e poder que os outros órgãos de segurança, sendo que foram criados DOI-CODIs nas principais de estados brasileiros. Observe-se que, hierarquicamente, os DOIs eram subordinados aos CODIs. Portanto, a conexão mais apropriada seria "CODI-DOI".

Os DOI eram comandados por majores de infantaria do Exército e, além de militares das três Forças Armadas, reuniam integrantes das polícias militares estaduais e das polícias civis.

A estrutura foi modificada diversas vezes, em sua versão final possuía seções de investigação, informações e análise, busca e apreensão, e administração. A seção de investigação era composta de agentes que deveriam seguir suspeitos, observar esconderijos e encontrar pistas, mas não se envolvia em capturas; era composta de células de duas pessoas, com um automóvel (normalmente um fusca) com rádio. O número de céluas variava, segundo a delegacia, chegando no máximo a doze. A seção de busca e apreensão fazia as prisões, era dividida em três grupamentos, formado por quatro grupamentos com três a cinco agentes com caminhonetes ou carros quatro portas. A seção de informação e análise ficava na própria delegacia e tinha duas alas, uma de análise que estudava as informações coletadas, mantinha fichas e fotografias de suspeitos e militantes e outra cuidava dos interrogatórios. A subseção de interrogatórios tinha 36 pessoas em seis turmas, metade cuidava do interrogatório preliminar, a outra cuidava da parte burocrática.

Os chefes de interrogatórios eram oficiais das forças armadas com posto de capitão, de preferência com curso de aperfeiçoamento e diploma de administração ou economia. Nos anos de 1970, tornou-se obrigatório o uso de codinome, mesmo assim alguns oficiais foram identificados.
São Paulo

Estabelecido em praticamente todos os estados da federação, em São Paulo as suas instalações eram localizadas na Rua Tutóia, no bairro do Paraíso, onde atualmente funciona o 36° distrito policial. O comando de São Paulo foi dado ao Carlos Alberto Brilhante Ustra, de 38 anos, que até ali tinha tido uma carreira banal. Até ser transferido para Brasília, em dezembro de 1974, passaram pelo DOI de Ustra dois mil presos.


Foi nas dependências do DOI-CODI, no II Exército de S. Paulo, que ocorreu a morte, em 1975, do jornalista Vladimir Herzog, diretor de jornalismo da TV Cultura. Na época, apesar da tese ter pouca credibilidade perante a sociedade, as autoridades militares procuraram, com o auxílio de uma fotografia mal montada e de um laudo assinado pelo ex-médico legista Harry Shibata, classificar o episódio como "suicídio". Na véspera Vladimir Herzog, atendendo a uma convocação do II Exército para prestar esclarecimentos, dirigiu-se por seus próprios meios ao local onde viria a ser posteriormente torturado e assassinado.

RELEASE OF WORKS OF MÁRIO DE ANDRADE SHOWS HIS CURRENT. --- RELANÇAMENTO DE OBRAS DE MÁRIO DE ANDRADE MOSTRA SUA ATUALIDADE.


Publisher New Century launches box with main books of the modernist, which has its collection stored at USP.





Poet, chronicler, novelist, critic, essayist, musician, central and more active figures of the first phase of Brazilian Modernism.

His work in the arts, in the press and in public institutions was decisive for the creation of a new cultural chapter in the Country. He participated in the Week of 22, founded and directed the Municipal Department of Culture of São Paulo and published canonical works of Modernism such as Macunaíma And Pauliceia Desvairada. More than modern, though. Mário de Andrade is contemporary.

Proof of its relevance are the new editions of his books, launched on the occasion of the author's entry into the public domain since January 1, 2016. Macunaíma and Amar comic books, Intransitive Verb, new collections of short stories and publications of their main Works by several publishers.

The most recent release is from Editora Novo Século, which features a box with the author's four most famous books.


There are the novels Macunaíma and Amar, Verbum Intransitivo, the first book of poems launched by Mário under his own name, Pauliceia Desvairada, and the posthumous New Tales.


Offered with such a variety of editions and versions, the reader who falls in love with Mário de Andrade and wants to know the origins of these works can visit the Institute of Brazilian Studies (IEB) of USP There is the collection that the intellectual has gathered throughout life .

His library, modernist works of art, and the extensive correspondence that Mário exchanged with names like Manuel Bandeira and Tarsila do Amaral are at the institute. Browsing the IEB archive, the reader finds original manuscripts, typed texts, and commented and revised editions of the works now released in the New Century.

It is possible to browse the first pages of Macunaíma, with index of the work, drawings of Mario and dedication for José de Alencar. Also there is a edition of Love, Intransitive Word filled with handmade corrections. With changes of commas and transformation from uppercase to lowercase.

The author's tales appear meticulously organized: a general cover keeps the texts in particular layers. Rather than approaching the author's handwriting, the visit to the collection reveals his personality. "Mario was a person without any prejudice.


He was always open to the new and the different, with a sensitive eye to recognize what appeared to be different in our culture, in our people, in our day to day. He seemed to be a very kind, cordial, conciliatory, agglutinating person. All these characteristics in relation to a very sharp researcher he was present in the archive "explains Elisabete.

In the collection appear pieces of African religious art next to Christian images. In the library, works by the German adventurer Hans Staden and contemporary titles such as The Street of Cataventos, first book by Mario Quintana (1940), and The Imaginations, first by the poet Lêdo Ivo (1944) appear.

A count of the collection of fine arts comes to 27 drawings by Tarsila do Amaral, four sculptures by Victor Brecheret and four drawings by the poet Manuel Bandeira.

In the research, attention is drawn to Mário's interest in Brazilian folklore, with emphasis on the mission sent to the Northeast while directing the Municipal Department of Culture. His institutional work also appears in the organizational chart of the organ that would give rise to the Institute of National Historical and Artistic Heritage (Iphan), part of the archive of the IEB. "I really like this current thinking about Mario's culture," says Elisabete. "This look of him for culture, for a Brazilian that we have, is what really makes him a pioneer.

He was truly a modernist. I do not know if we have reached this point of modernity that he proposed, in relation to educational processes, cultural policies, recognition of certain nuclei, certain populations, certain artists. "Elisabete cites the project of the Casas de Cultura de Mario, complexes that would include Library, movie theater, café, and radio studio. "That's almost 100 years ago. Imagine, it was very modern, very bold, "he says.

More than 70 years after her death, much research has been done on Mário de Andrade, and much of the studies are taking place in the IEB collection, according to Elisabete. "Currently we have researchers developing comparative studies on letters, researchers working with Mario's collection of children's drawings, researchers working on his relationship with other artists, who revise manuscripts and propose edits.

We have many musicians who work with the musical work and the role of Professor Mário de Andrade, the issues of the Department of Culture. "

The collection of Mário de Andrade at the Institute of Brazilian Studies (IEB) at USP can be consulted from Monday to Friday from 9 am to 1 pm. The visits can be scheduled by email archivoieb@usp.br and by telephone 30913427. 










fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Source: Jornal da USP, 7/6/2017. By: Luiz Prado.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.














--br 
RELANÇAMENTO DE OBRAS DE MÁRIO DE ANDRADE MOSTRA SUA ATUALIDADE.

Editora Novo Século lança caixa com principais livros do modernista, que tem seu acervo guardado na USP.

Poeta, cronista, romancista, crítico, ensaísta, musico figuras centrais e mais ativas da primeira fase do Modernismo brasileiro. 

Sua atuação nas artes, na imprensa e em instituições públicas foi decisiva para a criação de um novo capítulo cultural no País. Participou da Semana de 22, fundou e dirigiu o Departamento Municipal de Cultura de São Paulo e publicou obras canônicas do Modernismo, como Macunaíma e Pauliceia Desvairada. Mais que moderno, contudo. Mário de Andrade é contemporâneo. 

Prova de sua atualidade são as novas edições cie seus livros, lançadas por ocasião da entrada do autor em domínio público desde Io de janeiro de 2016. São versões em quadrinhos de Macunaíma e Amar, Verbo Intransitivo, novas coletâneas de contos e publicações cie suas principais obras por diversas editoras. 

O lançamento mais recente é da Editora Novo Século, que traz uma caixa com os quatro livros mais famosos do autor. 

Estão lá os romances Macunaíma e Amar, Verbo Intransitivo, o primeiro livro de poemas lançado por Mário sob seu próprio nome, Pauliceia Desvairada, e o póstumo Contos Novos. 

Brindado com tamanha variedade de edições e versões, o leitor que se apaixonar por Mário de Andrade e quiser conhecer as origens dessas obras pode visitar o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP Ali se encontra o acervo que o intelectual reuniu ao longo da vida. 

Estão no instituto sua biblioteca, obras de arte modernistas e a extensa correspondência que Mário trocou com nomes como Manuel Bandeira e Tarsila do Amaral. Vasculhando o arquivo cio IEB, o leitor encontra manuscritos originais, textos datilografados e edições comentadas e revisadas das obras lançadas agora pela Novo Século. 

É possível folhear as primeiras páginas de Macunaíma, com índice da obra, desenhos de Mário e dedicatória para José de Alencar. Também está lá uma edição cie Amar, Verbo Intransitivo cheia cie correções feitas à mão. com alterações de vírgulas e transformação cie letras maiúsculas em minúsculas. 

Os contos do autor aparecem organizados meticulosamente: uma capa geral guarda os textos alocados em capas particulares. Mais do que se aproximar da caligrafia do autor, a visita à coleção revela sua personalidade. "O Mário era uma pessoa sem preconceito nenhum. 

Ele estava sempre aberto ao novo e ao diferente, com um olhar sensível para reconhecer aquilo que aparentemente era diferente na nossa cultura, no nosso povo, no nosso dia a dia. Ele parecia ser uma pessoa muito amável, cordial, conciliadora, aglutinadora.Todas essas características em relação a um pesquisador muito aguçado que ele era estão presentes no arquivo" explica Elisabete. 

Na coleção aparecem peças de arte religiosa africana ao lado de imagens cristãs. Na biblioteca, surgem obras do aventureiro alemão Hans Staden e títulos contemporâneos a Mário, como A Rua dos Cataventos, primeiro livro de Mário Quintana (1940), e As Imaginações, primeiro do poeta Lêdo Ivo (1944). 

Uma contagem do acervo de artes plásticas chega a 27 desenhos de Tarsila do Amaral, quatro esculturas de Victor Brecheret e quatro desenhos do poeta Manuel Bandeira. 

Na pesquisa, chama atenção o interesse de Mário pelo folclore brasileiro, com destaque para a missão enviada ao Nordeste enquanto dirigia o Departamento Municipal de Cultura. Sua atuação institucional aparece também no organograma do órgão que daria origem ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), parte do arquivo do IEB. "Eu gosto muito dessa atualidade do pensamento do Mário em relação à cultura", comenta Elisabete. "Esse olhar dele para a cultura, para uma brasilidade que a gente tem, é o que faz dele realmente um pioneiro. 

Ele era verdadeiramente um modernista. Eu não sei se a gente chegou nesse ponto da modernidade que ele propôs, em relação aos processos educacionais, políticas culturais, reconhecimento de determinados núcleos, determinadas populações, determinados artistas". Elisabete cita o projeto das Casas de Cultura de Mário, complexos que incluiriam biblioteca, cinema, café e estúdio de rádio. "Isso há quase 100 anos. Imagina, era muito moderno, muito ousado", analisa. 

Passados mais de 70 anos de sua morte, muito ainda se pesquisa sobre Mário de Andrade, e boa parte dos estudos acontecem no acervo do IEB, conforme explica Elisabete. "Atualmente nós temos pesquisadores desenvolvendo estudos comparativos em cartas, pesquisadores trabalhando com a coleção de desenhos infantis que o Mário tinha, pesquisadores que trabalham a relação dele com outros artistas, que revisam manuscritos e propõem edições. 

Temos muitos músicos que trabalham com a obra musical e o papel do professor Mário de Andrade, as questões do Departamento de Cultura". 

O acervo de Mário de Andrade no Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP pode ser consultado de segunda a sexta-feira, das 9 às 13 horas. As visitas podem ser agendadas pelo e-mail arquivoieb@usp.br e pelo telefone 30913427. Fonte: Jornal da USP, 7/6/2017. Por: Luiz Prado. 

Minas Gerais cheeses (Brazil) take 11 medals at an international event in France. --- Queijos mineiros levam 11 medalhas em evento internacional na França.

One of the main products of Minas Gerais has just made beautiful at an international event held in France in early June this year. At the Mondial du Fromage competition at the Cheese Show in Tours, a French town on the banks of the Loire and Cher rivers, the mint cheeses took a super gold, seven silver and three bronze medals. Our regional mints competed against 700 products from 20 countries.


Producers of cheese miners won the Mondial du Fromage competition in Tours, 
France, with a super-star, seven silver and three bronze medals

Roberto Simões, president of the Federation of Agriculture of the State of Minas Gerais (Faemg), emphasizes the importance of the award, since Minas competed in the country that is famous for its traditional cheeses. "Our producers are to be congratulated for placing Minas cheese among the best in the world. These achievements confirm the quality of the cheese from Minas Gerais and are a stimulus for those who support the production and for the producers themselves, since they demonstrate that the artisanal Future prosperous, "says Simões.

Below, the winners and where they are produced in Minas:


Super Gold:
Araxá cheese from the Caxambu farm, produced by Marli Leite

Silver:
The cheese produced by Túlio Madureira, 
at Serro took two medals in the contest: silver and bronze


Canastra Cheese from Old Chapel;

Serro cheese with washed bark from the Serro cooperative, cured in France by Lafnarde;

Serro cheese with bark mites, from the Serro cooperative, cured in France by Lafinarde;

Canarian cheese from Vale da Gurita;

Cheese canastra produced by Reinaldo de Faria Costa;

Kankrej cheese produced by Túlio Madureira;

Holy matchmaker cheese, produced by Cheeses Cruzília.


Bronze:


Cheese D'Alagoa, produced by Osvaldo Neto was awarded the Bronze medal. Alagoa is a quiet town in the South of Minas and the Parmesan produced in the city is one of the most famous and appreciated in Brazil

Cheese flavors of the site, extra cured, produced by Lúcia, from Campo das Vertentes;

Cheese gir, by producer Túlio Madureira;

Cheese Alagoa Grande, from Cheese of Alagoa, produced by Osvaldo Martins de Barros Filho







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.








--br
Queijos mineiros levam 11 medalhas em evento internacional na França.


Produtores mineiros de queijo saíram vencedores do concurso Mondial du Fromage, em Tours, na França, com um superouro, sete medalhas de prata e três de bronze 

Um dos principais produtos de Minas Gerais acaba de fazer bonito num evento internacional realizado na França, no início de junho deste ano. No concurso Mondial du Fromage, no Salão do Queijo de Tours, cidade francesa às margens dos rios Loire e Cher, os queijos mineiros levaram um super ouro, sete medalhas de prata e três de bronze. Nossos quitutes regionais concorreram contra 700 produtos de 20 países.

Roberto Simões, presidente da Federação da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Faemg), destaca a importância da premiação, já que Minas concorreu no país que é famoso por seus queijos tradicionais. "Nossos produtores estão de parabéns por terem colocado o queijo de Minas entre os melhores do mundo. Estas conquistas confirmam a qualidade dos queijos mineiros e são um estímulo para quem apoia a produção e para os próprios produtores, pois demonstram que o queijo minas artesanal tem futuro próspero", comenta Simões.

Abaixo, os premiados e onde são produzidos em Minas:

Super ouro: 
Queijo araxá da fazenda Caxambu, da produtora Marli Leite

Prata: 

O Queijo produzido por Túlio Madureira, no Serro levou duas medalhas no concurso: prata e bronze
Queijo Canastra de Capela Velha; 
Queijo do Serro com casca lavada da cooperativa do Serro, curado na França por Lafnarde; 
Queijo do Serro com casca ácaros, da cooperativa do Serro, curado na França por Lafinarde; 
Queijo Canastra do Vale da Gurita; 
Queijo canastra produzido por Reinaldo de Faria Costa; 
Queijo kankrej produzido por Túlio Madureira; 
Queijo santo casamenteiro, produzido por Queijos Cruzília.

Bronze: 

O Queijo D´Alagoa, do produtor Osvaldo Neto ficou com a medalha de Bronze. Alagoa é uma pacata cidade do Sul de Minas e o Parmesão produzido na cidade é um dos mais famosos e apreciados no Brasil

Queijo sabores do sítio, extra curado, produzido por Lúcia, do Campo das Vertentes; 

Queijo gir, do produtor Túlio Madureira; 
Queijo Alagoa Grande, da Queijo d'Alagoa, produzido por Osvaldo Martins de Barros Filho







MUSEOS: VALOR DE LA INMERSIÓN SENSORIAL, · en MUSEOGRAFÍA. ·

En 1980, el Museo de Oakland en California, organizó una exposición sobre el realismo que incluyó una proyección de estreno del documentalista Les Blank titulada “El ajo es tan bueno como lo son diez madres“. Durante la proyección, el personal del museo insufló vapores de ajos asados a través del sistema de ventilación del museo, creando una experiencia hiperrealista en el ambiente mientras se podía observar al famoso chef Alice Waters filetear ajo y a un fabricante de salchichas salpimentar en un tazón de carne. Con todos esos aromas-olores flotando en el aire del museo y la reacción colectiva de la audiencia, que se iba transformando en hambre, se consiguió que la experiencia tuviera un impacto memorable en todos los que se encontraban allí. No hay duda de que esta inmersión sensorial logró aumentar la conexión del público con la exposición.


El concepto de que la inmersión multisensorial puede utilizarse para involucrar al público y aumentar su experiencia emocional no es nada nuevo. Se trata de algo que se ha empleado en ritos culturales y ceremonias religiosas durante milenios. En el siglo pasado, los museos utilizaban dioramas – incluso hoy -, proyecciones, efectos sonoros, pistas de voz y ocasionalmente humo y espejos para contextualizar artefactos culturales y objetos históricos en ambientes inmersivos. Algunos montajes expositivos lo han conseguido basándose en las técnicas de puesta en escena comúnmente utilizadas en el teatro. Ciertos museos se atreven a utilizar tecnologías de vanguardia, como son los sistemas 3D estereoscópicos y hologramas, popularizados por primera vez en la década de 1840, para atraer a un público más amplio al museo.


Ya son muchos los estudios e investigaciones que afirman que la inmersión multi-sensorial aumenta el compromiso emocional y que esta conexión, a su vez, crea experiencias más profundas y memorables en la visita al museo. En el contexto expositivo de estas instituciones, “… las experiencias de los museos pueden estar profundamente arraigadas en los recuerdos de los visitantes con posibilidades de adquirir un aprendizaje significativo” (Falk & Dierking, 2009). Un reciente estudio realizado para la exposición “Goose Bumps: The Science of Fear” del Centro de Ciencia de California, reveló que desde la perspectiva de los visitantes, la experiencia de éstos estaba tan relacionada con los sentimientos y la emoción como con el conocimiento y la cognición. El estudio encontró evidente “… que la excitación emocional elevada afectó positivamente al nivel de cognición y de la memoria” (Falk et al, 2009). Otro estudio anterior, muy detallado, afirma que, “aunque los procesos cognitivos fueron considerados por mucho tiempo que estaban al margen de la emoción, la investigación actual ha indicado que estos procesos están inextricablemente entrelazados”. El estudio concluye que las emociones se han vinculado tanto a la toma de decisiones como a la memoria, y que “… (las emociones) impactan en las experiencias con las cuales los visitantes eligen participar, los recuerdos que tienen y, en última instancia, el aprendizaje que obtienen” (Damasio, 1995).




Las experiencias inmersivas que involucran a los sentidos crean una conexión emocional y cognitiva elevada que enciende la imaginación de los visitantes del museo. En la era multitarea de la información, sobrecargada de distracciones, los entornos inmersivos de los museos ofrecen otra ventaja convincente. Proporcionan experiencias amables, libres de interrupciones externas, que permiten al visitante relacionarse de manera más completa y consciente con el contenido de las exposiciones.

Como en cualquier otro campo emergente, hay muchas maneras de enmarcar, categorizar y etiquetar los nuevos avances y el contenido descriptivo de estas soluciones que evolucionan constantemente en el tiempo. Pero entrando en detalle, podríamos clasificar los modelos de diseño inmersivo de la siguiente manera:
Inmersión experimental.
Inmersión narrativa.
Inmersión teatral.
Inmersión interactiva.
Inmersión virtual.


Muchas exposiciones utilizan combinaciones de estos enfoques inmersivos dentro del mismo área o instalación. Como hemos mencionado en otros artículos, las experiencias inmersivas están definidas por las tecnologías de los medios de comunicación y el diseño conceptual, así como por el papel activo y participativo del visitante.

La inmersión experiencial sin el apoyo de una narración es puramente sensorial, pero puede resultar muy eficaz para estimular una conexión emocional con un valor de retención profundo. De hecho, este tipo de inmersión puede ser altamente provocativa. En la prisión de Alcatraz en San Francisco, el guía que nos acompañaba era un ex preso de esta prisión. Nos pidió a cada uno de nosotros que entrásemos en una celda y cerrásemos la puerta. Un solo minuto en el oscuro y húmedo espacio inundado con los olores del lugar resultó ser una experiencia inolvidable. No había necesidad de escuchar narración alguna. Otro ejemplo de este tipo de experiencia es la capilla de Rothko en Houston (Texas). La luz natural de las altas ventanas baña las grandes pinturas púrpuras del artista, creando una forma de música visual meditativa que refleja los momentos tranquilos y tormentosos de la naturaleza del artista. Los visitantes aportan su propio significado interpretativo a esta experiencia contemplativa sin narración.

Behance

Durante los últimos años, se han creado sistemas aplicados a exposiciones que son excelentes ejemplos de experiencias de inmersión impulsadas por la narrativa. Se diseñan como historias experienciales a través de las cuales el visitante deambula. Los medios multi-sensoriales se integran con los escenarios diseñados para proporcionar conexiones contextuales ricas con los objetos de la exposición.

Tumblr

Podemos mencionar muchos ejemplos de inmersión narrativa. Uno que destaca por la autenticidad de su enfoque de diseño inmersivo es la exposición “Greatest Generation Exhibit“, en el Minnesota History Center en St. Paul. En una galería del museo denominada “This Must Be Hell”, está expuesto el fuselaje de un bombardero verdadero de la Segunda Guerra Mundial, un Douglas C-47 en el que los visitantes entran para experimentar la sensación de los paracaidistas que una vez se sentaron dentro del avión. Un sistema de sonido de 16 canales, proyección de video y efectos visuales fuera de las ventanas planas sumergen a los visitantes en una representación realista de una batalla de la Segunda Guerra Mundial. Los visitantes escuchan historias reales de los veteranos de la Segunda Guerra Mundial sobre el salto del Día D en las playas de Normandía. Estar inmerso en un ambiente físico genuino crea una poderosa conexión emocional con los relatos de los veteranos sobre la vida y la muerte durante la guerra.


La tecnología de pantalla envolvente, con vídeo de alta definición y audio digital, se combina para crear experiencias de inmersión poderosas que se emplean cada vez más para sumergir a los visitantes en la vida y en los tiempos de otro entorno. A menudo se recurre a ellos para emocionar a los visitantes al principio de una exposición, para aumentar la conexión contextual de los visitantes con artefactos y objetos, y para expandir la comprensión empática hacia una exposición. El uso de 3D ha resurgido recientemente, allanando el camino para la nueva experiencia de inmersión 4D, lo que mejora la sensación de inmersión con elementos tangibles, como pueden ser los asientos que se mueven, el viento, olores y niebla. Los ejemplos sobre este tipo de instalaciones son cada vez más numerosos, uno de ellos lo encontramos en la instalación que se puede disfrutar en el Newseum de Washington DC.


El potencial para el diseño interactivo y participativo inmersivo es enorme. Las tecnologías en red e inalámbricas, las redes sociales y la mensajería instantánea, incluso el crowdsourcing, están entre las nuevas tecnologías que empiezan a encontrarse acompañando los contenidos de los museos. Esta introducción está permitiendo un cambio sustancial en el papel del visitante, que va desde la posición de espectador pasivo a la de participante activo. Su uso, al igual que el de muchas tecnologías de este tipo, está emergiendo día a día. A medida que evolucionen, permitirán niveles cada vez más significativos de participación y contribución de los visitantes en las exposiciones de los museos.

Web7

Los museos de naturaleza cultural comienzan a valorar el uso de las tecnologías interactivas y participativas, en particular para atraer a audiencias más jóvenes y más diversas, así como para extender la experiencia de aprendizaje deslocalizada. Un ejemplo son las mesas táctiles de uso múltiple, que sumergen al público en una experiencia colectiva y exploratoria. El nuevo Museo Grammy en Los Ángeles, California, introduce a los visitantes en una extraordinaria cantidad de contenido multicapa que cubre casi un siglo de historia sobre músicos y géneros. Los visitantes pueden seleccionar información de texto y cortes de música, que pueden escuchar individualmente o en pareja. Se ofrecen estaciones de audio colectivas similares en todo el museo. Las salas pequeñas simulan estudios de música que permiten usar de 4 a 6 visores de modo conjunto mientras se interactúa con diversos géneros musicales. Los instrumentos que se pueden tocar, mejorados digitalmente, ofrecen a los visitantes la oportunidad de interpretar diferentes canciones, mientras se escuchan través de unos auriculares (sin duda un alivio para los otros visitantes).


La inmersión virtual es una categoría amplia y variada, que se está beneficiando del rápido crecimiento de las voyantes industrias de videojuegos, la animación y de los parques temáticos. Las experiencias de realidad virtual (RV) aumentada tienen la ventaja de trascender lo físico y lo temporal, permitiendo a los visitantes explorar sitios históricos y arqueológicos basados ​​en datos reales. Las gafas RV se han desarrollado durante más de veinte años. Es una tecnología que ha recorrido un largo camino gracias a las imágenes digitales avanzadas, la compresión y las tecnologías de la geolocalización. En el horizonte tecnológico se encuentran los modelos RV aumentados, como es el caso de el “Virtusphere“, que permite a los visitantes explorar imágenes tridimensionales usando gafas RV mientras caminan dentro de una bola rodante suspendida en el techo del museo.


¿Cómo será la realidad virtual en el futuro aplicada a los museos? “Se puede adivinar que en los museos se incluirá la inmersión total del participante en una realidad aumentada 3-D, con imágenes holográficas e interacciones de frecuencia de onda acoplada al bio-sistema del individuo o individuos que están participando” (Winslow, 2007). Esto podría parecer un extracto de una novela de Asimov, pero lo cierto es que las nuevas tecnologías que pueden aplicarse a las exposiciones de los museos están avanzando a niveles asombrosos.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.