Google+ Followers

quarta-feira, 28 de junho de 2017

The technique of making a good impression. --- A técnica de fazer uma boa impressão.

Traditional Japanese woodblock prints are renowned for their exquisite detail and colour. Curator Alfred Haft reveals how the skilled block cutter and printer helped to create these beautiful works of popular art.

hanks to the refined technique of woodblock printing, Japanese society during the Edo period (1615–1868) enjoyed a rich supply of books and pamphlets, pictures and artworks.

The technique is particularly associated with pictures of the ‘floating world’ (ukiyo-e) – those celebrated, full-colour depictions of courtesans, actors and famous places that collectors have long admired and that the Impressionists embraced as a source of inspiration.


Utagawa Kunisada (1786–1864), Shokunin (Artisans). 
Woodblock print showing the process of printmaking, 1857.


In the free Asahi Shimbun Display Japanese woodblock printing: a craft of precision, we’ve used the work of three different ukiyo-e artists to reveal the skill and craftsmanship that went in to creating a traditional Japanese woodblock print.


Utagawa Kunisada (1786–1864), Shokunin (Artisans). 
Woodblock print showing the process of printmaking, 1857.


Featured in the display is a full-colour triptych by Utagawa Kunisada (1786–1864). It offers a look into the workshops of a master block cutter and master printer. Kunisada takes us through the main stages of the woodblock printing process – from the cutting of the first outline woodblock through to printing on specially prepared mulberry-fibre paper.

Also on display is a rare brush-drawing that Katsushika Hokusai (1760–1849) completed for a print. An artist’s final brush-drawing (or ‘block-ready drawing’) initiated the printmaking process, but few examples survive. They were usually pasted onto a woodblock and destroyed as the master block cutter traced the artist’s lines onto the block with a chisel. The master cut along either side of the lines, and then removed the surrounding wood to leave a network of raised ridges – the outlines of the final print.


Carved woodblock for a modern reproduction 
of Fuji-view Moor in Owari Province, from the 
series Thirty-six Views of Mt. Fuji, by Katsushika Hokusai.

A standard colour print might require four of five woodblocks cut on both sides, while a specially commissioned print (surimono) might require ten or more blocks. Mountain cherry (yamazakura) was, and still is, the wood of choice for the process because its grain is dense and durable. The woodblock we’ve used in the display is a modern example, but examples of original ukiyo-e woodblocks are very similar – the technique has changed little since the time of Hokusai and Kunisada.


Katsushika Hokusai (1760–1849). Fuji-view 
Moor in Owari Province. Colour woodblock, 1830–1833.

The pigments in traditional Japanese prints came from different sources. Many were derived from plants, such as safflower for red, and others from minerals. Around the late 1820s, the synthetic pigment Prussian blue (bero-ai) caused a sensation when it became widely available as it was a stable and lightfast pigment that resisted fading over time. The initial designs in Hokusai’s famous series Thirty-six Views of Mt Fuji (1831–33) were printed solely in Prussian blue and indigo. Subsequent designs, including the iconic Great Wave (1831), began to incorporate other colours.

Utagawa Hiroshige (1797–1858), No 46, 
Shono haku-u. Colour woodblock, c. 1833–1834.

Master printers combined basic pigments to create a range of colours, and they were also skilled at creating special effects. For example, the rain-drenched scene Sudden Shower at Shōno by Utagawa Hiroshige (1797–1858) includes a beautiful example of a favourite printing technique – gradation (bokashi). This was used by artists to suggest depth and atmosphere. Gradation required the printer to wipe pigment from the woodblock in a controlled manner, bringing to life the range of tones in the artist’s original design. The process had to be done by hand, so no two examples of gradation are exactly alike.

The display shows how the exquisite detail and colour of Japanese woodblock printing was achieved, by revealing the little-known processes behind this beautiful art form.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
A técnica de fazer uma boa impressão.

As impressões japonesas tradicionais de madeira são conhecidas pelos seus requintados detalhes e cores. O curador Alfred Haft revela como o qualificado cortador de blocos e impressora ajudou a criar essas belas obras de arte popular.

Hanks para a técnica refinada de impressão em madeira, a sociedade japonesa durante o período de Edo (1615-1868) desfrutou de uma abundante oferta de livros e panfletos, imagens e obras de arte.

A técnica é particularmente associada a imagens do "mundo flutuante" (ukiyo-e) - aquelas comemorativas, representações de cortesia, atores e lugares famosos que os colecionadores admiram há muito tempo e que os impressionistas se abraçaram como fonte de inspiração.

Imagem 1.
Utagawa Kunisada (1786-1864), Shokunin (Artesãos). Impressão em Woodblock mostrando o processo de gravura, 1857.

No livre Asahi Shimbun Display Impressão em madeira japonesa: um trabalho de precisão, usamos o trabalho de três artistas diferentes do ukiyo-e para revelar a habilidade e o artesanato que entraram na criação de uma impressão japonesa tradicional em madeira.

Imagem 2.
Utagawa Kunisada (1786-1864), Shokunin (Artesãos). Impressão em Woodblock mostrando o processo de gravura, 1857.

Destaque na exibição um tríptico colorido de Utagawa Kunisada (1786-1864). Ele oferece uma olhada nas oficinas de um cortador de bloco mestre e uma impressora principal. A Kunisada nos leva às etapas principais do processo de impressão em madeira - desde o corte do primeiro bloco de madeira do contorno até a impressão em papel especialmente preparado com fibra de amoreira.

Também em exibição é um desenho de escova raro que Katsushika Hokusai (1760-1849) completou para uma impressão. O desenho final de escova de um artista (ou "desenho pronto para bloco") iniciou o processo de gravação, mas poucos exemplos sobrevivem. Eles costumavam ser colados em um bloco de madeira e destruídos quando o cortador do bloco mestre rastreava as linhas do artista no bloco com um formão. O mestre cortou ao longo de cada lado das linhas e, em seguida, removeu a madeira circundante para deixar uma rede de cristas levantadas - os contornos da impressão final.

Imag 3.
Woodblock esculpido para uma reprodução moderna de Fuji-View Moor na província de Owari, da série Trinta e seis vistas do Monte. Fuji, de Katsushika Hokusai.

Uma impressão em cores padrão pode exigir quatro de cinco woodblocks cortados em ambos os lados, enquanto uma impressão especialmente criada (surimono) pode exigir dez ou mais blocos. A cereja de montanha (yamazakura) era, e ainda é, a madeira de escolha para o processo porque o seu grão é denso e durável. O woodblock que usamos na tela é um exemplo moderno, mas exemplos de woodblocks ukiyo-e originais são muito semelhantes - a técnica mudou pouco desde a época de Hokusai e Kunisada.

Imagem 4.
Katsushika Hokusai (1760-1849). Fuji-View Moor na província de Owari. Color woodblock, 1830-1833.

Os pigmentos em impressões japonesas tradicionais vieram de fontes diferentes. Muitos foram derivados de plantas, como cártamo para vermelho, e outros de minerais. Por volta do final da década de 1820, o pigmento sintético do azul prussiano (bero-ai) causou uma sensação quando ficou amplamente disponível, pois era um pigmento estável e leve que resistiu ao desbotamento ao longo do tempo. Os desenhos iniciais na famosa série de Hokusai Trinta e seis vistas de Mt Fuji (1831-33) foram impressos unicamente em azul prussiano e índigo. Projetos subsequentes, incluindo a icónica Great Wave (1831), começaram a incorporar outras cores.

Imagem 5.
Utagawa Hiroshige (1797-1858), No 46, Shono haku-u. Color woodblock, c. 1833-1834.

Impressoras mestres combinaram pigmentos básicos para criar uma variedade de cores, e eles também eram habilidosos na criação de efeitos especiais. Por exemplo, a cena de chuvas de chuva Sudden Shower em Shōno de Utagawa Hiroshige (1797-1858) inclui um belo exemplo de uma técnica de impressão favorita - gradação (bokashi). Isso foi usado por artistas para sugerir profundidade e atmosfera. A graduação exigiu que a impressora limpasse o pigmento do bloco de madeira de forma controlada, aumentando a autonomia dos tons no design original do artista. O processo teve que ser feito à mão, então não há dois exemplos de gradação exatamente iguais.

A tela mostra como o requintado detalhe e cor da impressão em madeira japonesa foi conseguido, revelando os processos pouco conhecidos por trás dessa bela arte.

2,300-year-old road discovered in Turkey’s Antalya. --- Estrada de 2.300 anos encontrada na Antalya.

A 2,300-year-old road on which Alexander the Great is believed to have walked has been discovered near the ancient city of Termessos in Antalya province, the Diken news website reported on Wednesday.


Cemil Karabayram, the director of surveying and monuments in Antalya, said no archeological excavations had been conducted in the ancient city this year until a scientific commission was set up.


He said a main road that extends southward and that had probably been used between the ancient cities of Termessos and Attaleia was discovered during work on the fortification of the city walls.


According to Karabayram, the road has been affected by earthquakes but has not sustained serious damage and that there are also stairs and passage routes.

The 2,300-year-old ancient city of Termessos is located 30 kilometers northwest of Antalya in Güllük Mountain National Park, situated at an altitude of 1,665 meters.

Termessos has been on the tentative list for UNESCO World Heritage since 2000.

The ancient city of Termessos, which was founded by the Solims living in the Psidia region, was surrounded by Alexander the Great in 333 BC. Although not much is known about the Solims and Termessos, they are mentioned by Homer in the Iliad in connection with the legend of Bellerophon. The most significant remains of the site are the city walls, towers, King’s Road, Hadrian’s Gate, gymnasium, agora, theatre, odeon, richly decorated tombs, cisterns and a drainage system.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
Estrada de 2.300 anos encontrada na Antalya.

Uma estrada de 2.300 anos de idade, em que se acredita que Alexandre o Grande andou, foi descoberta perto da antiga cidade de Termessos, na província de Antalya.

Cemil Karabayram, diretor de levantamento e monumentos em Antalya, disse que nenhuma escavação arqueológica já havia sido conduzida na cidade antiga até a criação de uma comissão científica.

Ele disse que uma estrada principal que se estende para o sul e que provavelmente havia sido usada entre as antigas cidades de Termessos e Attaleia foi descoberta durante o trabalho na fortificação das muralhas da cidade.

De acordo com Karabayram, a estrada foi afetada por terremotos, mas não sofreu sérios danos e também há escadas e rotas de passagem.

A antiga cidade de Termessos, de 2.300 anos, está localizada a 30 quilômetros a noroeste de Antalya, no Parque Nacional da Montanha Güllük, a uma altitude de 1.665 metros.

Termessos tem estado na lista provisória para o Patrimônio Mundial da UNESCO desde 2000.

A antiga cidade de Termessos, que foi fundada pelos Solims que vivem na região de Psidia, foi cercada por Alexandre o Grande em 333 aC. Embora não se saiba muito sobre os Solims e Termessos, eles são mencionados por Homero na Ilíada em conexão com a lenda de Bellerophon. Os restos mais importantes do site são as muralhas da cidade, torres, King's Road, Hadrian's Gate, ginásio, agora, teatro, odeon, túmulos ricamente decorados, cisternas e um sistema de drenagem.

Pão de queijo is the history of Brazil in a moreish cheese snack. --- O Pão de queijo é a história do Brasil em um lanche de queijo de mais carne.

Indigenous Brazilians, African slaves and European farmers all influenced the evolution of these tasty cheese balls from the state of Minas Gerais.


At almost every Brazilian gathering you’ll find pão de queijo (pronounced pow-ge-kay-ju) on the table: small golden cheese balls with a crunchy crust, a light, fluffy centre and a slightly tart flavour. They are similar to French gougère but are naturally gluten free.

Its culinary roots can almost certainly be traced back to the landlocked state of Minas Gerais in south-east Brazil. It’s thought that the indigenous Guaraní peoples pounded native cassava, otherwise known as yuca or manioc, to make basic bread long before the arrival of the Portuguese in 1500. When the colonisers settled in Minas, bringing with them African slaves – the colonial capital Ouro Preto was at the heart of the Brazilian gold rush – they discovered that the land wasn’t suitable for cultivating grains like wheat, and turned to this hardy, starchy tuber.



Like bitter almonds, cassava root contains cyanide and rendering it edible was a laborious process; it had to be peeled, finely grated, soaked in water and dried. This left behind a residue of powdery tapioca starch that the slaves, desperate to boost their paltry diet, would scrape out of the bowls and roll into small balls of dough before baking.

Fast-forward to the late 19th century; slavery was abolished, cattle farms were widespread, and salty, aged Minas cheese, milk and eggs were added to the mix, and this historic snack went nationwide. It is available around-the-clock and often sold in bars, but it’s best eaten at breakfast, fresh from the oven and washed down with a cup of Brazilian coffee. 







colaboração: Ana Paula Gaspar


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
O Pão de queijo é a história do Brasil em um lanche de queijo de mais carne.

Brasileiros indígenas, escravos africanos e agricultores europeus influenciaram a evolução dessas bolas de queijo saborosas do estado de Minas Gerais.

Em quase todos os encontros brasileiros, você encontrará o pão de queijo (pronunciado pow-ge-kay-ju) sobre a mesa: pequenas bolas de queijo dourado com uma crosta crocante, um centro leve e fofo e um sabor ligeiramente gélido. Eles são semelhantes ao gougère francês, mas são naturalmente sem glúten.

Suas raízes culinárias quase certamente podem ser rastreadas até o estado de Minas Gerais, no litoral, no sudeste do Brasil. Pensa-se que os povos indígenos guaranis batiam a mandioca nativa, também conhecida como yuca ou mandioca, para fazer pão básico muito antes da chegada dos portugueses em 1500. Quando os colonizadores se estabeleceram em Minas, trazendo consigo escravos africanos - a capital colonial Ouro Preto Estava no coração da corrida do ouro brasileiro - eles descobriram que a terra não era adequada para cultivar grãos como o trigo e se voltou para esse tubérculo resistente e amiláceo.

Como as amêndoas amargas, a raiz da mandioca contém cianeto e torná-la comestível foi um processo laborioso; Tinha que ser descascada, ralada, embebida em água e seca. Isso deixou um resíduo de amido de tapioca em pó que os escravos, desesperados por aumentar sua dieta insignificante, raspariam as tigelas e rolariam em pequenas bolas de massa antes de assar.

Avanço rápido até o final do século 19; A escravidão foi abolida, as fazendas de gado foram generalizadas e o queijo salgado, envelhecido Minas, leite e ovos foram adicionados à mistura, e esse lanche histórico foi em todo o país. Está disponível 24 horas por dia e muitas vezes vendido em bares, mas é melhor comer no café da manhã, fresco do forno e lavado com uma xícara de café brasileiro.