Google+ Followers

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Extraordinary embroidery: Hidden histories of ordinary girls revealed through their sewing. Fitzwilliam Museum. --- Bordados extraordinários: Histórias ocultas de meninas comuns reveladas através de sua costura. --- 非凡的刺绣:普通女孩的隐藏历史通过缝制透露。

Coloured silks and metal threads, white-work and needle lace... Over 120 beautifully embroidered samplers, some hundreds of years old, have gone on display in Cambridge in the exhibition Sampled Lives: Samplers from the Fitzwilliam Museum. 

Each one meticulously stitched by a girl or young woman, the samplers and accompanying book give a glimpse of past lives: from mid-17th century English Quakers to early-20th-century school pupils. The skill employed in making them is remarkable – works by girls as young as nine years old are shown. 

Very rarely seen due to their fragility and sensitivity to the light, several samplers have been newly conserved and cleaned for the show. This will be the first time so many fine examples from the Fitzwilliam’s outstanding collection of samplers have gone on display together.


Map sampler, 1790. Inscribed ‘Ann Seaton’. 
© The Fitzwilliam Museum, University of Cambridge.

The sampler was an essential part of a young woman’s education. It showed much more than just her ability with a needle and thread – it was a stitched CV, representing her competence to run a future home, or for seeking employment where such needle skills would be to her advantage. 

Samplers were also a work of creativity and pride, some containing hidden messages in the symbols and images used, referring to the girls’ political or religious beliefs. Many are stitched with names and ages. In some cases it is the only surviving document to record the existence of an ordinary young woman. 

As the centuries progressed the sampler also became part of exercises towards literacy. Stitched prayers and odes to charity and faith adorned the fabric alongside alphabets and numerals. 

The displays highlight the importance of samplers as documentary evidence of past lives, revealing their education, employment, religion, family, societal status and needlework skills. A fully-illustrated catalogue by Carol Humphrey, Honorary Keeper of Textiles, includes new high resolution photography to reveal the intricacy of the coloured silk stitches. It explores some of the personal stories that archival and genealogic research has revealed, as well as showing the evolution of different embroidery styles. 

It is hoped that the exhibition and book of Sampled Lives will stimulate further research, revealing more about the hidden histories of their makers. 

Carol Humphrey commented: "The samplers are a stunning example of the needlework of the past and a masterclass for anyone interested in the changing fashions and styles of embroidery over the centuries. Much has changed in the study of samplers during the last thirty years or so. Now samplers can be seen as a valid means of studying the circumstances and material culture of their makers. When researched in depth, they can reveal not only personal details about an individual girl but also provide a key to family histories. We hope that visitors will enjoy discovering more about the techniques and past lives revealed in the exhibition and the book, and that further discoveries will come to light in the future."









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--br via tradutor do google
Bordados extraordinários: Histórias ocultas de meninas comuns reveladas através de sua costura.

Sedas coloridas e fios metálicos, rendas brancas e agulhas ... Mais de 120 amostradores lindamente bordados, com algumas centenas de anos, foram exibidos em Cambridge na exposição Sampled Lives: Samplers from Fitzwilliam Museum.

Cada um, meticulosamente costurado por uma menina ou jovem, os amostradores e o livro que acompanha dão um vislumbre de vidas passadas: dos quakers ingleses do meio do século XVII aos alunos da escola do início do século XX. A habilidade empregada para fazê-los é notável - obras de meninas de até nove anos de idade são mostradas.

Muito raramente visto devido à sua fragilidade e sensibilidade à luz, vários amostradores foram recentemente conservados e limpos para o show. Esta será a primeira vez que tantos bons exemplos da excelente coleção de amostras da Fitzwilliam foram exibidos em conjunto.

Imagem 1
Map sampler, 1790. Inscrito 'Ann Seaton'. © The Fitzwilliam Museum, Universidade de Cambridge.

O amostrador era uma parte essencial da educação de uma jovem. Isso mostrava muito mais do que apenas sua habilidade com uma agulha e fio - era um CV costurado, representando sua competência para dirigir uma casa futura, ou para procurar emprego onde tais habilidades de agulhas seriam para sua vantagem.

Os amostradores também eram um trabalho de criatividade e orgulho, alguns contendo mensagens ocultas nos símbolos e imagens usadas, referindo-se às crenças políticas ou religiosas das meninas. Muitos são costurados com nomes e idades. Em alguns casos, é o único documento sobrevivente para registrar a existência de uma jovem jovem comum.

À medida que os séculos avançavam, o amostrador também fazia parte dos exercícios para a alfabetização. As orações e oces costurados à caridade e à fé adornavam o tecido ao lado de alfabetos e números.

As exibições destacam a importância dos amostradores como evidência documental de vidas passadas, revelando sua educação, emprego, religião, família, status social e habilidades de costura. Um catálogo totalmente ilustrado de Carol Humphrey, Guardião Honorário de Têxteis, inclui uma nova fotografia de alta resolução para revelar a complexidade dos pontos de seda coloridos. Ele explora algumas das histórias pessoais que a pesquisa arquivística e genealogica revelou, além de mostrar a evolução de diferentes estilos de bordados.

Espera-se que a exposição e o livro de Vidas Amostragadas estimulem pesquisas futuras, revelando mais sobre as histórias escondidas de seus criadores.

Carol Humphrey comentou: "Os amostradores são um exemplo impressionante do trabalho de costura do passado e uma série para todos os interessados ​​nas modas mudas e estilos de bordados ao longo dos séculos. Muito mudou no estudo de amostras durante os últimos trinta anos ou mais Agora, os amostradores podem ser vistos como um meio válido de estudar as circunstâncias e a cultura material de seus criadores. Quando pesquisados ​​em profundidade, eles podem revelar não apenas detalhes pessoais sobre uma garota individual, mas também fornecem uma chave para as histórias familiares. Esperamos que os visitantes Vai gostar de descobrir mais sobre as técnicas e as vidas passadas reveladas na exposição e no livro, e que novas descobertas serão divulgadas no futuro ".





--chines simplificado

非凡的刺绣:普通女孩的隐藏历史通过缝制透露。

彩色丝绸和金属丝线,白色和针织花边...数百年来,已有120多件精美的采样器在剑桥展出,展出了“抽样生活”:菲茨威廉博物馆的采样器。

每个人都被一个女孩或年轻女子仔细地缝合,取样器和随书瞥见过去的生活:从17世纪中叶的英国贵格会到20世纪初的学生。在制作中所使用的技能是显着的 - 显示了9岁以下的女孩的作品。

很少见到,因为它们对光的脆弱性和敏感性,几个采样器已被新近保存并进行了清洁。这将是Fitzwilliam的优秀收藏品集合中的第一次很好的例子。


形象1
地图采样器,1790.铭记的“安·塞顿”。 ©剑桥大学Fitzwilliam博物馆。

取样器是年轻女子教育的重要组成部分。它显示的不仅仅是她的针和线的能力 - 这是一个缝合的简历,代表她的能力运行未来的家,或寻求就业,这样的针头技能将是她的优势。

抽样者也是一种创造力和自豪感的工作,一些包含所使用的符号和图像中的隐藏信息,指的是女孩的政治或宗教信仰。许多人的名字和年龄都被缝合了。在某些情况下,唯一的幸存文件是记录普通年轻女子的存在。

随着数世纪的进步,取样器也成为读写能力的一部分。针对慈善和信仰的缝合祈祷和信仰将面料与字母和数字一起装饰。

这些展示突出了采样者作为过去生活的文献证据的重要性,揭示了他们的教育,就业,宗教,家庭,社会地位和针线技巧。名为“纺织品管理者”的Carol Humphrey的完全说明的目录包括新的高分辨率摄影,以揭示彩色丝线缝合的错综复杂。它探讨了档案和家谱研究揭示的一些个人故事,以及展示不同刺绣风格的演变。

希望“抽样生活”的展览和书籍将进一步推动研究,揭示更多关于制造商隐藏的历史。

卡罗·汉弗莱(Carol Humphrey)评论说:“采样者是过去几年来针对过去的针刺和一个大师班,对于任何有兴趣不断变化的刺绣风格和风格的人来说,在过去的三十年间,采样者的研究发生了很大变化现在,采样者可以被看作是研究制作者的情境和物质文化的有效手段,深入研究时,不仅可以揭示一个女孩的个人细节,还可以提供家庭历史的关键,希望访客将会更多地了解展览和本书中揭示的技术和过去的生活,未来还会发现更多的发现。“

Grotte d’Osselle : ouverture du musée minéralogique. Extraite il y a quelques mois au Brésil. --- Grotte d'Osselle: opening of the mineralogical museum. Extracted a few months ago in Brazil, --- Caverna Osselle: abertura do Museu Mineralógico. Ele extraído há alguns meses no Brasil,

Gestionnaire de la grotte d’Osselle depuis cinquante ans et amoureux des richesses souterraines, Claude Haaz sillonne les continents pour dénicher des minéraux d’exception. Depuis peu, « Le doigt de Dieu » est venu enrichir la collection.


Sa collection de minéralogie considérée aujourd’hui comme l’une des meilleures au monde vient de s’enrichir d’une pièce unique. Extraite il y a quelques mois au Brésil, elle était, fin juin dernier, la pièce prestigieuse convoitée par de nombreux directeurs de musées lors de la 54e bourse internationale de Sainte-Marie-aux-Mines.

Baptisée « Le doigt de Dieu » par les mineurs brésiliens, elle présente trois composantes, une base d’améthyste surélevée de deux variétés de calcite. Pour Claude Haaz, c’est l’œuvre de millions d’années. « Par tranches successives, les minéraux racontent l’histoire du passé de la planète et offrent les clés du futur », aime dire ce passionné.

A présent, cette pièce trône dans l’une des nombreuses vitrines de la salle d’exposition aux côtés de trésors de variétés : tourmaline, topaze, aigue-marine et bien d’autres. Le visiteur pourra à présent admirer cette collection de pierres, phénomènes des plus belles cristallisations.

Quant à la grotte, sur les 1.200 m de galeries visitables, elle offre un écrin de concrétions colorées : stalactites, stalagmites, colonnes et rideaux, fruit d’infiltration d’eau dans la roche depuis des siècles. La grotte se visite de 9 h à 18 h 30 avec un départ toutes les vingt minutes.

Pour des raisons de disponibilité de guides qui assurent les rotations, le musée minéralogique est ouvert à la visite commentée avant 10 h 30 et après 16 h 30.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.




--in via tradutor do google
Grotte d'Osselle: opening of the mineralogical museum. Extracted a few months ago in Brazil,

Manager of the cave of Osselle for fifty years and in love with the underground riches, Claude Haaz crosses the continents to find minerals of exception. Recently, "The Finger of God" came to enrich the collection.

Its collection of mineralogy considered today as one of the best in the world has just been enriched with a unique piece. Extracted a few months ago in Brazil, it was, at the end of last June, the prestigious piece coveted by many museum directors at the 54th international stock exchange of Sainte-Marie-aux-Mines.

Baptized "The finger of God" by the Brazilian miners, it has three components, an elevated amethyst base of two varieties of calcite. For Claude Haaz, it is the work of millions of years. "In successive stages, minerals tell the history of the planet's past and offer the keys to the future," he says.

Now, this piece is throne in one of the showcases of the showroom alongside treasures of varieties: tourmaline, topaz, aquamarine and many others. The visitor can now admire this collection of stones, phenomena of the most beautiful crystallizations.

As for the cave, on the 1,200 m of visitable galleries, it offers a setting of colorful concretions: stalactites, stalagmites, columns and curtains, fruit of water infiltration in the rock for centuries. The cave is visited from 9 am to 6:30 pm with a departure every twenty minutes.

For reasons of availability of guides who ensure the rotations, the mineralogical museum is open to the commented visit before 10:30 and after 16:30.






--br via tradutor do google
Caverna Osselle: abertura do Museu Mineralógico. Ele extraído há alguns meses no Brasil,

Gerente da caverna Osselle por cinquenta anos e amantes de riquezas subterrâneas, Claude Haaz atravessa continentes para encontrar minerais excepcionais. Recentemente, "O dedo de Deus" enriqueceu a coleção.

A coleção de mineralogia agora considerado um dos melhores do mundo acaba de acrescentar uma peça única.

Ele extraído há alguns meses no Brasil, Era final de junho, a peça de prestígio cobiçado por muitos diretores de museus na 54ª mercado internacional para Sainte-Marie-aux-Mines.

Apelidado de "O dedo de Deus" por garimpeiros brasileiros, tem três componentes, um elevadas ametista básicas duas variedades de calcita. Para Claude Haaz, é o trabalho de milhões de anos. "Ao parcelas, minerais contar a história do passado do planeta e oferecer as chaves para o futuro", como dizem apaixonados.

Agora, este quarto trono em uma das muitas janelas das variedades de showroom tesouros lados: turmalina, topázio, água-marinha e muitos outros. Os visitantes podem agora admirar esta coleção de pedras dos fenômenos de cristalização melhores.

Como para a caverna, cerca de 1,200 m visitável, oferece um verde concreções coloridas: estalactites, estalagmites, colunas e cortinas, o resultado de infiltração de água na rocha durante séculos. A caverna das 9 às 18 30 horas, com partidas a cada vinte minutos.

Por razões de disponibilidade de guias que garantem as rotações, o museu mineralógica está aberto para visita guiada antes das 10 horas e após 16 pm 30 30.


Iraq accelerates work on its virtual national museum. --- O Iraque acelera o trabalho em seu museu nacional virtual.

BAGHDAD — Iraq’s Ministry of Tourism and Antiquities has accelerated its efforts to finish by the end of 2018 the Virtual Museum of Iraq, which will create a comprehensive database of Iraqi archaeological heritage online.




“The project, which will establish a comprehensive database of Iraq’s cultural and heritage treasures, will make the Iraqi antiquities accessible to people all around the world,” said Abdel Amir al-Hamadani, an Iraqi archaeologist who is a candidate for management of the National Museum of Iraq.

The acceleration of the project comes following a Japanese government loan to Iraq a year ago. The funding was used to purchase equipment that would enable the online categorization of Iraq’s numerous archaeological relics, giving a breath of life to the virtual museum project that has been on the table since 2005. Most experts, however, maintain that further funding would be required to make it a truly stellar virtual museum.

At present, the Virtual Museum of Iraq's website is in English, Arabic and Italian and offers a flash video that takes visitors to eight different doors that correspond to periods of Iraq’s history: Prehistoric, Sumerian, Akkadian and Neo-Sumerian, Babylonian, Assyrian, Achaemenid and Seleucid, Parthian and Sasanian, and Islamic. If the visitor clicks on any of the objects in the halls, it zooms closer and allows you to observe the object closer, as if you were in a real museum.

Many of the relics in the website come from the National Museum of Iraq, which was closed in 2003 when US forces invaded Iraq and then officially reopened in 2015. The museum includes many exhibition halls, classified by historical periods, just like its online version, and displays many Assyrian monuments and cuneiform writings.

Junaid Amer Hamid, an archaeologist at the Iraqi National Museum, told Al-Monitor that the virtual national museum project started in 2005 through cooperation with American and Italian efforts, but had been “slow in its beginning because of the lack of funding, as well as security and political conditions in Iraq.”

He predicted that the “next two years will witness the completion of the virtual museum, which will by then include most of Iraq’s relics and artifacts.”

Hamadani, whose archaeological work is acknowledged on the website, said that despite all the financial and technological difficulties, considerable progress was made on the virtual museum. “The first step was to translate texts into Arabic and edit the texts," he said. "I was personally involved in the translation process and the publishing of information in Arabic, English and Italian. Indeed, relics from the 23 halls of the Iraqi museum were put up online, divided according to chronological historical ages, from prehistoric times until the end of the Islamic era.”

But financial difficulties stopped further work, said Hamadani. The Japanese grant was then used to overcome the financial bottleneck. 

“The Japanese grant includes cameras, computers and other devices that will be used to document and digitally record Iraqi antiquities,” said Tanheen Ali Al-Miyadi, an information officer at the Iraqi National Museum. “Iraqi cultural heritage will gradually be transferred online to a virtual museum comparable to international practices.”

However, the process of documenting the existing items and tracking the lost ones continues to be both difficult and time-consuming. Some of the existing images of the antique treasures do not meet the quality standards of virtual museums. Hamid, an archaeologist at the National Museum of Iraq, said, “Iraq’s relics, including the ones in the National Museum, do not have high-standard virtual images. What is displayed online lacks in technology of effects and three dimensions and animated imagery. If these could be improved, it could lead to more interactions with the visitor.”

Also, some of the pieces were looted during the American invasion in 2003 and in the region's ensuing wars, and it would be difficult, if not impossible, to produce accurate digital images.

“The destruction of Iraqi heritage in Ninevah was a painful experience, not only for Iraq but for the whole world,” Miyadi said, adding that the antiquities housed there were not well documented and it would take a lot of time and effort to recover such information.

But she also maintained that the Japanese grant by itself will not be enough to document all Iraq's archaeological artifacts. "This requires concerted local and international efforts to support a virtual museum of Iraq’s relics, which will have the same standards as world-famous virtual museums,” she said.

The efforts exerted by the Ministry of Tourism and Antiquities at the international level resulted in the establishment of a fund for donors in Paris on May 17, whose budget amounted to $100 million to support the rehabilitation and preservation of Iraqi heritage.

Ali Sharif, head of the parliamentary Committee on Tourism and Antiquities, told Al-Monitor, “Iraq is in dire need of a virtual museum that includes a comprehensive electronic database of all the antiquities and relics in of Iraq.”

He expressed hope that Iraq, with the help of the Arab League Educational, Cultural and Scientific Organization (ALECSO), would complete this virtual museum by 2018, after the development of the necessary academic and professional skills. “The establishment of a virtual museum will reduce the cost of setting up field exhibitions of Iraq’s antiquities in different countries, which [places a strain on] the Iraqi budget," he said.

Hamadani said that the financial grants and support from UNESCO and ALECSO would help set a finishing date for the completion of the virtual museum, provided that Iraqi staff is trained by specialized foreign experts.

The 2003 US invasion and the overthrow of Saddam Hussein in Iraq delivered a major blow to Iraq’s historical heritage. Many archaeological sites and museums were looted, and historic landmarks were later destroyed at the hands of extremist groups. The virtual museum is a timely development, bringing Iraq's heritage to global audiences at a time when interest is high. The Iraqi pavilion at the Venice Biennale has put many Iraqi antiquities on display outside Iraq for the first time, and it has become one of the most visited parts of the international exhibition.





http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2017/07/iraq-accelerates-work-on-virtual-museum.html

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.









-br via tradutor do google

O Iraque acelera o trabalho em seu museu nacional virtual.

BAGDÁ - O Ministério do Turismo e Antiguidades do Iraque acelerou seus esforços para concluir no final de 2018 o Museu Virtual do Iraque, que criará uma base de dados abrangente sobre patrimônio arqueológico iraquiano on-line.

"O projeto, que estabelecerá uma base de dados abrangente dos tesouros culturais e patrimoniais do Iraque, tornará as antiguidades iraquianas acessíveis para pessoas de todo o mundo", disse Abdel Amir al-Hamadani, um arqueólogo iraquiano candidato à administração do Nacional Museu do Iraque.

A aceleração do projeto vem depois de um empréstimo do governo japonês ao Iraque há um ano. O financiamento foi utilizado para comprar equipamentos que permitiriam a categorização on-line das inúmeras relíquias arqueológicas do Iraque, dando vida a um projeto de museu virtual que já estava na mesa desde 2005. A maioria dos especialistas, porém, sustenta que seria necessário um financiamento adicional Para torná-lo um museu virtual verdadeiramente estelar.

Atualmente, o site do Museu Virtual do Iraque é em inglês, árabe e italiano e oferece um vídeo flash que leva os visitantes a oito portas diferentes que correspondem a períodos da história do Iraque: pré-históricos, sumérios, acadianos e neo-sumérios, babilônios, assírios, Achaemenid e Seleucid, Parthian e Sasanian, e islâmico. Se o visitante clicar em qualquer um dos objetos nos salões, ele se aproxima e permite que você observe o objeto mais perto, como se estivesse em um museu real.

Muitas das relíquias do site vêm do Museu Nacional do Iraque, encerrado em 2003, quando as forças dos EUA invadiram o Iraque e depois reabriram oficialmente em 2015. O museu inclui muitas salas de exposições, classificadas por períodos históricos, assim como sua versão online, E exibe muitos monumentos assírios e escritos cuneiformes.

Junaid Amer Hamid, um arqueólogo do Museu Nacional do Iraque, disse ao Al-Monitor que o projeto do museu nacional virtual começou em 2005 através da cooperação com os esforços americanos e italianos, mas também foi "lento no início por causa da falta de financiamento". Como segurança e condições políticas no Iraque ".

Ele previu que os "próximos dois anos testemunharão a conclusão do museu virtual, que incluirá a maioria das relíquias e artefatos do Iraque".

Hamadani, cujo trabalho arqueológico é reconhecido no site, disse que, apesar de todas as dificuldades financeiras e tecnológicas, realizaram-se progressos consideráveis ​​no museu virtual. "O primeiro passo foi traduzir textos em árabe e editar os textos", afirmou. "Eu estava pessoalmente envolvido no processo de tradução e na publicação de informações em árabe, inglês e italiano. De fato, relíquias dos 23 salões do museu iraquiano foram colocadas on-line, divididas de acordo com as idades históricas cronológicas, desde os tempos pré-históricos até o fim da era islâmica ".

Mas as dificuldades financeiras interromperam o trabalho, disse Hamadani. O subsídio japonês foi usado para superar o estrangulamento financeiro.

"O subsídio japonês inclui câmeras, computadores e outros dispositivos que serão usados ​​para documentar e gravar digitalmente antiguidades iraquianas", disse Tanheen Ali Al-Miyadi, um oficial de informações no Museu Nacional do Iraque. "O patrimônio cultural iraquiano será gradualmente transferido para um museu virtual comparável às práticas internacionais".

No entanto, o processo de documentar os itens existentes e rastrear os perdidos continua a ser difícil e demorado. Algumas das imagens existentes dos tesouros antigos não atendem aos padrões de qualidade dos museus virtuais. Hamid, um arqueólogo do Museu Nacional do Iraque, disse: "As relíquias do Iraque, incluindo as do Museu Nacional, não possuem imagens virtuais de alto nível. O que é exibido online não possui tecnologia de efeitos e três dimensões e imagens animadas. Se estes pudessem ser melhorados, isso poderia levar a mais interações com o visitante ".

Além disso, algumas das peças foram saqueadas durante a invasão americana em 2003 e nas guerras subsequentes da região, e seria difícil, se não impossível, produzir imagens digitais precisas.

"A destruição da herança iraquiana em Nineva foi uma experiência dolorosa, não só para o Iraque, mas para o mundo inteiro", disse Miyadi, acrescentando que as antiguidades alojadas lá não estavam bem documentadas e levaria muito tempo e esforço para recuperar isso em formação.

Mas ela também afirmou que a concessão japonesa por si só não será suficiente para documentar todos os artefatos arqueológicos do Iraque. "Isso exige esforços locais e internacionais concertados para apoiar um museu virtual de relíquias do Iraque, que terá os mesmos padrões que os museus virtuais mundialmente famosos", disse ela.

Os esforços exercidos pelo Ministério do Turismo e Antiguidades a nível internacional resultaram no estabelecimento de um fundo para doadores em Paris, no dia 17 de maio, cujo orçamento totalizava US $ 100 milhões para apoiar a reabilitação e a preservação do patrimônio iraquiano.

Ali Sharif, chefe do Comitê Parlamentar de Turismo e Antiguidades, disse ao Al-Monitor: "O Iraque está em extrema necessidade de um museu virtual que inclua uma base de dados eletrônica abrangente de todas as antiguidades e relíquias do Iraque".

Ele expressou a esperança de que o Iraque, com a ajuda da Organização Árabe, Organização Educacional, Cultural e Científica (ALECSO), complete este museu virtual até 2018, após o desenvolvimento das habilidades acadêmicas e profissionais necessárias. "O estabelecimento de um museu virtual reduzirá o custo da criação de exposições de campo das antiguidades do Iraque em diferentes países, o que [impõe] o orçamento iraquiano", afirmou.

Hamadani disse que os subsídios financeiros e o apoio da UNESCO e da ALECSO ajudariam a definir uma data de conclusão para a conclusão do museu virtual, desde que o pessoal iraquiano seja treinado por especialistas estrangeiros especializados.

A invasão dos EUA em 2003 e a derrubada de Saddam Hussein no Iraque provocaram um grande golpe no patrimônio histórico do Iraque. Muitos locais arqueológicos e museus foram saqueados, e os marcos históricos foram mais tarde destruídos nas mãos de grupos extremistas. O museu virtual é um desenvolvimento oportuno, trazendo a herança do Iraque para o público global em um momento em que o interesse é alto. O pavilhão iraquiano da Bienal de Veneza colocou muitas partes da antiguidade iraquiana em exibição fora do Iraque pela primeira vez e tornou-se uma das partes mais visitadas da exposição internacional.