Google+ Followers

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Desglobalizando Pensamentos é o tema do Sarau Ricadri de Agosto 2017. "Para não cair na rede de compartilhamentos sem reflexão" é a ideia do tema.

SARAU RICADRI - Sarau temático - Grátis.

Vem participar!




Você pode se inscrever via


ou via whatsApp 
(11) 99157-7859


quando: 31/08/2017 - quinta-feira à partir das 19h00


ESPAÇO CULTURAL ENCENA
Rua Sargento Estanislau Custódio, 130, 
Jd. Jussara - Vila Sônia - cep 05534-030
Capacidade: 70 lugares Contato/Reservas: 
2867-4746 ( fixo ) 98336-0546 ( tim )




Le chausseur J.M. Weston vient de recruter l'actuel dirigeant du Musée de la mode, Olivier Saillard, comme directeur artistique. Le Palais Galliera lui cherche un remplaçant. --- O J. M. Weston recrutou o atual líder do Museu da Moda, Olivier Saillard, como diretor artístico. O Palais Galliera procurando um substituto.

L'historien de la mode Olivier Saillard quittera en janvier 2018 le Palais Galliera, musée de la mode de la ville de Paris dont il était directeur depuis 2010, pour devenir directeur artistique du chausseur J.M. Weston, ont annoncé jeudi la griffe et le musée. "Olivier Saillard aura la responsabilité des collections de chaussures homme et femme, des accessoires et de l'image de la Maison", indique la marque française, propriété du groupe EPI.


Olivier Saillard, 50 ans, est depuis mai 2010 directeur du Palais Galliera, qui a rouvert en 2013 à l'issue de quatre années de travaux. Il a présenté depuis sa nomination plus de 28 expositions in situ et hors les murs, sur Madame Grès, Alaïa, Jeanne Lanvin, Balenciaga, ou encore les années 50. Un appel à candidatures a été lancé pour lui trouver un successeur à la tête du musée.

Première collection en 2018

Le Palais Galliera, qui propose depuis 1977 des expositions temporaires, accueillera à partir de la fin 2019, dans une nouvelle galerie, des collections permanentes puisées dans les 250.000 pièces (vêtements, accessoires, photographies et arts graphiques) du musée.

Diplômé en histoire de l'art, Olivier Saillard a été conservateur du musée de la mode de Marseille de 1995 à 2000, avant de devenir responsable de la programmation des expositions mode au Musée des Arts Décoratifs de Paris. Il a également conçu plusieurs performances en collaboration avec l'actrice Tilda Swinton. Chez J.M. Weston, où il remplace le créateur Michel Perry, ses "premières inspirations" seront dévoilées en septembre 2018, lors de l'ouverture d'une nouvelle boutique de 600 m2, au 55 avenue des Champs-Elysées, précise la marque.

Une e manufacture centenaire

"Olivier incarne parfaitement la nouvelle dynamique dans laquelle la Maison s'est engagée depuis deux ans. Sa nomination souligne notre volonté d'inscrire J.M. Weston dans un projet ambitieux", a déclaré Thierry Oriez, président du fabricant de chaussures de luxe.

Située à Limoges, la manufacture de la marque, créée en 1891, emploie aujourd'hui quelque 170 artisans. La griffe est devenue J.M. Weston à la suite du voyage aux États-Unis du fils du fondateur, qui a appris une technique de montage traditionnelle de chaussures à Weston, près de Boston. Elle possède 49 boutiques en propre dans le monde, dont une trentaine en France.

Indépendamment de son rôle de directeur artistique, Olivier Saillard continuera à concevoir des performances artistiques et des collaborations pour de grandes institutions.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
O J. M. Weston recrutou o atual líder do Museu da Moda, Olivier Saillard, como diretor artístico. O Palais Galliera procurando um substituto.

O historiador Olivier Saillard moda sairá em Janeiro de 2018, a Galliera Museu Musée de moda na cidade de Paris, que foi diretor de 2010 a tornar-se diretor artístico do sapateiro, J. M. Weston, anunciou quinta-feira a garra eo museu. "Olivier Saillard terá a responsabilidade de homens e mulheres sapatos de coleções, acessórios e a imagem da casa", disse a marca francesa, de propriedade do Grupo PPE.

Olivier Saillard, 50, é de maio de 2010 Diretor de Musée Galliera, que reabriu em 2013 após quatro anos de trabalho. Ele apresentou desde os seus mais de 28 exposições em nomeação situ e fora das paredes, em Madame Grès, Alaia, Jeanne Lanvin, Balenciaga, ou o 50 foi lançado um concurso para encontrar um sucessor para dirigir o museu.

Primeira coleção em 2018

O Palais Galliera, que oferece exposições temporárias desde 1977, será o anfitrião do final de 2019, uma nova galeria, coleções permanentes extraídos das 250.000 itens (roupas, acessórios, fotografias e gráficos) do museu.

Formado em história da arte, Olivier Saillard foi curador de moda em Marselha, de 1995 a 2000, antes de se tornar responsável por exposições de programação de moda no Museu de Artes Decorativas, em Paris. Ele também desenhou várias performances em colaboração com a atriz Tilda Swinton. Em J. M. Weston, onde ele substituiu o criador Michel Perry, suas "primeiras inspirações" será apresentado em Setembro de 2018, na abertura de uma nova loja de 600 m2, a 55 avenue des Champs-Elysées, diz a marca.

A fábrica centenária

"Olivier encarna a nova dinâmica em que a casa está comprometida por dois anos. Sua nomeação sublinha o nosso compromisso de incluir J. M. Weston em um projeto ambicioso", disse Thierry Oriez, presidente da fabricante de calçados de luxo.

Localizado em Limoges, a fabricação da marca, criada em 1891, emprega hoje cerca de 170 artesãos. A marca se tornou J. M. Weston depois da viagem para os Estados Unidos, filho do fundador, que aprendeu sapatos tradicionais técnica de montagem em Weston, perto de Boston. Ele tem 49 lojas próprias em todo o mundo, incluindo trinta na França.

Independentemente de seu papel como diretor artístico Olivier Saillard continuar a desenvolver performances artísticas e colaborações com grandes instituições.

Literature teaches us to be humble about our own knowledge. A provocative and inspiring case for a more humanistic economics. --- A literatura nos ensina a ser humilde sobre nosso próprio conhecimento. Um caso provocador e inspirador para uma economia mais humanista

To be a better investor, read more good novels.

If you are going to bet on how the stock market will move, you better have a good understanding of human behavior.

Keira Knightley is Anna Karenina in the 2012 film version of the novel.


To be a successful investor, it helps to understand people. And nothing does a better job than great literature in providing insight into how individuals act — what motivates them, what unnerves them and what inspires them.

We bet you can find a number of classics on the bookshelves of many investors, books by Burt Malkiel, Peter Lynch, Warren Buffett and Robert Shiller, among others. Here are some other authors who might also improve your investment returns: Jane Austen, Anton Chekhov, Leo Tolstoy and Fyodor Dostoevsky.

Why should you look to literature for investment guidance? Because culture matters. People aren’t organisms that are made and then dipped in some culture, like Achilles in the river Styx. They are cultural from the outset. To know them, read their stories. There is no way to grasp most of what individuals and groups do by deductive logic. Given identical economic opportunities and advice, various cultures respond differently. Human lives don’t just unfold in a purely predictable fashion the way Mars orbits the sun. Contingency, traditions, idiosyncrasy and unforeseeable choices — all of which allow for alternatives — play an indispensable role.

Novels offer a distinct way of knowing. The very shape of the stories they tell, the sorts of events they represent as plausible, effective or important, convey vital, if elusive information. What’s more, reading great literature involves constant practice in empathy. If one hasn’t identified with Anna Karenina, one has not really read “Anna Karenina.”

Reading a great novel, you identify with its characters and spend countless hours feeling from within what it is like to be someone else. You experience the world as someone of a different social class, gender, religion, sexuality, moral understanding or countless other factors that differentiate human experience. And if you are going to bet on how markets will act, you sure better have an appreciation for what drives the actors. In other words, you better be able to put yourself in their place.

Does great literature really do that? It does. As trumpeted a couple of years ago on the front page of the New York Times, “For Better Social Skills, Scientists Recommend a Little Chekhov.” The article reported on a study published in the journal Science showing that after reading literary fiction (as opposed to nonfiction or popular fiction), people did better on tests measuring empathy, social perception and emotional intelligence. If you are looking to develop personal qualities that might just translate into improved investment performance, we suggest you start with those three.

We look especially to literature when trying to comprehend other countries and their markets. When we are asked by our American students how they may best advance their abilities to successfully invest in China, India, Russia and other far-flung nations, we tell them that instead of taking still another course in economics, statistics or mathematics, try the humanities.

Many Americans were thoroughly mystified that after U.S. economic sanctions were leveled against Russia, Vladimir Putin added on his own self-sanctions by barring imports of food. Read Tolstoy, and you can learn more about Russian nationalism and identity than you might imagine.

Investing in China? Try the classic Chinese novel “The Story of the Stone.” Japan? How about the 11th-century masterpiece “The Tale of Genji”? India? Start with the “Bhagavad Gita.” Of course, gaining an appreciation of a nation’s art, music, politics, religion and history is also a good idea before you invest there, but there is nothing more illuminating than its literature.

A final thought: Literature teaches us to be humble about our own knowledge. When it comes to people and the markets in which they engage, things are likely to be much more complex than they seem. If economists learned from great literature, their models would be more realistic, their predictions more accurate and their policies more effective and more just.

Great literature provides a window into how the real world actually operates, creating a more nuanced insight into others and engendering a sincere humility in ourselves. That sense of humility doesn’t just mark those with the deepest understanding of humanity; we suspect it is also a characteristic of the best of investors.

Gary Saul Morson is the Lawrence B. Dumas Professor of the Arts and Humanities at Northwestern University. Morton Schapiro is a professor of economics and the president of Northwestern University. They are the authors of “Cents and Sensibility: What Economics Can Learn from the Humanities,” Princeton University Press, 2017.


A provocative and inspiring case for a more humanistic economics.

Economists often act as if their methods explain all human behavior. But in Cents and Sensibility, an eminent literary critic and a leading economist make the case that the humanities, especially the study of literature, offer economists ways to make their models more realistic, their predictions more accurate, and their policies more effective and just.

Gary Saul Morson and Morton Schapiro trace the connection between Adam Smith's great classic, The Wealth of Nations, and his less celebrated book on The Theory of Moral Sentiments, and contend that a few decades later Jane Austen invented her groundbreaking method of novelistic narration in order to give life to the empathy that Smith believed essential to humanity.

Morson and Schapiro argue that Smith's heirs include Austen, Anton Chekhov, and Leo Tolstoy as well as John Maynard Keynes and Milton Friedman. Economists need a richer appreciation of behavior, ethics, culture, and narrative—all of which the great writers teach better than anyone.

Cents and Sensibility demonstrates the benefits of a freewheeling dialogue between economics and the humanities by addressing a wide range of problems drawn from the economics of higher education, the economics of the family, and the development of poor nations. It offers new insights about everything from the manipulation of college rankings to why some countries grow faster than others. At the same time, the book shows how looking at real-world problems can revitalize the study of literature itself.

Original, provocative, and inspiring, Cents and Sensibility brings economics back to its place in the human conversation.

Gary Saul Morson is the Lawrence B. Dumas Professor of the Arts and Humanities and professor of Slavic languages and literatures at Northwestern University. His many books include Narrative and Freedom, "Anna Karenina" in Our Time, and The Words of Others: From Quotations to Culture. Morton Schapiro is the president of Northwestern University and a professor of economics. His many books include The Student Aid Game (Princeton). Morson and Schapiro are also the editors of The Fabulous Future?: America and the World in 2040.

Reviews:

"Focusing mostly on integrating exposure to great realist novels (such as Anna Karenina, Middlemarch, and War and Peace) into economics education, the authors use three case studies on, respectively, higher education, the family, and the economic development of nations to make an insightful and compelling argument. Morson and Schapiro succeed in finding new ways of thinking about big issues as well as new ways to read classic novels. . . . The case studies read like popular nonfiction. There’s immense joy to be found throughout this work on thinking with creativity and passion."--Publishers Weekly

Endorsements:

"In Cents and Sensibility, Morson and Schapiro argue persuasively that the vast intellectual gulf between economics and the humanities is a tragedy for all of us since it compromises our ability to understand some of the most important trends of our times. The authors show us that this divide is not inevitable: they show steps to close it."--Robert J. Shiller, Nobel Prize-winning economist and author of Irrational Exuberance

"An erudite but take-no-prisoners tour of our hyperspecialized academic world, Cents and Sensibility cleaves universities at their arthritic departmental joints--and mercilessly pokes some of the sorest spots. This book is welcome reading for scholars in all walks of intellectual life."--Philip E. Tetlock, coauthor of Superforecasting: The Art and Science of Prediction

"Enjoy this delightful book for its warmth, charm, and easy manner. But while you are doing that, you will find yourself learning a good deal about economics and the role of the humanities in today’s world. Morson and Schapiro are a rare and valuable pair."--Michael S. McPherson, coauthor of Lesson Plan: An Agenda for Change in American Higher Education






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
A literatura nos ensina a ser humilde sobre nosso próprio conhecimento.

Para ser um melhor investidor, leia mais boas novelas.

Se você vai apostar em como o mercado de ações se moverá, é melhor ter uma boa compreensão do comportamento humano.

imagem1
Keira Knightley é Anna Karenina na versão cinematográfica de 2012 da novela.


Para ser um investidor bem-sucedido, ajuda a entender as pessoas. E nada faz um trabalho melhor do que uma ótima literatura ao fornecer informações sobre como os indivíduos atuam - o que os motiva, o que os enerva e o que os inspira.

Nós aposto que você pode encontrar uma série de clássicos nas prateleiras de muitos investidores, livros de Burt Malkiel, Peter Lynch, Warren Buffett e Robert Shiller, entre outros. Aqui estão alguns outros autores que também podem melhorar seus retornos de investimento: Jane Austen, Anton Chekhov, Leo Tolstoy e Fyodor Dostoiévski.

Por que você deve procurar literatura para orientações de investimento? Porque a cultura é importante. As pessoas não são organismos que são feitos e depois mergulhados em alguma cultura, como Aquiles no rio Styx. Eles são culturais desde o início. Para conhecê-los, leia suas histórias. Não há como compreender a maior parte do que os indivíduos e os grupos fazem pela lógica dedutiva. Dadas idênticas oportunidades econômicas e conselhos, várias culturas respondem de forma diferente. As vidas humanas não se desdobram de forma puramente previsível da maneira como Marte orbita o sol. Contingência, tradições, idiossincrasia e escolhas imprevisíveis - tudo isso que permite alternativas - desempenham um papel indispensável.

Os romances oferecem uma maneira distinta de saber. A própria forma das histórias que eles contam, o tipo de eventos que eles representam como plausível, eficaz ou importante, transmitem informações vitais, se esquisitas. Além disso, ler uma ótima literatura envolve prática constante em empatia. Se alguém não se identificou com Anna Karenina, não se lê realmente "Anna Karenina".

Lendo uma ótima novela, você se identifica com seus personagens e passa incontáveis ​​horas sentindo-se dentro do que é ser outra pessoa. Você experimenta o mundo como alguém de uma classe social diferente, gênero, religião, sexualidade, compreensão moral ou inúmeros outros fatores que diferenciam a experiência humana. E se você apostar em como os mercados irão atuar, você certamente terá uma apreciação pelo que impulsiona os atores. Em outras palavras, é melhor você se colocar em seu lugar.

A ótima literatura realmente faz isso? Ele faz. Como anunciou há alguns anos na primeira página do New York Times, "Para melhores habilidades sociais, os cientistas recomendam um pouco Chekhov". O artigo relatou um estudo publicado na revista Science mostrando que depois de ler a ficção literária (ao contrário Para não ficção ou ficção popular), as pessoas melhoraram em testes que medem empatia, percepção social e inteligência emocional. Se você está procurando desenvolver qualidades pessoais que possam simplesmente se traduzir em melhor desempenho de investimento, sugerimos que você comece com essas três.

Observamos especialmente a literatura ao tentar compreender outros países e seus mercados. Quando os alunos americanos nos pedem a melhor forma de avançar suas habilidades para investir com sucesso na China, na Índia, na Rússia e em outras nações distantes, nós lhes dizemos que, em vez de seguir um outro curso em economia, estatística ou matemática, experimente o Humanidades.

Muitos americanos ficaram completamente desconfiados de que, após a sanção econômica dos EUA contra a Rússia, Vladimir Putin acrescentou suas auto-sanções, proibindo as importações de alimentos. Leia Tolstoi, e você pode aprender mais sobre o nacionalismo e a identidade russos do que você imagina.

Investir na China? Experimente a clássica novela chinesa "The Story of the Stone". Japão? Que tal a obra-prima do século XI "The Tale of Genji"? Índia? Comece com o "Bhagavad Gita". Claro, obter uma apreciação da arte, música, política, religião e história de uma nação também é uma boa idéia antes de investir lá, mas não há nada mais iluminante do que a literatura.

Um pensamento final: a literatura nos ensina a ser humilde sobre nosso próprio conhecimento. Quando se trata de pessoas e os mercados em que se envolvem, é provável que as coisas sejam muito mais complexas do que parecem. Se os economistas aprendessem com a grande literatura, seus modelos seriam mais realistas, suas previsões mais precisas e suas políticas mais efetivas e mais justas.

A grande literatura fornece uma janela sobre como o mundo real realmente opera, criando uma visão mais matizada dos outros e engendrando uma humildade sincera em nós mesmos. Esse sentimento de humildade não apenas marca aqueles com a mais profunda compreensão da humanidade; Suspeitamos que também seja uma característica do melhor dos investidores.

Gary Saul Morson é o Lawrence B. Dumas Professor de Artes e Humanidades da Northwestern University. Morton Schapiro é professor de economia e presidente da Northwestern University. Eles são os autores de "Cents and Sensibility: What Economics Can Learn from the Humanities", Princeton University Press, 2017.

imagem 2

Um caso provocador e inspirador para uma economia mais humanista

Os economistas geralmente agem como se seus métodos explicassem todo o comportamento humano. Mas em Cents and Sensibility, um crítico literário eminente e um economista líder fazem com que as humanidades, especialmente o estudo da literatura, ofereçam aos economistas maneiras de tornar seus modelos mais realistas, suas previsões mais precisas e suas políticas mais efetivas e justas.

Gary Saul Morson e Morton Schapiro traçam a conexão entre o grande clássico de Adam Smith, The Wealth of Nations e seu livro menos famoso sobre The Theory of Moral Sentiments, e afirmam que algumas décadas depois Jane Austen inventou seu método pioneiro de narração novelística para Para dar vida à empatia que Smith considerava essencial para a humanidade.

Morson e Schapiro argumentam que os herdeiros de Smith incluem Austen, Anton Chekhov e Leo Tolstoy, bem como John Maynard Keynes e Milton Friedman. Os economistas precisam de uma apreciação mais rica do comportamento, ética, cultura e narrativa - tudo o que os grandes escritores ensinam melhor do que qualquer um.

Cents e Sensibilidade demonstram os benefícios de um diálogo livre entre a economia e as humanidades, abordando uma ampla gama de problemas derivados da economia do ensino superior, da economia da família e do desenvolvimento das nações pobres. Ele oferece novos conhecimentos sobre tudo, desde a manipulação das classificações da faculdade até o porquê alguns países crescem mais rápido do que outros. Ao mesmo tempo, o livro mostra como a visão de problemas do mundo real pode revitalizar o estudo da própria literatura.

Original, provocativo e inspirador, Cents and Sensibility traz a economia de volta ao seu lugar na conversa humana.

Gary Saul Morson é Lawrence B. Dumas Professor de Artes e Humanidades e professor de línguas e literaturas eslavas na Northwestern University. Seus muitos livros incluem Narrativa e Liberdade, "Anna Karenina" em Nosso Tempo, e As Palavras de Outros: De Citações a Cultura. Morton Schapiro é o presidente da Northwestern University e um professor de economia. Seus muitos livros incluem The Student Aid Game (Princeton). Morson e Schapiro também são editores do The Fabulous Future ?: America and the World in 2040.

Rever:
"Concentrando-se principalmente na integração da exposição a grandes romances realistas (como Anna Karenina, Middlemarch e Guerra e Paz) na educação econômica, os autores usam três estudos de caso sobre, respectivamente, o ensino superior, a família e o desenvolvimento econômico das nações para Faça um argumento perspicaz e convincente. Morson e Schapiro conseguem encontrar novas formas de pensar sobre grandes questões, bem como novas maneiras de ler romances clássicos ... Os estudos de caso lêem como não ficção popular. Existe uma enorme alegria ao longo deste trabalho Pensando com criatividade e paixão. "- Publishers Weekly

Endossos:
"Em Cents and Sensibility, Morson e Schapiro argumentam persuasivamente que o vasto fosso intelectual entre economia e humanidades é uma tragédia para todos nós, pois compromete nossa capacidade de entender algumas das tendências mais importantes de nossos tempos. Os autores nos mostram isso Essa divisão não é inevitável: eles mostram medidas para fechá-lo. "- Robert J. Shiller, economista vencedor do Prêmio Nobel e autor da exuberância irracional

"Um passeio erudito, mas não é prisioneiro, de nosso mundo acadêmico hiperespecializado, Cents and Sensibility cliva as universidades em suas articulações departamentais artríticas - e pisa sem piedade alguns dos pontos mais sérios. Este livro é bem-vindo lendo para estudiosos em todas as esferas da vida intelectual . "- Philip E. Tetlock, co-autor do Superforecast: O Art e a Ciência da Previsão

"Desfrute deste livro delicioso por seu calor, charme e facilidade. Mas enquanto você está fazendo isso, você vai encontrar-se aprendendo um bom negócio sobre economia e o papel das humanidades no mundo de hoje. Morson e Schapiro são raro e valioso Par. "- Michael S. McPherson, co-autor do Plano de Aula: uma agenda para a mudança no ensino superior americano.